Casa dos Contos Eróticos

MINHA QUERIDA MENDIGA

Um conto erótico de Estefanio
Categoria: Heterossexual
Data: 12/07/2007 15:10:05
Nota 9.00
Assuntos: Heterossexual

Meu nome e Mauro, tenho 48 anos, 1,70m de altura, 76kg. Fui casado durante 14 anos, mas não tenho filhos. Por motivos que não cabem comentar aqui, me separei da minha esposa a um ano e hoje estou vivendo sozinho na nossa casa, pois ela optou em ficar com um apartamento que tínhamos na praia. Apos a minha separação fiquei meio perdido, sem saber como recomeçar a vida. Sai algumas vezes sozinho, indo a barzinhos e alguns bailes, mas me sinto hoje como um peixe for a d’agua, indo a esses lugares desacompanhado. Assim, tenho preferido ultimamente ficar em casa sozinho e assim me distraio ora assistindo tv ora no computador, navegando na internet. A minha vida sexual se resumiu a me masturbar vendo filminhos em sites pornôs.

Uma noite fria e chuvosa, sexta feira, por volta das nove horas, estava eu mais uma vez olhando esses sites pornôs na internet e já estava bastante excitado quando toca a campainha. Ao abrir a porta, uma menina de uns 13 ou 14 anos, moreninha, magrinha, 1,58 de altura, mais ou menos, usando um vestidinho cinza meio esfarrapado e toda molhada, me olhava com um olhar muito triste: - O senhor desculpa, disse ela, mas eu queria perguntar se o senhor não tem alguma coisa para me dar. Tenho irmãos pequenos e preciso de dinheiro para comprar comida, leite. Ou se o senhor tiver um pouco de arroz, açúcar, também serve

Fiquei meio desconfiado, pois não sou muito de dar esmolas. Tem muita gente que pode trabalhar mas prefere ficar pedindo. Perguntei: - Onde tu moras? E ela respondeu que morava num bairro distante do meu. – Como e que tu vais pra casa? Perguntei. – Vou ter que ir andando, mas já estou acostumada. – E os teus pais, não ficam preocupados? Perguntei. – Não sei, senhor. As vezes eu passo a noite na rua. Eles so querem saber se, quando eu chego em casa eu levo alguma coisa. Fiquei intrigado. – E quando tu passas a noite na rua, tu não dormes? Perguntei. Durmo sim, mas cada vez num lugar diferente, mas preciso me esconder porque senão vem uns caras sempre querendo me machucar e eu tenho medo - Queres comer alguma coisa? Perguntei. Ela respondeu que sim. Convidei-a para entrar. O nome dela era Ana, ela disse. Aquela situação me excitava. Ela era magrinha e eu imaginava seu corpinho debaixo daquele vestidinho. Como ela estava toda molhada, falei que tinha umas roupas secas que iria dar para ela (umas roupas da minha ex-mulher que ficaram esquecidas no guarda-roupas). Sugeri que primeiro ela tomasse um banho. Nesse ponto eu me mostrei bastante preocupado com a saúde dela. Levei-a ao banheiro, liguei o chuveiro e falei para ela ficar a vontade. Ela ficou meio sem jeito, mas eu estava excitado demais e já tinha ate algumas fantasias na cabeça que queria realizar. Cheguei perto dela e falei: - Deixa que eu te ajudo. E comecei a desabotoar o vestidinho dela. Ela ficou surpresa com a minha atitude e não fez nada. Tirei o vestido dela e vi que ela não usava nada por baixo, so uma calcinha velha. Os peitinhos dela eram pequenos e durinhos, ficaram arrepiados quando eu tirei o vestido dela. Ela não me olhava nos olhos, mas também não me impedia. Me abaixei e comecei a tirar a calcinha dela, deixando a mostra a sua bocetinha pequenininha e com uma penugenzinha rala. Levei-a para baixo do chuveiro e comecei a esfregar o sabonete nela, dizendo que se ela tivesse continuado naquela chuva, poderia ter morrido de pneumonia e coisas assim. Aos poucos ela foi se soltando. Comecei a esfregar os peitinhos dela e percebi que eram mais durinhos do que eu pensava. Depois fui baixando, esfregando a barriguinha dela, as costas, ate chegar na bundinha. Passei mais sabonete na minha mão e deslizei os dedos pelo reguinho da bundinha dela. Ela quase caiu, perdendo o equilíbrio das pernas e tendo que se apoiar em mim, passando o braço em volta do meu pescoço. Automaticamente, ela abriu mais as pernas e comecei a esfregar o cuzinho dela e depois o valinho da bocetinha. Notei que ela estava de olhos fechados. Continuei esfregando a bocetinha e ela me apertava mais forte. Tentei enfiar um dedo, mas quando tentei, ela fechou as pernas. Pecebi que ela estava gozando. Continuei banhando-a e lavei os cabelos dela com shampoo. Terminado o banho, comecei a enxuga-la. Ela não dizia nada. Olhei-a e percebi que era uma menina bonita. Perguntei quantos anos ela tinha e ela respondeu que tinha 14. Perguntei se já tinha tido namorado e ela disse que não. Lembrei que ela deveria estar com fome. Enrolei-a num roupão meu e levei-a ate a cozinha, onde esquentei um ensopadinho que tinha feito no almoço. Ela comeu com vontade. Depois levei-a ao banheiro novamente e mandei-a escovar bem os dentes com a minha escova. Eram umas 11 horas agora. Levei-a ao meu quarto, liguei a tv, tirei a minha roupa e fiquei so de cuecas. Ela ainda usava o meu roupão. Deitei na cama e ela deitou-se do meu lado, apoiando a cabeça sobre o meu peito. Com uma das mãos eu acariciava os peitinhos dela por dentro do roupão, que estava aberto, passeando ate a sua bundinha e bocetinha e com a outra eu fazia carinhos nos lábios dela, nariz, olhos, cabelos. Vagarosamente, peguei a mãozinha dela e coloquei-a sobre o meu pau, por cima da cueca. Ela tirou a mão, meio assustada. Perguntei se ela já tinha visto um desses e ela disse que sim, mas que nunca tinha transado. Peguei a mão dela novamente e coloquei por dentro da minha cueca. Dessa vez ela não tirou mais. Focou segurando levemente o meu pau. Baixei a cueca e coloquei-o a mostra. Ela ficou segurando-o e olhando para ele com a cabeça apoiada no meu peito. Tenho um pinto normal, acho, com uns 5 ou 6 cm de diâmetro por uns 15 ou 16 de comprimento. Lentamente fui me movimentando, de modos que o meu pau ficava cada vez mais perto da cabeça dela. Estava agora quase encostando no nariz dela. De repente, sem que eu dissesse nada, ela abocanhou-o e começou a chupa-lo meio sem jeito. Acho que estava excitada com as passadas de mão que eu dava no seu cuzinho e bocetinha.

