Casa dos Contos Eróticos

Feed

E a vida continua...

Autor: MALLUQUINHA
Categoria: Heterossexual
Data: 22/04/2010 15:58:06
Nota 9.50
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

E a vida continua....

Como havia prometido no relato anterior, aqui estou postando mais uma parte da minha vida; como conheci o Beto, nosso namoro, casamento e lua de mel.

Aqueles que não me conhecem, e que queiram conhecer um pouco da minha historia eu indico este relato: http://www.casadoscontos.com.br/texto/

Agora vamos ao relato.

Ano de 1990.

Primeiro período em qualquer faculdade é sempre a mesma coisa, calouros assustados e ansiosos para uma nova fase na vida, do outro lado os veteranos planejando uma maneira de aplicar os trotes e tirar proveito da situação, comigo não foi diferente e tive que participar daquelas farras imposta, pra mim tudo era novidade.

Desde que Cris foi embora fiquei praticamente me preparando pra faculdade, após o Rock in Rio ficamos juntas o tempo todo, nós éramos namoradas, fomos fiéis uma a outra, eu ainda não tinha namorado nenhum garoto, estava acostumada com aquela situação.

A primeira vez que vi o Beto foi na quadra de basquete, ele era atleta, só vivia cercado de garotas, cada uma mais bonitas que a outra, na verdade todas o consideravam como o tal.

Aconteceu um fórum sobre paisagismo e fui pra conhecer como funcionava, o Beto também estava presente, fiquei de longe o admirando, uma colega percebeu e veio me avisar, pra ficar longe dele, por que todos sabiam que era um tremendo galinha.

Fiquei caidinha por ele, mas até então nada demais acontecia, volta e meia cruzávamos pelos corredores, a meu ver, eu pensava que não era percebida por ele, com tantas disputando pelo Beto, seria pretensão minha ser notada.

Dentre tantas meninas eu também fui convidada pra uma festinha da turma do quarto período, no meu interno sabia da possibilidade do Beto aparecer por lá.

Chegando ao local já pude notar que aquilo seria uma nova experiência em minha vida, casa lotada, som alto, um falatório tremendo, muita agitação, ouvi alguém me chamando e olhei pra ver quem era, nesse momento o Beto notou a minha presença, cruzamos olhares e ele sorriu me piscando o olho, perdi a noção de quem tinha me chamado e novamente aquele grito.

_ Lucia, sou eu a Marta, acorda menina.

Só aí me toquei e atendi a Martinha, ficamos juntas e aos poucos fomos enturmando com os demais, sempre que podia ficava olhando aquele cabeludo cercado de garotas conversando e sorrindo o tempo todo, Marta percebeu que eu estava interessada pelo Beto e deu um jeito pra que eu fosse apresentada a ele.

Após o amigo da Marta nos apresentar, fiquei ali conversando com o Beto muito timidamente, ele sempre gentil comigo a todo instante me perguntava se estava tudo bem.

Quando começou a tocar uma musica, ele me convidou pra dançar, lembro-me como se fosse hoje, tocava uma musica que ficaria marcada pra toda minha vida, chamada “YOU ARE EVERYTHING”, ele me conduziu até a pista improvisada, e começamos dançar bem agarradinhos, só de sentir o perfume dele e aquele corpo quente em mim, me deixava nervosa e tremula, enquanto dançávamos ele sussurrava em meu ouvido, e me dizia palavras que só me enalteciam, senti a pressão do seu corpo contra o meu, disfarçadamente consegui diminuir aquela pressão toda, terminada a musica ele foi pegar algo pra beber-mos, já sabia que eu não bebia nada com álcool, trouxe-me um refrigerante

Durante a conversa indaguei pela namorada, se ela não sentia ciúmes de vê-lo sempre rodeado de garotas, no que me respondeu.

_ No dia em que eu realmente encontrar uma menina legal, que queira ser minha namorada de verdade, ela não terá motivos de ter ciúmes.

Aquilo me deixou indecisa, seria uma cantada ou ele estava tirando sarro com a minha cara, ficamos papeando e quando deu meia noite avisei que precisava ir embora, ele demonstrando contrariedade entendeu e disse que não queria me atrapalhar e aproveitou pra saber se poderia voltar a conversar numa outra oportunidade, respondi que sim e me retirei do local.

Passamos a conversar sempre que possível, e numa dessas conversas ele pediu pra namorar comigo.

Comecei a namorar o Beto numa outra festa da faculdade, eu no segundo período e ele no último, praticamente um arquiteto formado, já fazia estágio no escritório de engenharia do tio.

