Casa dos Contos Eróticos

Me assustei com o virgem!

Um conto erótico de Lady Diva
Categoria: Heterossexual
Data: 01/03/2014 23:57:45
Última revisão: 16/06/2018 20:46:33
Nota 9.88

Como choveu muito na primavera, quase não fizemos manutenção na piscina. O verão chegando, a água turva e esverdeada, tomada pelas algas. O folgado do meu marido, sempre prometendo e adiando as providências.

Minhas filhas adolescentes resolveram então dar um jeito, convidando alguns coleguinhas para ajudar na tarefa. Acabou sobrando para mim, que tive de comandar a limpeza, manipulando as bombas, colocando anti algas, cloro, corretor de PH e outros produtos para clarificar e decantar resíduos.

Aos jovens coube só a limpeza das bordas e aspirar o fundo. Como tem um intervalo de tempo entre cada etapa, o trabalho acabou consumindo dois dias, até a água ficar cristalina em condições de uso. Quem tem piscina em casa sabe, que entre a felicidade de construir uma e o prazer de desfrutá-la, há um processo trabalhoso em mantê-la.

Na turma, um rapaz chamou minha atenção. Não foi pelo físico, já que era baixo, meio gordinho e nem ao menos bonito. Foi por ser muito prestativo e bem humorado. Sempre rindo, fazendo piadas, colaborando bastante, se oferecendo para as tarefas mais pesadas. Dos poucos que consegui gravar o nome, um foi o dele, Rafael, chamado por todos de Rafinha.

Rafinha era primo de uma das coleguinhas das minhas filhas. Morava na capital e estava passando as férias na casa dos tios. Por ser bem expansivo, logo se enturmou, apesar de alguns anos mais velho do que os outros. Era sempre o ultimo a ir embora, me ajudando até a podar as árvores que insistiam em despejar folhas na piscina.

Como estavam de férias, a piscina lotava todos os dias. Eu, a dona de casa, servia salgados e refrigerante. Quando assava carne, sempre tinha ajuda do solícito Rafinha. Enquanto os outros não estavam nem aí, se refrescando na água, ele ficava plantado na frente da churrasqueira. Sem darmos conta, a aproximação e cumplicidade acabou acontecendo de forma natural.

Minhas filhas, em idade dos primeiros namoricos, comentando que fulano era um gatinho, a outra discordando, dizendo que cicrano era o máximo e outras observações típicas da idade. Num impulso, interrompi perguntando:

- E o Rafinha?

Elas riram e ¨Vi¨, a mais nova disse:

- Ih, mãe, o Rafa? Ele é fofinho, mas, muito bobão. A Silvia contou que ele não pega ninguém. Vive fazendo piada dele mesmo. Até a Camila, feia como ela só, saiu fora e disse que nunca rolaria nada com ele.

¨Va¨, a mais velha, sem conter o riso, com a mão na boca, soltou:

- E a prima dele contou que ele tem... (risos)...tem o troço enorme... (e mais risos).

¨Crianças¨, pensei. Também fui igual naquela idade. Só me impressionava com rapazes que fossem altos, fortes e bem sucedido nos esportes. Tudo que via era aparência, a autoconfiança. Ter o mais desejado era apenas uma forma de se exibir. De mostrar que era a mais poderosa da turma.

Se para elas, o fato do menino ser bem dotado era motivo de risos, para mim, foi algo que aguçou a curiosidade pelo Rafinha. Passei a reparar melhor nele, tentando avaliar, sem obter sucesso, já que o garoto sempre usava uma bermuda larga de tactel.

Plena segunda-feira, calor de arrebentar. Este verão de 2014 foi um dos mais quentes que eu me lembro. Na piscina minhas filhas e amiguinhos. Fiz algo que normalmente não faço. Para manter a pele lisa e alva, só entro na piscina à noite, com meu marido.

Resolvi tomar um pouco de sol. Peguei um biquíni preto de couro artificial, tão cavado que nunca tive coragem de usar em público. Deitei a cadeira espreguiçadeira, um pouco longe, ao lado de uma floreira. Estendi a toalha, sentei e comecei a passar o bronzeador. Logo, as minhas meninas me chamaram para entrar, dizendo que a água estava uma delícia.

