Casa dos Contos Eróticos

Feed

Fui pagar pra ver e o meu cu foi que pagou

Categoria: Heterossexual
Data: 16/02/2011 17:02:57
Nota 9.75
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá, meu nome é Sofia e vou dividir com os amigos mais uma transa super gostosa que tive, que sem dúvida alguma, me deixou marcas bem profundas de puro tesão.

Há algum tempo atrás, narrei minha experiência sexual com o Maurício, um gatinho de 19 anos, amante de uma amiga minha, que acabou se transformando numa gostosa foda. Depois de nossa transa, ele vivia dando em cima de mim, para que tivéssemos uma nova relação só que agora, queria transar somente comigo (na transa anterior, tínhamos feito uma transa super gostosa juntamente com minha amiga). Acabei cedendo à tentação e tivemos realmente mais uma exuberante foda onde, mas uma vez, pude perceber a tara e o tesão do Maurício que, me preencheu todos os meus orifícios principalmente no cu, onde levei mais uma vez, aquela tora gostosa, me carregando de prazer. O tarado se dizia louco pelo meu rabo e, como não sou boba, aproveitei ao máximo aquele prazer ainda mais, pelo safado ser bem gostoso e diga-se de passagem, portador de uma bela ferramenta. Num de nossos momentos de descanso, depois de ter dado gostosamente para o Maurício, ele ficou alisando meu rabinho e fazendo uma massagem super sensual na minha portinha de trás e falou:

- Nossa meu tesão. Este seu rabinho me enlouquece. É de deixar qualquer homem verdadeiramente louco.

- Você é mesmo um tarado. Vou ficar com as preguinhas todas inchadas de tanto lhe dar o cu. Ta pensando que é fácil agüentar uma tora como a sua – falei enquanto sentia seu dedinho a penetrar meu orifício.

- Que é isto meu amor – falou enquanto continua a me excitar – meu pau até que é pequeno, queria ver se você pegasse um jumento como meu primo aí sim, você veria o que é ficar com o cu esfolado.

De pronto aquela conversa me atiçou o pensamento. Comecei a questionar sobre seu primo e ele me falou que o Oscar (seu primo) era um verdadeiro jumento e que sua fama como detonador era motivo de farra em toda a família. Algumas namoradas inclusive, acabaram o relacionamento, por dizerem que era impossível agüentar a sua benga.

- É tão grande assim? – falei já com segundas intenções.

- Em comprimento até que não, é de tamanho normal mas na espessura, o cara realmente é desproporcional. Sua cabeça parece uma bola de bilhar de tão inchado que é seu instrumento.

Rimos gostosamente e não vou negar, que acabei ficando curiosa com o descrito e acabei falando:

- Ah, só acredito vendo!

- Ficou curiosa né safada! Se quiser, posso arrumar isto pra você! Agora depois, não vem reclamar não ta, pois ele vai te arregaçar.

Fiquei num misto de medo e tesão mas falei:

- Vocês homens são todos iguais. Vivem fazendo “propaganda enganosa”.

- Então ta bom, se você acha que é mentira minha, se quiser chamo o primão para te fuder aí sim, você vai ver o que é gemer sua gostosa mas depois, não reclame não ta!

Passados alguns dias, nos quais já havia até esquecido a conversa, o Maurício me liga e fala:

- E aí Sofia, ta ainda a fim de conhecer o primão?

- Aquele da “propaganda enganosa” – e ri no telefone.

- Aquele sim, contei a ele da sua vontade de conhecer o instrumento dele e ele falou que está a disposição mas que você se prepare, que ele vai deixar sua bucetinha literalmente inchada.

- Nossa! – exclamei já cheia de tesão – o rapaz se garante né?

- Você vai ver ou melhor, sentir. Posso marcar com ele?

