Casa dos Contos Eróticos

A puta do ônibus

Categoria: Heterossexual
Data: 19/04/2015 07:33:06
Nota 10.00
Ler comentários (3) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

  O texto abaixo é uma obra literária de ficção erótica, contato do autor: asletrasdemoura@gmail.com

Todos os dias eu entrava naquele mesmo ônibus me perguntando qual roupa depravada aquela morena gostosa usaria, como ela faria pra ser o centro das atenções durante nosso trajeto de 2 horas e 45 minutos diários, eu não sabia seu nome nem sua idade eu só sabia que ela era uma vadia, pois só uma vadia pra esfregar a xana em um desconhecido ou usar blusas tão transparentes aquele horário em um coletivo que sempre estava abarrotado de marmanjos, suas peripécias me chamavam a atenção e enlouqueciam, ela devia ter 1.70 de altura, uma morena de cabelos compridos e seios médios com um traseiro pra lá de empinado, suas coxas eram grossas e deliciosas, mas o que me deixava louco mesmo era sua boca carnuda convidativa a um boquete e a sua carinha de pervertida quando percebia um tarado qualquer à lhe encoxar, lembro-me de um dia em que ela encostada meio que de lado em um rapaz negro que estava abraçado com a namorada rebolava a bunda em sua coxa o rapaz tentava disfarçar mas era impossível e sem mais controle de seus atos começou a bolinar seu traseiro, ou outra vez em que ela fingia dormir com a cabeça encostada na janela e seu seio lindo de bico duro estava completamente à mostra pra qualquer um ver, mas minha maior inspiração para gozar pensando nela em minha cama solitário fora o dia em que ela acariciou o caralho do cobrador despudoradamente sorriu e fora para o meio do ônibus me deixando ali hipnotizado com seu jeito de cadela no cio.

Era uma quinta-feira e por conta de um pneu estourado no ônibus da frente uns 25 passageiros entraram no nosso que já estava bem cheio, o aperto foi inevitável, a morena sorria da situação no mínimo devia estar imaginando sua próxima perversão, eu estava mais tesudo do que nunca e resolvi me aproveitar e com muito esforço fui me colocando próximo dela, o empurra empurra para os novos passageiros se acomodarem me presenteou e lá estava eu bem atráz da vagabunda, sentido sua bunda empinada e seu cheiro delicioso.

Ainda restavam mais de 2 horas para o fim da viagem e como a maioria estava muito cansado de um dia de trabalho alguns dormiam pois as luzes estavam pela metade no ônibus, a cadela vestia uma saia preta curta de pano mole que deixava suas coxas totalmente à mostra, meu caralho vibrava com a sensação de seu traseiro roçando nele, sua blusa era amarela de alcinha, o que deixava aqueles peitinhos apetitosos livres para balançarem deixando eu e todos os homens presentes loucos com aquela visão, mas a minha visão era privilegiada pois por cima dos seus ombros eu podia vê-los por completo, o colo e os bicos duros, gostosos, atrativos, eu aproveitava o balanço do ônibus para encoxá-la mais e mais, eu podia sentir as nádegas se abrindo com a pressão de meu corpo, na frente da morena estava uma moça sentada no corredor muito bonita, loira de seios enormes dentro de uma blusa apertada e uma calça jeans que parecia que iria explodir tamanha era sua xana partida ao meio pelo jeans cavado, na janela ao seu lado estava um senhor dormindo com a cabeça no vidro, reparando na loira sentada pude perceber que as pernas da minha "dama do lotação" estavam sendo expremidas contra seu ombro e a xana com certeza estava lhe roçando, a loira entremente olhava para o meio das pernas da minha morena e em um dado momento lambeu os lábios, aquilo me deixou próximo do gozo e em um ato ousado passei a mão na coxa da morena que olhou rápidamente para trás, seu ato me congelou, imaginei ser esculachado ali mesmo, chamado de tarado e tudo o mais, mas não, ela abriu um sorriso e disse olhando nos meus olhos com meu cacete ainda latejando encostado ao seu traseiro :

-Que horas são ?

Meu tesão era tanto que tive até dificuldade para responder:

-São 19:23 linda.

