Casa dos Contos Eróticos

Minha mulher chorou na rola do garoto.

Um conto erótico de Coroa casado
Categoria: Heterossexual
Data: 08/03/2015 12:50:05
Última revisão: 31/03/2017 16:44:32
Nota 9.88

Quem leu meus contos, (quem não leu, é só clicar no meu nick para achar) sabe que há muitos anos, estamos vivendo no Japão. E lá, pela primeira vez, minha esposa, que casou virgem e só havia transado comigo, acabou experimentando um japonesinho. Mesmo constrangida, gostou.

Mika, minha esposa, continua bonita apesar da idade, com 1,63m, falsa magra, nissei filha de japoneses, pele lisa e branquinha, muito sexy. Talvez o sangue oriental fez com que o envelhecimento seja lento.

Confesso que nem deu para ficar encucado em vê-la com outro. Aconteceu e pronto. Foi excitante, servindo para aumentar nosso tesão na cama. Passamos a transar mais relembrando aquela aventura.

Contatamos vários rapazes, candidatos a menage. Ela olhava as fotos sem muito entusiasmo. Só mostrou interesse por três deles. Porém, disse que não queria fazer de novo. Deveríamos ficar só na fantasia.

Sem ela saber, eu fiquei mantendo contato com esses três. Um deles me pareceu um bom rapaz. Do tipo confiável, educado e que como nunca tinha comido uma japonesa, estava louco pela minha mulher. E disposto a nos encontrar.

Expliquei que ela não estava disposta, todavia, ele poderia tentar. O acordo era que eu facilitaria as coisas, sem garantia de que resultasse em transa. Ia depender dela. Poderia ficar apenas numa amizade, condição aceita.

Vou chamá-lo de Ed, 19 anos, universitário, com algum sangue europeu. Certa vez, Mika disse que gostaria de ver como era transar com um brasileiro. O rapaz, branquinho, castanho claro era o tipo ideal. O rosto tinha agradado.

Fevereiro, fomos para o Brasil. Nossa cidade de origem é no interior paulista. Em cada ida, para fazer compras, ficamos alguns dias na capital, bairro da Liberdade num hotel japonês.

Desta vez, reservei o primeiro dia num hotel na rua da Glória e os seguintes no hotel que sempre ficamos, na rua Galvão Bueno. Ao chegarmos, Mika reclamou do hotel. Dava para ver que esse hotel também recebia casais para programas. Dei a desculpa que nosso hotel estava lotado e só poderíamos ir para lá no dia seguinte.

Em segredo, eu tinha reservado o apartamento do lado para o Ed. Combinamos que quando fôssemos sair, eu daria batidas discretas na sua porta. Assim, nos encontramos ¨sem querer¨ ao tomar o elevador. Na Praça da Liberdade tinha a feirinha dominical.

Ed puxou conversa conosco, mais com a Mika, que por sorte, nem se lembrou que já tinha visto a foto dele. Isso porque, na ocasião, ainda estávamos no Japão e ela tinha visto a foto de vários rapazes. Do jeito que simpatizou com ele, percebi que a coisa prometia.

Ficamos passeando a três. Me afastava sempre que podia, deixando-os curtir a intimidade. Mika já estava mais a vontade. Parecia que conhecia o rapaz há muito tempo, conversando animadamente. Até partiu dela a sugestão para que Ed se juntasse a nós para o almoço.

De volta ao hotel, na porta dos nossos quartos, reparei a maneira que ele a beijou na face, quase um selinho, o ventre colado no dela, que parecia não se incomodar. Pelo contrário, deixou ficar suas mãos na dele. Depois, no nosso quarto, assunto era o garoto, com minha mulher falando ¨Ed isso, Ed aquilo¨ e eu:

- É, ele parece ser um cara legal.

- Ele é bem bacana. Sabe que ele tinha uma namorada e terminou faz poucos dias?

- Ah é ?

- É e... não sei se você percebeu... ele gostou de mim.

Disse isso meio hesitante e faceira, se sentindo a tal, por ter sido cortejada por um garotão. E completou:

- Sabe aqueles peruanos tocando flauta na praça? Então, quando paramos para assistir, o Ed veio por trás e me encoxou. Ficou esfregando o negócio na minha bunda. Tava duro que nem pedra! O troço parece bem grandinho...

