Casa dos Contos Eróticos

Feed

Sem noção do perigo!

Autor: CONTADOR
Categoria: Homossexual
Data: 14/07/2011 11:05:55
Última revisão: 14/07/2011 12:40:07
Nota 10.00
Assuntos: Gay, Homossexual
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Como relato nos contos anteriores a minha juventude foi deliciosa sexualmente falando, já na fase adulta a responsabilidade aumentou, casado, uma vida paralela como a que levo me fez ter mais cuidados para não me trazer problemas, pois o desejo ou tesão para com pessoas do mesmo sexo, ainda são tabus no nosso país, esse encontro que relatarei agora aconteceu no fim do ano passado já na minha residencia, espero que gostem.

Dezembro de 2010, a minha esposa foi passar as festas do final de ano no seu estado natal, como temos um empresa não pudiamos sair juntos e resolvemos que ela iria sozinha com o nosso filho. Um acerta noite sem um programa definido resolvi sair para comer algo, proximo da nossa residencia tem uma venda de churrasquinho que geralmente eu para para rever as meninas donas da venda e fazer uma boquinha, nada que fuja da regra, ao passar do tempo chega um amigo que eu não o via a bastante tempo, Elias pessoa boa, familia toda de evangelicos, cara bacana e que jamais passaria na minha cabeça até aquele momento que algo pudesse acontecer entre a gente, falamos sobre tudo, uma boa conversa estava rolando, perguntei por onde ele andava que ele tinha sumido, ele me falou que tinha ído viajar á trabalho, casou e descasou, falou que tinha feitos varias coisas, conhecido pessoas novas, estava afastado da igreja, mas que estava tudo bem, perguntou como estava meu casamento, falei que ia tudo beleza e que a esposa estava viajando.

A conversa estava ótima e nem notamos que a hora tinha passado depressa, as meninas estava para ir embora e Elias tinha perdido o ultimo coletivo que o velaria para o seu bairro, pronto e agora? Como farei para passar á noite aqui? Disse Elias. Como era tarde e seria perigoso deixalo só na rua, eu oferecir a minha casa para ele passar á noite, convite este aceito de emediato pelo rapaz. Então sem maldade de ambas as partes partimos para minha residencia, era uma sexta feira, uma noite agradavel, resolvemos então esticar a noite, resolvir oferecer umas cervejas e continuar a conversa á beira da piscina, papo vai, assuntos diversos rolando, mas nada de sobre sexo rolava, então, resolvir cair na piscina, que agua boa, gelada uma renovação para a alma e espirito, fato esse que mudou completamente o rumo da visita, elias então, resolveu entrar também para se refrescar, mas não teria outras peças de roupas para mudar e como farei , disse Elias?

