Casa dos Contos Eróticos

Rodney - O futuro advogado musculoso. (93).

Um conto erótico de Mortiça
Categoria: Heterossexual
Data: 30/07/2014 00:43:40
Última revisão: 30/07/2014 01:22:26
Nota 10.00

De Flavia

P/ Rodney

Na faculdade é um ambiente que se encontra todo tipo de pessoa. No tempo que estudei consegui fazer um número grande de amizade, de todos os cursos e todos os tipos de pessoas. Porém teve um que marcou pra sempre em minha vida. Rodney tem é de um belo Deus grego, com um corpo todo escultural. Esse cara ficava sempre sentado em um banco do pátio lendo revista de história em quadrinhos. Aquela cena se repetia quase todas as noites e que não saia de minha cabeça. Até que um dia ao passar pelo pátio avistei sentado lendo o um gibi do capitão Marvel, resolvi parar próximo a ele perguntei se poderia sentar, ele por sua vez de imediato falou que sim, nesse dia estava com um vestido curto (trajes que uso muito) e sentei de lado dando as costas a ele, mas sempre trocava de posição ficava de frente a ele. Sem querer olhei seu caderno que estava em seu colo, vi um adesivo com seu nome e curso que fazia. Ele se chama Rodney e cursava Direito. Logo depois chegou um amigo e o cumprimentou, mas esse ficou de pé e ás vezes me olhava também, mas não queria ele e sim o Rodney, depois de alguns segundos eles saíram, mas Rodney me deu um até logo com sorriso na face e junto uma piscada, só que e o próprio esqueceu uma folha no banco, peguei dei uma olhada era uma prova que por sinal tirou nota boa, guardei comigo e fiquei feliz por isso, por descobrir seu nome.

No dia seguinte lá estava ele no mesmo banco, me aproximei no intuito de entregar a folha e nossa amizade começou ali, fui logo chamando pelo nome.

- Rodney, boa noite! Você esqueceu essa prova ontem quando saiu.

Estiquei a mão e o entreguei e fui logo falando.

- Não teve como não ler o seu nome.

- Sem problema, ainda bem que tirei uma nota boa, mas na verdade deixei de proposito.

Sentei ao seu lado e começamos a conversar. Apresentei-me com a pura felicidade. Rodney é um cara alto, todo musculoso, roupas impecáveis sempre, limpa e passada. No dedo uma aliança que até então não tinha visto, mas ele com sua sinceridade me falou que era casado. Parabenizei pela sua atitude, por que poucos homens falam isso, mas a sua aliança estava ali á mostra não tinha como negar. Nesse dia tive que ir a sala de aula, pois haveria uma prova e não podia faltar, trocamos telefone e subi. Mas antes ele falou que no intervalo estaria ali naquele banco.

Na hora exata do intervalo desci, mas não desci sozinha e sim com uma amiga, mas nada falei a ela. Passei pelo banco e ele não estava e minha amiga foi encontrar seu namorado. Fiquei a espera dele, depois de meia hora ele se aproximou de mim e se sentou ao meu lado, logo fui falando.

- Não vai ler o seu gibi.

- Claro que não, existem coisas melhores que isso.

Ri de sua resposta, falamos mais um pouco e ele perguntou se podíamos pra outro lugar que não fosse à faculdade, na hora aceitei. Subi a sala de aula e peguei meus pertences. Quando voltei partimos para o estacionamento onde estava seu carro. Para minha surpresa ali mesmo ficamos, seu carro com vidro fumê ninguém nós via. Rodney me falou um pouco de sua vida e de seus sonhos, ele é um policial da civil que estava com planos de virar advogado. Em seus 42 primavera estava na hora de ter outra estabilidade. Mas esse papo foi deixado de lado e ele partiu para um beijo que duraram cerca 10 minutos. O carro é um lugar incomodo e reclamei que não da dava pra abraçar aquele maravilhoso corpo. Logo ele falou.

- Que ir para a um lugar calmo.

- Pode ser. O bom é ficar mais a vontade e assim poder apertar seus músculos.

Rodney começou a rir e enquanto partíamos para o ponto estratégico, ele fala um pouco mais de sua vida, por exemplo: O quanto sua esposa não era muito carinhosa com ele, fala sobre seu trabalho que é um pouco estressante a ponto de passar por um psicólogo entre outras coisas. E eu falava sobre meus sonhos de um dia casar e poder cuidar muito bem de meu marido, dá valor a um único amor d minha vida.

Chegamos ao um hotel no mesmo bairro da faculdade, ao entrar no quarto Rodney foi logo me abraçando cheio de tesão, jogou meu corpo sobre a cama e foi logo levantando meu vestido e assim retirou minha minúscula calcinha e a jogou no chão, sua língua foi em direção a minha buceta que a essa altura já queimava em brasas, seus dedos grandes abria minha buceta e com sua língua tamanho gigante ia ao fundo e ao mesmo inundava com sua saliva, ora chupava minha buceta, ora meu ânus, aquilo me deixava louca e me senti uma vadia louca por sexo. Depois de alguns segundo, ele se levantou e parou na minha frente retirando seu cinto e ao ver aquele homenzarrão na minha frente, não pensei duas vezes comecei a alisar seu cacete que estava duro de pedra e sem pensar de novo abri o zíper e com delicadeza retirei seu mastro, suas mãos arriava a calça que desceu junto com a cueca, deixou na altura dos joelhos. Meio que nervosa ao ver aquele belo cacete grosso, porém não muito grande fiquei em estado de chope e com vontade de cair de boca, mas preferi alisar com carinho e subia e descia, até que não resisti e cai de boca, senti um gosto diferente me parecia urina, mas não liguei e continuei a chupar como uma meretriz, suas mãos levantava minha cabeça só para ver o meu ato sexual. Ele me obrigou a cuspir forte em seu cacete e assim o fiz, achei aquilo diferente e bom, em um momento ele levantou seu saco oferecendo para cair de boca, senti um cheiro bom entre suas virilhas e ai que dava mais gosto em chupa-lo todo.

