Casa dos Contos Eróticos

A minha estória com Lúcia... 12°Capítulo - Consegui comer a amiguinha de Cláudia... até seu cuzinho

Autor: Lúcia Jota
Categoria: Grupal
Data: 13/10/2017 21:04:31
Última revisão: 20/10/2017 22:37:32
Nota 10.00
Ler comentários (2) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

CONSEGUI COMER A AMIGUINHA DE CLÁUDIA... ATÉ SEU CUZINHO

A minha estória com Lúcia... 12° Capítulo

Depois que transei com Ana Teresa e Cláudia meu pensamento se fixou em Vanessa, a amiguinha de Cláudia que segundo esta estava desesperada para dar pela primeira vez mas seu namorado bobo estava esperando pela maioridade dela.

Nesse caso eu que tinha tirado a virgindade de Cláudia iria também adorar fazer esse favor à amiguinha. Mas eu nem sequer sabia como ela era. Se era bonita, gostosa e se estaria mesmo a fim de o fazer com um coroa como eu.

Naquela noite em casa de Ana Teresa eu sem que esta visse ou ouvisse consegui convencer Cláudia a me apresentar sua amiga logo que lhe fosse possível. Para isso eu lhe dei meu número de celular sem que sua mãe adotiva soubesse. Era para me ligar logo que conseguisse um encontro entre nós três... Eu, ela e a amiguinha.

Embora a nível sexual desde que estou trabalhando neste novo emprego nada me tem faltado, já comi Lúcia, a Marta, a faxineira e até a patroa. Para não falar da gostosinha da Cláudia. Disso não me posso queixar de verdade. Mas comer outra ninfeta virgem me excitava de mais, e sendo que se eu o conseguisse, não seria apenas uma. Mas sim duas, embora Cláudia já não fosse virgem, mas era uma ninfeta. Juntar e comer as duas seria mais um sonho realizado... Pensava eu.

Passaram duas semanas e meu pensamento em Vanessa tinha arrefecido um pouco, Cláudia não dava sinais de que tinha conseguido falar com a sua amiga, quando a meio da tarde de uma sexta feira meu celular tocou. Era um número desconhecido para mim, embora não fosse anónimo.

Quando atendi logo do outro lado uma voz feminina, doce e gostosa fez de novo esquentar meu desejo pela garota. Depois dos cumprimentos iniciais eu reconheci logo quem era a pessoa que estava falando comigo. Era mesmo Cláudia.

Falou então que estava me ligando porque finalmente tinha convencido sua amiga a pelo menos me conhecer. Vanessa tinha flagrado seu namorado com outra garota e eles tinham brigado. E que tinha contado para amiga sobre o que tinha acontecido entres nós, como foi delicioso perder a virgindade com um homem mais velho e experiente.

Nessa conversa que tivera com a amiga, Cláudia falou que durante a conversa Vanessa se mostrou muito atenta e até em certos momentos algo excitada com a sua discrição sobre como tudo tinha acontecido. Como estava brigada com o namorado chegou mesmo a desabafar que ela ( Cláudia ) era uma menina de sorte... Mesmo sem ter nenhum namorado já tinha conseguido a experiência de como é ficar e transar de verdade.

Tudo que Cláudia me falava era música para os meus ouvidos. Sua amiga pelo menos não descartava a ideia de transar com um homem mais velho. Mas o melhor ela falou de seguida.

No dia seguinte era sábado e as duas iriam a uma festa de aniversário de uma colega da escola. Já tinha falado com Vanessa que passariam rapidinho em cada da aniversariante para lhe dar os parabéns e justificar sua presença para que sua mãe não viesse a saber que nunca lá haviam estado.

Mas que também tinha convencido a amiga a se encontrarem comigo caso eu ainda estivesse interessado. Eu logo respondi que estava sim, e marcámos logo como ponto de encontro o shopping da cidade. Eu as levaria de carro até casa da amiga, e enquanto elas passavam por lá eu ficava esperando no carro. Depois iríamos onde as duas quisessem. Claro que meu objetivo era levar as duas para minha casa.

No dia seguinte há hora marcada lá estava eu no shopping esperando a minha gostosa Cláudia e sua amiguinha Vanessa. Estava eu com os meus pensamentos, e como iria ser aquela noite que nem deu pela sua chegada. Foi a própria Cláudia que com um oi muito sensual que me vez voltar à realidade. E finalmente eu pude ver a tão esperada amiga, Vanessa ali estava.

