Casa dos Contos Eróticos

Na Praia

Categoria: Heterossexual
Data: 16/02/2011 09:05:00
Última revisão: 05/07/2011 07:37:52
Nota 9.68
Ler comentários (43) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Este conto não é de minha autoria. Encontrei-o em um site na internet, inclusive sem o nome do Autor.

E ao verificar, que o mesmo não havia sido publicado na Casa dos Contos, resolvi postá-lo. Esta postagem é uma home nagem ao Autor desconhecido, de um dos contos mais excitante que tive a oportunidade de ler.

CASADA E PEmbora não estivesse frio, o tempo nublado e o mar revolto não convidava ninguém a ir à praia. Porém eu na poderia deixar de dar uma caminhada para espairecer as ideias. Eu estava há mais ou menos dois meses servindo de enfermeira para meu marido, que após um acidente automobilístico, todo quebrado, convalecia em nosso retiro à beira mar. E, todas as tardes eu dava uma caminhada pela praia, ia até os molhes da barra do porto, que estavam sendo construídos. Adorava ver os homens trabalhando junto a máquinas e equipamentos monstruosos, movimentando pedras e blocos de cimento enormes, e colocando-os, como uma “taipa” ou um muro, mar adentro. Mas hoje, fim de semana estava tudo deserto. Fui até o fim dos molhes, sentei numa das pedras colocadas no lugar definitivo e me transportei para mundos imaginários, com o olhar fixo nas ondas. Distraída, não notei que o tempo se fazia mais feio, e fui despertada de meus pensamentos pelos primeiros pingos de chuva. Umas gotas grandes e mornas, que logo se transformariam numa grande precipitação. Nada me aconteceria, no máximo ficaria molhada, porém o instinto de preservação foi mais forte e me pus em caminhada rápida em direção à praia. E de lá mais uns duzentos metros e estaria em casa. Quando cheguei na praia, onde começava a construção dos molhes, que já se estendiam mar adentro uns duzentos ou trezentos metros, a chuva engrossou, e um trovão maior que os outros me fez entrar no galpão que servia para guardar equipamentos das obras. No final de semana sempre estava vazio, sequer um guarda ficava lá, pois o local era praticamente deserto nesta época do ano. Abriguei-me sob o telheiro, sentada nos calcanhares, e procurava um cigarro enxuto, quando escutei um ruído na parte de dentro do galpão. Prestei mais atenção e ouvi conversas, era mais de uma pessoa, o chão de areia não produzira barulho algum quando eu chegara era certo que não me haviam escutado ou avistado. A curiosidade típica das mulheres fez com que eu procurasse espiar por uma das frestas da parede de madeira, e o que eu vi me fez sair dali correndo quase em pânico. Dois homens estavam trepando com uma menina de uns 15 ou 16 anos de idade, ela servia de joguete nas mãos deles, que também pelados, um estava com o pau na boca dela e o outro a comia por traz ao mesmo tempo. Sem fazer barulho desandei a correr em direção à minha casa. Corri bem uns cem metros apavorada e então parei. Agora passado o primeiro susto eu via que não era um estupro, a menina não estava sendo forçada, ela dava para os dois e suas feições não erram de medo, erra de prazer. Agora sem o bloqueio do medo, eu lembrava inclusive que ela pedira para fazer com mais força. A curiosidade e o instinto natural de espiar uma indecência, me fez voltar, e num silêncio mais intenso do que quando saíra, eu voltei para meu lugar no barraco, e com o coração mais parecendo um tambor eu vi a menina ser comida por eles e também pude observar melhor toda a transa. Ela era magricela e alta, com cabelos curtos e um apele bronzeada de quem vive na beira do mar, era possivelmente filha de pescadores, e como uma cobra se enlaçava nos dois, dando ora para um, ora para o outro, enquanto chupava o que não a estava comendo. Os caras, dois musculosos empilhadores de pedras nos molhes, muito parecidos entre si, provavelmente irmãos, ou primos, tinham uma estatura média, mais ou menos 1.80 m. quase magros, sem barriga, ambos pelados deixavam ver os músculos dos braços e pernas fortes, com barba de alguns dias, azulando as faces. Mas o mais impressionante era as picas. Devo aqui abrir um parêntese, homem pelado ao vivo, de pau duro, eu só tinha visto meu marido. Outras ocasiões em que eu tinha visto homem pelado, foram acidentes, no clube, uma troca de calção de banho, ou uma ocasião em