Casa dos Contos Eróticos

ENRRABADA PELO DELEGADO ROLUDO

Autor: Camila
Categoria: Heterossexual
Data: 24/04/2014 19:24:59
Última revisão: 15/11/2017 12:14:55
Nota 7.00
Ler comentários (3) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Que adoro aprontar isso não é novidade pra ninguém. E quem já leu meus contos sabe muito bem disso. Confesso que estou um pouco mais sossegada mas não parei, fiquei ansiosa pra contar pra vocês essa trepada...me realizei. Gosto demais de ler livros de romances policiais e investigações, sempre descrevem tão bem os personagens, que chego a ficar excitada apenas com a descrição de delegados, policiais e investigadores. Seus corpos fortes e rostos perfeitos, são inteligentes e rudes, verdadeiros machões imponentes. Como queria conhecer um homem assim, com toda certeza treparia com ele 24hs. Pois bem...

Na academia, meu celular tocou. Era minha mãe pedindo pra encontrar ela numa delegacia de Perdizes porque havia sido assaltada no meio da rua, estava com a pressão alta precisando tomar o remédio de todos os dias, passei em casa pra pegar o remédio e fui correndo. Chegando na delegacia, lá estava ela, sentada ainda tremula pelo susto, enquanto um rapaz de preto conversava com ela, me aproximei e ele se virou estendendo a mão pra me cumprimentar e se apresentou :

-Bom dia, prazer delegado Samir.

-Bom dia.

Retribuí o aperto de mão forte e firme, e claro não pude deixar de notar o quão novo era o delegado, geralmente são velhos, feios e barrigudos, mas esse era jovem e lindo.

Enquanto ele explicava o que havia acontecido não conseguia parar de olhar pra ele, não ouvia mais nada do que ele disse depois que se apresentou, balançava a cabeça como se tivesse entendendo tudo, sendo que na verdade nem tinha como entender nada.

Simplesmente lindo, não muito alto, cerca de 1,80, forte, dava pra ver o volume muscular daquilo tudo pela camiseta preta apertada. Os braços, fortes e peludos, não precisava muito esforço pra imaginar todo o resto, pele morena com aquele cabelo preto e liso, que brilhava com a claridade que vinha da porta, olhos negros que serviam de espelho, podia me ver neles. A sobrancelha era grossa e bem delineada, lábios grossos que destacava ainda mais o cavanhaque cheio; uns 35 ou 38 anos, meio grisalho nas têmporas e tinha alguns fios brancos na barba também, falava com certo sotaque, não parecia ser brasileiro.

-Agora ela está mais calma não é? A senhora quer fazer um boletim de ocorrência?

Minha mãe respondeu que sim, e fomos até uma mesa onde ele mesmo se prontificou a fazer o B.O.

Mas...porque não provoca- lo? "Quem não arrisca não petisca".

Enquanto isso fui até o banheiro, e a siririca implorou para ser tocada, mas não dava tempo, ainda estava com a roupa da academia, calça legging azul bem apertada que por si só mostrava cada curva das minhas pernas e bunda, mas fiz questão de ver qual era a dele. Puxei a calça pra cima, atolando a na bunda, a periquita ficou estufada e estalando de tão dividida, soltei os cabelos jogando pro lado e saí do banheiro.

A porta era bem de frente pra mesa dele, quando sai notei que não resistiu e me acompanhou com os olhos até sua mesa, encostei de lado no pilar que tinha ao lado da mesa, fiz questão de ficar com a piriquita esfregando desfarçadamente na quina da mesa, me servindo pra ele, que não resistia e olhava por cima da tela do computador; digitava sem olhar para o teclado, usava o mouse na mão esquerda, adoro canhotos, tinha belas mãos. Imaginei elas agarrando meus peitos, unhas feitas com base e um anel que parecia ser de ouro com uma pedra verde quadrada na mão esquerda, pensei...se não for gay é casado não é possível. Bom, ele estava olhando, ahhhh... me deu confiança...pego fogo !

Tocava uma música baixinha num radio na cadeira do lado dele, conhecia a música e acompanhava com a boca, mas em voz baixa, ele logo percebeu tentou puxar assunto:

-Gosta dessa banda?

Respondi com a cabeça que sim mordendo o cantinho do lábio, deu pra lêr os lábios carnudod dele dizendo “nossssaaa..." .

Que tesão fiquei naquela hora , não acreditei que aquilo estava acontecendo, pela cara dele devia estar de pau duro o safado, não podia sair dali sem pegar o telefone dele ou dar o meu pra ele.

-Pronto! Vou imprimir uma cópia pra senhora caso precise.

E agora? Estamos indo embora e não fiz nada. Ah não posso deixar escapar! O que está acontecendo comigo?

Minha mãe se levantou, agradeceu, se despediu e disse que iria ao banheiro, bobinha minha mãe, é de idade, nem percebeu nada. Nessa hora que aproveitei lindamente o momento, sentei na mesa falando ...

