Casa dos Contos Eróticos

Feed

A amiga gostosa da minha esposa

Categoria: Heterossexual
Data: 13/09/2013 11:08:46
Nota 9.88
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Bom galera, esse é meu primeiro conto, espero que vocês entendam os erros que aparecerem e que curtam pra caramba essa história, que envolve muito erotismo e sacanagem. O texto ficou um pouco longo, mas é porque não quero dividir em várias partes.

Vou começar me apresentando: O meu nome em nada enriquecerá os contos que publicarei aqui no site, tenho 1,76m, aproximadamente 80 kg, sou moreno claro, olhos castanhos, cabelo preto curto, enfim, sou o que definem como normal.

Já li muitos contos aqui, onde se relata infidelidades, os que mais me chamam a atenção são quando se trai com pessoas próximas, a questão do perigo é sempre excitante, no meu caso em específico, quase um clichê das traições: Amiga da esposa.

Tudo começou quando eu e ela ainda namorávamos, há mais ou menos 1 ano e meio. Quando vi Thais pela primeira vez logo de cara já pensei: “Putz! Que gostosa!” Mas não deixei transparecer nada, pois ela era amiga da minha, então, namorada e eu não podia dar bandeira. Thaís é muito gostosa, corpo voluptuosamente cheio de curvas, seios grandes e fartos, um bumbum enorme e redondinho, lábios naturalmente vermelhos e muito carnudos, cabelo encaracolado bem preto e até a cintura, olhos negros que hipnotizam e uma pele clarinha. Logo que a conheci já vi que era das minhas, extrovertida, alegre, uma pessoa bem pra cima, que encanta e atrai por todo lugar que passa. De cara já conversamos e nos demos bem, tomamos umas cervejas juntos e a coisa transcorreu com bastante normalidade nesse dia.

Pela relação de proximidade com minha namorada, até porque moravam na mesma cidade e eu não, elas vinham para a faculdade conversando no ônibus e então rolava tudo que era assunto, que eu sempre acabava descobrindo, pois minha namorada me relatava, em detalhes, mais tarde. Num desses relatos, ela me disse que Thaís estava insatisfeita com o namorado, que por sinal eu tive o desprazer de conhecer um dia, o típico playboizinho mimado e metido, disse que ele não a procurava mais e que suspeitava estar sendo traída, pensei na hora: “Como pode alguém trair uma delícia dessas?”, mas fiquei quieto.

Percebi que Thaís me olhava um pouco diferente depois de certo tempo de amizade, ou eu estava ficando louco ou ela estava com uma quedinha por mim, como ela era muito extrovertida sempre falava de tudo com todos e comigo não era diferente. Conversávamos sobre coisas fúteis e até sobre sexo. Numa conversa dessas, ela deixou escapar que minha namorada falava muito bem de mim, que ela não tinha nada o que reclamar e que pelo contrário, eu sempre a deixava bastante satisfeita. Ri e desconversei, era um terreno muito perigoso, pois minha namorada estava sempre por perto, mas não pude evitar ficar com isso na cabeça.

O tempo foi passando e minha relação com a Thaís só se estreitando, sempre que me cumprimentava já tratava de me abraçar mais forte, os beijos no rosto ficavam cada vez mais perto da boca e eu, sentindo aquele perfume deliciosamente sedutor, ficava de pau duro e tentado, em vão, disfarçar. Pude perceber, algumas vezes, que ela notava e até encarava talvez pra ver a minha reação, mas eu não fazia nada por temer ser descoberto.

Eu e minha namorada noivamos e marcamos o casamento, fomos pessoalmente à casa de Thais entregar o convite, ela nos recebeu sorrindo, com um short jeans curto e uma camiseta, sem sutiã, quando a vi quase entrei em êxtase, e disse:

_ Finalmente você conseguiu amarrar esse gostoso ein amiga?

Minha esposa riu e ‘nossa’ amiga nos convidou pra entrar. Sua casa era bem simples, mas muito aconchegante, ficamos na sala e ela ofereceu cerveja, estava um dia de muito calor, eu aceitei a cerveja, minha noiva não. Ficamos conversando amenidades até que surgiu o assunto lua de mel e essa amiga já foi logo dizendo que com certeza minha noiva se daria muito bem e que, se fosse ela, não sairia do quarto por uns três dias. Nessa hora me senti o homem mais gostoso do mundo (rsrs), confesso. Ela se levantou para ir buscar mais cerveja e minha noiva foi ao banheiro, Thaís voltou primeiro da cozinha, com as latinhas de cerveja na mão e me ofereceu sorrindo. “Que sorriso lindo!”, pensei na hora, ao sentar no sofá, Thaís me dá uma piscadinha e um olhar muito safado que me deixou de pau duro na hora, cruzou as pernas bem lentamente, me olhando no fundo dos olhos e falou:

_ E aí, já tá juntando forças pra lua de mel?