Cara, estamos só, minha esposa não está, estamos na minha residencia, então você pode tomar banho nú, falei. Pronto, depois dessa ideia tudo começou a mudar, Elias então aceitou e tirou a sua roupa, deixando á mostra seu maravilhoso mastro, uma pica enorme, grossa que jamais imaginei pudesse ve-la, sem maldade elias pulou na piscina, mergulhou, brincou, pulou nadou e eu é claro não parei de imagir na sua deliciosa "madeira penetrando meu corpo", resolvir então dar uma iniciativa para matar o meu desejo, algo que começou ao ver aquela pica, tirei a roupa e ficamos completamente nus, assuntos picantes derrepente começaram a serem citados, transas, mulheres e coisas das nossas juventudes e claro não pudiamos mas esconder o tesão multo que tomou conta dos nossos corpos, a pica do Elias era algo fenomenal, uma coisa magnifica de ver, um verdadeiro mastro ela se formou, meu cú começou a me dar sinais que gostaria de recebela, meu corpo estava relaxado e sem mais esperar eu passei a mão em sua pica, algo proposital e que Elias não retrucou de forma alguma, pronto, aquela pica seria minha, Elias ficou espantado, mas sem dar uma palavra fechou os olhos e comeu a segurar o meu braço e pediu para eu punhetalo, prontamente atendir o seu pedido, movimentos lentos e macios eu fazia embaixo dagua, sentir o latejo do seu mastro,suas veias vibravam com os movimentos e sentir que o seu desejo aumentar, saímos da agua e sentei na cadeira á beira da piscina, Elias veio para minha frente com o seu mastro apontando para minha cara, nossa que cena linda, não demorei, abrir a boca e delicadamente comecei a xupala, beijala, babala, Elias em movimentos continuos dava impressão que iria inuar a minha garganta com a sua porra quente, eu claro, não queria que isso acontecesse, eu que sim sentir a sua gala inudar as minha pregas, sentir aquela pica enorme dentro de mim, mas Elias não segurou e gozou, uma quantidade enorme de porra inudou a minha boca, melando a minha cara completamente, fazendo que elias suspirasse aliviado, Elias então para minha surpresa quiz ir para o quarto, sua pica não baixava, continuava durissima, meu cú latejava de desejo e ele sabía disso e foi logo dizendo, vamos para o quarto, quero comer o seu cuzinho sua putinha, aquilo me deixou puto, mas cheio de desejo, Elias me jogou na cama e fiquei de quatro completamente relaxado, meu cú piscava, meu pau latejava, meu corpo tremia não dava para esperar mais, Elias deu uma xupada no cú, sua lingua quente e macia fazia o meu cú piscar ainda mais, não tinha mais controle sobre nada, queria mesmo era sentir aquela pica enorme dentro de mim, não demorou e ele começou a tentar penetrar meu cuzinho, pedir para ele pegar um lubrificante na comoda para facilitar a penetração e diminuir a dor que concerteza iria sentir, Elias fez e com muita maestria conduziu a sua enorme pica para dentro de mim, meu cú não sentiu nada, sua preocupação em me deixar á vontade era o mais importante e o meu desejo por ele ajudaram a relaxar ainda mais, estocadas e muitas estocadas eu sentir, minhas pregas tinham sumido, meu cú estava lisinho, seus ovos batiam na minha bunda, estavamos na mesma sintonia, varias posições fizemos, sentei na sua pica, na cadeira eu dei, frango assado de frente também,no banheiro eu gritei, na realidade estavamos fazendo amor com verdadeiros amantes do sexo, nada de pudor ou vergonha, queriamos sim, dar prazer e sentir prazer, era exatamente isso que queriamos, não demorou muito para que juntos sentissimos o climax do tesão, eu pedir para o meu macho não parar, me fazer de puta, gozar no meu cú, fiquei alucinado, pedir completamente a noção do perigo, do pudor, sair da razão eu só queria era sentir a emoção de gozar na pica daquele garanhão um gozo maravilhoso ele me deu, que delicia foi sentir a pica do Elias gozando no meu cú, passamos alguns segundos paradinhos, quietinhos saboreando o sentimento que aflorou naquele momento, foi demais, sentir o seu enorme mastro perder a sua magnitude dentro do meu cú, sentir ele sendo expulso de dentro do meu cu, olhar aquela pica mesmo mole imponente melada de gala, sentir em seus olhos o orgulho por ter vivido aquele momento sem culpa ou receio de nada, foi fantastico viver naquela noite.

passamos alguns minutos conversando e pegamos no sono, ao amanhecer sentir a lingua do Elias massagear o meu cú como se ele estivesse preocupado com o estrago que ele fez, mas todos sabem onde isso nos levou, Elias passaria somente uma noite, engano, Elias passou o tempo na minha casa até a minha esposa voltar da viagem, por isso que digo que perdir a noção do perigo naquele mês, que natal maravilhoso eu tive, mas isso ficara para as proximas historias......

Comentários

11/11/2011 23:36:41
tesão demais, amigo....
15/07/2011 17:28:44
ve se nao demora a voltar a contar mais relatos seus com seu amigo ou com outros... tesao cara
14/07/2011 11:36:09

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.