Casa dos Contos Eróticos

Feed

Encarando um coroa metedor

Autor: Matheus
Categoria: Homossexual
Data: 01/05/2012 01:22:49
Última revisão: 01/05/2012 10:09:46
Nota 9.31
Assuntos: Grupal, Gay, Homossexual
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Eu tinha 18 anos e morava no bairro de Brotas em Salvador. Sai do interior com 16 anos após ser emancipado e estava me preparando para me mudar novamente, desta vez para o lugar mais longe para o qual eu havia viajado na vida. Faria faculdade no exterior e estava nervoso com toda essa mudança.

Nunca tinha namorado, mas sempre tive que ser maduro, morar só na capital desde os 16 anos para poder estudar me forçou a crescer. Minha mãe vinha a a cada 15 dias, ajeitava umas coisas e ia embora. O tempo que ficava só aproveitei em algumas ocasiões e tive algumas experiências com homens. Ser homossexual nunca foi um problema para mim. Sempre fui másculo, jeito e voz de homem, ja era alto 1,88, bem magro na época, 77kg, cabelos e olhos negros, nunca fui nada excepcional, mas também nunca fui feio. Com essa tensão pre-viajem que aconteceria em uma semana, estando só em casa em plena sexta-feira a tarde e a segunda-feira que chegava sendo feriado, boa parte dos meus amigos tinham viajado e não tinha ninguém para sair e não estava com a menor vontade de sair sozinho, nem mesmo para ir ao cinema. Comecei a tomar umas cervejas em casa, sozinho mesmo. La pelas 4 da tarde já tava meio alto e não sei da onde me surgiu um puta tesão. Afinal já se passavam mais de 3 meses que eu não fazia nada. Entrei no tal do chat e conversei com algumas pessoas. Mas nada q se demonstrasse interessante. Ate que vi o apelido SEXO A 3, eu já alto, doido para transar, pensei:

“-ora, porque não?”

E engrenei um papo com o cara. Logo de inicio imaginei que não daria certo, porque o cara com quem conversava era passivo e eu sempre fui versátil mas estava em um momento passivo. Mas continuei no papo, afinal o cara tinha uma conversa interessante. Fomos ao Messenger . O cara com quem conversava se chamaria Raul, tinha 30 anos e 1,78 de altura e 75kg, cabelos claros e pelas fotos que vi tinha um rosto bonito. Me falou que procurava alguém para transar com ele e um “amigo” dele que vinha do interior do Rio de Janeiro uma vez ao mês em media por questões de trabalho e geralmente fica apenas dois dias, mas que devido ao feriado ficaria ate a próxima terça feira, disse que o cara era muito macho e do tipo metedor, que transava muito. Eu dei risada e disse a ele:

“-Bem ele teria então que meter muito mesmo porque nos dois sendo passivos, ele teria trabalho dobrado”

Quando ele me responde:

“-Mas eu estou procurando justamente um cara que seja passivo para ele comer nos dois, a canseira que o cara me da na cama só ficando dois dias aqui já é grande, imagine ficando 5 dias? Sozinho eu não vou dar conta”.

Lógico que naquele momento todo aquele papo para mim se tornou “papo de internet”, imaginei logo, esse cara ta querendo uma punheta on-line, mas para mim tudo bem, eu estava com tesão, tava mais era querendo gozar, e se a situação fosse boa, poderia ser virtualmente mesmo. Comecei a fazer perguntas sobre o “cidadão comedor” e quanto mais ele falava dos dotes do cara eu menos acreditava que seria realmente alguém real. O outro cara se chamava Ruy tinha 1,80 e pesava 102kg, branco, careca, corpo malhado, definido e 20cm de dote e 42 anos, casado e com filhos la na cidade dele mas quando vinha a Salvador gostava de comer um cara. E que era extremamente dominador. O personagem que ele citou me deixou extremamente excitado e o papo então entrou para a putaria, ele contando as coisas que o cara já tinha feito com ele ate que eu simplesmente gozei na punheta mesmo.

Não disse a ele que tinha gozado, continuamos o papo ate que saímos da putaria e começamos a conversar diversos assuntos. Como eu já tinha gozado e o papo estava muito agradável não percebi que se aproximava das 22:30 e as minhas cervejas em casa já tinham acabado. Foi quando me despedi do Raul e ele me responde,

Raul: “-cara vc não vai vim aqui para a gente transar com o Ruy não?”

Eu: “-Eu mas o cara esta ai com vc? Eu tinha entendido que ele ainda iria chegar”

Raul: “-O Ruy já esta na cidade, estava no trabalho e me ligou dizendo que tinha ido a um happy hour com os colegas do trabalho e depois vinha para cá e que eu me preparasse porque estava com tesão virado e queria transar e muito.”

