Casa dos Contos Eróticos

Meu menino maquinista

Categoria: Heterossexual
Data: 29/07/2017 19:43:45
Última revisão: 25/08/2017 13:36:16
Nota 10.00
Ler comentários (2) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá minhas delícias! Quanto tempo!

Essa vida louca... Trabalho, trabalho e trabalho.

Eis que exatamente há um ano, concretizei o que tanto me deixava enlouquecida, trepei com o maquinista mais delícia da Companhia Paulista de trens metropolitanos (CPTM). Quero deixar claro que eu tinha uma neura de pegar somente o último vagão do trem, sei lá porque! Certo dia, estava atrasada para uma reunião e resolvi descer e pegar o primeiro, na verdade poderia ter entrado em qualquer um. Como eu pego diariamente na estação final, os trens chegam e ficam alguns minutos até a partida. Lá, concentram-se os maquinistas que atendem a uma escala de horários, ali estava um deles... Caralho, um menino gente! Assim que o vi, tive certeza que era bem novinho este desgraçado rsrs! Isso nunca havia acontecido comigo antes. Sempre tive atração por mais velhos ou mesma idade, mas, foi de imediato! Estou com 36 anos, casada, atributos não faltam, peito, bunda arrebitadassa e como me disseram anteriormente... Que xaninha que nada, você tem é "Buceta" que engole e aperta!!! (palavras de um amigo colorido - risos), muito sexual e sensual, gozo só de escrever. Foi algo explosivo, nos olhamos e fixamos o olhar até que ele precisou operar o trem, era a sua vez. Rapidamente entrei naquele trem lotado, mas só de saber que quem estava no comando era ele, me doía a buceta de tanta excitação! Não o via todos os dias, mas quando nos enxergávamos era aquela loucura de olhares. E assim foram algumas vezes, até que um dia, quando cheguei à estação de destino, desci e ele se encontrava fora do trem, meu coração palpitou que nem um cavalo galopando e uma agulhada na buceta! Bom dia meu anjo! Foram as palavras dele... Retribuí e falei o quanto eu adorava que ele operasse meu trem... Deu-me o número do seu celular e disse que se pudesse me levaria todos os dias em sua cabine, pena que existem câmeras do inferno! E assim começou a nossa orgia virtual... Era muito sexo, detalhes de como seria quando desse certo, tesão, até ciúme! Por momentos eu esquecia que a nossa diferença de idade eram 11 anos, ele tem 25! Um dia resolvi bancar a "realista" e dizer que eu era muito mais velha que ele e blá blá blá. O Moleque ficou enlouquecido! E eu como já tinha tudo estruturado na minha cabeça de como seria fantástico, marquei o dia. Quarta-feira, 5 de julho, após o trabalho, aconteceu. Ele me esperava no estacionamento da própria estação, o tesão me consumia até chegar ao destino. Chegando, ele me esperava nas catracas e como amigos, fomos para o seu carro. Fiquei alguns segundos olhando para aquele rosto peladinho, ruborizado de vergonha, cabelo bem pretinho, raspado do lado, com um montinho em cima, deve ser da moda, sei lá, mas que me deixava ensandecida. Camiseta branca básica calça jeans e botina do uniforme da CPTM... Meu Deus! Beijei aquela boca com voracidade, língua quente, mãos entrelaçando a nuca, minhas unhas acariciando aquele pescoço... Ouço uma voz embargada dizendo: vamos sair daqui! Agora! Ele saiu dirigindo um tanto calado e eu também... Mas naquela calça jeans sexy se escondia um pau delicioso e suculento que eu queria engolir todinho. Acariciei sua coxa e cheguei naquela rola que faltava explodir de tão dura! Chegamos ao Motel. Nas escadas, subindo ele já enfiou a cara na minha bunda, cheirando e dizendo o quanto havia sonhado com aquilo. Minha buceta fervia. Entramos nos beijando e caímos sobre a cama, Tudo na minha mente desapareceu e encarnei a Deusa do