Casa dos Contos Eróticos

Feed

Comeram minha namorada

Autor: Carlos
Categoria: Heterossexual
Data: 18/05/2010 07:02:11
Última revisão: 06/10/2010 15:57:17
Nota 7.73
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

COMERAM MINHA NAMORADA

Conheci Carlinha no cursinho pré-vestibular em 2005. Eu iria tentar medicina pela primeira vez e estava me mudando para um colégio com maior aprovação no vestibular. Ela iria tentar enfermagem e já estudava ali desde o início do ensino médio. Já no primeiro dia de aula aquela loirinha linda me chamou atenção. Dezesseis para dezessete anos, pele branquinha, cabelos loiros lisinhos, olhos azuis muito claros, mais para baixinha, mas com um corpo espetacular, cinturinha fina, quadril mais largo, bundinha arrebitada, peitos na medida... era definitivamente a garota mais bonita e mais gostosa do colégio. E também uma das garotas mais bonitas que eu já havia visto em toda a minha vida. Não tinha como ficar indiferente àquela beleza toda. Estudávamos na mesma sala e ficava claro que todos olhavam pra ela quando ela entrava. Eu me sentava lá no fundo, ela mais na frente, e era difícil focar na aula tendo aquela deusa no meu campo visual.

Logo nas primeiras semanas fiz amizade com alguns caras que já estudavam ali e fiquei sabendo de uns boatos sobre Carlinha. Diziam que além de linda ela era safadinha, que ela tinha arrumado uma confusão danada em um churrasco no ano anterior. Ela namorava e estava com o namorado no churrasco, mas acabou se engraçando com outro sujeito e formou-se um circo: pancadaria, choradeira, ameaça com faca... um drama!

Bom, se ela fosse safadinha, melhor ainda, mais fácil para que eu me desse bem com ela também. Tentei me aproximar dela, mas os intervalos eram curtos e mal dava tempo pra estabelecer uma conversa. De qualquer forma eu trocava algumas palavras com ela e a adicionei no orkut. Fui me aproximando aos poucos sem conseguir muita intimidade, mas sentia nela alguma simpatia por mim.

Lá pelo segundo mês de aula ajudei o pessoal da sala a organizar um churrasco com a intenção de que neste churrasco fosse eu o felizardo a pegar a Carlinha. E num sábado em que fazia um calorão, aquela garota linda estava ainda mais linda e era o centro das atenções no churrasco. Difícil se aproximar de uma garota tão disputada, mas consegui e acabamos ficando. Eu estava com dezoito anos, tinha acabado de tirar carteira e estava com um carro novinho emprestado do meu pai. Dei uma carona pra ela no final do churrasco e a beijei em frente a casa dela. Ela não só era linda como era cheirosa, gostosa, beijava bem, e tinha mesmo um jeitinho de safadinha... Fiquei completamente apaixonado depois daquele dia. Apaixonado e tarado! Mas não foi possível chegar às vias de fato naquele momento, e só ficávamos às vezes nos finais de semana. Ela dizia que não queria namorar, que era melhor deixar daquele jeito por enquanto. E assim foi, ficávamos juntos alguns finais de semana, e em outros saíamos separados, até que fiquei sabendo que ela tinha ficado com um cara de outra sala em uma festa e fiquei com um ciúme desgraçado... E ali a cretina começou a mostrar quem era, já que jurou de pés juntos que não tinha ficado com ele quando na verdade eu tinha 100% de certeza que ela tinha dado uns pegas no cara. Discuti com ela, tivemos uma briga de namorados sem nem ser namorados, e acabamos fazendo as pazes numa sexta depois da aula na minha casa. Meus pais tinham viajado e aquele foi sem dúvida um dos melhores momentos da minha vida. Transamos pela primeira vez. E também pela segunda, terceira, quarta... Eu não conseguia parar, estava louco de tesão. Dava uma, descansava um pouco, olhava aquela garota linda e gostosa do meu lado e já queria outra. E como ela também queria, fomos assim até de madrugada.