Eu: “Rapaz não sabia que você já planejava algo para hoje.”

Raul: “Vem, vai ser legal e você vai gostar.”

Pensei por alguns segundos e disse a mim mesmo, há quer saber? O tal do Ruy não deve ser nada disso que ele falou aqui no Messenger, mas o pior que pode acontecer é não rolar tesão e eu vou embora, ou pode acontecer um sexo gostoso. Vou mergulhar nessa. Disse ao Raul que topava e trocamos telefone, ele me ligou em seguida, conversamos uns 5 minutos e ele me explicou como chegar na casa dele. Tomei um banho, troquei de roupa e fui ao encontro deles. Um misto de tesão e nervosismo me dominava, nunca tinha transado a 3, será que o álcool tava falando mais alto e por isso que me joguei nessa doidera? Já não me importava eu esta decidido que iria pagar para ver.

Cheguei a casa do Raul, ele me recebeu muito bem, me ofereceu algo para beber e sentamos no sofá e começamos a conversar. Embora quase meia noite o Ruy não tinha chegado e a ansiedade me dominava, praticamente virava os copos de cerveja. Lógico que o Raul percebeu minha ansiedade e tentou me acalmar, dizendo que também seria a primeira vez que ele faria a 3 com o Ruy e que ele, o Ruy, também nunca havia feito, foi quando perguntei “e será que vai dar certo? Ele vai conseguir transar com dois caras?” O Raul me respondeu sem titubiar

“-Eu tenho certeza absoluta que sim”.

Nesse momento o interfone tocou, era o Ruy que chegava. Eu perguntei o que ele tinha falado de mim para o Ruy e ele me respondeu:

“Não falei com ele sobre você, ele nem sabe que vc esta aqui”

Antes que eu pudesse falar qualquer coisa, o Raul abriu a porta e na seqüência a porta do elevador se abriu, era o Ruy que chegava.

O cara entrou pela porta me olhou e deu um boa noite seco, ele trazia uma mala de viagem, vestia calça e camisa social, passou pelo Raul, trocaram duas ou três palavras e entrou em direção ao quarto. Como ele não me deu a menor confiança logo imaginei que ele n havia gostado de me ver ali. Como Raul continuou na sala disparei logo a falar, mas claro em um tom de voz baixo para que Ruy não me ouvisse:

Eu: “-Rapaz ele não gostou de me ver aqui”

Raul: “-Que nada, ele é todo assim durão, mas pode ficar tranqüilo”

Eu: “-Como você não disse a ele que eu vinha? Você é doido?

Raul: “-Eu já tinha avisado a ele que ia procurar um cara legal para a gente transar, ele já deve estar imaginando que é você;

Eu: “-Então va logo la e converse com ele porque se ele não tiver gostado eu puxo logo meu carro”

Raul: “-Relaxe rapaz, ele vai gostar? E você? Gostou dele?

Eu: ”-Não sei dizer”

E era verdade, foi tão rápida a passagem dele na sala e a situação somada a tensão na qual eu me encontrava, não pude mesmo nem reparar direito em nada que não fossem as roupas do Ruy, após eu dizer isso o Raul se levantou, foi ate o quarto e voltou em seguida dizendo que o Ruy tinha entrado no banho.

Raul: “-Olhe não fique noiado com o Ruy não, ele é todo tirado a machão, é meio brutão, mas ele é gente boa, pode ficar relaxado a gente vai curtir muito essa noite.

Dito isso foi a cozinha, trouxe mais cervejas, continuei bebendo ate que a porta do quarto abriu, dessa vez pude dar uma olhada de cima a baixo no Ruy. Não havia duvidas o cara é um exemplar de primeira linha de macho. Decididamente coroa, a cabeça não era raspada, era cabelo cortado na maquina 1 e assim como a barba por fazer tinha uns pontos brancos, mas um corpo que nem de longe remetiam a sua idade real. Ele veio a sala com um short curto e sem camisa. O tórax dele não refletia idade dele, peito alto, volumoso, ombros, trapézios altos e bem definidos, braços grandes, com veias que cortavam, mãos grandes, uma leve pelugem que cobria o peitoral e o tanquinho maravilhosamente bem cortado. Devido ao short curto pude observar suas coxas grossas e desenhadas. Rosto de traços fortes, cara de macho enfezado, olhos castanho claros. A primeira coisa que me passou foi, um homem desse calibre é um sonho de consumo. Pela primeira vez desde o papo no Messenger pelo menos a aparência era verdade, o cara era um tesão.

Ele foi ate o bar, colocou uma dose de uísque puro no copo e se sentou na poltrona em frente a mim e falou: “-e ae?”.

Raul perguntou a ele como tinha sido o happy hour e ele respondeu:

Ruy: “-Chato, tava querendo logo me sair.”