sexo. Tirei a camisa dele, botas, calça, meias e cueca, pelado era divino, corpo de menino e uma barriguinha de cerveja que eu dei várias mordidinhas, uma delícia! Pau rosado, saco mais compactado, sem pêlo. Disse a ele que ficasse em pé e encostasse-se à cabeceira da cama, quando o fez, eu comecei a me despir, estava certa que iria dominar aquilo, eu conduziria aquela trepada. Tirei minha roupa devagar, acariciei meu seios grandes com os mamilos rosadinhos, clarinhos e endurecidos de tanto tesão, sapatos, calça... Fui engatinhando até encontrar aquele pau duro e quente, veias amostra, lindo... Abocanhei, comecei a chupar e sugar a cabecinha, umedeci bastante e logo desci ao corpo do pau, subidas e descidas ritmadas, sucção da cabeça, apertando as bolas de leve, lambendo-as e acariciando a parte interna de suas coxas, devo ter ficado lá uns 15 minutos, não resisti! Puxei e o joguei na cama, sentei naquele pau, minha buceta fervia, molhada e como se fizesse agachamento, cavalguei! Batia com força minha pelve sobre a dele, ele massageava meus peitos, gemia e dizia: Você é um demônio que apareceu na minha vida! Respirações ofegantes, deitei sobre ele... Me tirou rapidamente de cima e me falou: Agora é a minha vez de chupar sua buceta meu demônio com cara de anjo. Minha vagina já estava toda ensopada, quente, inchada, mesmo assim, ele mergulhou, lambia, chupava, sugava meu clitóris, percebi que sua boca estava úmida, ele não parava, eu, com certeza em outra dimensão. Enfiava a língua, massageava, foi quando eu disse: Me beija meu menino... Com a boca molhada com minhas gozadas, me beijou... Na boca aquele gosto de sexo, que me deixava cada vez mais enlouquecida! Retornamos, arreganhei minhas pernas e disse: entra... Ele, as segurou no alto e enquanto lambia meu pezinho enfiava aquela vara com bombadas fortes, fazia até barulho de tão molhada que estava... Eis que, claro, tinha que usar da minha melhor arma, meu rabo! Ele é bem arrebitado, com marquinha de biquíni fio dental e pêlos descoloridos. Ele ficou maluco, enfiou a cara na minha bunda, lambia minha buceta e subia até o cuzinho que já estava ensopado por conta do excesso de tesão que saia de mim... Enfiava a língua e o dedo, até que eu, com as duas mãos abri meu rabo e disse: fode amor, fode meu cuzinho! Nossa, imaginem... Ele começou a forçar forçar até que eu engoli seu pau com meu cú, entrou tudo e ele ainda com movimentos tímidos uivava de prazer. Pedi que pegasse o meu cabelão loiro que vai até a cintura, e puxasse, virei um pouco minha cabeça já dominada e gemi: Arrebenta meu maquinista, arrebenta meu rabo que eu adorooooooo!!! E assim foi feito. Batidas fortes, eu gozando como uma cadela... Uma mistura de dor, prazer, vontade de gritar e ele não parava. Resolvi finalizar com chave de ouro, ele deitou e eu cavalguei com o rabo naquele pau divino, entrava e saia daquele cú e ele com os dedos na minha buceta dizia: De onde você saiu mulher? Eu vou gozar! Pronto, encheu meu rabo de porra! Que delícia meus amores, sensacional! Tomamos uma ducha e nos vestimos. Eu queria mais e mais. Na volta descontraímos, tomamos um café e nos despedimos, era uma quarta-feira. Não o vi no dia seguinte. Na sexta sim, nos encontramos na estação. Ele, a serviço: bom dia meu anjo em tom de voz normal e ao passar por mim sussurrou: Tenha um bom dia, meu demônio. Clarooo que me ensopei toda né! Bora trabalhar?

Beijos minhas delícias e até a próxima! ;)

Comentários

19/10/2017 17:41:41
Porra loira que conta. Gozei imaginando vc, ponto a ponto, letra a letra, palavra por palavra...rsrsr dinizboss@hotmail.com
12/08/2017 15:19:47
Não resisto... Molhada...

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.