Como dizem, “amor de pica, quando bate, fica”, e me declarei apaixonado, disse que não queria mais só ficar com ela, que queria ela só pra mim, que queria que ela fosse minha namorada. Ela aceitou, acho que estávamos mesmo em sintonia, foi uma coisa legal. Começamos a namorar no dia 4 de junho de 2005. E durante um tempo foi só alegria. Até o começo de 2006 nos entendemos muito bem, apesar de acontecerem coisas que me acendiam um sinal de alerta pra vagabunda. Coisas pequenas, mas que incomodavam. Por exemplo? Estávamos no motel e eu coloco no canal pornô, ela olha o pau do cara que tá na tela e fala meio sem querer, como se pensasse alto: “piru bonito!”. Mais uma? Estávamos no estacionamento de um restaurante, um cidadão estava mijando atrás de um carro, ela fica olhando e ainda comenta comigo “ai, amor, vi o pau dele!”. Isso sem contar as companhias, quase todas vagabundinhas famosas do colégio.

Em fevereiro de 2006 as coisas começaram a mudar. Ela foi aprovada no vestibular de enfermagem, ao passo que eu fui reprovado no vestibular de medicina. Estávamos em fases distintas agora: ela com a alegria típica de uma caloura e eu amargurado com a reprovação; ela comemorando um mundo de novidades e eu aturando os mesmos assuntos mais uma vez no cursinho. Para piorar, o cara que ela tinha ficado enquanto estávamos no cursinho tinha sido aprovado na medicina que eu tanto desejava, o que só aumentava a minha sensação de derrota.

Discutimos já nas primeiras semanas de aula, com ela querendo ir sozinha às festas de início da faculdade. E daí pra frente nosso namoro entrou numa curva descendente. Eram frequentes as brigas por causa das festas da faculdade e eu não sei porque ela não terminou comigo naquela época, já que parecia que nosso namoro seguia em frente apenas por minha insistência. Eu mesmo pensei em terminar, mas eu estava enfeitiçado por ela e jamais conseguiria tomar a iniciativa. No aniversario dela em maio, sua mãe fez uma festinha para comemorar os dezoito anos da filha. Eu estava lá, junto com suas amigas vagabundinhas, e lá pelas tantas, depois de estar todo mundo meio chapado de cerveja, ouço uma conversa dela com as amigas, no maior clima de clube da Luluzinha. Diziam que dezoito anos merecia uma comemoração especial, que elas deviam ir pra algum clube de mulheres, e a própria Carlinha sugeriu uma festinha particular com uns caras da medicina. Quebrei o pau com ela naquela noite, xinguei, fiz uma cena. Fui embora pra casa puto e não atendi as ligações dela no celular. E no dia seguinte ela me procurou pedindo desculpas, que estava bêbada brincando com as amigas, nada demais. Difícil resistir àquele rostinho tão lindo e aceitei as desculpas.

Seguimos assim entre altos e baixos até que em outubro de 2006 por pouco não terminamos de vez. Ela queria ir a uma festa a fantasia, mas eu não poderia, estaria fazendo simulado, teria prova o final de semana todo. Brigamos mais uma vez, mas ela me prometeu que não iria a tal festa. Promessa não cumprida. No sábado à noite, depois de me ligar mais cedo dizendo que iria dormir, ela não atendia mais as minhas ligações. Poderia estar dormindo, mas eu sabia que não estava... Fui pra tal festa e a encontro, fantasiada de coelinha, junto a uma amiga também fantasiada de coelinha, numa conversa animadíssima com dois caras, sendo que um deles, fantasiado de pirata, não me era estranho. Sim, era o mesmo cara lá do cursinho, o que ela tinha ficado, e que agora estava fazendo medicina. Mais uma cena, dessa vez com gente separando briga, gritaria, uma confusão dos diabos. No domingo, novas desculpas, e o namoro continuava.