Rafinha estava sentado na parte mais rasa, um pouco isolado. Desde que cheguei ali, notei seus olhares furtivos e cobiçosos. Afinal, apesar dos meus 38 anos, duas gravidez, 1,67m. de altura e 59 kg., cabelos loiros, estou com tudo em cima, graças ao pilates. Me aproximei da borda, coloquei os pés na parte rasa e me molhei, tomando um ¨banho de gato¨. Esfregava a água por todo o corpo, de maneira sensual, observando a reação do garoto.

Sua bermuda molhada, estava colada no corpo, porém, por não estar em ereção, impedia que calculasse o tamanho da sua ¨ferramenta¨. Rss. Resolvi ousar mais:

- Rafael, você pode passar o bronzeador nas minhas costas?

Mais do que depressa, o menino levantou prontificando, enquanto dizia ¨- É claro que posso!¨. Fui caminhando na frente dele, requebrando de forma disfarçada. Sabia que o menino acompanhava com o olhar fixo na minha bunda empinada.

Dei o bronzeador para ele e deitei de bruços na espreguiçadeira, colocando a cabeça sobre os braços cruzados. Ele começou a espalhar o protetor solar, me tocando de forma tímida e respeitosa. Começou pelos ombros e foi descendo. As tiras do bustiê atrapalhava no meio das costas. Cheia de más intenções, falei:

- Pode soltar aí atrás pra mim? Dá uma desatada no nó, assim não atrapalha...

Rafinha demorou para desamarrar a parte de cima do biquíni. Suas mãos deviam estar trêmulas. Ao soltar as alças, as duas pontas caíram e meus seios ficaram livres. De onde estávamos, quem estava na piscina não conseguia nos ver. Mesmo assim, era preocupante e também, muito excitante. Senti a boca de baixo umedecer.

O rapaz continuava a untar o bronzeador, tendo chegado no ¨V¨ da parte de baixo do biquíni. Evitou o começo do meu reguinho, que deveria estar aparecendo. Foi para as coxas, pulando as saliências das nádegas. Sei o impacto que meu bumbum, empinado e provocante causa nos homens. Ergui os montes redondos e protestei:

- Rafael, precisa passar direito em tudo, senão vai ficar marcas.

Sua mão chegou vacilante na parte inferior bunda. E eu comandando:

- Isso, aí...mais em cima... isso. Esfrega bem... Assim...

Soltei um dos braços e como para ajudar, coloquei a mão atrás, peguei na dele e fiz passear pelos montes. Ao trazer de volta a mão, de forma ¨acidental¨, esbarrei de leve em seu ventre e pude sentir que seu pênis estava rijo. Coloquei a outra mão para segurar a parte de cima do biquíni que estava solta e virei de frente. Sabia que o pedacinho de pano não cobriria e por alguns instantes, ele pode apreciar um dos meus seios.

Com as duas mãos segurando os porta seios, dei as costas a ele, pedindo para refazer o laço. Deitei na espreguiçadeira e pude observar melhor. O garoto tentava disfarçar seu estado de ereção. Ele parecia ter um aparelho de bom tamanho.

Mas, não me pareceu à primeira vista algo excepcional. Imaginei que a prima dele, inexperiente, ao espiar o primeiro pinto ao vivo, tenha achado enorme. Rafinha colocou o bronzeador na mesinha e enquanto eu agradecia, correu até a piscina, pulando na água.

À noite, contei ao Carlos, meu marido, toda a história. Ele já tinha percebido o rapaz sempre me rodeando, até achou graça, porém, recomendou que parasse por ali. Tive de provocar:

- Ficou com ciúmes, amor?

- Não, Val. É que o guri é amigo da ¨Va¨ e ¨Vi¨, né? Não pega bem, tá?

Ele não deixava de ter razão, porém, nas outras vezes, não fui eu quem tomou a iniciativa. Agora que eu me divertia de forma excitante, estava proibida de continuar. A contragosto, concordei ironizando:

- Tá bom, você não pede... manda!

Nos dias que se seguiram, agi como uma mulher casada, madura e mãe de duas adolescentes. Rafael sempre atento em mim, correndo para ajudar, mesmo nas pequenas coisas. No final de semana, meu marido ficou conosco e Rafinha sempre ao meu lado. Carlos, por sua vez, estava de olho no menino. Cada vez que o garoto se aproximava de mim, ele me olhava com aquele sorriso zombeteiro.

