Casa dos Contos Eróticos

Surpresa no meio da noite

Autor: Isa
Categoria: Heterossexual
Data: 17/05/2015 16:40:09
Nota 10.00
Ler comentários (4) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Depois de uma deliciosa férias na praia, eu e meus irmãos voltamos pra casa, agora mais apaixonados um pelo outro do que nunca! Minha mãe e meu pai se assustaram com a nossa cumplicidade no dia-a-dia, não haviam mais brigas, nem discussões, Igor sempre estava disponível quando precisávamos dele, seja pra me deixar na escola ou pra irmos ao motel escondidos enquanto nossos pais pensavam que estávamos no cinema. Sempre fazendo carinho um no outro, ou nos beijando escondido, era maravilhoso! Iasmin se tornou minha melhor amiga e a melhor amante que eu poderia imaginar, me ensinou diversas coisas, como fazer oral numa mulher, como chupar um pau gostoso, e até mesmo como aguentar horas de sexo sem cansar. Eu havia me tornado uma verdadeira putinha incansável, Igor as vezes não dava conta e depois do sexo ficava observando nós duas brincando por horas. Passei a tomar pílula pra não engravidar, assim poderíamos brincar por horas sem precisar de camisinha.

Sempre que nossos pais saíam de casa a gente aproveitava pra fazer sexo na cama deles, o perigo de fazer aquilo dentro de casa, deixava tudo ainda mais gostoso. Em uma dessas tardes, Igor havia ido resolver umas coisas no banco, que não poderia esperar para o outro dia, então ficamos eu e Iasmin em casa. O sexo com Iasmin é uma coisa maravilhosa, a diferença de idade faz com que ela me trate com uma filha, mesmo na hora do sexo, sempre me tratando com carinho e as vezes me dando umas palmadas e sendo dominadora, o que eu adoro. Nesse dia passamos a tarde inteira fazendo amor no quarto dos nossos pais, no final de tão cansadas acabamos dormindo na cama deles, quando acordei com uma carícia na minha bunda, no primeiro momento não me mexi, me deixei levar pela carícia e quando vi já estava toda molhadinha, aquela mão apertando minha bunda, Iasmin parecia que queria brincar de novo. Foi quando percebi que o rosto se posicionou entre as minhas pernas, e pude sentir uma barba roçando nas minhas coxas, definitivamente não era Iasmin, nem Igor porque ele não deixava barba por fazer, fiquei imóvel fingindo que ainda tava dormindo. A carícia parou e pude ouvir passos indo para o outro lado da cama, virei a cabeça devagarzinho fingindo ainda dormir e ao abrir um pouco os olhos pude ver meu pai fazendo a mesma coisa com a Iasmin, suas mãos passeavam pelos seios dela, bem devagarzinho, os mamilos duros e a respiração ofegante dela dava pra notar que ela também estava acordada e esperando ver até onde ele iria. Passados alguns minutos, ele saiu do quarto devagarzinho e encostou a porta, eu sentei na cama e olhei pra Iasmin, as duas sem entender nada, pegamos as roupas e fomos pro nosso quarto, ao passarmos pela sala ele tava sentando no sofá, o pau duro dentro da calça quase pra explodir.

- Oi, pai. Não sabia que o senhor tinha chegado. - Disse a Iasmin com a cara mais sonsa que ela poderia fazer, completamente nua e com as roupas na mão, como se fosse a coisa mais normal do mundo.

- É, cheguei agora, resolvi assistir um pouco de TV antes da mãe de vocês chegar, pelo visto as duas estavam aprontando. - Disse meu pai olhando pro nosso corpo, eu estava completamente vermelha, não sabia aonde enfiar a cara.

- É o calor, como seu quarto é mais ventilado resolvemos dormir um pouco lá, o senhor não se importa, né?

- Claro que não, podem ficar a vontade. - O sorriso malicioso dele dizia exatamente o que a gente havia imaginado, ele estava tão excitado quanto nós com aquela situação.