-Você vai me dar seu telefone ou quer o meu???

-Se eu pegar não vou querer só o telefone

-Assim que eu gosto!

Trocamos os telefones e ele se despediu segurando e beijando minha mão. Que homem era aquele, lábios macios e suaves.

Nunca fiquei assim com nenhum homem, tenho meus casos e faço minhas aventuras sem compromisso, sem me envolver demais, mas ele é diferente, misterioso. Fui embora morrendo de medo de não conseguir mais falar com ele.

Esperei ele ligar, pensando naquele episódio da delegacia o dia todo, e ele não ligou. No outro dia enquanto estava fazendo minhas unhas o celular vibrou com uma mensagem:

”Que bucetinha mais linda....Ass: Samir”

Fiquei com medo de não ser ele, mas respondi:

”Obrigada, mas é ainda mais linda quando estou pelada...Ass: Cá”.

Na hora ele me ligou, atendi com uma voz bem provocante...e marcamos de jantar num restaurante árabe.

Esperei ansiosa a semana toda. No dia ele me ligou pra perguntar se não havia desistido, pois estava louco pra me conhecer melhor, disse que não.

À noite me arrumei, passei uma maquiagem marcante nos olhos pra causar impacto, vestido preto bem colado de manga longa, cabelo solto, lingerie nova pra ocasião, saltão...enfim, tudo pra chamar a atenção .

Chegando no restaurante, me surpreendi novamente. Que homem lindo, elegante, com aqueles olhos maravilhosos realçados por um lápis preto, parecia um príncipe do deserto. Sentei-me, jantamos, conversamos sobre atualidades e sobre nós, e descobri que ele é egípcio, solteiro, mora com os pais. Sabia que ele era daquelas bandas, os pais dele são egípcios, ele nasceu lá e veio pro Brasil ainda pequeno e foi naturalizado. Aquele sotaque diferente que percebi antes estava explicado.

Que homem, cada minuto que passava sentia mais desejo por ele.

Terminamos de jantar e ele perguntou para onde queria ir, respondi com outra pergunta, “pra onde quer me levar..???”

-Pra minha casa, encher seu corpo lindo de beijos e carícias, aceita?

- De você aceito qualquer coisa, mas e seus pais?Disse que mora com eles?

-Sim, mas, estão viajando...visitando uns parentes no Cairo. Então vamos?

No carro, - e que carro - conversamos sobre fantasias sexuais e outros assuntos mais quentes para entrar no clima. Ele subia a mão e acariciava minha coxa suavemente por baixo do vestido parando próximo da virilha, parecia meio tímido ainda, ou com receio de ousar mais, até que peguei a mão dele e passei na minha xoxota, ele olhou pra mim enquanto apertava sua mão com a minha fazendo cara de safada, passei mais uma vez, agora por baixo da calcinha e falei:

- Me beija.

Ele enlouqueceu, pensei que fosse pular em cima de mim. Parou o carro tirando o cinto, segurou minha cabeça com as mãos e beijou me deliciosamente, chupou meus lábios, minha língua, enquanto minhas mãos apertavam aquela bunda dura e gostosa. Ficamos uns 10 min. apenas, ele sentou e voltou a dirigir.

-Se você soubesse o quanto meu pau está duro...

-Jura? Deixa eu ver...

Abri os botões da calça dele e meti a mão. Nossa! Que pinto gostoso, a pele estava esticadinha de tão duro, molhado, acariciei enquanto chupava a orelha dele, pude ver seus olhinhos fechando de tesão, numa piscada bem demorada.

- Não vou aguentar esperar chegar em casa!

-Tá gostoso?

Ele respondia gemendo..

-Demais.

Continuamos o percurso enquanto o provocava ainda mais, tirei o pau dele pra fora da calça, passei o dedo na cabecinha e lambi aquele meladinho

-Você sabe provocar!

-Sei fazer outras coisas também

Chegamos á casa dele. Um belo prédio, subimos de elevador, não chupei o pau dele no elevador pois não estávamos sozinhos.

Abriu a porta do apartamento falando em outro idioma, creio que pra ter certeza de que estávamos sozinhos. Pedi um copo d’agua, tomei e ele veio me agarrando por trás com o pau duro, exalando um perfume amadeirado que usava, com a mão na minha testa puxava minha cabeça pra trás lambeu meu pescoço, e falou no meu ouvido com aquela voz grossa:

-Você percebeu que fiquei olhando sua bucetinha linda na delegacia safada? Estava louquinho pra te foder...passar a mão e me aproveitar desse corpaço

Fiquei arrepiada.

-Claro que percebi, porque você acha que coloquei a bucetinha na mesa pra você?

Me pegou no colo, apertou minha bunda por baixo do vestido. Mão quente, jogou me numa cama de casal com lençol tão branquinho, e macio que afundei. Enquanto tirei o vestido e os sapatos, ele ficava sentado na cama apenas me olhando, acariciando sua rola, o anel brilhava na mesma mão que tinha também uma pulseira de ouro, era canhoto inclusive na punheta, muito charmoso isso, dava pra ver a sombra do seu pau duro na cama por causa da luz do abajur.

