Casa dos Contos Eróticos

O Instrutor 4

Um conto erótico de Josh
Categoria: Homossexual
Data: 11/03/2015 07:59:06
Nota 9.00

E eu fiquei lá, paralisado, sem acreditar no que eu acabara de ouvir. NAMORAR? Será que eu tinha entendido certo, NAMORAR?

Ele saiu do banheiro já trocado. Eu me vesti também, e saímos.

Assistimos a todas as palestras da manhã. Saimos para almoçar em um restaurante que tinha lá perto. Voltamos para o congresso, assistimos ao ciclo de palestras da tarde, que terminou às 18:00 horas.

Fomos para o hotel correndo, porque ele tinha que apresentar outro poster às 19:00 horas.

Chegando lá, ele entrou para o banho e, 5 minutos depois, já estava lá no quarto se secando. Eu, então, falei:

- Mas que porco! Que banho foi esse? Como que alguém se limpa em 5 minutos?

Ele: Ahh, eu tenho que estar lá às 19:00... e já são 6:30.

Eu: Hauhauhau, eu, heim, vc deve estar fedido! Tomara que o avaliador não chegue muito perto, hauhauahua

Ele: Fedido nada. Eu sempre tomo banho rápido. Já estou acostumado.

Eu: Sei, sei... vc só tomou esse pseudo-banho pra ficar com esse cabelinho molhado! Vc não me engana, não.

Ele: Vem aqui me cheirar, então, pra vc ver.

Eu: Melhor não, porque, senão, eu não vou conseguir deixar vc sair daqui tão cedo... hauahuahauhau

Ele: É, então deixa quieto. Vc me cheira hj a noite!

Eu: Com todo prazer!

Ele veio até mim, deu um beijo rápido, falou tchau, e saiu.

Eu iria mais tarde, lá pelas 21:00 horas, pois haveria uma festa de confraternização.

Perto das 9 da noite, eu me arrumei, e sai também.

Chegando no local do evento, eu dou de cara... adivinhe com quem!

Com a loira vadia da sorveteria. Ela me olhou de cima a baixo, se virou e entrou pros interiores do prédio.

Ela estava com uma mini saia rosa choque, sapato rosa choque, bolsa rosa choque e uma blusinha, com um decote em V gigante, branca. Tava uma puta típica. Usava um batom também rosa choque. Não reparei nas unhas, mas, com certeza, também deveria estar pintadas com esmalte rosa choque. A vontade que eu tive foi de ir perguntar quanto custava o programa. Mas, claro, me segurei...

Fui em busca do Nícholas. Aquele salão estava muito lotado, muitas rodas de amigos, muita bebida (de graça!!), comida (também de graça!)... uma loucura.

Procurei, procurei... e vi uma cena que eu custei acreditar, que estava vendo:

Aquela vagabunda estava conversando com Nícholas. Estavam eles dois e mais um monte de homens, na msm roda.

E o pior de tudo, o imbecil do Nícholas estava todo animado, falando com a vadia.

Nossa, me subiu um ódio. Senti minhas orelhas esquentarem... parecia que estavam pegando fogo. Eu tive que ficar falando pra mim msm:

- Calma, Josh, se vc for lá socar a desgraçada, vc vai preso... Controle-se.

Ai, eu não poderia aceitar aquilo. Como assim ela ainda tinha cara de falar com o Nícholas, depois de tudo que ela passou...

Se eu estivesse de 4, dando pra alguém, que eu conheci no msm dia, e uma pessoa entrasse, como aconteceu com ela, eu ia querer distância total!

É muito vexatório, não é possível que ela não tenha vergonha.

E o viado do Nícholas... Me come duas vezes num msm dia, e no outro já vai dar trela pra essa vadia?

Eu tava a ponto de infartar, de tanta raiva.

Sabe quando surge um diabinho do um lado, incentivando a fazer uma maldade, e um anjinho do outro, tentando amenizar as coisas?

