Casa dos Contos Eróticos

E a vida continua... (Final)

Autor: MALLUQUINHA
Categoria: Heterossexual
Data: 27/04/2010 13:15:21
Nota 9.62
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários (33) | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

E a vida continua... (final)

Após aquela noite de domingo no Red Light, Beto começou a pensar na situação em que havia me colocado, com certeza ali nascia uma nova mulher com todas as suas taras e desejos.

Depois daquele sábado na casa do Durk, fomos convidados pra mais uma noitada e realmente me certifiquei que com ele não rolaria mais nada, não tinha nada a ver comigo, o Beto ainda continuava impressionado com a putinha da Clotilde.

Ainda me restava encontrar com Herman e Joyce, queria conhecê-los melhor, aquele beijo que a Joyce havia me dado, volta e meia vinha na minha mente, só faltava à oportunidade pra acontecer.

Queria compartilhar tudo com Beto, até que um dia ele vacilou e com meu instinto de mulher desconfiada, fui verificar os fatos.

Numa terça feira Beto chegou em casa por volta das dez horas da noite, cansado, sem fome, perguntei se estava com algum problema, ele simplesmente sem me encarar e entrando pro banho, me disse.

_ Estou cansado e chateado, realmente tive um problema pra resolver com urgência e acabei não percebendo o horário lanchei na rua e não estou com fome.

Aquela resposta não me caiu bem, ao pegar a roupa dele pra jogar no cesto, senti um cheiro conhecido, dei uma respirada mais profunda e me lembrei de quem tinha um perfume com o mesmo aroma.

Enquanto o Beto tomava banho, peguei o telefone e liguei pra casa do Durk.

_ Alô, oi Clô tudo bem, por acaso você sabe onde eu encontro aquela lata de doce, que você nos serviu na última vez que tivemos com vocês?

_ Sim vou te passar o nome da loja.

_ Amiga obrigada, da um beijo no Durk, alias pergunta pra ele, se por acaso ele vai ver o jogo no domingo.

_ Ta ok, na quinta quando ele voltar eu pergunto, ok.

Realmente eu estava no caminho certo, o Beto tinha se encontrado com ela, esperei pra ver se ele iria me contar ou não.

Quarta de manhã, o Beto acorda e começa a se preparar pra sair, dou um olá e comento com ele.

_ Seu dia ontem deve ter sido muito agitado, você toda hora falava no nome do Durk, sonhou com o quê?

_ Sonhei, não me lembro ter sonhado com nada.

_ Você falou o nome dele mais de duas vezes, e se não me engano, acho ter ouvido alguma coisa parecido com o nome da Clô também.

Deixei o Beto apreensivo e preocupado, não toquei mais no assunto, pelo contrário foi a Clô quem me procurou pra saber se tinha encontrada a loja. Acredito que os dois tenham conversado sobre minhas desconfianças.

Pra mim o assunto teria morrido, mas o Beto chegou em casa, me trouxe um belo bouque de rosas, e veio me pedir desculpas, que precisava falar comigo, e não sabia nem por onde começar.

_ É tão simples comece pelo início, estou aguardando, vamos desembuche.

Aí ele começou me explicando, que como eu não queria mais fazer nenhuma noitada com o casal de amigos, ele ficou sem jeito de me pedir pra continuar a encontrar com a Clotilde, e que infelizmente já havia se encontrado com ela duas vezes.

Eu perguntei, quantas vezes foram, só duas, ele respondeu, muito bem só duas, olha que te perguntei, se você tinha certeza de querer entrar nesse joguinho e que depois não teria retorno, você se lembra disso.

_ Sim me lembro, aonde você quer chegar?

_ Você me disse que não nos envolveríamos emocionalmente com ninguém, que era só por prazer, não foi.

_ Sim falei e continuo dizendo que é somente por prazer.

_ Muito bem, o que você diria, se eu voltasse duas vezes na cabine com o mesmo cara e trepasse com ele até me fartar?

_ Mas aí é diferente, você é uma mulher casada e não tem por que fazer isso.

_ Não tem é o caralho, você me transformou no que sou, nunca te pedi pra você fazer de mim uma puta na cama, pedi?

E nossa briga foi crescendo, ele viu que não estava falando com nenhuma putinha da faculdade, disse, me compreender que até achava que eu tinha razão, pois bem, você trepou duas vezes fora de casa e pelo visto gostou muito, então não se preocupe não, que depois que eu fizer também, eu chego pra você e digo o que aconteceu e aí sim vamos estar empatados, tá benzinho, virei as costa e deixo-o sozinho pensando na merda que tinha feito.

Quando tem que acontecer tudo ajuda, eu estava fazendo compras na cidade quando vejo a Joyce e Herman passando enfrente da loja.

Gritei pela Joyce e o Herman olhou pra trás e me viu, os dois voltaram em minha direção sorrindo, trocamos beijos e perguntei o que faziam ali naquele horário, me responderam que estavam voltando de uma reunião e que iriam comer algo e depois voltariam pra casa, na mesma hora convidei-os pra comerem comigo ou me comerem caso quisessem, Joyce deu uma olhada pro Herman, deu uma gargalhada e disse.

_ É hoje que vou passar bem, vou saborear uma carioca.

Seguimos lá pra casa que apesar de ser, pequena possuía uma cama bem confortável, o Herman pediu licença e me perguntou se poderia tomar um banho antes do almoço, peguei uma toalha e lhe entreguei, voltei pra onde a Joyce estava sentada e avisei que depois nós também iríamos tomar nosso banho juntinhas, Joyce fez um carinho nos meus cabelos, segurou o meus pescoço e me puxou contra o seu corpo, abriu aquela boca carnuda e veio aproximando dos meus lábios, que já a esperava, colocou aquela língua macia, úmida e quentinha na minha boca, como sabia beijar bem aquela mulher, e com as mãos massageava os meus seios, ficamos naquele beijo enquanto durou o banho do Herman, fomos até o quarto e ela fez questão de tirar toda minha roupa me deixando nua em pelo, tirou a sua e fomos caminhando em direção ao banheiro, o Herman de novo me pediu se poderia se servir com um gole de whisky, respondi que ficasse a vontade e que se precisasse de gelo havia na geladeira.

Entramos no banheiro e a Joyce parecia minha escrava a me banhar, a cada momento que deslizava com o sabonete pelo meu corpo, os bicos dos meus peitos endureciam cada vez mais, pareciam querer furar os olhos dela, que mãos ágeis que ela possuía, sabia aonde me cariciar me deixando toda arrepiada.

Não entendi, mas em momento algum me bolinou, me causando uma certa frustração, pegou-me pela mão e me levou até a cama, o Herman continuava na sala bebendo o seu whisky, deitou-me na cama veio pra cima de mim, beijou minha testa, deu lambidinhas no meu rosto, nos lábios, introduziu a língua entre eles e acomodou-a na minha boca, alisando a minha língua e chupando-a toda, voltou a percorrer o rosto beijou meus olhos colocou o queixo na boca, retornou a minha orelha, enfiou a língua no meu ouvido, sussurrou palavras carinhosas me chamando de gostosa, carioca linda, que queria me comer todinha, enquanto me dizia isso fazia carinhos com a mão em meus seios, deixando o biquinho durinho e apertava-os com tal delicadeza que me deixava toda molhada, veio contornando o meu rosto e desceu pelo pescoço, mordiscou os biquinhos, passeava com a língua nos peitos um de cada vez, dedicou um tempo nas minhas aureolas deixando-as bem babadinhas, começou a morder os bicões chupando-os com força me arrancando suspiros e gemidos.