Fomos pro nosso quarto e enquanto pensávamos no que fazer, nossa mãe chegou em casa. Quase não consegui jantar imaginando no que aquilo iria dar. Meu pai não era de se jogar fora, ele engravidou minha mãe muito cedo e mesmo com três filhos grandes ainda estava na casa dos 40, era alto, um pouco forte, mas com uma barriguinha de cerveja, cabelo um pouco grisalho, barba por fazer e as mesmas pernas grossas e olhos verdes do Igor, apesar do tesão não sabia se conseguiria fazer aquilo, nós já havíamos ultrapassado muitas barreiras, mas acho que aquilo magoaria minha mãe.

A noite senti um calor anormal, vesti um short curto e um top pra dormir, Iasmin havia saído com umas amigas e o Igor ainda não tinha voltado da rua. Meus pais estavam na sala assistindo TV, não conseguia ficar no mesmo ambiente que eles então fui pro quarto, coloquei uma música no mp3 do celular, os fones de ouvido e rapidinho cai no sono, acordei tarde da noite morrendo de sede, percebi que a cama da Iasmin ainda tava arrumada, então ela ainda não havia voltado da noitada com as amigas, sabendo do jeito que ela era, provavelmente passaria a noite fora, agora que estava solteira, não passava uma noite do final de semana em casa, como meus pais ainda não me deixavam sair, o jeito era ficar em casa. Ao voltar da cozinha passei no quarto dos meus pais e percebi que a porta estava encostada, talvez os dois também estivessem aproveitando a noite, voltei pro meu quarto e adormeci de novo. Acordei no meio da madrugada com um peso sobre mim, era meu pai que estava deitado em cima de mim, com os braços apoiados do lado da minha cabeça e esfregando o pau dele na minha bunda, tentei forçar o corpo pra cima, mas ele não deixava, me pedia pra ficar quietinha que ele não ia fazer nada, só queria me sentir um pouco. A respiração ofegante dele no meu ouvido e os beijos dele no meu pescoço foram me fazendo ceder, aos poucos fui abrindo as pernas e o pau dele se posicionou na entrada da minha buceta, ele estava completamente pelado e o pau de tão duro parecia querer furar o meu short.

- Fica quietinha, filha, papai vai cuidar de você.

- Pai, não posso fazer isso, minha mãe não vai me perdoar.

- Fica caladinha, meu amor, ela não vai saber.

Fui cedendo as poucos e quando ele percebeu que eu queria, tirou meu short, me deixando só de top, me colocou de quatro na cama e começou a chupar minha buceta, sua barba roçando nela me fazia cócegas e me deixava muito excitada.

- Papai, vai cuidar de você, Isa.

A língua grossa dele fodia minha buceta com força, eu tentava controlar o gemido pra não acordar minha mãe no quarto ao lado, ao contrário da Iasmin ele não era carinhoso, parecia um animal fudendo minha buceta com a língua com força. Sem perguntar, tirou a língua e enfiou o pau de uma vez na minha buceta, quase gritei de dor, aquele pau grosso rasgando minha bucetinha, ele apertava minha bunda com força enquanto me fodia, me chamando baixinho de putinha, safada, gostosa, ninfeta... Apesar da força era muito gostoso, nunca tinha visto ele tão descontrolado, o suor dele pingava nas minhas costas, eu estava completamente molhada e dominada por ele. As vezes quando estava prestes a gozar ele parava e eu pedia mais, rebolando a minha bunda no pau dele, ele me segurava e me mandava ficar quietinha, depois voltava a meter com força de novo, até que gozou tudo dentro de mim, molhando meu lençol de porra. Me deu um beijo na testa, se enrolou na toalha que estava jogada na cama e voltou pro quarto dele, sem dizer nada.

Comentários

21/05/2015 21:46:42
Sabe se ele fudeu a Iasmim? Vê se ela conta. Me deixou louco no leite.
18/05/2015 16:35:49
Continua ou já encerrou?
18/05/2015 01:09:39
Um bom texto, parabéns....
17/05/2015 23:12:30
Outro nível de tesão. Nota 10

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.