Pois é, acho que, em mim, surgiram uns 10 diabinhos de cada lado. A raiva foi tanta, que o anjinho não teve nem como aparecer.

Eu ia me vingar muuuuuuito bem vingado, daquela loira escrota.

Fui até o balcão de bebidas, que estava lotado. Peguei uma imensa fila, até que chegou minha vez. Pedi um cálice de vinho tinto.

Pois bem, peguei o vinho e sai andando, olhando pro nada, como se estivesse admirando o acabamento interno do prédio.

Fui em direção à loira oxigenada. Ela estava de costas pra mim. Quando estava muito perto, fingi que tropecei e, por uma infelicidade do destino, o vinho manchou toda a parte de trás da daquela blusa branca decotada, breguíssima.

Ela se virou com tudo, com uma cara desesperada, misturada com uma expressão de: o que que aconteceu?

Quando ela se virou, e entendeu o que tinha acontecido, ela gritou comigo:

- Mas não é possível. Olha o que vc fez!

Eu respondi, muito ironicamente e bem alto, pra que todos da roda pudessem ouvir:

- Nossa, não é possível msm! Eu só dou mancada com vc... Não foi vc que estava de 4, dando o cu pro Nícholas, aquele dia que eu entrei correndo no quarto, porque estava passando mal?

Os meninos da roda começaram a dar risada.

Ela, vermelha, não sei se de raiva ou de vergonha, talvez os dois, saiu pisando bastante duro... e creio que chorando.

Eu tinha orgarmos múltiplos, por ter me vingado dela... Internamente, eu dava gargalhadas maléficas (Mua ha ha ha ha). A vingaça tinha, finalmente, sido plena.

Eu sei que malvadeza não faz bem a ninguém. Mas, a mim, fez muito bem. Era uma necessidade. Todos da roda ficaram rindo, perguntando ao Nícholas se era verdade que ele tinha comido ela...

Pude perceber que, na hora que eu falei, o Nícholas não tinha gostado. Mas, quando o pessoal começou a dar risada, ele deu uma de malandrão, e ficou se gabando por ter comido... Contava com o maior orgulho, como se fosse mérito comer uma mulher, que dá pra qualquer um.

Ficamos lá conversando. Reparei que o Nícholas não estava dando muita bola pra mim. Ele estava frio, impessoal. Só me restava saber se era porque estávamos em um grupo de homens e, por medo que desconfiassem de algo, ele me tratava como qualquer um, ou se ele estava bravo comigo, por eu ter feito aquilo com a vadia.

Hoje, pensando, eu tenho um pouco de dó dela, porque ela não tinha como imaginar que eu era afim dele... e, muitos menos, imaginar que ele estava me comendo.

Ela só aceitou um convite de um cara lindo e charmoso.

Mas, na hora, eu não me segurei. Era muita raiva de uma vez só. Como eu disse, nada, em mim, me aconselhava a não fazer aquilo com ela. Por isso que eu disse que o anjinho não apareceu. Na hora, nada me fazia sentir remorso, culpa, nem nada do gênero. Sentia apenas uma satisfação imensa.

Fui começar a sentir remorso, quando pensei na possibilidade de o Nícholas estar me ignorando por eu ter feito aquilo.

Com o passar do tempo, eu comecei a ter certeza de que ele estava bravo comigo. Bravo não, MUITO bravo comigo.

Ele não olhava nos meus olhos, mas ficava se gabando por ter comido a mina.

Eu não tolero hipocrisia... e disso, naquela noite, não faltava no Nícholas.

Eu já estava ficando irritado com ele. Eu estava com um instinto barraqueiro, vingativo. Mas, eu sabia que não valia a pena brigar com ele por isso. Pelo menos, não no meio de um monte de gente.

Resolvi sair da roda e buscar bebida.

Tinha caipirinha de saquê, vodka, pinga... dos mais diversos sabores. Um monte de frutas, a nossa escolha. Havia também vinho tinto, vinho branco, cerveja, chopp... Nossa, tava um paraíso aquele balcão. Ainda mais porque TODOS os Bar men eram lindos... um mais bonito que o outro.