Tornou a saborear o meu corpo com a língua, e agora dedilhava a minha grutinha com três dedinhos, veio passeando com a língua pela barriga umbigo, veio descendo, eu me contorcendo toda pedindo pra ela me amar, me fazer gozar muito mais que eu não estava agüentando tanta judiação, ela atingiu as minhas coxas, lambeu todo o meu melzinho escorrido pelas coxas e pernas, abriu a bucetinha e foi enterrando aquela língua pontuda dentro de mim, me proporcionando novo orgasmo, o Herman estava em pé na porta fazendo carinho naquela piroca maravilhosa que me dava água na boca, pedi pra chupar e ganhei um tapa na cara, Joyce me bateu e avisou que a putinha dela só chupava com sua ordem e que ainda não era a hora, voltou a me bater e perguntou, se tinha entendido, a cada tapa que eu recebia me dava mais tezao.

Ela voltou pro meio das minhas pernas e me chupava com sabor, sabia o que estava fazendo e como sabia, eu estava em êxtase já havia gozado pelo menos umas quatro vezes, Joyce estava com a cara toda lambuzada, subiu pelo meu corpo e veio me dar na boquinha o meu melzinho, ele agora esfregava a xaninha dela na minha o seu grelinho bem maior que o meu parecia a cabeça de um dedo querendo entrar em mim, e junto comigo gozou gostoso, chamou o Herman e mandou.

_ Venha cá e fode essa putinha rasga ela pelo meio, ao ouvir isso foi que pude notar o tamanho daquele caralho, bem maior que o do Beto, Herman me colocou na posição frango assado e foi empurrando piroca adentro, mesma toda encharcada e lubrificada eu sentia aquela pica me rasgando, abrindo caminho, e não parava de entrar, meus olhos lacrimejavam, mais ele sem pena nenhuma empurrava, enquanto isso Joyce me beijava e me chupava os peitos, Herman deu uma paradinha e voltou a entrar e sair, a principio com cadencia moderada e aos poucos foi acelerando aumentando as estocadas me fazendo ter orgasmos múltiplos, que delicia, como era gostosa aquela piroca, eu gritava, gemia e pedia mais, aos poucos fui sentindo as veias do pau incharem Herman avisou que iria gozar, Joyce deitou na minha barriga tirou o pau do Herman de dentro da minha xaninha e colocou na boca recebendo toda porra do Herman, voltou na direção da minha boca e despejou a metade engolindo e mandando-me engolir a outra parte, aproveitei e fui limpar o pau dele, recolhendo o que restava e deixando-o limpinho.

Enquanto descansávamos fomos fazer um lanchinho por que não éramos de ferro e a sobremesa foi o no nosso corpo, coberto por chantilly.

Pegamos o pau do Herman e fizemos uma cobertura de chantilly nele parecendo um boneco feito de neve, chupávamos, nós duas juntas e sempre nos beijando na boca, depois passei pelo corpo da Joyce e dividi com o Herman, disputávamos pedaço por pedaço, fiquei com a melhor parte, uma bucetinha coberta de chantilly só pra mim, fiquei mamando ali por uns quinze minutos pelo menos, saboreando aquele grelinho lindo e delicioso fazendo a Joyce gozar na minha boquinha, na minha vez a Joyce cedeu minha xaninha pra Herman me chupar, que boca gostosa gulosa, me levou a loucura.

Fui fazer um sessenta e nove com a Joyce, ela se deitou e eu fiquei por cima, estávamos ali brincando quando o Herman pegou o chantilly, lambuzou todo o meu anelzinho, passou bem no pau dele, colocou a cabeça do pau na porta do meu cuzinho, a Joyce arregaçou o máximo que pode e o Herman foi empurrando com vontade no meu cu, implorei que parasse que estava doendo, o Herman dava risadas e dizia que tinha que doer senão não era uma enrrabada espetacular, eu chorava e os dois nem aí pra mim, quando o Herman começou a socar no meu cu violentamente, fugindo toda aquela gentileza inicial, eu via estrelas, de repente ele começou a me dar palmadas na bunda e foi aumentando os tapas deixando a minhas nadegas vermelhas, aquilo começou a me deixar extasiada com vontade de fuder e gozar pelo cu, eu fazia força contra o corpo dele, em cada socada os culhões dele batia na minha buceta que era mamada pela Joyce que parecia uma cachorra mamando nas tetas da mãe só que as tetas eram os lábios da minha xoxotinha e meu grelinho inchado, eu por minha vez pra não grita mordia e chupava a buceta da Joyce só paramos quando terminamos de gozar.

Só tínhamos quarenta minutos pra desfazer toda aquela bagunça e eles se retirarem lá de casa, tomamos banho os três juntos nos despedimos e ele foram embora, combinamos de nos encontrarmos de novo na semana seguinte na folga deles, preparei uma sopa rápida e esperei o Beto chegar, como se nada houvesse acontecido, jantamos e na hora de deitarmos o Beto ensaiou me procurar e eu evitei dizendo estar com muitas cólicas, passei dois dias descansando a xaninha e o cuzinho.

Ainda restavam quatro meses pra ficarmos na Holanda, toda vez que eu ia ao supermercado, aquele senhor de olhos verdes me observava a pedalar na bicicleta, um dia me atrapalhei e acabei batendo numa jardineira, a roda da bicicleta empenou dificultando o meu retorno pra casa, justo naquele dia em que eu estava cheia de pequenos embrulhos, que ódio, agachada pegando os embrulhos percebi alguém se aproximando de mim, ele se abaixou, pegou alguns volumes, levantou a bicicleta, me estendeu a mão e me ajudou a levantar, envergonhada lhe agradeci, ele prontamente se ofereceu pra me acompanhar, colocamos os embrulhos na cesta da bicicleta e ele gentilmente veio carregando com certa dificuldade, quando chegamos ele me avisou que me aguardaria subir com os embrulhos e voltasse pra pegar a bicicleta, fiz exatamente o que combinamos, acabamos por tornamos amigos, agora sempre que eu o encontrava, perdia uma hora e ficava papeando com ele, e foi assim que descobri que o mesmo era viúvo a oito anos e que tinha cinqüenta e dois anos, e que desde que perdeu a esposa não quis casar de novo, apenas cultuando a imagem da esposa falecida, percebia que os olhos marejavam com a nossa conversa, ele me perguntou se podia um dia me trazer uma foto dela pra eu conhecer, confirmei que sim que eu iria gostar de conhecê-la.

Fiquei quase um mês sem encontrá-lo, já havia esquecido a foto, precisei ir a farmácia comprar umas besteiras, quando o vi sentado, numa praça triste.

_ Sr. Hans, tudo bem com o senhor?

Ele olhou pra cima e me viu, os seus olhos mudaram, o que era tristeza se transformou em alegria, sorrindo ele pegou na minha mão e deu-me um beijo com respeito, sentei-me ali com ele e começamos a conversar, me confidenciou que achava que eu havia esquecido ele, que não queria vê-lo mais e quase chorando disse que estava muito contente, em ter me encontrado de novo.

Abriu o agasalho e puxou uma foto já amarelada pelo tempo, comecei a olhá-la e percebi certa semelhança comigo, informei que ela era muito bonita e que ele sabia escolher muito bem, fiz um carinho no seu rosto e na hora percebi uma saliência se mexendo dentro da calça dele, tinha algo ali que estava vivo, imaginei aquele coroa sem mulher durante oito anos, coitado necessitava de ajuda urgente, só não sabia ainda como ajudá-lo, avisei que precisava ir e que qual quer dia levaria para fazer um lanche lá em casa, voltei fazer novo carinho e fiquei com o olhar em cima daquele volume, quando me abaixei pra pegar minha sacola no banco, vi que o seu Hans não tirava o olho de dentro do meu decote, aproveitei e olhei fixamente pro pau dele e tive a certeza de vê-lo pulsar.

