Casa dos Contos Eróticos

Perdi minha Esposa - Fui culpado

Autor: Danisl
Categoria: Heterossexual
Data: 03/07/2015 10:55:31
Nota 9.55
Ler comentários (9) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Tudo começou quando Juliana, minha esposa, preocupada com as despesas domésticas e a dificuldade financeira em que nos encontrávamos, sugeriu que buscasse um emprego, para ajudar na manutenção doméstica e nos equilibrarmos financeiramente. Neste período, eram freqüentes as brigas em função disso.

Após contato com conhecidos, Juliana conseguiu colocação em uma revenda de veículos. A sua experiência em vendas, quando ainda trabalhava antes de nosso casamento, há quatro anos atrás valeu para sua contratação.

Juliana é uma linda morena, 26 anos, 1,69m, 56kg, cabelos na altura dos ombros, seios fartos e empinados, uma bundinha arrebitada, nem grande nem pequena, mas que chama atenção.

Quando começou seu trabalho, as coisas estavam super bem. Disse que foi bem acolhida pelos sócios da revenda, o Sr. Maurício, 35 anos e Sr. Paulo, 42 anos. Como ela sempre foi super competente, os resultados logo vieram, sendo Juliana a campeã de vendas, até porque o momento facilitava, foi premida inúmeras vezes, e logo o seu salário superava em muito o meu. Apesar de não ser machista, aquilo me incomodava, mas deixei assim.

O tempo foi passando, e Juliana cada vez mais envolvida com o trabalho, representando a empresa em eventos do setor automobilístico, assumindo em seguida a gerência de marketing, sua formação acadêmica. O nosso afastamento foi aumentando, sendo que ficávamos até um mês sem transar. Ela sempre alegando cansaço ou algo parecido. Eu fiquei na minha, pois na época, estava tendo um caso com uma aluna, sou professor de uma escola secundária, e uma aluna do último ano, com 18 aninhos, se oferecia quase todo dia. Não resisti e comia a menina quase todo dia. Ela era uma vadiazinha: fazíamos de tudo…comia a sua bundinha e ela delirava. Cheguei a come-la em na cama de seus pais em uma tarde.

Mas voltemos ao assunto principal deste relato!

Em um certo dia, Juliana disse que ficaria 15 dias fora, pois acompanharia o Sr. Paulo a Detroit (EUA) para uma feira internacional. Não relutei, pois estava encantado com minha gatinha. Quando ela viajou, a menina passava as noites aqui em casa. Transávamos loucamente, sendo que numa noite ela trouxe até uma amiga…que queria ser desvirginda por um homem de verdade. Realizei a sua fantasia e descobri a bissexualidade das duas. Nunca havia visto duas mulheres transarem daquele jeito, com amor e selvageria. As duas se chupavam, lambiam, penetravam todos os seus orifícios, esfregavam suas bucetas completamente depiladas, algo indescritível. Gozei muitas vezes só assistindo.

Quando Juliana voltou, eu estava cansado, mas ela nem reparou. Já ela, voltou mais linda, segura de si, estava brozeada, e trouxe muitas ropuas e jóias, dizendo que havia comprado com o seu salário e não me devia explicações. A partir deste dia, ela me tratava com desdém, nem ligava para mim. Cheguei a fazer um teste, convidando minha aluninha para uma aula especial em casa. Ela nem ligou. E olha que a guria estava demais… com uma roupa provocante e tudo mais.

Isso me preocupou e comecei a ficar mais atento. Numa quarta feira, Juliana disse que passaria a noite fora, pois estaria em viagem a uma cidade próxima e pernoitaria em um hotel.

Decidi verificar. Matei serviço aquele dia e dispensei minha aluna putinha. Quando chegou perto das dezessete horas, vi quando o Sr. Paulo e Juliana saíram da empresa, num carro novinho, com insulfilm.

Assustei-me quando o carro, que agora eu seguia, entrou em um motel de luxo na cidade. Fiquei ali de plantão, mas os dois só saíram na parte da manhã. Sabia que o Sr. Paulo era casado e que tinha fama de galinha…mas a mulher agora era a minha esposa.

Corri para casa, e quando Juliana entrou em casa e me viu com olheiras e tudo o mais, ainda riu de minha cara dizendo: – passou a noite na Internet, cuidando de tuas aluninhas?…aquilo bateu fundo…será que ela sabia de tudo e estava se cobrando?

Vi quando ela entrou no banheiro para tomar um banho…ela estava descansada…e selecionou cuidadosamente sua langeri…e percebi que eram super sensuais e provocantes. Quando ela saiu e comentei que aquilo não era roupa de uma mulher ir trabalhar…ela simplesmente riu. Quando se vestia, pude perceber que o seu corpo estava maravilhoso. Ela estava fazendo ginástica e tudo o mais…reparei que havia umas chupadas em seu corpo, nos braços, na barriga.

