Casa dos Contos Eróticos

Casada e traindo pela primeira vez.

Um conto erótico de Mallu
Categoria: Heterossexual
Data: 26/01/2011 21:51:38
Última revisão: 28/11/2016 09:03:22
Nota 9.80

Minha boceta só conhecia o pênis do Moacir, meu esposo. Nunca sequer passou pela cabeça que um dia poderia trair, saindo com outro homem.

A primeira vez aconteceu há sete meses. Uma esposa fiel, dona de casa exemplar rompendo fronteiras. E sem passaporte, de forma clandestina, ingressando num mundo sem limites.

Me chamam de Mallu. Sou trintona, 1,72m.de altura e o peso? Bem é segredo. Uns quilinhos acima do ideal. Digamos que uso manequim quarenta e seis. O meu forte é a bundinha, curvilínea, ampla e empinada.

Meu rosto sempre foi muito elogiado. O cabelo escuro e liso na altura dos ombros. Seios médios e firmes, talvez porque não tive filhos.

Sempre gostei de usar saias ou vestidos curtos. Eles deixam minhas grossas pernas mais longas, realçando o bumbum.

Em matéria de sexo, casei virgem. Moacir, foi constante no início. Depois, buscando promoção, só queria saber de trabalho. Dava para contar nos dedos da mão, quantas transas no ano. Isso mesmo, no ano!

Recatada, nunca tomei iniciativa. Me arrumava tentando chamar atenção. Era inútil. Ganhava isso sim, bastante cantadas de outros homens, o que só exacerbava desejos enrustidos. Moacir nunca deu motivo para suspeitar que tivesse outra. Acho que se masturbava escondido.

Nessa época reencontrei a Nice. Estudamos o colegial juntas. Ela também estava casada e o marido bastante liberal. Através dela soube o que era swing. Me contou suas experiências de troca de casais. Até insinuou para que eu e Moacir participássemos. Mesmo interessada, declinei.

As histórias de Nice me excitavam. Cada loucura! Logo ela, que no colégio, era tão puritana, CDF e certinha. Ela se denominava putinha e referia ao esposo como o corninho. E eu, mantendo a pose de casadinha feliz.

Certo dia, Nice me contou sobre um menage com um rapaz que tinha o pau torto e estupidamente grosso. E que tinha tido orgasmos múltiplos. O rapaz relatara a transa em um site de contos. Ela me mostrou no computador.

Li meio por cima a história. Não sei se foi a descrição da pica grossona e torta e o quanto a Nice gozou, só sei que me deixou com a xoxota molhadinha. Apesar de curiosa, fingí desinteresse.

Em casa tentei acessar o conto e não consegui. Mal sabia ligar o computador. Moacir que sempre usava. Eu não tinha e-mail e nem sabia o que era isso. Me senti ignorante e ultrapassada, comparada com Nice.

A frustração me assolou. Quando adolescente eu era a ¨mais¨ da turma e agora, na fase madura, a bobinha do grupo estava anos-luz adiante de mim. Me dei conta de quanto estivera parada no tempo, sem acompanhar as mudanças e avanços da vida moderna. Seria em parte, inveja da amiga?

Foi difícil confessar à Nice, o quanto eu era leiga em matéria de informática. Ela foi bem legal comigo. Sentia prazer em ensinar o que sabia, em especial sobre a internet. Me ajudou abrir meu e-mail. E a navegar, mostrando quanta coisa excitante havia na net.

O que eu queria mesmo era saber tudo sobre o cara do pintainho torto. Aquela história me impressionara. Cutucava a minha libido. Não saia da cabeça. Como seria? Esperei Moacir pegar no sono. Liguei o computador.

Finalmente consegui acessar o conto. E pude ler a história contada sob a ótica dele. A medida que lia o relato, ia sentindo umedecer a xaninha. E quando dei por mim, estava com as pernas abertas. A mão pressionada pelo elástico da calcinha atrapalhava a manipulação do clitoris.

Cerrei as pálpebras. Com a outra mão acariciei meus mamilos endurecidos de tesão. Não era Nice da narrativa e sim eu, sentada, com aquela rola torta e espessa, enterrada na grutinha.

Ofegante, segurando os gemidos, tive um orgasmo explosivo. Senti um vazio ali embaixo, enquanto a respiração se normalizava. Céus, o que estava acontecendo comigo?

No final do relato tinha o seu e-mail. Eu já me correspondia com a Nice. Foi fácil mandar o e-mail. Difícil foi escrevê-lo. Nele apenas parabenizei pelo conto e que tinha ouvido de uma amiga uma história parecida.