Puta que pariu! Será que o sujeito tem o cacete maior que o meu? Não é agradável imaginar que o cara que está a fim de comer a sua mulher é mais dotado. Sem perder a deixa e perguntei:

- Ah é ? E você, gostou dele?

- Ele é bonitinho e... não sei...

- Só bonitinho? Se ele quisesse te comer, você daria pra ele?

- Não sei... Ele parece gostosinho, acho que, sei lá, talvez.

- Você não disse que queria um dia ver como era com um brasileiro? Pois é, taí a chance. Amanhã vamos trocar de hotel. Se for, tem que ser hoje e agora!

- Agora? Você não vai achar ruim?

- Se quando você deu para aquele japa, eu não achei ruim, não vai ser agora, né?

- Sei lá se devo...

- Olha, vou dar uma saidinha e pedir para ele vir aqui. Enquanto isso você pensa, tá bom?

Saí antes que Mika retrucasse. Coração acelerado, vivendo a expectativa de realizar algo planejado, desejado e controverso. A excitante fantasia de entregar a esposa a outro macho e também, a pressão das convenções sociais, visto que fomos educados para ser donos da conjuge. O tabu em não compartilhá-la sexualmente. De levar chifre...

Bati no quarto do lado, dizendo ao Ed que ia dar um tempo para ele. Ainda ensinei que se conseguisse chupar a xoxota dela, aí a transa estaria garantida. No final recomendei:

- Ela não faz anal, tá bom? Se ela deixar, transa só com camisinha.

Saí do hotel, indo tomar um café para me acalmar. Fiz hora numa banca de revistas, olhando as capas e comprei um jornal para não ficar chato. Já tinha passado certo tempo. Achei que era hora de retornar.

A ansiedade de ver como ia as coisas era grande. Se demorasse muito, perderia o melhor. Se chegasse cedo demais, poderia estragar tudo. Oh, duvida cruel! Andei até outra banca de revistas e fiz a mesma coisa.

Ed já tivera tempo mais do que suficiente para seduzir minha esposa. Se não tivesse conseguido nada, era porque não iria acontecer mesmo. Por um momento achei até que não seria tão ruim. Voltei ao apartamento. A porta estava trancada. Como eu estava com um dos cartões-chave, abri a porta.

O que vi, fez cair a ficha. Minha mulher deitada de costas na cama, toda nua, com a cabeça do Ed entre as pernas. Ele só de cueca, chupando a xoxota dela com vontade, arracando gemidos de prazer. Mika logo estava gozando na boca do moleque. Com certeza não era a primeira vez.

Aquela cena me deixou de pau duro na hora. Ela estava tão extasiada que nem percebeu minha chegada. Só quando levantou é que deu conta da minha presença. Me olhou como pedisse permissão para continuar. O olhar suplicante de quem está tomada pelo desejo.

Deu vontade esquisita de dizer não. Mas, era o que eu queria. Não tinha sido eu quem armou tudo aquilo? Dei um sorriso amarelo e meio relutante, acenei positivamente com a cabeça.

Mika então, tentou abaixar a cueca, que enroscou no mastro duro. Ao libertá-lo, deu uma afastada rápida do tronco, assustada com o tamanho e grossura da rola. Era bem maior e muito mais grossa que a minha ou a do japonesinho com quem ela havia transado.

As veias inchadas, na extensão branquinha, meio torto para cima. A cabeça inchada e escura, quase roxa, se destacando. Comparando com os que vejo nos filmes pornôs, não era tão gigantesco assim. Para ela que tinha aquilo na frente da cara, parecia enorme, assustador.

Ela começou pegando nele, de forma tímida e admirada. Depois começou com um beijinho na glande. Abocanhou a ponta sentindo a espessura e dureza. Mais confiante, iniciou um boquete saboreando a experiência de ter um pau grande à disposição.

Brincou com o falo, arrancando fortes suspiros de prazer do rapaz. De forma instintiva, ele começou a mexer o quadril, procurando dar estocadas na boca dela. E numa dessas, o pau entrou fundo, a ponto de faze-la engasgar e tossir. De imediato, ela parou.

