Casa dos Contos Eróticos

Meu marido corninho virou minha putinha e melhor amiga.

Um conto erótico de Geralda (predadora)
Categoria: Heterossexual
Data: 30/07/2014 01:42:32
Nota 9.35

meu marido corninho virou minha putinha e melhor amiga.

Meu nome é Sueli, sou casada a mais de 16 anos com o Jorge, meu marido é um cara muito bacana, ele trabalha em uma transportadora de valores em um serviço burocrático, ganha razoavelmente bem e temos uma vida confortável, eu trabalho em um escritório de advocacia de secretaria do dono do escritório, doutor Diego, ele é meu amante fixo a mais de 6 anos, convive com minha família, e é muito amigo do meu marido.

Não posso dizer que tenho um casamento liberal com o Jorge, só eu tenho um amante, ele sabe e aprova meu amante, mas não permito que ele tenha outras mulheres, sou muito ciumenta, e não consigo nem pensar no meu marido com outra mulher, ele sabe disso e acredito que não saia com outras.

Em matéria de sexo nossa vida é boa, gosto de trepar com meu marido, ele é muito gostoso na cama, tem um pau de uns 17 cm. grossinho, mas não exagerado, é alto, 1,87 de altura, uns 90 quilos, branco, olhos castanhos, cabelos lisos, gostoso e carinhoso. Temos três filhos, todos dele, pois na época eu não tinha amantes, o mais velho dos meus filhos se chama Paulo, ele tem 17 anos, macro, bonito, alegre, adora esportes, minha filha do meio tem 15 anos e se chama Mônica, magra, olhos e cabelos castanhos, corpinho de princesa, e finalmente a Leila, que tem 14 anos, tão linda quanto a irmã, mas um pouco gordinha, não muito só um pouco, que na minha opinião até lhe da um certo charme.

Uma sexta-feira eu fui dispensada mais cedo porque iria viajar com o meu chefe, nós iriamos no interior de São Paulo tirar um cliente dele da cadeia, e como o voo nosso era às 18 horas eu fui dispensada pra descansar um pouco e depois ele viria me buscar pra nós imos ao aeroporto juntos, era mais ou menos umas 10 horas da manhã e eu sabia que só quem estaria em casa seria minha filha Leila que estuda à tarde, mas encontrei a porta do apartamento trancada e abri com minha chave, pensando que ela tivesse saído pra fazer alguma coisa, ouvi gemidos vindo do quarto da minha filha, não acreditei no que estaria acontecendo, ela era muito jovem e eu achava ela até bobinha demais, e aqueles gemidos eram de mulher transando, e a vozinha era dela, não tinha duvidas, ou a minha filha estava se masturbando ou transando, fui devagar até lá e vi ela de quatro e um menino da idade dela, ou um pouquinho mais velho que ela, comendo ela por trás, não na bundinha, mas na xoxota, vi que ele estava usando uma camisinha amarela, pensei em ir lá e acabar com tudo aquilo, mas vi que a minha filhinha estava se divertindo tanto que resolvi não interromper, fui pra sala e sentei no sofá e procurei não fazer barulho, e depois de uns 20 minutos ela saiu do quarto ainda nua e se dirigia a cozinha quando me viu e quase teve um ataque cardíaco, e começou a tremer parada na minha frente, sorri e falei, vou pro meu quarto e você manda o menino se vestir e ir embora, não conta pra ele que eu vi vocês transando, depois vai até meu quarto que quero conversar com você, depois sorri e dei um beijo na testa dela e vi que ela ficou mais tranquila, depois de alguns minutos ela entrou no meu quarto com uma carinha de culpada, eu sorri perguntei a quanto tempo ela já fazia sexo, ela me olhou e disse que tinha perdido a virgindade a duas semanas atrás, e que tinha sido com aquele rapaz, sorri e disse pra ela que ela era muito novinha, mas um dia isso tinha que acontecer, disse que tinha ficado mais tranquila por que tinha visto que o menino estava de camisinha, mas mesmo assim levaria ela no ginecologista pra ele passar um anticoncepcional pra ela. Ela me olhou surpresa e falou: então eu vou poder continuar transando com o Jair? Eu sorri e falei: claro que vai sua boba, do que adianta eu proibir você de transar, quando a xoxota da gente pedi rola não tem proibição de pai que de jeito, a gente da mesmo, e as vezes por falta de orientação termina ficando grávida, e não quero isso pra você, se quer transar eu te dou todo apoio, mas com anticoncepcional e camisinha. Ela sorriu e falou: eu estava meio encabulada de falar essas coisas com a senhora, mas agora que a senhora foi tão legal, eu fiquei mais calma.