que eu abrira a porta do bainheiro, estávamos com visita, e numa fração de segundos eu vira um amigo no banho, ele nem chegara a me ver, porém eu o vi, estava de pau mole e era mais feio que meu marido. Porém agora eu via dois espécimes de macho muito viris, via seus grandes caralhos, muito, mas muito maior que o do meu marido, mais grossos também, um tinha a cabeça rombuda, meio virada para baixo, o outro tinha uma cabeça bem desenhada, erra grande e bonito. Brilhavam, lambuzados pelos sucos da menina e pelos próprios sucos. Eu estava impressionada com a menina. Ela se deixava penetrar por um pau que eu não imaginava caber dentro dela, e ainda cruzava as pernas nas costas deles fazendo com que entrasse até misturar os pentelhos deles com os dela. E uma coisa que jamais vou esquecer foi o olhar dela. Esgazeada, nas nuvens, ela estava tendo orgasmos incríveis. Seu olhar era tão intenso para o pau deles que parecia querer engoli-los, e foi dela a iniciativa de ser enrabada por um deles, e após agasalhar a pica inteira no cuzinho, se virou, sentando por cima do que a comia, de costas para ele, e com o pau enterrado na bunda deitou-se na sua barriga, fazendo com que ele servisse de cama para ela dar a bocetinha par ao outro, que se agitando entre as quatro pernas introduziu o pau nela até ficarem os três sexos unidos como um só. Eu já tive grandes orgasmos com meu marido, trepamos de muitas formas, mas tenho consciência que nunca gozei como aquela menina. Já chupei meu marido mas nunca bebi esperma, já fui chupada superficialmente, nunca senti uma língua lá dentro, e principalmente: nunca dera o cu. Dar para dois homens estava fora de qualquer plano ou sonho meu. Era muita degradação, pelada ser alisada por dois homens, pegar num pau e depois noutro, até nos dois ao mesmo tempo. Nunca. Mas interrompendo meus pensamentos, notei que a menina vestia um vestidinho de pano descorado, sem nada por baixo e foi embora na chuva. Os caras ficaram ali, sentados, comentando o ocorrido, quando escutei que um se referia a mim, dizia que a menina não deixava de ser melhor que uma punheta, mas que um dia gostaria de comer uma mulher do tipo daquela madame que ia até os molhes todo dia, que “uma potra daquelas eu comeria com gosto, com requinte, demoradamente”. Ao que o outro disse: tire teu cavalinho da chuva, que aquela rica só dava para rico como o marido dela. Igual todo rico, meio viado e de pau pequeno. (era a descrição de meu marido, na lata, meu marido não é bicha mas tem um tipo meio efeminado e pau pequeno), e continuaram a falar de mim como se eu fosse a miss Brasil, da forma que me comeria, de como segurariam minha bunda para enfiar o pau “bem lá dentro”. E me convenceram. Eu estava com trinta anos, era estéril, não poderia ter filhos, só tinha fodido com meu marido, e agora via que tinha fodido muito mal, fazia já dois meses que não tinha relação alguma, e eu estava molhada entre as pernas que escorria pelas cochas abaixo, os bicos de meus seios estavam duros que parecia querer furar a blusa molhada, e agora, já passara meia hora e eu já não tinha preconceitos em dar para mais de um homem, principalmente se fossem aqueles dois que tinham me exaltado às formas e me desejavam, pelo que escutei, há muitos dias. Coragem para fazer eu tinha, o que eu nunca tinha tido fora tesão de trair meu marido e oportunidade, sempre achara que as fodas que dávamos eram o máximo, que gozar era quilo mesmo e pronto. Meu marido com toda certeza estava dormindo, dormia todos os dias até a hora da janta, era quando eu dava meus passeios. Eu já não raciocinava bem, meu tesão aflorava na pele e contraia minha vagina me melando toda. A chuva continuava forte, e seguindo meus planos, saí me afastando uns cinquenta metros, parei par me molhar mais um pouco e voltei em direção ao galpão, correndo. Entrei pela porta que a menina havia saído como se tivesse certeza de não haveria ninguém lá dentro. Meu vestido colava no meu corpo e meus cabelos escorriam pelo rosto. Os dois homens, já vestidos com uns calções, ficaram me olhando, já dentro de suas carapaças de empregados, respeitosos se prontificaram a me emprestar um guarda chuvas para chegar em casa, porém falei que não haveria necessidade de se preocuparem comigo, que a chuva já passaria e eu poderia ir embora, e pedi para