A resposta chegou com um monte de perguntas e uma foto. Fiquei frustrada em vê-lo de cueca, sem mostrar a razão do meu interesse. Sergio, era um homem forte, tipo baixinho atarracado. Não dava para ver o rosto com total nitidez, mas não me pareceu bonito à primeira vista.

Passamos a nos corresponder. Contei que era casada e até sobre minha vida sexual. Ele queria que abrisse a web-cam. Eu disse que não tinha. Insistia em querer fotos minhas.

Eu me descrevia mas não enviava. Aliás nem sabia como enviar. E no mais, sabia pouco dele. E se ele fosse amigo do Moacir? Morria de medo que alguém conhecido soubesse.

Nossas mensagens foram ficando cada vez ousadas, picantes. Ele me cantando descaradamente e eu doida para ver o ¨pau grosso e torto¨. Ele condicionava a ver fotos minhas em trajes íntimos.

Como ninguém cedia, ele propôs a nos encontrarmos sem compromisso. Eu protelava, mesmo com garantias de discrição que ele dava.

Quinze anos de conduta irrepreensível. Achar um outro homem bonito e pensar que seria delicioso beijá-lo, tinha sido o máximo de atrevimento. Até que meu maridinho teve de viajar a serviço. Ia ter três dias sozinha. Criei coragem e marquei encontro com Sergio em um local público.

Ao me produzir, senti uma estranha excitação. Há quanto tempo não me preparava para um encontro! E às escondidas! O coração já batia acelerado, ao escolher a lingerie mais provocante, ao caprichar na maquiagem, no vestido justo e sexy, os sapatos de saltos altos e finos.

Fui com a condição de só jantarmos. Dizia para mim mesma ¨- que mal há em só flertar?¨. Porém, estava excitada e no intimo, ansiava por algo, mais que um jantar. E preocupada. Nunca tinha saído com outro homem e ainda por cima um desconhecido! E se algum conhecido me visse ali? Ou um parente?

Tive vontade de desistir e dar o cano. Mas a adrenalina de fazer algo proibido falou mais alto. E fui ao encontro. Ao vê-lo, notei que não era um homem que chamasse a atenção. Trinta e sete anos, de jeans, camisete e sapatos. Um homem comum.

Mas seu sorriso era cativante. Os dentes perfeitos. Alegre e espirituoso. Logo me deixou a vontade. Meu olhar sempre insistia em pousar ali, no montinho, tentando avaliar qual era o tamanho, a forma, dificultado pelo tecido espesso. Ficava ruborizada com esses pensamentos depravados.

Logo conversávamos como velhos amigos. Seu papo envolvente foi me conquistando. Uma taça de vinho bastou para me destravar. Já falava abertamente que queria ver o ¨torto e grosso¨. Ele dizendo que mostrava, só que num motel. Sergio insistia e eu relutava. Por fim, concordei mediante promessa de que, só iria tocar e masturbá-lo.

Me arrependia por ter cedido e ao mesmo tempo, o desejo de aventura me fazia ir em frente. Foi desconfortável o trajeto até o motel. Cada carro que passava eu escondia o rosto. Sentia como se toda minha vizinhança estivesse nas ruas, observando. E pensava na loucura que estava cometendo. E se ele fosse um psicopata pervetido? Na entrada do motel, já estava quase deitada no banco, toda abaixada.

Quando trancamos a porta do quarto, senti um alívio imenso. Estava entre quatro paredes. Tudo que fizesse ali, ninguém poderia ver. Sérgio me beijou com agarro. Senti a volúpia com que suas mãos passeavam pelo meu corpo. A sua língua que procurava sofregamente a minha. Deixei de resistir. E correspondi ardentemente.

Entre amassos fomos nos despindo. Já estava só com o conjuntinho de lycra e renda preto, meias presas à cinta liga. Por cima a calcinha da mesma cor. Só deixei tirar o soutien, liberando meus peitinhos endurecidos. Sentia o cheiro dos cabelos de Sergio, diferente do meu esposo.

Caí na real que estava com outro. Isso me excitava e assustava! Ele beijava meu corpo inteiro. O pescoço, os seios, o ventre, as partes internas das coxas. Com os dedos afastou a faixa estreita de lycra que escondia minha xoxotinha.

E chegou lá. Seus lábios roçaram a entradinha da gruta. Sentia o hálito quente nas carnes sensíveis. Estremeci toda quando a língua áspera e úmida começou explorar cada curvinha. Ah, como chupava gostoso.

Lambia, penetrava com a língua, mordiscava de leve, sugava carinhosamente meu mel, que devia estar a escorrer. A calcinha que eu não queria tirar, estava abaixada, enroscada na canela direita.

