Casa dos Contos Eróticos

Feed

Relato da primeira transa extraconjugal

Categoria: Heterossexual
Data: 10/09/2010 10:53:51
Última revisão: 10/01/2011 10:35:50
Nota 9.43
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

RELATO DA PRIMEIRA TRANSA EXTRACONJUGAL

Como narrei no “relato da minha primeira traição” (história verdadeira! E tem que ler aquele conto para entender este aqui), três anos se passaram depois de minha "aventura" no consultório, onde só rolou um sexo, digamos, "manual". O peso que ficou em minha consciência naquela época impediu-me de pensar novamente naquilo por muito e muito tempo. Mas, os anos passaram e flagrei outras situações muito comprometedoras de meu marido, o que foi aliviando minha mente e causando-me certa frustração por não ter ido mais longe naquela distante ocasião.

Acabei descobrindo a internet e as várias formas de se conhecer alguém sem ficar conhecida. Brinquei algumas vezes pelo telefone e até compartilhei com meu marido de alguns desses segredos, que ele aprovou. Mas, nunca falei sobre o homem que conheci numa sala de bate-papo, que realmente me provocou os instintos físicos e emocionais, chamado Victor.

Conversar com ele era uma delícia. Seu papo era sensualmente envolvente e percebia que, antes mesmo de encontrá-lo no msn nas horas combinadas, eu já ficava molhada só pela expectativa. Sempre nos masturbávamos durante as conversas, mas eu relutava em fazer algo real. Até que me cansei e cedi a um de seus muitos convites.

Revelamos nossos carros e placas e combinamos de nos encontrar às duas da tarde, no estacionamento de um grande supermercado de nossa cidade. Quando cheguei, ele já estava esperando. Entrei e nos beijamos, um beijo estranho, pois ao mesmo tempo que já éramos íntimos pelo fone, aquela era a primeira vez que eu o via. Agora, sua voz se encaixava em um ser real, um homem real, de carne e osso. E que carne. Ele perguntou se eu queria mesmo sair dali, ao que respondi que sim, que era uma decisão tomada de forma consciente.

Ao chegarmos no motel, uma ansiedade tomou conta do meu corpo. Sentia as pernas tremerem, o suor nas mãos, a garganta seca. Pensei no meu marido, no meu filho. Queria não estar ali, desaparecer, mas também queria ir adiante para provar para mim mesma que era possível. Percebendo minha angústia, Victor abriu minha porta e levou-me pelas mão para dentro do quarto. Virando-se para mim, chegou perto o suficiente para eu sentir o calor de sua respiração no meu rosto. Beijou-me de forma quente, envolvente, enquanto segurava na minha cintura.

Fui puxada para a beirada da cama e colocada sentada sem que nossas bocas se desgrudassem. Ele ficou com uma mão em minha perna e, a outra, começou a alisar meus seios. A angústia lentamente cedeu espaço ao tesão e excitação. Minha respiração acelerou e comecei a me sentir molhada, deliciosamente molhada. Ele me puxou contra seu corpo e pude sentir seu pênis duro encostado na minha virilha. Levantando-se diante de mim, vi aquele volume debaixo da calça e, atendendo a um pedido não formulado, abri sua braguilha, colocando para fora um pênis lindo. Cabeça rosada, lisa, já em estado total de ereção. Admirei por algum tempo para só então começar a lamber e a chupar, afinal, aquele era o primeiro pinto diferente que eu via em 16 anos.

Ele segurava nos meus cabelos e gemia a cada movimento meu. Então, fez com que eu me deitasse e foi me despindo. Aquele seria o primeiro homem a fazer isso nos últimos 15 anos, fora meu marido (antes dele, fiquei um ano em jejum sexual). Sentia-me uma adolescente sendo despida pela primeira vez. Tirou a calça e beijou minhas pernas. Tirou minha blusa, lambendo minha barriga e meu colo. Lentamente, tirou minha calcinha e fitou meu sexo protuberante, já estufado pelo meu estado de excitação avançada. Beijou a polpa da minha bunda, aquela curvinha da coxa e, quando senti sua língua passar sobre meus pequenos lábios, fechei os olhos e me entreguei.

