Casa dos Contos Eróticos

Diários de um hétero - Viagem ao paraíso

Categoria: Homossexual
Data: 16/05/2015 23:34:11
Nota 10.00
Ler comentários (26) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

A gente sempre ouve que a vida é curta. De fato, ela passa rápido e cada segundo que vivemos é um tempo que nunca mais teremos de novo. Então, o que nós resta, é fazer valer a pena cada momento que vivemos. Então, meus caros leitores, o meu conselho de hoje é: Não percam tempo com o que não traz felicidade. Às vezes a gente se esforça para que algo dê certo, mas não sente a reciproca na mesma intensidade. Às vezes, a gente alimenta algo dentro de nós e não vemos a mesma disposição no outro. Nós afastamos muitas vezes esperando uma reação que não acontece. Tem sementes que plantamos, que não germinam. A vida é assim. Cultive o que é raro, analise o que não é claro e dê adeus ao que deixou de rimar faz tempo.

Mais um fim de semana estava próximo e eu estava com muita vontade de viajar para uma cidadezinha litorânea próxima. Claro que eu queria ir com o Allan, mas sabia que seria complicado os pais dele permitirem. Uma coisa é passar a noite fora alegando estar na casa de uma amiga, outra são três dias em outra cidade.

Eu falei a ele do meu desejo em ir e é obvio que ele ficou eufórico em me acompanhar também, mas até mesmo ele sabia que isso seria quase impossível. Porém, como sempre, ele disse que daria um jeito. Eu estava saindo da academia e o encontrei me esperando na frente da mesma.

- Ué, o que você ta fazendo aqui? Você nem me avisou que vinha.

- Eu sabia que você saia por volta desse horário e resolvi te esperar. Eu já achei uma solução para eu poder ir com você.

Ele disse, já mostrando aquela empolgação infantil que eu já conhecia.

- Como?

- Meus pais vão deixar se eu for com o Guto. Eles confiam nele.

- Allan, não tem nada a ver ele ir. Eu nem o conheço direito. Como vai ser com ele lá? Ele não sabe da gente...

- Ah amor, a gente pode disfarçar e além disso, a Leticia vai junto. Iria nós quatro. Quem desconfiaria?

- Eu nem conheço ele. Seria muito estranho. E a gente teria que ficar se escondendo. Qual o propósito de ir então?

- A gente ficar juntos. A Leticia pode distrair ele e a gente aproveita. Vai amor, deixa. Vai ser divertido.

- Ta bom, Allan. Se ele é realmente de confiança como você diz, tudo bem. Mas a gente vai precisar ter cuidado redobrado. Eu não quero que ele saiba de nada.

Eu falei, fazendo ele abrir um sorriso enorme.

- Aeeeeeeee. Ai amor, vai ser tão bom, nem acredito!

Ele disse, todo empolgado. Eu sorri diante da euforia dele e o levei pra casa.

Na sexta feira, depois de tudo combinado com todos, pegamos a estrada. A Leticia tinha uma casa nessa cidade e chegamos em pouco mais de duas horas de viagem. Descarregamos o carro e fomos no mercado abastecer a geladeira. Quando voltamos, fizemos a divisão dos quartos: Eu e a Leticia em um, ele e o primo dele em outro.

Depois de estarmos todos acomodados, fomos pra cozinha inventar qualquer coisa pra comer. Montamos uns discos de pizzas e logo estávamos os devorando devido a grande fome que nos consumia. Lavamos a louça e fomos para a varanda, levando as cadeiras de praia e algumas cervejas para acompanhar.

Ficamos jogando conversa fora e rindo muito das histórias que o Guto contava do Allan quando eles eram menores. A Letícia também se empolgou e começou a contar fatos da nossa adolescência, fazendo eu quase morrer de tanta vergonha. Eu resolvi entrar e pegar uns petiscos que havíamos comprado e quando me virei para voltar, fui surpreendido pelo Allan me agarrando.

- Você ta doido???

- To. To doido, maluco, completamente louco por você.

Ele disse, engolindo a minha boca e se jogando nos meus braços. Eu o segurei com força, suspendendo-o do chão e o levei pro banheiro, que estava mais próximo.

Eu tranquei a porta do banheiro e o prensei de frente contra a pia. Mordia seu pescoço, arranhava sua nuca com os dentes, enquanto eu abria a sua bermuda. Eu sabia que a gente tinha que ir rápido, antes que alguém desconfiasse do nosso súbito sumiço.