Tinha ouvido falar em banho de língua. Agora entendia o que era isso. Orgasmo atrás de orgasmo. Delirava, não queria mas pedia para ele parar. Gemia, urrava. Aquilo estava de matando. Matando de prazer! Agarrei seus cabelos. Queria puxar a sua cabeça dentro de mim!

Sérgio sabia fazer uma mulher subir pelas paredes. Deveria existir cursos para ensinar a fazer sexo oral. Uma chupada demorada e bem feita, transforma qualquer homem em bom de cama. Moacir era um que teria de se matricular urgente.

Estava mole, esparramada na cama. Entregue e já sem importar com mais nada. Mas queria mais. Tudo que eu queria era alguém para meter e bombar em mim. Me penetrar, me possuir. Nessa hora, poderia ser qualquer um que tivesse um cacete para satisfazer minha vagininha faminta.

E vi o pinto rijo do meu amante. Era normal, parecia até pequeno (eu é que fantasiara uma coisa enorme), com a base escondida entre os pelos encaracolados. Mas era assustadoramente grosso. Muitas veias cheias em sua extensão. Os músculos delicados pulsando. E tortinho. Apontando para cima e para esquerda. Só a cabeçorra era grande e inchada. Parecia um cogumelo.

Peguei nele admirada, com carinho. Era a primeira vez que segurei um pênis, que não fosse do Moacir. Deu vontade de chupá-lo. Senti que prendia entre a língua e o céu da boca. Na época não sabia chupar muito bem. Tentei enfiar tudo, me sufoquei. Tossi. O negocinho parecia ter engrossado ainda mais.

O safado do Sérgio sabia que eu iria dar para ele. Me fez deitar de costas com as pernas escancaradas. Vestido com a camisinha estufada, aquela tora parecia mais torta ainda. Pensei por um instante, em desistir.

Sergio esfregando o tortinho na entrada da grutinha. E começou a enfiar. Rebolei tentando evitar. Mesmo toda lambuzada, a penetração estava difícil. Naquele buraco só tinha entrado a rolinha do Moacir. Bem mais fino e sem ponta rombuda.

Só pude dizer ¨ -Não, não...¨ , sem muita convicção. Pouco a pouco foi escorregando dentro de mim. A cabeçona ia abrindo o caminho, esticando as carnes rosadas que emolduram meu buraquinho.

O pau de outro homem estava entrando em mim, explorando minha xaninha apertada. Os lábios vaginais arregaçados, recebendo o mastro pulsante. Uma sensação estranha, de saber que era errado, era proibido, todavia, estava gostoso demais sentir o peso de outro homem, quase um estranho e sua carne rija dentro do meu sexo.

Eu ali parada, inerte e deixando acontecer. Não sei era fruto da minha imaginação, mas, pude sentir a ponta rombuda raspando mais forte um dos lados das minhas entranhas, causando ardência e um prazer estranho. Quando dei por mim, estava rebolando, me ajustando ao ritmo de cada bombada.

Senti que o orgasmo estava vindo e me surprendi ouvindo escapar dos meus lábios pedidos de ¨- Ai, vai, mete forte, ai, mete, vai, põe tudo, ui, assim, vai¨, entrecortados por gemidos roucos de desejo. Acabei chegando ao clímax de forma incrível, gritando de prazer. Algo que há muito tempo não sentia, de entrega total.

Meu corpo todo estremeceu e depois parou por completo, mole, enquanto o coração batia de forma descompassada. Aos poucos, foi normalizando e nessa hora, a razão voltou. Horrorizada, me dei conta de que outro homem, um quase desconhecido, fungava de tesão, mexendo o quadril, para cima e para baixo, com seu falo torto entrando e saindo da minha maior intimidade.

Por instantes, passou pela minha cabeça risco de gravidez, doenças sexuais, o fato de ser casada. Pensei até em meu marido, enquanto Sergio continuava me possuindo de forma ardorosa, me chamando de ¨-Gostosa¨ e dizendo o quanto eu era ¨-Apertada¨. Pensei até em empurrá-lo, desengatar e fugir o quanto antes daquele estado pecaminoso.

Seu ritmo aumentou e ele ejaculou, com o corpo todo tremendo. Me beijou enquanto sua rola pulsava dentro da minha xaninha estreita e arrombada. Se deixou cair por instantes e ficou ali, saboreando o ato de meter em mim. Ao tirar a pica torta, o preservativo quase tinha saído, com bastante sêmen acumulado na ponta. Eu acabara de deixar outro homem me comer!

