Casa dos Contos Eróticos

Acho que estou me apaixonando por um homem... - Capítulo 13

Autor: Tom
Categoria: Homossexual
Data: 05/05/2015 15:52:32
Nota 9.87
Ler comentários (11) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Meus sentidos acordaram primeiro que eu. Senti o abraço e seu cheiro. Nem pensei direito e o apertei mais, com meus braços ao seu redor. Não queria abrir os olhos. E se fosse tudo mentira e aquilo fosse só um sonho? Poderia ser que estivesse abraçando um travesseiro em vez de Garlan. Só quando escutei sua voz foi que me permiti abrir os olhos.

“Boa noite” ele disse. Um momento de confusão me atingiu, enquanto eu tentava tirar o gosto ruim que estava na ponta da minha língua, minha garganta estava seca como se cada respiração rasgasse um pedaço do tecido.

“Garlan” falei baixinho, no momento em que olhei para o seu rosto por longos segundos. Ele estava deixando a barba crescer, tão dura ela era que arranhou minha mão quando passei por cima, tão escura quanto o cabelo do seu rosto. Garlan estava maior, tinha engordado nesse tempo em que não nos víamos, enquanto eu emagrecia. Ele fechou os olhos, sentindo meus dedos percorrerem sua pele. “Senti sua falta” admiti, sem pensar duas vezes.

“Posso ver isso” ele respondeu, rindo. “Eu sempre soube que você era maluco, mas não que era estúpido e burro, por que bebeu? Por que veio até aqui dessa forma? Achei que estava morto, seu idiota. Meu Deus, você me deixa maluco.”

“Eu queria te ver. Não foi sua culpa” eu falei, deixando ele mais confuso ainda.

“Claro que não foi minha culpa.”

“Não por isso. Não foi sua culpa por isso também, mas o acidente, não foi sua culpa. Eu… me desculpe, Garlan. Eu o odiei por um tempo. Eu sou burro.”

Os seus olhos desviaram-se para o teto branco do seu quarto, o brilho dos seus olhos estava intenso por causa da umidade. Ele pareceu triste subitamente.

“Eu acho que tive um pouco de culpa” falou. Começou a procurar algo na escrivaninha ao lado da sua cama, com uma ansiedade que eu conhecia. Ele derrubou um copo cheio de água e xingou o vento. Tentou se levantar, mas eu o puxei com o braço. Para não me machucar, ele obedeceu.

“Não fume” falei.

“Desculpa, eu não vou mudar por você, grandão” ele disse, mas estava sorrindo e não tentou sair, e eu fiquei relaxado. “Eu posso ter sido um grande bosta com você naquele dia.”

“Mesmo que tenha sido, não foi sua culpa, e eu só quero que você saiba disso.” Garlan assentiu com a cabeça.

“O pé já tá melhor?”

“Está” falei, puxando-o para um beijo, ele retribuiu, mas se afastou rindo quando eu passei minha mão pela sua barriga infestada de pelos em direção a sua bermuda.

“Não vamos fazer nada com você desse jeito.”

“Mas não tem problema, eu juro” falei. “Eu já tentei.”

“Já tentou?” ele perguntou, divertindo-se. E eu fiquei vermelho no mesmo instante. “Não precisa ficar assim. Eu não posso dizer que tenho sido um cara muito reservado.”

Seu comentário me deixou fora do lugar, mas eu consegui me controlar, porque não fui um cara muito legal ultimamente.

“Foi um um homem” falei. Garlan pestanejou para mim, com a ameaça de um sorriso nos lábios. “Bem, foi ele e a namorada dele.”

“Você tá ficando mais secular a cada dia que passa.”

“O que é secular?” perguntei, me sentindo idiota. Ele riu.

“Digamos que é uma pessoa que não se apega muito aos hábitos dos conservadores.” Ele brincou com a minha careca, que não era mais uma careca. Meus cabelos estavam crescendo lentamente, mas minha cabeça já estava preta. “E você ficou se sentindo culpado por isso? Por minha causa?”

“Está tudo bem?”

“Claro que sim. Estou feliz por ter voltado. Estou, sério. Só estou um pouco triste que não teve a sua primeira experiência comigo.”

“Você foi o meu primeiro em muita coisa” falei.

