Casa dos Contos Eróticos

VINGANÇA OU CHANTAGEM? 2

Autor: valeriobh
Categoria: Heterossexual
Data: 01/04/2011 17:03:01
Nota 10.00
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários (3) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Após ter descoberto e filmado minha cunhada Ana fazendo boquete no amante, decidi tirar proveito disso, já que nutria um tesão antigo. Disse-lhe se não se submetesse as minhas ordens, entregaria o pendrive com a filmagem ao marido-corno dela. Sem outra opção, Ana concordou e se integrou as minhas taras sexuais. Dentro do escritório da sala da casa dela, coloquei o pau pra fora e mandei chupar como havia feito no dia anterior. Sem alternativa, Ana abriu a boca e passou a chupar a pica de forma mecânica. Dei-lhe um leve tapa no rosto e mandei chupar direito porque senão iria embora. Ela segurou a pica e passou a socar e boquetear com força, enfiando o falo até encostar a cabeça na sua garganta. Aproveitei e peguei meu celular e passei a filmar a cunhadinha chupando meu pau. Dei um close no ambiente para comprovar que ela estava chupando outro homem na própria casa. Ana estava tão entregue ao ato que não notou a filmagem. Quando estava pra gozar, falei que ela não deveria engolir a porra de imediato, mas colher o leite na boca pra me mostrar. Despejei vários jatos de gala, e quando Ana levantou a cabeça com a boca aberta é que se deu conta que eu a estava filmando. Permaneceu estática, e mandei que engolisse lentamente o leite quente do cunhado. Meu tesão era tanto que mesmo após ter gozado, meu pau permaneceu duro. Mandei que Ana ficasse de quatro no sofá, com as mãos arreganhando a buceta e a bunda. Filmei um pouco mais e antes de meter a pica dei uma generosa linguada na xota. Apontei a cabeça e meti num único e forte movimento. Quando estava metendo alguém bateu na porta dizendo que o marido dela a estava chamando no telefone. A própria Ana gritou que estava ocupada e que era para passar a ligação praquele ramal do escritório. Peguei o telefone e mandei que falasse com o marido e continuei metendo na xota até gozar. Limpei o pau em sua calcinha e fui embora. No dia seguinte telefonei pra ela e mandei que fosse até a empresa do marido (sócio do meu pai), onde eu também trabalhava, e me procurasse antes de procurá-lo. Ela chegou na hora marcada e como eu tinha mandado minha secretária fazer um serviço externo, ninguém notou quando ela entrou direto na minha sala. Mandei que fechasse a porta e tirasse a roupa e viesse me fazer um boquete. Dessa vez ficou nua sem reclamar e logo estava com o falo na boca. Quando ela pressentiu que eu iria gozar, intensificou a punheta e abocanhou para engolir o leite e não sujar seu rosto. Mas decidi não gozar em sua boca, mas em seu cu. A coloquei sobre a mesa e passei a meter na xota com força, levando-a a um orgasmo. A coloquei na posição de frango assando, tirei o pau da xota, cuspi no cu da vadia e fui empurrando a pica até sumir dentro daquele delicioso rabo. Não consegui segurar o gozo nem dois minutos, e despejei vários jatos de porra no intestino dela. Peguei a calcinha dela e limpei o pau, um pouco sujo de merda e porra. Mandei que continuasse do mesmo jeito, e de dentro da gaveta peguei um absorvente tampax e o introduzi em seu cu, dizendo que era para reter a porra e não descer pelas coxas. Após se arrumar, mandei que esperasse 10 minutos e fosse até a sala do marido. Sai e pra lá me dirigi. 