Eu pensei na hora:

" Nossa... Cláudia é gostosa, mas essa sua amiga não é menos..."

Pude ver naquele momento uma garota com um corpinho mignon, moreninha, cabelos levemente encaracolados e uns peitinhos que pareciam caber certinho numa boca faminta. Sua bundinha era do tipo fazer de parar o trânsito, nem pequena e nem grande demais, simplesmente arrebitadinha... Uma delícia.

Enquanto nos dirigíamos para o meu carro pude contemplar melhor aquelas duas belezuras, de Cláudia já vos falei anteriormente. Mas apesar de ser minha intenção comer as duas naquela noite, era em Vanessa que estava mais o meu pensamento, a mocinha era linda, como é possível o namorado a trocar por outra? Pensei eu.

Estava vestindo uma calça jeans bem justa e camiseta básica branca, roupa bem básica, mas que nela realçava toda sua jovialidade, sua beleza e seu corpo sensual. Não via a hora de ter tudo aquilo na minha cama.

A nossa ida a casa da amiga aniversariante e depois ficar esperando no carro por elas me pareciam uma eternidade. Meu tesão por elas aumentava de minuto para minuto.

Finalmente seguimos rumo ao nosso destino, meu desejo de comer toda aquela carne novinha me levou a que quando chegámos em minha logo puxei Cláudia pelos braços e comecei a beijá-la. Eu sabia que ela não ia recusar apesar da presença da amiga. Mas isso eu tenho a certeza que estimulou Vanessa. Minha língua se misturava com a de Cláudia numa fusão sem controle.

Logo nossas mão estavam procurando o corpo um do outro, como quem busca dar e querer receber prazer.

Baixei a alça de sua blusa e comecei a acariciar aqueles deliciosos seios... Redondinhos, aqules bicos, rosados, com uma pequena marca do biquini que ela costuma usar quando toma sol na beira da piscina de sua casa. Nao pensem que eu tinha esquecido de Vanessa... jamais!!! Tudo o que fazia com Cláudia apesar de ser muito gostoso era também uma estratégia minha para que a amiga entrasse no clima sem ter de a forçar.

Passava minha língua nos seus mamilos e com as mãos comecei a despir Cláudia. Tirei sua minúscula calcinha, e passei a acarinhar com os dedos sua xaninha que, pelo que senti, já estava bem molhadinha. A deixei apenas com a sainha curta e rodada. Enquanto a beijava levantei suas penas e a fiz enrroscar na minha cintura. Sugando a lingua gostosa caminhei com ela até meu quarto esperando que a amiga viesse logo atrás.

Mas Vanessa ainda não tinha assimilado bem tudo aquilo, e ficou um pouco mais lá na sala. Deitei Cláudia sobre a minha cama.

Comecei a usar minha lingua e meus lábios para chupá-la todinha. Puxava com minha boca os lábios da bucetinha, raspadinha e cheirosa. Por minutos brinquei com minha boca na bucetinha dela que de braços para trás, deitada na cama se entregava aos meus carinhos. A safadinha gemia baixinho e e pedia para eu continuar. Virei ela de posição. A coloque de quatro, fiz deitar com a cabecinha no travesseiro e pedi para levantar bem seu traseiro. Cláudia tem uma bundinha linda, redondinha e carnudinha... Comecei dando mordidinhas, palmadinhas chamando ela de minha putinha sacana, minha ninfetinha gostosa... Naquela hora gemia e se oferecia ainda mais. Passei a lingua no seu cuzinho enquando segurava e abria bem suas nádegas. A língua forçava o cuzinho sem entrar, mas lubrificando para o meu cacete.

Comecei a meter o dedinho e ela aceitou numa boa, quando botei os três dedos ela disse que estava doendo um pouco. Deixei os dedos na porta do cuzinho e com a outra mão passei a massagear sua xaninha. Cláudia ficou louca, molhava meus dedos na bucetinha e forçava a bundinha para trás fazendo penetrar os meus três dedos, aumentando os gemidos.

Sem que Cláudia tivesse percebido, Vanessa na porta do quarto assistia a sua amiguinha se contorcendo de tesão. Então eu falei:

" Vem querida... Tira essa roupa e junte-se a nós.

