Casa dos Contos Eróticos

Dando pro melhor amigo!

Autor: Morena
Categoria: Heterossexual
Data: 16/05/2017 01:47:42
Nota 10.00
Ler comentários (10) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá pessoal!

Passei um tempo sem escrever, pois está tudo muito corrido. Porém, hoje vim contar para vocês sobre como foi quando eu dei pro meu melhor amigo!

Bom, pra quem não me conhece, eu tenho 18 anos, mas na época que o conto se passa, eu tinha 15. Sou morena, cabelos lisos até a altura dos seios, coxas grossas, bumbum grande e seios médios. Claro, uma cinturinha fininha graças à academia!

Bom, vamos ao conto.

Não fazia muito tempo que eu havia terminado com Marcos e acabei me afastando de tudo para curtir a foça.

Fazia calor demais numa certa tarde e como eu estava sozinha em casa, resolvi ficar à vontade, nem tirei o meu pijama que era composto por uma regatinha branca que só cobria a metade da barriga e por um short branquinho que só tampava a polpa do meu bumbum. Deitei para assistir televisão, mas só conseguia pensar em Marcos, pensar em como ele fazia falta e sobre como eu estava aguentando tanto tempo sem transar. Fechei os olhos e lembrei do jeito que ele me tocava, do seu jeito canalha na cama e amoroso na rua, de como ele me maltratava entre quatro paredes e me dava flores no jantar.

Mal terminei de relembrar nossas transas quando ouço a campainha tocar e estranho, pois não estava esperando ninguém e minha mãe teria avisado caso chegasse mais cedo. Pude ver pelo portão que era Pedro, meu melhor amigo!

- Que surpresa maravilhosa! – Exclamei com um sorriso enorme no rosto e ele retribuiu.

Havíamos nos afastado por conta do meu namoro, pois Marcos morria de ciúmes dele! Não era pra menos... Pedro sempre foi muito bonito e um amor de pessoa! Aproximadamente 1,90 de altura, forte por conta do amor aos esportes, sua pele branca demais fazia contraste com o cabelo escuro jogado pro lado e sua barba bem feita lhe dava um ar de mais velho.

Abri o portão e o abracei forte, senti seu perfume familiar me entorpecendo e não quis larga-lo nunca mais! Ele usava um short jeans escuro, uma camiseta polo e um sapatenis, bem estilo playboy mesmo!

- Como seu senti sua falta, Morena... – Ele falou enquanto me abraçava com força.

Afastei nossos rostos, mas não soltei do abraço, queria olhá-lo de pertinho e admirar aqueles olhos azuis sorrindo pra mim. Me deu um beijo na testa e entramos em casa. Pedro já era tão intimo que não hesitou em ficar descalço e se jogar no sofá.

- Cadê a tia? – perguntou com entusiasmo.

- Foi viajar com o namorado – respondi e vi um desapontamento em seu olhar – Volta aqui semana que vem! Ela tá com saudade de você – tentei consertar.

Pedro concordou com a cabeça e me sentei no tapete felpudo na frente do sofá. Começamos a conversar sobre a minha escola, sobre a faculdade dele, sobre seus pais e suas viagens malucas. Até que chegamos naquele assunto. Ele delicadamente sentou-se ao meu lado no tapete felpudo, tomou minha mão entre as suas e disse em um tom amável:

- E como você está lidando com o término do namoro?

Hesitei um pouco antes de responder, até porque eu mesma não sabia a resposta. Então resolvi deixar o meu coração falar. Olhei para baixo e comecei:

- É complicado você terminar com uma pessoa quando gosta muito dela – ele me fitava enquanto eu falava – Mas, foi necessário. Quero vê-lo bem, com outra pessoa, seguindo seu rumo e eu sigo o meu – olhei para Pedro – Porque deixar partir às vezes é bem menos doloroso.

E pela primeira vez me senti livre. Falei o que eu realmente estava sentindo, não o que queriam ouvir. Ele me olhava pasmo, mas muito orgulhoso e eu sorri agradecida por ele me proporcionar essa libertação.

- Você é fantástica! – Ele disse me puxando para si e nos abraçamos forte.

