Casa dos Contos Eróticos

Intimidade com a Cunhada 3

Autor: R.R.Silva
Categoria: Heterossexual
Data: 03/05/2015 19:48:52
Última revisão: 25/02/2016 22:29:23
Nota 10.00
Ler comentários (7) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Após a saída de Nádia fiquei pensando deitado na cama, bati mais uma punheta pensando em Nádia e Gabrielle juntas comigo, gozei deixando meu sêmen cair sobre minha barriga.

Me levantei e fui tomar um banho demorado, saí e fui trabalhar, fiquei o dia inteiro pensando nas duas, saí por volta das sete horas da noite, Nádia me avisou que estava se arrumando para sair com o Marcos, fiquei em silêncio e ela disse “Não fica chateado amor, vou preparar uma surpresinha pra você, prometo” eu apenas consenti, as vezes esse negócio de relacionamento aberto é um saco, mas ela já havia me avisado com antecedência do ocorrido, conforme havíamos combinado.

Fui direto para casa tomar uma cerveja, recebi então uma mensagem de Gabrielle no Celular

Gabi: Oi

Rafa: Oi

Gabi: Cadê minha irmã?

Rafa: Ta dando por aí

Gabi: KKK

Rafa: :-)

Gabi: Vocês estão brigados é?

Rafa: Não, normal, ela ficou mais tarde mesmo, sempre fica.

Gabi: Hmmmm

Rafa: Doooois

Gabi: Besta

Rafa: Gostosa!

Gabi: Para oh, não documenta essas coisas, ta doido?

Rafa: Doido pra te pegar de jeito

Gabi: Ah é? Ia fazer oq?

Rafa: Chupar seus sua língua, seus peitos e sua buceta

Gabi: Cachorro!

Rafa: Não gosta é?

Gabi: Claro que gosto, mas você é um cachorro, falando uma coisa dessas pra mim.

Rafa: Vem aqui

Gabi: Onde c ta?

Rafa: Em casa

Gabi: Vou fazer o que aqui?

Rafa: Dar essa buceta pra eu chupar

Gabi: Para com isso...

Rafa: Nâo gosta? Então eu paro

Gabi: Não é isso...

Rafa: O que é então?

Gabi: É que...fico com vontade

Rafa: Gabrielle

Gabi: Eu :-)

Rafa: Quero muito fazer amor com você.

Gabi: aaaooonnn que fofo, eu tambem quero, meu lindo

Gabi: Mas você é um cachorro, rs.

Rafa: Como faz, vou te buscar ou você vem aqui?

Gabi: Que jeito? Meu marido sai só daqui a uma hora

Rafa: Sai pra onde?

Gabi: Viagem a trabalho

Rafa: O Caralho, ele ta é comendo aquela ruiva

Gabi: Se fudê oh

Rafa: Gabi, eu sei, ele ta fudendo com ela

Gabi: Será?

Rafa: ela vai junto né?

Gabi: vai...

Meu telefone Tocou, era Nádia, "Amor, planos cancelados, emergência no hospital, vem vindo gente ao mundo antes da hora", eu perguntei “mas cancelou com o tal cara?” ela disse “Chupei ele rapidinho no carro mesmo e sai fora”, nos despedimos, fiquei um pouco frio com ela, depois me desculpo e digo que estou me sentindo desconfortável, fiquei olhando para o celular, mas Gabrielle não respondia. Cinco minutos depois recebi outra mensagem.

Gabi: Que horas a Nádia volta?

Rafa: Apareceu mais trabalho, agora é sem previsão, quando é assim ele vai voltar no meio da madrugada

Gabi: Vou levar o fdp no aeroporto e dou um pulo aí, ta?

Rafa: Já Jantou? Faz um favor? <3

Gabi: Sim, Claro meu anjo

Rafa: Quero uma roupa provocante, de puta

Gabi: Vou pensar no seu caso,

Gabi: Tem bebida nessa casa?

Rafa: Ou venha vestida de puta ou nem venha

Rafa: Claro que tem, da melhor

Gabi: Seu cachorro

Rafa: Au au

Gabi: Apaga esse histórico ein, se minha irmã ver isso fudeu

Gabi: Tá?

