Casa dos Contos Eróticos

E não é que o Cláudio venceu a timidez e faturou minha esposa?

Um conto erótico de Kasado da VP
Categoria: Heterossexual
Data: 22/09/2013 01:33:13
Nota 10.00

Olá, amigos leitores!

Volto para contar sobre o que rolou depois do gostoso menage entre eu (Marcos, 28 anos), minha deliciosa esposa Vivi (26 anos, branquinha e de cabelos compridos, estilo ninfetinha, seios durinhos e empinados e cinturinha fina) e meu amigo Lucas. Como eu disse no conto anterior, "Depois do churrasco...", o Cláudio foi embora mais cedo e não participou da nossa "festinha".

Mas eu percebi, com o tempo, que o Claudio estava diferente. Vivia encarando a Viviane, as vezes me olhava de forma diferente... Demorei a raciocinar, mas cheguei a uma conclusão: o Lucas devia ter contado a ele que, depois que ele foi embora, ele barbarizou minha esposa. Só que o Claudio é mais tímido, por isso não tentaria nada com ela. A não ser que eu desse uma "mãozinha". rsrs

Acontece que no outro dia resolvi quebrar o gelo e convidar o Claudio a beber uma cerveja e conversar. Falei com ele que estava achando ele diferente, perguntei o que houve e tal. Como eu vi que ele não abordaria o assunto, fui direto: -Já sei. O Lucas te contou da suruba que fizemos com a Vivi, não foi?

Ele ficou todo sem graça, disfarçou, mas acabou confessando que sim. E eu perguntei, incisivamente: - E você, Claudio, gostaria de comê-la também?

Ele não sabia onde enfiar a cara. Resolvi "incentivá-lo", mostrando algumas fotos bem sexy da Vivi,que tirei com meu celular, em diversas posições na nossa cama. Dava pra ver a Vivi nuazinha, com a xaninha raspadinha e os biquinhos dos seios durinhos. Ele acabou disparando: - Olha, Marcos, não vou negar que acho a Vivi uma delícia.

- Não foi isso que perguntei. Você quer ou não comer a Vivi? Pode falar cara! Comigo não tem dessas não.

- Eu adoraria.

Então eu combinei com ele o seguinte: no sábado, eu a deixaria em casa sozinha alegando ter que ir a algum lugar e avisando que iria demorar. Ele, então, iria a minha casa como se fosse procurar por mim e entraria com ela, conversaria e atacava!

Apesar de ele achar que não ia dar certo, concordou. E eu disse que a única condição era que eu queria saber de todos os detalhes, desde a chegada dele até a gozada! Adoro saber isso. rsrs

E assim fizemos: no dia combinado, ele foi até minha casa, onde a Vivi estava sozinha. Pouco antes de chegar, caiu um temporal e ele se molhou todo. Ao chegar, ela o viu todo molhado e o convidou a entrar e colocar alguma roupa minha.

- Nossa, Carlos, tu pegou uma baita chuva, hein? rs

- Pois é, Vivi. Vim conversar com o Marcos. Ele está?

- Não. Ele deu uma saída faz pouco tempo, mas acho que vai demorar. Espera aí que vou buscar uma roupa dele pra você usar. Senão acaba ficando doente.

Cláudio disse que a Vivi estava com uma camisa bem grande e larga, como se fosse um camisolão. E não usava sutiã, o que fazia parecer que seus lindos seios iam furar a blusa. Por baixo, um short de lycra azul, que dividia seus lábios vaginais. E ele já extremamente excitado, disfarçadamente apertava o pau olhando aquele monumento de mulher. Ela deu um short meu pra ele e uma blusa, que ele resolveu dispensar, alegando que não estava tão frio. Na verdade, ele queria mesmo é que ela também admirasse seu físico e assim criar uma intimidade maior com ela. Ela foi até a cozinha preparar uns tira-gostos, enquanto ele colocava o short. E voltou usando apenas ele, sem cueca por baixo. Quando retornou, ela já estava na sala, com os petiscos e a cerveja. Sentaram-se, cada um em um sofá, e beberam animadamente. Ele falou que, enquanto ela falava, ele a observava e não conseguia parar de pensar no corpo dela, que ele viu nas fotos. E ela, na maior inocência, nem desconfiava quais as intenções do rapaz, com o pleno consentimento do corninho do marido. rs