Aproveitei que o Beto iria fazer uma visita numa empresa fora da cidade e que só voltaria bem à noite, e decidi, vai se hoje, esse coroa só não pode bater as botas aqui em casa.

Dez horas da manhã fui ao mercado e o seu Hans estava lá sentado lendo o seu jornal.

_ Bom dia seu Hans, tudo bem?

_ Sim, ótimo.

_ Seu Hans apareça lá em casa por volta das quinze horas, venha fazer um lanche comigo.

_ O velho quase teve um treco, vou sim, às três da tarde estarei lá.

Duas horas da tarde eu estava no banho, dei uma aparadas nos pelinhos, coloquei uma calcinha de lacinhos bem pequena, escolhi um vestidinho de botões na frente com um laço na cintura um sutian generoso passei um perfume gostosinho, preparei a mesa com pães, bolos e frios, dei o ultimo retoque na casa, olhei tudo e deixei em cima da banqueta no meu quarto um jogo de lingerie, vermelha como se estivesse esquecida ali sem querer.

Três horas em ponto a campanhia toca, dou uma olhada pra baixo e vejo um homem de terno parado na porta do prédio, na primeira hora não o tinha reconhecido, desci e fui abrir a porta, nunca imaginava aquele senhor sempre de casaco meio surrado, barba por fazer, todo largado sem brilho nos olhos, fosse me aparecer, de barba feita, vestindo um terno de marca, um sapato brilhando, carregando nas mãos uma torta de maçã com chantilly, e na outra um arranjo de orquídeas amarelas, pedi que entrasse e fiquei encantada com o que vi, subimos até o apartamento.

_ Faça o favor Sr Hans, pode entrar.

Ele entrou e ficou me aguardando, coloquei o arranjo enfeitando a mesa, peguei em suas mãos a caixa com a torta e juntei ao lanche, ele mais uma vez me agradeceu pelo convite, elogiou a arrumação da sala, perguntei se ele já conhecia aquele prédio por dentro, no que respondeu não conhecer mais que parecia ser bem confortável, aproveitei pra por o meu plano em pratica, convidei-o para conhecer o apartamento, mostrei a copa/cozinha, sala ele já tinha visto, mostrei onde ficava o banheiro e deixei por último o quarto, ao me aproximar da porta deixei que ele fosse à frente, eu queria senti a sua reação ao ver minha lingerie, fiquei atrás dele e mostrei aqui fica o quarto seu Hans, o olho bateu direto na lingerie, quase não olhou o restante do quarto.

Pedi que se sentasse a mesa, virei-lhe as costas e fui a cozinha pegar a bandeja, com a jarra de leite e o bule com café, nisso percebo que ele acompanhou a minha saída da mesa olhando a minha bunda que estava bem marcada devido ao laço que amarrava o meu vestido, soltei um botão na frente do vestido deixando o decote maior ainda, dei uma ajeitada no sutian, posicionando os biquinhos mais assanhados.

Quando voltei com a bandeja o seu Hans veio me ajudar, aproveitei pra provocá-lo, agachei um pouco mais em colocar a bandeja na mesa de maneira que visse os meus seios, me afastei e comecei a servi-lo, perguntei se o café era com pouco leite, ele não conseguia me responder ainda estava atordoado com a visão dos peitos tão perto, ao seu alcance, aguardei-o responder e coloquei café com leite na xícara dele, me servi e começamos saborear o nosso lanche, conversávamos sobre nossas vidas, sonhos futuros, comentei que ele deveria voltar a se vestir daquela maneira, e que se tornava muito bonito e bem mais jovem que inclusive não tinha lhe reconhecido, o papo foi se estendendo ficando bom, animador aproveitei pra saber dele se eu podia lhe fazer um pergunta um tanto desproposita, ele fez com a cabeça que sim.

_ Porque o senhor tão jovem e bonito nunca se casou, pelo menos namora alguém, faz como?

_ Minha jovem, como já expliquei, eu adoro a imagem da minha mulher, já tentei estar com outra, mas infelizmente na hora não consegui nada.

Eu continuei no assunto, o senhor me desculpa, mas já procurou um médico participou a ele o que acontece de fato, ele se virou e me disse.

_ Menina você tem idade pra ser minha filha, mas vou te dizer uma coisa, você esta diante de um homem incapacitado para o sexo.

Eu via que aquele homem estava com problema psicológico, e não problemas de impotência, pensei comigo mesma vou arriscar tudo.

_ Seu Hans não me queira mal no que vou lhe dizer, mas o seu problema é emocional e não disfunção erétil.

Ele arregalou os olhos e perguntou.

_ O que você esta falando menina, você entende disso, é urologista?

_ Não, não sou, mas posso lhe provar que sei do que estou falando.

Ele ficou sentado na cadeira ainda na mesa, levantei-me, virei às costas pra ele, e quando retornei pra frente já vim com os quatros botões do vestido desabotoado e começando a soltar o laço, deixando os meus peitos amostra coberto apenas por um pequeno sutian, seu Hans arregalou o olho, pegou na braguilha da calça, senti um volume pulsar dentro daquela calça, soltei o laço e deixei o vestido cair por completo no chão, seu Hans levantou com o volume acentuado, estiquei o braço em direção do seu membro, e segurei aquele pedaço de nervo duro, e lhe perguntei.

_ E agora seu Hans me diga o é isso aqui?

Enquanto ele se recuperava do susto fui tirando o pau dele pra fora da calça e continuava com os carinhos nele deixando cada vez enrijecido, abaixei-me dei um beijinho nele, coloquei a cabeça na boca, beijei-o por inteiro, olhava pra cima e via seu Hans incrédulo ao que estava acontecendo, comecei a chupá-lo e ao mesmo tempo a massagear as bolas, não demorou muito e o primeiro jato de porra saiu grosso, quente me encheu a boca e vazou por cima dos meus peitos, fiz com que gozasse tudo, limpei o pau dele todo, votei a sentá-lo na cadeira, ele não dizia nada estava extasiado.

_ Seu Hans, tudo bem com o senhor?

Ele pegou na minha mão, levou-a boca deu-lhe um beijo de agradecimento.

Limpei o que havia caído nos peitos, fechei o vestido dei uma arrumada geral e me recompus, com ele já se sentindo melhor, perguntei se havia gostado, ele me respondeu que nunca havia se sentido tão bem na vida inteira.

_ E agora eu tinha razão ou não?

Ele realmente não sabia me explicar, perguntei se ele gostaria de fazer tudo, pra matar a saudade e seu desejo, coitado ainda tremulo me perguntou se eu faria isso por ele, pedi que se mantivesse calmo que eu iria proporcionar a ele algo que há muito tempo não recebia.

Conduzi até o meu quarto, e avisei pra deixar que eu fizesse tudo por ele, primeiro tirei o paletó, gravata, camisa, soltei o cinto da calça, ele tirou os sapatos, soltei a calça e deixei-a cair no chão, ele arrancou as meias, arriei a cueca samba canção, coloquei ele deitado em cima da cama com o pau a meia bomba, me afastei catei as roupas espalhadas, coloquei tudo arrumado no aparador, e comecei a fazer um strip sem musica, fui dançando e tirando peça por peça e jogando em cima dele, quando fiquei apenas com a calcinha.

_ Vem seu Hans tira ela pra mim, tira.