Nossas bocas cansadas e quase sem salivas, Rodney me afastou do seu cacete e me deitou com as pernas para o ar e salivou minha buceta com bastante cuspi e melou mais um pouco a cabeça do seu cacete, se abaixou entre minhas pernas e começou a esfregar seu cacete na minha menina que pedia rápido o seu cacete, sem eu esperar ele introduzia sua pica com carinho na minha pequena e depilada buceta. Rodney se livrou de sua camisa azul que já transpirava o odor do sexo, sua calça ainda no local dava uma leve sensação em minhas pernas. Seu pau começou a entrar e sentia o peso do seu corpão sobre o meu suas mãos já explorava sobre meu vestido o meu peito que os apertavam e sentiu um pouco incomodo começou a retira-lo, me deixando completamente nua. Diante do espelho via uma linda cena de sexo, uma mulher branca embaixo de um homem negro e forte, os dois olhavam a cena, quando já bem relaxada Rodney começou a meter com força e eu gemia em baixo daquela montanha, seu cacete ia fundo e sentia um prazer misturado com dor. Em certo momento ele bem ofegante gritava.

- É isso que você queria levar umas pirocada de um macho.

- Isso mesmo seu macho gostoso, mete esse piroca em mim.

Arrependi-me de ter falado isso, pois começou a meter sem dó, seu corpo pesado me deixava sem ar. Ficamos cara a cara e trocávamos beijos, senti sua saliva ciar sobre meu rosto que me lambuzava e fala assim.

- Gosta da putaria.

- Sim eu gosto meu macho.

Nisso ele metia com vontade e repetia coisas que davam prazer em estar ali com ele. Trocamos de posição ele ficou por baixo, retirei seu sapato e sua calça ficando com suas meias pretas. Ele me mandou chupar seu pau e fala pra eu sentir o gostinho de sua buceta e o fiz, o gosto era bom. Mas depois ele com brutalidade levantou meu corpo e me virou fizemos um 69, Ele lambuzou ainda mais minha buceta, deixando-a bem lubrificada e outra vez me girou sobre seu corpo, me obrigou a sentar no seu pau, meio tremula sentei de vagar, mas suas mãos agarrou em minha cintura e empurrou forte, um dor tomou conta do meu corpo, não podia sair, pois ele é muito forte. Comecei a rebolar e foi ai que a sensação do prazer chegou e como uma louca subia e descia naquele mastro que sua esposa dispensava. Seus braços se encontravam abaixo de sua cabeça e deixava expostos uns pares de axilas depiladas, me abaixei e com dificuldade mirei uma delas e comecei a cheirar e a lamber. Nossa que delicia, o cara meio que suado exala um odor que me deixou louca. Ele notou que estava adorando esfregava minha cabeça para cheira com vontade aquelas axilas, enquanto ele metia com tesão eu lambuzava seu sovaco gostoso.

Levantei-me e trocamos com seu pau dentro de mim ele se sentou na beira da cama, abri as pernas e segurava seu pescoço. O bruto metia com força e ainda falava coisas excitantes.

- Toma pica sua vadia, eu estava quieto lendo em gibi, agora toma.

Ele levantou da cama e ainda em seus braços forte me deitou na cama, seu pau saiu em seguida meteu e jogando todo seu peso sobre meu metia com mais força, até que ficou cada vez mais forte, seu suor escorria pelo rosto e sua língua saia pra fora. Nessa hora ele estava gozando dentro de mim, senti um lance quente dentro de minha buceta e ele não parava de meter. Em seguida retirou seu pau ainda babando de leite e me ofereceu para chupar, ainda duro meteu outra vez e foi ai que ele me vez gozar, passei a agarrar seu pescoço e percebendo que estava entrando em momento de prazer o bruto passou a meter mais com vontade e outra vez ele gozou. Retirou rapidamente seu pau e miro entre meus peitos senti dois jatos e uma quantidade boa de leite e outra vez fez questão de chupa-lo, até sugar a ultima gota sair.

Caímos desfalecido sobre a cama, nossa respiração estava descontrolada. Já bem descansados, sorrimos um para o outro e nos abraçamos. Depois ele me falou em voz alta.

- Flávia, eu te quero.

- Eu também.

Subi em seu corpão e nos abraçamos e nos beijamos.

Foi uma linda transa e um bela história de amor e sexo que rolou outras brincadeiras do tipo essa, só que mais fortes.

Amo você Rodney nunca te esquecerei.

flaviabarreto25@bol.com.br

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
30/07/2014 00:57:46
ja pensou se o negao puxa a rola da boca de uma vez e a dentadura vem junto grudada no pau, só estou comentando sobre dentadura porque tive uma namorada que usava dentadura e pra chupar meu pau ela deitava a cabeça sempre na minha barriga pra mim nao ver o drama que ela passava quando comecei a perceber e falei pra fica passando a lingua so em volta da cabeca nossa ai melhorou bastante porque antes nem sentia a boca dela no meu pau de tanto cuidado que ela tomava pra dentadura nao sair eu ia pedir pra ela tirar a dentadura e chupar a vontade mais nunca mais a vi ela sumiu sem me dar explicaçoes, paciencia a fila anda