Casa dos Contos Eróticos

Amor Criminoso - capitulo 10

Autor: Brenno R
Categoria: Homossexual
Data: 22/03/2015 23:49:43
Nota 10.00
Ler comentários (9) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Sentamos na mesa, e logo serviram um vinho. Todos ainda me olhavam com olhar de desconfinça.

- Certo, antes de mais nada vamos nos apresentar- falou o senhor- Meu nome é Paulo.

Felipe deu um sorrisinho. Paulo era um senhor elegante, ja devia ter passado dos 60 anos, mas ainda estava em plena atividade.

- O meu é Gustavo - falou o mais jovem dele.

Gustavo era bem jovem, devia ter minha idade ou mais novo ainda. Era bonito, um verdadeiro galã de novela. Cabelos lisos e loiros, e olhos azulados.

- O meu é Naiara - falou uma morena.

Naiara era linda, cabelos negro e lisos, uma pele que parecia sedosas. Uma voz apaixonante.

- O meu lindinho é Bruna - falou a ruiva, pegando no meu queixo.

Bruna tinha cabelos meio encaracolados de um vermelho não muito intenço e de pele clara. Era bonita, mas não tanto quanto Naiara.

- O meu é Alexandre - falou a última pessoa

Alexandre possuia uma cara de executivo misterioso. Tinha a impressão de que ele estava me estudando. Era moreno claro, que corpo malhado, mas nem tanto.

-O meu é Felipe, e eu achei você um gatinho sabia.

Todos sorrimos. Não querendo ser indiscreto falei

-O meu é Danilo e...

- Já sabemos, tem mais dois irmãos, seu pai possui um negócio voltado para a área automobilística.

Me espantei. Essas pessoas me conheciam mais que meus amigos, Felipe tinha razão quando me deu aquela arma. Eles poderiam tentar alguma coisa.

Eles começaram a conversar em forma de código. Particularmente eu não entendia nada. Bruna meu dava olhadas e sorrisos, então ela se levantou.

- Felipe posso roubar o Danilo um minutinho, literalmente- Bruna brincou e deu uma piscada para o Felipe.

- Claro - deu um sorriso e continuou conversando.

Levantei-me e acompanhei Bruna ate a área externa. No local tinha mesas. Sentamos e ela pediu mais vinho.

- Tirou-me de lá porque eu não deveria saber de algum serviço de vocês?- provoquei ela.

- Claro que não, seu... abusadinho - ele segurou minha bochecha - você e tão fofinho sabia?

- Tá tentando me conquistar?

- Quem sabe?- sorriu- to gostando mais ainda de você, do seu jeito provocante.

- Obrigado pelo elogio.

- Na verdade te tirei de lá porque sabia que estava entediado. Não estavam e nem iam te dar atenção

-Entendo, um desconhecido não pode saber os assuntos do bando.

- Agora eu sei porque o Felipe te escolheu. Se ele não tivesse te agarrado eu iria fazer isso. Com todo respeito.

- Você é bem... atrevida - sorri.

- Eu sei disso gato, mas falando serio, o Felipe está muito feliz com você. Já tinha percebido isso, só não sabia como explicar.

- Ahh sim - o vinho chegou. Deixei o meu em cima da mesa.

- Mas só que o pessoal não gostou muito.

- Porque??

- Somos bons no que fazemos pois não deixamos pistas, se é que me entende. Você pode ser um atrapalho sabe. Saquei de imediato que o Paulo não gostou de você.

- Mas e daí, ele não pode fazer nada, nos apaixonamos e continuaremos juntos.

- Aí é que você se engana, porque ele pode tentar algo contra você ou qualquer um dos outros. São as regras, sabe, nosso grupo é estruturado nelas, somos como irmãos, um ajuda o outro.

- Quando fala qualquer outro você está inclusa certo.

- Sim, mas é uma tristeza tentar algo contra você fofinho.

Felipe tinha razão, eles tentariam. Coloquei a mão na cintura para ter certeza que ela estava lá.

-Vamos brindar?? - ela sugeriu

-Brindar o que??

