Casa dos Contos Eróticos

Roberto - o coroa que me seduziu

Um conto erótico de ninfeto
Categoria: Homossexual
Data: 16/03/2014 14:07:04
Nota 9.00

Somente aos dezoito anos é que fui ter meu primeiro relacionamento amoroso. Chegar a tal idade virgem foi muito penoso. Virgem de tudo: na frente, atrás e até de beijos. Quando paro para rememorar os tempos de escola, chego à conclusão de que perdi algumas oportunidades de ter experiências com certas meninas da minha turma. Não com as mais belas e populares, mas com uma feiosinha aqui, outra acolá, que me olhavam desejosas. Por muito tempo eu me convenci de que tinha deixado passar aquelas chances porque não me atraíam aquelas garotas em particular. Somente aos dezoito anos dei-me conta do verdadeiro porquê.

Meu primeiro envolvimento foi com um homem. Roberto era seu nome. Um engenheiro de 41 anos, divorciado, pai de uma menina, cuja guarda ele compartilhava com a ex. Enfim; um adulto, homem feito, com uma vida complicada, cheio de responsabilidades e experiência. Embora eu já fosse legalmente também um adulto, aos dezoito eu sentia-me ainda como um moleque, um piá, um guri.

Conhecemo-nos no cursinho preparatório para o ENEM e vestibulares. Ele estava procurando começar uma segunda graduação, em Direito. Eu ainda nem sabia o que queria da vida, só que precisava passar para alguma coisa, qualquer coisa.

Nossa afinidade deu-se por acaso, ou por força do destino. Só por termo-nos sentado em carteiras próximas. Após um pouco de conversa inocente e ociosa nos intervalos das aulas, descobrimos que morávamos em bairros adjacentes. Daí para as caronas que comecei a pegar com ele foi um passo. E foi em seu carro que tudo começou, aquele Civic cinza onde minha vida foi alterada para sempre.

Saímos da aula, naquele fatídico dia, e encaminhamo-nos em direção ao shopping onde ele estacionava seu carro. Daquela vez ele tinha estacionado num canto escuro, sob uma lâmpada queimada. Esperei que ele destravasse a porta do lado do carona, sentei-me no banco, bati a porta e pus o cinto de segurança. Estranhamente, o motor ainda não fazia seu ruído típico. Roberto ainda não tinha girado a chave na ignição. Por quê?

Olhei em sua direção, para averiguar o que ele esperava. Meus olhos demoraram para acostumarem-se à escuridão, intensificada pela película de filme nas janelas do automóvel. Quando finalmente pude ver, notei que a braguilha de sua calça estava aberta, e que seu pau duro estava para fora. Precisei piscar os olhos algumas vezes para certificar-me de que estava vendo aquilo mesmo, e que não era produto da minha imaginação.

Logo, Roberto afastou quaisquer dúvidas que ainda pairavam. Ele pegou meu pulso direito e puxou minha mão para seu membro, fazendo-me tocá-lo, e, por fim, fazendo-me fechar o punho em seu entorno, efetivamente segurando-o.

Eu estava de tal maneira em estado de choque, que não ofereci nem resistência, nem muito menos iniciativa. Apenas fitava com confusão o que se passava, como se eu fosse um terceiro não envolvido. Olhei em seus olhos, com incredulidade. O branco deles refletia a pouca luminosidade do ambiente e revelava malícia. Ainda imóvel e sem reação, simplesmente deixei-me levar conforme ele guiava, com sua mão em minha nuca, meu rosto em direção ao seu.

Nossos lábios se tocaram. Eletricidade. Um calor veio-me à face, um calafrio percorreu-me a espinha. Era o meu primeiro beijo. Jamais eu havia imaginado que ele aconteceria com um homem, e ainda por cima um que tinha mais que o dobro da minha idade. Seus lábios estalaram contra os meus em selinhos uma, duas, três vezes. Em seguida eles se abriram levemente, e os meus seguiram o exemplo. Logo a língua de Roberto começava a desbravar minha boca virgem. Seu hálito forte exalava a café e chiclete de menta.

Rendi-me, esqueci dos meus pudores, do mundo exterior, e comecei a participar. Antes que desse por mim, já estava retribuindo seus beijos e masturbando seu pau duro e grosso. A princípio, o movimento dos transeuntes no estacionamento me intimidava e me punha temeroso. Mas com meus olhos bem fechados, era como se eles deixassem de existir, mais do que simplesmente saíssem do meu campo de visão. Eu estava completamente entregue enquanto estivesse no breu das minhas pálpebras.

Mas os beijos de Roberto cessaram. Meus olhos abriram-se, e, numa troca de olhares intensa, ele pediu:

- Chupa vai...

Eu abri minha boca, como que esboçando uma resposta, mas não se ouviu nenhum som. Isto porque eu não sabia o que responder. Eu queria chupar? Ou não queria? E se decidisse que queria, será que era ali o melhor lugar para fazê-lo? Em um estacionamento público e movimentado?

