Casa dos Contos Eróticos

Raphaelo 12

O dia seguinte foi muito cheio, nada de anormal para Paulo, que todos os dias tinha uma infinidades de coisas para resolver. Ele fez a compra do carro, tratou de assinar a carteira de Lucas, a tarde resolveu a matricula com a subdiretora. E adorou saber que o antigo diretor arrogante, foi mandado embora ainda naquele dia de manhã.

Lucas voltou à pensão, pegou suas roupas, e veio novamente para casa de Paulo e Raphaelo. Arrumou tudo no seu quartinho com o próprio Raphaelo ajudando ele e conversando com ele. Os dois riam e batiam um papo gostoso e a tarde foi caindo.

À noite depois que Paulo chegou, ele e Raphaelo jantaram, Raphaelo contou sobre a tarde com Lucas, ele contou sobre o seu dia cheio e que já tinha resolvido tudo sobre a compra do carro, e a matrícula de Raphaelo.

Em seu quartinho Lucas via TV., quando bateram na porta, ele abriu e o motorista Jarbas estava de pé em sua porta. Eles se cumprimentaram, Lucas educadamente convidou Jarbas para entrar. Os dois começaram a conversar:

- Já jantou? (Perguntou Jarbas).

- Sim, já fui buscar meu prato lá na cozinha, até ia levar já pra lá para lavar.

- E então; está gostando do seu novo emprego?

- Sim muito! - Mais ainda não estou empregado.

- Está sim; o patrão pediu que eu passasse aqui pra lhe entregar sua carteira de trabalho. E também esses papéis para que você assine e pela manhã entrego a ele no quarto para ele enviar ao contador. (Disse Jarbas entregando um envelope pardo a Lucas que dentro tinha sua carteira e os papeis de contrato de trabalho para ele assinar). Jarbas tirou uma caneta do bolso de seu paletó e entregou a Lucas.

Lucas assinou tudo e disse:

- E agora Jarbas quando vou começar mesmo, ainda estou um pouco nervoso com esse carro que tenho que dirigir.

- Calma meu filho, tudo vai dar certo. Sua vida está mudando pra melhor, e eu vou te ajudar. Primeiro você deve começar de fato na segunda-feira. Já esta chegando fim de semana, ainda terá que emplacar o carro, pegar ele na concessionária, e todos esses tramites. Tem uniforme e outras coisas do colégio do garoto. Fica calmo que assim que tudo estiver resolvido, você então vai começar a rotina.

Quanto ao carro, eu já estava pensando nisso hoje e então consegui convencer ao nosso patrão que uma boa forma de lhe aproveitar esses dias em que você já é funcionário dele, mas ainda não tem como exercer sua função, seria você nos acompanhando na rotina dele. De maneira que ele sempre vai ao banco traseiro. À frente vou dirigindo e você ao meu lado prestando atenção. Além disso, minha segunda idéia é a seguinte: - quando eles se deitarem, saímos às escondidas dom o carro, e ai vou te dando umas aulinhas. Não podemos ficar a noite toda rodando, afinal eu trabalho pela manhã e agora você também. Mas seu Paulo costuma ir deita cedo. E com isso passamos uma horinha na rua. E então o que você me diz?

- Nossa Jarbas nem sei como te agradecer. Muito obrigado mesmo por você está me ajudando.

- Não tem de quê, só aproveite a oportunidade e aprenda tudo que eu te ensinar. Não tem mistério. O carro que você vai dirigir é o mesmo que eu dirijo todos os dias.

- Que bom saber disso, qualquer coisa eu te peço uma ajuda.

- Eu estou aqui para isso. Agora vou tomar um banho, vou ver um uniforme meu mais antigo que já não da mais em mim, mas tenho certeza que caberá em você. Vou jantar e mais tarde depois que eles dormirem, passo aqui.

- Ok! - Te aguardo meu amigo.

Jarbas sorriu e saiu.

Quase duas horas depois ele volta com o uniforme, um sapato social que era uns dois números maiores do que o pé do Lucas, mas bem melhor maior do que menor e apertado. E eles saíram, com todo cuidado e tranqüilidade Jarbas dirigia, conversava com Lucas e explicava as marchas automáticas e outras coisinhas do carro.

No dia seguinte bem cedo, lá estavam os dois sentados no banco da frente esperando o patrão chegar. O que não demorou muito, em dez minutos Paulo entra dá bom dia aos dois e Jarbas já sai com o carro. Essa rotina foi feita, na quinta, na sexta, e no sábado. No domingo, Paulo levou Raphaelo para jantar em um lindo restaurante. Mas aos domingos ele gosta de sair com um de seus carros da coleção e ele mesmo dirigir. É um hobby para ele. Nessa noite ele saiu com seu Jaguar.