Ficamos ali por um bom tempo, abraçados no silêncio e eu podia ouvir a intensidade de sua respiração mudando de acordo com seus batimentos.

- Deveríamos tomar um vinho pra brindar ao meu desapego! – Sugeri e ele riu.

Levantei num pulo e fui em direção à cozinha. Peguei o vinho, duas taças e cortei um queijo em cubos para aperitivo. Como era muita coisa pra eu levar na mão, coloquei numa bandeja e retornei à sala. Nesse momento, ele me olhou de cima a baixo e mordeu instintivamente o lábio inferior. Imediatamente lembrei que ele já havia me falado que sentia um grande tesão em mulheres fantasiadas de empregada e aquela minha bandeja insinuava muita coisa.

- Cortei um queijo também pra gente petiscar – falei tentando disfarçar o rubor em minhas bochechas.

Deixei a bandeja na mesinha de centro em nossa frente e ele abriu o vinho para nós.

- Um bride à você – disse já com as taças cheias.

- Um brinde à nós!!! – Exclamei e brindamos.

Começamos a beber e conversar sobre tudo! Relembramos nossos passeios juntos, nossas bebedeiras, sobre como as namoradas dele morriam de ciúmes de mim, sobre como os amigos dele eram loucos pra sair comigo e tudo mais.

Quanto mais conversávamos, mais a garrafa de vinho secava e mais leves e soltos ficávamos.

- Acho que deveríamos comemorar a sua volta à solteirice!! – Ele disse bem descontraído.

- Como?

- Hoje nós vamos sair!

Hesitei um pouco e ele pôde ver a incerteza no meu olhar, então apressou-se em me convencer:

- Vamos numa baladinha! Vai ser legal! Eu ligo pra uma galera e nos encontramos com eles no caminho! Você sabe que sempre te deixo na porta de casa!

Resisti um pouco no começo, mas depois de tanto esforço acabei aceitando!

- Tudo bem, então só preciso me arrumar!

Pedro concordou e me levantei de uma vez, só aí fui sentir como havíamos tomado vinho! Fiquei tonta e cambaleei um pouco, provocando um riso humorado nele.

- Precisa de ajuda, gatinha?

- Se liga! – Respondi indo meio tonta em direção a cozinha com as taças na mão.

Deixei tudo em cima da pia e abri a torneira, porém estava tão alterada que não prestei atenção na intensidade da água que espirrou toda em minha blusa branca, me fazendo arrepiar e soltar um gritinho.

Pedro prontamente apareceu na cozinha.

- O que houve? – Questionou preocupado e eu me virei pra ele.

Ao me ver com aquela blusinha branca toda molhada e transparente, Pedro não escondeu o tesão e fez uma cara de safado impagável! Mordeu o lábio inferior e sorriu com os olhos. Fiquei tão vermelha com aquela situação que saí correndo dali e fui em disparada em direção ao meu quarto. Cheguei extremamente tonta e sentei na minha cama com a cabeça baixa esperando tudo parar de rodar.

Foram questões de segundos para ouvi-lo bater na porta do quarto.

- Entra, Pê – falei ainda de cabeça baixa.

O senti sentando do meu lado e apoiou os cotovelos nos joelhos.

- Você ficou com vergonha de mim? – Questionou e eu pude senti-lo me fitar.

Fiz que sim com a cabeça e ele continuou:

- Você não precisa sentir vergonha de mim... Quantas e quantas vezes saímos pra beber juntos e eu tive que te dar banho bêbada? – Relembrou e nós dois rimos – Já te vi nua tantas vezes que não achei que você sentisse vergonha.

- Mas, sinto – olhei para Pedro – Me desculpa, Pê. Acho que eu passei tanto tempo acostumada com apenas o Marcos me vendo nua que acho estranho quando homem vê meu corpo.

Ele sorriu de um jeito que eu adorava e me deu um beijo na testa.

- Não precisa ter vergonha de mim! Eu sou seu melhor amigo e você tem um corpo maravilhoso! Agora vai tomar banho que eu conheço como você demora pra se arrumar.