Sua atitude me irritava e ele sabia disso. Resolvi entrar no jogo. Fui para o closet, fiquei totalmente nua e só coloquei por cima um vestido leve e curto. Calcei uma sandália baixa. Com a desculpa de que precisava comprar mais bebidas, peguei as chaves do carro e na piscina, chamei Rafinha para me ajudar. Ele se enxugou na toalha e de bermuda molhada mesmo, foi comigo.

Apesar de ter uma panificadora perto de casa, de propósito, fiquei rodando à procura de um supermercado aberto. Bem longe, achei um mercadinho funcionando em pleno domingo. Fiz as compras e voltamos. Ao chegar, depois do menino descarregar e dar uma ajuda colocando no refrigerador, fomos à piscina.

Carlos estava sentado numa espreguiçadeira, me olhando com ar de reprovação. Dei um sorriso enigmático, de quem tinha aprontado. Peguei outra cadeira e coloquei de frente para o meu marido. Abaixei o encosto e fiquei na posição meio deitada. Disfarçando, ergui a ponta da saia e ele pode ver que eu estava sem calcinha.

Ele deu um pulo e logo trouxe sua cadeira ao lado da minha. Agora quem estava irado era ele. Mal se acomodou, falou baixo nos meus ouvidos:

- Val, sua louca! O que você andou fazendo?

- Nada, amor, nadinha. Só fomos comprar bebidas...

Era verdade, porém, neguei dando a entender que teria havido algo mais. Era mesmo para deixá-lo com a pulga atrás da orelha. Meu marido, já exasperado, enchendo meus ouvidos de broncas:

- Porra, Val! Não te falei que não queria? Ainda mais com um amigo das meninas! Farra é farra, família é família! Você deu pra ele?

- Claro que não, amor! Só fomos comprar bebidas, ora! Família é família, mas, não foi você quem trouxe o Chico pra dentro de casa e me fez transar com ele? Já se esqueceu, amor? (Narrei esta história no meu primeiro conto, ¨Meu marido me fez dar para um bem mulato¨).

Acabamos discutindo. Se até então, ser alvo de desejo do garoto me envaidecia, provocá-lo apenas já não bastaria. Algo dentro de mim, tramava aos poucos, a decisão de abrir as pernas para ele. De deixar acontecer. De ser a sua primeira experiência sexual. A oposição do meu marido forçava para essa decisão.

Seria ciúmes ou pura implicância com o menino? Ou porque ele queria, como sempre, ter tudo sob o seu controle? Sinceramente, eu não entendia as atitudes do Carlos. Quando começamos a ter uma vida liberal, quem rompeu com a regra de não sair com conhecidos, havia sido ele, ao transar com uma amiga minha, algo que mesmo passado algum tempo, eu ainda não havia digerido completamente.

O calor estava sufocante, de deixar o corpo todo melado. O ano letivo estava para iniciar e era a ultima semana do Rafael em nossa cidade. Apesar do desejo de ter momentos mais íntimos com o garoto, já estava conformada de que só seria possível nas próximas férias.

As coisas porém, acontecem de maneira mais inesperada. Na quarta-feira, dona Lurdes, a caseira da nossa chácara ligou, dizendo que a roçadeira havia enguiçado e precisava de conserto. Era uma boa ocasião. Avisei Carlos de que iria pegar o equipamento, já que sem ele, o mato iria tomar conta. Só não disse quem iria comigo...

Minhas filhas detestam ir para a chácara. Como autênticas patricinhas urbanas, a diversão delas só incluem shopping, cinema, celulares, tablet e outros eletrônicos, em especial, as redes sociais. Não sei onde encontram tanto assunto para ficarem conversando o dia inteiro.

Convidei Rafinha para ir comigo e o menino prontamente aceitou. Vesti um conjunto de lingerie vermelho com micro calcinha, blusa decotada, sandálias altas de salto plataforma e como toque final, uma mini saia que havia comprado especialmente para aventuras exibicionistas.

Peguei o carro e fomos até a chácara, que fica no Município vizinho, a 30 km. Durante o trajeto, fiquei dando uma de ¨titia¨, perguntando sobre escola, relacionamento com os pais e... namoradinhas. Um assunto que deixou o menino mais sério, demonstrando total desconforto com o assunto.