Rafa: Ok

Gabi: Beijinho

Rafa: Onde?

Gabi: Na boquinha

Rafa: Ah :(

Gabi: Onde você quer?

Rafa: Na cabeça da minha rola

Gabi: Hahahha, ta bom.

Gabi: Bjo na cabeça dessa sua rola gostosa.

Rafa: Agora sim, beijo, tchau.

Gabi: Eu também tenho um pedido

Gabi: Uma ordem

Rafa: Fala

Gabi: Quero você lindo, cheiroso e de terno, igual quando você vai trabalhar

Gabi: Não quero discussão, isso é o mínimo que eu exijo.

Gabi: Xau

Tomei um banho, depilei totalmente minhas partes íntimas, preparei a mesa, as velas, e fiz um clima bem romântico, vesti meu melhor terno e coloquei um perfume caro, duas horas depois da nossa conversa recebi uma mensagem novamente

Gabi: Estou chegando, abre aí!

Ouvi uma buzina e apertei o botão do portão, ele se abriu, estava ansioso, como ela estaria vestida?

O carro parou na garagem, todos os vidros filmados, desligou e a porta se abriu, Gabrielle saiu, a primeira coisa que reparei foi seu cabelo, estava dourado como ouro, brilhando perfeitos sobre seus ombros, usava um vestido branco de pano quase transparente de alças finas e de aparência pesada, fixei os olhos e consegui ver os bicos de seus seios salientes, sua pele estava mais branca que nunca, usava um batom vermelho escuro bem forte, quase marrom, combinando com os sapatos de altos saltos e a bolsa de mesma cor. Seu sorriso se abriu para mim “ooooooiiiiiii”, colocou uma mão no cabelo e perguntou “Gostou?” eu acenei com a cabeça “Adorei” tentei me aproximar e ela esticou o braço com o dedinho mandando eu parar, deu uma volta e eu vi a polpa da sua bunda escapando do vestido bem cortado.

Quando a vi de costas ataquei, corri em sua direção, agarrei sua bunda com as duas mãos e enfiei a cara no meio de suas nádegas, mordendo-as, ela riu e escapou de mim, rindo “Opa, calma lá, um passo de cada vez”, se recompôs e eu notei que dava para ver sua calcinha.

“Da uma voltinha pra Gabi dá”, me virei devagar sorrindo e ela aplaudiu devagar “Ta muito lindo, vou comer você todinho, mas só depois”, me pegou pela mão e disse “Vamos”, puxei-a para dentro, assim que chegamos na sala escura iluminada por velas ela colocou as duas mãos na cara “Ah meu Deus, que lindoooo”, ficou olhando em volta “Isso tudo é pra mim?” eu disse “Claro que é” ela me laçou com os dois braços e me deu um beijo na boca, bem quente e gostoso, agarrei ela pela cintura e agarrei sua bunda, ela riu e paramos de nos beijar.

Peguei o vinho, e abri, ela me olhava e sorria, peguei uma taça e coloquei o vinho oferecendo-a, ela pegou e deu um gole suave, com os olhos fechados, permanecendo com eles fechados durante alguns segundos, até que abriu os olhos e disse “Excelente!”, eu iria pegar a outra taça mas ela me pegou pelo colarinho e encostou a taça em meus lábios, bebi e constatei o óbvio: O vinho estava realmente excelente.

Coloquei a taça na mesa devagar e agarrei-a pela cintura, ela se encolheu com cócegas, eu apertei e a abracei puxando-a para perto de mim, ela teve que olhar para cima, nossos narizes se encontraram, ela ficou séria e senti sua respiração, devagar meus lábios se colaram aos seus, senti toda a suavidade dos lábios carnudos, senti o cheiro doce do seu batom, da sua maquiagem e do seu perfume, senti sua língua procurando a minha e correspondi, era macia, quente e molhada, nossas línguas exploravam as bocas um do outro.

Deslizei minha mão por suas costas e ela arranhou a minhas, apertei sua bunda e senti seu mini vestido subir devagar, ela não fez objeção, pelo contrário, empinou ainda mais a bundinha, agarrei então com força os dois lados, cravando as unhas com força, ela disse “Aaai, que bruto” enquanto beijava e mordia meu pescoço.