Ele abria minha fenda com os dedos e lambia como se há muito não chupasse o precioso líquido. Lambeu meu cuzinho – algo que eu adoro – e subia sugando minhas dobrinhas, até se deter no meu clitóris. Nisso eu mesma já tinha tirado o sutiã e manipulava meus mamilos. Percebendo meu êxtase, Victor acelerou sua língua carnuda e gozei em sua boca. O barulho dele sugando meu mel era característico de quem realmente gosta disso.

Quando se levantou, ainda estava com a calça. Ver aquele homem terminando de se despir me deixou ainda mais excitada. De pernas abertas e olhando em seus olhos, senti sua aproximação, com seu membro apontando para a entrada da minha gruta. Enquanto sugava meus seios, ele segurou seu pau, pincelou na minha xana e, tão logo encaixou na entrada da vagina, forçou até que ele literalmente escorregou. Soltei um grito de tesão e desejo.

Começamos a nos beijar enquanto seu pinto se acomodava dentro do meu corpo. Lentamente, Victor começou a bombar, acelerando cada vez mais até que parecia uma máquina de meter. Gozei de novo enquanto seu pau não me dava folga. Cansado, ele se ajoelhou e eu fui para cima dele, encaixada e engatada. Com meus movimentos de quadris, rebolava sobre suas pernas ao mesmo tempo que ele alisava minha bunda. Não tardou a perceber o quanto gosto de carícias anais, fazendo com que seu dedo entrasse sutilmente na minha bunda. Cheguei no meu terceiro orgasmo e ele avisou que queria gozar comigo.

Saí de cima e, ajoelhada na frente dele, chupei e punhetei seu membro até que os jatos brancos brotaram abundantes entre meus dedos. Não dei tempo para desperdício de matéria-prima. Abocanhei seu pau e sorvi cada golfada de esperma com um desejo louco: o de sentir o gosto do esperma de outro homem, pois até então só tinha feito isso com meu marido.

Ficamos uns 15 minutos conversando e nos beijando, até que o tesão tomou conta de nossos corpos e seu membro despertou. Desta vez, saí do imobilismo que me encontrava e o coloquei deitado. Fiz uma longa sessão de sexo oral para deixar seu pau mais duro e, quando estava “no ponto”, subi nele. Segurei seu pau, encaixei e, ao sentir a cabeça no lugar certo, cai sobre ele. Seu pau foi até meu útero. Eu podia sentir a vagina se esticando, repuxando os pequenos lábios para dentro.

Eu me esfregava sobre seu corpo. Os seus pentelhos estava babados por meu líquido, que não me recordo de quando teriam saído tão abundantes de mim. Meu clitóris roçava seus pelos e sua barriga, estimulando-me a acelerar cada vez mais meus movimentos de vai-e-vem. Conhecendo meu ponto fraco, Victor agarrou-me pela cintura, chupando os seios e mandando seu dedo de novo para meu cuzinho. Foi demais para mim. Gozei outra vez enquanto ele alisava e pressionava no ponto certo o meu anel rosado.

Então ele me colocou deitada – felizmente, pois minhas pernas já estavam fraquejando. Levantando uma das pernas, fez com que eu ficasse de ladinho, abrindo-me toda para ele. Novamente, sua língua se perdia entre meus dois orifícios, mas já não conseguiria mais gozar. Estava anestesiada. Ele se colocou na posição (deixando uma perna minha sob e entre as suas) e começou a me penetrar. Como uma das minhas pernas estava dobrada à frente do meu corpo, seu pênis entrou facilmente até o fundo.

Victor começou a estocar sua vara em mim, arrancando gemidos a cada investida. Ele falava coisas que eu não entendia, me chamava de gostosa, de putinha safada, dizia que minha boceta era deliciosa, levando-me ao delírio com esse “sexo verbal”. No meio dessa sacanagem, ele dedilhou meu cuzinho exposto. Forçou um pouco e, relaxada como estava, entrou sem muita objeção. Fui tomada por um estado de delírio que eu mesma pedi para que enfiasse.

- Você quer meu dedo no seu cu, putinha, quer meu dedo nesse rabinho gostoso? – falava ele.

