Casa dos Contos Eróticos

Feed

DONA DORA E O CAVALO

Autor: STRANGER
Categoria: Zoofilia
Data: 09/03/2011 11:23:40
Nota 8.17
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Neste conto eu participo do acontecido, mas não atuando e sim como voyeur e só pra variar aconteceu quando eu ainda era adolescente. Nunca contei pra ninguém... Até agora.

Minha mãe estava trabalhando pra uma senhora muito gente fina, seu nome era Dora, uma cinqüentona bonitona, meio gordinha, e como toda gordinha, tinha um lindo rosto. Seu marido o seu José era um fazendeiro bem sucedido no ramo do café e tinha, além das fazendas produtivas, uma chacrinha para lazer. Eu adorava ir até lá, pois tinha um riozinho maravilhoso com uma pequena lagoa e eu me deleitava, além do fato de ter muitos lugares onde brincar e também as frutas de tudo quanto é qualidade.

Dona Dora era uma solitária, tinha dois filhos, um era recém casado e o outro estudava na Capital eram somente ela e o seu Zé, que vivia mais nas fazendas,do que em casa. Então suas companhias eram eu e minha mãe, que morávamos no sitio vizinho, e a bicharada que morava em todo o lugar.

Havia também o "Polaquinho", um potro de menos de dois anos que a Dona Dora adorava, vivia dando banho no cavalinho, e todas as manhãs montava em seu lombo e ia cavalgar pela chácara, sumindo por horas. De vez em quando ela me deixava montar nele, mas o bicho só era manso com Dona Dora, quando eu o montava ele ficava muito arredio e eu ficava com medo.

Certa vez encontrei um pneu velho e com dois paus entrelaçados dentro, eu fiz uma espécie de carrinho, que foi meu brinquedo por um tempo, e eu andava por toda a chácara empurrando o pneu e imitando o som de um motor com a boca, era uma alegria exaustiva e depois de muito brincar eu ia me banhar no riozinho, que ficava a uns dois quilômetros da casa.

Uma vez peguei Dona Dora tomando banho no riacho, e fiquei espiando, mas ela estava de roupa e não deu pra ver muita coisa, só os peitões imensos que ela tinha davam pra ser vistos através da roupa molhada.

Mas outro dia a coisa foi diferente, ela saiu cedo montada no "Polaquinho" e foi dar sua cavalgada habitual, e eu fui brincar com o pneu velho. Passou-se uma hora e eu havia empurrado o pneu por um bom trecho, quando resolvi descer até o riacho. Adentrei-me na trilha que levava até o laguinho e fui descendo, estava quase chegando, quando ouvi um breve relinchar e uma bufada própria dos cavalos, - Opa, imaginei, - Dona Dora deve estar tomando banho no rio.

Caminhei bem devagar pela trilha, e me escondi entre a vegetação, de modo que de onde estava tinha uma visão privilegiada de Dona Dora que dessa vez estava nua em pelo, ela mergulhava, nadava, até que resolveu sair da água e ficou sobre uma pedra grande secando-se ao sol. Eu admirava o corpo gordinho dela, e fui logo tirando o pau pra fora e começando uma punheta em homenagem a ela, até tive vontade de me aproximar e comê-la de algum modo, mas o medo falou mais alto, e com 14 anos a gente é medroso pra cacete, mas mal sabia eu o viria pela frente.

