Casa dos Contos Eróticos

papai,minha namorada e eu

Um conto erótico de leandro cafetao
Categoria: Homossexual
Data: 26/01/2009 15:17:05
Nota 8.94

Papai sempre foi um homem muito sacana, que mesmo na minha presença não deixava de mexer com as meninas novinhas pelas quais sempre teve muita atração. Por ser um homem muito bonito e atraente além de extremamente simpático, várias amigas minhas de escola passaram pela sua cama, muitas vezes intermediadas por mim.Embora eu não me considere tão sacana quanto ele, aprendi muita putaria observando-o escondido ou através de seus relatos.Certa vez arranjei uma namorada um pouco mais velha do que eu e bem mais experiente. Era realmente muito bonita e chamava a atenção de todo homem. Quando lhe apresentei papai, senti imediatamente uma forte atração entre ambos, a qual procurei ignorar. Mas o tempo fez com que a atração entre ambos crescesse, ao invés de diminuir. Como eu a amava sinceramente e não queria perdê-la de forma alguma, quando senti que o inevitável iria acontecer, como tantas vezes eu fizera, intermediei uma relação entre ela e papai. Para minha surpresa, ela pediu-me que falasse com meu pai para que eu e ele transássemos ao mesmo tempo com ela. Ligadão numa sacanagem, ele concordou na hora.No quarto de papai, ficamos os três completamente nus. O pau de papai já estava duro mesmo antes de ele tirar a roupa e, quando o fez, deixou mina namorada de boca aberta de admiração, pois a rola de papai é realmente grande, maior que a minha que é bem dotada. Ao vê-la, minha namorada, após alguns instantes, falou sorrindo: “Mas essa família é extraordinária!” Fomos os 3 para o banheiro nos lavar para retirar o suor e qualquer cheiro desagradável de nossos corpos.Já no banho, minha namorada ajoelhou-se à nossa frente e abocanhou primeiro a imensa rola de papai e depois a minha, intercalando a chupada em cada pau e tentando, em vão, colocar as duas na boca ao mesmo tempo. Enquanto chupava uma, a outra era esfregada em seu rosto. Quando levantou-se, abaixei e comecei a lamber sua xana. Papai, por trás, abriu-lhe mais as pernas e a bunda com as mãos e passou a lamber seu cuzinho. A garota rebolava e gemia de prazer.Molhados, caímos na cama os três. De quatro, inclinada sobre a rola de papai, minha namorada recomeçou a chupá-lo, enquanto eu, por trás dela, meti-lhe a pica na boceta, fodendo-a com vontade maior que a costumeira por vê-la com a boca no caralho do meu pai. Após um tempo, papai pediu-me que metesse no cu a garota e ele, ajeitando-se na cama, fez com que ela encaixasse sua vagina em seu pau. Ela urrou com a dupla penetração. Fiquei fodendo seu cu um bom tempo, mas a vontade de ver o pau do meu pai comenda a minha namorada fez com que eu saísse de dentro do cu dela e me ajoelha-se aos pés da cama, bem à frente deles. Da posição em que me encontrava eu podia ver a rolona de papai pulsando, entrando e saindo da boceta da minha garota. Uma vontade incontrolável de lamber a xana dela enquanto era comida por meu pai tomou conta de mim. Aproximei-me e enfiei a língua entre as paredes da boceta dela e a rola de papai. Porém, algo inimaginável para mim aconteceu. O cheiro e a proximidade da rola de papai me extasiaram. Comecei a passar a língua pelo pau de papai à medida que ele entrava e saía da boceta. Papai começou a gemer alto e perguntou-me: “Seu puto, o que você está fazendo que está me deixando com mais tesão?! Continua que está uma delícia!”. Passei então a lamber e em seguida a chupar as bolas de papai, levando-o à loucura. Podia sentir seu pau ficar ainda mais duro devido ao tesão. Não resistindo a nenhum pudor, aproximei ainda mais a minha cabeça, inclinei-a um pouco e, com a boca semi aberta, abocanhei com os lábios a rola de papai, que continuava dentro da minha namorada. Eu podia sentir todo o gosto daquela xana que eu tantas vezes lambera misturada ao gosto da baba que saía do pau de papai. Num determinado momento, o pau de papai escapou da boceta da minha namorada. Não perdi tempo e a coloquei toda na boca, chupando-a com uma vontade até então desconhecida para mim. Minha garota, ao ver que o pau de papai não voltara para dentro dela, levantou-se e viu-me chupando meu próprio pai. Mas, ao invés de ficar