Eu não cansava de ir lá, fazer pedidos, hauhauhauhauhauhau.

Perdi as contas de quantas caipirinhas eu tomei. Foram muitas, acho que mais que 10.

Fiquei conversando com o resto do pessoal do lab... deixei o Nícholas pra lá.

Eu, claro, depois de tanto álcool, já estava no grau.

Estava eu lá, com o pessoal do laboratório, quando resolvo ir à procura do Nícholas. Eu estava quase que andando em zig zag. O teor alcóolico do meu sangue deveria estar muito alto.

Eu ria de tudo... andava por aquele salão com um sorriso, que dava pra dar laço atrás da cabeça.

Procurei, procurei, procurei, e nada do Nícholas.

- Aonde será que ele se meteu? (eu pensava, ou falava, não lembro direito!)

Encontrei um dos meninos que estavam na roda. Rapidamente, corri até ele, para perguntar sobre o Nícholas.

Eu: Fala ae, blz?

Ele: Tudo blz, hauhauahau, mas parece que com vc, não. Bebeu muito?

Eu: Que nada, só um pouquinho. (E eu achando que, realmente, ele ia acreditar em mim. =/)

Ele: Hauhauhaua, é, to vendo o pouco que vc bebeu.

Eu: Então, deixa eu falar. Vc, por acaso, não viu o Nícholas? Aquele garoto bonitão, que estava conversando com a vadia? (Ai, olha o álcool me revelando!)

Ele: Hauhauhauhaua, garoto bonitão? Vc o acha bonitão?

Eu: Acho lindão, gostosão. Fode super bem. Vc não viu ele não?

Ele: Hauahuahauhauhau, eu vi sim... Ele foi embora pro hotel.

Eu: Mas que cachorro... foi embora e nem me chamou.

Ele: Vc está no msm quarto que ele?

Eu: To.

Ele: Ihhh... por essa eu não esperava, hauhauhau.

Eu nem entendi o porque dessa última frase. Agradeci e fui para o hotel também.

Cheguei no hotel, depois de cair na calçada 3 vezes, durante o percurso. O meu estado era deprimente.

Não achava o cartão do quarto. Bati na porta, para que ele a abrisse para mim.

Ele abriu, viu o meu estado, e nem deu bola. Nem tentou me ajudar. Se virou, e deitou na cama, de novo. Ele estava de cueca.

Eu, com roupa e tudo, deitei na cama, ao seu lado, e adormeci.

Acordei de madrugada, com uma puta dor de cabeça, uma sede do caralho. Uma ressaca muito forte. Tomei água e voltei a deitar. Qd eu encostei a minha cabeça no travesseiro, tive um insight. Eu comecei a lembrar da conversa com o cara.

Nossa, que desespero, que vergonha, que raiva de mim, que remorso por ter bebido. Não sei explicar quais sentimentos me vieram. Acho que era um misto de todos eles.

Vcs têm noção da bosta que eu tinha falado por muleque?

Não era possível que eu tinha feito uma burrada dessa. O cara é puta amigo do Nícholas. Com certeza, ele ia contar ao Nícholas, o que eu tinha dito. Eu ia estar, simplesmente, fodido, no mau sentido!

E pior, se ele espalhasse que o Nícholas e eu estávamos tendo um caso?

Nossa, eu rezava para que essa conversa tivesse sido um sonho. Sabe quando vc não consegue saber se algo aconteceu de fato, ou se é sonho? Eu estava assim.

Fiquei matutando lá... não conseguia dormir. Essa conversa me atormentava.

Me virei por lado, pra ver o Nícholas. Ele estava dormindo.

Eu sabia que precisava urgentemente falar com ele. Sobre o que eu tinha feito com a menina. Mas, agora, me pairava a dúvida: eu deveria contar, também, sobre a conversa com o amigo dele, ou não?

Peguei meu celular, e vi que eram 5:50 da manhã. Eu não tinha sono nenhum. Resolvi esperar o Nícholas acordar, pra tentar acertar tudo com ele.