“Eu estava guardando outras coisas para uma ocasião mais especial.” Ele me deu um selinho. “Mas tudo bem. Embora eu ainda ache que tenha sido burrice ter vindo dessa forma. E sua mulher deve estar muito preocupada. Não se deve deixar as mulheres grávidas preocupadas.”

Então eu lembrei que tinha uma vida e uma namorada, que carregava o meu filho. Senti na voz de Garlan as pontadas que ele me dava.

“Não sei o que fazer com ela. Mas tenho que fazer algo. Porque eu gosto de você” falei, e gostei de ter falado. Pareceu correto. A coisa mais correta do mundo. “Eu gosto de você, Garlan.”

Ele mordeu o lábio por vários segundos até não conseguir esconder o sorriso. Naquele momento, seus lábios estavam brilhando, úmidos e esperando pelos meus. Depois que acabei de beijá-lo, ele me empurrou para a cama novamente e me colocou confortavelmente no travesseiro, segurando minhas pernas.

“Você está com um hálito horrível. Precisa escovar os dentes. E nem pensar em beber nos próximos meses.”

“Só se você parar de fumar.”

Ele não respondeu. Assisti-o andar de bermuda curta pelo seu quarto, sua bunda aparente por conta do tecido que entrava entre as bandas. Eu fiquei olhando até que ele saísse do quarto. Voltou com um copo enorme, e o que tinha dentro estava tão quente que eu podia ver o vapor saindo pela abertura.

“Só temos isso para comer hoje. Carlos não está mais inspirado, porque terminou com a namorada” ele disse baixinho, com medo de que seu amigo escutasse.

Quando ele trouxe, eu vi que era macarrão instantâneo. Fazia tanto tempo que não comia um daqueles, na verdade, as únicas vezes que comia macarrão instantâneo era quando visitava o meu tio. Minha vida inteira, sempre tive comida pronta e na mesa. Eu devorei.

“Então” Garlan falou, ao meu lado, dando beijos no meu ombro. “Eu não estou exatamente querendo que você fale algo para Magali” ele suspirou. “Não agora. Tudo mudou com aquele filho.”

“Nada mudou” foi tudo que eu disse.

“Pelo menos vai ser fácil para ela acreditar, já que ela tem conhecimento da gente.”

Aquilo me fez parar de comer imediatamente.

“O que quer dizer com isso?”

“Ela não lhe contou? Oh, bem. Ela me disse quando eu fui no hospital visitá-lo. Ela foi curta e bem direta. ‘Deixe-nos em paz. Eu estou grávida agora. Ele vai ficar comigo. Por favor, Garlan, não venha atrás dele. Eu sei sobre vocês. Mas isso tem que parar.’ Foi isso que ela disse.”

“Você foi me visitar?”

“Não me escutou? Idiota” ele me encarou. “Eu pensava que ela tinha falado.”

“Não. Eu não sei como ela descobriu. Queria ter sido eu a falar.” Queria ser o corajoso e enfrentar os problemas pela primeira vez, mas aquilo tinha sido roubado de mim. Garlan deu de ombros e me mandou tomar um banho, e foi especificamente mais implorador quando se tratou de me mandar escovar os dentes.

“Eu não posso ficar beijando você com esse fedor” disse ele.

Eu passei um tempo com ele e seu amigo. Garlan não me deixou tirar sua roupa em nenhum momento. Bastou que eu deixasse uma mensagem para Érica que eu iria dormir na casa de um amigo e tudo ficou tranquilo. Pude passar mais uma noite ao seu lado. Embora ele não tenha me deixado fazer nada, ele fez comigo.

Garlan me deu beijos quentes e duradouros, daqueles que tiravam o nosso fôlego, ainda nos deixando com vontade demais. Ao mesmo tempo, ele usava uma mão para enrolar-se na minha ereção, com tanta paixão ele cobriu o meu membro, que eu não durei por muito tempo. Eu comecei a mexer meu quadril na cama, como se empurrasse o meu pau dentro do orifício que seus dedos formavam, fodendo-o. Ele me pediu para ficar parado, porém eu não consegui. A cama fez barulho. Eu fiz mais.