Em uma das vezes que ela foi à cozinha buscar mais cerveja, ele a acompanhou, dizendo que ia ajudá-la levando os pratos vazios. Rapidamente ele pôs os pratos e talheres na pia, para observar ela se abaixando para pegar a cerveja na gaveta de baixo da geladeira. Nesse momento, seu pênis já levantava o short num ângulo de 90°. Ele não aguentou, se aproximou dela pegando sua cinturinha levemente por trás e encostando o pau duro em sua bundinha. Ele disse que ela virou-se e disse:

- Que isso, hein Claudio? Imagina se o Marcos vê você sarrando a mulher dele desse jeito? rs

Aí, como um lobo faminto louco pra devorar a presa, ele arriou o short e disse:

- Mas que culpa eu tenho se a delícia da mulher dele faz isso comigo?

Ela olhou séria pra ele e tentou falar algo:

-Mas...

Ele voou em cima dela e calou sua boca com um beijo de língua, demorado e apaixonado. Ela ficou molinha em seus braços, enquanto ele já a conduzia contra a parede da cozinha. Num gesto rápido, ele foi levantando a blusa dela e percorrendo seus seios, seu colo, seu pescoço com a língua. Ela arfava, se contorcia, com o bafo quente do nosso amigo em sua delicada pele. E vez por outra ele se concentrava em seus seios, brincando com os mamilos, mordiscando e chupando como um bebê recém nascido. A essa altura, ela já não dizia mais nada, só gemia e apertava sua cabeça, como se quisesse que ele entrasse em sua pele. Ele a pegou no colo e foi beijando-a até o nosso quarto. Lá, ele a jogou na cama e foi tirando o short dele enquanto ela tirava o dela, louca pra provar aquela pica nova. Ele caiu de boca na xaninha cheirosa da Vivi, chupando, lambendo e enfiando o dedo delicadamente. E ela rebolava e ficava ansiosa por receber a rola dele. Ele foi subindo lentamente a lingua, pelo umbigo, barriga, seios até chegar novamente em sua boca. E, enquanto eles trocavam um demorado beijo, seu pênis já foi se encaixando na vagina dela, que estava muito molhadinha. Como ele não é tão experiente, ficaram no papai-mamãe, se beijando e se acariciando, como se fossem um casalzinho de namorados. Ela o puxava querendo sentir cada cm daquela jeba dentro dela. E gemia, mordia a orelha dele, apertava os lençóis. Quando, de repente, ele pediu a ela pra realizar uma fantasia que ele sempre imaginou com ela (olha que safado!!). Ele queria gozar na boca da minha esposa. E ela, mais que depressa, posicionou-se pra receber o gozo do prazer. Ele direcionou a pica, dura como rocha, e mal entrou na boquinha sedenta da Vivi, já foi despejando um verdadeiro rio de porra quente. E ele gritava, uivava, gemia alto mesmo, enquanto ela passava a língua na cabeça vermelha do pau dele, só para torturá-lo. Os dois ainda tomaram um banho juntos, com direito a namorinho embaixo do chuveiro. Depois, ela pediu pra ele ir embora, porque não queria que eu os visse juntos. Mas fico me perguntando: Será que a Vivi realmente não imagina que eu sei de tudo que rola? rs

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
10/10/2013 23:58:39
Muito obrigado!! Então podem dar uma olhada no mural que tem história nova. Espero que gostem. É real!! :)
10/10/2013 20:35:35
Você está de parabéns, li todos os teus contos e todos foram muito bons. São bem excitantes. Espero que continues escrevendo para nós. Agradecemos.
22/09/2013 02:00:19
Kkkkkk boa, será mesmo que ela nao sabe? Rss Muito bom, continue contando para nós!
22/09/2013 01:42:06
10