A minha vontade era de chorar: eu tinha saído do céu, pro inferno. Eu nem sabia se o teria mais. E ainda corria o risco de rodar um boato, pela universidade, de que nós somos gays. Isso me aflingia muito.

Pra piorar, eu comecei a pensar no meu mestrado. Se, tudo que eu pensei, ocorresse, eu ia perder meu mestrado. Ele não iria mais me orientar.

Eu jurei pra mim msm que, se minha vida desmoronasse dessa forma, eu iria lançar um livro: Aprenda como fuder a sua vida em uma noite.

Amanheceu, e eu estava lá, sofrendo, ainda.

Era o dia de voltarmos pra nossa cidade. Ao meiodia, era a entrega dos certificados e às 13:00 horas, a premiação.

O nosso avião saia às 16:00 horas.

Eu o acordei. Ele abriu o olho, e não falou nada. Então, eu disse:

- Hoje é o dia de ir embora. Nós temos que buscar os certificados e ver se ganhamos algum prêmio.

Ele: Que horas que é o encerramento?

Eu: Meio dia.

Ele: E que horas são, agora?

Eu: 9 da manhã.

Ele: Ahh, então me deixa dormir.

Eu peguei em seu braço. Ele me olhou assustado. Eu falei:

- Não. A gente precisa conversar.

Ele: Não to afim.

Eu: Não me importa, ontem vc não olhou pra mim. Algo está errado. Vamos conversar.

Ele se sentou na cama e falou:

- E vc queria o quê? Vc foi ridículo, ontem.

Eu: Mas a menina mereceu, é uma puta.

Ele: Coitada! Já não bastava a vergonha que vc a fez passar, quando entrou aqui, e, ainda, fez questão de anunciar pra quem quisesse ouvir, que vc nos pegou transando?

Eu: E vc ficou todo bravo comigo, mas se gabou de ter comido a mina. Contou pra todos como se fosse um troféu, uma medalha. Uma marca na sua vida. Que hipocrisia é essa?

Ele: É claro. Eu tinha que descontrair, pra situação não ficar pior.

Eu: Ah, ta bom, eu posso ter exagerado. Mas a minha raiva era muito grande. Eu sai fora de mim.

Ele: Mas, por que diabos vc tava com raiva dela?

Eu: Porque eu te amo. É isso que vc quer ouvir? EU TE AMO. Estou apaixonado por vc. Fiquei com ciúmes de ver vcs dois conversando. Está satisfeito?

Ele ficou quieto. Não respondeu nada. Só ficou me olhando.

Eu: Que que foi? Agora não vai mais falar nada? Ficou bobo? Mudo?

Ele pos a mão na minha boca, tapando, e falou:

- Não fale mais nada.

Se aproximou de mim, e me beijou.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
08/07/2018 18:32:12
muito bom
29/03/2015 01:11:53
Preciso beber mais kkkkk
20/03/2015 17:08:58
Que coisa paia doido fazer isso com a garota! Quem nunca aqui tranzou com uma pessoa que conheceu no mesmo dia? Sua atitude foi muito recalcada!
11/03/2015 22:45:41
continue logo
11/03/2015 22:21:54
O negócio tá ficando bom!
11/03/2015 17:40:55
Estou curioso para saber no q vai da essa confusão td
11/03/2015 14:29:37
11/03/2015 14:29:34
Comecei a ler hoje e já amei,até agora melhor conto de sua autoria.Não demore a posta *-*.
11/03/2015 13:40:57
Rapaz que diabólico você foi kkkkkkkk agora vacilou em ter falado aquilo com o amigo do bonitão, tenho certeza que essa historia vai render muitas insatisfações. Mas ficou muito bom esse capítulo, não demora a postar.
11/03/2015 11:15:45
Eita que o negocio agora tá ficando melhor ainda!
11/03/2015 10:50:29
Que lindo!
11/03/2015 10:35:57
Estou me roendo de curiosidade pra saber oq vai acontecer