Puxei ele pelo cabelo jogando na cama, montei sobre ele alisando seu peitoral macio, que sonho passar a mão naquele peitoral todo definido, era extremamente peludo, pêlos lisos e negros que quase escondiam os mamilos, confesso que não gosto muito mas, nele ficou muito atraente,que delícia de macho, não resisti nem mais um minuto, coloquei a bunda na cara dele e fizemos um 69. Chupei aquela rola com tanta vontade...sentindo aquele cheiro de macho, cheiro de rola, maravilhoso!

-Faz essa rola gostosa pulsar na minha boca faz...

Eu estava quase gozando de sentir ele fazer aquilo, era a rola mais perfeita que já vi, grande, grossa, cabecinha arrocheada e brilhante, coisa rara de ver, fiquei molhada ao ponto de formar um pequeno circulo no lençol em baixo da minha buceta.

Olhava pra cima, naqueles olhos que pareciam dois diamantes negros e via satisfação e desejo acariciou, beijou minha bunda, lambeu e enfiou o dedo na minha buceta e disse:

-É a melhor coisa que já provei na vida.

Parei de chupar e fiquei de pé na cama passando o pé sobre o rosto dele, segurou meus pés e chupou os dedinhos. Olhei aquele abdome definido e suado de tesão, me esfreguei sobre o corpo dele enquanto ele sussurrava coisas em outro idioma, não importa o que estava dizendo, mas me deixava louca de desejo. Estava tudo muito delicioso, mas queria mais, queria ser comida logo por aquele puro sangue. Pincelei o pau dele na minha buceta e sentei bem devagar.

Ahhhh....que delícia, sentar naquela cabeçona, sentei...sentei...sentei ...

-Dá pra mim de quatro princesa?

-Pensei que você não iria querer.

-Com você eu quero até casar.

-Então vem comer meu rabinho príncepe

Fiquei de quatro com a bunda empinafa e dei um tapa estalado pra provocar, mas imaginando como iria doer aquele pau enorme entrando no meu cú. Ele segurou na minha cintura com as duas mãos fortes, lambeu meu cuzinho e forçou a entrada com a cabecinha, o que doeu bastante. Quando forçou o resto vi estrelas, doeu muito, mas aos poucos, a cada estocada ficava mais prazeroso. Gemia e dava gritinhos bem safados...delícia de homem, sabe comer gostoso um cu do jeito que gosto, com vontade e voracidade, porém, com carinho e muito desejo.

-Ai que delícia dar o cú pra você, come ele todo dia? Come?

-Que tesão , não geme muito,se não eu gozo!

-Mete no meu cú...mete que eu adoro gozar assim...puxa meu cabelo que eu vou gozar...

Esfregando meu grelinho, escutando aqueles gemidos de macho excitado ...não aguentei...gozei, e que gozada...

-Nossa que cuzinho gostoso, piscando no meu pau. Agora quero ver se você aguenta minha gozada.

-Quero que você goze na minha boca, quero beber sua porra.

-Que gostosa, linda, safada e ainda gosta de porra? Vai se afogar de tanta gala que eu vou te dar

De repente parecia um cavalo, estocava aquele pau no meu cú com tanta força que segurava pra não cagar, mas estava difícil de segurar .

-Ah vou gozar...

Tirou o pau do meu cuzinho bem rápido e colocou na direção da minha boca. Segurei nas bolas dele que dava pra sentir latejar com cada jato de porra, ele tremia e urrava...a melhor coisa do mundo, fazer um homem gozar como um cavalo...que sensação maravilhosa! Todo aquele leitinho na minha boca, viscoso.

Soltei aquela rola que aos poucos amolecia depois de jorrar tanta porra.

-Vem amor vamos tomar um banho pra tirar esse suor.

Mesmo depois da trepada, durante o banho e ele não perdia tempo, chupava meus peitos e beijava meu corpo todo, a água caia sobre aquele corpo escultural, aquele cabelo liso caindo na testa. Que coisa mais linda...me secou com uma toalha que tinha o cheiro dele. Nos vestimos e ele me deixou em casa.

-Promete que me liga quando quiser linda?

-Claro você é gostoso demais pra ficar sem ninguém, é sonho de consumo de qualquer mulher

-kkkkkk... está certo, me liga quando der e quando quiser...

Demos aquele beijo molhado e ainda cheio de desejo e vontade de mais sexo e nos despedimos. Trocamos mensagem um dia ou outro mas esse...jamais me escapará.

Comentários

25/04/2014 11:15:47
Parabéns, http://drmenage.wordpress.com/.
24/04/2014 20:39:51
MUITO OBRIGADO PESSOAS LINDAS, FICO FELIZ QUE GOSTARAM. BJÃO
24/04/2014 20:06:05
nossa ótimo adorei!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.