Casa dos Contos Eróticos

Feed

FAZENDO A EMPREGADA CRENTE GOZAR

Autor: Sr. Fetiche
Categoria: Heterossexual
Data: 09/04/2011 08:53:14
Última revisão: 21/04/2011 16:35:50
Nota 9.20
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

O conto que passo a relatar para vocês quando veio trabalhar na casa de minha tia uma nova empregada.

Ela é morena, lábios carnudos (que foi o que despertou em mim o tesão), seios médios, baixa, é crente, não era nenhuma deusa, mas bem tesudinha e fiquei de olho. Vou chamá-la de Paty. Com o passar dos dias passei a puxar assunto com ela, principalmente quando estávamos sozinhos em casa.

Ela precisou resolver uns problemas e como não sabia onde era eu a acompanhei para lhe ensinar, e nesse dia enquanto conversávamos ela me contou que o seu namorado não era carinhoso com ela, era meio bruto, só pensava nele (ou seja só queria gozar e esquecia de fazer ela gozar, etc) e aquela conversa me deixou com mais tesão.

Eu passei a chegar mais perto dela quando estávamos sozinhos (antes eu já conversava com ela bem próximo), mas passei a alisar o seu braço, tocar em seus cabelos e também lhe dava umas encoxadas no ombro, braço quando ela estava sentada e em seu bumbum, quando ela estava em pé, perto de mim, tudo isso de forma discreta e com o seu consentimento. Ela passou a usar umas saias mais curtas, com cintura baixa (que deixava aparecer a calcinha) e também vestidos mais provocantes e blusas mais decotadas. E eu é claro gostando, aproveitava para elogiar, para dizer que gostaria de ver ela com tal roupa. Cheguei até a lhe presentear com uma calcinha.

E assim ficamos com essas nossas brincadeiras, quando eu ia por lá e ela estava só ou quando ninguém estava por perto eu dava umas encoxadas nela, umas alisadas, uns cheirinhos no pescoço e por ai vai.

Teve um dia que cheguei lá e ela estava com uma saia jeans de cintura baixa, calcinha braça e uma blusa decotada. Eu me aproximei dela encoxando-a, meu cacete ficou duro na hora e ela sentiu, ao mesmo tempo em que lhe encoxei passei a alisar a sua bunda por cima da saia, coloquei as mãos por dentro de sua saia e fiquei alisando o seu bumbum, depois levantei a sua saia e coloquei a calcinha enterrada na bunda, em seguida alisei a sua buceta por cima da calcinha, sentindo o calor e a umidade, ela estava muito excitada, molhadinha, estava ofegante, ela levantou a minha camisa e ficou alisando meu peito, me cheirando, enquanto eu afastei a sua calcinha e senti pela primeira vez a sua buceta, estava com pelinhos, macios e sedosos, uma delícia, fiquei massageando o grelinho, enfiando os dedos em sua buceta molhada, ela gemia baixinho, estava quase desfalecida, eu a puxei para o quintal e chegando lá coloquei o meu cacete para fora e ela ficou me masturbando, alisando o meu cacete, segurando com os dedinhos de sua mão pequena, ele já estava babando, de tanto tesão, mandei ela se abaixar e ela assim fez, se abaixou e fez um boquete muito gostoso colocava o cacete todo na boca, tirava, lambia a glande, percorria com a a sua língua toda a extensão de meu cacete, lambia as bolas, uma delícia, algo que eu havia sonhado desde a primeira vez que vi os seus lábios carnudos, e assim com esse boquete maravilhoso ele me faz gozar gostoso e inundar a sua boquinha de lábios carnudos com a minha porra quentinha.

Em seguida eu a coloquei em pé, ela ficou se segurando na grade da janela, afastei a sua calcinha e foi a minha vez de sentir o seu mel que escorria de sua buceta peludinha, de pelos negros, macios e sedosos, enfiava a língua, chupava e mordia com os lábios o seu grelinho, ela gemia e pedia para eu meter nela, mas eu queria sentir o seu mel em minha boca a assim o fiz, a fazendo gozar gostoso e se não se segurasse na grade da janela tinha caído de tanto gozar. Fiquei em pé a coloquei de costas levantei a sua saia e afastei a calcinha e a penetrei por trás, metendo com força em sua bucetinha quente ao mesmo tempo em que enfiava o dedo em seu cuzinho. Ela gemia, dizia palavras desconexas, estava toda arrepiada, tremia, e eu a chamando de minha putinha, de minha crentinha puta, e ela gemendo, me chamando de cachorro, safado. E assim com a sua buceta gulosa apertando o meu cacete e eu metendo com força, chegamos a um orgasmo delicioso, onde inundei a sua buceta com minha porra quentinha. Estávamos suados e poderia chegar alguém. Ela foi tomar um banho e eu fiquei aguardando. Depois que ela terminou eu esperei chegar alguém em casa e fui embora.

Essa foi a minha primeira transa com a empregada crentinha, espero que tenham gostado e façam contato. Meu MSN/e-mail é: sr-fetiche@hotmail.com.

Comentários

L&P
26/08/2013 14:38:36
Excitante!!!
08/08/2012 19:27:19
legal noa dez mns pra gatas é jeovanissi2012@gmail.com
02/09/2011 15:19:21
legal seu conto,mais essa ai esta muito assanhada para ser crente
01/09/2011 09:08:48
manda ela mi add ai po(dagoogan@hotmail.com)
05/06/2011 18:30:04
E viva a repressão! Quanto mais reprimem as fiéis, mais taradas elas ficam. A menina tava mesmo necessitada, cara. Parabéns pela transa. Eu também estou seriamente em me tornar um neo-evangélico. Rss.
11/05/2011 08:13:18
EXCELENTE.
30/04/2011 06:10:15
Muito bom, Sr.Fetiche. Escrito de forma perfeita, com português correto e uma história excitante, bem narrada. A Paty já deve ter trocado o mala por uma namorado melhor. Parabéns!
23/04/2011 02:12:05
ficou curtinho,mas foi legal,continue contando + hehe.
22/04/2011 23:18:09
Nossa cara 100 + comentarios...
22/04/2011 17:14:33
foi muito bom.conte mais oi sophie.meu msn(dagoogan@hotmail.com)se vc quiser gosar muito entre em contato blz.
09/04/2011 11:14:47
Bem escrito, só uns poucos errinhos de digitação, nada absurdo. Gostei bastante e adoraria ser fodida desse jeito, exposta, rs. Se quiser, meu e-mail é sophie.beaumont@bol.com.br Nota 09.
09/04/2011 09:46:41
Quando alguém comenta as insatisfações com sua vida sexual, é a ¨deixa¨ mais direta e sutil, de que quer um ¨algo mais¨. Conto excitante e muito bem escrito. Adorei e estou tendo um prazer extra, de ser a primeira a comentá-lo. A nota? Só pode ser dez!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.