Sorri e falei: Você não tem que ficar nervosa, sou sua mãe e estou aqui pra conversar com você sobre todos os assuntos, e por falar em todos os assuntos, eu vi o pau do menino, que pauzão gostoso ele tem, bem grossinho pra idade dele!

Ela sorriu e falou: não sei, não vi muitos paus na minha vida.

Nem o pau do seu irmão?

Claro que o pau do Paulo eu já vi, mas fora ele eu nunca vi outro pau, mas você viu o pau do teu irmão duro ou mole?

Já vi duro e já vi mole, vi duro quando ele estava tomando banho e eu entrei, acho que ele estava batendo punheta, falou isso e ficou rindo, sorri também e perguntei: vocês ainda tomam banho juntos?

Sim, mas o que a senhora está pensando?

Não estou pensando nada, mas quando tinha sua idade tomava banho com meu irmão, e naquela época não era como hoje em dia que vocês tem essa liberdade sexual, eu só tomava banho com meu irmão pra economiza energia e agua, meu pai dizia que nós éramos irmãos e não tinha problema, mas com o tempo vem a curiosidade e uma coisa puxa a outra e terminei pegando na rola do meu irmão e ele pegou na minha bunda e xoxota, e um dia minha mãe pegou ele passando a mão na minha xoxota quando nós assistíamos televisão. Ela não falou pro meu pai, mas deu uma bela surra no meu irmão e em mim, e quando meu pai chegou ela falou que tinha batido na gente porque nós estávamos brigando. Depois disso nós nunca mais passamos a mão um no outro, mas não sou ignorante igual a minha mãe e meu pai, sei que você já andou se pegando com seu irmão, não é verdade? Ela começou a tremer e falou: é mentira mãe, nos nunca fizemos sexo!

Com essas palavras ela tinha praticamente confessado que já tinha feito algo com o irmão, por isso falei: sei que você não transou com seu irmão, mas já andou tirando uns sarrinhos, falei isso rindo pra ela se descontrair e me contar o que tinha acontecido entre ela e o irmão.

Ela me olhando disse que já tinha pegado no pau dele e ele já tinha pegado na xota dela e na bunda. Perguntei se era só isso, se não tinham feito mais nada, ela me jurou que não. Olhei pra ela e falei que em um momento de tesão ela ter pego no pau do irmã e ele ter passado a mão nela era normal, mas tinha muitos meninos no mundo e incesto era uma coisa errada, não era aceito pela sociedade, por isso ela deveria saciar a vontade de sexo com os namoradinhos, usando camisinha e anticoncepcional.

Ela sorriu e me prometeu não ter mais intimidades com o irmão, dei um beijo no rosto dela e perguntei: tem certeza que não chupou aquela rolôna linda que seu irmão tem?

Ela sorrindo falou: tenho certeza, mas confesso que vontade não me faltou.

Eu sorri muito e falei: então baixa esse facho na rola do seu namoradinho que também tem uma rola linda, e gostosa, fiquei até molhadinha quando vi aquela rolôna dele.

A senhora acha a rola dele grande mãe?

Não é das maiores, mas é maior que a do seu pai!

É maior que a do doutor Diego?

Olhei surpresa pra ela e falei: como você sabe do meu caso com o doutor Diego?

Tá brincando não é mãe? Tanto eu como o Paulo e a Monica já vimos o Doutor Diego pegando na xoxota da senhora muitas vezes quando a senhora passa por ele aqui dentro de casa, a senhora pensa que alguém é besta aqui dentro? Sabemos até que o papai é corno manso!

