Casa dos Contos Eróticos

A primeira vez de dois adolescentes

Autor: Gato Maroto
Categoria: Heterossexual
Data: 15/12/2010 10:06:01
Última revisão: 06/01/2011 12:50:35
Nota 7.48
Ler comentários (32) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

A PRIMEIRA VEZ DE UM CASAL DE ADOLESCENTES

Leio e me masturbo sempre com os contos daqui mas nunca tinha escrito um só meu. E olha que rs... me masturbo direto e reto... muiiito mesmo... até duas vezes por dia. Por isso quero contar o que aconteceu com minha primeira namorada de verdade, com quem descobri os primeiros prazeres sexuais. Somos do interior de São Paulo e naquela época eu tinha 14 e ela 13. A gente começou a descobrir os desejos enquanto se beijava encostado no portão da grade da minha casa, sempre de noite, no escuro da sombra de uma grande árvore, já que a gente namorava escondido do pai dela. Eu percebia que ela não ligava mais de sentir meu pau duro debaixo da calça esfregando contra o corpo dela. Alguns meses antes ela ficava muito puta da vida qdo isso acontecia.

Claro que naqueles tempos eu já me masturbava feito um louco, mas aquilo era diferente. Com o passar do tempo, ficávamos namorando sentados numa escada que ligava a garagem até a varanda da minha casa. Era escurinho e discreto. Quando a gente começava a se beijar, íamos nos deitando nos degraus até ficamos de lado um para o outro (sim, muiiiiito desconfortavelmente) e lá nos esfregávamos, mas sem usar as mãos ainda. Ela suspirava bastante já com aquela brincadeira. Não demorou e eu passei a entrar no meio de suas pernas, na tradicional posição “papai-e-mamãe”, mas nunca usávamos as mãos para isso. Era uma metida digamos assim, uma trepada, mas com roupa, algo meio nervoso de tanto tesão, cada um buscando mais e mais o prazer.

A gente ficava se esfregando feito loucos, ela tentando achar uma posição melhor para sentir meu pau esfregando na rachinha dela e eu ficava com meu pinto apertado dentro da cueca, tentando esfregar a cabeça do pau contra o corpo dela com força. Certamente ela tentava colocar o clitóris bem debaixo daquela pressão, pois tanto eu quanto ela nos mexíamos muito nisso tudo. E ficávamos nos beijando e nos esfregando até que o gozo viesse para os dois. Minha nossa, quantas vezes melei a cueca naquelas deliciosas noites. Como éramos duas crianças, não falávamos disso, mas sabíamos que era muito gostoso aquilo. Qualquer encontro que a gente tinha sempre terminava daquele jeito, era como se estivéssemos os dois no “automático”, sempre querendo sentir prazer com o outro, mesmo que não fosse nada combinado. E, nessa posição doida, a gente gozava muito no esfrega esfrega. Só que ela nunca deixava minha mão ir além de sua barriga.

Depois de alguns meses, começamos a passar a mão no sexo um do outro, mas por cima da roupa e não tardou para ir para dentro das calças. Caramba, lembro a primeira vez que consegui colocar a mão por dentro da calça e ela não impediu. Quase não acreditei que estava tocando na calcinha dela. E, quando enfiei por baixo do tecido, delirei de prazer ao sentir os pentelhinhos macios dela. Depois de uma certa dificuldade, consegui encontrar a fendinha no meio daquela pentelheira e meu dedo deslizou numa carne macia e molhada. Aquilo foi fantástico.

Nesta mesma ocasião, ela também enfiou a mão dentro e segurou no meu pau. Meu pau virgem. Pela primeira vez, uma mãozinha feminina segurava nele. Aí a gente não ficava mais se esfregando sexo contra sexo, mas usando as mãos. Eu morria de vergonha que ela me visse ejaculando, e ela também não queria que eu olhasse para baixo (como se desse para ver muita coisa, já que não ficávamos pelados), então a gente ficava se masturbando até os dois gozarem.