Raul: “-Foi mesmo? Se você estava querendo tanto vir embora então estava chato mesmo”

Ruy: “-É, mas também porque to afim de fuder. Hoje quem cair na minha mão vai comer pão que o diabo amassou.”

Eu que já estava excitado so em olhar para aquele homem, bastou isso para que meu pau ficasse duro como pedra. Ate aquele momento Raul não tinha conversado com ele que eu estava ali justamente para isso, mas ele deixava claro que já entendia tudo. Com isso Raul disse, bem então vou aqui tomar um banho e saiu da sala deixado-nos sozinhos. Fez-se silencio. Nem eu nem ele falamos nada por uns bons cinco minutos. Eu não sabia o que dizer, nunca havia estado numa situação daquelas. O copo dele secou, ele então levantou e pos outra dose no copo. Pude observar as costas dele, simplesmente linda, com uma tatuagem de um tribal que iniciava no pescoço e descia por baixo do braço esquerdo. Ele voltou e se sentou, dessa vez passando a perna dele sobre o braço do sofá, deixando o buraco da perna do short dele aberto e com a cabeça do seu pau mole amostra com parte para fora do short. Claro que ele deve ter feito aquilo propositadamente, ate porque depois disso eu não sabia mais para onde olhar, aquele pau para fora era como um imã para meus olhos, que não conseguiam olhar para mas nenhum ponto da sala. Ele com a cara seria de sempre me pergunto:

“-Você é viado que nem Raul né?”

Eu não sabia o que responder daí respirei fundo e antes de falar qualquer coisa ele já completou:

“-É claro que é, macho não demoraria tanto para responder a esta pergunta.”

Eu que já estava sem graça fiquei sem ter onde enfiar a cara, so conseguia ficar encarando aquela cabeça de pau para fora do short. Ele muito sacana, pegou o short e o encolheu deixado o pau e e o saco completamente por fora do buraco da perna do seu short.

“-Então, é disso que você gosta né?”

Eu balancei a cabeça confirmando a pergunta dele. Eu tava explodindo de tesão, a 3 meses sem transar, tendo bebido o dia todo e um homem daquele com o pau mole para fora em minha frente, o que eu queria era pular em cima daquele cacete, mas me segurava com medo de fazer algo que ele não gostasse, afinal, embora coroa, se homem daquele tamanho me desse um murro, era caixão direto para mim. Ele continuava mexendo no pau que permanecia mole e bicando o uísque, quando eu não agüentava mais de tesão ele me mandou encher o copo dele novamente, levantei todo sem graça porque meu pau duro marcava a bermuda que vestia, peguei o copo na mão dele, coloquei outra dose e vim devolver a ele, ele pegou o copo da minha mão e perguntou se eu gostava de uísque, eu respondi que a depender do uísque sim, então ele pegou o pau dele ainda mole e mergulhou no uísque:

“-lambe aqui e prova esse 12 anos, esse é especial, uísque de macho, viado só pode beber se for em pica de macho.”

Não resisti, me ajoelhei a abocanhei aquele pau e comecei chupar com força, eu estava com muita fome, ele empurrou minha cabeça para trás e disse:

“-calma bichinha você vai mamar muita rola essa noite, porque da pressa? Toma mais um uísque”

Voltou a molhar a cabeça mole da pica dele e apontou para mim. Mais uma vez abocanhei com força e suguei o pau com tudo que tinha. Novamente ele empurrou minha cabeça para trás.

“-Putinha, to te permitindo provar uísque de macho em pica de macho, tem que curtir o uísque direito, senão é desperdício.”

Mas não adiantou muito, quando ele soltou minha cabeça voltei a engolir aquela pica e mamar como um bezerro sedento por leite, foi a primeira vez que ouvi ele dar risada.

“-É o viado ta mesmo precisando de pica, então vai, mama ae como você quiser”

O pau dele começou a crescer dentro da minha boca, ficando cada vez mais duro e maior, ate que eu n conseguia mais por todo na boca. O pau dele era lindo, retinho pelos da virilha aparados e com alguns pontos brancos e saco raspadinho, sem duvida tinha entre 19 e 20cm que Raul disse, bem grosso e duro. Eu mamava com vontade aquele pau, que cheirava a macho. Ele me olhava e não fechava os olhos, gemia como macho enquanto me observava chupar o cacete dele e tomava seu uísque e vez em quando empurrava minha cabeça me fazendo engolir o que eu conseguia daquele rolão.

Raul voltou a sala so de toalha:

Raul: “-Hum, já começaram, nem me esperaram”

Ruy: “-Relaxa cadela, tem rola pra dois mamarem com folga aqui. Bota outra dose ali e vem se juntar a teu amigo e se divertir trabalhando essa rola.”