E eu só gemia. De repente, ele enterrou o dedo inteiro no meu anelzinho e urrei alto, não de dor, mas de tesão. Eu podia sentir seu dedo anelar todo enfiado na minha bunda. Percebendo o quanto aquilo me excitou, ele metia o dedo atrás e seu cacete na minha boceta quase que simultaneamente. Às vezes, ele parava com os movimentos do pinto e ficava bombando com o dedo. Às vezes, o contrário. Poucas vezes eu disse “puta que pariu” enquanto transava, mas aquela transa mereceu os momentos que rompi o tabu do palavreado. Eu gritava “puta que pariu, é muito bom... mete seu caralho...”, fazendo com que ele ficasse mais louco ainda.

Quando atingi meu quinto orgasmo da tarde, ele tirou seu pau de dentro de mim e subiu no meu corpo, já jogando seu esperma sobre minha barriga, seios e pescoço. Quando chegou na boca, não tinha muito o que sair, mas fiz uma deliciosa limpeza de seu pau, ainda sentindo o gosto da minha boceta melada nele.

Ficamos deitados um pouco, conversando e nos beijando, até que eu o lembrei que “tinha ido ao mercado” e não poderia demorar muito. Saímos e ele me deixou ao lado do meu carro. Fiz uma comprinha só para justificar e fui correndo para casa, já tarde. Meu marido chegou logo depois de mim e me beijou.

Na hora me deu um estalo e não vou negar: saber que ele beijou minha boca, que pouco tempo antes estava com a porra do meu caso de msn, me deixou excitada. Naquela noite, transei como há muito não transava com ele. Enquanto ele metia em mim, eu lembrava que poucas horas antes outro pinto estava dentro da minha boceta. Lembrava das posições que eu estive na cama com o outro e fazia de novo com meu marido. Deitei-o na cama e cavalguei, esfregando meu clitóris nos seus pentelhos. Também deitei de ladinho e pedi que metesse fundo em mim, enquanto enfiava o dedo no meu cu.

Até ele estranhou tanto desejo, pois normalmente não sou eu que peço para enfiar o dedo. Ele que sempre toma essa iniciativa. Mas era como se eu quisesse viver um replay. E, sem que meu marido sequer imaginasse, eu conduzia nossa transa para que fosse do mesmo jeito que tinha sido pouco tempo antes com o outro. As mesmas posições, os mesmos toques. No final da transa, eu estava esgotada, esfolada, com a boceta ardendo, pois nunca tinha sido tão "castigada" por varas como naquele dia. Duas transas diferentes com dois homens diferenes, num intervalo de 5 horas entre uma e outra! Duas mamadas gulosas. Dois sabores de porra!! Fui dormir com o meio das pernas doloridos. Senti-me uma puta, uma devassa, a mais reles das safadas, mas me senti muito mais mulher, mais viva e com uma libido aumentada ao extremo.

Tinha vencido meu maior tabu, que era uma transa extraconjugal. Houve outras com Victor, mas logo acabou o encanto da novidade e não mais nos encontramos. Só que, todas as vezes que saí com ele, eu fazia questão de transar co meu marido na mesma noite. Ter a sensação de ser dona de dois machos é ótimo para o ego feminino. Ainda bem que porra não engorda...hehehe.

Se me perguntarem se houve outra, direi que sim e que fará parte de mais um relato sobre...a primeira vez de alguma coisa. Beijocas.

