Casa dos Contos Eróticos

Uma deusa não se come...

Um conto erótico de Yuzo
Categoria: Heterossexual
Data: 10/09/2014 19:30:55
Última revisão: 24/12/2016 10:40:10
Nota 9.75

Quando envelhecemos, adquirimos a mania de dizer que ¨antigamente é que era bom¨. Talvez. Tudo é relativo. No sexo, por exemplo, se apareceu o HIV, por outro lado, surgiu também o Viagra e o Ciális...

Ilse era secretaria do doutor Euclides. Loira, alta, corpo de miss, linda de rosto. Seios empinados e bunda apetitosa. Descasada, um encanto de coroa aos meus olhos de dezoito anos. Aquele tipo de mulher inacessível, personagem dos sonhos e fantasias, musa de seguidas punhetas.

Havia um rumor que ela era amante do nosso diretor. Se fossemos classificá-la em termos gastronômicos, seria Ilse, o caviar russo. Superior a lagosta, prato raro e saboroso, só para paladares refinados.

Tempos de dureza, minha fase de estudante com bolsos vazios. Aproveitava o intervalo do almoço para ler as apostilas. Apagavam-se as luzes do escritório, medida de economia. Ao lado da entrada principal, havia um pé de jambolão. Meu local de estudo era sentado sob sua frondosa copa.

- Oi, o que você esta lendo?

Ao ouvir a voz graciosa, desviei o olhar do texto. Sapatos altos de verniz preto e pernas torneadas. Os joelhos não apareciam, ocultos pela saia social. Quadril largos estufando o tecido justo. Cinturinha fina e uma espécie de camisa com belo corte. Os botões superiores entreabertos, formando um decote na medida. Realçando seios redondos e pontudos. Cabelos bem cuidados, presos num coque, moda na época. Produção discreta e esmerada. Nem acreditei que aquela deusa me dirigiu a palavra. E respondi:

- Apostila de cursinho.

- Ah... que curso você vai tentar?

- Quero fazer direito. Isso é, se eu passar no vestiba.

- Se dedicando assim, com certeza vai conseguir.

Esse foi o inicio. Ela sempre conversava comigo, coisas amenas. Meus colegas tiravam sarro, no fundo morrendo de inveja. Sua amizade inflava o ego, me fazendo sentir o máximo. Só de respirar o mesmo ar, tão próximos, me levava às alturas!

Foi quando falávamos de cinema. Estava em cartaz o filme ¨Império dos Sentidos¨, tão badalado pela crítica. A sociedade da época transformou a obra de Oshima num cult. Na verdade, não passava de um filme pornográfico, com cenas de sexo explícito. Um casal de amantes leva a relação ao extremo em busca do prazer. A ponto do homem morrer asfixiado em busca do gozo e a mulher, após cortar seu pênis, sai com ele na mão, correndo desvairada pelas ruas.

Ilse disse que gostaria de assistir, porém, não tinha companhia. Foi a deixa para eu convidá-la. A expectativa era tanta que nem jantei. Tomei um banho, vestindo minha melhor roupa. Ela estava deslumbrante. Num vestido curto, maquiagem de noite, saltos altos.

De deixar o queixo caído e o ¨secretário¨ alçado. Fomos para o cinema. Assistimos juntos, lado a lado. Nas cenas mais fortes, apesar da vontade louca, não ousei olhar para o seu rosto.

Depois, acompanhei até a portaria do prédio onde ela morava. Lá chegando, me despedi beijando-a na face, aspirando o perfume embriagador. Me virei e mal dei dois passos escutei:

- Espera! Quer subir e tomar um café?

Nossa, era tudo o que eu queria! Colocou a água para ferver. Preparou duas canecas de café dos preguiçosos, o café solúvel que eu detesto. Naquela noite, até o café instantâneo, pareceu não ser tão ruim assim.

Sem mais nem menos, começou falar sobre seu casamento frustrado. Pegou uma garrafa de vinho, encheu duas taças e começamos a beber. Acabamos abrindo outra garrafa. O assunto foi ficando mais íntimo e excitante. O alcool liberou os freios da consciência. Passamos a falar coisas de forma aberta e direta. Já estávamos meio altos, quando ela disse:

- Sabe o que gostei em você ? É o primeiro cara que me convida para sair sem segundas intenções.