Ed estava louco de tesão, pronto para meter. Pegou uma camisinha no bolso da calça jogada no chão e encapou o cacete. Dava para ver que a vontade era tanta que a vara se mexia, tamanho desejo. E aquele naco de carne, estufando o preservativo pareceu ainda maior.

Esta acontecendo! Sabe aquela sensação de quando nos deparamos, na vida real, algo que vemos em filmes? Um misto de esturpor, de desejo de fuga da realidade, de que seja apenas um ¨faz de conta¨ ? De que parece real, mas, no fundo sabemos que não é?

Era isso que eu sentia quando ele se acomodou no meio das pernas da minha doce esposinha e procurou a penetração. Não me acostumei ainda e acho que não vou nunca me acostumar em vê-la dando para outro. Olhei para o rosto da minha mulher e me assustei, ao notar que ela fez uma expressão de dor e medo, acho que quando a cabeça entrou.

Ela é bem apertadinha, até mesmo para a minha pica. Cerrou firme as pálpebras, recebendo um macho mais avantajado dentro dela. Por um momento, fiquei sem saber se intervia, duvidando que ela aguentaria. Olhei para o traseiro do Ed. Pelo jeito que estava encaixado, calculei que já tinha enterrado quase tudo dentro dela.

Mika respirava forte, soltando todo ar do pulmão a cada empurrada, que pouco a pouco, foi ficando mais veloz, virando bombadas. Minha esposa passou a gemer, soltando uns ¨ains¨ esquisitos, ao ritmo das socadas. Olhei para a bunda do moleque e via os musculos dos glúteos retesarem, a cada empurrada.

A piroca daquele macho, ao entrar e sair, de forma profunda, devia estar alargando sua delicada bocetinha.

E o tempo para mim, parecia não passar. Sei lá se foi minutos, com impressão de que durou horas. Era uma sensação idescritível, mas, me excitava, a ponto de estar com o pau estourando de duro. As bombadas do Ed eram agora fortes e intensas. A cama rangia parecendo ter vida. Os gemidos da Mika passaram a ser mais sonoros.

Cheguei a ficar preocupado, me tranquilizando quando a ouvi suplicando:

- Ai, ai, não para, mete, não para, ai, ai, vai, não para, ai, aiai, mete, não para, ai, aiai, aiai...

Confesso que fiquei um pouco com cíumes, ao vê-la chorando de tesão, sendo comida pelo moleque roludo. A bocetinha dela é rasa e calculei que a ponta da pica dele devia estar batendo na entrada do útero. O ploc-ploc de carnes se chocando ressoava no meu ouvido.

Os sons da cópula era complementado pelos ¨uhh, uhh¨ guturais dele, com os gemidos dela, agora cheio de ¨ahhhhh, ahhhhh, ahhhhh¨ que eu me lembre, nunca tinha ouvido em nossas fodas. As perninhas brancas da minha mulher escancaradas ao máximo, os calcanhares apertando as coxas, quase na altura das nádegas dele.

Notei que ela teve um orgasmo intenso, puxando Ed inteirinho para dentro de sí e contraindo todos os musculos do corpo, para depois relaxar e se deixar cair. Ainda chorou de tesão por um tempo, até a respiração normalizar.

Mesmo com ela toda mole e entregue, Ed continuou metendo e arfando pesadamente. Quando gozou, falou um monte, algo tipo ¨japonesa gostosa¨, ¨to gozando¨ e outras coisas que não entendi direito.

Ela correu para o banheiro e foi se lavar. Envergonhada, voltou enrolada na toalha, catou suas roupas e depois, pegou as do Ed, entregando para ele, como pedindo para ele se vestir e ir embora. Ed, ainda com a camisinha toda cheia de porra pendurada na vara, entendeu o recado, vestiu meia boca e foi para o seu quarto.

Mika toda sem graça, veio me beijar, dizendo que só amava a mim. Como pedisse desculpas. Enquanto tirava as minhas roupas, falei:

- Tudo bem, Mi. Só que agora você vai ter que dar bem gostoso pra mim.