E, após conversar com meu marido relatando o fato e, devidamente liberada, marcamos um encontro para daqui a dois dias. Fiquei imaginando se seria tudo isto mesmo mas, na pior das hipóteses, teria um dia de muito prazer com os dois. No dia marcado, nos encontramos num bar e pude perceber que o rapaz era bem bonito mas, nada que pudesse realmente dizer da sua “fama”. Em pouco tempo, resolvemos seguir para um motel da região para saciar minha curiosidade. O Oscar, entrou escondido no banco de trás e, fui literalmente carregada pelos dois para a suíte, sendo literalmente bolinada pelos dois, em estado de puro tesão. Os dois partiram para um verdadeiro ataque em mim onde, em poucos minutos, estava literalmente livre de minhas roupas e recebendo mãos e dedos pelo meu corpo. Tentava levar a mão até o pau do Oscar que a todo o momento dizia para ter calma que, já que tinha duvidado dele, ele teria uma bela surpresa para mim. Aquele jogo sexual e de puro tesão, começou a me deixar louca e resolvi esquentar logo o clima me deitando na cama e pedindo para que me chupassem. Levei gostosas lambidas, daquelas línguas quentes, me deixando em estado de verdadeira loucura mas, os dois ainda estavam com suas roupas apesar de poder ver, que eles estavam realmente muito excitados.

- Vão me comer ou não seus viados. – falei já não me agüentando de tesão.

Eles riram um pro outro. O Maurício foi o primeiro a se desnudar, deitou na cama e me ofertou aquela conhecida pica e ordenou:

- Mama, sua gostosa!

Comecei a chupar aquela pica com gosto, e fiquei de costas para o Oscar que tinha uma linda visão de minha bucetinha e de meu cuzinho. Ele deixou o Mauricio se divertindo comigo e foi tomar um banho e falou que quando voltasse, era para eu não olhar para trás pois traria minha surpresa. Estava literalmente me derretendo de tesão num boquete super gostoso com o Maurício, arranco gemidos de puro prazer daquele gostosão, de quatro na cama quando, sinto as mão do Oscar a me segurar as ancas. Tentei virar mas ele falou:

- Não olha ainda não! Por enquanto, só sente.

E realmente senti. Senti quando ele colocou aquele pedaço descomunal de carne, sobre minha bunda em minhas costas e ficou fazendo movimentos como se tivesse me comendo. Enquanto tinha na boca aquela pica gostosa do Maurício sentia atrás, algo de bem grande a brincar comigo. Ele ficou brincando de enfiar até que falou:

- Agora vem, seu presente ta no ponto, vem chupar também, se você conseguir.

Meus amigos, quando virei o corpo, me deparei com uma senhora pica, realmente não muito grande mas verdadeiramente, parecia que estava inchada. Agarrei aquele instrumento de prazer e não pude deixar de falar:

- Nossa tesão, você realmente é bem dotado heim!

- Pare de falar e chupa – ordenou rispidamente empurrando aquela tora para minha boca.

Abri ao máximo e senti a dureza daquela verga que realmente era poderosa. Não conseguia abocanhar tudo, mas lambia sua pica como se fosse um picolé. Ele segurava minha cabeça e levava de encontro ao seu pau que parecia que crescia ainda mais. Babava ele todo e dizia-nos poucos momentos em que não estava chupando:

- Nossa, que pica.

O Maurício, aproveitando que estava com o corpo meio arqueado chupando a vara do Oscar veio e começou a enfiar na minha bucetinha por trás e dizia:

- Primo, vou alargar esta bucetinha um pouco para você – e começou a enfiar em mim num ritmo bem gostoso que me encheu ainda mais de tesão.

Tinha um verdadeiro porrete em minhas mãos e tava sentindo o vai e vem gostoso da pica do Maurício em mim, me dando um puta tesão. Já estava imaginando como seria sentir aquele pau enorme em minha bucetinha mas, como se estivesse hipnotizada, não conseguia largar o pau do Oscar. Em dado momento, ele retirou o pau de minha boca, foi até a sua bolsa e pegou um pacote de camisinha e veio me mostrar:

- Ta vendo sua piranha, é extragrande. A única que consegue entrar nesta pica que vou enfiar todinha dentro de você.

