Casa dos Contos Eróticos

Paraíso das Princesas

Autor: Alemão70
Categoria: Heterossexual
Data: 14/02/2017 21:29:06
Nota 10.00
Ler comentários (1) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Paraíso das princesas

Depois de um tempo cheio de trabalho, relatarei o momento tão sublime em minha vida sexual. O momento que comi três ninfetinhas cheias de tesão. O conto paraíso das princesas é uma espécie de continuação do dia em que comi minha afilhada Naay, por isso, leiam esse conto Minha afilhada gostosa.

Depois que minha afilhada gostosa Nayy foi morar em casa, minha vida guinou de uma forma em que tinha que satisfazê-la pelo menos duas vezes por dia todos os dias. Às vezes a comia de manhã, depois do almoço e na hora da janta. Meus amigos começaram a ter certa desconfiança, pois nunca tinha tempo de sair, e quando saia, tinha que a levar, pois a menina se tornou intima, e sempre quando saia comigo, fazia questão de vestir sainhas curtas, vestidos sensuais, ou tops que expunham seus seios que cresceram mais nos meses em que ela morou em casa, de tanto serem chupados. Dizendo ela, muitos homens davam em cima dela, colegas de escola, homens mais velhos que passavam na rua e chamavam-na pra sair, ou tomar sorvete, coisas desse tipo. Um certo dia, um senhor a ofereceu cem reais só pra ela mostrar os seios dentro do banheiro de um shopping que estava vazio, mas ela recusou pois não era desse tipo de garota.

Eu percebia que a cara de safadinha que ela fazia quando me contava as coisas, era pra me dar tesão, e de certa forma isso funcionava, pois depois dela relatar suas aventuras diárias, eu a comia com mais força. Ela chupava meu pau com tanta desenvoltura que achava que sua boca era de veludo... gosava dento de sua quente boca, em seus seios, em sua não tão apertada boceta, em seu quente cuzinho. Enfim, em todo lugar que dava eu a melecava com meu esperma. Minha afilhada virou uma putinha devassa, quase que insaciável.

Um certo dia, ela veio com uma noticia que tinha convidado algumas de suas colegas para tomar banho na piscina de casa no sábado, e me pediu pra ficar fora de casa, ou trancado em nosso quarto, pois as meninas tinham vergonha de encontrarem um homem na casa (não acreditei muito). Dei a ela 200 reais para comprar bebidas e carne para preparar para o almoço, ela disse que não precisava, pois elas não comiam muito e também não bebiam. Mesmo assim, coloquei em seus seios e disse: vai comprar, vai precisar.

No sábado marcado, tive uma gripe tão forte, que nem levantei da cama e por isso pedia a Naay que nem atrasse em meu quarto pois poderia passar pra ela. Naay aceitou em foi preparar as coisas para receber suas convidadas. Por volta de 10:30, chegaram duas irmãs e logo em seguida mais três meninas lindas, uma morena e duas loiras que me deixaram com agua na boca de tão gostosas. Pensei, cara essas meninas de escola estão cada vez mais gostosas e com carinhas de safadinhas, no meu tempo de estudante não tinha quase gostosas assim, e as que tinham eram patricinhas. Fui deitar e liguei a TV para desviar meus pensamentos daquelas ninfetas.

Dei uma cochilada e acordei com um bater de porta em meu quarto

Nayy: padrinho, tá tudo bem?

Eu: tá sim meu amor, você quer alguma coisa?

Nayy: sim, eu trouxe um almoço e uma sopa pro senhor.

Eu: entre então.

Nayy: padrinho, eu quero um dinheiro. O senhor tem pra me dar?

Eu: tenho meu bem, entre e pegue aqui, ta na minha carteira nessa cômoda.

Nayy baixou uma bandeja e me deu um beijo no rosto e dizendo: meu padrinho gostoso tá dodói? Tem um remédio aqui.

Passou a mão no meu pau que estava dormindo e começou uma punheta gostosa que logo se transformou num gostoso boquete. Ela ficou uns 5 minutos mamando e de repente anunciei o gozo cujo bebeu todinho... depois que terminou, ela disse que viria me ver a tarde, e ia sair pra comprar umas coisas, pois as meninas comem e bebem muito. Ela pegou o dinheiro e saiu do quarto. Depois que ela saiu dei uma olhada do meu quarto pra baixo e vi apenas a morena sentada na beira da piscina. Que visão fantástica, ela estava com um biquíni minúsculo que escondia apenas sua vagina e os bicos dos seios, ela tinha uns seios lindos e do jeito que gosto, bem firmes e volumosos. Não sei se ela percebeu que eu a estava olhando, mas começou a se passar protetor solar em sua barriga espirrando o creme como se fosse um pau ejaculando... meu pau ficou duro na hora e comecei a passar a mão nele, e de leve uma punheta homenageando aquela morena gostosa. Ela se parece muito com Nayy e o tesão foi instantâneo.