indignada, ficou ainda mais excitada. Ajoelhou-se ao meu lado e ambos dividimos a minha rola paterna, levando papai ao êxtase e fazendo-o jorrar porra em nossas bocas e caras.Passado o tesão, senti-me completamente envergonhado pelo que acontecera, mas os dois me consolaram e disseram que hoje em dia é comum um homem ir além da simples relação heterossexual. Ambos contaram já haver tido, com outras pessoas, relações bissexuais muito satisfatórias. Admirei-me quando papai contou já ter transado com alguns rapazes amigos meus. E disse que aquilo em nada diminuía o seu desejo pelas mulheres, apenas abria-lhe outros campos para o prazer sexual.Dias depois, estando apenas papai e eu em casa, ele colocou um filme pornô para assistir e chamou-me. Sentamo-nos lado a lado no chão, recostados no sofá, nus, e começamos a bater punheta. Numa cena bissexual, papai colocou sua perna sobre a minha. Olhei para ele, que sorriu-me maliciosamente. Envolvido pelo tesão, toquei eu sua rola deliciosa. Papai passou a mão por trás da minha cabeça, puxando-a levemente em sua direção, dizendo: “Mata a sua vontade, que eu sei que você gosta!” Abocanhei o caralho de papai e passei a chupá-lo com volúpia. “Vamos perder esse cabaço?!”, propôs-me papai. Levantei-me, direcionei minha bunda em relação à pica de papai e fui descendo até encaixar a entrada do meu cu virgem na cabeça do pau de papai. Rebolando devagar, fui descendo, abrindo a bunda com uma das mãos. Doeu mas eu não desisti. Quando senti que a cabeça já havia entrado mais fundo no meu cu, ficou fácil acolher o resto daquela tora de carne e nervos. Sentei com tudo, arrancando um longo suspiro de papai. “Cavalga, meu putinho!” Comecei a subir e a descer pela rola de papai. Após um bom período assim, ele pediu-me: “Mais rápido!” e foi pedindo a mesma coisa, cada vez mais arfante e eu aumentando o ritmo, até que ele me abraçou com força e urrou. Parei de cavalgar e sentei com tudo na rola de papai, que a forçava o mais fundo possível dentro de mim. Senti seu pau pulsar no meu cu, enchendo-me com sua porra.Depois de recuperarmos o controle de nossas respirações, papai disse-me: “Precisamos fazer isso mais vez, ok?!” A minha resposta foi cair de boca novamente na rola de papai. E começamos tudo de novo.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
20/09/2012 16:05:29
10
11/06/2011 10:09:26
Esse é um dos melhores contos que ja li, muito bom mesmo, sermpre que posso leio, um beijo e não ligue para a oposição.
02/04/2010 19:03:16
Não sou muito de comentar os contos não, mas depois de excitar-me muito com este, atrevo-me a essas não poucas linhas. Nota 10! Gozei do início ao fim... Quanto aos que postaram a respeito dos poucos deslizes da narrativa, deveriam antes corrigir seus próprios erros. Vejamos alguns do Ilustríssimo Sr. Baiano Safadinho: Na 2ª linha do 1º post ele escreve "cara" sem vírgula (já que é um aposto) e com "c" minúsculo logo depois de um ponto (.). Nota zero pra ele. Depois ele presenteia-nos com essa: "já solicitou o seu velho..."(linha 2)? Não seria já solicitou "ao" seu velho? Já que quem solicita, solicita algo a alguém? Em seguida essa: "velho pai bicha, ..." Acho que esse baiano está com um pouco de fome. Engoliu duas vírgulas ou dois hífens. Baiano, ou você escreve "velho, pai, bicha" ou: "velho-pai-bicha". "...Para enfiar o livro de portugês..." Nessa hora, nosso saudoso Aurélio deu três cambalhotas no túmulo, porque o artigo definido "o" como o nome já diz, define a palavra a que se refere. Portanto, corrigindo: "... enfiar um livro de português" fazendo o favor, Sr. Baiano! E até onde sei, um livro de português será sempre um livro de português. Jamais um livro de "portugês". “Pois só assim você para um acéfalo com você aprender algo" (linha 3) (???) Alguém entendeu alguma coisa disso? Hehehehehe. Quem é o acéfalo nesse caso, o escritor ou ele? "Nos faça um favor... se mate" (linha 4)Faça-nos um favor você, caro Baiano: jamais comece uma frase com um pronome oblíquo! Seria melhor escrever "...com 'o' cabo de uma pá..." ao invés de "...com um cabo de uma pá..."(linha 4). Para finalizar: "Vá tomar no cu e morra" e não "Vai tomar no cu e morre"(linha 6)!!! E isso serve para você também, letrado Baiano!!!