Vanessa ficou peladinha muito rápido... Para quem gosta de ninfetas ela é tudo de bom. Seios miudinhos, pele clarinha e bucetinha praticamente sem pelos. Comecei pelos peitinhos, engolia um, e depois o outro eu colocava todo na minha boca. Ela me segurava pela cabeça e puxava com força, sem muita expediência. Então a deitei na cama e abri suas pernas fazendo ela colocar aquela bucetinha virgem na minha cara.

Comecei no grelinho dela com minha língua e com os meus dedos. Cláudia, me vendo deitado vei de imediato e começou a chupar minha pica, enquando eu chupava Vanessa.

Meti meus dedos na bucetinha da virgem e fiquei massageando por dentro, tirando dela um gozo estupendo, o seu primeiro gozo com um homem. Mas para minha surpresa, logo que gostou Vanessa saiu de cima de mim falando que também me chupar. Sentei-me na beira da cama e as duas ajoelhadas passaram a dividir minha pica. As duas beijando e engolindo meu cacete, não aguentei e comecei a gozar.

A porra explodiu na cara de Cláudia, mas foi Vanessa quem me surpreendeu. Falou que sempre teve vontade de experimentar engolir porra. Tinha visto num filme como todas a mulheres adoravam aquele leitinho quente. Pensava no seu íntimo que deveria ser muito gostoso. E assim sugou meu cacete, passando a lingua, o limpando todinho.

Dali fomos os três tomar um banho bem gostoso. Mas mal saímos debaixo da água e nos secarmos voltamos para cama. Comigo deitado mesmo no centro pedi que elas botei se deitasem junto comigo uma de cada lado, para puder brincar com meus dedos em suas xaninhas... As duas ninfetas estavam me deixando louco. Eu eu falei:

" Quero ver vocês duas se pegando. "

"Tá maluco!... Eu não vou fazer isso... ela é minha amiga. "

Falou Cláudia, tentando dar a entender que não faria nada com a amiga, embora eu soubesse que estava louquinha para que tal acontecesse. Mas com a calma de um homem maduro eu a convenci:

" Que que tem Cláudia??? Eu acho você linda. Tem seios lindos, e uma bundinha arrebitada. Vai... Deixa eu ver."

Virei Cláudia para facilitar já que Vanessa estou mesmo afim. Abri aquela bundinha de Cláudia e de imediato a amiga ficou passando a lingua no cuzinho dela. Vanessa apesar da inexperiência enfiava a cara no traseiro da amiga começando a passar a lingua no seu cuzinho e na sua buceta.

Cláudia tal como eu pensava começou a gostar. Aí resolvi entrar em ação.

Comecei a foder Cláudia que era a mais experiente de forma lenta, pois o boquete que ela me fizeram um pouco antes quase me fizera gozar. Percebi que Vanessa não sabia bem o que fazer e que apesar de tudo que já tínhamos feito anteriormente ainda estava meio envergonhada. Mandei entso que sentasse na encostada na cabeceira da cama para que Cláudia pudesse chupar sua xaninha, enquanto eu me acabava e sua buceta quente.

Passei a socar de forma mais violenta em Cláudia e ia lhe dando inumeros tapas na bunda e às vezes enforcando-a com minha mão enquanto falava:

" Tá gostosa essa rola minha putinha? Fala para sua amiga se ela é gostosa, fala..."

" Muito bom Vanessa... Que pau gostoso esse "

Falou ela com sua voz de menina safada.

Nisso, lhe dei um sonora bofetada na cara. Coisa que tenho a certeza ela nunca esperaria da minha pessoa. E falei de novo:

" É para falar bem alto sua vagabunda, senão vou tirar meu pau da sua buceta!"

" Ai Vanessa... Tá muitooooo bom! "

Falou ela, com voz mais alta desta vez.

Passei de seguida a brincar com meu polegar em seu rabo, aproveitando a humidade da sua xana.

"Gosta de levar no cu sua cadela? "

" Gosto... Põe tudo! "

" Vai ter que pedir mais alto minha putinha... Pede pro teu macho arrombar o seu cuzinho, e manda Vanessa chupar tua buceta! "

E assim fizemos, após um pouco de dificuldade meu pau se enterrou por completo naquele cú apertadinho, enquanto Vanessa tentava se posicionar melhor, para chupar sua buceta.