Beto sempre foi muito atirado, pra dizer a verdade muito atrevidinho, eu na minha inocência, praticamente vivia só para os estudos, minhas amigas davam o maior apoio ao nosso namoro, na primeira vez que saímos fomos ao cinema, logo que as luzes se apagaram, Beto com o braço por cima dos meus ombros, já me trouxe pra cima dele, me dando um beijo grudento e começou a me alisar pelos braços, descendo até a altura da minha barriga, eu já não sabia se prestava atenção no filme ou tomava conta das investidas do Beto, a todo instante tirava-lhe a mão das minhas pernas.

Em determinado momento em que apareceu uma cena mais picante, de um casal dentro de um carro, senti a minha blusa ser aberta e uma mão contornando o meu peito por cima do sutiam, levei um susto ao mesmo tempo uma sensação agradável, tentei afastá-lo, mas ele veio me puxou e enfiou a língua dentro da minha boca, enquanto me beijava, apertava o biquinho do meu peito de uma maneira tão gostosa, que desisti de repreendê-lo, fui ficando toda arrepiada, o corpo mole, uma palpitação dentro do peito, uma vontade de parar e ao mesmo tempo não querendo.

Entreguei-me aquele beijo, a minha língua procurou a dele e começamos a trocar salivas, Beto começou a massagear a minha barriga, me fazia tão bem que comecei a facilitar as coisas, ele tentou abrir a minha calça jeans, não conseguiu. Mesmo não querendo eu abri as pernas e ele começou alisar minhas coxas forçando em cima da braguilha tentando fazer carinho ma minha xaninha, sentir um calor enorme subir por todo o corpo ao mesmo tempo em que minha danadinha começava molhar minha calcinha, de súbito tirei a mão dele dali e me recompus na cadeira.

Ele fez beicinho, e tentando me intimidar tirou o braço de cima dos meus ombros, crente que iria conseguir algo com aquilo, se afastou e levantou se, seguindo em direção a saída do cinema, onde eu estava, fiquei sentada assistindo o filme, dez minutos depois ele voltou e sentou-se a meu lado.

_ Você me desculpe, não sei onde eu estava com a cabeça, fui um idiota mesmo.

_ Ainda bem que você sabe.

Não falei mais nada, ele ficou ali do meu lado todo sem jeito, esperamos acabar o filme e saímos de mãos dadas. Eu estava doida pra que ele me beijasse com força, mas acho que fiz a coisa certa, com certeza se eu tivesse deixado correr solto, ele apenas teria me usado e logo depois descartado mais um casinho, na faculdade corria solto à fama de que ele era pegador e que eu seria mais uma.

Passaram os dias e nada de novo aconteceram, as provas começaram e eu definitivamente me afastei dele, só nos víamos de longe naquele corre e corre danado. As meninas falavam que ele estava decidido a me conquistar, que teria dito que eu seria dele.

Terminadas provas, Beto me procurou, queria saber se teria outra chance comigo, não queria me perder, tinha certeza que eu era diferente das outras meninas.

Reiniciamos o namoro, desta vez do meu jeito, ele me tratava com todo respeito, já freqüentava a minha casa, os meus pais estavam satisfeito com as atitudes dele, o tempo foi passando e ele me conhecendo melhor e de repente veio a noticia que abalou geral na faculdade, Beto decidiu que deveríamos ficar noivos.

Ele começou a tentar me convencer de que estávamos na hora de nos conhecermos mais intimamente, relutei e disse que me casaria virgem. E nada iria acontecer, que ele tirasse o cavalinho dele da chuva.

O meu pai já falava que no ano seguinte teria que voltar pra Brasília e assim após três anos por lá daria baixa, o meu coração só de pensar em ter que sair do Rio de Janeiro de novo, já doía.

Beto percebia a minha angustia o medo de ter que sai do Rio.

A vida profissional do Beto estava indo muito bem, já tinha vários clientes, ele já fazia planos pro nosso futuro, na verdade ele já não aguentava mais esperar pra me possuir por inteira, queria ter o prazer de arrancar o meu cabacinho tão desejado.

O Beto foi convidado por uma empresa holandesa pra ocupar um cargo de gerente na área de arquitetura só que pra isso acontecer, necessitaria que ele fizesse um estágio na matriz na Holanda, num período de um ano.