- Ai, amor, estou com a xequinha toda ardida. Está doendo ainda. Não pode ser depois?

- Não, veja só como eu estou!

Mostrei o pau duro, pronto para meter. Resignada, ela tirou a toalha, deitou na cama e pediu:

- Tá bom. Mas mete devagar tá.

Fui por cima, sentindo a pele lisa ainda quente do contato com o outro. Nem algumas gotas da água que tinha ficado em seu baixo ventre não apagou os resquícios de quem tinha acabado de dar para outro macho. Preparei para meter. Olhei para sua boceta e a vermelhidão dos lábios vaginais escancarados. Ed tinha arrombado mesmo a minha mulher.

Ao penetrar, meu pau entrou fácil. Nem sentia direito meu cacête dentro dela. Não sei se foi impressão minha, mas, ela me pareceu bem mais larga que o normal. Tirei o pau que saiu todo melado. Catei a cueca no chão, limpei o bicho e também a xoxota molhada.

Ao meter de novo, desta vez entrou esticando as paredes da xana. Aliviado senti ela apertadinha como sempre. Mika tinha gozado tanto na vara do Ed que estava super lubrificada. Eu estava tão tarado que acabei gozando logo, enchendo ela de porra.

Lá pelas seis horas, o Ed bateu na nossa porta. Abri uma fresta e ouvi:

- Vocês vão embora amanhã, né? Será que você não deixa eu meter com ela mais uma vez?

Antes que eu dissesse que não, Mika veio correndo, abriu a porta por inteiro e toda sorridente disse:

- Vem, entra!

*************************************

Agradeço os comentários. Para os com e-mail, a divulgação envia fotos dela e da transa.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
05/09/2018 20:43:09
Q cara de sorte, o meu e mail é kitwalker.amm44@gmail.com e aguardo as fotos dela,
28/07/2018 10:07:52
tudoemdobro2x@gmail.com Amigo. Continue escrevendo. Seus contos são perfeitos. O detalhes... Nossa quero mais
31/05/2018 18:16:56
parabéns, bela foda. fotos limasafado1@gmail.com
09/05/2018 09:16:10
Excitante.
04/05/2018 08:38:55
BOM DIA! adorei seu conto e não e p ficar constrangida não vc e uma mulher gostosa ta na cara isso e outra coisa não nada melhor do que uma mulher gordinha nossa e ainda por cima que curte anal, sou louco p que minha esposa tenha esses desejos tbem.
03/04/2018 16:37:24
Que delícia. Tens muita sorte. Tua gata é o máximo. Ser chifrado é uma delícia !!!!!!!!!
02/04/2018 18:40:51
Gostaria contacto com vcs Obrigado adore su conto japa
10/03/2018 18:48:48
Belo conto. Quero ver as fotos ahcorbh@gmail.com
08/03/2018 02:09:49
Que excitante!!! Por favor quero ver as fotos Japamoreno2014@gmail.com
05/03/2018 14:51:19
os teus contos são demais. espero que coloques mais contos, porque gosto muito de ler eles. muito bom meus parabens
05/03/2018 12:29:06
ótimo conto. parabéns
02/03/2018 19:06:10
deliciosa a japa quero ver as fotos
24/02/2018 14:24:12
Celka100@yahoo.com.br
22/02/2018 12:25:07
Luizvpr@Gmail.com
17/02/2018 19:08:06
silvaantony792@gmail.com
10/02/2018 14:53:10
Adorei!!!rodrigodrt10@gmail.com
09/02/2018 07:24:07
Deve ser uma delicia chorar sendo possuída por um garoto assim. Parabéns.
08/02/2018 02:05:32
Muito bom seu conto, adorei a narrativa, aguardo por novas aventuras! michaelstarr2017@gmail.com
02/02/2018 11:53:31
Muito bom e excitante.
19/01/2018 09:33:18
minha esposa tambem é puta e japonesa, eu sou o paidoscornos@outlook.com, ja deu para mais de 60 machos com a minha ajuda, somos de sao paulo e viajamos topdo o Brasil para tranzar com quem banca nossas viagens, dia 25 de janeiro vamos estar em Blumenau, bjs marckus e mieko