Nos dias que se seguiram fiquei maluco e seguia minha mulher por todo o canto. Não atendia mais o telefone da empresa a ponto de ser demitido pelo chefe que me odiava. Quanto a minha gatinha, ela me aprontou uma que foi o meu fim. Me atraiu para o banheiro feminino do ginásio esportivo e pediu para que transássemos ali mesmo, sobre os colchonetes. Não tardou muito, fomos flagrados pelo diretor, que havia sido avisado do comportamento não muito normal de um professor e de uma aluna. O flagrante ocorreu inclusive pelo pai e mãe da menina no exato momento em que fazíamos um 69. Minha língua penetrava sua chana e ela aos berros gritava para mim enterrar mais a língua. Fui demitido por justa causa e a menina convidada para se retirar do reconhecido estabelecimento de ensino.

Como podem ver estava na pior. Mas isso não foi tudo. Em minhas investigações, descobri que Juliana estava tendo um caso duradouro com o Sr. Paulo como marido e mulher. A esposa dele sabia de tudo e aprovava. Juliana havia conhecido a mesma e apaixonaram-se. Muitas vezes, a cama era dividida pelos três em grandes orgias que varavam a noite. As inúmeras viagens que ela fazia, muitas vezes eram para lugares paradisíacos, quando então transavam loucamente.

O meu relacionamento com Juliana acabou e ela me deu um tremendo chute na bunda. Mas nem tudo está perdido. A menina da escola me procurou e transamos mais algumas vezes. Ela engravidou e o seu pai me chamou, exigindo que assumisse algo com ela. Como estava na merda, não pensei duas vezes. Assumi tudo e de lambuja recebi um bom emprego na empresa do sogrinho. Acabei comprando um carro na revenda de Juliana…e com grande competência, levei a vendedora para cama, sentindo-me de certa forma justiçado. A menina era fogosa e comi sua buceta e cuzinho em nosso primeiro encontro. O único problema foi que ela engravidou e o maridão está no meu pé…pois ela acabou entregando o serviço para ele na pressão. Ele contratou uns caras para me darem um susto. Me pegaram numa esquina e me encheram de porrada. Tive de simular um assalto e tudo.

Minha aluninha, continua uma puta…pois dá para qualquer um. Da empresa do pai, já vi quase todos provarem o seu boquete. Ela não pode ver um pau que se descontrola completamente. Um certo dia, declarou amor incondicional por mim, mas disse que continuaria a ser uma Puta…pois adorava conhecer novos homens e picas diferentes. Ela era viciada em porra…bebia e classificava os diferentes sabores! Mas a vida é assim…as vezes se ganha…as vezes se perde!! É da vida galera!!!

Comentários

06/07/2016 17:50:03
Cara, desculpe, mas tive de rir bastante...sua narrativa é boa, descontraída e transformou isso tudo numa tragicomédia, parabéns! advogadocasado40@hotmail.com
18/02/2016 18:04:10
adorei já eu ate troquei o remédio do minha esposa para ver se o amante dela a engravida mais como ele e casado nuca faz sem camisinha mais sempre tem uma possibilidade se estourar claro ela ñ sabe que faço isso se ela aparecer gravida vai achar que é meu kkkk
17/12/2015 08:46:27
Nesse jogo de ganha e perde, acho que não há culpados, querido. Tu eras liberal, assim como as parceiras. Faltou talvez maturidade para separar sexo do amor. Poucas sabem distinguir isso. Eu mesma, só depois de vários percalços da vida vim a saber. Parabéns pelo relato. Se puderes, leia os meus dramas. Nota dez e beijocas.
01/10/2015 12:19:03
Adorei o relato, Dani. A vida tem mesmo dessas coisas. Eu acho que você não pode se queixar. Afinal, antes da Juliana se envolver com os patrões, você já ficava com as aluninhas. Talvez se vocês tivessem aberto o jogo na época, estariam até hoje juntos num relacionamento aberto. O negócio é não errar de novo com a nova esposinha. Grata pela visita. Adorei teu comentário em meu conto. Tem outros que talvez lhe agrade. Para achar é só clicar no meu nome. Beijos.
15/09/2015 20:14:50
Que pena corninho! Mas lhe dou a nota máxima e grata pela visita.
06/07/2015 06:18:11
se a mulher é vagabunda o homem não tem culpa alguma, ate mesmo pq acho q nada justifica a traição, se fez, fez consciente q ia machucar, besta do homem q fica se culpando por erro dos outros.
03/07/2015 12:50:44
Muito bom, que confusão você arrumou!!!
03/07/2015 12:41:22
cara, vai fundo, vc tá no caminho certo.
03/07/2015 11:57:55
bacana parceiro, não é muito exitante, parece mais cômico! rsrsrs

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.