Quando Raul voltou com o copo, Ruy se levantou arrancando a vara da minha boca sem dar nem um aviso, retirou o short e se sentou novamente, abrindo bem as pernas de forma a cabermos nos dois entre elas e mamarmos sua rola. Começamos então a, como disse Ruy, trabalhar aquela vara. Alternávamos entre o saco dele e a pica, eu chupava a base da pica enquanto Raul a cabeça, as vezes Ruy tirava da boca de um e colocava na boca do outro sempre alternando. Ate que não resisti, enquanto dividíamos a pica beijei o Raul, quando terminei que olhei para o Ruy ele pareceu não ligar, continuava com aquele gemido de macho, olhos abertos assistindo e bicando seu uísque, voltei a chupar sua vara, chupei cada centímetro da sua pica e alisava suas pernas grossas e seu tasquinho que parecia ser de pedra. Daí perguntei no ouvido do Raul: “-Posso lamber ele?” quando ele me respondeu também no ouvido que sim, só que não o beijasse. Lambi suas pernas, barriga, peito, braços enquanto ele ficava la de rei, parado, com o copo na mão e observando “os viados” chuparem ele. Aquela atitude dele me excitava ainda mais, eu estava tendo que me controlar para não gozar somente chupando ele. Continuamos chupando ele, alternando sempre o pau, o saco e o corpo dele, ate que quando Raul mamava o pau dele a toda, e eu chupava o peito dele, ele encostou a cabeça para trás, fechou os olhos, segurou a cabeça de Raul de maneira a enterrar o cacetão na garganta dele e começou a gemer diferente, alto e grosso, eu lambia seu abdômen quando senti seu corpo estremecer, entendi então que ele estava gozando.

Ele jorrou a gala na garganta de Raul que não tinha como se soltar ate que ao terminar soltou a cabeça dele que caiu sentado para trás procurando ar e com a gala de Ruy escorrendo pelo canto da boca. Muito excitante aquela cena, mas eu dei uma risada de canto de boca e pensei:

“-ainda bem que não foi comigo”

E voltei a lamber o abdômen dele e alisar o peitoral com a mão e so então olhei para ele:

Ruy: “-Relaxa bichinha, ainda tem muito leite para vocês aqui, mas essa dose é do Raul. A primeira é dele”

Eu: “-Tudo bem, eu não curto beber esperma”

Ruy: “-Pode ser, mas na cara vai levar, Raul! Chega de descaço, limpa a piroca ai”

Raul se levantou do chão e voltou a chupar a pica dele. Ele se contorceu um pouco e pela primeira vez fechou os olhos e gemeu. Foi lindo ver aquele touro coroa fazer aqui, queria me punhetar e gozar lambendo a barriga dele e vendo ele fazer aquilo, mas durou pouco, logo ele abriu os olhos dizendo:

“-Segundo tempo, trabalhem para me botar pra gozar na cara do viadinho lambedor de barriga aqui.”

O pau dele ainda não estava duro, mas voltamos a rotina de alternar a pica, saco, barriga, peito e braços dele. Em alguns minutos nessa brincadeira o pau dele ja estava em ponto de bala novamente. Ele começou alternar segurar a cabeça de um pelo cabelo e fazer subir e descer na rola empurrando e puxando. Segurava cada cabeça com uma mão, empurrava, empurrava, empurrava e puxava fora e empurrava a cabeça do outro, fez isso varias vezes ate que nos soltou. Ele sempre dando aquela gemida de macho e batendo com o pau na cara da gente:

“-Porra putinhas, agora ta gostosa a mamada, vai boca no ovo e boca no pau ao mesmo tempo”

Fizemos o pedido dele, ficamos alguns minutos alternando os ovos e pau dele cada um. Ate que ele disse:

“-Agora os dois lambendo a pica da base ate a cabeça devagarzinho”

Fizemos isso, os dois entre as pernas peludas, grossas e torneadas dele, eu a esquerda, Raul a direita com a lingua lambiamos o mastro de baixo a cima e de cima a baixo, na terceira ele deu aquele gemido grosso novamente, segurou os braços da poltrona com força e vi os musculos dele se tensionarem e ele ficar com o corpo ainda mais rasgado, para em seguida a gala jorar da pica dele como um chafariz, melando a cara, cabelos e nucas minha e de Raul.

“-Putas, vocês se fuderam, antes o Raul sozinho que se fudia nessa rola, de agora em diante vai ter que ser vocês dois. Essas duas bocas me deram a melhor mamada da vida.”

Eu feliz por ouvir aquilo, mesmo todo lambuzado de gala tive que perguntar:

Eu “-Quer outra?”

Ruy: -”Claro que vai ter que rolar outra, eu ja ia começar a arregaçar o cu de vocês, mas so depois, vai ter que rolar outra mamada ai.

Raul: “-Então vamos nos limpar logo cara para a gente voltar a chupar logo.”

