Casa dos Contos Eróticos

O Instrutor - Inicio

Um conto erótico de Josh
Categoria: Homossexual
Data: 03/03/2015 20:54:44
Última revisão: 03/03/2015 20:57:43
Nota 9.20

Fala, galera! A história q eu vou contar é verídica,ela aconteceu a 5 anos quando eu tinha 23 anos. Os nomes serão trocados

Meu no nome é Josh, tenho 24 anos . Tenho 1,75 de altura, 77 kg, Sou magro, porém não sarado. Sou gay, apesar de não dar pinta nenhuma. Sempre fico com meninas, já namorei 3 vezes, uma delas por 4 anos... Já dividi várias putas com uns amigos. Não dou pinta msm, Mas, bem la no fundo, eu sei que, do que eu realmente gosto, é macho. Macho msm, qto mais cara de safado tiver, melhor. Eu sou químico, faço mestrado em química. Trabalho em laboratório com várias pessoas, mas apenas um delas será realmente importante para a história: Nícholas. Ele tem 1,80 de altura, cabelo loiro escuro, curto, olhas verdes, magro, 30 anos. Ele é lindo. Tem jeito de homem, fala putaria o tempo todo, palavrão, da em cima de várias meninas, apesar de namorar uma menina da minha faculdade há anos e, inclusive morar com ela. Ele é muito másculo. Desde a primeira vez que eu o vi, eu já o achei algo excepcional. Já invadiu os meus sonhos eróticos... fantasiei imediatamente vários momentos com ele. Mas tudo só na imaginação. O cara é puta macho, safado, ama uma buceta... Definitivamente, não ia rolar. Muito menos se fosse depender de mim. Eu não tenho coragem de dar em cima de macho nem que a vaca tussa!

Eu tenho uma professora que é minha orientadora oficial, mas, la no lab, o Nícholas, que é orientado há no mínimo 10 anos, e agora está no pós-doc, é que me orienta de fato. No final das contas a minha prof assina tudo como orientadora, mas qq problema eu sempre pergunto a ele... enfim, vamos à história.

Esse ano ocorreu um congresso de química em Floripa. todos nós do lab fomos. Mas, nós somos de São Paulo, entao tivemos que alugar quarto em algum hotel la em Florianópolis. Fizemos cotação para pedir dinheiro à nossa professora... E aí surgiu um problema: os hotéis estavam super caros. Não teria dinheiro pra pagar um quarto pra cada um. Então, resolvemos pegar quartos duplos, para baratear.

Reservamos os quartos duplos e precisávamos dividir quem ia ficar com quem em cada quarto. Lá no lab, somos em 11 pessoas... 3 homens e 8 mulheres. Entretanto, um dos homens, o Gustavo, não poderia ir, já que o irmão tinha o casamento marcado pra um daqueles dias em que estaríamos no congresso. Então não sobrou nenhuma dúvida: eu e o Nícholas em um quarto, e as meninas resolviam quem ia ficar com quem.

Imaginem só, qd isso foi decidido, eu já comecei a fantasiar ao quadrado tudo que eu fantasiava. Nossa... eu mal podia esperar.

O tempo passou, nada aconteceu, a nossa relação era estritamente profissional. apesar de ele sempre fazer piadinhas, falar umas bobagens, eu sempre ria de lado. Não sou o tipo de pessoa que consigo entrar na onda se eu não me sentir amigo da pessoa. Eu odeio ser assim, mas sou. Fazer o que, né?

Então ele sempre fazia brincadeirinhas, nunca com teor sexual... ou melhor, nunca com um teor sexual gay, se é que vcs me entendem. Ele sempre falava que eu comia as meninas do lab, blá bla bla... eu nunca peguei nenhuma de lá! Era só zueira msm.

Bom, o tempo passou, pegamos o avião e chegamos em Floripa. Pegamos taxi para ir por hotel. Fizemos o check in e fomos pro quarto. Abrindo a porta, uma surpresa: só havia uma cama de casal. Não eram duas de solteiro. Fomos na recepção reclamar, que queríamos mudar de quarto, mas, como era um hotel conveniado com o evento do congresso, tinha pacote promocional pra quem fosse participar, por isso lotou durante esses 5 dias. Não tinha mais nenhum quarto livre. Nada mais nos restou além de aceitar. Subimos de novo pro quarto putos da vida, mas qd entramos no quarto caímos na gargalhada, pq ia ser bizarro dormirmos juntos. Parecia ser piada.

Ele até comentou que nunca tinha dormido com nenhum homem e ia faze-lo, agora, com 30 anos, pela primeira vez. E continuamos rindo por um tempo...

Chegamos no hotel eram 11:50 da manha. Às 14:00 era a abertura do congresso.

Ligamos a TV e ficamos assistindo um pouco... Ele foi passando canal por canal. Uma hora passou por um canal porno hétero, mas era pago. Ele deu uma risadinha de canto e continuou passando. Mais pra frente tinha um canal porno gay, também pay per view.

Ficamos enrolando até 12:20 lá, assistindo TV.

A gente estava suado, porque estava um calor absuuuuuuurdo lá em Floripa. Ele me perguntou se eu ia tomar banho antes dr ir ou depois que voltasse do congresso... Eu falei que ia tomar antes, porque odeio me sentir suado. Ele falou então para eu ir, porque ele queria sair do hotel a 1 da tarde, porque iriamos a pé para o local do evento, e não sabíamos exatamente como chegar. Eu fui, entrei no banheiro, tranquei a porta e entrei no banho. Já fiquei de pau duro na hora, só de me imaginar na cama com ele...puta que pariu, que tesão!