Quando eu fiz 16, e ela ainda estava com 14, fizemos uma festa na minha casa. Minha mãe foi dormir na casa da minha tia, de forma que ficamos todos em casa sozinhos, eu e a turma toda. Era umas 10 horas quando o fusível estourou, a casa escureceu e a festa acabou. Todos foram embora, mas ela ficou comigo. Sentados no sofá, os beijos se transformaram em carícias, as carícias em toques tirando a roupa e, quando nos demos conta, estávamos ficando pelados, deitados no tapete. Aquela foi a primeira vez que eu chupei uma xaninha, me deliciando enquanto eu olhava os detalhes de algo que eu nunca tinha visto ao natural (antes, só em revistas). Lambia até que ela gozou. Aí chegou a vez da penetração.

Ela estava preparada e queria aquilo. Diante da minha dificuldade de encontrar o buraco (ser virgem é uma merda mesmo rs), ela segurou no meu pau e eu segui o caminho mostrado por ela. Comecei a forçar mas ela reclamou de dor. Perguntei se queria parar, mas pediu para continuar devagar. E, de pouco em pouco, meu pau entrou na boceta virgem dela. Quando foi todo para dentro, ela pediu para esperar. Ficamos nos beijando enquanto meu pau pulsava dentro do seu corpo virginal. Lentamente, fui me mexendo e ela aceitou os movimentos. Quando nos demos conta, metíamos gostoso, sempre com beijos e chupadas nos belos seios ainda em formação que ela tinha. Ela gemia e dizia que estava muito bom, enquanto olhava nos meus olhos com paixão.

Sem levar em consideração qualquer risco, ela falou que não estava no período fértil e disse que eu podia gozar dentro. Claro que foi loucura inconseqüente, mas isso não impediu de eu gozar fartamente pela primeira vez dentro de uma bocetinha. Gozei com ela e literalmente caí sobre seu corpo. Ficamos ali nos beijando até que meu pau escorregou de dentro dela. Depois disso, ela se arrumou e eu a levei para a casa dela. Tínhamos perdido a virgindade.

Felizmente, ela nunca engravidou, ou por ter algum problema, ou por acertar os períodos, mas é óbvio que aquilo nunca deveria ter ocorrido. Só tivemos sorte. Namoramos por 3 anos e transamos gostoso todas as vezes. Quantas vezes não pulei o muro da casa e entrei pela janela do quarto, no meio da noite, para transar com ela na sua própria cama. Íamos ao escritório do meu pai, nas noites que saíamos, para transar no sofazinho da sala de espera, já que não tinha dinheiro nem para motel. E nem poderíamos, já que éramos menores. Ela era uma garota especial, pois dava gostoso e gostava de dar. Qualquer encontro nosso, qualquer um, sempre terminava em sexo.

Quantas vezes não transei no fundo de minha casa, enquanto meus pais dormiam. Ou no meu quarto às portas fechadas, em silêncio, com ela entrando escondida pela escuridão. A gente metia sentado na cadeira, sentado em caixotes de refrigerante, transava de pé, metia sobre lençóis colocados no chão, transava dentro do carro na garagem, enfim, onde pudéssemos estar juntos e sentindo prazer, não perdíamos uma única oportunidade.

Mas, por uma bobeira do destino nos separamos e, mesmo com arrependimento dos dois lados, não foi mais possível reatar. Uma pena. Foi bom enquanto durou.