Segundas intenções? Claro que eu as tinha! Quem não teria com um mulherão daqueles? Se eu não havia ousado, era mais por achá-la inatingível. Além da timidez, eu a julgava num patamar bem mais elevado que os braços deste ¨japanisis brasiliensis¨ pudesse almejar.

- Você é sempre cavalheiro assim? Todos me cantam, tentam passar a mão e só querem me levar pra cama! Você não, você é diferente!

¨Vixe, só falta ela perguntar se eu sou bicha¨, pensei. Antes de chegar a tal ponto, tive de intervir:

- Não, claro que não! (Acho que me antecipei à pergunta quanto a opção sexual, que não havia sido proferida e só existia na minha cabeça). É que você é tão bela, tão bela que os homens não resistem. Para mim, você é uma deusa mais que mitológica, alguém incobiçavel! (Se não existia, passou a existir).

- Deusa? (risos). Você é bem divertido! (mais risos, já gargalhadas).

- Sério, Ilse. A gente vê mulheres incríveis em revistas e no cinema. Você é a primeira que vejo assim, ao vivo, em carne e osso!

A mente em meia embriaguez, não deixava mentir. Na minha inocência de então, estava sendo sincero. Ela, mesmo alterada, percebeu isso. Acho que aprendi ali, o melhor meio de tocar uma mulher. É deixar a alma falar. O que vem do âmago, é um dardo poderoso que perfura a mais dura das couraças.

Eu já tinha namorado e transado com muitas. Nenhuma, porém, tão formosa e exuberante. Se já falávamos de coisas íntimas, havia a barreira física. A mim parecia um sacrilégio tocá-la. Foi ela quem rompeu isso, colocando sua mão sobre a minha, enquanto ria e dizia algo que minha mente extasiada mal conseguia captar.

- Japonesinho tímido! Estou gostando de você cada vez mais!

Dizendo isso, aproximou seu rosto do meu. Estava difícil conter o tremor que acometia, cada centímetro do meu corpo. Quando a mão afagou minha face e desceu ao pescoço, foi como um choque. A descarga sensorial foi tão forte, a ponto de me fazer, incontinenti, retesar os ombros.

Os lábios belíssimos tão próximos, a ponto de sentir o hálito mágico. Juro que cheguei a ver estrelinhas piscantes, aspiradas através das narinas, indo para o cérebro, embotoando o consciente, me deixando em estado letargico.

Acabamos nos beijando. Não sei como, só sei que estava com os lábios daquela deusa colados no meu. Logo, já de pé, corpos encaixados num amplexo sólido, línguas sôfregas buscando o maior prazer que um beijo molhado poderia motivar.

Ela mais experiente, era quem tomava a iniciativa. Eu me deixava conduzir, facilitando as mãos que me despiam. Quando ela ergueu o vestido por sobre a cabeça, ficando só de calcinha e sutiã, propiciou a mais bela das visões, que minha memória gravou.

E puxando de forma suave, me levou para o quarto. O bobinho de então, sem saber bem o que fazer. Estava prestes a comer uma deusa! A fazer com ela a coisa mais gostosa da vida! Era também apavorante o medo de não estar à altura da sua expectativa!

A ansiedade de possuir coisa tão sublime, que nem ousara ambicionar, era excitativo e ao mesmo tempo angustiante. Um tanto pelo vinho, outro pela incredulidade da situação, tudo fazia parecer uma quimera surreal.

Ilse já totalmente nua, deitada na cama. A pele lisinha, branca como porcelana. Fora de si, me atirei sobre ela, temendo que aquilo fosse uma miragem, ou que de repente, ela desistisse de transar. Afoito, tentei penetrar. E... ¨my god¨, horrorizado, senti que o pau estava meio mole e não entrava!

Puta que pariu! O que estava acontecendo? ¨Fica duro, porra, fica duro! Pelo amor de Deus, fica duro!¨, implorei mentalmente. E meu amiguinho, sacanagem das sacanagens, nem aí. Desesperado, tudo que meus comandos mentais conseguia era fazê-lo pulsar, os musculos penianos obedeciam, porém, o sangue não enchia os canais.

Minha deusa pegou nele, para direcionar à entrada da gruta do paraíso. E no tato percebeu a falta de prontidão. O contato da sua mão masturbando com delicadeza era maravilhoso. Aliviado, senti que finalmente, meu ¨secretario¨, traidor de uma figa, deu sinal de vida. Ele estava duro!