Ele apoiou as mãos sob a pia e empinou a bunda, rebolando de leve para me provocar mais ainda. Eu puxei seu cabelo pra trás e mordi sua orelha, ao mesmo tempo em que encaixei meu pau na entradinha do seu orifício, esfregando devagar para deixar bem meladinho. Eu pus meu queixo no seu ombro e o olhei pelo espelho, enquanto forçava o quadril pra frente, penetrando-o devagar, observando a sua expressão.

Eu segurei sua cintura com força e empurrei meu corpo, fazendo entrar o resto do meu membro nele. Ele soltou um gemido mais alto e contraiu o corpo de dor, mas eu calei a sua boca com um beijo. Ele continuou com as mãos espalmadas na pia, enquanto eu o segurava com força e o fodia gostoso. Nossos corpos estralavam, num vai e vem frenético e as minhas mãos arranhavam as suas costelas. Aumentei ainda mais o ritmo, socando cada vez mais fundo, quase o tirando do chão.

Ele jogou a cabeça pra trás e segurou a minha bunda, apertando-a e me trazendo ainda mais para dentro dele, contraindo seu orifício com força e explodindo em um gozo intenso em seguida. Eu bombei mais algumas vezes e jorrei meu leite, o inundando por dentro.

Eu sai de dentro dele e me apoiei na parede, respirando com dificuldade, tentando me restabelecer. Deixei ele no banheiro, para que ele se limpasse e voltei pra cozinha, tentando agir com naturalidade para não levantar suspeitas. Estava bebendo um copo de agua, quando fui surpreendido pelo Guto, fazendo o copo cair na pia.

- Nossa, desculpa se te assustei. Você tava demorando tanto que eu vim ver se tinha acontecido alguma coisa. O Allan não estava aqui com você?

- Não... Não. Eu acho que ele ta no banheiro.

Eu disse, sem graça por ter deixado o copo cair.

- Sera que ele ta passando mal?

- Eu não sei...

Eu respondi, sem olhar nos olhos dele.

- Eu to bem.

O Allan respondeu, chegando a cozinha.

- Ah ta. Que bom. Você ta arranhado, vermelho. Você ta bem mesmo?

O Guto perguntou, fazendo com que eu engolisse em seco. O Allan pensou durante alguns segundo e falou:

- Acho que sou alérgico a mosquito. To me coçando inteiro.

- É, a gente devia ter comprado um repelente.

- A gente faz isso amanhã. Vamos voltar lá pra fora?

O Allan sugeriu, fazendo com que eu o agradecesse mentalmente.

Ficamos todos conversando até bem tarde e então resolvemos dormir. No meio da madrugada, sinto uma mão no meu braço me sacudindo. Eu abri os olhos assustado e vi o Allan agachado na minha frente, pedindo silêncio com o dedo indicador em frente da boca.

- O que foi? Aconteceu alguma coisa?

- Vamos na praia?

- Praia? Allan, ainda ta de madrugada. Ta louco?

- Ah, Biel, deixa de ser velho. Ta uma noite linda, quente. Vamos?

- Eu to morrendo de sono. Pela manhã a gente vai.

- Não. Agora a praia ta deserta e a gente pode curtir um pouquinho.

Ele falou, me olhando com aquela cara de pidão que só ele sabia fazer.

Eu levantei com cuidado pra não acordar a Leticia que estava dormindo na cama de casal comigo. Eu pus uma bermuda, peguei a canga que estava sob uma cadeira e fomos. A praia ficava há poucos metros e em menos de 5 minutos já estávamos com os pés na areia. Realmente o local estava deserto e a lua iluminava o mar.

Eu segurei a sua mão e andamos pela beira, molhando os pés na agua gelada. A gente nunca tinha feito isso assim antes, com essa liberdade, com tanta tranquilidade e confesso que me sentia feliz. Fomos até as pedras e estendemos a canga na areia, para nos deitarmos em seguida.

Ele deitou no meu peito e ficou deslizando os dedos pelo meu tórax, enquanto eu alisava seus cabelos.

- Será que seu primo não vai acordar e dar a sua falta?

- Não. Ele tava num sono pesado, rocando que nem um porco. Ele encheu o pote de cerveja, só vai acordar amanhã.