Ruy: “-Nãããooo, Raul, limpa a rola ae, o cara ai vai se lavar e quando ele voltar ele assume e você vai, vamos, vamos agilizar ai.

Raul caiu de boca e fui me lavar, eu ja estava com a cueca toda melada. Meu pau ja estava vazando gala de tanto tesão que eu estava por aquele homem. Foi a primeira vez que vi um homem gozar três vezes. Começava a entender o porque do Raul estar louco atras de um outro cara.

Eu ja tinha me lavado e aguardava Raul enquanto mamava Ruy com tudo, eu estava doido de tesão. Aquela gemida dele de macho me deixava louco. Raul chegou e ficamos naquela alternância de mamar ovo e pica, Raul não parecei se interessar, mas eu lambia dos pes ao peito do coroa tesudo. Quando estava lambendo o peito dele e pensei em subir para o pescoço ele disse:

“-Enche o copo de uísque, mas agora enche ate a boca.”

Entendi que ele me parou porque não me queria no pescoço dele, ja que ainda tinha um pouco de uísque no copo, mas fiz, enchi o copo e voltei, quando agarrei o peito dele novamente ele levantou o braço esquerdo o colocando atras da cabeça e disse:

“-Lambe meu sovaco”

Era peludo, mas não fedia, cherava a macho, lambi aquela axila cabeluda subindo pelo biceps duro e voltando pelo triceps, literalmente lambendo ele todo.

Ele riu um pouco: “Viadinho caralho, nessa idade, chupando suvaco e rola suada de macho, seu pai deve esta orgulhoso de você.”

Eu deveria me ofender com a declaração dele, mas entendi que ele estava praticando a sua dominação. Queria deixar claro que eu e Raul eramos seus viados e ele o macho.

“-Vai volta pra rola que ja vai jorrar gala de novo pra vocês, ja sabem da base ate a cabeça, vai”

Começamos a lamber do mesmo jeito mais uma vez, demorou um pouco mais que a vez anterior mas ele gozou, também bem menos esperma que da outra vez.

“-Caralho suas putas!!!!, que mamada da desgraça!!! Trabalharam certo!!!

E se levantou deixando nos dois no chão, olhei para Raul sujo de gala como eu e vi que ele estava cansado como eu, ofegante e sujo de gala:

Raul: “-Viu o que falei? A gente ainda esta na mamada.

Ouvi quando o chuveiro foi desligado. Ruy levou cerca de 10 minutos tomando uma ducha. Eu estava sentado no sofa, ja tinha lavado o rosto no lavabo e Raul fazia o mesmo. Eu ainda estava vestido. Não tinha tido tempo nem de tirar a camisa. Raul tinha ficado o tempo todo com a toalha na cintura. E assim ele estava ao sair do lavabo e chegar na sala antes de Raul. Mas não demorou 10 segundos para que ele chegasse também na sala, ja totalmente nú.

“-Muito bem, as putas trabalharam certo minha rola, agora vem o prêmio pelo trabalho bem feito. Vou meter no cu dos dois. Raul, tu vai tomar tua ducha enquanto começo arregaçando teu amigo ai, afinal, as visitas tem que ser servidas primeiro.”

Raul me olhou, rindo de canto de boca e foi tomar a ducha dele.

Ruy: “-Vamo viadinho,baixa essa bermuda e fica de quatro pra levar rola.”

Tirei a camisa e a bermuda o mais rapido que podia. Estava doido de tesão e so a ideia de um macho daquele me comer me deixava louco.. Ao terminar, me pus de 4 no sofá. Enquanto isso ele encapava o pau dele e espalhava o lubrificante.

“-Viadinho, vou te arregar gostoso. Vou te botar pra gozar numa pica de macho”

E foi encostando a vara na minha bunda. Começou pincelando o picão na entrada do meu rabo e metendo e tirando a ponta da cabeça.

“-Quero lascar vocês dois a noite inteira, não vou meter de vez pra não estragar seu cu.”

Na brincadeira dele a cabeça entrou toda, e dai ele começou a tirar a cabeça e meter, tirar e meter, tirar e meter, ate que parou com a cabeça toda enterrada no meu rabo. Nesse momento Raul chegou.

Ruy: -A cabeça da vara entrou agora, senta ai do lado dele, quando a piroca estiver atochada no cu dele, vai ser tua vez.

Ruy era um macho de respeito. extremamente gostoso, experiente, potente e sabia usar sua rola. Mas acima de tudo experiente. Sabia que se partisse para uma meteção brutal, com a potência que tinha, os dois estariam acabados antes dele estar satisfeito. Por isso sabia que tinha que meter de maneira a ser suportado. Ao sentir que eu nunca tinha encarado uma rola tão grande pelo aperto no rabo, ele foi devagar. Começou a empurrar aos poucos.