Pro Beto aquele convite tinha caído do céu, imagina começando a vida de arquiteto e logo recebendo um convite desse, claro que não caiu bem assim, o tio mexeu uns pauzinhos aqui outros acolá e conseguiu essa oportunidade pra ele. Beto teria que dar a resposta e se aceitasse teria que se apresentar a empresa em quatro meses.

Eu só não esperava aquela atitude do Beto, ele informou que só iria se eu fosse com ele. Não tinha como, meus pais não permitiriam de maneira alguma que eu o acompanhasse, ele nem pensou duas vezes e me propôs.

_ Você casa comigo e estão resolvidos nossos problemas.

Era um pedido bombástico, éramos muitos novos pra começar uma vida conjugal, e ainda longe do nosso país e de todos, precisávamos amadurecer melhor aquela idéia.

Depois de analisarmos tudo com calma e nossos pais chegarem a um acordo, com muita tristeza, tranquei a faculdade e preparamos o nosso casamento, após pesquisarmos muito, acabamos por realizar a cerimônia religiosa na Igreja da Ordem Terceira do Carmo, localizada no centro do Rio na Av, Primeiro de Março, uma cerimônia muito linda e emocionante, os colegas não acreditavam, estar vendo aquele galinha vestido de terno se casando, após a cerimônia a recepção foi realizada no salão do Tijuca Tênis Club, uma festa muito animada, nossos pais não se cabiam de tantas felicidades a um conto de fabula de uma princesa com final feliz.

Nossa noite de núpcias foi um presente do tio dele, em uma suíte no Copacabana Palace.

Chegamos ao hotel por volta de meia noite, fomos conduzidos ao sétimo andar do prédio principal, Beto pegou-me no colo e adentramos na suíte, com uma vista panorâmica pro mar, o som das águas batendo na areia, uma suíte linda coberta por pétalas, na mesa o fondue, sobre uma linda toalha de pétalas de rosas, muitas velas e dois lindos arranjos florais com gérberas vermelhas e na cama formando um lindo coração e um bouque de rosas, no balde, uma garrafa de Champanhe Veuve Clicquot Brut Francesa com duas taças de cristal, tudo muito perfeito.

Beto me deitou na cama dizendo

_ Enfim sós.

Deu-me um beijo ardente e apaixonado, já me deixando toda mole na cama, com muito cuidado foi soltando as alças do meu vestido, ele percebeu que eu estava nervosa, levantou-se e pegou a champanhe e encheu as taças, me ofereceu, brindamos a nossa nova vida, tomei um gole, ele posicionou nas minhas costas e começou a soltar botão por botão, ao término retornou pra minha frente e foi descendo todo meu vestido me deixando apenas de calcinha branca rendada preparada praquele momento, contemplou o meu corpo me chamando de minha deusa.

Aproximei-me dele e o beijei de novo, mesmo trêmula fui abrindo a sua camisa e soltando o seu cinto, deixando também a sua calça cair no chão, ele se livrou da camisa, das meias e sapatos e voltou pra cima de mim, me cobrindo com beijos e carinhos, eu estava totalmente entregue aquele homem, permitindo que fizesse tudo que desejasse, eu seria sua escrava pronta pra lhe servir.

Beto começou a fazer carinhos pelo meu corpo enquanto me beijava, eu sem experiência nenhuma com homem, apenas acariciava os seus cabelos, senti sua língua percorrendo a minha orelha e sendo introduzida a pontinha no meu ouvido me levando a uma sensação gostosa, aproveitando ele começou a mordiscar com os lábios o lóbulo da orelha, desceu pelo pescoço com lambidas deliciosas, as suas mãos faziam carinhos pelas pernas, coxas, barriga, e seios, veio descendo passou a massagear com a língua em torna das minhas aureolas, ora num seio ora no outro, brincava com o biquinho do peito que estava duro me fazendo ter um prazer indescritível, começou a mamar como nunca tinha feito até então, eu já arranhava suas costas com minhas unhas.

Após se deliciar me mamando nos peitos foi em direção a minha barriguinha, minha xaninha vibrava com todo carinho que eu recebia e agradecia soltando fluidos pelas coxas, deixando um rastro melado,

Beto continuava a me maltratar se assim posso dizer, chegando ao meu umbigo ele tornou a brincar comigo, já sentia que estava chegando a hora de conhecer aquela língua na minha xaninha, o meu corpo tremia todo, tamanho excitação.