Que desrespeito é esse com o seu pai menina? Seu pai é um homem maravilhoso e não merece que você fale assim dele!

Desculpe mãe, eu não tive a intenção de ofender o papai.

Tudo bem minha filha, é bom que você e seus irmãos saibam do meu caso com o Diego, seu pai sempre soube e nos damos super bem.

Não estou lhe recriminando mãe, a senhora é uma excelente mãe, e papai é um excelente pai, não poderia ter mais sorte na vida de ter dois pais tão bacanas.

Obrigado minha filha, mas voltando ao assunto, vou leva-la no meu ginecologista, o doutor Saldanha, ele é um excelente medico, vai fazer um exame geral em você, e depois passar um anticoncepcional pra você. Tudo bem mãe, mas porque não posso ir na doutora Ana, ela foi sempre a minha medica. A doutora Ana está viajando, liguei pra ela semana passada, e acho que você tem que começar a usar anticoncepcional urgente.

Pelo jeito que a senhora fala parece que eu estou doidinha pra transar. E não está? falei e sorri, ela sorriu também e confirmou com a cabeça.

Olhei em seus olhos e falei: filha não tem coisa mais gostosa do que um homem dentro da gente, mas essas coisas exigem responsabilidade, você pode meter gostoso com quem você quiser, mas nunca esqueça de usar camisinha, e pílula, quanto a eu e seu pai vamos lhe da todo apoio, e quando você quiser dormir aqui em casa com o seu namoradinho pode trazer ele e fuder gostoso no seu quarto, não vamos atrapalhar, ao contrario, eu sempre tenho camisinhas e posso lhe da quando você trouxer ele pra dormir com você.

Que maravilha mãe, mas e o papai, será que ele vai deixar?

Claro que ele vai deixar, e depois se ele não deixasse, quem é que manda nessa casa.

Claro que é a senhora mãe, todo mundo sabe disso!

E a sua irmã, ela também anda sentando na piroca dos namorados? Ela sorriu muito e falou: a senhora fala de uma maneira que até deixa a gente excitada, mas respondendo a sua pergunta, sim, ela anda sentando na piroca dos namorados. E vocês conversam sobre o assunto, vocês conversão sobre sexo?

Conversamos muito mãe, ela me conta tudo.

Depois quero conversar com você sobre isso, agora tenho que tomar um banho, vou viajar com meu chefe pro interior de São Paulo, e tenho que tomar um banho.

Ela sorriu e perguntou: vai meter muito com ele?

Que pergunta mais intima menina, mas a resposta é não, nós vamos lá tirar um cliente dele da cadeia, depois voltamos, não tem nada a ver com sacanagem.

Se eu fosse à senhora aproveitava já que está lá com ele sozinha, porque não fica o fim de semana e fode gostoso.

Se eu quiser fuder com o Diego não preciso ir pro interior de São Paulo pra fazer isso, basta ir pro sitio dele que é a coisa mais linda do mundo e trepar o fim de semana inteiro.

Tudo bem, não está mais aqui quem falou.

Às dezoito horas o Diego veio me buscar e fomos direto pro aeroporto, meu marido já tinha chegado e ficou fazendo sala pro Diego enquanto eu me arrumava, quando cheguei na sala, como só estavam meu marido e o Diego, eu dei um beijo na boca do Diego, quando os nossos filhos estão em casa não costumamos beijar na boca, mas quando é meu marido não tem problema.

Beijei meu marido me despedindo e fomos pra São Paulo, chegamos lá jantamos e fomos direto pro hotel, perguntei se o Diego estava afim de da uma esticada em uma boate, ele sorriu e disse que só ia em boate pra pegar mulher e a dele estava em sua frente a disposição, sorri fui até ele e ficamos nos beijando, e resolvemos ir pra cama, trepamos por uns 20 minutos depois liguei pro meu marido pra avisar que tinha chegado bem, ele me perguntou se eu e o Diego íamos sair, disse que não, disse que o Diego estava um pouco cansado e íamos dormir, ele sorriu e disse: você deve está puta da vida, queria tirar um sarro e o garanhão está cansado, sorri muito chamando ele de bobinho e falei: Ai é que você se engana meu corninho, o Diego mesmo cansado quer me comer toda hora, já demos uma ainda há pouco.