Tirei a cueca de vez e deixei-a chupar a vontade. Depois coloquei-a deitada e comecei a lamber a sua bocetinha. Enfiei a língua com dificuldade. Parecia que ela era cabacinho, mas eu não tinha certeza. Ditei por cima dela e dei-lhe um beijo na boca, ao qual ela correspondeu. Ela tinha um hálito puro, fresco. Alojei a cabeça do meu pau na entrada da sua bocetinha e percebi que ela gozou quando sentiu a cabeça do meu pau encostar. Continuei beijando-a e comecei a forçar a entrada da sua bocetinha. Ela me abraçou forte. Senti que a cabeça do pau entrou. Ela gemeu um pouco e continuei enterrando. Num movimento rápido, enterrei tudo de uma vez. Ela gemeu e me abraçou forte. Comecei os movimentos de vai e vem, tirando e colocando o meu pau na sua bocetinha. Ela rebolava feito louca. Senti que ia gozar, então tirei o pau e gozei na barriguinha dela. Ela pareceu surpresa ao ver a minha porra. Ficamos alguns instantes deitados, descansando. Depois pedi para ela chupar de novo, como tinha feito antes. Ela começou a chupar o meu pau e limpa-lo com a língua. Perguntei se era gostoso mas ela não me respondeu, so lambia. Depois fomos ao banheiro e tomamos um banho. Voltamos pra cama e eu já excitado novamente. Comecei a beija-la e esfregar a sua bocetinha com os dedos. Apos uns 5 minutos, ela gozou. Pedi para ela me chupar de novo. Deitei na cama de barriga para cima e ela ficou de quatro entre as minhas pernas. Começou a chupar o meu pau. Subia e descia com a boca, engolindo-o quase todo. Pedi que ela chupasse as minhas bolas e ela obedeceu, descendo com a língua pelo meu saco e pegando uma bola na boca, brincando com ela com a língua e depois pegando a outra e lambendo-a. Eu estava muito excitado. Empurrei a cabeça dela um pouco mais para baixo e ela entendeu o que eu queria. Começou a lamber o meu cu com vontade. Ela tinha uma língua áspera, a qual esfregava no meu cu, subindo e descendo. Comecei a me masturbar e quando estava quase gozando, pedi para ela abocanhar o meu pau, o que ela fez de pronto, a tempo de receber o primeiro jato de porra na boquinha. Tentou tirar a boca, mas eu segurei a sua cabeça e gozei tudo na boquinha dela. Pedi que ela engolisse tudo e ela obedeceu. Depois disso, adormecemos. No outro dia ela me disse que precisava ir embora. Enchi uma bolsa com diversos mantimentos para ela levar pra casa, numa outra sacola coloquei umas roupas da minha mulher. Ela vestiu um vestido da minha mulher que ficou meio grande para ela, mas serviu. Procurei na minha carteira e dei-lhe mais 120 reais, que era o que eu tinha, e ela foi embora.