Estou eu lá, me lavando, com o pau meia bomba, e ele bate na porta e grita:

- Ow, abre aí a porta, preciso mijar urgente.

O meu pau de meia bomba foi para bomba e meia só de me imaginar pelado na frente dele... Eu já logo pensei comigo: PQP!!! Que q eu vou fazer pra abaixar isso aqui? Gritei pra ele esperar um pouco que eu já estava terminando. E ele respondeu:

- Não dá pra esperar! To mto apertado. Are logo, porra!

Esse porra que ele falou me deu mais tesão ainda. Mas não tinha mto o que fazer. Abri o boxe, me estiquei para destrancar a porta e já me virei correndo, pra tentar evitar que ele visse o meu totalmente armado.

Ele entrou correndo e começou a mijar. Como eu estava de costas, só ouvia o barulho do mijo na água da privada. Ele ficou lá muito tempo, hauahauhaua, devia estar realmente apertado. Enquanto mijava, ele ficou falando alguma putarias... contou de um dia que ele estava comendo a namorada e do nada deu uma vontade gigante de mijar, e ele a avisou que estava apertado. Ela então pediu pra ele mijar nela, ele assim fez.

Puta coisa desnecessária de se contar, mas enfim, é jeito dele, sempre falando putaria... E o meu tesão só aumentava com os contos

Pro meu azar, o sabonete caiu atrás de mim. Então, eu não só teria que empinar a bunda pra pegar, mas eu teria q me virar de frente pra ele, e, assim, mostrar o meu pau que estava hiper mega duro. Eu fiquei enrolando, mas ele é daqueles homens que mija e fica mia hora sacudindo o pau pra cair até a última gota. E ele não saia daquele banheiro... meia hora mijando e mais meia hora sacudindo. Dai eu resolvi me virar e pegar.

Assim que me virei ele viu o meu pau duro e comentou:

- Mas é um punheteiro! Por isso que vc não quis abrir a porta na hora que eu gritei a primeira vez. Olha, qd gozar ai, limpa, heim, porque eu não to afim de pisar em gozo de ng!

Eu respondi: - Ahh, faz tempo que não como nenhuma menina, preciso me aliviar de vez em quando.

Ele riu um pouco e saiu. Eu nao estava batendo punheta no banho. O tesao era só de me imaginar transando com ele. Mas resolvi entrar na brincadeira pra não mostrar q eu estava com vergonha. Fiquei pensando que eu tinha sido muito burro de nao ter olhado pro pau dele, qd me virei. Mas a vergonha era tanta, que nao consegui olhar para nenhum lugar além do chão.

Sai do boxe, me sequei e pus a roupa. Sai do banheiro ele estava pondo a camiseta que ia usar, já tinha trocado a calça (que bosta, nao pude ve-lo de cueca).

Saimos, passamos o dia no congresso, e marcamos com o resto do lab de nos encontrarmos num bar, a noite.

Fomos ao quarto, ele entrou já tirou o sapato e a calça. Ficou de cueca e camiseta.

Eu fiquei doido, que coisa linda. Ele estava com uma cueca preta, apertada, que demarcava o pau. Dava pra ver que estava mole, mas msm assim era bem grande o volume.

Eu liguei o meu laptop e comecei a usar. Ele me pede pra ver os seus email. Eu passo pra ele o lap.

Ele começa a ver e dai me chama: - Josh, olha aqui o email que eu recebi.

Fui la ver, era um email de mulheres gostosas peladas. Ele fica comentando cada uma... tendo uns lápsos de prazer vendo as fotos. teve uma hora q ele da um pegada no pau, como se estivesse ajeitando dento da cueca.

Eu só concordava com ele, dando uma de hétero... Até que ele me devolve o laptop e fala que vai tomar banho, para que fossemos ao barzinho. O filha da puta, lazarento, me tira toda a roupa la no quarto, me fazendo ter espasmos de tesao! Nem pra ele ir pro banheiro, que raiva, veio! Tive que me conter muito pra nao dar na cara. Ele toma banho, sai pelado, mas já seco, com o pau mole. E aí pude ver o qto é grande. Não sei ao certo, mas acho que uns 23 cm. Mais uma vez eu fiquei me contorcendo de tesão e ele lá, como todo hétero fica na frente de outros homens, relaxado, de pau mole, se trocando, tudo naturalmente. Fomos ao bar, bebemos, ele mais do que eu, ficou bastante alterado, hauhauahauha, falando mais bosta ainda. Voltamos de taxi para o hotel eram 2:30 da madrugada. Enquanto voltavamos, ele abria o vidro e gritava pra quem estivesse passando: Eu quero comer o teu cu! huahauahuah

Na hora de sair do taxi ele perguntou ao taxista: O senhor não aceita trocar o pagamento por uma comida de rabo? pq eu sei que o senhor curte uma vara no traseiro.

Taxista: huahauahau, o senhor bebeu msm. Eu nao aceito nao. Quero em dinheiro.

Ele: Mentira. Qd eu comi a sua mulher, ela me falou que vc ama uma vara.

Eu, ja morrendo de vergonha, já devia estar vermelho feito um pimentão, intervim: Pára, Nícholas, vc bebeu demais. Senhor taxista, aqui está o seu dinheiro. Nos desculpe, mas ele está meio alterado hj.

O taxista simplesmente riu e foi embora.