Sempre que sentia que eu não estava agüentando recuava um pouco.

“-Calma puta, quero meter a noite toda, e estou com paciência, afinal vocês mamaram certo, merecem uma recompensa.”

Ele ia metendo sempre um pouco mais do seu mastro, mexendo ele dentro de mim. Sentia sua tora rodando dentro do meu cu apertado. Assim como suas retiradas e re-enfiadas que sempre entravam um pouco mais, seguido da colada do seu tórax nas minhas costas. Puta merda, sentir os pelos e os músculos dele tocando minhas costas me deixavam em ponto de gozar a qualquer momento.

Nesse ritmo ele continuou, ate que me segurou pelo peito e me puxou me deixando ereto mais colado no peito dele.

Ruy: “-A jeba esta toda enterrada.”

Realmente a tora dele agora estava completamente enterrada dentro de mim. Era a primeira vez que uma rola com a combinação de tamanho e grossura dele entravam em mim. Senti ate certa dificuldade em respirar.

“-Ok Raul, ele ta pronto pra ser arregaçado”

E começou o vai e vem. Ele me comia de maneira ritmada. Tirando toda a tora e metendo novamente as vezes. Batia em minha bunda, me xingava e me chamava de puta.

“-Caralho, quero leitar seu cu viado!”

A sua voz grossa, seu corpo delicioso, sua rola de responsa me faziam delirar. Estava adorando a experiência. Ate que ele me pegou pela cintura com as duas mãos e começou a meter cada vez mais rápido. O som da virilha dele chocando com minha bunda, mais o tesão que eu sentia era algo indiscritível

“-Vou gozar sua puta!”

E senti ele gozando. Gemidos, grunhidos, palavrões

Ruy: “-Caralho! Man se eu tivesse como ia passar as 24 horas do dia metendo nos dois sem parar! Mas agora é sua vez Raul.

Ele foi ao banho e voltou para comer Raul e comeu.

Tomei um banho e voltei para assistir a ele comer Raul. Fiquei sentadinho na poltrona do quarto enquanto via ele meter de 4 e depois de frango assado. Eu esta estourando de tesão vendo aquilo, nunca tinha sido um bôer antes.

Ruy com um sorriso sacana:"-Calminha viadão, ainda vou comer você de novo, não precisa ficar ai com água na boca não."

E era verdade, eu estava louco pra ter uma segunda rodada com ele. Ate ali todas minhas transas haviam sido fodinhas, abraço, beijo, chupada, metida, gozada, tchau. Ali tinha um homem com mais que o dobro da unha idade, muito experiente, que sabia como usar a rola que tinha, além de potente e de usar e abusar da potência do pau dele. Tambem era o primeiro sarado com o qual eu ia para cama. Tudo isso passava na minha cabeça e eu sentado nu, enquanto eu adimirava o corpo dele suado e ele comendo e falando pitarias para Raul ate que ele reiterou o pau todo de dentro dele, arrancou a camisinha fora, deu a volta se punhetando na cama, aponto a pica para a boca de Raul e avisou.

"-Se deu bem,vai ganhar leite"

E gozou na boca dele daquela maneira, grunindo e xingando. Achei o máximo ver ele gozando, nunca tinha visto alguém gozar com tanta vontade. Ele terminava de gozar, abriu os olhos e olhou para mim ofegante, a cabeça da sua rola ainda estava na boca de Raul que a sugava com força.

"-É viado, cansei hein?"

Por um minuto achei que tinha acabado a nossa transa. Eu não podia reclamar, o cara já esta na quinta gozada dele, tudo tem um limite.

"-Então tá, vou tomar um banhoalie volto pra lascar você denovo."

E saiu arrancando o pau da boca de Raul.

Eu: "-Caramba Raul, como é que você se vira sozinho com esse cara aqui?"

Raul deitado na cama se recuperava e me respondeu rindo um pouco:"-Na verdade eu ainda não tinha visto ele excitadoassim como esta hoje.. Geralmente a gente transa, toma banho, descanço ai vai pra outro e assimila gente fica o fim de semana todo. Mas dessa vez o fim de semana tem 4 dias, sabia que ia ser puxado e sugeri para ele e acho que ele gostou muito, taa comemdoa gente sem parar.

Eu:"-Ele deve estar se sentindo obrigado a transar assim porque somos em dois."

Raul:"-Pode ser, mas você vai reclamar disso? Porque eu não vou"

Claro que eu não iria reclamar. Me recostei na cama e ficava aguardando o macho sair do banho. Ele tomou um banho demorado, mais de 10 minutos, ate que finalmente saiu. O pau estava mole. Ele se deitou na cama.