Vocês são tarados mesmo, agora fiquei com tesão, queria que você estivesse aqui, sorri e falei: não se preocupa meu gostoso, amanhã a tarde estaremos ai, a noite vou meter com você bem gostoso.

No sábado eu e o Diego metemos de manhã antes de escovar os dentes, ele sorrindo falou: é por isso que eu tenho uma amante, todos os dias acordo e dou uma com minha esposa, e sempre sinto esse cheiro de cabo de guarda-chuva na boca dela, e com certeza ela na minha boca, e com a amante não tem esse problema porque raramente a gente dorme juntos.

Que conversa é essa amor durmo com você quase todas as semanas.

Mas minha mulher dorme comigo todos os dias, você dorme uma vez por semana, no máximo.

Fomos resolver os problemas e o Diego descobriu que o juiz era um conhecido dele, o cara foi colega dele de faculdade, e os dois conversaram e o tal juiz prometeu soltar o cara na manhã de segunda-feira, e como não tinha mais nada pra fazer lá, eu e o Diego fomos dá uma volta na cidade e descobrimos um lugar aonde os casais iam pra troca de casais, swing, etc.

Bebemos muito e fomos lá, sentamos em uma mesa isolada, e em dado momento o Diego foi ao banheiro, e como ele estava demorando muito fui atrás dele, não encontrei, cheguei até a entrar no banheiro que não tinha muitas regras pra que sexo podia entrar, vi muitos caras mijando, alguns com pau pequeno, mas também uns monstruosos, tinha uma mulher do meu lado e vendo-me observando um pau falou: esse ai é gostoso, mas você devia ver o do meu marido, ele tem um pau lindo, ela era uma gata, não sou chegada à mulher, nem tinha intenção de transar com outra pessoa que não fosse o meu homem, ou seja, o meu amante, por isso vendo que ele não estava no banheiro, fui procura-lo em outros lugares, pra minha surpresa encontrei ele comendo o cu de uma japonesinha dentro de um dos muitos quartos que o lugar tinha, fiquei morrendo de ciúmes, não gosto que o meus homens tenham outras mulheres, a esposa do Diego não conta, ela é a esposa, tem seus direitos, mas outras eu não permito, ia sair da boate e tentar voltar pro hotel sozinha, mas quando cheguei na portaria o segurança me barrou e perguntou pela comenda, eu disse que estava sem a comenda, que ela estava com o homem que estava comigo, mas ele falou que só saia com a comanda, voltei pra mesa furiosa, e tive que ficar esperando o filho da puta do Diego terminar de comer a puta da japonesa, depois de uns 20 minutos o Diego chegou com a cara mais limpa do mundo e falou que o banheiro estava muito cheio e por isso demorou, olhei pra cara dele com muita raiva e falei que tinha visto ele comendo a tal da japonesa, e só não tinha ido embora por que não tinha a comanda. Discutimos muito e até falei pra ele que iria pedir demissão, ele me pediu desculpas e prometeu que não mais aconteceria, eu não falei com ele a viajem de volta toda, ele me deixou em casa de taxi e quando foi me beija pra se despedir, eu virei o rosto e entrei sem falar com ele. O tempo passou e voltei as boas com o Diego.

Acordei muito excitada, meu marido estava do meu lado e fui logo pegando no pau dele, depois de punhetar um pouquinho o pau dele mostrou sinal de vida, e ele finalmente acordou, sorriu e falou: acordou com tesão amor? Sim, mas desculpe meu corninho, não é de você, ele me olhou meio desanimado e falou: então do Diego? Não corninho, é do Sérgio, um antigo namorado meu, faz algum tempo que não nos vemos, mas a rola dele me deixou saudades! Nesse momento notei que o pau do meu marido ficou um pouco mais duros as veias começaram a aparecerem mais, ai desci a mão até a bunda dele e enfiei um dedo no cu dele, já tinha feito isso algumas vezes, meu marido no inicio protestava, mas como eu insistia muito em fazer ele terminou deixando, e eu fiquei mexendo bem devagar o dedo no cuzinho dele e falei. Acho que vou ligar pro Sergio, queria muito aquela rolona na minha bunda e xoxota, o pau dele é uma delicia.