Dei um pulo da cama e ele se deitou pra assistir TV lá mesmo. Entrei no banheiro do meu quarto, prendi meu cabelo, tirei meu short e minha blusa, ficando apenas de calcinha. Foi quando lembrei que tinha esquecido minha toalha na mesinha ao lado da janela, que ficava do outro lado do quarto. Pensei em pedir pra Pedro pegar pra mim e esticar apenas o braço pra fora do banheiro, mas ele queria que eu não sentisse vergonha, não é mesmo? Então segurei o rubor nas bochechas, tapei os seios com os braços e saí do banheiro lindamente em direção à toalha. Naquela situação o quarto parecia enorme e não parecia ter fim! Pude sentir seu olhar me acompanhando por tempo demais até eu chegar na toalha e me enrolar nela. Voltei ao banheiro sem falar nada e antes de fechar a porta vi sua expressão surpresa com a minha atitude e seus olhos arregalados.

Liguei o chuveiro rindo baixinho da situação e tomei um banho caprichado, porém rápido. Me sequei e o pesadelo começou “Como vou encará-lo agora?”. Fiquei apreensiva, mas logo depois pensei melhor e cheguei à conclusão que eu precisava ser menos careta, afinal, ele disse que era só meu melhor amigo! Saí do banheiro enrolada apenas na toalha e fui em direção ao guarda-roupa.

- Não sei com que roupa eu vou – falei tentando quebrar o silêncio entre nós dois.

- T...TentaV-Vestido – ele respondeu gaguejando e me fez rir.

Abri a gaveta de calcinhas e peguei lingerie azul marinho. Deixei a toalha cair, ficando totalmente nua na frente dele e vesti minha calcinha bem devagar. De um jeito estranha, eu estava gostando de vê-lo daquele jeito por minha causa. Pedro sempre foi muito desejado, mas eu nunca o havia enxergado como homem como naquele dia.

Sem virar para trás pude ouvi-lo levantar da cama e quando me virei, depois de uns segundos, ele estava atrás de mim me olhando com uma expressão séria que me causou um arrepio.

- Morena, eu falei que você não precisava sentir vergonha de mim -me olhou de cima a baixo – mas, você tá provocando! Não esquece que eu sou homem.

Olhei para baixo e murmurei:

- Não te entendo.

Pedro ergueu meu rosto com o indicador no meu queixo e disse com o rosto bem próximo do meu:

- Eu sempre te vi como uma irmã porque você sempre se comportou como minha irmã. Mas, a partir do momento que você se comportar como mulher, eu vou te enxergar como mulher e você vai ter que lidar com as consequências.

- E quais são as consequências? – Perguntei erguendo uma sobrancelha e ele olhou para baixo com uma timidez suspeita.

Ri e fui em direção ao banheiro, fechei a porta e comecei a me maquiar. Num movimento brusco, Pedro abriu a porta e me virou de frente pra ele, me fazendo ficar apoiada na pia.

- Tá ficando louco? – Falei indignada.

- TÔ! – Ele gritou – LOUCO POR VOCÊ, MORENA!

Fiquei surpresa com aquela atitude e arregalei os olhos enquanto ele me abraçava. Retribui o abraço e, já sentada na pia, entrelacei minhas pernas em seu tronco. Seu cheiro me entorpeceu um pouco mais e o efeito afrodisíaco do vinho não ajudava muito. Beijei seu pescoço em movimentos suaves e fui subindo até encontrar sua boca, onde eu beijei com força e vontade. Parecíamos dois loucos insaciados e com sede um do outro. Rapidamente ele me deixou em pé e de costas pra si, beijou minha nuca enquanto acariciava meus seios sob o sutiã e eu rebolava com vontade até sentir o seu pau duro.

- Desse jeito você acaba comigo – sorri ao ouvir aquela voz gostosa falando assim comigo.

Numa rapidez épica, pulei na cama de bruços, ficando toda empinada pra ele e dei um sorrisinho safado. Pedro pegou minha câmera profissional em cima da minha penteadeira e falou:

- Sorri pra mim.

Dei um sorriso safado e empinei ainda mais a bunda. Foi um “CLICK”. Sentei apoiada nos joelhos e tirei o sutiã. Outro “CLICK”. Olhei pra câmera séria e depois fiz uma careta enquanto ele clicava inúmeras vezes. Pedro deitou-se na cama e eu fiquei em pé na sua frente, coloquei o remix de uma música e comecei a dançar lentamente para ele enquanto abaixava a calcinha e ouvi mais um milhão de “CLICKs”.