Percebi que Dona Dora começou a se tocar, primeiro nos grandes seios, depois descendo a mão até a bucetinha peluda, e põe peluda nisso, e começou uma siririca ali mesmo, rebolava, gemia, suspirava. Aquilo me deixou cheio de tesão, e pelo jeito o "Polaquinho" sentindo o cheiro da fêmea no cio, também ficou excitado, soltando a sua benga pra fora, e se aproximando de Dona Dora, que se levantou da pedra e começou a acariciar o pelo do cavalinho, enquanto que com a outra mão ainda mexia na buceta. Ela deu uma olhada para os lados pra confirmar se não havia ninguém, mas eu estava bem escondido e ela não me viu, então se abaixou sob o cavalo e pegou no cacete do animal que devia ser o kid bengala dos cavalos, pois tinha uma pica enorme, e começou a punhetá-lo bem devagarzinho, quase dei um grito com o susto que levei ao ver a cena, mas me contive e continuei observando. Ela estava tomada pelo tesão, havia perdido totalmente a compostura, e agora era uma desvairada inconseqüente, tocava na buceta, e punhetava o cavalinho que dava pequenos trancos com as ancas em direção à mão da coroa. Ela fungava,gemia, rebolava, e aumentara a velocidade com que enfiava os dedos na xoxota, então num impulso deu uma lambida no pau, e deve ter gostado do sabor, pois em seguida o abocanhou, e começou a chupá-lo com vontade, o bicho devia estar adorando, pois tremia todo o corpo e dava pequenas batidas com as patas dianteiras, como se aquela situação prazerosa o incomodasse, pois queria era meter pra dentro de uma buceta. Dona Dora compreendendo a aflição do animal, puxou pela rédea até a pedra onde antes descansara, e posicionou o animal de modo que ela pudesse entrar por baixo dele, deitada sobre a pedra, e começou a passar a chapeleta do cacete na entrada da buceta, se lubrificando com a grande quantidade de líquidos que saia do cacete. Quando estava bem lubrificada ela pegou o pau, e foi encaixando a chapeleta na entradinha e com pequenos movimentos e muita paciência foi sendo penetrada por aquela pica gigantesca. Eu nem conseguia acreditar no que estava testemunhando, aquilo me deixava loucamente excitado, e aumentei o ritmo de minha punheta.

O Pau do cavalo estava com a metade dentro da buceta de Dona Dora, e ela com as duas mãos segurava o restante que ainda estava pra fora e como uma égua no cio rebolava e gemia na pica do animal, era algo dantesco, inimaginável, mas era real e ela aumentou a velocidade dos movimentos, o cavalo dava trancos na anca, querendo entrar todo dentro dela, mas ela o controlava com as duas mãos não deixando entrar de uma vez. E nesse ritmo vi que ela começou a gemer mais alto, e suspirar mais demoradamente, aumentando o ritmo em que punhetava a parte de fora da pica, e de repente ela gozou, foi um gozo intenso, ela arfou, gemeu, rebolou, e se tremia dos pés a cabeça, aquilo deve ter deixado o cavalo doido, pois em seguida ele também gozou, e foi um banho de porra como nunca imaginei em toda a minha vida, ele literalmente a inundou, tanto que saiu uma boa quantidade de porra a deixando totalmente banhada do leite branco e grosso do animal. Eu também gozei, gozei como louco, esguichando porra a quase dois metros de distância, de tão excitado que eu estava com a aquela situação.

Dona Dora levantou da pedra com as pernas meio bambas, entrou novamente no rio e voltou a banhar-se. Polaquinho voltou a pastar calmamente como se nada houvesse ocorrido. E eu me mandei logo dali.

Aquilo ficou em minha mente por vários dias, mas não contei a ninguém. Mas decidi que ia comer a Dona Dora e comi claro, usando de chantagem pelo que havia visto. Mas isso é outra história.

Comentários

23/03/2011 20:46:59
Parabéns! Seus textos são muito bons. Acho sua escrita ótima. Vou ler os outros, com certeza. Dez!
13/03/2011 15:20:51
Excelente e muiot excitante seu conto, fiquei louco de tesão. Continue.
10/03/2011 13:53:11
oi tenho alguns videos zoo que mando através de e-mail ou msn pra amigas carlinhos4712@gmail.com
09/03/2011 21:16:11
Adoro zoo e seu relato é 10 volte com a continuação !!! gaucho.fmello@gmail.com
09/03/2011 16:40:50
Muito excitante o conto. Um tesão.
09/03/2011 15:20:27
Olha não vejo a menor graça em zoofilia....Com tanta gente querendo trepar...

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.