Meu marido me olhou serio e falou: e o meu pau? Porque não usa o meu pau, ele está bem aqui pra ser usado por você amor.

Por que hoje eu quero um pau grande e grosso, o seu é só grosso, e quero também alguém que saiba fuder gostoso, você não sabe fuder gostoso!

Você não gosta de fuder comigo amor? Sempre pensei que você gostasse de trepar comigo!

Claro que gosto, mas fuder com você é como fuder com uma mulher com uma cinta pênis afivelada na cintura, você não sabe muito bem o que fazer com seu pinto, se você soubesse eu seria a mulher mais feliz do mundo, mas essas coisas a gente nasce sabendo, e você não sabe.

Meu dedo entrava até o fundo do cuzinho dele e o pau dele crescia mais ainda na minha mão.

Como assim amor, você acha que sou tão ruim assim pra transar?

Não é que seja ruim, mas todos os dois que citei são muito melhores que você, e como já disse você têm uma excelente ferramenta, mas não sabe usar, mas você é meu corninho, é o que tenho em casa, e tenho que aproveitar o que tenho em casa, e fazer o melhor possível pra ferramenta que tenho a minha disposição em casa seja bem aproveitada, por isso que quando trepamos tenho que lhe da instruções do que quero que você faça com sua coisinha, o que não acontece com o Diego, nem com o Sergio, os dois são verdadeiros machos alfas, eles sabem judiar de uma mulher, sabem me deixar satisfeita.

Se você quer sexo mais violento eu posso te dar amor!

Não é questão de mais violento meu corninho, é questão de saber a hora de ser violento, isso o cara nasce sabendo, é uma questão de nascer com aquele jeitinho pra fazer uma mulher feliz na cama, mas não se preocupe com isso, eu te amo, e sempre estarei com você, nossa vida é uma delicia, e até o seu pau é muito gostoso quando eu conduzo a trepada.

Enfiei um segundo dedo no cuzinho dele que entrou super fácil, mas ele reclamou.

Amor esses dedos ai tão doendo muito!

Conversa fiada querido, desde que enfiei o dedo na sua bunda, seu pau ficou muito mais duro, e depois que enfiei o segundo dedo, ficou tão duro que estou até com vontade de da uma chupadinha no seu pau.

Então cai de boca amor, estou doido pra sentir sua boquinha chupando minha piroca. Posso até dá a chupadinha, mas antes quero que você confesse que adora um dedinho no toba, ele ficou me olhando nos olhos e depois baixou a cabeça e falou:

Ele - Tá certo amor! Eu confesso gostar muito de um dedinho no cu.

Eu - Agora diz que você adorou quando eu coloquei o dois dedos.

Ele – eu adorei dois dedos amor.

Eu – já que você resolveu ser honesto comigo, vou lhe pagar o melhor boquete da sua vida, mas não estou fazendo isso só por você, sua rola está maravilhosa assim tão durinha, e estou morrendo de vontade de chupa-la.

Iniciei uma chupeta no meu corninho, ele gemia muito e vi que o goso viria em poucos segundos, por isso parei a chupeta e tirando a boca do pau dele falei: O Sergio tem o pau ideal pra comer um cuzinho, ele tem o pau mais fino que o Diego, tem um tamanho bom, não é grande nem pequeno, e come cu de homem, seria o cara ideal pra comer seu cuzinho, nessa hora, meus dois dedos entravam e saiam do cuzinho dele com muito vigor, o que fazia ele gemer muito, então completei: uma vez trepei com o Sergio e um amigo dele chamado Mauricio, depois de me comer o Sergio mandou o Mauricio ficar de quatro e mandou ferro nele, o Mauricio adorou a rola do Sergio.

Ele - Mas eu não sou viado amor!

Eu sei que você não é viado, mas sei que você sonha em dá o cuzinho pelo menos uma vez na vida, diz com toda sinceridade se eu estou mentindo?