Durante a semana eu estava arrasado, e eu sempre conversava com uma garota da minha sala no cursinho que namorava um cara que fazia odonto na federal também. Ela sabia da minha situação com Carlinha, às vezes me aconselhava, falava que era melhor eu terminar, e um dia, depois de muito hesitar, contou que tinha ouvido do namorado uma história sobre a Carlinha. Diziam que ela tinho sido pega no maior amasso com um cara do terceiro período de medicina dentro do banheiro da faculdade! Mais arrasado ainda fui pra casa da Carlinha pra passar aquela história a limpo. Ela negou, claro. Disse que se ela quisesse ficar com alguém terminaria comigo primeiro, mas que ela não queria. O que tinha acontecido e que poderia ter dado origem ao boato foi que um cara tentou chegar nela dentro do banheiro sim, mas que ela de jeito nenhum tinha ficado com o cara. Que não tinha me contado porque não queria confusão, porque se fosse me contar de todos que chegavam nela iria ter confusão todo dia.

O amor é cego, e o mané apaixonado aqui acreditou, mas descobriu quem era o cara (não, dessa vez não era o mesmo cara lá do cursinho) e foi lá na faculdade tirar satisfação. Mais um barraco, com quase a sala inteira do cara envolvida na situação tentando botar panos quentes. Carlinha me segurando de um lado, e a turma do cara segurando ele do outro, mas dizendo que eu devia tomar conta da minha namorada.

Saí dali completamente desmoralizado, a coisa tava tomando uma proporção grande, meus desentendimentos com Carlinha já estavam famosos no nosso meio. Abre parêntese: não quero aqui revelar a minha identidade, apesar de que qualquer pessoa envolvida nessa história facilmente se identificará. Mas eu me mudei de cidade depois do ocorrido, como vou relatar um pouco mais na frente, e no meu atual círculo de amizades ninguém sabe pelo que passei. Minha cidade era uma cidade de médio porte da região sudeste com uma única faculdade pública, de forma que o que rolava na faculdade e nos cursinhos rapidamente se espalhava entre os estudantes. E Carlinha não se chama Carlinha. Fecha parêntese. Meus amigos sempre me aconselhavam a cair fora, nenhum deles gostava de Carlinha. Eu já tinha arrumado um bocado de inimizades por causa dela, tinha me tornado até um pouco retraído. Mas ficava no máximo uma semana afastado dela. A saudade apertava, ela correspondia, e a gente voltava.

Em fevereiro de 2007 finalmente uma boa notícia: eu tinha passado entre os primeiros colocados na medicina! Foi um alívio, agora eu também estaria na faculdade. Engraçado que Carlinha até pareceu me respeitar mais, como se namorar um agora estudante de medicina desse algum status a ela. Ficou toda atenciosa e diminuímos as brigas. Mas as brigas do ano anterior já tinham me deixado com várias inimizades na universidade, de forma que nas duas primeiras semanas eu não fui à aula para evitar um trote inconveniente de algum desafeto veterano. E tendo faltado as duas primeiras semanas não participei das confraternizações dos calouros, iniciando o curso um pouco isolado, sem muitas amizades. Tinha amigos em outros cursos e um amigo na medicina mas bem mais adiantado.

Na primeira chopada para os calouros eu não fui. E na segunda, mesmo sem ter nenhum amigo ainda na minha sala, resolvi ir por insistência da Carlinha. Ela dizia que eu devia me enturmar mais, e que agora poderíamos curtir as festas da faculdade juntos. Dei ouvidos a ela e no sábado à noite chegávamos a uma verdadeira mansão com muita gente bebendo, num ambiente digno daquelas festas de faculdade de filmes americanos.

Fiquei um pouco incomodado no início, tinha muita gente ali da turma do cara da história do banheiro, além do próprio e do cara lá do cursinho também. Mas eu fui bebendo e ficando mais a vontade. Sentia-me no direito de estar ali. Tinha sido aprovado em um vestibular difícil, entre os primeiros lugares, e merecia agora participar daquela festa. Carlinha também estava bebendo e ficando mais animada, era a primeira vez que ela ia numa festa da medicina, que normalmente eram fechadas, eram somente para o pessoal do curso e agregados. E eu me sentia orgulhoso ao lado dela. Ela era a mulher mais gostosa da festa. Me lembro até hoje do que ela usava: um vestido cinza e curto, com um salto vermelho. Estava linda!