Chegamos no quarto e ele, bêbado do jeito que estava. Eu fiquei só na minha, observando. Qd ele foi tirar a calça, perdeu o equilíbrio e caiu no chão. bateu a perna na quina da cama e a cabeça no chão. eu corri para acudir, ele começou a rir e falar: hauahuahaua, como eu sou idiota, hauahuahau

O levantei, perguntei se estava tudo bem, ele falou confirmou que sim. Perguntei se ele queria ajuda pra tirar a roupa, ele ficou me olhando e não falou nada. Eu perguntei de novo, e ele falou que sim.

Tirei a calça dele, ajudei a tirar a camiseta.

Eu o deitei na cama, e ele se espichou todo na cama. Mas, eu ainda precisava deitar. Então eu pedi pra ele se apertar em um canto. Mas ele, mala do jeito que estava, se apertava e na hora q eu ia deitar ele colocava a mão na minha bunda. Ele tava impossivel.

Eu desisti de deitar e resolvi usar o pc até ele dormir. Não deu 10 minutos, e ele dormiu. Ajeitei a mão e a perna dele, pra que eu coubesse na cama (quando eu toquei naquela perna grossa, musculosa e peluda, quase gozei!), e me deitei. Dormi de bermuda Jeans, por medo de acordar de pau duro no dia seguinte e passar mais vergonha.

Acordei eram 7 horas da manha. Ele estava dormindo ainda. Fiquei observando o quanto ele era lindo. Mas resolvi acorda-lo, porque as atividades do congresso iam começar às 8.

Eu o acordei, avisei que logo iam começar as atividades, e disse q ia tomar banho. Ele pediu pra mijar antes, foi la e nem fechou a porta. Saiu com o pinto pra fora, foi guardando enquanto saia do banheiro. Não consegui controlar meus olhos, e eu tive olhar. Não sei se ele percebeu.

Fui tomar banho, mas resolvi provoca-lo um pouco, ou pelo menos tentar provoca-lo. Pus minha cueca e sai pro quarto. O meu pinto tava meia bomba, demarcando o seu formato na cueca. Qd sai, ele falou: Oloko, mas ja bateu punheta às 7 e pouco da manha? Vc é mto fogoso, uahuahua.

Eu falei: Que nada, é que to na seca, to aceitando qq coisa que venha! (Eu não acreditei que tinha dito aquilo a um homem!).

Ele riu e resolveu se trocar. Ttirou a roupa la msm, se trocou e fomos.

Lá no congresso estava muito chato, só palestras chatas! Nada de interessante, nada a ver com a nossa área de pesquisa. E pra piorar tudo, estava um calor tao forte às 9 da manha já, que só dava vontade de ficar numa piscina. Eu não via a hora de vir embora pro hotel.

Qd eram 10 horas, o calor cada vez pior, ele falou:

- Vamos embora daqui, nao to aguentando mais esse calor.

Eu, obviamente, adorei. Avisamos o resto do pessoal que iamos embora e fomos. Chegando no hotel, ele pediu pra ligar o ar condicionado. fui tentar ligar e descobri que estava quebrado. Ele ficou puto da vida, ligou na recepçao pra reclamar. O calor realmente estava fora do comum. Eu falei q ia tomar uma ducha gelada, pq nao estava aguentando e fui. Qd sai, ele tinha tirado TODA a sua roupa, com exceção da cueca, e estava deitado na cama, assistindo TV. Eu, sai de cueca tb, e resolvi ficar só de cueca, pra ver se mexia com ele.

Ele de vez em quando coçava o saco, mexia no pau, mas dava pra ver que ele nao fazia nada pra me provocar. É coisa de homem msm. O pinto naquela posição estava incomodando, e ele sem pudor nenhum mexia pra ficar mais confortável.

Eu comecei a mexer no meu pinto tb, de vez em quando. Mas ele começou a endurecer. Entao corri pra pegar o laptop e começar a usa-lo sobre minhas pernas, pra esconder a ereção.

Fiquei lá usando, sempre que possivel olhando pra ver se o pau dele estava duro, mas nunca ficava.

Uma hora, ele começou a passar o canal e chegou no porno hétero. Ele ficou parado la um tempo. Eu fiquei pensando o que ele estava fazendo, já que era travado e, portanto, a tela estava preta. Ele me vira e fala:

- Josh, a gente podia comprar esse canal por esses dias, né? Lá em casa eu transo todo dia com a Fabi (é a namorada dele), quando nao pego uma ou outra menina sem ela saber, e agora vou ficar 5 dias sem ela. Vc falou que ta na seca, e eu tb to ficando. A gente pode se aliviar.

Eu gelei. Amei a idéia, mas tinha que manter a pose de hétero. Entao, falei:

- Ah, hauhauaha, vai ser bem gay a gente batendo punheta um do lado do outro aqui nessa cama de casal.

Ele: Que nada. Gay seria se um comesse o outro. É uma questao de necessidade. Ng precisa saber. Vc topa?

Eu: Bom, topo. Eu to na seca msm. hauhauha

Ele entao comprou o canal pelo resto da estadia. Começamos a assistir. Comecei a ver o pau dele empinar dentro da cueca. O meu, que estava de baixo do laptop, ja estava armado. Ele começou a mexer sem parar no pau, e eu resolvi fechar o meu lap, pra poder mexer no meu tb.

Fiquei mexendo, morrendo de tesao. Podia ver que o pau dele estava muito duro dentro da cueca. Ele enfiou a mão la dentro e ficou se masturbando de vagarinho.

Eu, já enlouquecendo, fiz o mesmo.

Podia ver que o pau dele estava muito duro dentro da cueca. Ele enfiou a mão la dentro e ficou se masturbando de vagarinho.