Apos isso a minha vida voltou a rotina de sempre. Passaram-se varias semanas e eu já nem acreditava mais que aquilo tivesse acontecido, ate que ontem a noite a campainha tocou novamente. Fui atender e para minha surpresa era a Ana com uma outra menina, mais nova. Perguntei quem era a outra e ela me disse que era uma amiga que morava perto da casa dela. A menina parecia ter uns 12 ou 13 anos. Ela me disse que tinha contado para ela sobre a noite que havia passado comigo e que a amiga também queria me conhecer Perguntou se elas podiam dormir na minha casa e eu, claro, disse que sim.

As duas entraram e fiquei observando-as. A Ana estava mais bonita, bem tratada, parecia ate que já estava de banho tomado. Usava uma calca jeans e uma blusa da minha mulher. A outra menina era branquinha, um pouco mais baixa que a Ana e vestia uma blusinha e uma bermudinha. Era uma menina muito bonita. Cabelos pretos, compridos e lisos. Pele branquinha Perguntei a idade dela e ela respondeu que tinha 12 anos, mas que iria fazer 13 no mês que vem. Meu amigo, antes de mais nada, tratei de tomar um viagra que tinha guardado para ocasiões especiais. Nessa noite fui chupado de todas as maneiras pelas duas ninferas, lambi as duas de todo jeito. A pequena gozou umas dez vezes. Por incrível que pareca, não era mais virgem e adorava dar o rabinho. Acabei comendo o cuzinho virgem da Ana tambem, foi incrível, mas outra hora eu conto em detalhes essa estória

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
17/02/2017 21:46:01
Tenho um grupo de incesto 12981 vinte e sete cinco cinco meia três, só entra com conteúdo antecipado .
07/03/2015 21:11:08
Quem quiser me add no skpe jcamadeojr
30/01/2015 23:47:56
te muiiita pedofilia. mas o relato até foi bom
j.a
23/12/2014 23:56:01
muito bom mesmo
09/05/2014 01:32:01
Bom demais
15/04/2014 07:47:44
O conto em si é muito bom, mas o aspecto pedofilia, me deixou um pouco frustada! Sei que tudo é fruto da imaginação de um excelente escritor, mas confesso pedofilia, não me agrada! Nota 8
13/07/2013 12:54:53
Enfim um conto bem escrito
10/01/2011 05:41:49
Rola nelas!!! Hahahaa
26/02/2009 01:46:50
ISSO AI METE PRA DENTRO MUITO BOM ROLA NELAS
19/03/2008 15:44:53
tirando a pedofiloia e que a menina tava desesperada por comida e dinheiro... valeu!
10/12/2007 23:24:50
kra, eu adorei o txt... mt bom msm
13/08/2007 13:15:03
bem narrado,bastante criativo mas.... no meu conceito; tem algo de pedofilia!...
26/07/2007 11:08:19
kra vc parece com um amigo meu, ele sai nas noites pra pegar mendigas, e levar pra ksa, pra comer, valeu gostei da sua narrativa.
tst
23/07/2007 11:25:10
Muito bem narrado, mas o chato é o aspecto pedófilo e o problema de ser uma menina carente, sei que era um macho e uma fêmea, mas rola mesmo esse lance...
18/07/2007 16:58:37
muito bom... bem criativo e bem narrado. Parabéns.
17/07/2007 01:06:15
CARA Q MARAVILHA DE CONTO JÁ LIR A 2º VES E BATIR 2 PUNHETA E ISSO E DEMAIS GOSTO MUITO VC E ESTA DE PARABENDS
14/07/2007 03:26:34
Gostosa mesmo é a diretora do colegio que eu estudo
13/07/2007 12:42:55
porra o msm conto. não tem criatividade não porra.
12/07/2007 16:54:00
Caramba velho muito legal seu conto, continua...
12/07/2007 16:12:06
Come mesmo!