Até então Vanessa ainda não tinha experimentado minha rola de verdade apesar de todo aquele clima de foda gostosa. Quando percebi que ela estava acomodada tirei o meu cacete do cuzinho de Cláudia e soquei em sua boca sem a avisar.

Um pouco timida ainda, Vanessa começou um boquete discreto, mas aos poucos foi pegando gosto, aí comecei a revezar entre sua boca e o cu de Cláudia.

Rompida a última barreira, tanto eu como Vanessa fodemos Cláudia até sentirmos seu gozo se aproximar, e nesse momento eu apenas enterrei meu pau em seu cuzinho o mais fundo que pude e lhe puxei os cabelos com força.

A agora putinha safada gozou feito louca e desfaleceu na cama com as pernas abertas e olhar perdido. Sentei ao seu lado e lhe beijei a boca, puxando Vanessa e sentando ela em meu colo passando dessa vez a brincar com meu cacete na entrada de sua xaninha raspadinha. Ela devia estar desesperada para perder sua virgindade de uma vez por todas, e tentava encaixar meu pau na sua buceta de forma apressada.

O modo rude que usei com Cláudia um pouco antes, usei também com Vanessa:

" Você acha que vou te foder assim, sua vadia? Estava toda cheia de frescura e agora quer minha rola... Vai ter que implorar para que eu seja o teu macho também!"

" Não vou! "

Falou ela com um olhar provocador.

" Então vou ficar só brincando com a sua buceta. Não vou comer uma putinha desobediente! "

" Dúvido que você vá aguentar! "

Respondeu ela. Para uma menina virgem e sem experiência nenhuma, naquele momento estava sendo muito safada mesmo.

Ficámos nisso por algum tempo. Enquanto estávamos nesse tipo de jogo, Cláudia foi-se recuperando. Já recuperada, veio de novo com tudo. E começou de novo a punhetear e lamber meu pau para depois o levar em direção a buceta de Vanessa. Foi nesse momento que eu protestei:

" Não mete Cláudia... Não vou foder essa vadia. Não... Até que ela me peça! "

Foi aí que finalmente Vanessa capitulou:

" Mete de uma vez, meu coroa gostoso... Não aguento mais de tesão, come minha buceta. Tira logo meu cabacinho. Sou toda sua... Me fode, vaiiiiiiiiii."

Depois da sua atitude provocadora eu não tive dó, nem um pouco . Meti meu pau naquela bucetinha rosada e agarrei sua bunda com força, movimentado-a sem desenterrar o pau um milimetro sequer. Quando sua buceta virgem recebeu meu pau de uma estrada só Vanessa deu um estridente grito de dor. Mas naquela hora já não tinha volta... Finalmente alguém tinha tirado sua virgindade, apesar de ter sido de alguma forma violenta, Vanessa até que aguentou firme apesar da dor que sentiu naquele momento.

Tentando ao máximo não dar a entender como foi doloroso aquelas minhas estocada Vanessa procurava meus lábios com os seus e fazia menção de me beijar. Agarrei seus cabelos fortemente, forçando sua cabeça para trás e lhe disparei:

" Nao vou beijar sua boca sua cadelinha! Você se armou em menina difícil, agora vai sofrer as consequências."

Nisso puxei Cláudia de volta e comecei a beijá-la na boca… Obviamente, nao demorou muito para entrelaçar-mos nossas linguas a três e mais tarde, finalmente beijei a boca de Vanessa.

Já a noite já bem avançada, quando parámos um pouco para um pequeno relaxamento. Recuperadas as forças, voltámos ao serviço. Novamente foi com Cláudia que tudo recomeçou, eu estava me viciando naquele cuzinho maravilhoso, voltei a comer o cu de Cláudia mais uma vez, apesar de Vanessa não me querer dar o seu ela não se o colocou de parte. E quase a fiz vomitar, socando o cacete em sua garganta. Quando mais uma vez eu gozei no cu de Cláudia ordenei à amiga o chupasse, mas ela nao queria. Só forçada teve de beber todo o meu leitinho que saía daquele cuzinho cada vez mais largo o fez.

Não pensem que apesar de Vanessa não me dar o cuzinho naquela noite que tanto eu como Cláudia lhe demos paz. Voltei depois a meter bem forte na sua bucetinha e a fizemos gozar com o meu pau todo dentro de sua buceta e a lingua de Cláudia em seu cu.