Falei isso fazendo beicinho e repetindo o pedido, fui aproximando da cama ele se sentou e soltou os lacinhos da minha calcinha deixando-a cair no chão, ficou com a cabeça na minha grutinha com poucos pelinhos, voltei a pedir fazendo biquinho, seu Hans dá um beijinho nela, dá, elazinha tá tão carente, preciso tanto dessa lingüinha, brinca um pouquinho com ele, brinca, isso assim passa a língua, passa gostoso, se solta, lembra o quanto ela é gostosa, assim enfia a lingüinha, vai enfia, o seu Hans me deitou na cama, arregaçou minha grutinha e caiu de boca com tanta fome que eu pensei que ele iria entrar por ali e sai pelos fundos, me chupava com tanta vontade que me fazia ter orgasmos múltiplos, que delicia de boca, ele parou pra respirar e aproveitei pra dar de mamar aquele homem faminto.

Depois de hora de combate, foi minha vez de chupá-lo, dei um beijo de língua nele, senti o meu gosto, chupei o seu pescoço, mordisquei os seus mamilos, passei minhas unhas naquele peito cabeludo, comecei a mamar no pau dele, chupei bem a cabecinha, fui contornando o corpo do membro, voltei a colocar a cabeça na boca foi engolindo centímetro por centímetro de pica goela adentro, após deixá-lo bem babado, sentei em cima e vim deslizando gostoso, fazendo aquele cacete sumir dentro de mim, às vezes parava e mordia o pau dele com a buceta, fui aumentando a velocidade até pular cavalgando naquela pica, o seu Hans gemia baixinho e me avisou que iria gozar, disse-lhe pra não se preocupar que podia gozar dentro e quando terminei de falar ele veio com tudo enchendo minha caverninha de leitinho quentinho, me agarrei a ele e beijei-o com gosto, não tinha tirado a virgindade do homem, mas devolvi o direito de viver saudavelmente.

Tomamos banhos juntos e prometi ajudá-lo por uma semana na recuperação dele, que todo dia quando desse dez da manhã e ele visse uma toalha verde ou azul pendurada na janela que ele poderia subir sem susto.

E naquela semana ele terminou toda sua maratona sexual, fez de tudo comigo inclusive anal, e todos os dia às dez horas em ponto aquele homem chegava lá em casa e ficava até as três da tarde, quando eu começava a preparar a janta pro Beto.

Nunca achei que tinha virado o jogo em cima do Beto na nossa competição, afinal com o seu Hans eu considerava como uma terapia sexual.

Passados quarenta e cinco dias do ocorrido, sentei com o Beto e avisei o que tinha feito e que agora estávamos no zero a zero, ele me chamou de irresponsável, imagina se o coroa morresse dentro de casa, informei que se isso acontecesse, ele teria que dar um jeito, apenas fiz por uma questão de humanidade.

Ainda restariam dois meses pra ficarmos quando o Beto foi avisado que teríamos vinte dias pra arrumarmos a nossa mudança, que os planos da empresa tiveram que ser antecipados em virtude da complicação na saúde do engenheiro responsável no Brasil.

Ao mesmo tempo em que eu comemorava o regresso a terra natal, tinha a preocupação pele vida nova que levaríamos no Brasil não apenas conjugal, mas por tudo que vivemos na Holanda, como seria aqui no Brasil?

Com tudo já despachados para o Brasil, eles fizeram uma festa de despedidas pra gente.

Exatamente quando faltavam horas, pra embarcarmos pra nossa cidade querida, Rio de Janeiro, nós sentamos as margens do rio Amstel, e Beto tirou de dentro do bolso da calça um saquinho, com cinzas, olhou nos meus olhos e disse-me.

_ Essas cinzas representam tudo aquilo que passamos juntos, aqui nessa terra e que aqui vão ficar pra sempre, de agora em diante somos carne e unha e teremos cumplicidade em tudo, te prometo amar, te proteger e criar nossos filhos, e que ninguém vai interferir na maneira em viveremos, agora o mais importante, você aceita?

_ Estou com você em tudo, e em todos os momentos de nossas vidas.

Ele atirou as cinzas no rio Amstel, nos beijamos, e choramos muito, depois saímos caminhando pela cidade.

E assim foi a nossa temporada em Amsterdã na Holanda, trezentos e quinze dias longe de todos.

Nota:

Quero deixar aqui os meus sinceros agradecimentos, a todos admiradores, amigos(as) e leitores dos meus relatos.

Esta foi à parte final dos relatos das minhas aventuras sexuais.