Mas que depressa Jarbas saiu logo atrás no outro carro com Lucas. Depois de um tempo. Estacionou o carro grande num canto de uma calçada e deu a Lucas para ir dirigindo e ir se acostumando. Lucas saiu com cuidado e foi dirigindo, parecia já ter se encontrado com o carro, estava indo bem e Jarbas elogiou bastante o esforço dele. Depois de uma hora e meia na rua eles voltaram, antes que o patrão pudesse chegar e descobrir tudo.

Quando Paulo e Raphaelo chegaram felizes, nem de longe desconfiaram do ocorrido. Nenhum outro empregado dedurou, eles eram unidos entre si, depois gostavam muito de Jarbas, que era "paizão" pra todos ali, e também porque nesse pouco tempo em que estava ali Lucas já tinha conversado com todos e já tinha feito amizade com todo mundo.

Lucas chegou à mansão dirigindo o carro e estacionou o carro certinho e com cuidado na garagem.

À noite Paulo chama Jarbas para conversar, e logo ele vai ao quarto de Lucas para contar o que aconteceu:

- Fala Jarbas, ele descobriu a porra toda e quer nossa cabeça numa bandeja?

Jarbas rindo disse: - Não rapaz; ele disse que ainda tem algumas coisas pra resolver da escola do Raphaelo e que o carro só será entregue emplacado na segunda à tarde, de maneira que amanhã você ainda sai conosco, mas na terça você já começa na sua rotina.

- Há; menos mal! (Disse Lucas mais aliviado).

A noite veio e a manhã chegou, os dois estavam à espera de Paulo. Este chegou entrou no carro deu seu costumeiro bom dia para os dois e disse:

- Jarbas me faça o favor; troque de lugar com o senhor Lucas.

- Mas senhor o rapaz é quem vai levar o carro?

- Ele tem carteira de motorista em dia; e te observa o dia inteiro, alguma coisa ele aprendeu, não é possível! - O senhor possui algum tipo de retardo mental senhor Lucas.

- Não senhor!

- Então Jarbas, como vê ele é capaz de dirigir perfeitamente esse automóvel. E apressem-se, por favor. Não quero chegar atrasado.

Jarbas e Lucas se olharam e trocaram de posição, ambos estavam assustado e nervoso com aquela ordem inesperada.

Lucas sentou-se a frente do volante, segurou o volante com as duas mãos e suou frio, ficando paralisado e com as pernas bambas. Até que ouviu a voz de Paulo vindo impaciente do fundo do carro para ele dizendo:

- O senhor vai ficar o dia inteiro parado olhando o tempo? - Preciso chegar à empresa agora em no máximo meia hora.

Jarbas suou também, pois ele sabia que num dia normal com ele dirigindo tranquilamente, eles sempre chegava a cerca de 40 minutos na empresa. Aquilo já era sacanagem do doutor Paulo. Chegar à empresa em meia hora? - Eles nunca levaram meia hora para chegar à empresa. Ele ficou nervoso já pelo rapaz...

Lucas tremeu dos pés a cabeça, e então deu a partida, e saiu da mansão lentamente, quando cruzou o portão e já começou a dirigir na rua Lucas meteu o pé no acelerador, e saiu em disparada, fez a Mercedes voar. No trajeto, Jarbas já quase se mijava de medo e certo que quando Lucas parasse seria despedido. No banco traseiro, Paulo era chacoalhado e jogado de um lado para o outro; toda vez que Lucas fazia uma curva. E finalmente chegaram ao destino. Lucas estacionou na porta do prédio com calma e ouviu então a voz de Paulo que veio a viagem inteira mudo:

- É assim que o senhor pretende conduzir Raphaelo pelas ruas?

- Não senhor! - Mas é que o senhor disse que tinha que chegar no máximo em 30 minutos até aqui. Bom, eu fiz meu máximo e chegamos com 25 minutos.

Foi ai que Paulo se atentou a esse detalhe, puxou a manga do seu paletó e descobriu que Lucas estava certo, ele chegou ainda com cinco minutos de antecedência no seu destino. Sem ter o que dizer, já que de certa forma o rapaz fez até melhor o que ele queria, Paulo apenas limitou-se a responder:

- Pago aos meus funcionários para que sejam eficientes. Bom trabalho, e saiu do carro, batendo a porta e entrando no prédio.

Lucas respirou fundo, afrouxou a gravata em sua garganta e perguntou:

- E agora Jarbas?

- Relaxa, esse jeito grosseiro dele é apenas seu modo de querer dizer que você o surpreendeu e fez um bom trabalho. Agora deixa eu assumir o controle do carro, troca de lugar comigo. Vou tirar o carro daqui e estacionar na garagem do prédio. Mas fica tranqüilo você calou a boca dele e fez um excelente trabalho.

- Que bom! (Disse Lucas ainda se acalmando e saindo do carro para trocar de lugar.

- Eu confesso que te achei ousado, doido varrido pelo que fez, mas... Você é um garoto experto. Chega longe. (Os dois riram).