Já era quase de manhã quando eu levei as duas para casa de Ana Teresa que é onde morava Cláudia que não tinha nenhum problema em chegar em casa a altas horas. E como Vanessa estava com ela sua mãe concerteza não estaria preocupada.

Deixei as duas e voltei para minha casa um pouco desolado, embora tenha comido as duas ninfetas, não tinha conseguido comer o cuzinho de Vanessa. A safada tinha conseguido evitar todas as minhas tentativas. Só me restava aguardar por uma nova oportunidade que eu não sabia se iria existir. Mesmo assim tinha valido a pena.

Quando uns três dias depois Cláudia me ligou eu imaginei que ela estaria querendo de novo levar com minha rola naquele cuzinho e na bucetinha. Nisso eu não me enganei, a safada estava a ficar viciada no meu pau.

Mas antes de a gente combinar novo encontro eu quis saber como estava sua amiga Vanessa e se ela tinha gostado daquela noite lá em minha casa. Foi nesse momento que ela falou que o motivo de me ter ligado era esse mesmo... Vanessa.

Tinham conversado as duas no dia anterior e Vanessa estava um pouco confusa. Tinha adorado ver ela sendo comida de todas as formas, e ela apenas ter sentido o gosto de dar a buceta. Que o que mais gostou, além de sentir meu pau duro dentro de sua buceta, foi ver como eu tinha comido o cuzinho de Cláudia e como esta mostrava parecer delicioso pelo jeito como gemia e pedia sempre mais. Estava arrependida de não ter dado seu cuzinho virgem para mim. E mais... Não via a hora de a gente se encontrar de novo. E que até lhe confessou agora estava preparada para tudo.

Essa notícia para mim foi o que eu mais queria ouvir, o cuzinho de Vanessa não me saía da cabeça, eu ainda me custava acreditar como foi possível ter deixado naquela noite aquele buraquinho a salvo da minha rola.

Então eu falei para Cláudia que dessa vez eu só aceitava se fosse-mos apenas os dois, eu e Vanessa. Mas a gostosa não concordou nada com minha proposta, e falou:

" Essa não Fernando... Nós estamos juntos nessa, até parece que está me trocando por ela. Eu também quero... Você sabe disso "

" Ta bom, pode então marcar com sua amiga". Falei eu.

Foi na sexta feira seguinte, de novo ela arrumaram uma desculpa em casa. Lá estavam as duas putinhas em minha casa de novo, logo que chegaram eu me foquei em Vanessa falando que dessa vez não sairia dali sem o seu cuzinho ser arrombado pelo meu pau.

A safada naquela noite não estava tão na frescura como na outra. Parecia até um pouco humilde demais. Talvez a sua confissão para a amiga a tenha transformado um pouco. Quando eu lhe falei que se ela recusasse de novo nunca mais ela teria minha rola nem na bucetinha.

Eu acho que desde que transformei Lúcia em minha escrava estou ficando com uns toques de sadomasoquista. E como Cláudia me falou que era amiga que estava desesperada para dar seu cuzinho para mim, eu me aproveitei dessa situação ao de imediato indicar o caminho do meu quarto. Mandei as duas na frente e fiquei mais um pouco na sala. Dei ordens para elas tirassem suas roupas e ficassem completamente nuas na minha cama.

Eu iria ter com elas dali a pouco, mas quando chegasse eu queria ver as duas já se pegando, e se beijando. Pareciam duas cadelinhas adestradas.

Todas felizes da vida lá foram as duas para o nosso ninho. Dei uns minutos e quando me dirigia para o quarto pude ouvir as duas falando, no maior silêncio eu me coloquei atrás da porta semi aberta para puder ouvir o que as duas putinhas estavam aprontando. Comecei por ouvir Cláudia falando para a amiga:

" Amiga, nunca pensei um dia a gente transar juntas, mas esta gostoso demais... Você não acha? "

" Nossa... Cláudia!!! Nem me fala. Meu namorado é mesmo um tapado. Eu cheia de tesão para dar para ele e o viadinho tá nem aí para mim. Graças a Deus esse coroa tem rola para nós duas!!! "

" Para nós duas??? Você não viu nada amiga. Ele tem para muito muito mais..."