Ele disse, me fazendo sorrir. Eu puxei seu queixo de leve e o beijei. Meus lábios deslizavam nos dele, enquanto nossas línguas se enroscavam deliciosamente. Eu deitei por cima dele e olhei nos seus olhos.

- Eu te amo, sabia?

Eu disse, esfregando meu nariz no seu.

- Eu te amo mais.

Ele respondeu, voltando a me beijar.

Minhas mãos percorriam seu corpo, apertando-o, sentindo-o. Ele abriu as pernas, fazendo com que eu me encaixasse entre elas e esfregasse meu quadril sobre o dele. Ele abriu a minha bermuda, tirando-a devagar, sem tirar seus olhos dos meus.

- Faz amor comigo?

Ele pediu, de forma rouca.

Eu olhei rapidamente ao redor e vi que realmente não havia uma viva alma ali, só nós dois, a lua e o mar. Em poucos minutos já estava novamente dentro dele, movimentando meu quadril devagar, enquanto beijava seu pescoço e sentia-o arranhando minhas costas. Ele mordia meu ombro à medida que entrava e saia, cada vez mais fundo.

Eu acelerava e desacelerava, sentindo seu pau melar a minha barriga que eu esfregava com os movimentos do meu quadril. Ele entrelaçou as pernas em volta de mim e juntos intensificamos o ritmo. Ele apertou a minha mão, espremendo os olhos e então senti o seu primeiro jato atingir a minha pele, fazendo com que eu gozasse em seguida, em um urro que eu gostaria de ter contido, mas não consegui.

Nos recuperamos e voltamos a colocar as bermudas, para não correr um risco maior do que estávamos correndo. Ele voltou a deitar no meu peito e ficamos olhando as estrelas, que aos poucos iam sumindo com a iminência do nascer do sol.

- Eu nunca imaginei que eu pudesse ser tão feliz. Você tem ideia que eu sempre quis fazer algo assim com alguém que eu amasse, numa praia deserta e você realizou?

- Foi lindo, meu amor. Eu também to muito feliz.

Eu disse, beijando sua testa.

Acabamos pegando no sono e quando acordamos o sol já estava alto. Algumas pessoas já começavam a chegar na praia e então eu o acordei. Resolvemos dar um mergulho pra despertarmos e apesar da agua gelada, foi revigorante.

Estávamos brincando, jogando agua um no outro, quando avistei a Leticia e o Guto se aproximando. Saímos do mar e fomos ao encontro deles.

- Vocês nem chamaram a gente. Porque acordaram tão cedo?

A Leticia perguntou, mas eu sabia que ela já sabia a resposta.

- A gente não quis acordar vocês.

O Allan respondeu.

- Vocês devem estar famintos, então eu fiz uns sanduiches.

Ela falou, indicando a sacola.

Nós sentamos na areia e devoramos os sandubas, mostrando que realmente estávamos com fome. O Allan foi pra agua com o primo e a Leticia sentou-se ao meu lado.

- Vocês são loucos, sabiam?

- É, eu sei. Você acha que ele desconfiou de alguma coisa?

Eu perguntei.

- Acho que não, mas se vocês continuarem aprontando, ele vai descobrir.

- Eu sei. Você tava certa, ele é gay. Não sei se vai ser tão ruim se ele souber. Acho que ele entenderia e poderia até ajudar. O Allan falou que ele é de confiança.

- Poderia ser bom, sim. Mas é melhor esperar até você conhece-lo melhor.

- Eu também acho.

Ficamos na praia a manhã inteira e depois fomos pra casa fazer o almoço. Depois que nós comemos, o Allan deitou na rede e adormeceu e a Leticia ficou lendo no sofá, deixando eu e o Guto a sós na área externa. Estávamos bebendo umas cervejas, conversando sobre música e outros assuntos.

- Entre você e a Lê nunca rolou nada?

Ele perguntou.

- Já. A gente já ficou algumas vezes, mas isso faz muito tempo. Coisa de adolescentes. A gente sempre foi muito amigo.

- Da pra ver que vocês tem muito carinho um pelo o outro. Eu vejo o seu carinho pelo o Allan e a imensa admiração que ele tem por você. Vocês se conheceram como?

- Eu o conheço há muitos anos, a gente era vizinho.

- Ah, entendi. Mais ou menos como eu e ele. A gente cresceu juntos praticamente e eu até me sinto bem responsável por ele. A gente já passou por muitas coisas e ele sempre foi um apoio pra mim. Me ajuda a superar a saudade que eu sinto de tudo que eu deixei pra trás.