Era uma sensação estranha estar ali com o meu melhor amigo, mas ao mesmo tempo era bom, porque ele me conhecia totalmente, sabia exatamente como me tratar e como fazer tudo comigo. Pulei na cama e tomei a câmera de suas mãos.

- Agora é a sua vez de posar pra mim.

Pedro riu de um jeito canalha que eu adoro e levantou-se. Tirou a camisa lentamente e sorriu ao me ver hipnotizada, depois abaixou o shorts e ficou apenas com uma cueca box branca. Mordi o lábio inferior ao ver o volume e fotografei tudo que eu tinha direito... Até onde o meu desejo me permitia. Em um certo momento, desliguei a câmera e a deixei na cabeceira da cama, em seguida pulei em seu colo e lhe dei um beijo caloroso.

- Por que você é tão gostosa?

Respondi com outro beijo ardente e deitamos na cama, ele por cima de mim acariciava meus seios e deslizou a mão até a minha bucetinha lisinha, onde começou a manipular o grelinho e eu comecei a gemer baixinho.

- Isso! Geme, gostosa... – Mas, para ele não foi o suficiente.

Pedro enfiou dois dedos de uma vez dentro de mim, o que me fez ir à loucura e revirar os olhos. Começou a mordiscar meu pescoço enquanto ficava num vai e vem gostoso dentro de mim.

Aquilo era tão bom que desejei ficar ali pra sempre! Saí do meu transe quando Pedro tirou os dedos de dentro de mim e os colocou na sua boca, tomando todo meu melzinho. Sorri pra ele e já sabia exatamente como agradá-lo. Dessa vez eu fiquei por cima e lhe dei um beijo molhado, mordi seu pescoço, seus mamilos, o pé da barriga... E comecei a beijar seu pau por cima da cueca.

Ao abaixar sua cueca, mordi o lábio em como seria gostoso e, ao mesmo tempo, dolorido sentar naquilo tudo! Não era lá muito grande, mas era extremamente grosso, muito mais que o do Marcos. Ao ver minha expressão, Pedro riu e jogou a cabeça pra trás. Beijei a cabecinha de seu pau, passei a língua por toda a base e depois abocanhei de uma vez!

Enquanto eu chupava e babava muito naquele pau, massageava as bolas e fazia carinha de puta.

- Isso, Morena, não para, não...

Obedeci e continuei chupando tudinho, Pedro se contorcia de tesão e passava a mão carinhosamente no meu cabelo. Confesso que aquele gosto era uma delícia! Eu já estava tonta por conta do vinho, os movimentos bruscos do boquete me deixaram mais alterada ainda e eu chupava com voracidade! Sem aguentar mais, Pedro falou:

- Vem fuder, vem!

Prontamente me posicionei em cima dele, encaixei a cabecinha do pau na minha bucetinha e fui descendo. A medida que eu descia ia doendo mais e soltei um grito enquanto fazia carinha de choro. Pedro me olhou com uma sobrancelha erguida e tratei de responder:

- Tá doendo, é muito grosso!

Ele riu da minha cara de dor e começou a fazer carinho no meu bumbum pra me tranquilizar. E funcionou! A dor foi se transformando em prazer e eu soltei um suspiro de alívio. Comecei a sentar devagar e com cuidado pra não me machucar, gemendo manhosa. Pedro controlava os movimentos com as mãos no meu quadril e começou a fazer mais rápido e a me fazer sentar com mais força. Doía um pouco, mas me contive e continuei gemendo.

- Pê, me come de quatro? – Pedi manhosinha e ele, prontamente, obedeceu.

Me posicionou de quatro e ajoelhou atrás de mim, metendo de uma vez e puxando meu cabelo pela primeira vez. Me senti no paraíso! Ele metia com força, mas ao mesmo tempo era carinhoso e aquilo me deixava louca!

- Assim que você gosta? – Pedro perguntou enquanto me dava um tapa na bunda.

