Casa dos Contos Eróticos

O Anjo De Cabelo Azul Cap.07 (Outros)

Autor: Ricky
Categoria: Homossexual
Data: 16/07/2017 20:47:03
Nota 10.00
Ler comentários (8) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Heey, voltei galera!Vamos aos comentários:

Martines: Os pais do César sabem dele.Ops, falei demais kkk.

Atheno: Também acho, kkk.

guilwinsk:Que bom,continua acompanhando.

Chria:São fofos mesmo.Concordo o Rubinho devia ficar quieto.

Edward:Que bom, continue acompanhando.O Rubinho ainda vai mudar esse pensamento que tem.

Ru/Ruanito: Né isso, kkkk.

Gente eu sei que vcs estão com raiva do Rubinho, mas ele vai mudar seu pensamento, é esperar pra ver.Bjos pra tds.

Que noite! Despertar sobre aquele peitoral delicioso era revigorante. Aquela certamente foi a melhor noite da minha vida, inclusive, tudo que eu faço com o Hermes parece se tornar a melhor coisa do mundo.

Ele ainda dormia, lindo até mesmo desacordado. Já eu brincava com os pelos do seu peitoral enrolando-os entre meus dedos, se eu morresse ali, certamente morreria feliz. Senti sua pele na minha, ainda estávamos nus, e eu não resisti em levantar a coberta e ver novamente o que ele escondia lá em baixo. Que visão esplendorosa, poderia fazer um quarto e passar o dia inteiro olhando. Mas pra que se contentar só olhando se eu podia ter?

Ele começa a despertar.

- Então não foi um sonho? – perguntou depois de se espreguiçar – Graças a Deus, porque foi maravilhoso.

- Maravilhoso é você. – falei dando um beijo no seu peito.

Após alguns amaços na cama, levantamos. Hermes puxa duas toalhas do guarda roupa e me joga uma delas. Dali vamos ao banheiro.

- Acho que você vai ter que usar minha escova de dentes. – disse enquanto escovava os seus.

- Não vai ser a primeira coisa sua que eu coloco na boca. – dei uma risada maliciosa.

Ele riu e quase engasgou com a espuma da pasta.

- Eu amo seu humor erótico.

- O que? Eu tava falando da sua língua. – brinquei.

Ele puxou minha toalha.

- Estava só olhando se realmente era tão bonita quanto parecia ontem. – disse olhando pra minha bunda – É realmente linda.

- Isso é inacreditável. – digo sorrindo.

- O que?

- Você tem certeza que não sabia que era gay? – gargalhei – Você está sendo mais gay do que eu.

- Eu não sou gay. – disse rindo mas com convicção.

- Ah, ta. – debochei com um olhar sarcástico.

- Ué, se eu sentia, talvez sinta ainda atração por mulheres, que foi isso que fez com que eu me casasse com a Ailla, isso me torna bi, não?

- Isso é detalhe. Eu poderia sentir atração por mulheres de vez em quando.

- Ah quer dizer que agora eu terei que sentir ciúmes de mulheres também. – brincou enquanto entrava no Box de vidro – Tá esperando o que, não vem? – chamou.

Larguei a toalha e entrei junto com ele. Nós dois lá dento, tão próximos... Peguei o sabonete e comecei a passar nele. Ficamos em silêncio por alguns segundos, após isso ele me beijou. Dessa vez um beijo longo e delicado.

- Obrigado. – agradeci com um pouco de lágrimas em quanto a água caia sobre nosso abraço.

- Pelo que?

- Por ter me tirado daquela casa. Por me dar uma noite maravilhosa. Enfim, por ser você.

- Eu não me perdoaria se fizesse diferente. – disse desfazendo o abraço e acariciando meu rosto – Alguém incrível como você merece ser tratado da melhor maneira possível.

Saímos do banho. Hermes me emprestou um dos seus shorts. Depois fomos para a cozinha, eu não imaginava que ele fazia panquecas tão boas.

- Isso ta uma delícia. – elogiei.

- Parece que tem caramelo no seu rosto. – disse beijando o canto da minha boca – Agora não tem mais.