- É assim mesmo. Você deixou alguém especial lá na sua cidade?

Eu perguntei, percebendo que podia ter sido invasivo demais.

- Na verdade, sim. Eu me apaixonei por uma pessoa que eu não poderia ter gostado. Então resolvi vim fazer esse curso porque era algo que eu precisava e que sei que ajudaria a esquecer.

- Que barra, cara.

- Eu sou gay, Gabriel. E eu me apaixonei por um amigo meu.

Ele confessou, me deixando completamente sem ação. Eu fiquei mudo, olhando pra ele, sem saber o que dizer. Então ele continuou:

- Eu já tinha perguntado pro Allan se você era preconceituoso, antes da gente vir viajar e ele me disse que não. Então achei um bom momento pra contar. Acho que pode nascer uma amizade entre a gente e não quero te esconder algo assim.

- Nossa, Guto... Eu fico muito honrado. Fico feliz de você ta se abrindo comigo e saiba que eu te entendo, de verdade.

- Eu fico aliviado em saber. Eu ainda não se lidar muito bem com isso e minha família não sabe. É bom saber que posso ter amigos que me entendam.

- Claro, cara. De boa.

A cerveja estava acabando e o Guto se ofereceu para ir no mercado com a Letícia. Eu fui até a rede e passei a mão no rosto do Allan, que ainda dormia serenamente.

- Ei, dorminhoco. Você ta cheio de sal do mar, bora tomar um banho?

- Cadê eles?

- Foram no mercado. Vem, deixa eu te dar um banho gostoso.

Eu disse, pegando-o no colo.

Ao chegar no banheiro, trancamos a porta por precaução e fomos pra debaixo do chuveiro. Nos beijamos e nos amamos, fazendo amor de forma intensa, sentindo a agua morna bater no nossos corpos. Depois do ápice, ensaboei seu corpo todo, enxaguando-o e o beijando com carinho. Nos secamos e voltamos pra sala, para aproveitar mais alguns momentos a sós.

Estávamos deitados no sofá, ouvindo música, quando ouvimos eles voltando. Providenciamos um cachorro quente e todos nós comemos até nos fartar. Depois, nos reunimos na mesa da sala e jogamos imagem e ação. Nos divertimos muito com os desenhos tortos e com as mímicas mal feitas devido ao álcool que a gente consumia. No final, eu e a Leticia fomos os vencedores, apesar dos protestos da outra dupla.

Fomos dormir de madrugada, cansados e praticamente bêbados. No meio da noite, novamente senti uma mão me cutucando. Era o Allan pedindo pra eu dar um espaço para que ele deitasse comigo. A Leticia ocupava o outro lado e fui pro meio da cama, ficando de lado para que ele deitasse de costas pra mim, de conchinha.

No dia seguinte, o acordei mais cedo e fiz com que ele voltasse pra cama dele, para que o primo não desconfiasse. Passamos a manhã na praia e depois do almoço, arrumamos as coisas e pegamos novamente a estrada.

Chegamos no final da tarde e após deixarem todos em suas respectivas casas, voltei pra minha, me sentindo renovado, tranquilo e feliz.

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

Hey galera,

Mais uma parte fresquinha pra vocês e espero de coração que vocês gostem. Eu quero e não me canso de agradecer os comentários sempre tao carinhososos. E serio, os e-mails são fodas demais. É muito bom conhecer melhor vocês e morro de rir da reação que vocês tem quando eu respondo. Sim, eu respondo a todos.

_Dark_: Ta desculpado pq vc foi mto querido nesse comentário. Bom saber q vc vai continuar acompanhando e vc curte o conto. Valeu

Cintiacenteno: Brigadao!

BruceW. : Po cara, valeu mesmo. Fico mto feliz em saber. Cada um escreve de uma forma e a gente tem q respeitar, mas me deixa mto lisonjeado saber q tu curte como eu escrevo. Brigadão.

GuiCorrea: Não é Messenger não. É um endereço de email comum. Ficaria feliz de receber um email seu. Valeu

Noni: Me ofendi não. Q isso. Rsrsrs. Vcs tem total liberdade de se expressarem e eu fico mto feliz com os comentários. Os seus eu curto de montão. Valeu.