Entre risos eu disse:

_ Claro que estou afinal, vou seguir sua dica e ficar três dias sem sair do quarto.

Ela riu mais ainda.

_ Mas essa dica era se a lua de mel fosse comigo.

_ Eu ia adorar, com toda certeza.

_ Ia nada, você é apaixonado por sua noiva.

_ Sou sim! Mas paixão é uma coisa e tesão é outra. Disse olhando no fundo dos seus olhos e ajeitando o pau na calça, como não uso cueca ele estava muito duro e tive que conseguir arrumar ele pra que minha noiva não o visse, Thaís não tirou o olho dele, mas não disse nada.

Agora tinha ido há um ponto sem volta suei frio quando olhei a porta do banheiro se abrindo e minha noiva saindo lá de dentro, veio em nossa direção. Thaís riu do meu nervosismo e já puxou papo com minha noiva. Enfim, conversaram e decidimos ir, havia mais convites para serem entregues.

Nos casamos depois de um tempo e deu tudo certo no casamento, mas Thaís não foi e eu não faço ideia do porque, afinal ela tinha garantido que iria, mas na correria do casório e da festa eu nem me encanei muito com isso não, tinha muitas coisas pra me preocupar e não ia ser isso que me tiraria a concentração.

Por conta da greve da UFG, o ano letivo bagunçou um pouco, devido a isso fiquei uns dois meses sem ver a minha musa maravilhosa. Quando as aulas voltaram fomos eu e minha esposa a faculdade e assim que chegamos, veio Thaís com aquele sorriso lindo, nos chamando e dizendo que estava com saudades e que a gente tinha sumido. Abraçou minha esposa e a cumprimentou, dizendo que ela estava linda e coisa e tal. Quando ela veio até mim eu estremeci, Thaís estava radiante, linda mesmo com um vestido amarelo soltinho, de alcinhas e até a altura das coxas, mostrando aquelas pernas roliças, deliciosas, ressaltando a bunda deliciosamente redonda, nossa que vontade de pular nela naquela hora. Me deu um beijo no rosto, um abraço e sussurrou no meu ouvido:

_ Que saudade! E aí, aproveitou bem a lua de mel?

Esse sussurro me deixou arrepiado, disfarcei e consenti que sim e pisquei pra ela, sem a minha esposa perceber nada. As duas começaram a conversar e sempre que dava Thaís me olhava, numa dessas olhadas ela me pegou olhando descaradamente para suas pernas, as duas estavam conversando em pé e eu estava sentado numa banqueta atrás da minha mulher, então eu podia apreciar aquele monumento de mulher como quisesse sem ser pego, ela sorriu devido ao me descaramento e passando a mão nos cabelos, abaixou o rosto mordendo os lábios, como quem aprovou minha atitude. Nossa, ela estava me deixando louco, já estava a ponto de cometer uma loucura.

Minha esposa teve que ir a sua sala e como não estudamos na mesma faculdade eu tive que descer para a minha, quando estava saindo ouço Thaís me chamando:

_ Ei, me espera! Vai pra UEG?

_ Vou sim por quê?

_ Vou descer com você, preciso ver algumas coisas lá! – Sorri todo feliz com a notícia, ia descer uma rua escura e completamente vazia com aquela delícia de mulher, era agora ou nunca, mas o meu nervosismo não me deixava raciocinar direito, quem deu a deixa foi ela:

_ Dizem que esse beco do hotel aqui é aonde as pessoas vão para ‘namorar’. Disse colocando as aspas no namorar. O tal beco, pra vocês saberem, era a entrada dos fundos de um hotel e era todo escuro por ser cheio de árvores, além de ser mais alto que a rua em que descíamos, ele fazia uma curva que dava exatamente no fundo do hotel, havia um banco de cimento debaixo dum pé de manga, já havia visitado ali algumas vezes.

_ Ah é?! E você, nunca ‘namorou’ aí não? – Eu disse rindo.

_ Não! Nem sei como é nunca fui aí, acredita?!