E começou a encapar o seu bichão. Enquanto levava vara do Maurício, sentindo minha bucetinha totalmente preenchida, via meu algoz se preparando para enfiar aquele monstro dentro de mim. Acabou de colocar a camisinha e falou para o Maurício:

- Primo, deixa eu mostrar para esta piranha como se alarga uma bucetinha.

O Maurício estava prestes a gozar e depois de mais alguma metidas, senti que seu gozo chegou forte. Ele saiu de dentro de mim, puxou meu corpo para trás me deitando e abriu minhas pernas e falou para o Oscar:

- É toda sua primo. Arregaça esta bucetinha vai!

O Oscar veio na minha direção com aquela tora na mão e se alojou entre minhas pernas. Senti aquela cabeça se alojar na portinha e, como estava bem úmida, senti ele forçando a entrada e começando a entrar e pedi:

- Mete gostoso vai! Me come seu FDP gostoso!

Ele começou a empurrar aquele nervo que, parecia que estava me alargando, como se fosse a primeira transa da minha vida. Sentia as paredes de meu útero a contrair gostosamente sobre seu pau e a sensação de preenchimento era total. Ele foi enfiando devagarzinho aquela tora que me ocupou todos os espaços e ficou ali dentro, agasalhado e me fazendo sentir completamente preenchida, numa sensação maravilhosa de prazer. Sentia meu corpo a suor por todos os poros e, para completar meu prazer, o Maurício ainda me ofertou a pica para eu chupar. Quando o Oscar começou a mexer dentro de mim, era como se tivesse um porrete dentro de meu túnel do amor. Ia e vinha dentro de minha bucetinha, mostrando toda a elasticidade de anos de foda mas, realmente aquela vara não era para todas. Ele começou a bombar cada vez mais forte e rápido e senti que o meu gozo estava vindo e comecei a falar:

- come gostoso esta bucetinha! Como é gostoso sentir seu pau todinho dentro de mim, come e goza seu tarado, enfia fundo este porrete na sua loirinha.

- Sua puta, você é deliciosa e esta bucetinha é uma tentação – falava ele em pleno tesão da metida – realmente você gosta de pica...muita pica né!

Tive que largar a pica do Maurício, apensar das suas reclamações, pois a cada nova enfiada, não conseguia ficar sem gritar de prazer.

- Ai! ai! gostoso...enfia....bota...me come...me come, gostoso!

Comecei a enlouquecer, sentindo que teria um gozo descomunal que, quando veio, me fez agarrar nas suas costas e enfiar minhas unhas nele e gritar:

- To gozando seu puto! Enfia mais! Ah, tesão...to gozzzzzzzzzzzaaaaaaaaaaaannndo!

E comecei a mexer como uma cobra, movida pelo tesão e pela sensação de ter o corpo todo a se arrepiar, como se uma corrente de descarga elétrica, tivesse a percorrer meu corpo. Ele vendo meu orgasmo, tão intenso, avisou que também iria gozar no que falei aos berros:

- Goza tesão! Goza nesta bucetinha arrombadinha vai! Eu vou gozar de novo!

E realmente, quando ele gozou, também tive um novo orgasmo, tão intenso quanto o primeiro e senti, quando ele começou a gemer de tesão, enchendo a camisinha de porra. Depois, ele tirou o pau de dentro de mim, e tirou a camisinha e começou a escorrer sua porra sobre meus seios e barriga, me deixando alucinada mas, não tive tempo nem de me recuperar, pois o Maurício se deitou com a pica em riste e pediu para eu cavalgar nele. Segurei sua pica e fui sentindo ela sumir dentro de mim para depois, começar a rebolar sentindo toda aquela vara dentro de mim. Como estava alargada pelo Oscar, sua pica literalmente invadiu minha xaninha. Ele cadenciava meus movimentos, agarrando minhas ancas e forçando meu corpo de encontro ao seu. Agarrava meus seios, de maneira firme e até mesmo rude, e fazia eu rebolar gostosamente sobre seu pau.

- Mexe sua piranha gostosa. Cavalga minha vara! – falava o Maurício em pleno tesão.