Sorri da brincadeira. Por mim ele podia passar o dia inteiro ‘’tirando caramelo do meu rosto’’.

- Meu Deus, já é essa hora? – disse olhando no celular - Tenho que ir po trabalho. Aproveito e te deixo em casa.

- Ah, tava tão bom. – fiz uma cara de choro – Podia passar o dia inteiro assim com você. Mas eu entendo o deve te chama e eu preciso ir pra casa, dane-se se eu vou encontrar com o Rubens.

- Ok, daqui a pouco eu desço. – falou indo em direção ao quarto.

Fiquei na sala vendo TV. De repente uma sobra surge atrás de mim.

- Bom dia. – disse com uma cara de surpreso.

Virei assustado. Lá está ele me olhando com aquele olhar estranho em seus olhos castanhos claro igual ao do Hermes.

- Bom... Bom dia. – gaguejei ainda confuso.

Hermes finalmente desceu as escadas.

- Lúcio? – disse descrente do que via.

- Oi maninho, desculpe entrar assim sem avisar, a Ailla me deu uma cópia da chave na ultima vez que estive aqui.

A essa altura eu não entendia mais nada.

E quem é você? – perguntou me olhando e sorrindo.

- Ah, esse é o César, meu...

- Amigo. – completei para ajudar Hermes que me olhou com um cara de surpresa, certamente por eu ter dito amigo.

- Ah, sim. Amigos, meu irmãos é ótimo em fazer amigos. – disse com um olhar de desconfiança.

- Lúcio, eu não esperava que você fosse vir. – explicou – Sinto muito, mas tenho que ir pro trabalho.

- Ah , claro, não se preocupe. Eu estou em uma casa um pouco abaixo da rua, vim passar uns dias aqui na cidade a negócios. Qualquer hora a gente bota o papo em dia.

Nos despedimos e entramos no carro do Hermes,

- Irmãos? – pergunto de cara emburrada – Você nunca me disse que tinha um irmão.

- Eu não lembrei, desculpa

- Não lembrou do seu irmão?

- Olha, eu e o Lucio não somos lá o que se pode chamar de amigos. Aquilo tudo ali na sua frente era pura encenação. Ele me odeia. Por isso não gosto de falar sobre ele.

Fiquei em silencio até chegarmos em casa, aquela conversa foi muito estranha. Quando chegamos praticamente pulei do carro.

- Ei, não ganho nenhum beijo?

- Desculpa. – vou lá e Lhe dou um selinho – A noite foi incrível.

Caminho até a porta. O dia está nublado e frio. Sento naquele banco de mármore que está gelado e tenho flashes da maravilhosa noite anterior. Sorrio um pouco, mas me lembro da chegada repentina do Lúcio que me incomodou, não sei por qual razão.

Nesse momento chega uma mensagem no meu celular. ‘’Ei quanto tempo. Aqui é o Marcelo, eu estou na cidade. Talvez nós pudéssemos bater um papo ou algo assim, qualquer dia.’’Fiquei sem ar. Não podia ser o Marcelo de tantos anos atrás, não agora que eu estava tão bem com o Hermes. Abri a foto do perfil para ter certeza. Era ele...

Eu jamais esqueceria aquele rosto.

Só pra constar, o Marcelo foi o primeiro namorado do César. E Ps: O Marcelo e o Lúcio ainda vão causar muito.Bjos, até o próximo capítulo.

Comentários

17/07/2017 16:59:07
Irmãos? Acho q não
17/07/2017 13:56:30
Sempre tem q ter umas bichas recalcadas p fazer o inferno
17/07/2017 03:36:25
Só observo
17/07/2017 00:04:43
Irmão sei kkk Marcelo voltou numa péssima hora... Quando começa esses obstáculos a história começa a ficar chata...
16/07/2017 22:34:28
Marcelo irmão de Hermes
16/07/2017 22:08:09
Estou amando a história, mas aumente os capítulos.
16/07/2017 21:56:33
Esperando o próximo
16/07/2017 21:12:02
Capítulo cheio de mistérios e super curtinho. Maldade!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.