- Assim mesmo!!! Bate mais que eu adoro! – Respondi entre gemidos e Pedro começou a distribuir uma série de tapas enquanto continuava bombando.

Gemi tanto quanto gozei naquele pau! Pedro, ao notar que eu tinha gozado, começou a me chupar e sugar todo o meu mel, me segurei muito pra não gozar naquela língua gostosa! Num movimento brusco, deitei-o no chão e sentei de costas pra ele, rebolei com seu pau dentro de mim, quiquei, gemi e ele ia a loucura enquanto gemia.

- Assim você acaba comigo, Morena.

- Você gosta, safado? Então pede mais, pede!

- Senta mais pra mim, Morena, senta! Senta que eu tô adorando te comer!

Aquela safadeza toda era gostosa, ainda mais porque eu sabia que nos amávamos, mesmo que como irmãos. Antes de gozarmos, fui até em frente ao espelho da penteadeira e apoiei um joelho em cima do móvel, ficando toda empinadinha.

- Come meu cuzinho? – Pedi e Pedro arregalou os olhos.

- Você gosta? – Ele perguntou pasmo e adorando a ideia.

- Gosto muito! Come, por favor! – Falei com a voz fininha.

Prontamente Pedro melou seu pau na minha bucetinha molhada e depois posicionou no meu buraquinho e forçou. Doeu demais! Mas, eu amo sentir dor na hora do prazer, então pedi mais. Pedro forçou e finalmente entrou. Era tão grosso que parecia que ia me rasgar no meio, mas joguei meu corpo pra trás, fazendo entrar tudo! Aquilo o enlouqueceu e o fez meter com mais força e intensidade. A medida que doía, eu sentia meu gozo escorrer pela perna e eu gemia muito alto. Não demorou muito para que ele gozasse dentro do meu cuzinho. Assim que ele gozou me ajoelhei na sua frente e limpei todo o seu pau.

Caímos desfalecidos na cama, deitei em seu peito forte e ele começou a me fazer cafuné.

- Nunca gozei desse jeito – ele disse de olhos fechados e eu respondi com um beijo na bochecha – Eu te amo, Morena – me deu um beijo na testa.

- Eu também te amo, Pê – correspondi e lhe dei um beijo na testa também.

Adormecemos por mais ou menos uma hora e depois, claro que fomos pra festa e transamos muuuuuito na volta quando estávamos bêbados!

Mas, isso é assunto pra outro conto!

Por favor, votem e comentem caso tenham gostado!

Beijos ❤

Comentários

15/09/2017 18:48:38
Adorei nota 10... Olha meus contos... Tbm Manda fotos jopgcluis@gmail.com
08/07/2017 09:37:13
Escrita maravilhosa me prendeu do começo ao fim, que delícia. Seu amigo chegou na hora certa. A gente só cura um amor com outro amor!! Parabéns
07/07/2017 20:27:14
Incrível como quando a gente termina uma relação, sempre aparecem os amigos do ex para nos dar uma mão (e outras coisinhas a mais). Rs. Delicia de conto este menina, como eu já disse, escrito com muita qualidade. Agradeço tua visita na minha página. Beijos da Vanessa.
20/05/2017 07:27:06
Querida, tesudíssimo! O que mais dizer. Soube aproveitar muito bem o P.A. (Pinto amigo), depois de terminar um namoro. Gostei da narrativa erótica...sedutora. Fica aqui meu comentário e nota. Sem dúvida dez. Visite-me quando puder! Bjs babados.
16/05/2017 15:59:49
Amei seu conto. Com amigo é ainda mais gostoso. Parabéns,te convido a ler os meus também.
16/05/2017 10:26:31
que tesão, delicia demais
16/05/2017 09:23:29
maravilhoso gatas chamem no whats para novas amizades 9_6_9_9_7_3_6_9_9 bjs
16/05/2017 05:39:21
Muito bom !!! loirinhu_pg@hotmail.com
16/05/2017 03:13:15
És maravilhosa demais, minha querida. Te adorei !!!!! Leia minhas aventuras, me escreva ou me adicione no skype: envolvente47@hotmail.com . Beijos imensos.
16/05/2017 02:24:29
Escreve pra mim, Morena... Muito bom e excitante! tkts42@outlook.com

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.