Eu, já enlouquecendo, fiz o mesmo.

Ele fazia as caras mais sexys possíveis. Nossa, eu já tava a ponto de bala. Tive que parar de mexer, para nao ejacular logo. Queria curtir mais o momento.

Ele ficava comentando que o peito da menina do filme era muito gostoso, a buceta da outra era não sei oq... e eu delirando.

Para meu azar, alguém bate na porta e grita:

-Abre ai, preciso falar com vcs!

Era uma menina do lab. Nós corremos a desligar a TV, pusemos uma roupa e abrimos a porta. Estávamos ambos vermelhos, pq já estava calor, e ainda com a punheta,então, imaginem só, hauahua, e descabelados.

A menina interrompeu o momento só pra perguntar se a gente no ciclo de palestras que ocorreiram a noite. Confirmamos que sim e ela voltou ao quarto.

Fechamos a porta e ele, imediatamente, falou:

-Vaca maldita, me fez perder totalmente o tesão. To achando que ela quer levar vara na bunda, só pode ser...

Eu ri, mas internamente estava com muita raiva dela. Se fosse ainda algo importante, mas que menina inútil.

Ele retirou a roupa novamente, pq o calor estava de amargar, ficando só de cueca e se deitou na cama, de bruço, com o pau mole, e falou q ia dormir um pouco, pq nao tinha mais vontade de bater uma.

Eu tb retirei a minha e me deitei ao seu lado. Não demorou mto, dormimos.

Isso eram 12:00 horas.

Acordamos 12:45, com a msm maldita menina nos telefonando pra saber aonde iriamos almoçar. Ele que atendeu, pra azar da menina, e respondeu prontamente:

- Olha, aonde a gente vai almoçar eu não sei. Eu só sei o q vamos almoçar: a sua bunda, sua vaca! Ahh, e por favor, só nos acorde novamente quando for pra falar que dar o seu cu, vadia.

E desligou. Eu ria absurdo. Tudo bem que ela foi mala duas vezes, mas ela não tinha como saber o que estariamos fazendo. Não era horário normal de se dormir... Fiquei um pouco com dó dela.

Ele resmungou um pouco, porque a raiva dele era mto grande. Xingou a menina até se esgotarem todos os palavrões. Eu, tentando ponderar, falei:

- Mas coitada dela. Como que ela ia saber que a gente estava dormindo ao meio dia e pouco? E, muito menos, ela ia desconfiar que nós estariamos punhetando juntos naquela hora que veio aqui.

Ele: - Ahh, vá tomar banho, aquela menina quer minha pica, tenho certeza. Ela sempre fica me olhando, eu sinto que ela é afim de mim. Se fosse bonita, eu já tinha pego mtas vezes. Qualquer hora eu vou lá satisfaze-la. Não aguento ficar sem sexo de jeito nenhum. Como minha namorada faz falta...

Me deu uma vontade de falar que eu estava a disposição dele, hauahuahau, mas claro que não falei nada. Eu sempre achei que ela fosse afim dele. O nome dela é Bianca. Ela é loira, olhos azuis, magra. Tem tudo pra ser uma menina super atraente, mas não é. Sabe quando parece que uma coisa não combina com a outra? Ela é feia, e chata. Nunca fui mto com a cara dela. Eu concordo com ele nesse ponto: se ele quisesse,

já teria a pego muitas vezes.

Ficamos deitados na cama conversando. Como sempre, ele não se aguentou e começou a falar de putaria. Perguntou qual a melhor trepada que eu ja tinha feito, qual a mulher mais gostosa q eu já tinha comido... ele é, simplesmente, viciado em mulheres. Algo fora do comum. ele começou a falar da namorada dele, até que disse:

- O boquete que minha namorada faz é muito bom, mas ela odeia dar o cu. De vez em quando ela me deixa come-lo, mas muito de vez em quando. Por isso eu a traio... o que eu mais gosto é de cu. Não posso ver um cu apertado que eu fico louco pra arrombar.

Conversamos mais um pouco e eu perguntei se não íamos almoçar. Ele disse que nao tinha fome. Eu, como estava bastante faminto, resolvi sair pra comer alguma coisa. Fui no Mc, comi, e voltei. Qd abri a porta, me deparei com ele totalmente pelado na cama, batendo punheta e assistindo ao canal porno.

Eu fiquei meio estático, não sabia se deveria entrar naturalmente, ou se deveria deixa-lo só, até terminar o serviço. Fiquei alguns segundo parado la na porta, até que ele falou:

- Entra logo e fecha essa porra. Vai que alguem passa no corredor e me ve assim.

Eu rapidamente fechei a porta e fui ao banheiro escovar meus dentes. Enquanto escovava os meus dentes, resolvi entrar na brincadeira. Voltei ao quarto, tirei toda minha roupa, pedi um espaço na cama, pra eu poder punhetar tb.

Ficamos la um tempo, eu gozei antes que ele, pois o tesao era mto grande. Não demorou mto e ele gozou tb. Os jatos de porra dele foram todos no lençol, mas um voou na minha virilha.

Eu reagi com nojo, pra manter a aparencia. Mas a minha vontade era de ir la lamber.

Ele pediu desculpas, mas ainda aproveitou pra tirar sarro de mim:

- Não reclame muito não porque vc teve o que muita gente queria ter: minha porra no corpo. hauahauhaua

Eu: Mas como vc é metido. Se acha pouco, heim, Nícholas!? Pode até ser que algumas meninas queiram, mas eu nao quero nao.