Passamos na casa dos caseiros e pegamos a roçadeira. A casa principal estava limpa e dona Lurdes havia deixado as janelas abertas para arejar. Mesmo assim, a ausência de vento, deixava tudo quente, abafado como um forno. Os refrigerantes em lata que eu tinha comprado gelados, mesmo com o ar condicionado do veículo, estava quente. Coloquei no freezer.

Para trocar os antimofos dos armários, Rafinha me ajudou. Ele carregava a escada de alumínio e a segurava, quando eu substituía os potinhos nos armários altos. Embaixo, com certeza, o garoto tinha um bela visão do meu traseiro e com a calcinha fio dental, com certeza, todas as curvas da bunda redonda e apetitosa.

Quando eu descia da escada, discreto, ele fingia não ter visto nada. Mas o rosto corado, denunciava seu estado de espírito. Aquela tarefa me fez suar. O mesmo acontecia com meu jovem ajudante, o suor escorrendo pelo rosto.

Como temos ar condicionado nos quartos, fui para a suíte e liguei o aparelho. Que alivio! Fechei a porta para o ar refrigerado não sair do ambiente. Fomos para o closet e no ultimo armário, subi e me demorei, mexendo nos travesseiros e sono leve. Me estiquei toda, abri as pernas, apoiando uma delas na parede oposta, simulando estar arrumando algo no fundo.

O menino deveria estar perturbado, ao ver todas as minhas intimidades. Ainda recomendou:

- Cuidado para não cair, dona Val!

Aquilo fez surgir uma ideia. Ao descer da escada, simulei um desequilíbrio, indo de costas para cima dele, encaixando a bunda em seu ventre. Ele prontamente me agarrou pela cintura e durante instantes, ficamos ali engatados. Remexi o quadril de leve, disfarçadamente, para sentir o estado da sua masculinidade. Pelo jeito, ele estava excitado.

Resolvi tomar uma ducha. Deixei a calcinha pendurada no porta toalhas e voltei para o quarto enrolada numa toalha. Enquanto estendia uma outra toalha para ele, disse:

- A agua está uma delícia! Vá tomar um banho também, Rafael.

Me diverti vendo o garoto tentando em vão trancar a porta do banheiro. Ela não tem tranca, já que só eu e meu marido a usamos. O que será que passava na cabecinha dele? Um homem mais experiente, já teria percebido que eu estava me oferecendo e teria me agarrado já na primeira descida de escada.

Pela inexperiência, com certeza, achava que uma senhora madura e bem casada, jamais abriria as pernas para um menino virgem. Estava louco por mim, porém, imaginava ser uma transa impossível. Deveria estar doido para se masturbar e aliviar a tensão.

Ao escutar o barulho do chuveiro sendo desligado, entrei no banheiro e peguei uma escova de cabelos. O menino que saia do box, envergonhado, se virou rapidamente de costas, expondo a bundinha gorda e juvenil. A marca do sol era visível. Parecia que ele estava com uma bermuda branca.

Peguei a toalha e me aproximei, procurando tranquilizá-lo:

- Fica calmo, Rafael. Já estou cansada de ver o Carlos pelado. Não se preocupe, viu? Quer que eu te ajude a enxugar?

Sem se virar, ele pegou a toalha e ficou secando, incomodado com a minha presença. Resolvi que era hora de ousar. Tirei a toalha que enrolava meu corpo, fiquei totalmente nua, dizendo:

- Olha pra mim, Rafael. Também estou peladinha. Olha! Não precisa ter vergonha!

O menino virou a cabeça e arregalou os olhos. Trouxe a sua mão até os meus seios redondos. A mão tremia, parecendo não acreditar que estava pegando neles. Pegando nos peitos de mulher pela primeira vez. Fiz ele se virar e depois de fraca reação, consegui tirar a toalha das mãos dele. Vi então seu membro, já ereto. Era realmente grande e grosso, bem maior que o do meu marido. Peguei nele de maneira leve, fazendo movimentos suaves para frente e para trás.