“Eu pensava que você tinha transado recentemente” falou ele, limpando a quantidade de porra que eu tinha colocado para fora, como se eu realmente tivesse ficado meses sem transar.

Depois disso, a gente dormiu. E no outro dia eu voltei para casa. Tudo estava normal. Não bem, mas geralmente nunca estava bem, por isso continuava sendo normal. Meu tio foi o único que tinha um bom humor, até a sua mulher queria ir para outro canto logo. Meu pai e minha madrasta nem se falavam. Não achava que aquele casamento iria durar. Meu primo ficou de boca fechada, como eu mandei, e assim eu não disse nada também.

Minha namorada estava passando o dia com a família. Estava sendo mimada por todo mundo. Ganhava tantos presentes que poderíamos passar dois anos com a criança sem ir numa loja de roupas.

Ainda bem, eu pensava. Tinha que arrumar um emprego urgentemente. Sempre soube que deveria e nunca tive a coragem e disposição. Meu pai e minha mãe tinham dinheiro. Por que fazer algo? Mas agora uma terrível culpa me atingia. Como eu queria ser melhor do que meu pai, sendo que ainda estava preso em suas mãos? Tentando imaginar em que eu era bom para trabalhar, nada me passava pela cabeça. Tinha começado administração, mas desisti. Por mais que gostasse, sempre me imaginei estúpido demais. Meus pais se formaram e agora trabalhavam em grandes empresas. Eu nunca iria conseguir.

Magali foi me encontrar naquele dia. Eu estava deitado no quarto. Já sabia que ela viria porque foi eu quem marquei, embora agora estivesse muito nervoso e comecei a duvidar da razão de fazer aquilo.

Não. Agora não era hora de voltar atrás.

“Eu me sinto horrível” ela disse. Eu até me assustei com a cara de cansada que ela levava quando entrou no quarto. “Eu estou morrendo de fome.”

“O que quer comer?” perguntei, indo até o telefone.

“Nada! Quer que eu vomite?” perguntou ela, com raiva. Eu fiquei com cara de bobo, parado e com o telefone na mão, apenas encarando, sem fazer nenhum movimento brusco.

“Tudo bem. Sem comida, então.”

“Mas eu estou com fome. Ninguém parece que me escuta. Ah, eu odeio isso.”

“Querida, é melhor sentar aqui ao meu lado.” Aquele humor estava me deixando mais assustado.

Ela veio se sentar, e me abraçou com cuidado.

“Desculpa” ela disse. “Me desculpa. Eu estou farto da minha família. Eles estão me deixando maluca. Preciso me mudar logo, acho que devemos arrumar nossa casa. Já é tempo.”

Meu peito apertou.

“Magali, eu preciso falar algo.” Ela se afastou lentamente, colocando o cabelo longo para trás. Mordeu o lábio e me olhou, com aquele olhar de filhote apreensivo. Eu não sabia como fazer aquilo, só que devia fazer. Devia, porque eu senti o contraste imenso que teve a minha mente quanto a infelicidade antes e a imensa alegria depois de passar uma noite abraçado com aquele homem. Então decidi ser curto e grosso.

“Eu passei a noite na casa de Garlan, ontem.” Em outro momento, eu iria interpretar aquele olhar forte e seguro de Magali como sendo confusão, porém eu sabia que ela sabia. Então eu percebi que aquele seu olhar nada mais era que uma forçosa tentativa de parecer calma.

“Passou a noite com… por quê?”

“Eu acho que você sabe porque… Ele me contou que você sabe.”

“Ai meu Deus” ela abaixou a cabeça e cobriu o rosto com as duas mãos. Ficou daquela maneira por um longo tempo. Eu fiquei desesperado, mas não saí do lugar, só para tirar o lençol de cima de mim e me aproximar. Ela não fez nenhuma tentativa de se aproximar. Porém não se afastou. Foi então que eu percebi que ela estava soluçando. Toda a minha raiva e irritação que sentia por ela e já senti pareceram injustas e eu fiquei com vergonha.

“Magali, por favor, me escute.”

“Estou escutando.”

Hum. Eu precisei de um tempo para pensar.