- Ai, gostosão. Goza seu safado gostoso, ta gostando do rebolado de sua loirinha?

Ele só fazia cada vez mais eu rebolar naquela vara dura sentindo toda a rigidez de seu pau dentro de mim. O Oscar vendo a cena gostosa de meu cavalgar, ficou atrás de mim e segurou meus seios, ajudando aquele movimento gostoso de subir e descer no pau de seu primo e falou no meu ouvidinho:

- Sua putinha gostosa, rebola bem meu amorzinho pois também quero sentir este cavalgar na minha pica – e começou a me dar beijinhos no pescoço e na orelhinha.

Fiquei verdadeiramente doida, sentindo aqueles dois homens a me dominar e eu, tava simplesmente na lua, sentindo todo o tesão pelo momento. Olhava pelo teto e no espelho, via a cena de uma bela mulher sentindo o poder de sedução que exercia naqueles machos gostosos. Quando o Maurício falou que ia gozar, o Oscar me segurou pelos ombros e forçou forte meu corpo de encontro a pica do primo e falou:

- vai primo, derrama seu leitinho dentro desta gostosa.

Quando acabou de gozar e saí de cima de seu pau que começou a amolecer, senti as mãos fortes do Oscar me conduzir até a hidromassagem e entramos e começamos uma nova seção de sacanagem. Tive meus seios chupados com ânsia e sofreguidão, parecia que ia arrancar meus biquinhos que demonstravam todo o estado de excitação que eu estava. Agarrava seu pau, aquela imensa tora de carne, e punhetava lentamente enquanto sentia sua boca feroz a percorrer meu corpo. Ele se posicionou atrás de mim dentro da banheira e me trouxe para cima dele, sentindo aquela pica enorme a me cutucar, procurando lugar para sumir dentro de mim. Me chamava de puta, gostosa, minha deusa, num misto de elogios e chingamentos que, me deixava completamente enlouquecida. Saímos da banheira e fomos direto para a cama onde ele me colocou de quatro na beirada da cama e começou a chupar minha bucetinha que, estava sedenta por aquela tora. Ele colocou a camisinha e forçou minhas costas colocando meu rosto no travesseiro e começou a pincelar minha bucetinha que estava ardida, mais muito feliz. Senti quando seu pau escorregou para dentro de mim, sentindo mais uma vez, minha xoxotinha sendo dilatada ao máximo, agassalhando sua vara. Ele gemia e urrava com gosto e foi aumentando a força de suas estocadas, fazendo de mim sua escrava na cama. Ele chegava a tirar totalmente aquela pica de dentro de mim, ficava brincando na entradinha com aquela cabeça imensa e voltava a enfiar com força. Gritava a cada nova estocada dele, me sentindo a mais puta das mulheres e tendo um macho forte e poderoso a me devorar. Me comia com gosto, com fúria, com vontade e principalmente, com muito tesão. O Maurício assistia a tudo e incentivava o primo a colocar cada vez mais em mim e começou a falar:

- Enfia primão, pode enfiar que ela gosta. A Sofia é muito boa de cama e tem um cuzinho que uma delícia.

Senti de imediato, um dedo a dedilhar meu anelzinho me provocando uma sensação muito gostosa no que ele falou:

- Será que ela agüenta minha pica no rabo?

- Ai, tesão! Meu cuzinho não! Você vai detonar ele! – falei com muito tesão mas também, não vou negar, com algum medo pois realmente aquela tora era descomunal.

O Maurício que a tudo assistia, com minha mão já punhentando ele falou:

- Vai com calma primão, senão você vai acabar com minha diversão. Este cuzinho tem me dado um baita de um prazer mas, que ela agüenta, ela agüenta sim.

O Oscar parou de bombar em minha bucetinha, levantou meu corpo de encontro ao seu e retirando sua pica, começou a pincelar meu buraquinho e falou:

- Quer levar pica no cu, quer gatinha!