Um forte abraço e um beijão da sua, Malluquinha

Comentários

30/05/2016 09:51:10
Já era seu fã de outro site (climax) agora seu seguidor , fantástico a sua narrativa adorei e muito...jcachorrão.
10/06/2015 08:46:54
MALLUQUINHO FICO EU LENDO ESTA BELEZA DE HISTÓRIA. O TREM PARECIA QUE IA DESANDAR COM AQUELE CASAL, MAS FOI PASSAGEIRO. E SE ESSE HANS NÃO CONSEGUISSE CONTIGO, NÃO CONSEGUIRIA COM MAIS NINGUÉM, LINDURA. BEIJIN. VIREI FÃ.
31/07/2014 12:00:03
Reli esta trilogia, depois de 3 anos. Na época, com grande inveja do Beto. Pela beleza da história de amor e por ter uma deusa do prazer ao seu lado. E agora, sabendo do desfecho, com a separação, tudo que pude sentir, foi pena. Pena por ele ter perdido você. Considero o ¨o poderoso sogrão¨ o seu melhor conto e com certeza, um dos dez mais do site. Mas neste, a passagem com o deprimido Sr.Hans foi antológico. Uma verdadeira aula de erotismo e sensualidade. Beijão do fã!
30/07/2011 02:55:04
DEMAAAAAIS!!!!!!!!! COMO SEMPRE UMA DELÍCIA!
18/07/2011 06:04:40
nao sou coroa mas to tao carente quanto o coroa . Vc e fogo heim parabenr
22/06/2011 11:06:48
O RECANTO DAS BICHOLETAS PT III Agora só faltava pegar o ultimo viado incentivador da desordem uma bicha conhecida como FANTASY ISLAND o detetive Pacheco descobriu que esse viado era muito guloso sua fome de vara era interminável, essa bicha andava sem parar por locais em que se concentravam mendigos, moradores de rua, desabrigados pra poder chupar bastante rola, esse viado tinha ficha criminal extensa por crimes de atentado violento ao pudor sendo que tinha sido preso em flagrante várias vezes enquanto levava rola no cu no meio da rua: -SERÁ QUE ESTE VIADO AINDA SENTE ALGUMA COISA NO CU, NÃO QUERO NEM SABER FODA-SE ELE. Enquanto estava viva a bichinha do ZOOFILIA DOG entregou com detalhes onde o Pacheco poderia encontrar o viado FANTASY ISLAND e a data da próxima reunião do recanto das bicholetas, mas ainda faltavam alguns dias pra acontecer a bichafraternização. O detetive Pacheco estava desconfiado das informações que recebeu da bicha ZOOFILIA DOG antes de virar purpurina (diz que bicha não morre) e resolveu voltar no barraco da puta velha mãe da Carla Zéfira, chegou lá e a velha estava como sempre sendo enrabada por vários homens e de graça ainda, só que desta vez alguns caras gozaram na cara do velho corno pai da puta da Carla Zéfira, enfiavam o pau na boca do velho e fizeram ele chupar muita pica. -TÁ EXPLICADA A FAMILIA, O PAI É CORNO E VIADO, A MÃE É PUTA COM UM MONTE DE FILHO BASTARDO E UMA FILHA VADIA, PUTA, ORDINARIA E VAGABUNDA QUE DEVE ESTAR DANDO NO INFERNO AGORA. O Pacheco mandou os caras saírem, ficando o velho corno e a puta velha mãe da Carla Zéfira: -VOU PERGUNTAR SOMENTE UMA VEZ, CADÊ O VIADO DO FANTASY ISLAND. -NÃO SABEMOS!!!!! -VELHA VADIA CADÊ ESSE VIADO DE MERDA. -NÃO SEI, ELA SUMIU!!!! -DIGA ONDE A VAGABUNDA DA SUA FILHA FICAVA COM ESTA BICHA. -ELES FICAVAM AQUI MESMO. -TÔ QUERENDO IR NO BANHEIRO, VELHO CORNO ABRE BEM A BUNDA DESSA PUTA VELHA. -ASSIM ESTÁ BOM. -OLHA O TAMANHO DO BURACO CABEM MINHAS DUAS MÃOS JUNTAS E AINDA SOBRA ESPAÇO, AGORA VOU ENCHER SEU CU DE URINA VELHA VAGABUNDA. E mais uma vez o Pacheco encheu o cu da puta velha mãe da Carla Zéfira de xixi, foi uma bela e demorada mijada, sem deixar seu pau encostar naquele buraco imundo sabe-se lá qual doença ela poderia ser infectado. A puta velha mãe da Carla Zéfira saiu dizendo que iria tomar banho, pois estava a mais de dois transando direto e que os caras não davam sossego. O Pacheco deixou a velha ir com aquela barrigona não iria muito longe e voltou a pressionar o velho corno e viado sobre o paradeiro da bichona da FANTASY ISLAND. A principio o velho corno negou até que começou a tomar umas porradas na cara, quando começou a chorar o viado velho resolveu entregar a amiga. -ENTÃO ESSE VIADO VEM AQUI HOJE A NOITE, É ISSO MESMO VELHO CORNO. -É ISSO MESMO. -ESSA PUTA VELHA SABIA DISSO NÃO É. -SIM!!! ELA SABIA -FIQUEI SABENDO QUE O ZEZÃO VAI GANHAR INDULTO HOJE, PROVAVELMENTE DEVE APARECER POR AQUI MAIS TARDE PRA COMER ESSA VELHA PUTA DA SUA ESPOSA VELHO CORNO IDIOTA. Nesse instante a puta velha mãe da Carla Zéfira voltou: -ESTOU ESPERANDO O ZEZÃO MAIS TARDE, VOU PASSAR A NOITE COM ELE. -VELHA FILHA DA PUTA É O SEGUINTE VOCÊ VAI DIZER AO ZEZÃO QUE POR CAUSA DESSE VIADO DO FANTASY ISLAND ESTÁ CHEIO DE POLICIA AQUI NO BAIRRO PROCURANDO PELOS GAYS NO RECANTO DAS BICHOLETAS, SE ELE QUER DE VOLTA SEUS USUÁRIOS DEVE SUMIR COM ESSA BICHONA DE VEZ ENTEDEU VAGABUNDA. -SIM ENTENDÍ -AMANHÃ VOU PASSAR AQUI CEDO, NÃO ME DESAPONTE OU VOU ACABAR COM VOCÊ, ASSIM VAI ENCONTRAR MAIS CEDO AQUELA PUTA DA CARLA ZÉFIRA NO INFERNO. -QUER QUE TIRE ESSE VELHO CORNO DAQUI. -NÃO O ZEZÃO GOSTA QUE ELE CHUPE SEU PAU E ENGULA SUA PORRA. -VELHO VIADO FILHO DA PUTA, SOME DA MINHA FRENTE. -A PROPOSITO VELHA VAGABUNDA ONDE ESTÃO O RESTO DOS SEUS FILHOS BASTARDOS. -NÃO SEI O ZEZÃO NÃO QUIS FICAR COM ELES, NEM EU ACHO QUE FORAM ADOTADOS, SEI LÁ. -É ESSE BASTARDINHO AÍ VAI NASCER IGUAL AO BEBÊ DE ROSEMARY DO FILME E VAI TER O MESMO DESTINO DOS DEMAIS, MÃE E FILHA VAGABUNDAS, TUDO IGUAL MESMO. O detetive Pacheco foi embora naquele dia certo que iria encontrar o viado da FANTASY ISLAND vivo ou morto, de qualquer maneira estaria encerrando sua investigação desmantelando as mentes imundas por trás do recanto das bicholetas. No outro dia bem cedo foi ao barraco da puta velha mãe da Carla Zéfira, como sempre a velha estava sendo enrabada por vários malandros ao mesmo tempo, logo cedo eram 4 marginais fodendo a puta velha mãe da Carla Zéfira, dois paus na boceta, um pau no cu e um pau na boca a cena era impressionante: -PORRA COMO ESSA VELHA AGUENTA TRANSAR TANTO. Um dos caras respondeu: -ESSA VAGABUNDA SEMPRE FOI ASSIM, AGORA QUE A PUTA DA CARLA ZÉFIRA SUMIU TEMOS QUE METER SÓ NESSA VADIA. -CADÊ O TAL DO ZEZÃO, O VIADO DO FANTASY ISLAND E O VELHO CORNO MARIDO DESSA PUTA AI. -O ZEZÃO E O VELHO CORNO JÁ ERAM, ACABAMOS COM ELES PRA SEMPRE, DEPOIS VAMOS DECIDIR O QUE FAZER COM ESSA VADIA AQUI, AFINAL ELA ESTA ESPERANDO UM FILHO DO ZEZÃO. O VIADINHO ESTÁ AI DENTRO, FAÇA O QUE QUISER COM ESTA BICHA ESCROTA, FILHA DA PUTA. -COM CERTEZA, VOU ACABAR COM ESTE VIADO!!!! Enfim o