Imaginei que ele iria me chupar. Não, ele passou direto e foi saborear o mel espalhado pelas coxas e pernas, me acariciava toda a perna com sua língua ágil, ia descendo e passando a língua ao chegar no meu pezinho fez questão de chupar dedo por dedo e voltando pela outra repetiu todo o movimento anterior, suas mão acariciavam os meus seios e apertavam os bicos, o seu corpo estava entre minhas perna parecendo uma cobra naja, levantou a cabeça e se posicionou na frente da minha xaninha e começou admirar a aquela que tanto ansiava e desejava.

A sede era muito grande, olhou nos meus olhos, deu-me um sorriso safado e começou a deslizar com a língua as minhas virilhas limpando o melzinho que não parava de jorrar da minha xaninha, acariciou a calcinha com a mão fazendo uma pequena pressãozinha nela e dizendo, que enfim haviam se encontrado e que chegava a hora tão esperada, beijou-a com carinho e ternura.

Avançou o corpo mais pra frente se posicionando melhor e confortável, colocou dois dedos nas laterais da minha calcinha e aos poucos foi retirando-a, deixando elazinha toda desnuda, os seus olhos atento ao que a visão lhe mostrava, ficaram maravilhados como se nunca tivesse visto nada igual, ajudei-o levantando meus quadris para que pudesse retirá-la por completo.

Já sem nada mais pra atrapalhar, ele me pediu licença e começou beijando a minha xaninha, passou a língua por cima dos grandes lábios, deixando-a mais molhada ainda, sem utilizar os dedos ele abriu e encontrou os lábios internos e tornou a lambê-lo, deixando o meu clitóris enrijecido, caiu de boca nele engolindo como se fosse arrancá-lo do meu corpo tamanho o seu desejo, chupou tanto que o deixou vermelhinho, eu continuava naquele sofrimento me contorcendo cada vez mais agarrada aos seus cabelos, ele agora começava a tentar introduzir a língua no canal vaginal, dali escorria o meu melzinho, ele se afastou, pegou dois dedos e veio abrir a minha xaninha como se fosse meu ginecologista a examinar, eu sabia o que ele procurava e quando o encontrou me disse.

_ Amorzinho vai ser agora.

Então ele levantou-se eu pude ver por cima da cueca o que me esperava, me deu vontade de pegar e cair de boca nele pra agradecer as mamadas que havia recebido.

Beto voltou a me fazer carinho e me tranqüilizar, ele sabia o quanto eu estava nervosa e ansiosa por aquele momento.

Ele abriu bem as minhas pernas, me chupou deixando bem lubrificada a portinha da xaninha, posicionou a cabecinha na entrada e começou a forçar a penetração, doía muito, ele colocou a cabeça, parecia que ia me rasgar, empurrou mais um pouco, parou me beijando e dizendo que faria o possível pra que eu não sentisse muita dor, continuou a enfiar, as paredes da minha xaninha iam se delatando com aquele intruso a invadir o meu canal, senti quando se encostou ao meu hímen, Beto avisou que eu sentiria uma pequena dor, mas que logo passaria, não terminou nem de falar, quando vi já sentia aquele monstro me rasgando e entrando com tudo dentro de mim, dei um grito e cravei as unhas nas costas dele, Beto parou deixando-me acostumar com o invasor, e aos poucos foi movimentando pra dentro e pra fora, transformando minha dor em uma gostosa sensação de prazer, agora eu já estava acostumada e pedia que ele metesse com força, eu estava em puro êxtase só queria sentir aquilo dentro de mim.

Cruzei minhas pernas na cintura dele, e ele socando gostoso, cada vez mais eu gozava naquele pinto delicioso, após muitas bombadas ele avisou que iria gozar, senti o pau inchando dentre de mim e logo a seguir recebi aquele jato quente de esperma na minha grutinha e muitos outros após o primeiro, ficamos agarrados e mesmo com o ar condicionado forte, ficamos colados pelo suor, após uns cinco minutos ele retira o pinto de dentro de mim todo lambuzado com o resto do seu espera e com meu sangue.

Levantamos e fomos pro banheiro, Beto trazia na mão a garrafa de champanhe, não precisou nem de taças, bebemos toda pelo gargalo, Beto fez questão de me lavar, ficou um bom tempo lavando e beijando a minha xaninha, após me enxaguar, virei e peguei a esponja dele, mesma agarrada aos beijos com Beto comecei a ensaboar suas coxas, e me detive a brincar com o seu saco e fazendo carinho naquele que acabara de me transformar em mulher, após os carinhos recebidos o invasor alheio cresceu em minhas mãos, segurei-o firmemente, abaixei-me até altura dele e dei-lhe um beijo de gratidão, ao perceber que o mesmo se animou, comecei a colocar a cabecinha em minha boca, eu ainda não tinha habilidade nem abertura suficiente para colocá-lo por inteiro na minha boca, fiquei ali dando o máximo de mim.