Comentários

06/08/2013 06:31:40
Excelente texto!
06/11/2012 17:26:08
foda, tem que escrever mais
dmm
20/01/2012 09:58:44
Como sempre, maravilhoso.
24/08/2011 23:34:52
Maravilhoso relato, só falta agora contar tudo para o maridinho e com certeza ele irá lhe liberar de vez. Eu adoro saber que minha esposa trepou com outro macho.
18/06/2011 20:27:29
É isso ai, sexo é bom a toda hora.
14/02/2011 08:24:18
Bom e gostoso d+ este seu conto, se bem que todas as mulheres poderia ser assim. nota 10 (kmariom@hotmail.com)
10/02/2011 10:55:58
delícia
02/02/2011 09:27:18
Nesse você conseguiu se superar. Arrasou, infiel! Como leitor fiquei excitado do começo ao fim! Muito bem narrado, com muita classe. Ótimo! É conto para estar no ranking dos melhores. Parabéns.
19/01/2011 08:14:27
Parabéns. Muito exicitante e com muita sensualidade...Marcelopes-10@hotmail...
02/01/2011 19:21:50
Que conto gostei muito eu me senti dentro dele muito bom parabens continue assim.
31/12/2010 17:18:20
Merece a nota máxima, pelo texto bem escrito e excitante. Ganhou uma fã. Muito excitante e envolvente.
26/12/2010 16:00:20
muito bom.
26/12/2010 13:26:19
Desculpe meus erros abaixo, fiquei tão excitado e entusiasmado com a sua narrativa que digitei rapidamente, como se você estivesse on line... você é maravilhosa, gostosa e necessária...
26/12/2010 13:23:33
Sorria! você foi super inteligente, capaz de deixar qualquer maluco com vontade de transar com vc, inclusive eu.... quero adoro um bom papo sensual... pra falar a verdade sou taradão por mulher casada, satisfazê-las é o meu maior prêmio... um beijo gosto. Add me - rarfighteralone@hotmail.com
23/12/2010 22:04:41
Uáu que delícia, quer me dar a honra de detalhar este conto no meu blog http://www.portalhm.blogspot.com, caso queria mande-me para portalhm@hotmail.com delícia de contos, espero você e seu conto lá
13/12/2010 12:49:30
uma delícia seu conto, adorei. sou casado, procuro fêmeas para realização de fantasias(esposa não sabe). penetradorbh@gmail.com
13/12/2010 08:25:24
caraca mulher, vai escrever com tesão assim na .... porra, que delícia de conto...
12/12/2010 15:54:52
Bom pra caramba.
01/12/2010 12:48:34
ola! vc escreve muito bem sem baixarias e com encantamento. excita sem vulgaridade. é assim que as mulheres geralmente são. se conhece uma mulher inteligente dessa forma, na maneira de dizer o que fez sem precisar apelar . parabens, não dou mais de 10 pois não tem opção. mas aqui posso te dizer que daria um 1000. parabens outra vez!
18/10/2010 18:52:35
finalmente tirou o atraso ne gata rssss. Agora deu gostoso. To ficando com inveja desses caras que tem a sorte de cruzar teu caminho. vc deve ser um tesão de mulher
08/10/2010 11:49:13
DEPOIS DE LER O SEU RELATO DA PRIMEIRA TRAIÇÃO, NAO PUDE DEIXAR DE VIR VER ESTE. VC CONSEGUIU SAIR DO ARMÁRIO, FINALMENTE. E, QUE BOM QUE CONSEGUIU VIVER COM PRAZER ESSE MOMENTO. AINDA TEREI O MEU... COMO QUERO!!!
04/10/2010 19:50:25
Mais um belo conto, cheio de acção. Confesso que gostei mais do outro, no consultório de dentista, passou muito mais emoção. Mas pronto, é o meu gosto pessoal. Mas gostei deste também, a sua escrita é muito boa, sabe bem descrever as situações vividas. Parabéns e continue a escrever, que vou ler todos os seus contos, de certeza. PS: só um pequeno aparte, a nossa língua é a mesma, mas certos nomes variam muito, de Portugal para o Brasil. Sei que vocês têm nomes para os orgãos sexuais muito diferentes dos nossos e há um que não consigo gostar nem por nada- PINTO. Odeio este nome, não sei porquê! Beijocas e desculpe este desabafo.