detetive Pacheco prendeu a bicha da FANTASY ISLAND, este viado era do tipo bem espalhafatoso, roupas esquisitas, salto alto, maquiagem forte, o Pacheco encheu o viado de porrada na cara, mandou tirar tudo aquilo e vestir uma roupa do velho corno antes de saírem daquele barraco antro de putas safadas, vadias ordinárias que eram mãe e filha a velha puta e a Carla Zéfira, ambas muito vagabundas mesmo. O Pacheco estava satisfeito de sair de vez daquele lugar nojento, levou o viado da FANTASY ISLAND pro mesmo lugar em que interrogou a puta da Carla Zéfira e da qual a vadia não voltou mais, desceu pancada no viado por horas seguidas: -VIADO DESGRAÇADO NÃO QUERO OUVIR SUA VOZ, ENTENDEU: A bicha da FANTASY ISLAND balançou a cabeça concordando: -AGORA VOCE VAI ESCREVER O NOME DE TODAS AS BICHAS QUE JÁ ESTIVERAM ENVOLVIDAS NESSA ORGIA NOJENTA BEM RAPIDINHO. E a bichinha escreveu o nome de todos os demais gays que participaram alguma vez dos encontros no recanto das bicholetas, o detetive Pacheco deixou a bichona da FANTASY ISLAND sofrer bastante sem dizer uma só palavra, depois esperou anoitecer levou o viado pra delegacia. Todos os demais viados foram presos também e indiciados, mas a maioria morreu (virou purpurina) em decorrência da AIDS. O detetive Pacheco foi condecorado pelo enorme serviço prestado a sociedade sendo promovido ao cargo de delegado imediatamente e com um trabalho brilhante acabou de vez com o recanto das bicholetas. O viadinho do FANTASY ISLAND hoje cumpre pena em presídio de segurança máxima, ficando isolado dos demais presos por questões de saúde pública e a sua única diversão é enfiar o dedo no cu a noite inteira. COMO DIRIA O SAUDOSO COSTINHA “COISA DE BICHA”ContinuaTalvezQuem sabePode serQUALQUER SEMELHANÇA NÃO É MERA COINCIDÊNCIA KKKKKKKKKKKKK, SE ALGUEM SE SENTIU OFENDIDO FODA-SE, ESCREVA UM LIVRO NO COMENTÁRIO DESABAFANDO SUA REVOLTA, NÃO VOU LER MESMO, HÁ NÃO LIGO PRA NOTAS E AQUELES QUE PRETENDEM DEIXAR COMENTÁRIOS OFENSIVOS VÃO TOMAR NO CU DESDE JÁ. MINX!!!!!!!!!!!!
22/06/2011 11:06:24
Nota zero vadia ordinária!!!!!!!
22/06/2011 11:05:52
O RECANTO DAS BICHOLETAS - Parte I O recanto das Bicholetas era um local onde um monte de viados se reuniam para fazer orgias, chupar rola e ficar dando o cu por horas sem parar até que alguém chama-se a policia, geralmente estas bichas escolhiam uma rua sem saída, num quarteirão fechado, mais escondido e à noite para praticarem seus atos libidinosos. Sempre vários destes viadinhos eram presos pela polícia e no interrogatório diziam que tinham que ir dar o cu na rua por não ter dinheiro pra porra nenhuma, que só os mendigos e moradores de rua arriscavam comer o cu destes viados de graça claro, na delegacia tomavam um monte de porrada na cara e ficavam gritando: –BATE MAIS MEU AMOR!!!!! ESTOU APAIXONADA!!!!! SOU VIADO MESMO GOSTO DE DAR O CU!!!!!. Depois que perdiam a paciência com estes lixos os policiais mandavam estes viados embora só pra sacaneá-los, pois no fundo o que as bichas queriam mesmo era ficar em uma das celas cheias homens recebendo caralhos no cu a noite toda, era um chororó de bicha na porta da delegacia. Porém estes viados de merda passaram a realizar mais encontros no recanto das bicholetas com mais bichinhas presentes, era só encontrar muitos mendingos reunidos que logo apareciam os viados implorando pra levar enrabada. A polícia teve que intervir por que muitos moradores de rua contraíram doenças venéreas sem contar AIDS(credo) destes viados. Então foi feita uma investigação liderada pelo detetive PACHECO foi só encher umas bichinhas de porrada que elas entregaram quem organizava a putaria dos viados, chegaram ao nome de uma tal de Carla Zéfira, uma puta de rua que vivia sendo presa por roubo, tráfico de drogas, atentado violento ao pudor etc... Pacheco foi investigando e descobriu onde os pais daquela vadia da Carla Zéfira, moravam. Era um barraco invadido perto de uma rodovia, ao chegar lá Pacheco viu uma fila enorme de homens e gritou: - QUE PORRA É ESSA AQUIdos caras respondeu: - ESTA FILA É PRA COMER O CU DA VELHA ZEFERINA OU DA SUA FILHA A CARLA ZÉFIRA, MAS RECOMENDO A MÃE, POR QUE A CARLA ZÉFIRA TÁ CHEIA DE DOENÇA, ALÉM DE TODA ARROMBADA NEM COM CAMISINHA FEITA EM BORRACHARIA COM PNEU DE TRATOR EU COLOCARIA MEU PAU NELA. - CREDO QUE VADIA NOJENTA disse o Pacheco, o detetive então dispensou a turma e entrou no barraco, La dentro estava a velha e a vadia da Carla Zéfira ambas de quatro, o cu da velha era enorme de tão arrombado o buraco maior que uma bola de sinuca, toda suja de esperma seco e com uma barriga enorme de grávida, a velha estava com as duas mãos enfiadas dentro do cu da vadia da filha a tal Carla Zéfira, ao ver a cena ele gritou:MAS QUE DESGRAÇA É ESSA VELHA FILHA DA PUTA, TIRA AS MÃOS DO CU DESTA VADIA E FICA QUIETINHA. A velha obedeceu na horaÉ VOCE A VADIA DA CARLA ZÉFIRA QUE ANDA REUNINDO VIADOS NO RECANTO DAS BICHOLETAS. - SOU SIM E DAÍ GOSTO DE DAR O CU PRA MENDINGOS MESMO JUNTO COM MEU MARIDO O FANTASY ISLAND e o nosso miguxo ZOOFILIA DOG. Pacheco ficou nervoso com a resposta da putinha barata e disse: - LEVANTA QUE VOCÊ VAI ME LEVAR ONDE ESTES VIADOS ESTÃO ESCONDIDOS. Colocou luvas, puxou a puta da Carla Zéfira pelo cabelo e a algemou, jogou ela fora do barraco com um chute e ordenou à velha: - CONTINUA QUIETINHA SE ENCOSTAR ESTA BUNDA FLACIDA NO MEU PAU TE MATO. Tirou a pica mirou a distancia no buraco arrombado que um dia foi parecido com um cu e urinou bastante lá até transbordar de dentro da velha, e a puta gemia com aquilo. - DEVIA TE MATAR VADIA VELHA SUA SORTE E QUE ESTA GRAVIDA, NÃO QUERO TE VER NUNCA MAIS OUVIU. A vadia velha mãe da Carla Zéfira só balançou a cabeça concordando. O Pacheco mal saiu do barraco entraram 3 caras e começaram a meter na velha puta arrombada. - QUE DESGRAÇA DE FAMILIA DE PUTAS É ESSA CONCLUIU O Pacheco. Ele saiu do barraco e viu a puta da Carla Zéfira algemada de quatro com dois caras arrombando sua boceta e gritou: -ESSA PUTA TEM TODOS OS TIPOS POSSIVEIS DE DOENÇA VENÉREA INCLUINDOO AIDS, SEUS OTÁRIOS E ACABEM RÁPIDO DE METER NESSA VAGABUNDA QUE TENHO ASSUNTOS PENDENTES A RESOLVER COM ESTA VADIA. Um dos caras respondeu: -NOS TAMBÉM TEMOS AIDS PEGAMOS DA VELHA, MÃE