Comentários

17/02/2017 00:48:39
Muito bom!Não vejo a hora de encontrar a minha amada e começar a escrever os meus contos na prática.
19/11/2013 14:23:44
otimo
03/08/2013 14:18:28
MUITO BOM EU GOSTEI BASTANTE
05/10/2012 05:47:24
muito bom e inteiramente verosímil.
20/09/2012 16:15:01
muito bom ..
08/03/2012 18:25:06
Gostei muito do seu conto. O texto flui naturalmente e você tem muita doçura pra relembrar um momento tão especial e importante na sua vida, e que de certa forma, também recorda a iniciação sexual de todo adolescente. Escreva mais. Conte sobre essas noites que pulou o muro, escritório, etc. Você tem mil estórias pra contar e leva jeito. Obrigada pelo comentário que fez no meu. Gostei muito. Bjs
13/07/2011 10:50:50
Ai que saudade... a primeira tocada de um dedinho maroto no meu grelinho, a primeira pegada que dei num (hoje sei) minúsculo pintinho... que tesão, o coração disparando rsrsrsrsrsrs
09/07/2011 06:20:56
Caro amigo, voce excede em bondade com seus comentários. O que posso fazer? Te dar outro dez? Escreva mais então. Bitokinhas
02/07/2011 18:00:34
Um beijo e continue escrevendo (com mais sacanagem e devassidão)
30/06/2011 18:47:24
Agradeço o comentário.Eu adoraria outros em todos, mas em todos mesmo, em meus relatos. Sua análise consegue ser mais poderosa que as conclusões freudianas e os enigmas biblicos.
16/06/2011 22:41:23
booooom! gostei
11/06/2011 16:43:36
Andei lendo os comentários que você fez por aí e achei a maioria deles muito certo. Você critica sem hipocrisia. É diferente daquelas panelinhas de puxa-sacos, que ficam trocando elogios sobre as merdas dos seus contos. Você escreve legalzinho e o mais importante, põe a cara pra bater. Não está nem ligando pra turma vingativa, que vem te dar zero depois. Continua nessa.
03/06/2011 01:59:16
kkkkkkkkk Obrigada por se dar ao trabalho de lêr meu conto...mas deveria saber que contos servem pra excitar...soltar a imaginão...foi infeliz na forma como questionou meu português,você pode até ser inteligente,mas não vai longe com tanta arrogância...
03/05/2011 18:57:37
Gente...acorda! Por que dar tanto valor a nota? Não seria melhor um comentário que nos fizesse ser melhores? Ou que dissessem simplesmente que sensação causamos? E sob qual parâmetro damos nota, o nosso? Conhecemos a pessoa que nos julga? Eu acho sinceramente que o dono do site deveria aboliar a nota.
03/05/2011 18:50:43
Olha..seu conto é tão bom, que pode servir de manual para muito adolescente...rs...
03/05/2011 18:49:37
Nossa....você escreve muito bem, volte! Seu relato me fez retornar ao passado e lembrar as loucuras (talvez inconsequentes) que mergulhávamos. Excelente história, sem apelação, mesmo uma descrição discreta nos envolve e causa uma sensação muito gostosa.
30/04/2011 11:18:36
mUITO INTERESSANTE SEU CONTO....LI VÁRIAS VEZES....
30/04/2011 10:09:53
Gostei muito do seu texto. Me fez ter ótimas lembranças da adolescencia... aliás, p ser sincera eu sinto muita falta daquela fase... onde as pessoas se dedicavam aos prazeres das descobertas lentamente, curtindo cada sensação gostosa.... as vezes tento reviver essas situações, mas infelizmente os homens preferem ir direto aos assunto, afinal "não somos mais crianças"... Ah, bons tempos aqueles! Qdo leio contos escritos por adolescentes que parecem que sabem mais que muito adulto por ai, sinto uma peninha deles... parece que "Pularam" essa fase gostosa que vc descreveu. Valeu!
20/04/2011 07:25:39
Cara... Putz!... Essa Carol19 é foda, hem? Olha só... Onde ela mandou você enxergar os erros ortográficos... rsrsss... Não esquenta, não. Faz parte da put... Eu estava passando aqui para te lembrar de revisar aquelas notas 0, 1 e 2 e para te deixar mais animadinho, estou trocando o 8 que eu te dei por um NOVE!!!... Valeu, né?... =D