No entanto alguns caras já conheciam Carlinha e foram se aproximando, puxando papo comigo, e logo estávamos naquela confraternização que só o álcool proporciona. Fomos bebendo muito, eu e Carlinha, e eu já não guardava mágoa de ninguém ali mais. Pra mim tudo era festa, e deixei Carlinha sozinha para ir ao banheiro. No caminho começo a conversar com dois veteranos, e quando menos espero alguém coloca um saco na minha cabeça, os dois que conversavam comigo me seguram e me jogam dentro de um quartinho que ficava ao lado do banheiro. Tentei abrir a porta, mas estava trancada por fora. Gritei, mas com a música alta ninguém escutava. Bati na porta, tentei arrombar, mas não conseguia. Eu estava bem bêbado e meio sem noção do tempo que já estava preso ali. Tentei ligar pro celular da Carlinha, mas ela não me atendia. No desespero cheguei a ligar até para a polícia, que não levou muito à sério a minha ligação e disse que no momento não tinham viatura disponível. Pensei em ligar para algum amigo, mas fiquei envergonhado da situação em que me encontrava e desisti. Esmurrei e chutei a porta freneticamente, e depois de não sei quanto tempo, já cansado, suado de tanto tentar arrombar a porta, uma garota abriu a porta. Algumas pessoas me olhavam e riam, e a garota que abriu a porta tentou me consolar e falou pra eu esquecer aquilo, que era melhor eu ir embora e esfriar a cabeça. Saí dali com a cabeça a mil, não sabia se procurava Carlinha ou os dois que me jogaram no quartinho. Fui tentar subir as escadas para o segundo andar da casa e um cara e uma garota tentaram me dissuadir com uma conversa mansa, que era melhor eu ir embora, a garota foi até gentil, tomando as minhas dores, dizendo que era sacanagem o que tinham feito... e nem sinal de Carlinha até ali. Mas subi as escadas assim mesmo, procurando minha namorada pelos quartos.

Na porta de um dos quartos uma garota quando me viu fez uma expressão de surpresa, riu e saiu de fininho. Uma outra garota também estava passando e parou junto comigo em frente a porta do quarto. Na cama Carlinha estava deitada de bruços, com o vestido levantado e sem calcinha. Uma camisinha jogada no chão. E a garota que chegou na porta junto comigo, me olhou, olhou pra Carlinha, e falou o que eu estava pensando:

- Cara, comeram a sua namorada!

Eu fiquei descontrolado, tentei acordar Carlinha que parecia estar em coma alcoólico e ela levantou com dificuldade, não parecia saber nem aonde estava. Estava com algo no rosto e nos cabelos, parecia porra seca. Tinham gozado na cara dela. A garota que tinha sido legal comigo na escada chegou logo com mais outras duas e tentaram acalmar a situação. Saí dali como um louco atrás dos dois caras que tinham me trancado no quartinho e fui enfrentando quem encontrei pelo caminho. Esbarrei com o cara da historia lá do cursinho, parti pra cima dele, separaram, e ele me chamando de maluco, acho que nem sabia o que tava acontecendo. E não vi mais os dois caras, nem o cara do lance do banheiro. Voltei pro quarto e Carlinha era amparada pelas garotas. Ela mal estava acordada, e dizia que não sabia como tinha ido parar ali no quarto e nem o que tinha acontecido. Levei Carlinha pra casa e ainda voltei pra festa atrás dos caras com uns amigos, eu nunca tinha sentido tanta raiva na minha vida. Mas acabei não encontrando ninguém.