Ela sorriu e agradeceu o elogio, e então senti sua mão pegando na minha e colocando-a em sua coxa, pude sentir seu suor, que loucura meu pau latejava demais e a morena remexia discretamente nele, a pele suada e quente de sua coxa na ponta dos meus dedos foi me fazendo ficar mais ousado e eu já massageava sua coxa frenéticamente, ela remexia o cabelo fazendo seu perfume de fêmea no cio tomar meu desejo em suas mãos, eu subia minha mão devagar ainda cauteloso, mas cautela medo ou pudor eram palavras que aquela safada morena não conhecia, ela mais uma vez pegou minha mão e subindo até sua cintura me fez pegar na alça de renda da sua calcinha, ela virou o rosto pra tráz e murmurou para mim com uma voz rouca e tesuda:

-Rasga ela !

Sem pensar um instante sequer eu rasguei aquela seda gostosa que estava em minhas mãos, senti sua calcinha cair pela metade presa apenas pela outra alça, o corpo da morena tremeu de desejo, ela meneava a cabeça de um lado para o outro sôfregamente enquanto minha mão encontrava a sua xana que escorria e transpirava, ela guiou minha mão até sua bunda carnuda e então o ato da morena me deixou ciente de que além de tarada ela era uma menina muito má, uma verdadeira pervertida, enquanto eu apalpava seu traseiro como um louco ela esfregava sua xana quase toda de fora da calcinha no ombro da loira que estava sentada à sua frente, a loira olhava para cima e seus olhos estavam cheios de um brilho erótico, sensual e safado, de repente a escuridão aumentou pois entramos no primeiro túnel pelo qual passávamos em nossa viagem diária, naquele ar noturno beijei o pescoço da morena que murmurou em meu ouvido :

-Gosto de homem safado!

Resoluto em lhe provar minha safadeza, coloquei meu pau pra fora e pus entre suas coxas, a morena virou a cabeça toda pra tráz e me deu um leve beijo nos lábios, de repente uma mão tocou meu saco que estava inchado com minha porra, era a loira do banco em frente a morena, meu deus não podia acreditar, era mais do que eu podia imaginar em minhas punhetas para aquela puta, éstávamos prestes a sair do túnel quando senti a mão da loira guiando meu pau até a buceta quente da vadia morena, meu pau entrou com muita facilidade, apesar de apertadinha sua xota estava muito melada, seu melzinho descia pelo meu caralho que estava com seus 18 centimetros atolado até o útero daquela puta, a safada remexia o traseiro fazendo meu pau ficar louco em sua xereca enquanto se esfregava no ombro da "amiguinha", tínhamos saido do túnel e a cena era quase imperceptível, eu ali em pé colado na morena comia sua xota e a loira puta e lésbica sentia a xaninha roçando o grelo em seu ombro, um dos passageiros passou por tráz de mim para descer e a morena aproveitou para dar uma rebolada daquelas, não aguentei e jorrei minha porra quente e grossa lá no fundo daquela piranha que suava e murmurava baixinho, entramos no segundo túnel , esse mais longo e escuro, e mais uma vez senti a loira e suas mão habilidosas de meretriz em meu cacete, ela o retirava da xaninha e ia lambuzando a mão com a porra que escorria da xota daquela égua no cio morena, de repente entre os lampejos de luz na escuridão daquele túnel pude ver ela lambendo a porra em sua mão, meu pau ainda pra fora melado e roçando no traseiro da morena com aquela cena se pôs de pé de novo, a morena acariciava a cabeça do caralho com as pontas dos dedos e de repente pude sentir uma outra mão em meu saco subindo pelo corpo do pau e apertando-o, mas nem mesmo em meus sonhos mais louco imaginaria o que estáva por vir, sem aviso senti uma língua tocar a pontinha da cabeça do meu pau e estremeci, a morena olhou para tráz e sorriu, a loira me chupava por entre as pernas da puta morena, ali com a cabeça debaixo de sua saia, meu deus elas eram putas sem limites e isso me encantava, naquela escuridão quase total a loira me mamava com a cabeça ali rente ao púbis da morena sentindo o perfume que vinha da xota daquela safada cheirosa, eu sentia a língua passando em volta da cabeça do pau e a morena remexer os quadris, já não tinha mais limites meu tesão, fui deslizando minha mão pela barriga da morena entrando por baixo de sua blusa até chegar naqueles peitos que meu deus eram muito duros e gostosos, com meus dedos eu beliscava com força os bicos de seus seios quase que como um castigo por ela ser tão perversa e má, quanto mais eu apertava mais ela empinava o traseiro, devia estar quase gozando com a loira ali respirando frente a frente com sua xana enquanto me pagava um boquete delicioso, de repente senti sua mão apertar a minha contra seus seios e então pude ouvir ela entre os dentes cerrados de prazer murmurar:

-To gozando filho da puta gostoso.

Suas palavras serviram como afrodisíaco para meu cacete e para a loira que acariciava minhas bolas e lambia agora a cabeça do pau e grelo duro da morena que novamente gozou sentindo a língua da sua "amiguinha" lésbica no grelo e meu cacete entre as coxas, a morena pousou sua cabeça para tráz em meu toráx e de repente se virou como se fosse me beijar mais não era esse o plano pervertido da safada, para minha surpresa ela se sentou no colo da cadela loira e começou a me chupar rápido pois o túnel já estava no final, ela mamava forte e a loira beliscava com força seu mamilo direito, e com a outra mão tocava punheta no meu pau que estava com a cabeça fincada na boca da morena que além de linda era por demais gostosa, de repente senti minhas pernas bambearem, era o gozo forte me envolvendo, como um louco eu gozei na boca daquela morena, eu queria gritar que ela era uma égua safada, mas calado derramei meu leite quente em sua boca gostosa de lábios carnudos, eu rapidamente pus meu pau melado pra dentro da bermuda, saímos do túnel e sem nenhuma vergonha ou pudor ela abriu a boca e eu pude ver minha goza tomando toda sua boca, notei que outros viram e perceberam a situação, eu podia ver o tesão nos olhos destes que queriam estar no meu lugar, mas a maldade perversa da morena não tinha fim e ali diante de todos e com todas as luzes acesas pois alguém fizera sinal para saltar ela beijou a boca da loira e derramou toda minha porra em sua boca, alguma porra tentou escapar pelo canto esquerdo da boca da loira mas a morena não deixou e com o lábio inferior sorveu tudo de volta e engoliu, a loira fez o mesmo e sorriu para sua amante morena e mais uma vez a beijou, a morena se levantou me beijou na boca deliciosamente levou minha mão até a sua bunda que eu apalpei com gosto sem me importar para os olhares tarados e curiosos , pude sentir a mão da loira alisando também aquele traseiro empinado e rasgando a outra alça da calcinha daquela puta morena, com um sorriso ela pegou a calcinha destruida das mãos da loira sorriu puxou a cigarra do ônibus me entregou sua lingerie molhada de suor e gozo de sua xana de prostituta, e com um rebolado inigualável desceu .

Pude ouvir um rapaz perto de mim dizer:

-Que morena !

Sorri para mim mesmo e pensei:

-Você nem imagina meu caro, você nem imagina !

Todos os Direitos Reservados pela Copyright

Proibida a cópia e-ou a reprodução dos textos acima sem a prévia autorização do autor, por quaisquer meios ou processos existentes, especialmente por programas de computador de acesso à Internet ou não, sistema gráfico, micro filmagens, fotográficos, videográficos, bem como a inclusão de qualquer parte desta obra em qualquer sistema de processamento de dados. Estas proibições aplicam-se também às características da obra e à sua editoração. A violação dos direitos autorais é punível como crime com pena de prisão e multa, além da possibilidade de busca e apreensão dos exemplares reproduzidos e apetrechos utilizados na reprodução do mesmo, e das indenizações civis.

Comentários

29/09/2015 12:25:55
Gozei sem colocar a mão no pau...
19/04/2015 09:53:26
Espetacular, muito excitante e tremendamente erótico. Fiquei duro durante todo o percurso !!!
19/04/2015 08:14:10
Como queria ser essa morena

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.