19/04/2011 18:33:08
Eu sei muito bem como se escreve já sou formada e tenho minha profissão...Aqui não é nenhuma prova de português não o que eu escrevo ou deixo de escrever o preblema é meu, você não é nenhum professor de português.E mesmo se fosse!!! E se você não tivesse gostado do meu conto você não terminaria de ler pois se você escreveu isso é porque você leu ele todo....Então fica quieto na sua e da próxima vez vê se encherga os erros ortográficos do seu cu!!!!!
18/04/2011 17:43:52
=-( Sniff... Tirou o meu dez e deu nove. O cara é rigoroso nas notas. Só tenho que agradecer. Espero que aquelas notas 0, 1 e 2 também sejam revisadas... Sniff... =-(
14/04/2011 19:44:56
Cara!e um 10?... Hoje você foi generoso, meeessmo. BRIGADÃO. Nos outros contos você me deu uma nota zero, uma 1 e três 2. Será que não houve algum engano, não? Bom... De qualquer forma, já me sinto melhor. Eu li o seu conto com bastante interesse e até gostei. O seu jeito de narrar é muito bom, é bem escrito, mas acho que faltou envolvimento. Eu pelo menos, não me senti assim. É gozado, veja como são as coisas... Aquela posição na escada me incomodou. Tirou o meu tesão... rs... E outra coisa. Se na primeira vez, um garoto de 16 tem uma xaninha de 14 ao seu dispor... Minha nossa!... Não dá tempo de fazer, tudo aquilo que você contou, não. Isso é nitroglicerina... BUM!... rs... Minha nota é honesta, oito... =-)
14/04/2011 11:58:33
Pô!!!... E eu?...Você não vai reparar também, a injustiça que me fez?... Faça-me o favor, né?... =-(
07/04/2011 16:41:04
Faça como eu seu imbecil, F.D.P. quando ler não gostar fique na tua. Agora não venha com este discurso de lingua patria, que patriota tu deves ser, pessoas como vc devem ficar aplicando golpes enganando outros por ai, seja mas sensato fique na tua. Não achei a minima graça no teu conto e nem por isso irei ficar aqui colocando defeitos e procurando erros. Sei, vc é muito "INTELIGENTE" este não é um site para pessoas como vc que se acha melhor que todos. F.D.P DE UMA FIGA
07/04/2011 11:19:07
O seu idiota, aqui não é nenhuma prova de lingua portuguesa, comentarios como o teu só me faz crer que vc é incapaz de narrar uma boa historia, e fica arrumando desculpas por tua burrice. Faça como eu o imbecil, quando leio um conto não gosto, fique quieto no teu canto. Alias este teu conto é uma Porcaria, qual garoto de 14 anos não se masturba e tem fantasias. AGORA, MESTRE DE TODOS OS MESTRES DA LINGUA PORTUGUESA, PODE CORRIGIR MEUS ERROS. IDIOTA
31/03/2011 02:27:14
vc é mané mesmo não estou aqui para fazer prova de redação e sim para contar uma passagem de minha vida a pessoas que sabem o que é um sexo de primeira , não uma bichinha como vc se liga otário.
08/03/2011 13:33:54
Quer dizer que uma menina de 14 anos e virgem faz as conta para saber se está no período fértil? E ainda vem com a hipótese dela ter algum problema por não ter engravidado??? Fala sério...Conto muito sem sal...
30/12/2010 09:40:17
ótimo conto. Parabens!!
23/12/2010 00:06:33
Nossa bem excitante e romantico.Talvez vooc seja apixonado por ela ainda pra relatar essa experiencia com tantas saudades .Corra atras do ki é seu gatiinho gostosoo .Bjuus
15/12/2010 15:17:19
DELÍCIA DE CONTO. VOLTEI NO PASSADO E RELEMBREI DAS PRIMEIRAS VEZES...
15/12/2010 14:21:53
Da onde voce é 16aninhos E Safada?
15/12/2010 11:34:03
Eu Q Qria Tirar Sua Virgindade Eu Posso Te Ensinar Loucuras Q São Uma Delícia Beijinhos

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.