Roberto não deixou que minha demora atrapalhasse a continuidade do nosso momento juntos. Da mesma forma que me havia puxado para o beijo, agora, sua mão em minha nuca conduzia minha cabeça para o inevitável boquete. Conforme meus lábios se aproximavam de seu membro viril, os meus questionamentos multiplicavam-se na minha mente. Mas no instante em que minha boca tocou sua glande, veio-me um pensamento ao mesmo tempo confortador e excitante: Pouco importava o que eu queria ou não queria. Ele queria que eu o chupasse, e portanto aquilo iria acontecer e ponto final. Pode parecer um excesso de submissão, de passividade, ou falta de vontade própria... mas o fato era que aquilo tirava dos meus ombros o peso de tomar uma decisão, deixando-me livre de qualquer culpa. E uma vez que se esvaiu a culpa, foi-se com ela a inibição.

Beijei e lambi levemente a chapeleta de seu mastro. Provei o sabor salgado de seu pré-gozo. Com minha língua, pincelei toda a extensão de seu caralho. Roberto, ao ver que estava no clima, desabotoou as calças e a arriou junto com a cueca, permitindo-me um melhor acesso. Beijei suas bolas e sua virilha. Senti seus pelos pubianos fazerem-me cócegas ao nariz.

Então, abocanhei aquela tora. O tanto quanto pude fazer caber dentro da boca. Chupei ao mesmo tempo que passava-lhe a língua por baixo. Sentia a glande tocar-me a garganta. Minha saliva escorria aos borbotões. Quase engasgava com sua rola, mas fazia o máximo de esforço para não tossir não precisar tirá-la da boca. Não queria, não podia deixar de sugar seu cacete.

Roberto empurrava minha cabeça para baixo com sua mão, com os dedos entralaçados nos meus cabelos, ditando a cadência e a profundidade da chupada. Sentia a cabeça de seu pau querendo invadir minha goela, mas não tinha ainda o traquejo para fazê-lo. Precisei interromper o boquete um par de vezes para recobrar o fôlego. Assim que me restabelecia, voltava ávido a deliciar-me com seu membro.

Ele foi intensificando a frequência com que empurrava minha cabeça, até que passou, em termos, a foder a minha boca. Ao cabo de poucos minutos, pude sentir minha boca ser adentrada por seu esperma. Um sequência de jatos grossos de porra que me vinham como uma iguaria a ser degustada, e que, por causa da posição em que me encontrava, escorria-me da boca novamente para seu pau. Fiz o melhor que pude para recuperar e engolir o máximo de seu sêmen, mas não foi possível evitar que parte dele molhasse o estofamento de seu banco de carro.

Por alguns instantes, ocupamo-nos apenas de ficarmos apresentáveis para a viagem de volta para casa. Ele esfregou com as mãos a mancha de porra no assento, suspendeu a cueca e as calças. Olhando-me no espelho retrovisor, eu ordenei meus cabelos tanto quanto pude, e limpei de meus lábios qualquer vestígio de porra que remanescia.

Durante o caminho de volta, ficamos mudos por um longo tempo. O que falar depois que algo dessa natureza acontece? Mas Roberto, em determinado momento, quebrou o silêncio:

- Você já tinha chupado antes?

- Nunca.

- Nunca mesmo? Foi sua primeira vez?

- Foi sim, por quê?

- Chupa bem demais...

Senti minha face corar; era vergonha, ou era orgulho? Voltamos a ficar em silêncio por mais alguns minutos. Roberto, então, comentou, como que se estivesse pensando alto:

- Nasceu pra isso...

Ele me deixou na porta do meu prédio, como de costume. Fitei seus olhos por alguns instantes, com um misto de dúvida e expectativa. Eu queria despedir-me com um beijo. Um beijo na boca, quente e molhado. Tenho certeza que ele podia ler aquilo nos meus olhos, mas ele preferiu não me atender o desejo. Apenas disse:

- Até amanhã.

Assim que levantei o bumbum do assento e virei-me para sair do carro, senti um tapinha leve, que terminou numa rápida apalpada. Olhei para o rosto de Roberto. A expressão em seu rosto denunciava o que ele queria de mim para o nosso próximo encontro...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
10/12/2014 14:18:54
Delicia
10/12/2014 14:18:46
Delicia!
03/06/2014 05:41:45
quero o flexa para ser realmente iniciado-oafand@bol.com.br
31/03/2014 17:03:52
Kra, muito excitante! Interrompi a leitura p 3 vezes pra socar e gozar. Apesar da inveja ser pecado, eu queria muito estar no lugar do Roberto, iniciando vc.
16/03/2014 20:12:45
Hoje é o meu dia de sorte. É o segundo relato bem escrito que leio (com algumas falhinhas, verdade). Leia os meus. Visite o meu blog: quiquinha12.blogspot.com.br NOTA DEZ.
16/03/2014 17:08:35
Muito bom
16/03/2014 15:07:04
Gostei