Comecei a empurrar, sentindo o calor vibrante emanado pela vulva úmida. Porém, mal Ilse soltou o danadinho, o desgraçado afrouxou, a ponto de vergar e não penetrar. Ficou escorregando na entrada da gruta do prazer. ¨Maldito, maldito, maldito! Endurece, filho da puta, endurece!¨, foi tudo que pude suplicar no pensamento.

Ela tentou ajudar. Começou a fazer uma gulosa, com maestria. O cacete endureceu e assim permaneceu. Quando montei de novo para meter, tentei ser rápido para aproveitar a ereção. Para meu desespero, não adiantou. Tive a sensação que ele murchava. De fato, a rigidez esvaía, impedindo o ato (não é que rimou? Não é para rir. É de chorar!).

Ilse de forma compreensiva falou:

- Tudo bem, querido. Isso acontece. Descanse e daqui a pouco tentamos de novo, tá?

Ouvir aquilo foi um balde de água fria. Um profundo sentimento de culpa se apossou do meu ser. Eu tinha brochado com a mulher mais gostosa que havia conhecido! E pior, ela poderia achar que eu não a desejava! Como alguém poderia não querer aquela perfeição?

Como um cachorrinho tentando demonstrar afeição pelo seu dono, a enchi de beijos. Beijos mortificados, cheios de remorso, culpa, impotência e frustração! Um turbilhão de emoções que afloravam naquela ocasião espúria. Eu queria tanto, tanto e não conseguia!

Naquela altura, o tesão e desejo já tinha esvaído como a claridade, ao cair duma noite sem luar. O negrume da aflição tomou conta do meu ser. Meu lado machista cobrava a consumação. Só quem já viveu essa situação sabe o quão angustiante é!

Ilse chupou de novo minha pica. A vontade era pedir que parasse. Que não tentasse mais. A insistência só aumentava meu fracasso. Dessa vez, a ereção total não veio. Até que ela deu-se por vencida e disse para deixarmos para uma outra ocasião. Com certeza no dia do ¨São Nunca¨.

No dia seguinte, fui trabalhar com medo de encontrá-la. De não ter cara para encará-la. A vergonha que sentia era ultrajante. Não tinha conseguido comer a mulher mais gostosa da firma. Pela primeira vez tinha brochado e logo com quem? A mulher mais fantástica com quem eu tinha ido para a cama.

Ilse agiu normalmente, como se nada tivesse acontecido. Tentei fazer o mesmo. Porém, o vexame não saia da minha cabeça. O que ela estaria pensando? E se essa disfunção erétil fosse me acompanhar para o resto da vida? Se eu já não conseguisse manter a ereção em futuras relações sexuais?

Duvidas atrozes assombravam minha psique. No meu quartinho de estudante, relembrei os momentos com aquele monumento de mulher. O pau ficou duro como aço. Toquei uma punheta e logo depois outra, imaginando estar metendo naquele corpaço da Ilse. Fodendo aquela deusa loira. Na terceira vez, a porra saiu rala, escassa. Estaria eu condenado a ser um punheteiro?

Pensei em consultar um médico. Tal idéia, trouxe junto piadas infames, como a do cara que ligou para a clínica de impotência sexual e a telefonista atendeu assim: - Alô! quem falha?... ou do pastor, que em situação similar, pegou a bíblia e disse: Levanta-te e anda, descrente!... ou ainda o nacionalista que cantarolou: Deitado eternamente em berço explêndido...

Desisti. Os dias passando, auto estima lá em baixo, insegurança, stress e a incerteza cada vez maior. Ilse parecia não se conformar. Tanto que me convidou para sairmos de novo. De novo? E se na hora ¨H¨, eu malograsse outra vez? Falhar uma vez é humano. Falhar duas vezes não é burrice. É brochice mesmo! (Esse já devia existir há muito tempo).

Pensar em Ilse me fazia masturbar umas cinco, seis vezes por dia. Resolvi apelar para uma puta. Afinal, eu estaria pagando. Se nessa hora, a pica não ficasse dura, bastava pagar. Para a profissional, seria até um alívio ganhar na moleza (e põe mole nisso). Além do mais, ninguém ficaria sabendo...