Ele me pediu um beijo e continuando com os dois dedos enfiado nele fui até sua boca e beijei-o gostosamente, um beijo de língua muito babado, muita saliva. Ele olhou-me nos olhos e falou baixinho:

Você não vai deixar de gostar de mim se eu falar essas coisas com você?

Porque eu deixaria amor, sempre soube que você queria uma rola nessa bundinha linda, e sempre tive tesão em pensar nessa bundinha linda que você tem levando rola, só não queria que fosse o pau do Diego, o Diego é meu homem e não podemos fazer o nosso caso virar uma orgia, tem que ter respeito, afinal de contas ele convive com os nossos filhos, mas o Sergio é diferente, ele é só um pau gostoso pra de vez em quando, além disso ele gostar de bunda de homem, e a sua é uma bundinha linda, tenho certeza que ele vai adorar, e tem mais, ele tem um pau perfeito pra bundas iniciantes como a sua, você é iniciante não é?

Claro que sou, ou você acha que vivo por ai dando o meu cu!

Calma amorzinho, não foi isso que quis falar, só perguntei se você já deu o cu alguma vez.

Ele olhou pra mim com uma carinha tímida e falou: Só dei quando era criança, tinha uns 15 anos e só dei pro meu primo Juvenal, ele na época tinha uns 20 anos, e foi só uma vez, o desgraçado se aproveitou da minha inocência.

Então é por isso que você não gosta que o Juvenal venha aqui em nossa casa amor?

É sim amor! Apesar de não ter sido a força, acho que ele se aproveitou da minha pouca experiência de vida.

Mas você gostou? Não sei, doeu um pouco, mas confesso que até hoje penso nisso. E você fica excitado quando pensa nisso? Ele abaixou a cabeça e balançou em sinal de positivo.

Vibrei por dentro com a resposta, minha xoxota estava quase pulando do lugar de tanta excitação, ai eu falei: querido a única maneira de você se livrar desse fantasma que te assombra é dando esse rabinho de novo, você tem que dá pelo menos uma vez, tem que saber o que você sente dando o cuzinho, se você guardar isso reprimido dentro de você é capaz de lhe fazer mal e você cair em depressão.

Ele me olhou e falou: eu sei de tudo isso amor, sempre soube, mas tenho muito medo de tudo isso, e agora ouvir você dizer que tenho que da minha bunda, é uma coisa muito estranha isso tudo, você não tem medo deu gostar e terminar virando gay?

Medo eu tenho não posso negar, mas tenho que pensar em você, no seu bem está psicológico, e acho que você vai ser uma pessoa sempre deprimida se não fazer isso.

Você me acha uma pessoa deprimida amor?

Claro que acho todos os nossos filhos já tocaram no assunto comigo, você é uma pessoa deprimida, não é o tempo todo, mas é sim uma pessoa deprimida!

Ele – e por que você se senti excitada com isso, por que você quer me ver dando o cuzinho?

Eu – amor você já é a minha melhor amiga, só falta começar a gostar de homem como a sua melhor amiga gosta, por isso eu to dando tanta força pra você.

Ele – então você acha que sou viado mesmo?

Não acho que você é viado, vejo como você adora trepar comigo, você tem sim um lado de homem, mas adoro o seu lado feminino, você tem muito bom gosto pra roupas femininas, pra Lingerie, blusinhas, sainhas, não confio em ninguém pra me ajudar a escolher uma roupa pra sair com um cara, como confio em você!

Ele baixou os olhos e vi que ficou sem graça, beijei ele no rosto e falei: amor você pode até não ser gay, mas você tem uma alma feminina muito presente, e acho que você devia explorar isso, com o seu bom gosto pra tudo você devia tentar trabalhar com moda, ou arte, sei lá, alguma coisa assim mais feminina.

Ele – pois te digo, não sou gay, mas topo fazer o que você está me propondo, pode marcar com o tal cara, eu topo, que maravilha amor, eu mesma vou te depilar, tenho certeza que você vai gostar, pode até ser que vá ser a ultima vez, mas você vai gostar com certeza.