ficar um pouco ali, no abrigo, argumentando que somente minhas roupas molhadas poderiam me fazer mal, e perguntei se teria problema em ficar de biquíni. Sob as vestes, na praia eu sempre usava um biquíni em vês de calcinhas. Os dois, respeitosos, prontamente se retiraram para a parte de fora do galpão, mais ou menos no lugar onde eu ficara observando-os. Eu sozinha, tirei o vestido, não sem notar que os pilantras me espiavam pelas mesmas fretas que eu usara. Tirei o vestido e torci, para escorrer a água, e estendi-o numas caixas, passei a mão pelo corpo, como se me enxugasse, fiz de conta que examinava as paredes para ver se ninguém me olhava, não fixei o olhar no lugar em que eles estavam, fiz um ar de que estava tudo em ordem e tirei a parte de cima do biquíni, torcendo e deixando pendurada no pescoço como um colar, deixando meus peitos de fora, olhei novamente e tirei a parte de baixo, meio de lado para onde eles estavam, com gestos estudados e sensuais, baixei o biquíni enrolando-o pelas pernas e deixando que ele caísse no chão , para junta-lo bem putona e torce-lo, bem ereta, pernas meio afastadas, ventre reto, fazendo com que salientasse os pelos pubianos, encaracolados e pretos, desenhados como uma ponta de flecha, indicando, entre minhas pernas o lugar do prazer. Devo confessar que não sou feia, malho numa academia de ginástica e mantenho a forma. Sou morena, alta, tenho olhos claros, e mais de uma pessoa já me disse que meu rosto poderia servir de capa de revista, minha bundinha é ainda empinada e meus seios são firmes e de bicos grandes e rosados. Apesar de só conhecer sexualmente meu marido não me tenho por uma insonsa, que nada conhece de sexo, e sei me insinuar, tenho também algo de teatral. Segurando o biquíni com uma das mãos, tendo ainda pendurada no pescoço aparte de cima, levei as mãos para ajeitar os cabelos, que todo molhado escorria pela cara, adotando a pose que melhor realça uma mulher: mãos na cabeça, nua, com os seios empinados e o sexo exposto para frente, de inopino dei um grito de pavor e me empoleirei sobre as caixas, fazendo com que os caras, um tanto assustados, entrassem no galpão perguntando o que havia acontecido comigo. Eu como se não me desse conta de que estava pelada, falava pelos cotovelos, dizendo que ali tinha um rato enorme. Eles olhavam para o local que eu apontava e não viam nada, porém tive certeza que olharam mesmo era para mim, que como se só então tivesse me dado conta de que estava nua, procurei meu biquíni com os olhos, enquanto, pudicamente procurava ocultar o inocultável, com as mãos cobria meus peitinhos e vagina e me virei de costas para eles, meio inclinada, mostrando a bundinha e os pentelhos, que num chumaço, eu sabia, estavam aparecendo por trás. Era areia demais para o caminhãozinho deles. Fui praticamente estuprada. O primeiro que se chegou em mim foi logo dizendo bandalheiras e me passando a mão calejada de empilhador de pedras na minha bunda e peitos, introduzindo de plano um dedo bem fundo em mim, e dizia: madame putinha e gostosa, hoje você vai conhecer um macho de verdade, vai chupar uma pica de homem e vai dar essa bundinha bem gostoso. Fui tirada de cima da caixa por quatro mãos, e duas bocas caíram em meus seios.fui mantida no ar como se fosse uma boneca, fui virada, alisada, chupada. Tive línguas ásperas dentro de minha vagina até quase o útero, fui chupada no meu cuzinho, uma delícia que me levou a loucura, gozei naquelas bocas como nunca tinha gozado na pica do meu marido, fui arranhada de deixar marcas, porém não doía, eu só sentia ondas de choques percorrerem meu corpo. Quando decidiram me penetrar, fui colocada sobre uma mesa baixa, nos fundos do galpão, e sempre segura por eles, tive as pernas abertas e um deles pincelou minha boceta com a pica , (tive contrações incríveis), e enfiou de uma só vez, até desaparecer o pau inteiro dentro de mim, começando a bombear com força e profundamente, com estocadas que me alargavam toda. Eu sentia as entranhas esticadas, nunca imaginara agasalhar um pau daqueles, eu sentia os contornos do pau dentro de mim. O outro me segurava pelos braços, e somente entenderam que eu estava gostando, quando estiquei a cabeça e abocanhei o pau dele, livrei meus braços e segurando aquele pau enorme, me deixei foder por um, enquanto chupava o outro, ele