A terça-feira chegou e Lucas conduziu Raphaelo, até a escola. Ele veio à viagem toda conversando com Lucas, eles colocaram música no carro, riram se divertiram até que Lucas se despediu de Raphaelo, que soltou do carro e parado no portão grande da escola admirou a beleza do colégio imponente. Ele foi até o segurança e o porteiro da frente da escola se apresentou e disse quem era o porteiro então interfonou e de lá de dentro veio um rapaz novo, loiro e muito bonito com uniforme de funcionário da escola se apresentando:

- Bom dia o senhor é Raphaelo certo?

- Sim sou eu.

- Já aguardávamos ansiosos sua chegada. Meu nome é Fernando, sou um dos coordenadores aqui na escola e vim pessoalmente lhe recepcionar. Madame Marry, lhe aguarda na diretoria.

Raphaelo estranhou toda aquela pompa. E chegando a diretoria a velha senhora lhe abraçou e comentou:

- Mas este jovenzinho é ainda mais belo do que pensei, a julgar pela aparência, já é digno de freqüentar essa escola.

A velha realmente se surpreendeu, achou que viria um menino desses tipos morenos, mulatos e cafús da vida, com carinha de favelado. Mas eis que surge um lindo garoto branco e loiro de olhos azuis. Com orgulho pela beleza de Raphaelo, ela disse:

- Irei pessoalmente apresentar-lhe em sua classe juntamente com sua professora de Português.

- Tudo bem, fico grato. (Disse Raphaelo, educadamente para a senhora).

- Então vamos?

- Sim!

E os três caminharam até a sala de aula. Raphaelo entrou ao lado da senhora imponente, e a professora caminhando até a frente da classe e então a velha senhora disse:

- Amados alunos é com prazer que lhes apresento o Senhor Raphaelo Mendes, que a partir de hoje será vosso colega de classe. Peço que o tratem com respeito e dignidade. Ele vem de uma família tradicional donos da famosa fábrica Vecnor.

Enquanto a senhora apresentava, os alunos viam tudo aquilo confusos, então o garoto era herdeiro da Vecnor, nossas... Alguns pensavam abismados. Outros queriam saber o porquê ele já chegou, chegando, sendo apresentado pela dona da escola, coisa que nunca aconteceu ali. Eram sempre os professores que apresentavam os novos alunos. Todos os meninos e meninas da sala estavam atônitos e sem entenderem tudo aquilo. A entrada de Raphaelo estava sendo triunfal. Mas a vida dele ali não seria nenhum triunfo. Não para ele, ou seria não para alguns dos alunos. Afinal todos eles estavam vendo a sua frente um loirinho franzino e de aspecto frágil, mas não sabiam verdadeiramente como Raphaelo era experto e forte por dentro.

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

É isso ai amados, estou de volta, não deixem de ler os novos capítulos de "NA PAZ DO SEU SORRISO" que andei publicando.

E a todos vocês e especialmente a VALTERSÓ que questionou e levantou esse assunto. Saiba que estou respondendo aos comentários de todos vocês sim. Basta olhar o capítulo anterior e ver que deixei minha resposta ao comentário de vocês. Então beijos e até o próximo capítulo.

Comentários

12/03/2018 07:35:20
Gostei do Cap! Espero que raphaelo se de bem!
11/03/2018 17:40:09
amei o capítulo
11/03/2018 17:39:40
amei o capítulo
11/03/2018 01:36:03
lucas se adaptando ao novo emprego, novos desafios pela frente...
11/03/2018 00:55:32
guardian (Eduardo): pois ele esta de volta amado.
11/03/2018 00:44:30
Desejava e ansiava a volta desse conto e seus capítulos... Raphaelo é um conto especial.
10/03/2018 21:45:39
Bruninhooo: Já foi recompensado e Raphaelo samba na cara da sociedade.
10/03/2018 21:44:53
Sharon Martins: muitas amigas. Muitas surpresas.
10/03/2018 21:44:15
arrow: E ja tem mais um capitulo pra vc ler amado.
10/03/2018 21:43:49
VALTERSÓ: já pode ver no capitulo que acabei de postar, como ele saiu.
10/03/2018 21:23:13
O conto tá muito bom,mas 80% do capítulo foi aquela enrolação do treinamento do Lucas como motorista e quando chegou na parte que interessava a todos que era o Raphaelo no novo colégio o conto acaba.Espero que recompense no próximo capítulo
10/03/2018 20:45:03
Que rufem os tambores, e vamos ver as surpresas que vem por ai.
10/03/2018 20:16:50
10/03/2018 20:16:50
Que bom que vc voltou a postar a continuação dessa história que eu gosto tanto.
10/03/2018 19:57:11
INTERESSANTE. LUCAS DOIDINHO. MAS CUMPRIU ORDENS. ACHO QUE JARBAS VAI SE ENGRAÇAR COM LUCAS. COLÉGIO PARTICULAR VIVE CHEIO DE PATRICINHAS E MAURICINHOS ARROGANTES. VEREMOS COMO RAPHAELO VAI SE SAIR.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.