Dois dias se passaram depois de nossa conversa e ele mal olhava pra mim, isso começou a me incomodar, um dia ele estava no nosso quarto e deitado e deitei ao lado dele e disse que estava sentindo falta da minha melhor amiga pra conversar, disse que depois do nosso papo ele nunca mais tinha conversado comigo como costumávamos fazer.

Ele sorriu e disse que tinha pensado muito no que eu tinha falado e não se sentia a vontade pra fazer aquilo que tínhamos combinado, disse que sabia que tinha que ser feito, mas não se sentia preparado, eu sorri e falei que ele não precisava se preocupar com nada, que quando ele quisesse eu entraria em contato com o Sérgio, e que ele podia demorar quanto tempo ele quisesse que eu só queria o bem dele, depois fui até a porta do nosso quarto e falei sorrindo: você não quer fazer um sexo lésbico comigo? Ele me olhou com olhos de espanto e falou: como assim sexo lésbico, apesar de ser sua melhor amiga como você fala, eu não sou mulher.

Olhei pra ele e falei: confia em mim que farei de você uma menina tesuda, vou te comer muito na bundinha, ele com certeza pensou que eu iria meter o dedo na bundinha dele como sempre fazia, mas eu tinha uma surpresinha pra ele, mas ele não podia ver, tinha medo de se ele visse ficasse com medo e não deixasse eu fazer, por isso mandei ele ficar deitado de bruços na cama, e coloquei um travesseiro embaixo dele, de maneira que ele ficasse com o bumbum empinadinho, ele obedeceu e o bumbum dele ficou tão empinado que dava pra ver o cuzinho dele, peguei a vaselina e coloquei bastante no dedo e lambuzei o cuzinho dele, ele sem me olhar falou: coloca bastante no dedo também, seus dedos são grossinhos e doe quando entram!

Os meus dedos não são nem a metade da grossura da rola do Sergio, você tem que se acostumar com meus dedos pra aguentar bem a pica do Sergio, ele não falou nada, mas seu pau que estava entre as pernas abertas, deu sinal de vida na hora que pronunciei o nome do Sergio, sorri e falei: minha putinha linda, você ficou de pau durinho quando eu falei o nome do Sérgio, ficou pensando na picona dele, aposto que você tá doidinha pra levar aquela picona na bundinha, ele ficou calado por alguns segundos e falou: não sei se terei coragem amor, acho que deve doer muito, quando dei pro meu primo a pica dele nem era tão grande e doeu pra burro. Alisando a bunda dele falei: mas bem que você gostou, se não tivesse gostado não pensaria mais nisso, você só pensa nisso porque gostou e não se perdoa por ter gostado. Ele se calou e ficou quietinho deitado pensando no que eu tinha falado, enquanto isso eu passei vaselina no consolo que tinha comprado e fui colocando na entrada do cuzinho dele, ele protestou perguntando o que era aquilo, eu sentei em cima das costas dele virado pra bunda e falei: não se preocupe amor, eu comprei esse brinquedinho pra nós, ele é bem mais fino que o do Sergio, é só pra você ir se acostumando, tenho certeza que você vai gostar, e continuei enfiando até o fim na bundinha dele, entrou mais fácil que eu havia pensado, mas o consolo não era tão grosso assim, tinha uns 6 cm de largura, era da grossura ideal pra comer uma bundinha, e acho que ele gostou, pois quando comecei a fazer movimentos de foda, ele começou a gemer e reboar no brinquedo, sorri e falei: sabia que você ia gostar putinha, agora sei que vou ter uma amiguinha pra dividir meus brinquedos, e conversar sobre coisitas de mulher. Bombei por mais de 20 minutos na bunda dele, em nenhum minuto ele pediu pra tirar, nem reclamou, muito pelo contrario, ele gemeu e ficou punhetando seu pau, até que gosou um rio de porra, depois me beijou e agradeceu a gosada gostosa que tinha dado, disse que a muito tempo não gosava tão gostoso.