tinha os pentelhos amassados, com porra endurecida da foda com a menina, a mesma porra que derramou na minha boca uma porra espessa, grossa, gostosa, de cheiro muito agradável e que colava dentro da boca, fazendo com que eu sentisse pela primeira vês o gostinho de esperma. Se trocaram e fui empalada pelo que eu havia chupado, tendo agora a oportunidade de chupar a pica que melhor havia me fodido na vida, a da maior gozada até então, estava molhada de mim, grossona, brilhante. Chupei-a com requinte, agradecida, enquanto era arrombada pelo outro, a pica parecia ainda maior, ele era mais rude, estocava ainda com mais força, me olhava dentro dos olhos e fodia lá dentro, com um sorriso maroto, eu chupava um e com o rabo do olho agradecia as sarrafadas que levava. Depois, de joelhos, com a cara no chão, como uma cadela, arreganhei minha bunda para ser comida no rabo, e o cara atrás de mim, também de joelhos, molhou o pau na minha boceta e encostou na porta do meu cuzinho virgem. Esperei a dor que por certo viria, e apenas senti aquela vara deslizando para dentro de mim, me levando a ter os maiores orgasmos que uma mulher pode ter. Sentir no cu, um caralho bem grande, com o tesão que eu estava, enfiado até o fim, sentindo os pentelhos do carinha arranhem a bunda da gente, se sentir segura pelas ancas, olhar para trás e ver um homem te comendo o rabo, martelando o pau em você, e olhar para o lado e ver outro apenas esperando a vês para te comer, de pau na mão, é o máximo que entendo como uma grande trepada. Não fazer amor. Mas uma grande trepada, uma fodida. Dar pelo prazer de dar. Foder. Uma mulher ser comida por dois machos fortes e de pica grande. Beijei eles na boca, beijo de língua, sentindo o bigode arranhar meus lábios, enlaçada, nua ainda, no meio dos dois. Eu já estava indo embora, mas nos beijos de pé, o tesão voltou e fui ensanduichada por eles. Confesso que os paus embora grandes, estavam meio moloidões, mas sentir dois paus dentro de você, de uma só vez, foi a sobremesa perfeita para o banquete que me foi apresentado. Cheguei em casa e meu marido ainda dormia, Entrei num banho de imersão sentindo um ardume gostoso. Minha sorte é que com o tempo chuvoso eu tive desculpa para usar mangas compridas. Eu estava toda arranhada.

Comentários

18/07/2017 17:03:36
Gostei muito! Ótimo conto.
07/05/2015 14:14:25
m primeiro lugar venho agradecer a todas vocês que tem me enviado e-mail e convites para que possamos nos conhecer pessoalmente, espero manter contato com você mulher que queira um amigo para todas as horas, sou de Barra do Piraí. Espero você mulher especial, quero poder lhe dar a atenção e o carinho que você realmente merece, sem restrições de idade, sexualidade, religião ou estado civil, beijos do seu eterno apaixonado pelo sexo feminino e admirador. don.juan.teixeira@gmail.com
04/05/2014 21:05:50
Se o dono deste conto não parecer logo, vou dizer que é meu, rs. Gostei muito; história bastante excitante. Parabéns a quem quer que o tenha escrito. Nota 10!
25/03/2014 10:30:04
muito bom!!! leiam tambem o conto que acabei de publicar
20/02/2014 18:33:12
MUITO BOM O CONTO... GOZEI GOSTOSO... FOI UM DOS... CONTOS MAIS GOSTOSO QUE JA LÍ... NOTA MIL... PRA ESSE ESCRITOR... QUE PENA QUE VC NÃO SABE DE QUEM SEJA... VALEU... CASADA E PCHUPADINHAS NO SEU GRELINHO...
29/01/2014 12:08:55
bom meu e-mail é aventureirorecife4@gmail.com e o skype é aventureirorecife@hotmail.com
23/05/2012 09:48:25
Um belo conto!!! Gostei!! Vale um 10! Publique seus contos em nosso blog e ganhe renda mensal!! Acesse www.clube-de-casais.blogspot.com.br e veja como!!! sucessos
14/05/2012 00:46:06
Conto muito gostoso e tesudo de ler! 10!
20/03/2012 10:42:39
puxa ...adorei teu comentário, mas não sou tudo isso não...é bondade sua...me sinto por demais lisonjeado.rs muito obrigado pela visita e pelo prestigio! Maximus0357
13/03/2012 19:57:44
Linda postei mais um, posso ter o prazer da sua leitura? http://www.casadoscontos.com.br/texto/bjus Maximus0357
20/10/2011 17:19:47
Me adiciona casada: f_sdoss@hotmail.com
05/10/2011 20:53:37
nossa q delicia de conta...parabens me add no msn linton_157@hotmail.com nota 10 delicia
05/10/2011 19:11:27
Minha doce vagabunda, publiquei a segunda parte do Roteiro para o Filme porno parte II vou ostar muito de saber que voce gozou só de ler..