Ele: Não só algumas meninas querem a minha porra...

Eu, como sempre, na hora que a coisa esquenta, me faço de desentendido, e falei:

- Como assim não só algumas meninas? Vc acha que MUITAS meninas querem a sua porra?

Ele: É, isso eu tb acho. Muitas meninas querem, mas não só elas. Deixa pra lá.

Eu fiquei encucado com aquilo. Ele quis dizer que alguns meninos queriam tb a porra dele... mas como que ele sabia que algum homem queria a porra dele? Será que alguem já tinha se declarado a ele? Será que ele ja tinha trepado com homens?

Ficamos naquele período de latencia pós gozada... um silencio, recuperando-nos, até que eu decidi ir la no banheiro me limpar. Mas, para me levantar, eu apoiei a minha mao na cama, e adivinha em q parte da cama eu encostei? Nas gozadas dele. Eu juro que não foi por querer. Eu nem me lembrava que ele tinha gozado tudo no lençol. Ele morreu de rir e mais uma vez zoou com a minha cara:

- Ta vendo como vc gosta da minha porra, até os jatos que nao foram no seu corpo vc quer para vc! hahahahahaha

Eu, morrendo de vergonha, falei:

- Caralho, nem lembrei dessa porra ai. Que nojo, vou limpar minha mão.

Ele ficou rindo e eu fui ao banheiro. Lá, me deu um tesão súbito de imaginar que eu tinha em meu corpo o sêmen dele. Pensei comigo que eu poderia fazer outra coisa com ele, ao invés de limpar e jogar no lixo. Fui para um canto do banheiro, para que ele nao me visse do quarto, já que a porta estava aberta, e comecei a lamber minha mao. O gozo era salgado, meio amargo. eu nunca tinha chupado porra de ng. Como eu disse, nunca tinha tido relaçao com homem nenhum. Eu estava la me deliciando, até que levo o susto maior da minha vida... ele me aparece atrás de mim e fala:

- É impressao minha ou vc está lambendo a minha porra? Vc é viado, cara?

Eu fiquei totalmente sem jeito, devo ter ficado vermelho, depois azul, roxo, verde, lilas... acho que passei por todas as cores do espectro visivel e invisivel. Falei, totalmente sem graça:

- Lógico que não, Nícholas. Vc precisa parar de achar que todos amam vc. Eu sou macho, nao gosto de porra, muito menos da sua.

ele: Mas eu vi vc lambendo. Então o que que vc estava fazendo ai com os dedos na boca?

Eu: Eu nao estava com os dedos na boca. Tava coçando o meu nariz! ( Foi a única coisa que me veio a cabeça na hora. Mas, como eu estava de costas, ele com certeza nao viu exatamente o q eu estava fazendo... entao fiquei na esperança de que essa desculpa esfarrapada e tosca o convencesse.)

Ele: Ah, sei não. To te estranhando.

Eu, já alterado pelo nervosismo, falei: Ah, va tomar no seu cu, Nícholas, como vc é metido. Se acha a última bolacha do pacote. Agora vai falar que eu sou gay? Ta de zueira, né? Eu que estou começando a te estranhar, resolve bater punheta na minha frente... eu estou aqui no banheiro pelado, e vc entra em silencio. Sei não, não boto mais minha mão no fogo por vc.

Ele: Eita, eu sou macho. Só penso em mulher... sonho quase toda noite que estou numa orgia com um monte de ninfetas gostosas e safadas.

Eu: Ta bom, vamos encerrar por aqui, isso não vai levar a nada. Agora sai do banheiro pq eu vou me limpar. E aproveita e já chama a camareira pra trocar o lençol, pq eu nao vou dormir em um lençol esporrado.

Ele: Até a noite já secou.

Eu: Não me importa. Quero que troque.

Ele: Ta, vou ver o que da pra fazer.

É claro que eu resolvi adotar a estratégia de atacar, para me defender. Tentei inverter o jogo. Estava puto da vida com ele, porque ele veio em silencio. Tudo bem que eu fui o ser mias burro do universo quando resolvi chupar a porra dele com a porta aberta. Mas ele é daquelas pessoas que pisam muito pesado. Eu com certeza ouviria seus passos em direção ao banheiro. Mas não, ele veio num silencio total. Deve ter pisado nas pontas do pé. E para fazer isso, ou ele queria me dar um susto, ou me pegar no flagra. Sei lá, eu nao sabia o que pensar... Estava desesperado de imaginar ele contando pro pessoal que me viu lambendo o gozo

Resolvi tomar banho, pra esfriar a cabeça. Sai do banho, e tinha esquecido a toalha no quarto. Mas eu nao iria pedir a ele. Sai pelado, molhado msm, e fui no quarto me secar. Ele estava falando com a namorada pelo celular. Eles brigaram feio, nao sei ao certo o motivo, mas pude perceber que foi feia a briga.

Ele desligou o cel e jogou com tudo na cama. Tamanha força que ele jogou, rolou a cama toda e bateu com tudo no meu saco. Doeu pacas. Eu gritei de dor e cai na cama. Não conseguia nem falar direito. Foi muito forte a batida.

Ele se desesperou e foi tentar ajudar, mas só me irritava mais.

Ele ficava falando:

- Josh, ta tudo bem? É que a vaca da minha namorada é uma vadia. Desculpa. Aonde que bateu?

Eu, suspirando de dor, e tentando retomar a respiração, mostrei a bola direita.

Ele ficou la meio sem jeito... e ofereceu fazer massagem! o.O

Eu respondi: Faça o que vc quiser, contanto que pare a dor.