Dormimos pro uns 40 minutos depois ele quis me comer, sorri e disse que ele só ia me comer quando fosse macho o bastante pra reconhecer que ele estava doidinho pra da o cuzinho pro Sergio, ele sorriu e falou: amor não vou mais mentir pra você, passo o dia todo pensando nisso, acho que você tem razão, estou mesmo maluco pra sentir o pau do seu ex-namorado, mas ainda não me sinto com coragem pra fazer isso.

Tudo bem amor, mas agora eu queria que você me ajudasse a escolher uma roupinha, eu vou sair com a Claudia, minha amiga da faculdade, você se lembra dela?

Claro que lembro, vocês não se largavam no tempo que namorávamos.

Vamos a uma boate, o Diego está viajando com a família e eu não vou ficar em casa feito uma freira, a Cláudia disse que o namorado dela tem um irmão muito gato, e o cara topou sair com a gente, eu faço par com o cara e a Claudia com o namorado, vai ser legal, quem sabe se o tal cara for bonito mesmo eu não termine em um motel com ele, faz tempo que não transo com um homem diferente, é sempre você e o Diego, estou precisando de uma emoção nova na minha vida, quem sabe esse cara seja essa emoção, quem sabe ele não seja um gostoso que vai me fazer gosar muito hoje.

Ele – tudo bem amor, acho que você tem toda razão, você tem mais é que se divertir mesmo, você tá precisando sair e se divertir.

Sabia que você iria me apoiar amor, será que você pode me ajudar na depilação, estou meio cabeludinha lá em baixo, e na bunda também.

Ele – eu olhei ainda a pouco essa bundinha linda e não vi nenhum cabelo, mas se você quer eu tiro com cera algum cabelinho que insistir em nascer.

Eu – Ai amor, bem que você poderia se decidir logo, fico muito excitada em pensar nós duas de quatro uma ao lado da outra e o Sergio revezando entre nossos cuzinhos, dois minutos no meu cuzinho, dois minutos no seu, dois minutos na minha buceta, dois minutos no seu cuzinho de novo.

Ele ficou me olhando e falou: você disse que não ia ficar me pressionando, me da um tempo, eu sei que você está excitada com a possibilidade do Sergio comer minha bunda, e você sabe que eu também estou, mas você precisa me da um tempo.

Me desculpe amor, não vamos mais falar sobre isso, me ajuda a escolher um vestido bem bonito, porque se esse cara for bonito eu quero chegar em casa com a bucetinha toda vermelha de tanto meter.

Ele – tenho certeza que ele é um homem bonito, sua amiga não disse que ele é um gato, então, sei que você vai passar a noite toda metendo com o tal gato, e vai chegar em casa toda assada como você quer.

Eu – obrigado amor pela força que você está me dando.

Continua ......

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/07/2018 16:45:29
Não acreditei muito no conto mas
27/10/2017 11:43:55
Muito bom!!!!
08/02/2016 15:41:51
Sou louco para ser tratado como uma putinha por uma mulher assim ou por um casal. A minha não pode nem ouvir falar. Pena que nunca encontrei nada real. E enquanto não viver algo assim tendo a acreditar que todos esses contos são inventados. Se houver interesse em me provarem o contrario entrem em contato. OBS Sem envolvimento financeiro - pago só o motel, sexo para mim é prazer e não comércio. hellenfantasiadecdiniciante@hotmail.com
04/02/2016 20:18:03
DELICIA DE SER CORNO MANSO ASSIM
19/12/2014 03:26:06
Nossa, bom demais!!!
28/11/2014 00:45:55
Muito bom o seu conto, sou apaixonado po mulher muito safada na cama adoro um menage com duas mulheres. Beijos e obrigado por ler os meus contos. Carlos Roberto
08/08/2014 12:34:21
delicioso, esposa safada e liberal é maravilhoso...
05/08/2014 19:11:33
delicia
03/08/2014 13:53:04
Maravilhoso o conto como sempre, entendo que entre o casal deve haver a cumplicidade e o que é feito entre quatro paredes, se der prazer a ambos ou mais, deve ser feito com carinho e respeito.

Listas em que este conto está presente

Contos Lidos
Lista para manter o registro dos contos lidos por mim.