- A vida, o amor e outras coisas mais.

Levantei minha taça ao encontro da dela. Brindamos. Logo que trazia a taça a minha boca soltei ela, fazendo-a espatifar no chão e derramar o líquido.

-Desculpe, como sou desastrado- vi o humor da Bruna mudar.

- Ah sim, não se preocupe, irei pedir outra.

- Não se preocupe meu amor. Vamos voltar para a mesa.Falei me levantando e caminhando de volta para dentro do restaurante.

Logo vi que Bruna me seguia

- Vamos voltar- senti algo na minha costa, o que parecia ser uma arma

Parei e dei meia volta.Caminhei de volta. Coloquei a mão na cintura, retirei a arma, engatilhei e me virei puxando ela junto a mim como se estivesse abraçando ela, colocando um revolver em sua barriga.

- Não vai se livrar tão fácil de mim- dei um beijo de leve em sua boca.

Ela sorriu, abaixou a arma.

- Gostei de você, me enganei quando te vi- ela se aproximou e me beijou, um beijo profundo- vem vamos jantar, e tome cuidado.

Fomos andando em direção a mesa em que os outros estavam. Chegamos de mãos dada, o que fez todos se virarem para olhar aquilo. Sentei e logo em seguida serviram o jantar. Comemos como se todos fossem mudos, ninguem falava nada. Logo Paulo puxou conversa de novo, sempre uma espécie de código.

Logo que terminamos nos levantando e saímos do restaurante. Antes de entrar no carro junto com Felipe.

- Tchau Danilo - ela se inclinou e beijou o meu rosto.

Ia retribuir o beijo. Inclinei-me para beijar o seu rosto, mas ela se virou fazendo eu dar um selinho nela. Felipe me olhou fazendo uma cara feia

- Tchau Felipe - Bruna mandou beijinhos pra ele entrando no carro dela.

Felipe ainda me olhava de cara feia.

- O que foi??- perguntei

Ele entrou no carro sem responder. Sabia o que ele tinha. Entrei no carro, e puxei seu rosto.

- Não fique com ciúmes, você é o meu amor- beijei sua boca.

- Pareceu que vocês se divertiram- ele falou

- Nem queira saber - lembrei daquele momento.

- Ela tentou alguma coisa??

- Tentou sim, mas nada tão preocupante.

- Eu queria que fosse diferente, mas não depende só de mim...

-Não se preocupe, Bruna me explicou.

Ele sorriu e continuou dirigindo, eu brincava dando beijinhos em seu rosto.

- Me deixa em casa, por favor.

- Fica comigo Nilo

- Temos muito tempo, mas preciso ir em casa. Quando acertar as coisas ficaremos juntos.

- Tudo bem- ele me beijou - esta em casa, agora vou embora- ele falou como se morasse muito longe da minha casa.

Sai e fui para casa. Entrei e percebi que todos já dormiam. Fui ate a cozinha tomar água e subi para o meu quarto. Tomei um susto quando entrei

- O que está fazendo aqui??

- Fiquei com saudades

- Saudades?? Exatamente de que?.

-De você - falou se aproximando de mim

- De mim?? - eu não tava acreditando naquilo.

- De você sim gatinho.

Foi se aproximando mais ainda. Dei um passo pra trás, mas seus braços se envolveram em minha cintura. Abri os olhos e senti seu lábios no meu. Bruna me dera um beijo.

Continua...

Comentários

23/03/2015 16:33:04
Essa bruna é bem atrevida, querendo roubar o boyzinho do comparsa SAFADA!
23/03/2015 07:31:09
Que louco.
23/03/2015 06:16:17
continue
23/03/2015 04:14:52
Show
23/03/2015 01:47:15
Carembaaa
23/03/2015 01:36:24
Empurra essa vadia da janela
23/03/2015 00:54:20
hum
23/03/2015 00:07:46
Essa Bruna sei não, gostei dela...
23/03/2015 00:00:52
Bicha a senhora é destruidora mesmo, safadinha vc hahahahaha Huuum o q será q vai acontecer? Ansioso pelo próximo :)

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.