Ele hesitou um pouco, por pudor de tocar no saco de outro homem. Aproximava a mão, mas afastava em seguida. Depois de muito esforço, ele criou coragem e tocou no meu saco. Começou a fazer a massagem.

A dor era tanta que nada sexual tinha me passado pela cabeça, qd suas maos massageavam o meu saco. Mas, com o passar do tempo, a dor foi passando. E aí sensações maliciosas começaram a me dominar.

A dor era tanta que nada sexual tinha me passado pela cabeça, qd suas maos massageavam o meu saco. Mas, com o passar do tempo, a dor foi passando. E aí sensações maliciosas começaram a me dominar.

O meu pinto começou a ter uma leve ereção. Foi ganhando tamanho, espessura. E eu já quase não tinha mais dor, mas eu gemia, como se tivesse muito dolorido ainda. Não queria que ele parasse. Ele obviamente percebeu a ereção, mas não falou nada, continuou massageando. Afinal, como eu tinha dito, ainda era leve. O problema foi que o meu pinto não parava de subir. Foi aí que ele rapidamente retirou a mão do meu saco e disse:

- Melhor eu parar. Acho que já está bom, né? Ta ficando até excitado com a minha massagem.

Já comecei a ficar puto, pq ele tinha voltado com essa história de eu ter tesão por ele (que, apesar de ser a mais pura verdade, eu não queria que ele soubesse!), e respondi:

- Nem começa, heim! Vc bem sabe que independente da pessoa que mexa no nosso saco, a gente tem ereção. Com vc não seria diferente.

Ele: Sim, eu sei. Mas agora, que vc ta aí com tesão, é melhor eu parar.

Eu; Mas vc é FDP msm... acho que nunca vai desencanar dessa historia de eu ter tesao por vc.

Ele apenas riu e disse que ia dar uma volta pro Floripa. Me convidou para ir junto. Eu prontamente aceitei, me troquei e saimos.

Fomos conversando sobre diversos assuntos, desde experimentos a serem realizados, discussão de resultados obtidos, até putaria, como não poderia faltar numa conversa com o Nícholas.

Achamos uma sorveteria. Fomos lá tomar sorvete. A atendente era gostosa pra caramba. Admito. Eu babei por ela. Ele, então, imaginem vocês, quase inundou o estabelecimento de tanto babar. E o filho da mãe, não fica só admirando, ele ficou dando em cima dela.

Uma pontinha de ciúmes surgiu em mim. Eu ODEIO ciúmes. Não tolero pessoas ciumentas, mas naquela hora eu estava sofrendo desse mal. Tentei não demonstrar nada, afinal a gente não era nada mais do que amigos.

Peguei o meu sorvete e me sentei.

Qd olhei para trás, ele estava comendo o sorvete dele sentado no balcão, pra ficar conversando com a moça. Eu não acreditava no que eu estava vendo. Filho da puta, lazarento, morfético, desgraçado... me chama pra dar uma volta e me larga por uma menina que ele tinha acabado de conhecer. Que raiva absurda eu sentia naquele momento.

tomei meu sorvete e fui la tentar acabar com a graça dele pra cima da menina:

Eu: Vamos embora porque daqui a pouco temos que nos arrumar pro ciclo de palestras da noite.

Ele: Ah, pode ir. eu vou depois. Quero ficar conversando com a minha mais nova e bela amiga. ( Ele sorriu para ela, e a loira retribuiu)

Eu: Mas eu não sei voltar daqui pro hotel. Preciso que vc vá comigo. ( Eu nuca diria isso se não fosse o ciúmes. Eu sabia q eu estava estranho, mas não conseguia me controlar.)

Ele: Ah, é facil. Vamos la na calçada q eu te mostro como faz.

Fomos até a calçada em frente à sorveteria, e ele me diz:

Ele: Ow, eu acho que aquela loira gostosa vai acabar dando pra mim. Ela da corda pra tudo que eu falo. Eu a convidei pra ir no hotel depois do serviço. Será que vc não pode ficar até mais tarde na festa do congresso, pra que eu posso comer a ninfetinha?

Eu: Mas quão tarde vc quer q eu fique?

Ele: ah, sei lá, até umas 5 da manhã. Vc sabe como é, né? Trasamos uma vez, da uns 15 minutos já rola outra... e com essa ai da pra ficar até as 5, fácil.

Eu: O que? 5 da manha? Nem morto. Trate de fazer o serviço rápido. Eu vou ficar até o mais tarde que eu conseguir. Te ligo qd estiver voltando. Se quiser ficar até as 5, pague um motel.

Ele: Ta bom... vlw por me ajudar. To louco pra comer o cu dela. (E fez cara de tesão!)

Eu: E aí, como q eu faço pra voltar daqui por hotel?

Ele: Ah, sei lá, pega um taxi. Eu vou la xavecar a minha boneca de novo.

Eu fiquei bufando de raiva lá. Ng merece isso... eu ainda teria que pagar pra voltar? Ah, ele ia me pagar, mas se ia. Resolvi ir atrapalhar o xaveco dele.

Cheguei perto e vi que a menina, de fato, estava dando corda. Ela estava comentando que ele era super forte, que parecia q era atleta... já logo pensei comigo: Eles se merecem msm. Ele é um puto e ela um puta. Vadia. A minha vontade era de deixar uma reclamação pra dona da sorveteria reclamando que ela ficava dando em cima dos clientes. ( O que que o ciúmes não faz, heim!?). Falei:

Eu: Não tenho dinheiro pra pagar o taxi pra voltar.