Ela me empurrou devagar, e levantou o dedinho pedindo para que eu ficasse parado, cruzou os braços na frente do próprio peito e soltou as alças, ao descruzar os braços o vestido caiu de forma pesada revelando seus lindos seios durinhos e rosados, com os bicos durinhos. Senti meu pau pulsar imediatamente e dei um passo rápido em sua direção, agarrando-a pela bunda e erguendo-a, fazendo-a sentar com violência na mesa de canto atrás dela.

Abocanhei seus seios imediatamente e chupei e mordi com força, ela se contorcia e dizia “Isso, safado, ta gostoso”, acariciava minha cabeça com violência e perguntou “Você gosta assim?” eu disse “Adoro”, “Eu to Gostosa pra você?”, “Você está maravilhosa “, vi seus joelhos se levantarem lentamente e seus pés encontraram no meu peito me empurrando com força, ela riu quando eu tentei resistir, fiquei confuso e ela saiu de cima do móvel e veio em minha direção andando devagar, desabotoou minha camisa e tirou-a, beijou e arranhou meu peito.

Devagar desafivelou meu cinto e deixou minha calça cair, passou a mão em meu pau por cima da minha cueca e sorriu “Ta prontinho né?” eu sorri para ela e fiz que sim com a cabeça, ela pegou uma faca da mesa e se encostou em mim, encostou a ponta da faca no meu nariz, fiquei apreensivo mesmo sendo uma faca de manteiga.

Ela desceu a ponta da faca pelo meu rosto, passando por meu peito até chegar no meu pau, agarrou minha cueca pela lateral e usou a faca para cortá-la, fez o mesmo com a outra parte, puxou minha cueca com violência fazendo meu pau surgir meia bomba, ela olhou e disse “Que foi? Estava tão animado?” ela então olhou para a faca e riu “Desculpe”, colocou a faca na mesa e andou em direção à sala, vi sua bunda redondinha com uma calcinha fio dental branca, ela forçou o rebolado e meu pau subiu novamente.

Tirei a meia com meus próprios pés e fui em sua direção, ela sentou-se no sofá e cruzou as pernas, parei na frente dela e ela fez uma cara de safada séria “Pois não”, abaixei-me e agarrei sua calcinha “O que você vai fazer moço? Eu sou casada” e fez uma cara falsa de surpresa, com muita violência arranquei sua calcinha deixando sua cintura vermelha pelo puxão, ela se assustou e disse “Seu cachorro”, agarrei-a e joguei-a em direção ao sofá, meu pau roçou em sua xaninha, esmaguei os grandes lábios com a cabeça vermelha e molhada da minha rola.

Ela respirou fundo e disse “Não vamos tão rápido”, se desvencilhou de mim com uma cobra e agarrou meu pau, caindo de boca, depois de duas ou três engolidas me olhou e disse “Assim é bom né?” eu fiz que sim com a cabeça, e ela continuou um boquete maravilhoso, senti meu gozo chegando e disse “Para Gabi, para” ela parou e sorriu, “Mas já vai? Ta gostoso assim é seu cachorro?” eu disse “Tá maravilhoso, você não faz ideia”.

Meu celular vibrou, Gabi continuava a massagear meu saco lentamente meu saco, e abocanhou minhas bolas, parou e disse “Amor, não é melhor você ver?” eu fiz que não com a cabeça e ela disse “Vai que é a Nádia”, estiquei minha mão e realmente era a Nádia, ela dizia “Procedimento cancelado, alarme falso, chego em cinco minutos”.

Meu corpo deu um choque, Gabi se levantou cobrindo os seios “O que foi?” eu disse “A Nádia volta jaja, ela chega em cinco minutos”, Gabi mordeu os lábios e disse “Caralho, fudeu”, Gabi correu e pegou a própria bolsa e seu celular, eu perguntei “O que você está fazendo?” ela disse “Espera”, ligou para alguém e colocou o telefone na orelha e me puxou pela mão de volta para o sofá me empurrando pra sentar, tentei me levantar e ela fez o gesto com o dedo para eu ficar quieto e em silêncio.