Sentindo seu corpo grudado no meu e sentindo toda a grossura daquela verga apontando para o meu cuzinho, comecei a chorar de mansinho e pedi:

- Por favor, meu cuzinho não...não vou agüentar!

Ele deu uma risada irônica e sussurrou em meu ouvido:

- ta bom minha princesa, mas deixa eu pelo menos brincar na entradinha, deixa vai!

Estava realmente louca para sentir aquela verga em meu rabo mas realmente também estava bem temerosa pelo estado que meu cuzinho iria ficar. Se desse para ele, realmente teria uma sensação de preenchimento impar mas porém, ficaria sem poder sentar por uma semana. Resolvi fazer uma ceninha, para apimentar o momento:

- Sei dessa história de cabecinha, depois de colocar, sou eu que vou ter que agüentar o talo em meu rabo.

Ele começou a dizer que já tinha deixado muita mulher completamente dolorida ao receber sua pica e que, muitas vezes, não tinha nem conseguido enfiar devido ao tamanho mas falou:

- Só a cabecinha vai! Juro!

Dei uma respirada funda, sentindo sua pica encostada em minha bundinha querendo encontrar espaço e falei:

- Só a cabecinha...brincar na portinha ta!

Ele me deu um beijo super gostoso e me colocou novamente de quatro. Ele deu um tapa gostoso na minha bunda e falou:

- Que cuzinho gostoso!

Pegou minha bunda e separou bem as popas e colocou aquele porrete na entrada de meu rabo. Senti de imediato, como seria difícil agasalhar aquela tora. Ele segurava sua pica e forçava levemente seu pau de encontro ao meu cuzinho onde sentia a resistência de minhas preguinhas a entrada daquele monstruoso invasor. Ele ficava fazendo movimento de como estivesse comendo meu cu mas a cabeça só ficava roçando meu orifício que, por mais que não quisesse, estava delirando de prazer:

- Ai que gostoso – falei entre gemidos de prazer .

Realmente tava muito gostoso. Sentir aquela coisa dura como pedra a querer entrar mas encontrando a resistência de minhas preguinhas mas, em dado momento, ele cravou com um pouco mais de força e senti, como se minhas entranhas fossem sair. A sensação era maravilhosa, uma sensação de preenchimento total mas, a dor também era muito grande. Ele mantinha sua pica forçando meu anelzinho e sentia a pica a escorregar lentamente para dentro de mim.

- Ai, porra! Você ta me matando.....tira vai!

Ele puxou sua pica de dentro da entradinha e falou:

- Que pena você não agüentar! Queria tanto comer seu cuzinho!

- Ta muito seco – falei – coloca um pouco de lubrificante.

Ele pareceu não acreditar. Pegou o tubo de KY e passou em meu rabinho, deixando ele gostosamente melecado no que falei:

- Vai amor, tenta de novo!

Ele voltou a encostar aquela pica no meu rabo e, pela quantidade de lubrificante, senti a pica a se alojar “mais facilmente”. Apesar do tesão que sentia, sabia que seria uma tarefa muito difícil pois nunca tinha tido uma pica desse calibre e olha, que já tive muita pica grande em meu rabo. Ele forçou um pouco mais e senti a cabeça a começar a deslizar para dentro de meu rabinho. Comecei a xingar, todo o repertório de palavrão que tinha na mente:

- Caralho, puta que pariu. Você ta cortando meu cu....ta doente muito porra!

Ele parou de enfiar, mas deixou aquela meia cabeça dentro do meu cu e pediu para que eu deita-se para facilitar a penetração. Deixei o corpo cair sobre a cama, acompanhada pelo seu corpo, que mantinha a meia cabeça como que encaixada no meu rabo. Sentia meu cuzinho arder em brasa mas, depois de algum tempo, tentei relaxar o máximo que podia, visando facilitar a penetração. Ele encaixado de joelhos sobre minha bunda, tinha agora a total liberdade de abrir minha bunda e ver sua pica adentrando em meu rabo. Segurou firmemente seu pau e forçou um pouco mais e senti que a cabeça deslizou um pouco mais para dentro, me provocando novos urros de dor.