"-Eu prometi que ia comer o vido grande ali, então você pode ir para o banho Raul mas acabando com ele eu garanto mais umas metidas no seu cu beleza? Ninguém precisa ficar triste. E agora vem a boa noticia pro viadão, vai poder mamar pica de macho, mas só ate ficar dura hein? Por que ai ela vai invadir seu cu de novo. Vem mama aqui pra preparar a piroca pro seu cu."

Em um movimento só agarrei a pica dele e já comecei a mamar.

Ruy rindo um pouco: "-Esse viado é guloso. Caralho, vai gostar de rola assim na puta que pariu"

Dessa vez o pau dele demorou um pouco para ficar totalmente armado, e quando ficou não houve demora.

Ruy:-Vail, encapa ele ai e senta.

Peguei a camisinha e desenrolei no picão dele. Cara ate fazer isso achei gostoso e excitante, eu preparava o pau pra me comer, aliais, que eu ia sentar. Era sem duvida a minha primeira experiencia sexual de verdade, as outras apenas tinham sido amostras grátis.

Sentei de costas para ele, senti o a cabeça do pau dele entrando com mais facilidade dessa vez, tirei toda e coloque novamente, mas dessa vez quando coloquei ele falou:

"-Beleza, a brincadeira tá massa, mas jantássemos da fase da brincadeira,já estamos na fase que eu rasgo seu cu."

Me segurou pela cintura com as duas mãos e empurrou a pica dele pra dentro. Eu já estava bem relaxado, o pau dele com bastante lubrificante, mas ainda assim a entrada violenta me causou dor e eu soltei um "-aaaaaaaaaaahahhhaaaiiiii"

"-Pará de viadagem cara, eu já tinha aberto seu cu, essa é a ultima vez que minha rola vai entrar no seu cu essa noite, pare de frescura e trate de aproveitar."

Fiquei sentado com o pau dele ate o talo ate que a dor começou a cessar e comecei a rebolar. Era demais sentir a rola dele dentro de mim enquanto rebolava.

"-vai, cavalga na rola"

Comecei então a subir e descer, sem parar, subindo e devendo direto, no inicio devagar, depois mais rápido.

Ruy"-Talentoso hein? Sabe realmente sentar em uma pica"

Eu subindo e descendo sem parar:"-Posso ficar de frente pra você?"

Ruy:"-Quer admirar o macho da rola que você esta se fudendodo né?

Balancei a cabeça concordando.

Ruy:"-Vai, gira no espeo vai"

Girei sobre a pica dele e fique de frente para ele, ele estava meio deitado e meio sentado encostado na cabeceira da cama com as duas mãos atras da cabeça. Ao ver aquele macho coroa ali me observando cavalgar na rola dele comecei a sente com tudo que eu podia. Comecei tambem a alisar a barriga dele, pegar no peito dele e apertar e subi a mão para pegar no bíceps dele, isso sem parar de cavalgar. Não agüentei e lambi o bracão dele.

Ruy rindo:"-viado, viado, viado. Rola enterrada no cu e praticamente implorando para lamber o macho, ai ai viu. Vai, se diverte é para isso que estamos aqui não é?"

Lambi mais uma vez a axila peluda dele e foi quando,ele começou a meter de cima pra baixo na minha bunda.

"-toma rola"

Ficou metendo e sempre que ele dava uma pausa eu cavalgava, quando eu dava uma parada ele metia com tudo, foi o mais tempo que ele passou com a pica enfiada em mim, ficamos assim por quase 20 minutos enquanto Raul que já tinha terminado o banho nos assistia e se punhetava.

Raul:"-Ah! Eu tambem quero sentar assim!

Ruy rindo enquanto metia com tudo em mim:"-deixa de ser invejoso viado, eu disse que vai ter rola pra todo mundo não disse? Agora é a vez desse viado, depois é a sua. Mas fica olhando pra aprender, esse viado tá me dando a melhor sentada na minha rola que já levei!"

Aquilo me causou um certo orgulho. Gostei de ter ouvido aquilo. E mesmo com as pernas já doendo comecei a sentar e rebolar com vontade.

"-Isso puta, vai, se solta"

E mais eu pulava com vontade na pica dele

"-caralho, isso ai, não para que vou gozar"

E senti o corpo dele estremecer, os urros, grunhidos, o apertar de olhos e os músculos dele se contrair. Caralho aquiles é o jeito de um macho gozar. Compensava a dor nas pernas e dor que senti na metida violenta dele só por ver aquela gozada dele.

Eu estava molhado de suor e satisfeito, sentia a rola dele pulsando dentro de mim, ele terminava de gozar e começava a abrir os olhos.

Com um sorrisinho sacana:"-Mandou bem na sentada. Tá de parabens. Agora sai da rola, tenho que preparar ela pro Raul ali que já tá com a boca cheia d'água ali esperando a vez dele."