Rafinha olhava para mim como se não acreditasse no que estava acontecendo. O mastro só crescendo e ficando cada vez mais duro. A prima dele não tinha exagerado. O garoto era mesmo bem dotado. A cabeça inchada, parcialmente coberta pela capa, algo que eu via pela primeira vez. Eu falei:

- Rafael, sei que você não tira o olho de mim. Você me acha gostosa?

- Nã...não, dona Val, quer dizer, dizer si...sim, dona Val.

O menino gaguejava todo atrapalhado. Nem precisava perguntar. Seu piruzão pulsava em minha mão, dizendo tudo. Eu especulando:

- É verdade mesmo que você nunca transou? Nunca deu umazinha com uma mulher?

- É...é sim, dona Val. Nunca, dona Val.

Mesmo vermelho de vergonha, olhava fascinado para o meu corpo. Eu lembrei que não tinha camisinhas. Tinha passado na frente de pelo menos umas seis farmácias e esqueci de comprar. Rafinha, ainda não tinha certeza do que estava acontecendo. O medo de por tudo a perder, inibia qualquer iniciativa. Era hora dele saber o que eu queria.

- E se a gente, Rafael, se a gente brincar um pouco, você promete não contar pra ninguém?

- Prometo, eu prometo, dona Val!

- Ninguém, ninguém mesmo pode saber, viu? Segredo só nosso. Jura que não vai contar pra ninguém?

- Juro, dona Val, juro, eu juro!

O menino tremia de emoção ou temor de estar com uma mulher madura e nua. Talvez pela expectativa de fazer de verdade, coisas tão sonhadas. Me agachei, empurrando a pele para trás, fazendo aparecer a cabeçorra por inteiro. Na parte de baixo, a pele repuxada, não deixava a ponta descoberta. Dei um beijinho na cabeça e abocanhei prendendo com a língua. Rafinha suspirou forte.

Olhei em seus olhos, com ar de safada e avancei a boca, trazendo seu bonecão para dentro. Em poucos minutos, ele começou a mexer o quadril e gozou, ejaculando com o primeiro jato tão forte que atingiu o fundo da minha garganta. Continuou soltando gala aos borbotões, sem parar, a ponto de me fazer engasgar.

Tive de tirar a boca e não pude conter a tosse que me fez soltar um monte de leitinho quente. Sua porra era tanta que me fez babar, escorrendo pelos cantos da boca, pingando no chão. Deve ter sido tão intenso que ao relaxar o corpo tenso, pensei que ele fosse cair, as pernas bambeando.

Trouxe ele até a cama e o menino já tentou montar em mim, louco para me penetrar. Mesmo tendo acabado de gozar, a pica do garoto continuava dura, o que achei incrível. Deitada de costas, abri as pernas expondo a xaninha depilada. Ele olhava admirado, a primeiro boceta ao vivo. Com os dedos, afastei os grandes lábios, expondo a grutinha.

Eu desejava ser chupada, porém, não podíamos demorar muito. Além do mais, meu parceiro estava na sua primeira vez, prestes a perder a virgindade.

- Venha, coloque devagar.

Não adiantou pedir. Movido pela impetuosidade dos 18 anos, entrou com tudo, abrindo minha xoxota na marra, arrombando com a tora grossa. Não só doeu, como ardeu bastante, já que eu não estava tão lubrificada. Ele também gemeu, pela penetração forçada. Aproveitei sua parada e procurei me acostumar com sua rola.

Ficamos assim, engatados. Ao olhar em seu rosto e ver a expressão ansiosa e feliz, de quem parecia estar vivendo um sonho, relaxei, sentindo prazer. A primeira mulher que ele possuía era eu! Não importa com quantas ele viesse a trepar, com certeza, aqueles momentos ficariam marcados em sua vida. Comecei a mover os músculos internos da perseguida, ¨mastigando¨ seu falo.

Aquilo o deixou doido de tesão. Aliviado dos medos da primeira vez, começou a estocar. Sua estaca grossa e quente não só preenchia por inteiro, como esticava de dentro para fora a minha bocetinha. O menino passou a arfar. Eu colaborava, mexendo o quadril, o que aumentou também a sensação de que eu era uma fêmea, coberta por um macho em sua primeira vez. Perguntei sabendo da resposta:

- Eu sou gostosa, sou? Diga, Rafael, sou gostosa?

- Ahh, dona Val, demais, dona Val, ahh, demais! Ahh!