“Eu sei que parece impossível, mas…”

“Não impossível, é que, eu apenas… Só estou um pouco surpresa” ela disse. “Só estou chocada” ela limpou as lágrimas e levantou o rosto. “E cheia de hormônios. Meu Deus, Tom, está me dizendo que você e Garlan estão…”

“Escute-me. Eu ainda não entendi direito como aconteceu, só que foi rápido. Algo nele me interessou, e isso só aumentou com o tempo. E eu vim perceber que preciso dele, muito. Ele consegue me deixar feliz.”

“De uma maneira que eu nunca vou conseguir?”

“Não foi isso que eu quis dizer.” Magali começou a rir.

“Por favor, Tom, eu sei como isso funciona. Acha que eu sou estudante de humanas por nada? Eu sei que isso não é culpa sua. Você não escolhe.” Ela riu mais um pouco. Eu não sabia o que falar da sua reação. “Por Deus, eu não consigo nem ficar com ciúmes de outro homem. Que coisa estranha.”

“Como você pode estar tão calma a respeito disso?”

“Tom, meu amor… eu não estou calma, acredite. Mas essa batalha eu não posso ganhar. Se você gosta dele… Eu só… Você é tão másculo e a gente sempre transou.”

“Eu sei” abaixei a cabeça. “Ele me disse que foi me visitar e você o mandou embora. Como você sabia, Magali?”

“Você falou o nome dele, Tom, quando a gente estava no meio do sexo anal.” Eu fiquei vermelho, senti a temperatura aumentar nas minhas bochechas. “Eu mandei ele embora do hospital, porque ali sim eu estava desesperada, eu estava grávida, Tom. Pode me culpar? Eu não armei essa criança sozinha. E você sempre gostou de mim. Eu achei que se ele saísse das nossas vidas, a gente iria seguir em frente normalmente, como sempre fizemos. Estamos juntos a quanto tempo? Meu Deus, já faz mais de cinco anos. Me desculpe…” Ela parecia muito sincera. E eu nem acreditava naquilo. Se eu soubesse que ela era assim, e seria assim, eu já teria falado há muito tempo. Poderia ter poupado até meu corpo com o acidente.

“Eu não sei o que dizer.”

“Tom… essa criança. Eu vou ter, não vou tirar, entendeu?” ela falou, como se eu fosse querer isso. Arregalei os olhos.

“Magali, eu nunca…”

“Bom, isso é bom. Porque você é o pai, e embora eu não vou forçar você a se casar comigo, você terá que me ajudar. Eu não planejei isso, Tom. Tem que acreditar em mim. Eu não sou uma pessoa ruim.”

“Magi, no momento, você é a pessoa mais maravilhosa desse mundo. Me desculpe. Me desculpe por tudo.” Eu a abracei. “Você será mãe, eu vou ser pai, e nós vamos ser amigos.”

“Isso é muita loucura para uma grávida só, eu não posso aguentar.” Ela riu para mim e me deu um beijo no rosto. “Acho melhor eu ir embora, então. Voltar para os meus pais.” Eu ainda não podia acreditar.

“Fique aqui. Durma aqui. Ainda é a mãe do meu filho, não podemos ter barreiras entre nós.”

Ela me deu um sorriso esperto. “Tudo bem” então me olhou e falou numa voz séria. “Mas você não vai me foder.”

Eu assenti, rindo, e ela logo me acompanhou.

Comentários

20/05/2015 16:30:24
Enfim uma mulher de classe...Magali: nota 10!
08/05/2015 18:14:02
Gostei demais das ultimas frases, ri muito mesmo. Amei
06/05/2015 22:52:00
Oi, nossa ou ela já estava preparada pra esse momento ou deu uma de nazaré muito bem.
06/05/2015 17:31:10
To mais chocado do que a Magali :o não esperava isso, me surpreendeu como sempre. ótimo conto <3
06/05/2015 02:48:09
Magali me surpreendeu!
05/05/2015 20:27:26
amei, quero mais e quero agora !
05/05/2015 19:54:19
Mt q bom, não esperava essa reação da Magali hahaha
05/05/2015 17:53:49
Confesso q ñ esperava q a Magali fosse ter essa reação
05/05/2015 17:34:34
Legal
05/05/2015 16:50:46
Adorei a reação dela, rara, mas adorei. Esperando a primeira vez dele ansiosamente.
05/05/2015 16:27:47
quelegal

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.