- Ta me rasgando seu puto! – e lágrimas escorriam de meus olhos.

Aos poucos porém, comecei a desejar acabar com aquele sofrimento e só tinha uma maneira, fazer aquela pica sumir logo dentro de mim.

- Meu amor, a cabecinha já ta quase toda dentro. Vou deixar você comandar a foda, você força minha pica agora para dentro de você.

Não sei dizer qual foi o momento exato, mas comecei a me sentir a mulher mais poderosa por esta agasalhando aquela verga em meu rabo. Em dado momento, que comecei a me sentir mais acostumada com o tamanho, apesar de ainda sentir dor, comecei a rebolar a bunda e forçar ela de encontro aquele pau que, começou a entrar em mim. Cada milímetro parecia metros de pica a me penetrar mas quando agasalhei sua cabeça, senti a pica a deslizar mais facilmente. Ele também percebeu isto pois segurou na minha bunda e começou a forçar meu rabo, enfiando sua tora que desbravava meu rabo que agüentava heroicamente aquele porrete armado no cu, até que senti seu saco a tocar minha bunda, indicando que sua pica estava toda dentro de mim.

- Ai, sua gostosa. Viu. Agasalhou toda minha vara, meus parabéns!

- Ah! Caralho! To com o cu em brasa seu FDP. Não queria meu cu, então goza logo e tira este troço do meu rabo.

Ele falou que estava louco para gozar em mim e começou a fazer movimentos suaves dentro de meu rabo. A sensação de dor havia melhorado e comecei a sentir até algum prazer, apesar de me sentir entupida.

- Ai! Ui! Caralho! Que pica gostosa! Fode vai! Fode ele gostoso! Enfia seu putão, já arregaçou mesmo então, me detona o rabo e goza logo...gozo seu viadinho!

Ele pareceu que ficou mais enlouquecido pois começou a meter com mais vigor. Eu gemia, gritava, estava completamente fora de mim. Ele agarrou minha bunda e forçou com mais intensidade meu rabinho me levando a loucura, de dor e tesão.

Não sei quanto tempo durou aquela “luta”. Quando ele falou que ia gozar, forcei um pouco mais minha bunda em seu pau e mandei ele descarregar toda aquela gala em meu cu.

- Goza então tesão! Enche meu cuzinho com sua porra! Quero ver este pau todinho dentro de mim a me encher de leitinho! – falei quase aos berros.

Ele gozou realmente forte, e ficou com sua pica dentro até que começou a amolecer e sair do seu esconderijo. Quando saiu, fui ao banheiro onde pelo espelho, pude perceber o estrago que estava feito. Meu cu parecia um túnel e saía um filete de sangue de meu rabo, possivelmente alguma prega que tinha ido embora mas, apesar de tudo, tinha realmente valido a pena.

Ainda tive que mamar mais uma vez a rola do Maurício e fazer uma bela espanhola no rapaz e receber aquela gala gostosa que sorvi com muito tesão.

Foi realmente uma foda incrível, mas realmente fiquei algum tempo sentindo como se meu rabo não fosse fechar jamais. Me sentia completamente aberta e meu marido chegou a comentar que, talvez tivesse que ir a um médico ver o estrago que tinha feito. Porém, após algum tempo, meu rabinho voltou ao normal, minha bucetinha já estava caliente por um novo pau e, neste ínterim, tive que assistir meu marido comendo minha amiga Sueli, fato este que ele vai narrar em breve para vocês.

É como dizem, quem mexe com fogo, acaba com o cu queimado...............

Comentários

20/02/2011 16:49:25
Grande foda
17/02/2011 00:09:37
nossa demais depois de uma olhadinha nos meus to começando a publicar
16/02/2011 18:59:03
Caraca você me deixou louco para te conhecer e me deliciar com seu rabo. Que tal uns contatos? taradopbundas@ig.com.br
16/02/2011 17:58:57
Muito bom do comeco ao fim, vc sabe relatar os pormenores de forma a deixar o leitor com tesao! parabens, nota 10! se puder leia os meus.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.