“Alô, Nádia? Onde você tá?” colocou o celular em viva voz, “Oi Gabi, to indo pra casa, tudo bem?” Gabi sorriu “Tudo ótimo, preciso falar com você, to chegando aqui o Rafa já abriu a porta pra mim”, “Ta bom, já to chegando também”, “Nádia, faz um favor?”, “Claro querida, diga”, “Passa na farmácia e pega um Piroxican pra mim”, “Ai em casa tem, toma um” os olhos de Gabi se arregalaram e ela gaguejou “Ah, é, eu tomo, mas preciso ter em casa aproveita que você está perto e compra vai, não seja preguiçosa”, Nádia respirou fundo no telefone e disse “Tá bom”, Gabi riu e disse “Obrigada minha escrava predileta”, Nádia gritou “Escrava é a puta que pariu!” e desligou o telefone”.

Gabi agarrou meu pau com as duas mãos e disse “Ganhamos mais uns minutos” eu disse “Ta loca, temo que arrumar isso” ela riu alto e disse “Cala a boca”, abocanhou meu pau com força e começou a chupar rápido e forte, batendo uma punheta rápida, ficou nisso por quase dois minutos, eu me contorci e tentei segurar pois estava maravilhoso, então senti que estava chegando, e eu disse “Vou gozar” ela fez que sim com a cabeça e não diminuiu o ritmo da punheta apenas parou de chupar e deixou o pau na boca, dei um grito contido quando gozei, vi quando seus olhos se fecharam e a porra escorreu pela lateral da boca, continuei a gozar e ela não tirou meu pau de dentro da própria boca, gozei até ficar mole e ela continuou a chupar devagar.

Se levantou e disse “Ta vendo, não desperdicei nenhuma gota” eu disse “To vendo”, sua cara passou então para uma expressão confusa “Você me acha vagabunda por isso?” eu me aproximei e dei-lhe um beijo de língua e disse “Você é vagabunda, mas isso não te faz mais nem menos” ela me bateu no braço, agarrei sua bocetinha e apertei, ela riu e disse “Para, vamos correr que agora estamos sem tempo” ouvi o portão automático se abrir e Gabi disse “Corre la pra cima, e toma um banho, tira esse batom do pescoço” obedeci e corri, peguei a roupa e joguei embaixo das roupas já sujas do banheiro, no bolo de roupa peguei também a calcinha rasgada da Gabi, enrolei nos panos para esconder e guardar depoisR.R.Silva

Minha página no facebook

https://www.facebook.com/rrsilvaescritor

Email: rrsolaris@gmail.com

Meus livros que nasceram na casa dos contos

Para comprar os livros em papél:

É assim que eu me lembro 01

http://clubedeautores.com.br/book/E_assim_que_eu_me_lembro__Volume_1?topic=literaturanacional

É assim que eu me lembro 02

http://clubedeautores.com.br/book/E_assim_que_eu_me_lembro__Volume_2?topic=diversos

É assim que eu me lembro 03

http://clubedeautores.com.br/book/E_assim_que_eu_me_lembro__Livro_3?topic=literaturanacional

Para baixar Grátis os Ebooks

É assim que eu me lembro 01

https://mega.nz/#!o5BygR4J

É assim que eu me lembro 02

https://mega.nz/#!Y4x3BDQC

É assim que eu me lembro 03

https://mega.nz/#!Axh2GLLY

Comentários

19/02/2016 20:07:43
Porra, estou ficando louco.
21/05/2015 22:37:37
Capitulo 6 Publicado, espero que gostem http://www.casadoscontos.com.br/texto/
17/05/2015 15:26:02
Vocês são fodasticos!10!!!!!
dmm
11/05/2015 11:14:48
10.
04/05/2015 11:44:09
Uuuuuiiiiaaaa nota dez!!!
04/05/2015 09:09:09
belo conto, parabens , nota 10
04/05/2015 08:32:55
Muito bom, estou aguardando a continuação. será que vai conseguir ter as duas irmã? !!!!!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.