Casa dos Contos Eróticos

Vidas opostas #6

Um conto erótico de M@uricio
Categoria: Heterossexual
Data: 30/07/2014 12:01:44
Nota 10.00

6 capítulo

Ele perguntou se ele poderia me apresentar ao seus pais como seu namorado. Eu recusei , pois ele e muito novo pra mim, e seu irmão não aceita essa "relação".

- Tudo bem, quem sabe você um dia muda de idéia - Gustavo

- Quem sabe né. Gustavo eu vou falar com teu irmão , termine seu banho e me espere- Eu

- Não! Ele vai te bater, você sabe que ele e o valentão e ....- Eu sai e o deixei falando.

Me vestir e fui procurar o Edu , eu não fui a seus quarto pois pensei que ele estava na sala. Ele não estava , e eu voltei para o quarto do Gustavo , quando ia entrar o Edu aparece no corredor, quando me ver ele volta :

- Eii ! , precisamos conversar e ....- ele me corta.

- Sai de perto de mim, me esquece seu viado de merda - ele falou entrando no seu quarto. Eu fiquei com raiva do que ele disse e corri e o joguei no chão e fiquei em cima dele o segurando:

- Nunca mais me trate assim! - Gritei com muita raiva.

- Ou oque ? Vai me bater? - ele falou ficando por cima de mim - não você não vai fazer isso , mais eu vou-.

Ele começou a bater muito forte em minha cabeça , eu fiquei todo sem movimento , sem noção. Ele levantou e começou a falar e ao mesmo tempo me chutar na barriga.:

- seu viado! Você abusou de meu irmãozinho! Seu viado mané ! Você tem que morrer ! Seu monstro ! Você fez...- o Gustavo entra no quarto e começa a gritar e a bater no irmão.

- Solta ele , solta- ele estava chorando.

Eu comecei a torcir , e ele não parava de chutar e bater na minha cabeça , eu comecei um vômito , mais só saia sangue. E ele não parava de chutar minha barriga. O Gustavo começou a gritar por sua mãe , e saiu atrás dela. E ele pegou uma raquete que estava numa mesa e começou a bater a lateral dela no meu rosto. Doia muito aquilo , eu coloquei meu braço pra me proteger , ele batia muito forte , até que o Gustavo aparece com um homem , e esse homem grita algo mais não escuto mais nada, minha visão fica toda cinza , e eu pisco o olho e vejo o homem segurando o Edu no chão é apago.

Eu acordo num hospital , está meu pai falando com uma enfermeira , e eu tento levantar, meu pai corre pro meu lado, e me deita de novo.

- Não , eu tenho que ir pra casa eu.. Eu estou sujo.. Eu...- eu paro de falar.

- Por que ele está falando assim ? - meu pai pergunta a enfermeira .

- ele está sobre efeito de medicamentos , deve passar daqui a uns 12 minutos. - enfermeira .

- tudo bem. - Saulo

Depois de algum tempo a enfermeira deixa meu pai e eu a sós :

- Pai eu estou com sede- eu estava normal , sem efeitos de remédios.

- Eu vou pegar algo pra você comer, a 2 dias que você saiu do tubo, deve está com fome. Você está bem meu filho ? - ele pergunta preocupado.

- Sim pai, estou sim, mais como eu quebrei meu braço pai? - eu não lembro de como isso aconteceu.

- O irmão do seu namorado- ele falou de um jeito tristonho - bateu com uma raquete até quebrar. Mais vai passar filho.- ele deu um sorriso e eu retribui.

Ele saiu pra ir busca algo pra eu comer. Com um tempo a porta abre e...

Continua......

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
01/08/2014 23:43:04
Owt Muito Bom !!!
30/07/2014 18:02:17
Que cara imbecil, ele devia levar uma boa surra depois de ter feito isso. Abraço!!! Continue o + rápido possível...
30/07/2014 13:37:42
é uma vontade e tanto eu nao vou mais passar vontade e tambem nao tenho pressa primeiro vou me mudar pra outro estado depois volto aqui e faço o que tenho vontade