Por sorte, encontrei no puteiro uma mulher alta. Deveria ter mais de 1,75m. Do tipo que eu gosto. Era uma morena madura, já beirando os quarenta. Nem tão bonita, porém, apetitosa com aquelas pernonas de fora. Os seios e a bunda, tão usados, ameaçando perder o desafio à lei da gravidade. Por falta de sustentabilidade (seria essa a bandeira da rede da Marina Silva?).

Como o tempo era limitado, fui afoito para o auto-teste. Para evitar dissabores, não tinha masturbado naquele dia. Ela pelada na cama, de pernas abertas. O ¨secretario¨ em ponto bala. Da minha boca escapou a mandinga ¨- Fica firme, fica firme¨. Subi naquele corpo, com medo de que o cacete infiel me deixasse na mão (literalmente).

A apreensão durou pouco. Ele permaneceu rijo, entrando naquelas carnes quentes, macias e um tanto alargadas. Por um instante, tive a sensação que o miserável iria amolecer e escorregar para fora. ¨- Oh, não, de novo não!¨. Bombei forte, desesperado. Não afrouxou. Ufa!

Acho que nem na minha primeira vez, tive foda tão dramática na vida! A puta nem aí, fazendo seu trabalho de dispor o corpo para saciar meus desejos. Se ela soubesse quão imenso serviço ela prestou. Talvez nunca teve consciência da grandeza do ato.

Uma sensação de desafôgo tomou conta do meu ser. Eu não era impotente! Eu não era brocha! Feliz, continuei metendo na prostituta. De tão agradecido, até a beijei na testa e nas faces. Enquanto estocava, resolvi abusar e perguntei:

- Você deixa meter atrás?

- Você quer comer meu cuzinho?

- É, você dá pra mim?

- Bem, dar eu não dou, mas, depende de quanto você paga...

- Uns cem, tá bom?

- Por uns duzentinhos...

- Fifty, fifty. Cento e cinquenta. Tá?

- Tá bom, mas, olha, bem devagar, viu?

Saí dela, que se virou, abriu as nádegas com as mãos, dizendo:

- Passa bastante cuspe. Seu pinto não é grande, mas dói.

Enchi a boca de saliva e com a mão, fui lambuzando o cacete. Ela parecia dizer a verdade quanto a não dar o rabo costumeiramente. O botãozinho estava bem fechado, com as preguinhas todas no lugar. A rola pérfida seguia rija. Encostei a ponta na entrada do buraquinho e fiz pressão.

- Áiii. Devagar!

Nem tinha entrado e a puta já reclamando de dor. A pica não entrava, cutucando fora do lugar. Ela pegou e colocou no ponto certo. O contato da sua mão me fez lembrar Ilse. Cheguei a pensar: ¨- Se amolecer agora, que se foda!¨.

E... nossa, entrou! Ao mesmo tempo que ela gritou, mais de susto do que de dor. Fui avançando, mais e mais naquele orifício apertadinho. Um tanto afoito, pressionado por tudo aquilo que eu estava passando. A sensação era deliciosa e a fricção nas suas carnes, o puxa e empurra, passava confiança, segurança de que ia conseguir.

A mulher gemia, soltava ¨ais¨ escandolosos, resfolegava me recebendo dentro do seu cu. Eu ali jubiloso por sentir que a virilidade não havia me deixado. Em estado de êxtase, passei a saborear a delicia do momento. Socava vara naquele rabo gostoso com a mulher me xingando desvairada:

- Aaaai, devagar, filho da puta! Ahh,ahh, tá me arrebentando, ahh, ahh, devagar!

Ouvir seus berros apressou o gozo. Quando senti que era hora, empurrei tudo até o talo. Ejaculei aos borbotões, enchendo suas tripas de porra e mais porra. Meu corpo tremeu por inteiro de satisfação.

Com Ilse, foi a primeira e única vez que brochei. Juro pelo que mais sagrado tenho. Tantos anos depois, se voltar a acontecer, não será um drama. Por curiosidade, experimentei o tal do ciális e além do pau ficar duro como pedra, o meu amiguinho assim ficou até o dia seguinte, em plena ereção a cada estimulo sexual.

Pena que naquele tempo não tinha tal medicamento. Porque na época, a Ilse queria tentar de novo. Talvez porque não se resignasse com o ocorrido. Eu também compartilhava do mesmo sentimento. Queria mais do que ninguém ter comido aquela deusa.