23/09/2010 15:48:18
APRENDEU NÉ, MULHER. RSSS E SE ARREPENDEU??? MANDOU MUITO BEM VIU
23/09/2010 10:26:30
Demais seu relato. Parabéns! Você me parece muito sincera em seus contos. Gostaria de conhecer uma mulher como você. Deve ser de muito agrádavel companhia. Parabéns de novo! Dou 10 pra seu relato!
23/09/2010 09:00:45
Maravilha de conto, fiquei ciumes do sortudo, e louco para te conhecer. Um beijo nas nádegas e nota 10
21/09/2010 15:52:03
MUITO BOM QUERIA QUE MINHA ESPOSA FIZESSE ISSO TBM, JA CONVERSAMOS SOBRE UMA TRANSA DELA COM OUTRO, ELA JA TOPOU SO FALTA A PESSOA CERTA, AINDA NAO ENCAIXOU, PELO MENOS ELA DIZ ISSO, QUERO ELA DANDO PRA OUTRO, E ME CHAMANDO PRA ASSISTIR TUDO.obs.TEM QUE SER DOTADO- somos do interior de SÃO PAULO, SO ENTREM EM CONTATO PESSOAS DO INTERIOR-siljluis40@hotmail.com
17/09/2010 16:48:47
Muito bom, adorei, gosto muito de mulheres decididas, continue dando bastante a bucetinha...Sou louco por mulher casada e tb sexo a três, tenho ótimas e inesquecíveis lembranças com "amigas" casadas. beijos Fabio - maxdados@yahoo.com.br
16/09/2010 11:35:22
Humm.... que delícia cadelinha tesuda, me add no msn terra_serigy@hotmail.com
15/09/2010 12:13:49
execelente conto...vou virar seu fan dessa maneira. NOta 10 maximus0357@hotmail.com
13/09/2010 15:47:56
11/09/2010 10:25:53
obrigada pelos comentarios, mas quem puder dar a nota, eu agradeço. bjocas
11/09/2010 00:29:13
Caraca!!! Conto digno de menção honrosa na Academia Brasileira de Letras. Parabéns! Vc é talentosa como poucos. Nota 11.
11/09/2010 00:22:16
adorei,se ñ for escritora de contos eróticos tá perdendo tempo,bjs.
10/09/2010 23:24:37
delícia
10/09/2010 23:18:58
cada vez melhor....qual seu msn pra gente conversar?
10/09/2010 21:04:23
Gostei da sua historia, queria estar no lugar desse cara, fiquei muito excitado com sua historia.... se quiser trocar conversa mns andersonpensador@ig.com.br
10/09/2010 21:02:26
gostei do seu conto,alias queria estararia de estar no lugar desse cara sortudo. Você deve ser bem gostosa, batia uma punheta gostosa com sua historia.....adorei a gozada. bjss se quiser trocar afetos seu meu msn: andersonpensador@ig.com.br
10/09/2010 20:51:11
vlw mto bom conto
10/09/2010 20:28:10
É um verdadeiro teção seu relato, rico em detalhes e muito bem estruturado!!! gaucho.fmello@gmail.com
10/09/2010 17:57:20
muito bom, adorei
10/09/2010 14:32:45
Parabéns esposa infiel. Muito bem escrito e cheio de orgasmos. O que pode ser melhor? bjos. malicioso30. Leia o meu. aclxp27@hotmail.com
10/09/2010 12:55:51
Muito bom seu conto, muito bem escrito e com muitos detalhes que é uma das coisas principais em um conto... Parabens e vc é uma otima escritora, nota dez concerteza... Abraços Leonardo e Marina Queiroz
10/09/2010 12:35:09
acompanhei sua primeira historia e adorei essa tb...bem real e com detalhes que enlouquecem qualquer homem de gosto refinado....tb sou casado e tenho aventuras picantes se quiser trocar confidencias com respeito qualidade,malicia..podemos nos add. r.vendas@hotmail.com
10/09/2010 12:29:14
ADOREI SEU CONTO, VC É ÓTIMA EM RELATAR UMA TRANSA DELICIOSA..PARABENS ! PYMENTINHA..RS
10/09/2010 12:10:40
só faltou dar a sua nota, gato rs
10/09/2010 11:58:11
MUITO BOM SEU CONTO, DETALHES DELICIOSOS QUE INCREMENTAM O RELATO E NOS DÃO MUITO TESÃO, CONFESSO QUE FIQUEI DE PAU DURO LENDO SEU CONTO, E ADORO ESSAS BRINCADEIRAS NO MSN, SE VC QUISER PODE ME ADD E PODEMOS TROCAR MAIS CONFIDENCIAS SOBRE AVENTURAS. MEU MSN É imready2seeu@msn.com TE ESPERO...BJUS

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.