Casa dos Contos Eróticos

A primeira ninguém esquce

Um conto erótico de Fernando Ferraz
Categoria: Homossexual
Data: 11/08/2009 23:56:43
Nota 8.80

Desde menino, com meus 8 ou 9 anos, quando tive minhas primeiras experiências sexuais que foi com outro menino, fiquei gostando da coisa. Tive mais algumas experiências com guris, mas depois dos meus 15 anos em diante comecei a curtir mulheres e adorei as bucetinhas também, por isso, hoje, assumo minha bisexualidade sem problemas.

Como as primeiras experiências marcam demais, nunca mais esqueci meu primeiro pau no cu. Essa é a história que quero contar agora.

Gabriel era o nome de um mulatinho que além de ser meu colega de aula era meu vizinho e cotumávamos brincar no quintal de sua casa nas tardes depois das aulas. O pátio era enorme e bem lá fundo havia muita vegetação e como ele morava com sua vó, não havia perigo de aparecer ninguém naquele local. Gabriel me levou até lá e como ele era mais sabido do que eu perguntou se eu já tinha batido uma meia. Não entendi o que ele queria dizer. Ele abaixou seu calção e me mostrou o pau dizendo que se eu baixasse o meu também que ele iria me ensinar. Fiquei meio sem graça, mas excitado, e arrieie os meus calções também.

Ficamos nós dois pelados da cintura para baixo e ele falou que se eu deixasse ele botar um pouquinho a piça dele no meu cu, depois ele deixaria eu botar a minha um poquinho no cu dele também e que isso era bater uma meia.

Ele mandou eu ficar de quatro e abrir a bunda com as mãos e veio por trás de mim, me cutucando o cu com seu pau. Tava tudo, cu e piça, muito seco e por isso não entrava, então ele deu um cuspida no meu rego e espalhou com os dedos. Aí sim, o troço foi entrando e eu fui ficando com meu pau bem duro, comecei a gostar da sensação gostosa que aquilo me dava.

Ele botava e tirava, botava e tirava, uma hora eu segurei ele pela bunda e puxei ele para dentro de mim e fiz com que ele ficasse com o pau dentro do meu cu, queria sentir ele dentro, pois aquilo tava me dando tesão. Assim eu me punhetava com uma mão e com a outra agarrava uma de suas nádegas e o puxava de encontro a minha bunda, eu queria mais piça.

Antes dele gozar, tirou do meu cu e falou que era a minha vez de meter nele. Fiz a mesma coisa que ele comigo, cuspi no rabo dele, espalhei e fui enfiando. Que coisa boa a sensação da primeira foda, aquele cuzinho apertadinho, quentinho, gostoso que nem o meu tinha sido pra ele, acho que éramos os dois virgens, na verdade.

Também não cheguei a gozar e ele queria vir de novo no meu cu. Deixei ele meter em mim novamente. Mas disse pra ele que metesse até gozar no meu cu que depois eu metia nele até gozar também. Ele topou e aí sim que foi bom sentir ele ficar bastante tempo bombando até soltar leitinho no meu rabo. Depois lambuzei o rego dele que nem ele fez comigo.

Depois desse dia, sempre que podíamos, íamos lá pro fundo do quintal nos fudermos. Em outras ocasiões fudíamos no pátio de uma casa ao lado da minha, pois minha mãe andava desconfiada do que nós fazíamos tanto tempo juntos e não queria que eu fosse mais na casa dele e nem andasse junto, então Gabriel chegava na frente da minha casa e emitia um asssovio semelhante a uma coruja, colocando as mãos em forma de concha e soprando entre os polegares, daí eu já ficava tesudo, pois era o prenúncio de que iríamos nos comer escondidos e gostoso nos fundos da casa do meu vizinho.

Nessas ocasiões apenas arriávamos as calças até os joelhos e metíamos de pé mesmo, atrás da casa, sempre cuidando para não sermos surpreendidos por alguém. Dar o cu assim me deixava muito excitado e tesudo. Quando ele me comia eu costumava apertar ele pelas nádegas para junto da minha bunda e quando eu comia ele, me agarrava no seu pau e batia uma punheta nele.

Depois disso, passaram-se muitos anos sem que eu saísse com outro homem, só depois com meus vinte e poucos anos é que fui curtir um fodaço com um professor que conheci na universidade. Essa foi um delírio total de dois machos maduros de piças enormes que pretendo contar na próxima história.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/03/2016 15:41:33
a minha experiencia foi que foi através de um primo aos 12 anos em uma luta que pude sentir o que ser iniciado em ser passivo,obediente,e ele despertou em mim um desejo qua não sabia o que era--ser um viadinho
20/11/2015 17:55:27
Lembrei da minha primeira vez também, como é bom né? tenho certeza que todo homem tem sempre um outro em que os dois se iniciam no sexo, antes mesmo de provarem uma bucetinha primeiro todo homem faz um troca troca na infância, porque sempre tem alguém querendo comer a bunda da gente o que é muito bom, uma delicia mesmo.
15/12/2009 08:54:01
Adorei. Foi quase igual comigo, só que eu não comia, só era comido e adorava.
14/11/2009 23:16:46
mara muito bom rsrsr nostalgia total
13/08/2009 19:11:14
Sensacional!!Tbm quero ver a historia do professor!!
13/08/2009 13:40:16
Tb estou aguardando a história do professor!!!!
13/08/2009 06:22:45
Muito bom
12/08/2009 00:07:26
Não se esqueçar de contar a história do seu professor também, hein?! rsrsrs