" Muito mais!!! Como assim... O que você está falando?

" Deixa para lá Vanessa, deixa ele fazer tudo o que ele mandar... Você vai adorar amiga. Mesmo seu namorado jamais te dará o prazer que Fernando nos dá. "

" Cláudia eu estou com medo de dar meu cú, será que vai doer muito amiga... E como vai ser no dia seguinte. Acha que vou conseguir andar?"

" Vai sim querida, Fernando é muito cuidadoso nos nossos cuzinhos. Você viu como ele comeu o meu e eu estava adorando... Com você vai ser igual. Embora ele esteja um pouco bravo com você, naquela noite foi muito abusada com ele."

" Pois é amiga... Já me arrependi disso. Você é testemunha"

Depois de ouvir essa conversa ouvi Cláudia pedir para a amiga chupar sua bucetinha, que já estava toda melada só de a ver toda nuazinha ali na cama juntas. Vanessa foi logo e caiu de boca na bucetinha de Cláudia fazendo está gemer bem gostoso.

Quando finalmente eu entrei no quarto me deparei com um cenário magestoso. Ver Cláudia toda peladinha deitada na minha cama com suas pernas totalmente abertas, e a cabeça de sua amiga toda enterrada no meio de suas pernas chupando seu grelinho e lambendo toda a sua buceta, meu pau que já estava duro, ficou como uma rocha.

Para melhorar o cenário elas estavam numa posição que mal eu entrei me deparei com a maravilhosa bunda de Vanessa mesmo virada na minha direção. Ali toda empinadinha, se eu quisesse arrombar seu cuzinho naquele momento, ela não tinha nenhum tipo de defesa. Seria apenas abrir suas nádegas e atolar meu pau

Mas preferi na hora deixar as duas se comerem mutuamente. Sentei no sofá ali ao lado e fiquei assistindo aquele filme real e delicioso. Apenas dava certas ordens para ela fazerem como eu mandava.

Tudo aquilo me estava me deixando louco. Mandei entao as duas se colocarem na posição de 69, e nessa posição eu queria ver as duas gozarem na boca uma da outra. Obedientemente ela começaram então a se chupar como duas putas safadas, talvez por inexperiência Vanessa gozou mais rápido que Cláudia. Mas continuou chupando a amiga até ela gozar também em sua boca. Como devem imaginar eu as mandei beber todo o suco que saía de suas bucetas.

Perguntei então a Vanessa se gostava do sabor que vinha da bucetinha da amiga, ela me olhou e acenou com a cabeça que sim. Eu mandei ela falar para nós ouvirmos de sua própria boca. E ela parecendo estar com algum receio de mim lá respondeu:

" Gostei sim Sr Fernando, adorei..."

Aquela de me chamar por Sr Fernando foi o sinal que a ninfeta estava totalmente submissa a nós dois, pelo menos naquele momento. Até Cláudia notou isso e falou:

" Amiga você hoje vai ser toda nossa, minha e de Fernando. Hoje você vai ficar sabendo de vez o que uma mulher adora de verdade... É ser arrombada pelo cuzinho."

Depois que as duas gozaram era o momento de eu entrar em ação, coloquei as duas deitadas na cama. Ambas de quatro, e comecei a meter meu pau duro nelas. Enfiava numa, estocava e tirava, depois metia na outra e fazia o mesmo, seguindo esse ritual durante vários minutos. As duas putinhas pediam mais e mais.

" Goza no meu cuzinho..." Pediu Cláudia.

"Claro minha gatinha gostosa, mas com uma condição. Vou comer cú delicioso mas quero ver você metendo no cuzinho de sua amiga. Vai Vanessa, fica de quatro na frente dela."

Vanessa se colocou de joelhos deixando sua a bunda bem empinada para que Cláudia pudesse fazer o que eu mandara, também de joelhos se colocou por trás da amiga, as nádegas de Vanessa serviam de suporte para ela se manter naquelas posição. Começou então a abrir tudo aquilo deixando ver um buraquinho bem pequeno e fechadinho. Com sua boca, e principalmente sua língua começou a lubrificar aquele lugar até ali sagrado para Vanessa, nunca ninguém ali tinha mexido a nao ser sua mãe quando era criança para lhe dar banho

Cláudia aos poucos começou metendo, primeiro um e depois dois dedinhos no cuzinho de Vanessa enquanto me oferecia sua bunda para eu meter meu pau nele. Lubrifiquei meu cacete e me aproximei do seu maravilhoso rabinho. Como sempre ela no início sempre reclama um pouco, mas logo de seguida setindo prazer começa a relaxar e a gemer:

" Mete... vai, mete seu cacete no meu cuzinho vaiiiii... Come sua putinha... Como... Me fode todinha, enfia com vontade.... Pode meter tudinho que eu aguento... Quero é mais... Mete , mete gostoso, me enrraba vai, me come..."

