Casa dos Contos Eróticos

Feed

CURTAS - Chupei cuzinho meladinho da minha irma dormindo

Autor: Fabio
Categoria: Heterossexual
Data: 18/08/2011 15:30:49
Nota 7.40
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Seguindo a minha série de contos mais curtos. Esse que vou contar aconteceu recentemente quando tive que dormir na casa da minha mãe pois minha esposa estava viajando. Minha irma mais nova ainda mora lá com ela.

Como atualmente tenho tido muito interesse por sexo mais bizarro, essa noite tive a oportuniade de fazer algo muito gostoso.

Atempos, desde que minha irma é mais nova, senti desejo por ela. Ela é muito gostosa e tem uma bundinha bem redondinha e durinha.

Nessa noite vi que ela chegou em casa cedo e tomou banho. Depois que jantamos ela foi ao banheiro e demorou um pouco.

entrei logo depois e vi que ela estava cagando pois estava um cheiro forte e vi o papel no lixeiro.

Mas parecia ser pouco papel pro volume de bosta que tinha e fiquei imaginando que seu cuzinho ainda deveria estar meio meladinho.

Então armei um plano pra tentar comprovar isso.

Ofereci pra ela um suco antes de dormir que eu tinha preparado especialmente com um comprimido que realmente deixa o sono mais pesado. Ele nao faz dormir de momento, mas depois capota a pessoa. Uso em dias de muita insonia.

Então na calada na noite, o quarto dela fica mais perto do meu e entrei la sorrateiramente.

Ela estava dormindo de ladinho e só de camisolinha e calcinha.

Comecei a passar a mão na perna dela pra ver se acordava e nada. Ela tava num sono pesado mesmo.

Fechei a porta e me ajoelhei perto da sua bunda.

Puxei pra baixo o lençol, subi sua camisola e fiquei vendo sua bundinha linda com aquela calcinha tanguinha.

Comecei a alisar sua bunda morena com a mão e sentindo cada centimetro dela.

Suas pernas estavam dobradas e pude ver o volume da sua buceta.

Cheguei bem pertinho e comecei a cheirar a região da sua xana e cuzinho.

Realmente minahs suspeitas se confirmavam. Senti o cheirinho da sua bucetinha mijadinha e do seu cuzinho caracteristico.

Peguei meu celular para fazer uma luminosidade e puxei sua calcinha pro ladinho. Ela nem esboçou reação.

Assim então pude ver sua bucetinha com poucos pelos e seu cuzinho delicioso.

Vi que realmente estava meladinho ainda devido a cagada que ela tinha dado antes.

Não perdi tempo, cheguei bem pertinho e dei uma cherada gostosa no seu cuzinho.

Com a mão abri um pouco mais, com cuidado e comecei a passar a linguinha em volta dele.

O remédio era bom, ela realmente estava desmaiada de sono.

Então não perdi tempo e meti a lingua no seu cuzinho chupando ele!

O gostinho de cuzinho elado logo veio a tona e me deliciei nele.

Passei a lingua nele e fui lambendo ate sua bucetinha ainda com gostinho de xixi.

Lambi muito e voltei pro seu cuzinho deixando ele que estava meladinho ainda bem limpinho de tanto que chupei.

Como ela nem se mecheu, comecei a tentar meter o dedinho no seu cu e fui empurrando de vagarinho.

A pontinha do dedo entrou e pude ver que seu cuzinho ainda estava cheio. Meti mais um pouco ate a metade e quando tirei meu dedo veio sujinho.

Fiquei cheirando ele e não resisti e chupei tudo.

Que delicia, estava muito gostoso.

Então não resito e voltei a chupar seu cuzinho que tinha ficado meladinho novamente.

Ao mesmo tempo tocava uma punheta gostosa e enfiava a cara na bunda da minha irma.

Não aguentei e gozei gostoso com a lingua no cu dela e esporrando toda minha cueca.

Foi uma delicia.

Sai do quarto dela e fui dormir. No outro dia ela nem desconfiou.

Mulheres a fim de falar gostoso sobre sexo e fantasias assim me adicionem no msn: motoqueiro001@hotmail.com

Comentários

19/11/2013 14:43:31
sensacional
03/07/2012 00:08:25
Bem curto, deveria ter mais detalhes, mas é um bom conto, nota 7.
28/08/2011 09:46:11
boa historia mas se fosse comigo não precisava de remedio.
28/08/2011 09:44:46
BOA HISTORIA. SE FOSSE COMIGO NEM PRECIZAVA DE REMEDIO.
22/08/2011 07:43:32
me passa o nome desse remédio.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.