Fui deitar pra tentar esquecer o tesãozinho que estava na minha piscina, e fiquei vendo um jogo que passava. De repente ouço um toque na porta do meu quarto bem de leve me chamando... penso que era a Nayy, e digo: entre meu amor, a porta tá aberta. Eu estava nu e sem nada me cobrindo, e pra variar meu pau ainda duro achando que Nayy já viria beber mais leite de seu padrinho... e quando vejo não era a Nayy, era a morena delicia que estava em minha piscina, peguei um grande susto, pedindo desculpas sem parar para ela.

Joyce: não se preocupe, eu que peço desculpas.

Eu: Achei que era a Nayy.

Joyce: A Nayy saiu com as meninas e como eu to com um problema pra andar, resolvi ficar para não doer mais meu pé. A proposito, o senhor tem um remédio para passar numa ferida no meu calcanhar, ontem calcei um sapato novo e ele fez um calo enorme no meu pé.

Eu: tenho sim, mas você me espere pra eu vestir algo decente. Quando estava procurando o remédio, ela me disse:

Joyce: A Nayy e eu somos muito amigas na escola, ela tá há poucos meses estudando na minha classe, mas parece que estudamos desde a infância, nossa afinidade é incrível, ela me conta tudo e eu conto tudo pra ela.

Nisso, ela me olhou com uma cara de safadinha e meu pau mesmo num short endureceu.

Eu: Achei o remédio, sente na cama que eu passarei pra você.

Joyce: ai tio vai doer? Eu não gosto de sentir dor (ela disse com uma carinha de menina aflita fazendo biquinho).

Eu: vou passar com carinho pra você não sentir dor. Comecei a passar o remédio e a ela foi ficando mais a vontade, notei que seus seios enrijeceram e os biquinhos ficaram bem destacados no soutien, depois disso, ela me fez a seguinte pergunta.

Joyce: porque o senhor chamou a Nayy de amor, e pediu pra ela entrar mesmo estando nu?

Eu: eu.... eu, há eu já a vi nua, e ela também já me viu.

Joyce: ah! Deixa de papo furado, eu sei o que vocês fazem aqui, ela me contou tudinho, e eu fiquei curiosa pra saber se você é o que ela fala.

Eu: e o que ela fala de mim?

Joyce: que ela é toda sua, e que você faz ela gozar muito nas transas, e eu particularmente notei que o corpo dela mudou um pouco nesses meses.

Eu: acho que é de tanto transarmos kkkkkkk

Joyce: eu pedi a ela que ficássemos um pouco sozinha com você aqui, e que ela levasse as outras meninas pra dar tempo...

Eu: dá tempo de que?

Joyce: de...

Ela imediatamente me deu um beijo e foi pegando em meu pau que a essa altura enrijeceu-se, ficamos uns minutos num beijo frenético, ela arrancou a minha cueca e começou a mamar como uma bezerrinha querendo leite, Joyce sabia como deixar um homem louco com um boquete, ela massageava minhas bolas e com a boca chupava e engolia meu pau até bater em sua garganta, eu dizia, chupa sua putinha gostosa, engole o pau do coroa, ela me olhava nos olhos e mamava gostosamente. De repente ela parou e começou a tirar seu biquíni para mostrar-me aquele delicioso corpo de ninfeta, seus seios eram muito parecidos com o de Nayy mas ela tinha um pouco mais de corpo do que minha afilhada. Invertemos a posição e comecei a beija sua barriga deitei-a na cama e chupei aquela xaninha deliciosamente que exalava um delicioso cheiro de fêmea novinha no cio, fiquei massageando seu clitóris com o dedo e com a língua metia em sua xana bem vigorosamente. Ela segurava o meu cabelo com força parece que ela queria empurrar mais e mais. Ela soltou um gemido alto e demorado, gozando de forma descontrolada em minha boca. Deitei no lado dela, coloquei uma camisinha e fui colocando de conxinha em sua buceta ainda lubrificada com o seu gozo. Ela mordia os lábios e pedia mais, eu metia com força naquela putinha e fizemos loucuras na cama. A menina parecia experiente mas ainda não conhecia metade das posições que existe em uma relação. Ela deitou na cama, e na posição papai-mamãe coloquei os seus pés em meu peito fazendo com que meu pau fosse ainda mais fundo. Joyce estava num transe com os olhos fechados e mordendo os lábios, enquanto eu metia bem fundo, e novamente ela urrou alto como uma cadelinha gozando mais uma vez. Ela estava destruída e a coloquei de 4 na cama, comecei a lamber seu cuzinho, a menina começou a rebolar deliciosamente e me pedia pra ir devagar, pois ainda era virgem do seu cuzinho. Em seguida troquei a camisinha e comecei a empurrar meu pau em seu anelzinho que piscava me chamando. Devagar fui empurrando meu membro em seu reto, e ela com as mãos controlava a entrada.