A umidade embaixo era tanta que passou a fazer barulho a cada ida e vinda. Ele metia com desejo e vigor. Tanto que a ponta passou a bater lá no fundo, causando uma leve dor. Senti que o orgasmo estava vindo. Nessa hora, escandalosa como sou, passo a gemer e dizer palavrões:

- Mete, vai, mete tudo! Ai, ai, vai! Puta que pariu, ai, me come toda, vai!

Nem sei mais o que disse, ao ter o orgasmo. Ao ter os batimentos cardíacos normalizados, me concentrei nele, que me possuía com entusiasmo. Lembrei que estávamos ali, sem camisinha, pele na pele. Então falei:

- Rafael, me avise se for gozar, viu? Você tira pra gozar fora, tá bom?

Ele respondeu um ¨- Ainda não¨, continuando a socar. Seus gemidos roucos demonstravam todo o prazer que estava sentido. Suas bombadas profundas, causavam dor no colo do meu útero. Eu não conseguia relaxar, preocupada que ele poderia gozar a qualquer momento.

A cada arfada mais forte, eu perguntava se ele ia gozar. Ele só dizia ¨- Ainda não¨. Senti que suas metidas se aceleraram e ao perguntar mais uma vez se ele ia gozar, me desesperei quando ficou calado, sem responder em seu delírio. Empurrei seu peito com as mãos, tentando fazer o quadril escapar, dizendo:

- Tira, Rafael ! Goze fora!

Quase não deu tempo. O primeiro jato com certeza, foi com o mastro ainda dentro de mim. Ele tirou espirrando gala, melecando umbigo e até perto dos meus seios. Durante algum tempo, a anaconda ficou pulsando e soltando leitinho quente sobre meu ventre.

Ficamos assim, deitados, com ele jogando todo seu peso em mim. Sua alegria era tanta que me enchia de beijos, na boca, na testa, no rosto e pescoço. Era felicidade de quem visitara o paraíso. A tora não amolecia, pulsando no meu ventre. Rafinha dizia agradecido:

- Nossa, dona Val, nem acredito! Nem acredito que meti com a senhora! Nossa, foi demais!

Ao levantarmos, reparei que havia sangue na ponta da pica. Na hora pensei que fosse um resto de menstruação que tivesse ficado retido no útero e com as marteladas da pintão, tivesse descido. Porém, ao estarmos na ducha se lavando, ele reclamou que a pica estava ardendo. Me assustei ao ver que um filete de sangue escorria por baixo da cabeça do pênis.

Apavorada, mesmo com o sangramento tendo parado, fomos até um pronto socorro. Combinamos que ele iria dizer que estava se masturbando, quando aconteceu. Aflita, fiquei do lado de fora da salinha, enquanto o médico o atendia. Logo, uma enfermeira saiu com um sorriso malicioso.

O médico pensando que eu era a mãe, acabou me passando uma reprimenda, dizendo que deveria ter notado há mais tempo que ele tinha fimose. Ao transar, penetrando forçado, o freio do prepúcio rompeu, ou como dizem popularmente, o cabresto rompeu. O menino estava tão tarado que não sentiu dor e nem percebeu.

Sorte que sua fimose era de natureza leve e o descolamento do prepúcio, que deveria ter ocorrido na infância, acabou acontecendo logo comigo. O médico o aconselhou a limpar com água oxigenada e passar mentiolate, e que em poucos dias estaria cicatrizado.

Como consolo, fiquei sabendo que aquilo iria ocorrer, mais cedo ou mais tarde. Preocupada, mesmo depois que Rafinha foi embora, ainda liguei várias vezes para saber se estava tudo bem. Apesar de sempre contar tudo ao meu marido, esta transa e o incidente, ficará em segredo.

Ele acha que não houve nada entre eu e o menino. Que foi tudo provocação. Mas, que assustou, assustou. E como!