07/09/2011 05:50:38
Caro Newton! Nao sou usurpadora de contos, pois bem frisei no inicio, que nao se tratava de um conto de minha autoria. Talvez sua indignacao seja porque es um frustado sexualmente, um energumeno que passa os dias trancado em um quarto se masturbando, porque nao tem a capacidade nem a hombridade de se aproximar de uma mulher, e saber os prazeres inolvidaveis que sao proporcionados pelo sexo entre um homem e uma mulher.
04/09/2011 11:14:41
Casada e puta (sem vergonha) e ainda por cima, usurpadora de contos. Vai pra cozinha, vai. Vai cuidar da sua casa que é o seu lugar.
26/08/2011 16:36:09
Muito bom!!!! Me adiciona, delícia... bombeiro1997@hotmail.com
26/08/2011 16:33:17
anota meu email, deliciosa bombeiro1997@hotmail.com
24/08/2011 17:37:41
http://www.kula.com.br/lojas/prod/vestido_brilho_vi04.jpg
24/08/2011 17:37:08
Olá minha gostosa, Leia o meu conto: http://www.casadoscontos.com.br/texto/chamado roteiro pra um filme pornô e quem sabe você gosta, me dê noticias...
22/08/2011 10:01:15
Um dos melhores contos que tive o prazer de ler nesse site, simplismente as emoções e contradições da mulher foram bem transmitidas. Nota 10
18/08/2011 02:12:57
10
17/08/2011 04:55:21
Muito bom
04/08/2011 00:04:11
Novinho, branquinho, 16 anos, 1,65 alt, 60 kg, magro, lisinho, moro em Ilha Comprida litoral de SP, procuro homens + velhos que tenham carro e venham me buscar, só acc + velhos, contato: lian_oi@hotmail.com
31/07/2011 12:29:59
QUE CONTO DO CARALHO, ÓTIMO!!!
31/07/2011 01:31:25
Mexeu com as minhas fantasias, heheheh... Acho que toda mulher que não fez, por mais que negue, tem um desejo secreto por dp... SHOW!!
26/07/2011 07:38:42
O melhor conto que ja li me todos o sites de contos. Parabens
05/07/2011 15:52:03
EU ACHAVA QUE MEUS CONTOS ERAM BONS, ATÉ LER ESTE SEU! VOCE ARRASOU! QUE DELÍCIA DE CONTO, AINDA ESTOU DE PAU DURO, EMBORA SEJA BEM COROA!
18/06/2011 21:11:53
Uma delícia este seu relato, já que o mar não estava pra peixe (Gente), nada melhor do que sexo!
01/06/2011 16:36:22
DELICIOSO. NOTA 10 PRA VC, LINDA
21/05/2011 18:53:36
01/04/2011 15:27:55
Tenho que comentar só pra dizer que é muito bom saber que você gozou ao ler meu conto, e que também mexe com a minha imaginação.. Você e seu conto sao responsáveis por uma deliciosa punheta, meu anjo :]
14/03/2011 17:27:50
maravilhoso, excitante, delicioso conto...leia o meu. me add pra conversarmos: loiro_olho_verde@live.com
09/03/2011 22:36:59
delicia de conto...nota dez pra vc casada... puxa adoraria que vc lesse os meus contos e comentasse tb...vou ler os outros seus. NOta dez pra este aqui...soberbooo! maximus0357
06/03/2011 13:19:20
Muito gostoso teu relato... posso te indicar alguém para uma reforma, mas só se você me falar onde é essa praia. O que acha? Rsrs... beijos.
28/02/2011 00:23:33
PARABÉNS, MUITO BOM!
22/02/2011 11:26:11
Poxa, Casada! Que maravilha!!! Adorei! E adoraria ainda mais se pudesse saber mais sobre você e suas aventuras! Bjs gostosos, Pê (peti_rj@hotmail.com)
16/02/2011 17:00:27
Muito embora eu não goste de traição o relato da transa é incrivel muito bom.
16/02/2011 13:15:54
Caraca, puta foda!!!! Otimo conto. Estou de pau duro ate agora!!!!!!!
16/02/2011 12:50:40
Que beleza de conto, não deixe de escrever mas..
16/02/2011 12:04:29
Muito bome com certeza esta experiencia te abriu portas para outras novas aventuras marcantes e prazeirosascontinue contando p/ nossa alegriaLincoln
16/02/2011 12:02:54
16/02/2011 11:55:16
Delicia de conto, me deu um tesao danado! minha nota nao poderia ser outra - 10! qdo puder leia os meus e se quiser, me add lobo.biker@hotmail.com
16/02/2011 11:25:16
Muito bom nota 10 vc deve ser muito gostosa mesmo |!!!!!!!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.