_ Sério?! – Fingi espanto e disse: _ Então vamos agora!

_ Ah, não sei e se alguém ver a gente? Pode complicar para nós dois, eu tenho namorado e você é casado e com uma amiga minha.

Tinha que agir rápido, conseguir uma resposta pra situação que não me complicasse e que não acabasse com as minhas chances de estar num beco isolado com aquela gostosa.

_ Pára Thaís! É só a título de curiosidade mesmo, a gente sobe lá, vê como é e volta. Vamos?

_ Só pra ver tá?!

_ Tá bom! Daí você não vai mais poder dizer que nunca esteve no cantinho do amor.

Ela riu dizendo:

_ Cantinho do amor é?

_ Sim! Esse é o apelido que eu dei a esse lugar. – Disse enquanto a gente subia e chegava ao lugar crucial do beco.

_ Você já ‘namorou’ aqui? – Ela falou com uma cara de incredulidade ou espanto que eu não consegui decifrar.

_ Com certeza. Muitas vezes por sinal. É nesse banco aqui que as melhores coisas acontecem. Apontei pro banco de cimento. _ Olha que vista linda? Como não unir o útil ao agradável num lugar assim?

_ É verdade, aqui é lindo e quando a gente vem com uma companhia irresistível, fica melhor ainda, é até difícil de resistir. – Ela estava olhando diretamente nos meus olhos quando disse isso, era hora de atacar.

Me aproximei devagar, sem desviar o olhar, peguei na sua cintura, podia sentir sua respiração ofegante, pesada, de quem está nervosa com a situação, mas não quer fugir dela. Beijei seus lábios, a princípio bem lentamente, e que boca gostosa, que beijo delicioso, os lábios macios e aquele hálito quente, fiquei de pau duríssimo, senti ela estremecer toda. Eu não estava muito diferente, tremia. Não acreditava que aquilo estava acontecendo, eu ia comer aquela gostosa! Aumentei a intensidade do beijo, dando leves mordiscadas em seus lábios e apertando o seu corpo contra o meu ao ponto de ela soltar leves gemidinhos de prazer:

_ Hmmmmmmmm!

Continuei beijando, agora cada vez mais o tesão me dominava, minhas mãos já percorriam seu corpo todo, subia pelas costas até a nunca, onde eu puxava de leve seus cabelos, só pra escutar ela gemendo ainda mais. Desci as mãos até sua bunda gostosa, redonda, grande, durinha, apertei-a com força, fazendo com que ela ficasse na pontinha dos pés. Ela gemia, eu mordia seu pescoço, sua orelha. Ela respirava cada vez mais fundo. Coloquei a mão por baixo do seu vestido e pude sentir, agora sem o tecido, sua bunda deliciosa. Com a mão esquerda fui subindo pelas suas costas e, ao mesmo tempo, levantando o vestido, até chegar ao sutiã que imediatamente eu abri, liberando aqueles seios maravilhosos. Desci as alças do seu vestido e me deparei com a melhor visão da minha vida, dois seios maravilhosamente grandes e, surpreendentemente firmes, com mamilos no tom de amarronzado bem clarinho, pendendo pra rosa, apesar de escuro o beco não era fechado e como a noite era de lua cheia, dava pra ver tudo claramente. Imediatamente coloquei um em minha boca, sugando com avidez enquanto ela gemia:

_ Ahhhhhhhhhhhhhnnnnn!!! Que delíciaaaaaaa!!! Isso chupa assim que eu gosto, seu gostosooo!!!

A mulher tinha um tesão enorme nos peitos e eu fiz o que ela mandou sem pestanejar, chupei e chupei e chupei, como se não houvesse outro dia para o fazer, intercalando os chupões entre um seio e outro. Sem parar de chupar, fui levando-a até o banco e a fiz sentar, com as pernas abertas e enquanto chupava, desci a minha mão pela sua barriga até chegar a sua calcinha, pude sentir que era de renda, mas o que eu senti mais fortemente foi o calor que aquela região estava. Por dentro da calcinha cheguei a sua bucetinha e ela estava completamente ensopada. Eu tinha que chupá-la! Tirei sua calcinha e desci para o meio de suas pernas, me deparando com aquela bucetinha lisinha, totalmente depilada. Fiquei louco na hora, fui passando a língua em sua virilha, sem tocar na sua buceta, ela estava ficando louca com isso e depois de um tempo assim, ela me implorou:

_ Vai seu puto, me chupa desgraçado!