*******************************

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
18/09/2018 15:24:38
Tesão demais, gata! Teus contos são viciantes. Vc manda bem de mais na escrita. Naquela de pedir pro moleque não gozar dentro me deixou maluco!
14/09/2018 21:29:47
Que conto gostoso! Todo mundo que lê fica com inveja do gordinho e muda aquele provérbio popular que diz que "gordo só se fode" ;-) Excelente! Merece mais que 10!
20/08/2018 02:20:17
Que delicia...a primeira ppk a gente nunca esquece. Chupar também é um vicio delicioso. Beijos val
16/08/2018 16:08:15
Quando a sua benzida perseguida começou a mastigar o quase pueril Rafinha...a vida dele mudou! Que delícia! Um beijo
10/08/2018 14:12:37
Ficou linda a iniciação dele com uma mulher experiente como você. Risos. Acho que você é a personagem principal mas guardo comigo meu pensamento. Risos altos. Eu agradeço a visita da senhora ao primeiro conto da Kázinha e gostaria de pedir com muito carinho pra senhora ler e comentar os outros 3 contos se tiver vontade, tá? Eu também vou ler e comentar os outros da senhora, já que estou aprendendo como escrever direto de uma mestra! Sorriso feliz. Beijinhos da Lázinha.
31/07/2018 07:51:02
Ahhh, adoraria ver suas fotos greenheart.jr@gmail.com
31/07/2018 07:49:15
Adorei o conto e toquei varias até o fim, claro. Sorte desse garoto, queria eu estar no lugar dele
10/07/2018 14:17:49
Oi lady, obrigado pelo comentário no meu conto. Fiquei curioso em ler esse conto e adorei. Que delicia uma mulher que realiza desejo de um rapaz, mas que azar o garoto ter a fimose ainda ne kk
19/06/2018 14:33:14
Cassete Val! To no ónibus lendo isso e meu pau estourando agora! Que sorte desse virgem pegar logo uma gostosa como você! Foi mais ou menos oq aconteceu comigo, voce vai ver no meu próximo conto! Te imagino igual a minha vizinha gostosa loiraça safada e madura! Adorei o conto! Se quiser siga minha pagina de pés no insta @pesdivinos ou me escreva pesdivinos@yahoo.comNota 10 e um beijão!
06/06/2018 01:51:28
Otimo seu conto,está convidada para ler os meus se quiser. Beijos
uem
02/04/2018 22:58:57
que delicia de conto val delicia mim manda fotos sua gostosa uelitonnlr@gmail.com
23/01/2018 09:46:13
Nossa você é muito gostosa, vi pelas fotos, quem dera eu ter essa sorte de te fuder gostoso.
23/01/2018 09:24:06
paulletelol@gmail.com
17/01/2018 17:54:39
Olá Lady Diva! Você é não só uma escritora, mas uma leitora ávida de contos. o seu texto que chamou miha atenção foi esse abaixo: "Show de conto, Analista, original e excitante. O fetiche da Mariana é algo comum, o que explica as mulheres de malandro que apanham e não se separam do agressor. Eu já me excito em saber que sou desejada. Até mesmo comentários em meus contos, de leitores que ficaram com os membros eretos ou se masturbaram pensando em mim, me deixa molhadinha. Rss. Parabéns e bjs." Por um acaso você é uma exibicionista? Saiba que eu fico excitado e estou aqui me masturbando só de imaginar você toda molhadinha lendo os contos ou os comentários. Tudo de bom
14/01/2018 09:59:50
Apesar do susto, achei delicioso! Como vc escreve bem, Val! Os detalhes me deram a impressão de estar vendo tudo de perto, nessa iniciação do garoto virgem. Tão excitante que me deixou toda molhada. Em breve publicarei um novo relato. Bjs.
13/01/2018 07:05:38
DENTRE MAIS DE CENTO E TRINTA MIL CONTOS, ESTE É O TRIGÉSIMO-SEGUNDO (32) MAIS COMENTADO DO SITE, COM 220 VOTOS. Muito bem escrito, merece a nota máxima.
15/09/2017 21:54:22
Ola val... Publiquei outro conto se puder olha Gostaria q deixa seu e-mail pra entra em contato
05/08/2017 00:34:29
Uma delicia de conto, muito prazeroso ! email: andremello46@hotmail.com
01/07/2017 14:27:06
nossa, q delícia! tesão do masi puro! bjsssss nota 10, 100!
30/06/2017 21:36:00
Quis te visitar de novo e aqui estou eu Val. Já publiquei a continuação do conto que você comentou agora há pouco e a continuação dele também e mais um conto. Por favor, leia e comente no meu conto. Até logo Val bunduda.