" Claro minha putinha... Isso minha gostosa, mexe essa bundinha.. Mexe... Arrebita ela todinha prá mim. Fala... Fala que voce é minha cachorrinha, minha pirainha gostosa... Isso Cláudia, eu sou doido para comer sua bundinha... Era isso que você queria... Pica, não é? Então toma... Vadia, putinha... Vai.... Vai... Vaaaaiiiiii.... Goza comigo... Goza... Goza.... aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii."

Acabei gozando... Gozamos ... Gritamos... Nos abraçamos e por longos minutos deixamos nosso corpos suados falarem um ao outro o quanto estavamos agradecidos.

Mas ainda faltava o ponto alto da noite... O cuzinho de Vanessa.

Enquanto tudo isso, sempre que podia Cláudia continuava metendo seus dedos bem lubrificados no cuzinho da sua amiga. Concerteza já estava mais que preparado para o grande momento.

Tinha chegado a hora...

Pedi então a Cláudia que ficasse só assistindo a sua amiguinha perder o cabacinho no cu de poltrona. Logo ela foi se sentar e colocando seus pés nas laterais do sofá com suas pernas bem abertas e esfregando sua buceta pedindo para que eu acabasse de vez com o suspense com que Vanessa estava vivendo nos últimos dias.

Com o lubrificante adequado eu lubrifiquei bem meu pau e o cuzinho da ninfeta, coloquei apenas um dedo... Aquele dedo percorrendo seu cuzinho lhe estava causando uma sensação gostosa. Molhei ainda com algum cuspe de minha boca e mandei ela relaxar porque a partir dali ela iria adorar e amar toda aquela experiência.

Depois de um, coloquei dois dedos. E aos pouquinhos fui colocando mru cacete roçando no seu cuzinho... Muito devagar consegui fazer entrar a cabecinha, puxei seus cabelos e mandei que ela rebolasse bem gostoso.

Podia sentir que lhe estava doendo bastante, ao ponto dela pedir para eu parar. Mas o que eu queria de facto era castigar a putinha e não acedi a seu pedido. Em vez disso comecei a masturbar sua bucetinha, o que alivia a dor e a deixava mais relaxada

Continuei metendo meu cacete abrindo seu rabo e rasgando suas pregas. Apesar da dor Vanessa sentia um enorme tesão, formando assim uma mistura inexplicável. A mocinha começou então a sentira suas pernas amolecerem. E eu não parava, o dedo na sua xaninha e meu pau no seu cuzinho num vai e vem envolvente. Vanessa sente pulsando dentro dela, e goza como nunca.

Bato na sua minha bunda, puxo com força seu cabelo chamando ela de putinha gostosa. Gozo feito louco dentro daquele cuzinho recém arrombado, e lambuzo todo o seu rabo com meu gozo quente que escorre pelas suas pernas... Que gostoso, que sensação maravilhosa!

Foi incrível a sensação de novamente ter comido uma ninfeta virgem. Finalmente eu tinha vingado a minha falta anterior, que foi na primeira noite ter deixado ela ir para casa com seu cuzinho ainda virgem.

Naquela loucura quase esquecemos Cláudia que na poltrona se masturbando deve ter gozado umas três vezes, estimulada pelos gemidos da amiga.

Naquela noite as duas não podiam ficar lá em casa, porque a desculpa que deram é que iam pegar um cineminha. Tomámos um bom e delicioso banho, as levei bem perto de suas casas e voltei para a minha completamente saciado e muito satisfeito.

Continua...

Escrito por: F. Jota

Publicado por: Lúcia & Jota

Comentários

15/10/2017 03:26:51
Muito bem escrito
14/10/2017 09:21:05
Caramba! Quem ficou duro igual a rocha fui eu agora!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.