Ele: ahh, espere, eu devo ter.

Quando ele abriu a carteira, viu que só tinha 7 reais. Não ia dar pra pagar taxi nenhum. Então falou:

- Hum, eu não tenho tb, nem pra pagar o meu taxi.

Eu: Então, acho bom a gente ir embora junto, pq senao nao vamos conseguir chegar. (Eu estava muito gay naquela hora. Estava dando muito na cara que eu estava morrendo de ciúmes. Mas, na hora, eu nao percebia.)

Ele: É, eu achei que sabia chegar, mas não sei não. Gatinha, então a gente se encontra no meu hotel, depois do seu serviço, pode ser?

Ela: Claro. Estarei la.

Ele: Tchau ( e mandou um beijo)

Ela apenas sorriu.

Fomos andando, parando pra perguntar qd necessario. Ele foi falando da vadia loira da sorveteria o tempo todo. Eu não aguentava mais, até que me desliguei do que ele falava... nem ouvia mais. Ficava pensando como é possível alguém gostar tanto de sexo?

Que coisa mais descabida, ele SÓ pensa nisso. Parece adolescente que acabou de descobrir a punheta.

Chegamos no hotel, ele foi tomar banho, para depois irmos às palestras.

Enquanto ele se banhava, eu fiquei pensando que estava na hora ou de eu esquecer totalmente o Nícholas, ou investir. Porque eu estava me sentindo um namorado ciumento traído, e estava sofrendo por isso. E eu não era nada dele. Então, ou eu, definitivamente, não seria nada ou seria namorado de verdade!

O calor persistia, já eram mais de 5 da tarde, mas o tempo estava muito abafado. Não quis nem saber, ia inverter o jogo. Ver se ele se excitava comigo. Ranquei minha roupa TODA, pus no canal porno e comecei a bater uma, bem devagar, só pra fazer o mue pau crescer.

Ele saiu pelado do banheiro, e se assustou ao me ver lá, pois não esperava me encontrar batendo uma àquela hora.

Ele sorriu e disse:

- Ah, safado, to gostando de ver. Vc é brother meu... aguenta várias punhetas por dia.

Eu: É, eu gosto mais de sexo do vc pode imaginar. (Eu estava me superando! Estava vencendo o meu bloqueio.)

Pude ver o pau dele ficar meia bomba, enquanto ele punha a cueca. Eu resolvi parar de bater antes de gozar, pq senão iamos nos atrasar pras palestras. Mas o fato de o pau dele ter dado sinal de vida, ao me ver bater uma, me animou bastante.

Fomos ao congresso. Ele saiu bem cedo, umas 9 horas, para encontrar a vadia loira. 9:30 as palestras já tinham acabado. A festa começou... estava bem chata. Várias meninas vieram dar em cima de mim, mas a minha cabeça estava no Nícholas... dispensei todas elas.

Perto das 11 da noite, já estava vazia. Não tinha mais ng. Resolvi ir para o hotel. Torci para que ele já tivesse comido a menina. Enquanto voltava, liguei pra ele, mas dava caixa postal. Aquela anta tarada do Nícholas tinha esquecido de ligar o cel.

Cheguei no hotel, subi até o meu andar e encostei o ouvido na porta. Eu ouvi os dois conversando. A loira era vaca msm. Num é que ela tinha ido dar pra um cara que ela tinha acabado de conhecer?

Comecei a ouvir barulho de beijos.

Eu, lá fora, fiquei sem saber o que fazer. Pensei, pensei... e resolvi esperar mais um tempo la fora.

Perecebi que eles estavam tirando a roupa. O meu ciumes começou a voltar.

Eu percebi q eles estavam a ponto de começar a fuder... eu eu lá, remoendo a raiva. Raiva que agora se concentrava mais na vadia, e nao nele. Eu tava com raiva dela... como que ela poderia ser tao puta assim? ela tinha acabado de conhecer. Tudo bem que ele é quase um Deus grego, mas não importa, ela tinha que ser mais dificil. Isso me matava.

Resolvi ir a um barzinho que havia do lado do hotel. Cheguei la, sozinho, e pedi dose de Vodka. Bebi de uma vez. Pedi outra, e outra. O graçom me aconselhou a parar, pq na hora que subisse, eu não ia parar de pé. Pedi mais uma e tomei... ai já fiquei bem tonto, falando babozeiras. Pedi mais, mas o graçom, pro meu bem, se recusou a vender. Eu consegui, naquele dia, tomar 4 doses de Vodka em 25 minutos.

Fiquei bravo com o coitado do garçom, porque ele não queria me vender, e resolvi voltar para o hotel.

Subi. Estava totalmente bebado. Novamente encostei o meu ouvido na porta. Comecei a ouvir gemidos dela. Uma voz fresca... tudo naquela loira era ruim, para mim. Nem a achava mais bonita... Pra mim ela era uma ridícula que gosta de dar pra qualquer um.

Estava sem equilíbrio, e aguentando meu ciumes la fora. Aí começo a escutar gemidos dele tb.

Eu comecei a ter enjoos, meu estômago revirava. Refluxos constantes... eu percebi que ia vomitar. Não tive outra alternativa. Peguei o cartão e abri a porta. Fui correndo pro banheiro vomitar. Na hora em que a porta se abriu, a menina, q estava de 4 dando o cu pra ele, gritou e tentou se esconder debaixo dos lençóis.

Eu não me importava com nada, só queria vomitar. De repente, estou eu lá debruçado na privada, vomitando, e ele entra pelado, de pau duro, no banheiro, e diz:

- Pooorra, ela foi embora. Vc falou q ia tentar ficar até tarde... e nem me ligou!