A todos vcs: (_Dark_, cintiacenteno, Junior___K, ze carlos, @Kaahh_sz, Kevina, M/A, Irish, Enailil, leonino27, FASPAN, BruceW., Babado Novo, Crystal*.*, Kayo B, jamesblack, L.Paz, Rafa_gyn, $Léo$;), gatinho02, GuiCorrea, Andersoon04, darkparadise, Noni)

Comentários

30/08/2015 12:48:41
Mais um capítulo maravilhoso. Eu acho o Allan um fofo, mesmo ele sendo um pouco afoito. O Biel tbm é um fofo. Os dois formam um casal lindo.
18/08/2015 13:53:20
Adorando, sei que não comento muito mais tenho que dizer que sua história é fantástica!!!
24/05/2015 10:56:42
Biel, adorei seu primeiro conto e estou adorando o segundo mais ainda, tu escreves muito bem e é impossível não gostar do adorável pestinha. Tudo de bom.
21/05/2015 09:50:19
Fiquei te devendo um comentário nesse conto maravilhoso né, obrigado pelo imenso carinho nos meia contos você é o autor que eu mais me expiro pra escrever, um super mega triplo beijo seu lindo 🙈😍
19/05/2015 09:04:21
Esse capítulo ficou demais. Super excitado aqui. Foi foda! O Allan passa bem demais contigo. Hahaha. Sempre curtindo.
18/05/2015 22:58:04
Caramba,Biel. Finalmente pude comentar e cara,seus contos são fantásticos,passa uma emoção muito foda. Parabéns pelo seu conto e sucesso. Obs: invejinha do Allan kkkkk,garoto de sorte.
18/05/2015 20:58:30
Mais uma vez, venho para dizer que seus relatos são incríveis e apaixonantes... Que bom que vc está feliz ao lado do Allan... Ele é muito legal...e ousado até demais claro(kkk's). Parabéns!!
18/05/2015 16:31:42
ah que casal fofoo biel,você ta amarradão nesse guri kkknão sei se lembra desse leitor sumido que adora seus contos e sentiu saudades,alem de preocupação com seu sumiço nos contos,difícil comentar quando você lança do nada capítuloscara adoro vocês,frlhcidades e sintasse abraçado querido rs'
18/05/2015 09:17:09
Aeeeeeee, mais um capitulo bem quente ai para a gente! To suando aqui kkkkkkkkk, adoro praia, adoro sexo na praia, adoro tudo que envolva sexo e praia, mas acho que nao tenho mais coragem de fazer essas coisas na praia por conta de um fato que me deixa vermelho ate hj so de pensar: estava na casa da praia da minha familia e ja fazia quase um mês que estavamos la, foi um mês sem pegar ninguem pois onde eu ia sempre tinha algum primo comigo, um dia a praia estava um pouco vazia e com a mare baixa deixando quilometros de praia a dentro com a agua no meu joelho, entao fui o mais longe que pude e me posicionei atras de um barco de pescadores e comecei uma punheta rsrsrsrs, resultado, justo quando eu cheguei ao orgasmo eu olhei para o ceu e rechei meus olhos, nessa hora nao sei de onde passou uma pequena lancha com 3 homens e 3 mulheres e ficaram todos me olhando e disfretamente começaram a rir, dpois desse dia tenho pavor de sexo na praia. Mas enfim meu querido seu conto esta ótimo como sempre e espero por mais aventuras com o Allan, te adoro Biel! Bjs e ate a proxima! E muito obrigado pelo conforto que me destes ontem a noite, eu estava precisando mesmo de um ombro amigo para chorar, vc é um super amigo!
17/05/2015 23:48:24
Hahaha podexa que eu mando um email sim, mas eu vou pedir um favor em troca hein?! Hahaha, ótimo conto. Espero pelo próximo, 10
17/05/2015 20:39:38
Sempre imagino que o Allan é um guri com o temperamento igual ao do Macaulay Culkin em esqueceram de mim hahaha. Cara, o que eu amo em seus contos, é que além de excitantes, é que também a gente percebe amor entre os personagens, e também a cada relato, a gente se sente no conto também. Algo me diz que esse Guto ainda vai aprobtar muito e rodar a baiana ainda. Assim como todos que comentaram, também não confio nele. Aguardando a próxima parte!!!
17/05/2015 15:24:44
Amei.
17/05/2015 13:33:21