Corri para o banheiro, lavei e me vesti rapidamente. Tudo que eu queria era fugir o mais depressa daquele motel, que ainda cheirava sexo e pecado. Tentava imaginar que era apenas um sonho e que não havia acontecido. Que logo eu acordaria e seria a mulher que jurara ser fiel ao meu marido.

Cheguei em casa me sentindo suja e diferente. A grutinha ardendo. Preocupada em como encarar Moacir. Sentia que meu marido, ao olhar meu rosto, iria saber que eu o havia traído. Eu o amava e aquela aventura havia sido somente pelo prazer. Que não era para ter ocorrido, mas, aconteceu.

Passado alguns dias, tudo havia normalizado. Apesar do sentimento de culpa, meu marido não percebeu nada, o que me acalmou. E mentalmente, fiquei cantando aquela musiquinha que fala da bota nova (lavou tá novo)...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
02/10/2018 19:09:04
Excelente!!
17/09/2018 18:40:43
Sua forma de escrever empreende um realismo assombroso!!! Parabéns pelos detalhes e por nçao deixar cair o clímax que ficou SEMPRE super-hiper-mega=blaster erótico. Ansioso por ler os outros contos e descobrir o que aconteceu depois dessa 1ª vez...
Get
19/08/2018 17:46:16
Parabéns pelo seu relato Mallu. Mulher quando não é desejada pelo marido tem que se satisfazer com outras formas de prazer, no melhor dos casos é conhecer outro(s) homem e ser feliz no sexo. Sexo com vontade não é pecado. Fiquei de pau duro. ponto.gtd@bol.com.br Nota 10.
14/08/2018 08:54:58
Nossa... Muito bom conto, adorei a riqueza de detalhes, adoraria conhecer pessoalmente sia grutinha! ;) rssr bjos!
09/08/2018 22:39:43
Que delicia Malu! Amei o seu conto... Kkk rsrs... Fui obrigada a fazer um boquetinho pro meu marido.... Aiii... Acabei ganhando leitinho na boquinha por sua causa.... FDP! BEIJOS
08/08/2018 18:34:43
Excelente Mallu!!!
05/08/2018 22:55:07
conto muito bom ,gostei e votei dez
20/07/2018 23:02:20
Fiquei excitadissimo! Muito bom o conto!
19/07/2018 12:11:10
Adorei, parabéns Mallu... Beijos nota dez
Spt
16/06/2018 11:40:07
Adorei seus contos são muito bons e obrigado por votar no meu, até a próxima
13/04/2018 20:51:56
Excelente! A sensação do proibido é muito gostosa! Mande fotos japamoreno2014@gmail.com
05/04/2018 12:37:20
Nossa Malu vc como sempre uma delícia, mais uma nota 10 para vc seu corninho e um homem de sorte ter uma mulher como você.
07/03/2018 00:02:45
Ótimo conto... nota máxima!
14/01/2018 09:19:35
Conto muito excitante. Lendo este teu passo corajoso, fico a imaginar quantas passam a vida sem experimentar as melhores delícias que o sexo pode dar. Grata pela visita. Nota dez e beijocas.
13/01/2018 07:12:18
DENTRE MAIS DE CENTO E TRINTA MIL CONTOS, ESTE É O TRIGÉSIMO-TERCEIRO (33) MAIS COMENTADO DO SITE, COM 215 VOTOS. Muito bem escrito, merece a nota máxima.
04/01/2018 13:00:51
Maravilhoso se alguma gata quiser tc chama no whats ..VINTE DOIS.NOVE, NOVE, NOVE, TRES,CINCO , UM , TRÊS ,UM, TRÊS .. CARLOS BJS NAS PEPECAS....
05/12/2017 06:01:35
Malu seu relato é primoroso. Toda mulher, principalmente s casadas, se sentem constrangidas quando experimentar o prazer com outro homem, que não o seu marido. Entre estas, aquelas que o fazem pela primeira vez e só conheceram outra ferramenta akém do seu marido, nestes momento. E fato, que o melhor de tudo é praticarem sexo com outros casais ou solteiros juntos, pois isto traz muitas satisfação comum.
17/11/2017 07:58:07
Que belo conto... Hummm, safadeza gostosa, excitante e que consola as infiéis que não resistiram aos apelos do corpo. Como eu. Obrigada pelo incentivo e visita. Bjs.
29/06/2017 20:58:57
muito bom!!! lgrdc_15@hotmail.com
12/06/2017 06:20:54
Sempre serás uma deusa para mim Mallu,você é linda demais e decidida com a vida.Adeus.