Não era um pedido. Quando minha boca tocou sua buceta ela estremeceu toda, comecei a chupá-la freneticamente, me concentrava no seu grelinho que estava totalmente inchado de tesão. Chupava forte e quanto mais eu chupava mais ela gemia e falava:

_ Ahhhhhhhhhh!!! Que gostosoooooooo!!! Não pára!!! Não pára!!!! Ensina praquele corno como se chupa uma buceta de verdade!!!! Ahhhh que gostosoooooO!!!

Não podia acreditar, aquele espetáculo de mulher já estava gozando, era surreal. Fui intensificando a chupada, aumentando o ritmo cada vez mais, até que ela jorrou todo seu mel na minha boca:

_ To gozando! To gozandooooooooooooooooooo! To gozan... Hmmmmmmmmmmmmmmmm! Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!

Suguei tudo que pude, ela gozou muito, foi estremecendo, desfalecendo em minha boca e eu não parava, continuei até o último espasmo. Levantei e encontrei minha deusa com um largo sorriso no rosto. Sorri também. Thaís veio como uma loba, ainda mais faminta, abrindo minha calça e tirando meu pau pra fora.

_ Hmmm sabia que você não usava cueca, seu gostoso safado!

Meu pau deve ter uns 18 ou 19cm e é mediano em sua grossura e ela abocanhou, direto, sem nem passar a língua,nem dar um beijo ou coisa assim, quando senti meu pau quase todo na sua boca quente eu quase fui a loucura.

_ Ahhhhh!!! Que delícia sua puta!!!

Ela chupava muito gostoso, olhando pra mim enquanto me chupava e me punhetando ao mesmo tempo. Chupava a cabeça do meu pau, descia com a língua até a base, sugava as bolas, era uma puta completa aquela cachorra, só de lembrar agora meu pau fica durinho. Chupou, chupou,chupou.

_ Agora vem cá gostosa, levanta e coloca as mãos no banco e arrebita bem a bundinha que eu vou te comer bem gostoso sua cachorra!

_ Me xinga safado! Xinga que eu adoro! Vem me comer vem!!! Vem cachorro, me arromba com esse seu pauzão gostoso. Me come igual homem de verdade!

_ Vou te dar o que você merece sua cachorra gostosa! Não sou aquele namoradinho viadinho do pau pequeno que você tem não!

E fui enfiando meu pau em sua buceta e que buceta, quentinha, apertadinha e ensopada devido ao gozo recente. Que delícia era estar com o cacete naquela buceta maravilhosa!

_ Aiiiiiii!!! Issoooooooo!! Que pau gostoso! Me fode de verdade vai. Mostra pra mim o que esse pauzão sabe fazer! Faz o que aquele corno do pau pequeno não sabe fazer!!

Thaís não parava de falar, e quanto mais falava mais louco de tesão eu ficava, eu tinha que dar a ela uma transa que o frouxo do namoradinho dela nunca deu. E fui estocando com força, cada estocada que eu dava eu podia sentir o útero daquela cavala na cabeça do meu pinto. Ela urrava de prazer.

_ Aaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!! Deliciaaaaaaaaaaaaaa!!! Fode vai, que gostosooooooooooooooooo!!! Isso mete forte! Aaaaaahhhhh que gostosooooooooooooooooooooo!!! Me fodeeeeeeeeeeeeeeee!!! Aaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhh!!!

E eu fodia! Fodia muito! A segurei pelos cabelos e continuei socando cada vez mais forte naquela buceta. Queria deixar ela toda ardida. Com certeza quem estivesse passando na rua conseguiria ouvir o barulho da minha cintura batendo na bunda dela. Tinha perdido a noção do perigo, estava gostoso demais e eu não estava nem aí pra nada, só queria fuder e muito aquela gostosa com quem eu fantasiava já há muito tempo.

_ Isso sua puta, geme gostoso cachorra! Vai Thaís, grita na minha rola vadia!!!!!!!!!!!!!

_ Sim! Sim! Sim!!! Eu sou puta, sua puta! Sua cachorra vadia!!! Me fode vaaaaaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiii!! Ahhhhhh que gostosoooooooo!!!

Eu não ia agüentar muito tempo, já estava prestes a gozar, mas não queria gozar antes dela, então continuei com mais força ainda, aumentando ainda mais o ritmo. Ela gemia ainda mais e falava coisas meios desconexas, cortando as palavras.