Até hoje, fico de pau duro, com vontade de tocar uma punheta em homenagem à ela. E me recriminando por não ter tentado, apesar do medo de falhar uma vez mais. Talvez se não tomasse o vinho. Se tivesse jantado naquele dia. Se não estivesse tão ansioso. Se não a desejasse tanto. Se...se....se....se ela não fosse tão divina!

################################

< Pronto! Não ia contar, mas, contei! Este relato é verídico e dedicado aos leitores que reclamam, que sempre me dou bem nas minhas histórias. Quem nunca broxou, que atire a primeira pedra!>.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
04/08/2018 01:53:17
cara admiro seus contos sao muito bons volta a escrever parceiro vai um de4z
24/07/2018 23:00:03
Mais um pra conta!!! Perfeito, amei Yuzo. Obgda pela sinceridade, pq até as mulheres estão a mercê dessa situação, em não sentir prazer, mais não por não ter interesse, mais sim por outros mil motivos, esse tal de "se".... Né... Obg pelo conto. Beijos
24/07/2018 16:02:57
EXCELENTE.
17/07/2018 23:59:59
Querido! Mais um ótimo conto seu! E esse tem de tudo não ? Vai do romance, passa pelo drama e comédia...rsrs. Desculpa sei que não é pra rir, mas acho que deve ser encarado sim com bom humor também essas situações. Ah...vi seu comentário, danadinho era vc então no carro que parou ao lado do carro que eu estava com o Cassio? Ah se eu soubesse que era vc...tinha convidado vc e seu secretario para me ajudarem a realizar o sonho do menage...DP❤ hummm...uma pena mesmo que eu não sabia que era vc rsrs. 😘😘
28/03/2018 08:05:51
sensacional
05/03/2018 18:07:35
Yuzo, é uma honra para mim que tenham comparado nossos contos. Aliás, ainda não tinha lido este e espero que - e se isso lhe trouxer prazer - nos contemple com novas edições...sempre com sua inspiração rara. Um abraço!
08/02/2018 21:26:09
Olá meu querido , por favor entre em contato comigo ...muitas saudades !! oliveirarosy05@gmail.com
05/02/2018 09:20:48
Nossa, que coisa hein... O conto está divinamente carregado de erotismo, se bem que vc não completou o que começou. Gostei da sinceridade. Parabéns.
04/02/2018 02:39:02
DENTRE MAIS DE CENTO E TRINTA MIL CONTOS, ESTE ESTÁ ENTRE OS 120 MAIS COMENTADOS DO SITE, COM 92 VOTOS. Bem escrito, merece a nota máxima!
23/01/2018 10:30:44
Lindo lê meu contos com a marcelle e deixa seu comentário
12/12/2017 01:49:49
Conto maravilhoso, impecável. Meu autor preferido e corajoso. Parabéns
20/11/2017 08:48:54
Escrevi um continho novo... Reli o seu.. Beijos, espero que ainda entre nessa conta e que ainda goste dos meus contos. ;)
26/10/2017 19:37:41
Sem palavras, Yuzo! Belíssimo drama. Comigo ainda nunca aconteceu isso, mas, fiquei imaginando, me colocando no lugar da sua deusa. Ainda bem que o seu ¨secretario¨ nunca mais falhou, né? Quando você vai nos brindar com mais um conto? Beijos da Vanessa.
16/10/2017 16:15:01
Parabéns, muito interessante!
Ly@
20/08/2017 21:25:13
Yuzo querido, confesso que seu drama arrancou vários risos, eternamente marcado por essa Deusa! Pra variar, conto sensacional! Parabéns!
15/08/2017 09:45:10
Brocha fdp do c. Kkkkk é um perfeito incompetente inútil kkk
06/08/2017 10:35:01
Adoro seus contos. Sempre com erotismo de alto nível e pitadas de humor. Aposta comigo... Se for para cama comigo, teu ¨secretário¨ vai ficar mais duro que aço. Rs. Nem preciso dizer que vc tem mais uma fã. Um beijo!
20/07/2017 09:17:04
Esse conto é perfeito
04/07/2017 10:25:56
Parabéns amigo por sua história muito bem escrita. O fato de falhar é menos importante do que parece. Não deveria ter deixado a Ilse sem gozar. Existem técnicas que um homem pode usar para fazer uma mulher plenamente satisfeita, mesmo sem penetrar. Valeu!
03/06/2017 23:54:18
bom pa caralho este conto nota maxima japa