Bielll do céu!! Eu tow comentando aqi sem nem ler o cap. A vrdad eh q amo ese conto e seiqamei o seu primeiro,mas asm eu axei q era apenas umconto novo ond vc usava seu nme original. Ontm resolvi reler toda aqela hst e pra mha surpresa descobri Alan Leticia e Kadu lah!!! Gente!! Cmu q eu nao me luguei nso ants?!?rsrs Fiqei bobinha aqi. E ag resolvi q vou reler dnovo os primeiros capts dse conto aqi dnovo pra entndr mais q jah entndia. Sou super sua fan. Bjuxxx
17/05/2015 12:06:47
Arrasou Biel. Nuss vc manda mt bem. Eh mt fogo. Vc eh perfeitu. Oh lah em casa. Quero mais. Eu, vc, dois filhos e um cachorro. Um edredom, um filme bom num frio de agosto. E ai? Ce topa?
17/05/2015 09:53:50
Que fofo vcs dois bom espero que esse tal de guto seja um aliado e nao um inimigo pra abalar a relação de vcs bjs bi seu lindo 😘
17/05/2015 08:37:48
Porque e que eu vim aqui né? Parabéns...muito bom teu relato...abs...e um bom dia....
17/05/2015 05:29:55
Fogosos mesmo. Muito bom, cara. Seus relatos sao os melhores por aqui, é uma maravilha de ler!
Sg
17/05/2015 03:14:42
Eae Biel, comecei a acompanha a sua historia no inicio da semana e finalmente cheguei nessa parte, to sem palavras para descrever o que eu to sentindo agora. Se fosse pra falar em uma palavra, diria que foi incrível, mas só com uma não da. Sua historia é apaixonante, emocionante ... ficaria aqui por muito tempo dizendo tudo de bom dela. No começo queria por queria que você tivesse ficado com o Bernado, mas as vezes a vida não é como realmente queremos. Ela nos mostra quem é realmente as pessoa ao passar do tempo. Fico feliz por voce ter encontrado alguem que te ame, depois de tudo que voce passou foi merecedor. Queria vim aqui para agradecer por posta essa historia linda, e voce me paga viu, voce me fez chorar e agora eu simplesmente to apaixonado, mas não ha ninguem para completrar meus s2 :( hahahaha. Mas enfim, espero que continue a publicar aqui, sempre vou te acompanha. Abraço e felicidade, ganhou mais um fã.
17/05/2015 01:46:26
Allan é muito impulsivo, mas tudo q ele faz acaba sendo tão fofo q é impossível ser indiferente
17/05/2015 01:22:42
amo.seus.contos...amado.que.idade.tem.o.allan
17/05/2015 01:05:14
Tava de boa ouvindo música na net e vim ver se você tinha postado alguma coisa e não é que tinha... A reflexão do início coincidiu de eu estar ouvindo uma música que amo: Everything (Lifehouse). E simplesmente foi perfeito... Biel, vc é de verdade???? rsrsrs Sorte do cara que tem o seu amor, o seu respeito, a sua admiração e a sua amizade. Você, é claro, não é perfeito, mas tá se encaminhando pra isso. Tá quase lá na verdade... Te adoro e o conto foi massa, como sempre! Haja fôlego pra aguentar a disposição do Allan né??? Abração cara!
17/05/2015 00:44:36
Confio no Guto, acho que você deveria ter contado a ele. Espero ansiosamente pelo próximo conto para saber se você contou ou não... A Letícia parece ser a amiga ideal... eu já tive um amigo assim... ele teve que viajar... e depois eu acabei descobrindo que gostava dele... a vida é uma droga quando se é inexperiente né?
17/05/2015 00:43:46
Parabens 👍🏻👏🏻
17/05/2015 00:41:06
Ah, que alívio, eu tinha ficado muito desconcertado com aquilo. Seu conto fica cada vez mais bonito... Uma coisa que eu notei é que você transa muito... Mas depois do Allan, você está mais "ativo", é a influência dele ou você não precisa de fôlego? Preciso de alguém assim. Kkk.
17/05/2015 00:32:20
Gosto desse guto nao ele ainda vai aprontar algo. o cap foi nota 1000 simplismente perfeito muito romantico e coitado do biel, tem q ter muita energia pra aguentar esse alann rss.
17/05/2015 00:00:27
obrigado! adorei o cap, Allan é bem fogoso! rsssssss guto, nao confio nele, mas minha impressao sobre ele pode mudar de acordo com os proximos caps. se eu nao estivesse com dor de cabeça eu comentaria mais!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.