DESSA PUTA ORDINÁRIA, MAS ESSA VADIA DA CARLA ZÉFIRA ENTREGOU UM TRAFICANTE AMIGO NOSSO E O CARA VAI APAGAR ELA PRA SEMPRE LOGO. - ESSE VAI SER UM FAVOR A TODOS OS CIDADÃOS DE BEM, ME ENCONTRE NESTE LUGAR EM 2 HORAS. O detetive Pacheco pegou a vadia da Carla Zéfira, fez ela se limpar muito antes de entrar no seu carro, levou ela pra um lugar deserto, encheu a vadia de porrada até que a puta resolveu falar e entregou os dois viados foragidos. Ele então esperou os marginais chegarem e deixou a puta da Carla Zéfira com os dois: -SUMAM COM ESTA VADIA DE VEZ, SE FICAR SABENDO QUE ELA ESTÁ POR AI, IREI ATRÁS DE VOCÊS, ENTENDERAM BEM!!!! Ao sair daquele local nojento ele só ouviu tiros, os gritos da vadia da Carla Zéfira e um carro pegando fogo e saiu pensando – esse foi o fim desta puta – E assim era uma vez uma vadia infame, filha da puta ordinária da pior espécie possível chamada ridiculamente de Carla Zéfira, não vai fazer falta alguma à sociedade. ContinuaQUALQUER SEMELHANÇA NÃO É MERA COINCIDÊNCIA KKKKKKKKKK, SE ALGUEM SE SENTIU OFENDIDO FODA-SE, ESCREVA UM LIVRO NO COMENTÁRIO DESABAFANDO SUA REVOLTA, NÃO VOU LER MESMO, HÁ NÃO LIGO PRA NOTAS E AQUELES QUE PRETENDEM DEIXAR COMENTÁRIOS OFENSIVOS VÃO TOMAR NO CU DESDE JÁ. MINX!!!!!!!!!!!!
22/06/2011 11:04:48
O RECANTO DAS BICHOLETAS - PARTE II O Pacheco procurou os dois viados FANTASY ISLAND e ZOOFILIA DOG o dia todo sem sucesso então resolveu voltar ao barraco da puta velha mãe da Carla Zéfira, no final da tarde, desta vez nem entrou olhou pela janela do barraco e viu que 2 caras fodiam a velha sem parar e tinham mais 7 esperando uma brecha pra meter em algum buraco da velha puta mãe da Carla Zéfira o Pacheco então gritou: - ALGUÉM AÍ CONHECE UMA DESTAS BICHAS CONHECIDAS COMO FANTASY ISLAND e ZOOFILIA DOG. -TALVEZ EU CONHEÇA, SE ME AJUDAR. - E QUEM É VOCÊ SEU VELHO FILHO DA PUTA. -SOU O MARIDO DAQUELA SENHORA ALÍ SENDO ENRABADA POR AQUELES CARAS. -HÁ ENTÃO É O MARIDO CORNO, PAI DA PUTA DA CARLA ZÉFIRA. -É SOU SIM INFELIZMENTE. -O QUE VOCÊ QUER EM TROCA VELHO? -QUE TIRE ESTES CARAS DAQUI PRA QUE POSSA LEVAR MINHA ESPOSA EMBORA. -MAS ESSA PUTA VELHA ESTÁ AÍ POR QUE GOSTA DE DAR MESMO VELHO IDIOTA. -NÃO!!!!!! FOI A VADIA DA MINHA FILHA CARLA ZÉFIRA QUE FEZ ISSO COM A MÃE, MINHA ESPOSA NÃO ERA ASSIM. - A VADIA DA CARLA ZÉFIRA ESTÁ MORTA SABIA. -NÁO, MAS QUE ALÍVIO NUNCA GOSTEI DAQUELA PUTA MESMO, APESAR DE SER MINHA FILHA SEMPRE FOI VAGABUNDA. -OK AGORA CONTA O QUE SABE DESTES VIADOS FILHOS DA PUTA. O velho entregou fotos e o endereço de onde as bichas se escondiam, o Pacheco levou o velho pra dentro do barraco, quando ia mandar os caras saírem fora ouviu a puta velha mãe da Carla Zéfira implorar pro caras continuarem a meter nos seus buracos largos, a velha puta mãe da Carla Zéfira continuava toda suja de porra com a barriga enorme, cabelos grudentos e a cara parecendo que tinham derramado um pote de creme de tanta porra:QUEM É O PAI DESTE MOLEQUE VELHO CORNO. - E O ZEZÃO UM TRAFICANTE QUE ESTÁ PRESO, ESSA É A QUINTA VEZ QUE ELA FICA GRÁVIDA DELE, DEPOIS QUE O BEBE NASCER ELE VAI DEVOLVER MINHA ESPOSA PRA MIM. - MAS QUE FAMILIA DESGRAÇADA, A MÃE É PUTA, A FILHA FOI VAGABUNDA E ORDINÁRIA E O PAI É CORNO MANSO, ENTÃO TÁ VELHO CORNO, SENTA E ESPERA ISSO ACONTECER. O Pacheco saiu dali enojado indo para o endereço que o velho corno lhe entregou, chegando ao local viu que era um sitio abandonado, pois o lugar estava muito sujo, bem bagunçado, ele foi entrando com a arma em punho quando escutou um barulho, quando chegou mais perto viu uma cena que o fez quase vomitar, tinha um viado de quatro com um cachorro engatado no seu cu, após quase vomitar mais uma vez, ele ordenou: - FICA PARADO VIADO DE MERDA, FILHO DA PUTA, SOLTA O PAU DO CACHORRO DESGRAÇA, VOU PERGUNTAR E SÓ RESPONDA SIM OU NÃO SENÃO DESCARREGO MINHA ARMA EM VOCE SEU LIXO. -VOCE É O VIADO CONHECIDO COMO ZOOFILIA DOG. -SIIIIIIIMMMMM!!!!! SIIIIMMMMMMM!!!!! -PARA DE VIADAGEM, CONVERSA DIREITO BICHA DO CARALHO, PORRA ESSE TINHA QUE SER GAY MESMO VAI SER FEIO ASSIM NA PUTA QUE PARIU, ESSE VIADO É IGUALZINHO AO SLOT DO FILME OS GOONIES, SÓ CACHORRO PRA METER NO CU DISSO. -AIIIIIIIII ADOOOOORO, ADOOORRROOOOO, ROLA. O detetive Pacheco perdeu a paciência com o viadinho do ZOOFILIA DOG e encheu de porrada a bicha horrenda que gritava sem parar: -BATE MAIS, EU GOSTO, PÕE ALGUMA COISA NO MEU CU. -NO SEU CU NÃO VOU COLOCAR NADA VIADO, MAS VOU MOSTRAR AO MUNDO COMO VOCE É FEIO!!!!! Ele então tirou uma foto daquilo pra mostrar na internet que os ET’S existem, só sendo de outro mundo pra ser feio daquele jeito. -VOCE TEM DINHEIRO ANIMAL -NÃAAAAAOOOOOO!!!! -ENTÃO TÁ EXPLICADO POR QUE SER GAY, NEM PAGANDO UMA PUTA IRIA DAR PRA VOCE MESMOFOI CULPA DO TITIO, DO TITIIIIIIOOOOO. ELE ESPERAVA O PAPAI SAIR, COMIA A BOCETA DA MAMÃE DE SEGUNDA A SEXTA FEIRA, TODO FIM DE SEMANA COMIA MEU CU DESDE QUE ERA PEQUENININHO. -CALA A BOCA VIADO, EU LÁ QUERO SABER SE SUA MÃE ERA PUTA E O SEU PAI CORNO, PROBLEMA DELES. - O TITIIIIO ENGRAVIDOU A MAMÃE OITO VEZES SEGUIDAS, QUANDO O PAPAI DESCOBRIU ELE MATOU OSFODA–SE VIADO, QUERO SABER ONDE VAI SER A REUNIÃO DAS BICHOLETAS RESPONDE LOGO. - VAI SER NO CAFOFO DA FANTASY ISLAND. -MAS QUE NOMEZINHO SEM NOÇÃO DESTE VIADO, COISA DE BICHA MESMO, SABE ESCREVER VIADINHO, ENTÃO ANOTA O ENDEREÇO NESTE PAPEL SE TIVER ERRADO VOCE VAI SE ARREPENDER DE TER NASCIDO, SE BEM QUE FEIO DESSE JEITO, MAS POSSO PIORAR AS COISAS NÃO DUVIDE. O Pacheco levou a bichinha do ZOOFILIA DOG presa, na cadeia tiveram que deixar o infeliz separado, pois não sabiam quais doenças o viado tinha contraído, além de ser tão feio que os detentos queriam fazer um cirurgia plástica forçada na bicha pra melhorar o visual, o Pacheco contou que tinha pego o viado engatado com um cachorro e ninguém acreditou, então entraram na carceragem e fizeram a bicha do ZOOFILIA DOG contar tudo em voz alta, enquanto uns se acabavam de rir da estória da bicha outros ficavam espantados com a feiúra daquele infeliz viadinho. Por fim resolveram colocar a bicha do ZOOFILIA DOG pra trabalhar no canil, mas os guardas não deixavam ele nem chegar perto do pau dos cachorros o que foi uma tortura pra bicha do ZOOFILIA DOG que não agüentando mais acabou suicidando – se na cela. O Pacheco ao receber a notícia concluiu em voz alta: - É MAIS UM VIADO QUE NÃO VAI FAZER FALTA ALGUMA A SOCIEDADE IGUAL AQUELA PUTA ORDINÁRIA DA CARLA ZÉFIRA. Para sacanear ainda mais a bicha do ZOOFILIA DOG mandaram escrever numa caixa de pêra a frase ” AQUI JAZ A BICHA MAIS FEIA DO MUNDO” e deixaram pregado na cova junto com uma placa de pet shop. ContinuaQUALQUER SEMELHANÇA NÃO É MERA COINCIDÊNCIA KKKKKKKKKKKKK, SE ALGUEM SE SENTIU OFENDIDO FODA-SE, ESCREVA UM LIVRO NO COMENTÁRIO DESABAFANDO SUA REVOLTA, NÃO VOU LER MESMO, HÁ NÃO LIGO PRA NOTAS E AQUELES QUE PRETENDEM DEIXAR COMENTÁRIOS OFENSIVOS VÃO TOMAR NO CU DESDE JÁ. MINX!!!!!!!!!!!!