Eu, sem processar o que ele estava falando, perguntei:

- A vadia da o cu bem?

Ele: Ela da sim. E agora ela foi embora! Não vou mais conseguir comer o cu dela. Ela é puta gostosa... Vc é muito mancão.

Eu: Vc está de pau duro.

Ele: To msm... vc gosta, né? Olha o tamanho dele. Ta durasso.

Ele falava bravo, gritando comigo. Eu respondi:

- Eu gosto? Sei la, talvez sim. (Eu estava sem noção. Não sabia mais o que estava falando)

Ele: Da proxima vez que vc fizer isso, eu termino o serviço em vc, entendeu?

Eu só concordei e me virei novamente pra vomitar na privada. Não processava nada que ele falava. Fiquei umas duas horas lá no banheiro... Depois que vomitei, a tontura começou a passar. Eu estava melhor já. Pelo menos, eu tinha recuperado a capacidade de entender e responder com coerência ao que as pessoas me diziam.

Voltei para o quarto, ele ainda estava acordado, deitado pelado, com pinto duro e com uma cara fechada, feia. Ele ainda estava bravo por nao ter gozado no cu dela.

Eu: Ainda ta acordado?

Ele: Não, é impressão sua.

Eu: Mas pq?

Ele: Vc ficou vomitando o tempo todo... como que vc queria que eu dormisse?

Eu: ahh, foi mal. Mas não se esqueça que ontem vc me deu maior trabalho tb. Estamos quites.

Ele: Quites nada. Vc fez a menina ir embora antes de eu gozar. Vc é mancão demais.

Eu: Mas eu passei mal. Não tive o q fazer.

Ele: Vc falou que ia me ligar.

Eu: Mas eu liguei... e deu caixa postal. Está desligado.

Ele pensou um pouco, se virou, olhou o celular e falou:

- Putz, verdade. Que bosta, eu tinha que esquecer desligado? Que merda!

Eu: Pois é. Livra ae espaço na cama, eu vou dormir.

E tirei minha roupa, inclusive a cueca,porque estava calor demais, e me deitei, de frente pra ele.

Ele: vira pro outro lado, não quero receber vômito de madrugada na minha cara.

Eu: Que que vc ta falando? Vc gozou na minha coxa! E ainda mais vc, com esse pau duro, eu que não vou deitar com a bunda virada pra ele.

Ele: Melhor msm não virar. Do jeito que eu to com tesão, te arrombo de madrugada.

Eu só ri. Não retruquei e nem concordei. Fiquei torcendo pra que ele tentasse algo durante a noite. Seria a minha chance.

Ficamos uns 5 minutos calados. Eu estava de olho fechado, tentando dormir. Começo a sentir a cama tremer levemente.

Eu abri o olho bem pouquinho, pra ver, e minhas suspeitas tinham se confirmado: ele estava batendo punheta.

Não preciso dizer que meu pau saltou, né? Eu desci a minha mão e peguei no meu pinto. Ele ao me ver descendo a mão, falou:

- Ta com tesão, né? Eu to falando que vc é fanta.

Eu abri o meu olho e disse:

- Ué, vc me viu batendo punheta hj a tarde e tb ficou com o pau meia bomba. Agora, por isso vc se considera gay?

Ele: Não, claro que não. Pra começar que eu não fiquei excitado com vc, eu fiquei excitado de me imaginar com a gostosa que vc espantou. Vc que se excitou com minha mão no seu saco.

Eu: Ah, então é assim, blz.

Fiquei parado, com a mão no meu pau. Ele estava durão. Só pedi para que ele parasse de bater, pq a cama tremia. Ele assim o fez. Tirou a mão do pau e fechou o olho.

Não demorou mto, e o pau estava molengo.

Eu então fui e peguei no saco dele.

Ele se assustou e tentou tirar a minha mão. Falou:

- Eu sabia que vc era gay. Vc quer minha picaTa ai mais um conto pra vcs

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
29/03/2015 00:40:36
Nick dlç safado gostoso kkkk
07/03/2015 18:52:14
Muito bom!
05/03/2015 21:38:54
Nao abre o conto 2... posta denovo!!!
05/03/2015 01:34:20
A parte 2 nao abre. Posta de novo.
05/03/2015 00:43:41
Muito bom! Mas o conto 2 não estou conseguindo lê, posta de novo.
05/03/2015 00:09:56
Querido, está muito bom. Nota 10,0. Uma observação: o capítulo 2 não está abrindo. Me manda por email: marianospars@outlook.com
04/03/2015 23:40:47
Não consigo abrir o conto 2, me manda por email: akipravcrj@outlook.com
04/03/2015 23:38:04
Não consigo abrir o conto 2
04/03/2015 10:15:12
nas primeiras linhas do segundo parágrafo
04/03/2015 10:10:55
Todos os seus perspnagens transam com mulheres, independente de serem gays ou heteros que estão se descobrindo. Todos eles (os contos) têm a mesma linguagem, o mesmo teor e personagens quase idênticos. Fica chato ler um conto assim. Parei de ler esse conto nas primeiras linhas do primeiro parágrafo. Boa sorte no próximo conto.
M/A
04/03/2015 00:36:53
Amei seu conto,seguidor fiel. Só não demora a postar.
03/03/2015 23:42:58
Adorei continua logo pfvr
03/03/2015 22:57:23
Esperando a continuação
03/03/2015 21:52:58
Conta logo, adorei.