Me levantei sai da rola e cai deitado na cama enquanto ele mais uma vez ia para o banheiro quando parou na porta se virou e disse:"-Raul o viado grandão ai tá dispensado, despacha ele que depois que eu te comer vou tirar um sono."

Já eram mais de três horas da manhã e minhas pernas estavam bananas de tanto sentar em pica. Catei minhas coisas e fui acompanhado de Raul no outro banheiro tomar um banho.

Raul:"-Cara não fica chateado não, você é gente boa e tanto eu como ele gostamos de você. Ele que tem esse jeitão meio estúpido.

Eu:-"tá tudo bem, e ele pode ter esse jeitão né? O cara fudeu nos dois e ainda tem mais uma te esperando.

Raul rindo de leve:"-Pois é, termina ai e pode sair batendo a porta. Ele fica ai ate segunda de noite, aparece ai pra gente repetir.

Eu:"-pode deixar, apareço sim"

Raul:"-Eu tambem tenho seu celular e você o meu e qualquer coisa a gente vai se falando, agora deixa eu voltar pro quarto que quando ele sair do banhoa já vai querer começar logo comigo.

Nos despedimos, tomei meu banho e fui embora.

Ruy foi um marco na minha vida. Sua potência, seu corpo, sua virilidade e sua masculinidade eram de causar inveja a muito moleque novo e despertar o desejo de muitos homens. Tratava-se se de um puta macho, e mostrava que o fato dele ser coroa não o diminuía comparado com ninguém. Essa experiência me marcou muito. Durante anos me punhetei na intenção dele principalmente lembrando sa segunda vez que transamos. Embora eu tenha adorado, a idéia de tamanha submissão, que muito me excitava nele, me assustava em outras pessoas e por isso não procurei repetir novamente. Levei anos para encontrar um macho mais viril, potente e metedor do que ele. Aliais nem achava ser possível. Mas um me apareceu. Diferente de Ruy que tinha uma dominação pisicologica e de atitude, esse novo macho era mais bruto e ate me chegava acausar hematomas, mas mesmo assim esse se mostrou ser o homem da minha vida. Mas bem, isso é outra historia.

Comentários

12/09/2012 18:27:40
Demais!!!
07/05/2012 12:28:22
pqp! Maravilhoso seu relato, parabéns!
04/05/2012 18:08:28
Gostei mais da historia do Bruno. Vc escreve bem. Devia esrever telenovel.
04/05/2012 00:58:13
Um Macho tesudo desses é de enlouquecer!!! Amei o relato!!!
02/05/2012 15:37:13
Tesão do cacete. Ahhh se eu arrumo um coroa metedor desses...
01/05/2012 21:10:27
Excelente ! Leia os meus tbm e dê sua opinião.
01/05/2012 21:02:19
Migo, parabens! Mais uma vez vc nos brinda com esta excelencia em conto.... Entendi que este foi antes de sua mudança para os USA, bem como antes do Bruno....mas sinceramente, que macho era este? Credo!! Vai foder assim la em casa....rsrsrs. O mais legal em vc, eh como vc consegue transmitir a nos (ou a mim pelo menos), cada emoçao, sentimento seu, atraves de suas palavras....cara, isto eh um dom, nao deixe que acabe, pois vc nao imagina o quanto, vc eh esperado por aqui....um bjo grande a vc e ao Bruno...to com saudades sim de vc ta? :)
01/05/2012 19:29:16
FANTÁSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSTICO....................
01/05/2012 18:52:42
Voce não se cansa de nos surpreender otimo conto... Parabéns e sem sombra de duvidas nota 10.
01/05/2012 14:19:33
gostei muito do relato
01/05/2012 11:05:02
Arcmos, grande ideia, vou estudar isso. Bem que na verdade, escrever para mim virou uma terapia. Foi ideia de um terapeuta que eu estava frequentando e gostei mesmo. Nem imaginava que eu tinha jeito para coisa. Na verdade a primeira historia que estou publicando que não tem ligação com experiencias pessoais minhas é a Adestrando Betão, mas as outras são coisas que vivi. Sim, isso se passou anos antes de Bruno. Hj vejo que foi essa experiencia com Ruy que me preparou para a experiencia com Bruno. Tenho que agradecer a ele por isso. Abraços.
01/05/2012 10:50:12
Excelente a história Matheus! Não canso de acompanhar seus contos, adoro também quando as historias tem ligação (imagino que essa aconteceu antes da historia com o Bruno). Queria fazer uma sugestão também, por que você não faz um blog ou um site pra postar seus contos? Sei que alguns servidores de blog (como o blogspot) tem recursos de agendamento de publicação, que talvez venham a calhar... mas bom, é uma sugestão, vou acompanhar suas historias onde quer que você as publique. Parabens
01/05/2012 02:20:38
maravilhoso

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.