26/03/2011 18:19:58
Quando penso que vc já encerrou o repertório de erotismo, sou surpreendido com outro conto tão ou mais incrível que o anterior. A parte do Sr.Hans foi uma obra de arte. Tem razão de enlouquecer todos que lêem.
11/02/2011 15:01:23
Estou extasiada......sou sua fã bjus Amanda!!!
31/01/2011 17:37:00
Que você não ia deixar a Joyce e o Herman escapar, não tinha dúvidas. Se o Hans não acordasse contigo, aí já era um caso perdido. Nem ressucitando a falecida! Me excitou muito essa parte. Bjs.
20/01/2011 11:30:18
Não tenho palavras para descreve seu contou. Meu msn: bipiapa_11@hotmail.com
30/09/2010 16:01:11
adore ler seus contos,são muito tesudo.
08/07/2010 11:02:40
Seus contos são bem legais. Acredito que transmitem aos que gostam desse tipo de leitura o desejo que procuram. Parabêns! Quando der, de uma passadinha nos meus. Beijos com carinho.
05/07/2010 13:16:25
Você como sempre uma otimaa escrito, conto perfeito igual aos outros... Parabens, notaa 10
15/06/2010 13:40:49
A forca do amor é muito difícil de explicar, eu sou uma pessoa que acredito em Deus e acho que na vida nada acontece por acaso, não foi uma acaso ter nos correspondido por três dias e gostava muito de ter noticias suas, por favor, fecha os olhos e busca a minha alma, faz isso com o coração espera pra vê o que sente e se seu coração me vê, entra, por favor, entre em contato comigo, isso é muito importante para mim como ser espiritual. Amanha é meu aniversario e gostava que tu me desse esse presente.
27/05/2010 16:40:07
Boa tarde Malluquinha, ..pela primeira vez vou fazer um comentário, tu sabes que não é do meu feitio, mas se faz necessário, quando comecei a ler na casa dos contos foi por motivos profissionais, depois me identifiquei com alguns temas e me afeiçoei a alguns autores, confesso que gosto do jeito que passa os seus relatos e gostava de me colocar como leitor, não se apoquente com algumas opiniões ou com se estão lendo ou não, o certo é que cada tipo de leitura tem um tipo de publico e se um único leitor gosta, tu já cumpriste o objetivo. Tu tens muitos fãs, em especial Eu. Por isso humildemente lhe peço, continue a escrever. Da sua eterna admiradora Maite.
27/05/2010 16:16:58
maluquinha, continue escrevendo, essa mal amada não sabe o prazer de um sexo bem feito, aquem iria se preocupar com ortografia ou coerência a essa altura do campeonato, blz menina rebelde. bjos
XYZ
27/05/2010 15:40:24
Gostei dos seus contos, são muito excitantes, mas não posso deixar de fazer alguns comentários: Você comete alguns erros básicos de ortografia, como "pausão", "cosinha", etc. O outro, mais grave na minha opinião, são os furos de continuidade. Na parte do conto ambientada na Holanda, a personagem principal se chamava Lúcia. Após retornar ao Brasil, no conto com o Carlos, já era chamada de Joana, para depois, passar a se chamar Vera. Em todas elas, porém, era a mesma personagem, casada com o Beto, arquiteto de uma multinacional.Recomendo-lhe que continue escrevendo, mas com mais cuidado com a coerência da história.
18/05/2010 00:15:18
não acredito que vc vai parar, logo agora que encontrei uma doutora pra resolver meu problema, vc não quer me ajudar tb, igual fez com o sr Hans, to precisando urgente, muito gostoso seu conto. waleu
12/05/2010 16:39:46
Excelente Malluquinha, o Beto teve o que mereceu, sua caridade também foi legal, cheguei a ter inveja do Sr Hans, nota 10.
11/05/2010 20:32:27
Obrigada pelos comentários, adoramos seus contos tb. Se quiser me adicione no msn. Você já viu minhas fotos apimentadas? Bjs Silvana silpereira968@hotmail.com
09/05/2010 22:12:49
Maravilhosoooo
03/05/2010 11:38:58
Muito interessante
02/05/2010 16:06:46
mais uma vez, nota 1000, eu te peço não nos deixe, continue escrevendo, a cada chegada das minhas viagens, corro pra este site a procura das tuas aventuras, se vc parar, não terei o mesmo prazer que tenho com as suas histórias, pense nisso, coclamo agora a todos os seus admiradores que lotem o teu e-mail com mensagens para que continue junto conosco, sou seu FÃ de coração, beijos do Felipe.
30/04/2010 07:56:00
E a vida continua...
28/04/2010 23:07:00
Olá...somente hoje tive oportunida de ler esse seu maravilhoso conto. Um conto mágico, muito bem escrito e detalhada, com momentos prazerosos e de um tezão ímpar..Fastastico malluquinha...dez mesmo;.
28/04/2010 10:26:20
senssacional
27/04/2010 21:40:37
Parabéns mesmo!
27/04/2010 21:39:51
Parabéns mesmo!
27/04/2010 16:44:25
Muito Bom! Varias Experiências de Vida...
27/04/2010 15:45:19
Olha, Malluquinha... tenho que dizer que sua "História" me deixou todo "ARREPIADO"!!!... Suas "AVENTURAS" foram "INCRIVEIS"!!!... Digo que há experiências que ninguém pode passar... Mas o importante é prosseguir sem nunca desanimar!!!... E você mostrou esta "FORÇA" para superar todos os "OBSTÁCULOS" na busca do "PRAZER" sem ter medo de nada e/ou esconder alguma coisa!!!... Percebi que você é realmente uma "Malluquinha" que gosta realmente PARTILHAR o "PRAZER"... tanto para "ELA" quanto para "ELE"... Espero que você seja muito "FELIZ" e consiga tudo que você está preiterando!!!... Bem, não vou dar nota para todo mundo, senão vai ficar muito grande meu comentário... Portanto dou nota MÁXIMA para todos... e + um DEZ para o Sr. Hans (Tadinho!!! Estava numa pindura "DANADA")!!!... Mando longas e deliciosas MAMADAS no "C", na Joyce e na Clô... E um Bejin Xoxin na Bunda do Beto... do Durk... do Herman... e do Sr. Hans... ADOREI sua "HISTÓRIA"... VIBREI!!!... e XAÚ!!!

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.