Eu não sabia bem o que tinha acontecido, se tinham forçado ela, se tinham feito aquilo com ela desacordada, e Carlinha continuava dizendo que só se lembrava de que eu estava demorando no banheiro e que ela ficou bebendo. E domingo, na casa dela mesmo, recebi uma mensagem no celular de um numero desconhecido para que eu checasse meu email. Abri meu email no computador da Carlinha, no quarto dela. Tinha um email com umas fotos anexadas e a seguinte mensagem:

“Pena que nao deu pra filmar, pra vc ver ela gritando: -me fode, me fode. Kkkkkkkkkkkkkk”

Meu coração disparou, Carlinha ficou muda. Toda vez que transávamos, ela realmente pedia “me fode, me fode”. Abri as fotos, uma sequência de sete. Na primeira ela rindo, sentada na beirada na cama, com um pau duro na mão. O dono do pau estava todo tampado com uma tarja preta, não dava pra ver nem as roupas, apenas o pau que Carlinha segurava. E a foto foi batida de lado, não foi batida pelo cara que estava com Carlinha, tinha mais alguém no quarto. A segunda foto parecia ter sido batida pelo próprio cara, uma foto tirada de cima, com Carlinha com o pau na boca. A terceira foto com Carlinha passando a pontinha língua no buraquinho da uretra do cara. A quarta com Carlinha de quatro, olhando pra trás e rindo, com o cara encaixado nela, essa foto também tinha sido batida por outra pessoa. E nela dava pra ver no fundo a garota que cruzou comigo no corredor e saiu rindo. Estava com o rosto tampado, mas eu a reconheci pelas roupas. A quinta era praticamente igual à quarta, só que com Carlinha olhando pra frente e com a boca aberta. A sexta e a sétima também pareciam ter sido tiradas pelo próprio cara, na sexta o pau dele encaixado na bucetinha dela, ele segurando e abrindo a bunda dela com a mão esquerda e o polegar dele enfiando no cuzinho dela, e na sétima o pau dele sobre o rosto dela, que ria com a cara toda lambuzada de porra.

Meu primeiro impulso foi agredir Carlinha, mas me contive. Contei até dez, pensei um pouco, e perguntei se ela tinha alguma coisa a dizer. Ela continuou dizendo que não se lembrava de nada, e ainda me saiu com a desculpa de que estava tão bêbada que poderia até ter achado que quem estava com ela era eu! Realmente, quem sabe? Afinal, eu devia ser parecido com um monte de gente por aí, não é? E o fato de ter mais duas pessoas de platéia, batendo até fotos, é super normal. Me contive de novo, não falei mais nada, só fui embora e pedi a ela não me procurasse mais.

Durante a semana achei na faculdade os dois caras que me prenderam no quartinho, e junto com uns amigos dei uma surra nos sujeitos. Me entregaram quem era o cara que estava com Carlinha nas fotos. Era o cara da historia do banheiro. Quando o encontrei, ele estava com a mesma garota que estava nas fotos. Ainda estava com meus amigos, e podíamos ter espancado o sujeito, mas a garota que estava com ele o defendeu, um pessoal tentou separar, e ainda disseram que a historia do banheiro era verdadeira, e que Carlinha que ficava no pé dele. Achei melhor largar tudo pra lá, se eu fosse querer tirar satisfação com todo mundo que teve alguma coisa com Carlinha ia acabar tendo que entrar na porrada com a faculdade inteira.

Duas semanas depois Carlinha ainda me procurou, dizendo que sentia minha falta e eu não consegui dizer não. A levei pro motel e acho que a comi com um tesão igual ao da primeira vez. Além de ser linda, agora pra mim ela era uma puta. Só não comi a bundinha dela porque ela fez um escândalo dizendo que tava doendo. Depois resisti e não atendi mais as ligações dela.

Minha vida ali na universidade ficou insustentável, e no final daquele semestre tranquei a faculdade. Fiquei arrasado, precisei de acompanhamento psicológico, e só voltei a estudar em 2008, isto porque consegui uma troca com um outro estudante de medicina de uma faculdade em outra cidade, também pública e no mesmo estado. Estou aqui desde então e comecei vida nova. Ninguém por aqui sabe dessa história, e levo uma vida normal com muitas amizades na faculdade.