_ Fo... de!!!! Vaii... gos... tooooooooosoooooo!!! Ahhhhh..hhhhh.hhhh! Euahhhhhhh

Hmmmmmmmm vou goz... aaaaaaaaaaarrrrrrrrrrrrrrr!!!!!!!!!!!

Suas pernas ficaram trêmulas, eu segurei firme sua cintura, era minha deixa, eu ia encher aquela putinha de porra.

_ Eu também vou!!! Toma porra na buceta sua vadiaaaaaaaaaaaaaaa!!!!

Gozamos juntos, gozei feito um louco, que loucura cara! Saiu muita porra, eu não me lembrava da última vez que tinha gozado tanto. Fiquei quase sem forças, sem ar. Ela não conseguia nem falar e eu também não. Foi uma gozada fora do sério, espetacular. Quando tive força e coragem pra tirar o meu pau daquela bucetinha gostosa, a minha porra escorreu pela sua coxa esquerda, até a panturrilha. Eu ri, ela também, se virando me beijou dizendo:

_ Hmmmm! Que delícia, se eu soubesse que você era gostoso assim, tinha dado pra você antes!

_ E se eu soubesse que ia ser desse jeito eu tinha te chamado pro cantinho do amor muito antes Thaís!

_ Podia mesmo, porque eu viria com certeza, sempre fui louca em você e quando sua esposa me contava que você não deixava nada a desejar na cama só foi aumentando a minha vontade de te dar bem gostoso!

_ Hmmmm, eu também sempre quis te comer, mas valeu muito à pena esperar, foi uma delícia.

A gente foi ajeitando as roupas, olhamos no relógio, já era mais de oito da noite, havia mais de uma hora que estávamos ali, tínhamos que descer, era quase hora do intervalo e alguém poderia aparecer a qualquer momento. Nos beijamos mais uma vez e de novo senti aquela boca quente e gostosa na minha boca.

_ Não vejo a hora de poder fazer de novo, nunca gozei tanto na vida, foi maravilhoso.

_ Eu também não vejo a hora, vamos fazer assim Thaís, esse vai ser o nosso segredinho e quando surgir oportunidade a gente repete e muito, feito?!

_ Claro que sim!

Nos beijamos de novo e descemos para a minha faculdade como se nada tivesse acontecido.

Se gostou do conto, dá nota e comenta. Prometo ler todos os comentários e melhorar ainda mais no próximo. Para contatos, o meu e-mail é esse: pausao69@hotmail.com

Valeu galera! Até o próximo.

Comentários

28/11/2013 05:20:31
Muito bom escreva mais
27/11/2013 20:39:30
Obrigado Doce! Em breve postarei novos.
26/11/2013 08:04:23
òtimo conto parabéns
11/10/2013 03:57:22
És um homem com sorte, ser desejado por uma gostosa dessas!! Mete chifre na cara do playboyzinho pra aprender que mulher gosta d homem que sabe cuidar bem dos desejos da carne!!
16/09/2013 08:41:59
Obrigado pelos comentários e fiquem ligados, assim que eu tiver um tempo aqui eu vou publicar mais um conto. Agradeço a todos pelos elogios, só me motiva a melhorar ainda mais nos próximos! E Pedro, minha mulher tá de marcação cerrada com a Thaís, mas se rolar outra dessas eu corro aqui pra contar!
14/09/2013 12:24:09
muito bom, é sempre bom darmos a uma mulher oq ela realmente precisa e eu adoro comer uma mulher comprometida, conte mais suas histórias com a thais, pois eu tbm tive uma thaís em minha vida que me pirou a cabeça, pena que ela não quis ir mais a sério comigo, pois ela diz que eu sou um bom amante, mas pra namorado ela não acredita q pode dar muito certo, a safada sempre que quer deixa o companheiro e vem se satisfazer em minha pica.
14/09/2013 06:51:21
muito bom, continue
13/09/2013 21:47:29
Ótimo conto!Achei muito excitante e fiquei morrendo de vontade de comer a Thaís também!Fico imaginando que loucura deve ter sido!Muito bom mesmo!
13/09/2013 16:12:55
Vlw Luiz! Se a galera gostar vai ter muitos outros, pode apostar! Esse banquinho é muito conhecido por uma galera da minha região aqui rsrsrs
13/09/2013 14:43:52
Muito bom seu conto cara, tá de parabéns! Bom ver um conto de um conterrâneo, rs. Só não sei onde é esse banco, rs.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.