Sem nem esperar, Nayy abre a porta dizendo: Pegggggueiiiiiii. Nós ficamos na mesma posição que estávamos e nayy e mais uma de suas amigas chamada Gisele (branquinha, de altura normal, mais seios e pernas deliciosas), entraram no meu quarto, eu fiquei metendo na Joyce sem me importar com as meninas.

Nayy: padrinho, essa bocetinha é gostosa?

Eu: sim meu amor mas eu não to comendo a bocetinha dela agora.

Nayy: ah Não!

Nayy meio que espantada de ver meu pau atolado no cuzinho de sua amiga abriu a boca e colocou a mão nas nádegas de sua amiga abrindo as poupas da deliciosa bunda. A outra menina no quarto sentou-se em uma poltrona no quarto e de forma calada ficou admirando as amigas. Nayy tirou a roupa e perguntou:

Nayy: padrinho quero participar.

Eu: vem meu amor, vem dar pro padrinho...

Nayy veio até mim e comecei a chupar aqueles deliciosos e morenos seios enquanto Joyce caiu na cama quase desmaiada e deixou a vez para a sua amiga ser comida. Chupei Nayy por inteiro, um tesão quase que descontrolado chegou em mim. Nayy delirava com minha língua em seus seios, em sua barriga, em sua xota, em seus pés. Coloquei-a de 4 e enfiei meu pau de uma vez naquela conhecida bocetinha que levava rola todos os dias. Joyce se pois em baixo de Nayy lhe beijando deliciosamente. Eu metia em Nayy e Joyce lhe beijava, e de repente senti uma mão macia em meu peito alizando carinhosamente meu peito. Olhei para o lado e era a Gisele pelada pedindo se tinha pra ela também. Olhei pra ela e disse:

Eu: é claro meu bem, a Nayy já vai desocupar

Nayy: ah! Padrinho tá tão gostoso essa foda.

Eu: dei lugar pra sua amiga também.

Nayy: ta bom mas não vou sair de sua cama.

Gisele se aproximou tirou a camisinha que estava em meu pau, pediu pra eu ficar de pé e começou a mamar em meu cacete. Joyce e Nayy foram pro 69, e Gisele mamava loucamente meu pau. Deitei na cama e ela montou de um só vez, cavalgando e gemendo, Nayy estava de rosto colado ao meu e mostrava que aquilo era uma nova fase em sua vida, eu estava adorando comer 3 insaciáveis putinhas ao mesmo tempo... Gisele rebolava deliciosamente e virou e ficou de costas pra mim, fazendo com que aquele cuzinho ficasse em minha direção... coloquei o dedo e comecei a empurrar fazendo uma dupla penetração na ninfeta.

Pedi pra Gisele saísse de cima e a coloquei meu pau bem devagar em seu cuzinho que não parecia ser mais virgem, pois engolia de forma bem devoradora meu membro. Ficamos num vai-vem e ela pedia pra eu a foder.

Anunciei finalmente que ia gozar e tirei o pau de dentro da Gisele. As 3 meninas se posicionaram embaixo do meu pau, e gozei como um cavalo nos rostos e seios das meninas. Depois que gozei elas começaram a se beijar entre si, e Joyce disse a Nayy.

Joyce: Nayy você tinha razão mesmo, seu padrinho é tudo de bom mesmo.

Se

Comentários

19/02/2017 19:44:59
Gostei do conto. Já tive uma experiência parecida com meu primo e sua esposa em breve contarei

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.