O que restou foi que desenvolvi um gosto por vagabundas... Adoro ler esses contos de traição e acho que por isso resolvi fazer o meu relato também. Até há pouco tempo ainda tinha as fotos da Carlinha dando pro outro cara e me excitava muito quando as via. Cheguei até a trepar com ela de novo no final do ano passado. Ela me ligou, estava namorando um outro cara, um residente que ela conheceu num hospital, de fora da cidade, e que não fazia nem idéia dos antecedentes dela. Disse que estava sentindo falta do meu pau e que o cara não a fodia como eu. Não resisti e trepei com ela uma noite inteira, e ela estava mais vagabunda do que nunca. Acho que ela sempre vai ser assim, nunca vai conseguir ficar com um cara só. Mas fiquei meio mal no dia seguinte, de forma que é melhor comer outras vagabundas que não ela. Porém não tenho tido muita sorte em encontrar vagabundas. Tive uma outra namorada depois disso, mas era recatada demais pra alguém que já se acostumou com um sexo de vadia como o da Carlinha e a coisa não funcionou bem.

Se alguém quiser conversar a respeito dessa predileção por vagabundas, ou alguma vagabudinha gostosa quiser bater um papo, meu email é pervertidomed@yahoo.com.br e meu nome é Carlos.

Comentários

14/04/2014 21:57:47
cara procura a carlinha, casa com ela, pois mulher gostosa não pode ser de um homem só
13/12/2013 11:31:41
Ai é para minha mulher e eu deixa eu fuder a sua mulher na sua frente eu adoraria .
30/03/2013 14:45:34
Bom
06/10/2010 16:39:13
Olá Carlos, tá á procura de uma vagabunda??? Eu me candidato a ser sua putinha.Meu email:fanispanic@yahoo.com.br
06/10/2010 08:15:02
CARAMBA. QUE RELATO!!!! Impressionante. Realmente, gato, minha narrativa foi generalizada, mas há todo tipo de diferença entre as mulheres. Só me refiro àquelas que fazem parte da mentalidade da maioria. (sim, não tenho mais vinte...) Aos 42, já vivi e convivi com muitas mulheres e, sem falsa modéstia, sei do que a maioria gosta ou não gosta. Não se preocupe. Vagabundas, putas, vadias rs...todas temos nosso dia. Algumas são por mais tempo, mas a mulher nunca tem um "comportamento" fixo ao longo do mês...rs... Olhe para nós como aquela comparação que fiz do CUBO MÁGICO... somos nós. Obrigada pelos comentários. Bjs... E adorei mesmo seu relato... fiquei grudada na tela do começo ao final. Parecia filme de suspense rs
21/05/2010 16:37:11
Amigo, não existe nada melhor que foderem a mulher da gente, bem fudidinha, fazerem dela o que quizerem, encherem ela de porra, com vc assistindo, da um tesão maravilhoso, voce ver sua namorada,noiva ou esposa rebolando no pau de outro macho, a minha faz isso seguido eu assisto e participo fudendo ela também. É ultra delicioso, acredite e outra todas corneam a gente, algumas tem coragem de fazer a tua frente, outras são enrustidas. Por não ter constinuado com a Carlinha, isto é apelido de puta, tua nota é 5
18/05/2010 20:26:35
só faltou vc lá. para o segundo cara que tirava as fotos, ti fuder o rabo. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
18/05/2010 13:59:31
É Carlos você se deu mal, se você gosta realmente dela e quer viver com ela a procure sabendo quem ela é do que gosta, senão esqueça de vez que ela existe e siga sua vida. meu e-amil ghighio_2010@hotmail.com
18/05/2010 10:58:04
Meu e-mail é herivan2009@hotmail.com
18/05/2010 10:57:08
Muito bom o procedimento da Carlinha, é meu maior sonho que minha espoza seja tudo que Carlinha é e mais alguma coisa, eu casaria com ela sempensar, e assim realizaria o sonho de ter uma espoza bem vagabunda e desejada, só que minha espoza por mais que eu insisto continua fiel....que pena que ela não seja igual a Carlinha
18/05/2010 07:56:08
meu amigo , voce perdeu uma grande oportunidade de ser um grande corno e de ter uma grande puta ao seu lado , que não tem nada mais gostoso , saber que ela é desejada e é puta , que vai dar para os outros e depois para voce . não perca tempo e vá atras dela e se case logo e vire um corno oficial .

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.