30/11/2009 14:53:32
Muito legal seu conto
22/04/2009 12:22:30
seu conto me dexiou super molhada,parab´nes
14/04/2009 09:02:32
parabens rapaz, continue assim.
05/03/2009 19:20:01
queria ter um pai assim
22/02/2009 20:23:58
Uuuuuuuuaaaaaaaaauuuuuuuuuuu!!!! Que delícia cara. Gosei se nem precisar tocar no meu cassete. Nota 10.
20/02/2009 21:29:52
Olha cara... Adorei o seu conto. Muitissimo excitante. Meu sonho eh trepar com meu pai. Sempre o vejo nu e as vezes ate tomamos banho junto, mas nao rola nada porque ele eh muito careta pra esse tipo de coisa. De minha parte eu treparia com ele agora. Ele tem uma bunda linda e um caralho maravilhoso!!! Seu conto merece um 10 e quanto aos erros de portugues nao ligue para as criticas. Essas bichas estao eh com inveja de voce. Beijao kbs1987@live.com
19/02/2009 04:50:01
É muito bom esse seu conto. Mas eu quase morro é de rir com os erros de LÍNGUA PORTUGUESA daqueles que preferem perder tempo corrigindo os outros escritores, enquando na verdade poderiam escrever contos melhores. E antes que algum animal, ignorante e exagerado me critique também, vou esclarecer : Ainda não publiquei nenhum conto, pois, gosto mesmo é de lê-los. Um grande abraço e uma nota dez. Jefferson Antunes iecege@gmail.com
31/01/2009 02:14:58
massa seu conto velho parece ser real...
28/01/2009 14:32:47
Não biba, o importante não é dar alguma coisa para alguém, pois no seu caso é receber. cara já solicitou a seu velho pai Bicha, para enfiar o livro de portugês no seu cu? Pois só assim você para um acéfalo com você aprender algo. Nos faça um favor, se mate com um cabo de uma pá enfiado no cu e leva sua nota máxima. ZERO Mas já que você gosta de letras grandes: VAI TOMAR NO CU E MORRE
28/01/2009 11:32:41
BAINO SE TOCA ESCREVO COMO QUISER FALOU O IMPORTANTE ES DA TESAO E NAO NOTA DE PORTUGUES
27/01/2009 14:55:08
Leandro, gostei do seu conto me excitei bastante com ele, mas o comentario do Baiano Safadinho foi memorável, me rir garoto vc é muito engraçado, desculpe mas vc é 10, o conto nota 8
27/01/2009 00:41:57
Sem comentários.
27/01/2009 00:16:04
Mais filho da puta desgraçado que não sabe utilizar de uma paragráfo no texto, esse lazarento deve ter digitado esse texto com o teclado enfiado no rabo, pois só assim para escrever desta forma miserável. cara a proveita e pede para seu pai enfiar um livro de português no seu rabo, quem sabe você não aprende alguma coisa e leva a sua nota ZERO>
26/01/2009 21:20:27
Noooooooooossa!
26/01/2009 20:30:27
Não concordo! (http://ana20sp.sites.uol.com.br)
26/01/2009 20:13:16
Leandro cafetão, oxalá que isto seja apenas ficção porque, para mim, é promiscuidade a mais além de incesto, que é sempre detestável e execrável. No entanto é uma boa narrativa e relativamente bem escrita. Deu para me dar uma "malha" de tesão apesar de tudo o que penso e disse atrás. Nota 9. titize55@gmail.com
26/01/2009 18:21:28
parabens, bakna vc teve sorte que sua namorada ñ te dexou.Eu nunk qria na mnha vida fazer nda c/ meu pai, mas axo q ñ teria coragem de chupar alguem na frente da mnha namorada,__bakana vc foi muito corajoso e seu api um putão, me add ai brasileiro.paraense@hotmail.com