10 minutos depois, estando eu sentado e meu pai sentados no sofá, e o marido dela em sua mesa, a secretária anunciou a chegada da esposa dele. Fiz cara de surpresa e fui logo cumprimentar minha cunhada. Ela ficou um pouco ruborizada, mas ao beijar o marido fez questão de olhar pra mim, com cara safada. O marido ficou feliz com a visita, mas disse que não poderia almoçar com ela já que ele e o sócio já tinham marcado um almoço de negócios com uns fornecedores, tendo ele próprio me perguntado se eu poderia levar a esposa pra almoçar e depois levá-la embora. Antes de sair ela entrou no banheiro e depois me disse que havia tirado o tampax que a estava incomodando. Falei que ela deveria me encontrar na minha sala, e nesse meio tempo liguei para meu sócio no motel e lhe pedi para reservar uma suíte, porque iria levar uma mulher pra meter. Como ele não conhecia minha cunhada, lhe disse que era uma funcionária casada da construtora que estava doidinha pra virar putinha. Safado como eu, ele me perguntou se eu não topava dividi-la com ele. Antes que eu respondesse ele disse que se eu concordasse em dividir a putinha, iria colocar na minha mão (ou pica), uma ninfetinha de 17 anos, amiga de sua filha que ele estava comendo. A última menina nova que havia comido foi minha esposa, e contente disse que topava o acordo, e que iria deixar a porta do quarto aberto e que ele deveria entrar silenciosamente pra não assustar a garota. Dentro do carro rumei direito pro motel e pedi a mesma suíte que ela havia estado dias antes com o amante. Senti que ela ficou um pouco apreensiva, e dentro do quarto, mandei que fosse se lavar. Quando retornou do banho, mandei que se deitasse de bruços em cima de dois travesseiros, para empinar ainda mais a bunda. Amarrei seus pulsos na cama e a vendei. Abri a porta e mandei meu sócio entrar. Ele ficou maravilhado com aquela bunda totalmente exposta. Com as mãos mandei que se servisse e ele já foi tirando a roupa e se debruçou atrás dela e passou a chupar sua buceta e cu. Deixei que o amigo se servisse da minha putinha por um longo tempo, levando-a a um longo orgasmo. Com o pau pulsando de tesão, ele ajeitou a cabeça na buceta da Ana e empurrou lentamente até encostar o saco nas coxas dela. Meteu por cerca de cinco minutos, e quando sentiu que iria gozar, tirou o pau e me cedeu o lugar. Nossos paus tinham quase o mesmo tamanho e ela não notou qualquer diferença quando eu meti na xota, já toda babada. Bombei bom violência ao ponto limite do gozo, e querendo prolongar a transa, tirei e cedi o lugar pra ele. Revezamos a buceta dela por mais de meia hora, levando-a a vários e intensos orgasmos. Já cansados, decidi que havia chegado à hora do desfecho final. Desamarrei os pulsos dela e me ajeitei sob o corpo da Ana e meti em sua xota, fazendo que ela me cavalgasse. Segurei fortemente seus braços e fiz sinal pro meu amigo meter por trás. Ana se assustou quando sentiu algo encostar no seu cu e tenteou se esquivar. Mandei que ficasse quieta e que curtisse o momento. Meu amigo passou um pouco de KY no cu dela e foi empurrando a pica, até que ela foi engolida pelo reto. De forma sincronizada começamos a bombar e logo enchemos seus dois orifícios com vários jatos de porra. Meu amigo tirou a pica e esfregou nos lábios dela, que aos poucos se abriram, iniciando uma bela chupada nele. Somente após meu amigo ter saído do quarto é que tirei sua venda e mandei que também limpasse meu pau com a boca, o que foi cumprido. Ela falou que estava com a buceta toda assada, mas que nunca havia gozado tanto na vida, e adorou ter virado minha puta. (dickbh@hotmail.com)

Comentários

25/06/2012 05:05:26
05/05/2011 20:27:16
Que cunhado gostoso e safado. bjos
01/04/2011 18:19:42
Hehehe a hora da vingança é show,agora ta tudo certo ,vai comer até enjoar,aproveita pra tirar o atrazo rssss.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.