Beto me pegou no colo e retornamos pra cama, eu já sentia ser outra mulher, estava orgulhosa havia me casado com o homem que escolhera pra eternidade, tínhamos uma química perfeita, parecíamos duas pessoas fundidas uma na outra, nada nos separaria, voltamos a nos beijar carinhosamente e aos poucos fomos nos envolvendo nas caricias e deixando o Beto hesitado, voltei tentar abocanhar aquele pintão, não adiantava, quando forçava me dava ânsia de vômitos, fiquei brincando só com a cabecinha, parecia estar chupando um pirulito com uma bola gigante, e dando lambidinhas por toda extensão daquele membro enrijecido,

Com as mãos eu ia tocando uma punhetinha bem cadenciada, levando o meu marido a delírios, ele deitou com a barriga pra cima e aquele cacete duro apontando pro teto, me pediu que sentasse em cima, me posicionei, antes de sentar o Beto me pediu para deixá-lo bem babadinho, volto a chupá-lo agora na intenção de deixá-lo bem molhado, retorno pra cima dele, abro a xaninha com os dedos e deixo a cabeça penetrar, que delicia já não sentia dor só prazer, fui arriando o corpo e recebendo todo o membro duro do Beto, após chegar no fundo, senti ele empurrando o meu útero, rebolei e comecei a cavalgá-lo, subindo e descendo lentamente, aos poucos fui pegando jeito e quando vi já estava transloucada, pulando igual um égua no cio, quantos mais entrava e saía, mais eu pulava e rebolava, Beto me puxava pelas coxas contra o seu corpo, parecíamos dois doidos, a cama balançava parecendo que iria quebrar a qualquer momento.

Beto ora me puxava e noutra apertavas os bicos dos meus seios, ficamos assim nessa socação por uns dez minutos mais ou menos, quando Beto pediu pra que ficasse de quatro, gelei pensei comigo mesma ele vai querer comer minha bunda agora, senti arrepios pensando na dor que iria sentir, mas não ele deu uma chupada gostosa da minha xaninha até a portinha do meu anus, roçou a ponta do pinto de baixo em cima e numa estocada só introduziu o pau por inteiro de uma vez na minha xaninha, vi estrelas, aguentei firme sem reclamar, e outras estocadas foram surgindo e cada vez com mais velocidade, parecia um máquina me levando ter orgasmos múltiplos, eu vibrava não queria que aquilo parasse nunca mais, se eu soubesse o quanto era delicioso já teria me entregue bem antes, comecei a senti que o Beto iria gozar, me deu vontade de pedi-lo pra descarregar tudo na minha boquinha, fiquei com vergonha dele pensar mal de mim, eu apenas queria conhecer o gostinho, já havia visto varias cenas nos filmes da Cris, me controlei e sentir a lavagem de porra na minha xaninha, Beto caiu pro lado me arrastando.

Ficamos ali deitadinhos em conchinha com o Beto mordendo o meu pescoço e com as mãos me fazendo carinho, era muito bom, estar ali com o meu marido me protegendo e me amando.

Estávamos com fome, me lembrei que minha mãe havia preparado uma cesta com salgados e doces da festa já que praticamente não tínhamos comido nada, peguei a bolsa onde estavam guardados os quitutes.

Colocamos tudo na mesa, Beto pegou as bebidas no frigobar e fizemos nosso piquenique, com trocas de gentilezas entre nós dois um dando ao outro de comer na boquinha seguidos de beijos e carinhos.

Continuávamos sem roupas, quando Beto sugeriu a nossa primeira loucura, fomos até a janela pra receber o ventinho que vinha do mar, logo ao abrir a janela aquele vento frio fez com que os meus biquinhos transformassem em bicões, Beto começou a mamá-los, quem passasse naquela ora e olhasse pra cima viria o Beto sugando-os, aquela mistura de estar fazendo algo errado, mas gostoso abriu a imaginação do Beto, ele voltou ao quarto e retornou puxando uma cadeira, encostou na janela me mandou subir e começou a me chupar, ele estava torcendo pra que alguém visse e fizesse uma rodinha lá embaixo no calçadão da praia, depois foi a minha vez de mamá-lo fazendo o mesmo, que loucura e o pior foi que me sujeitei, acredito que motivada pelo excesso de champanhe francesa.

Naquela noite tudo era motivo de sacanagem, estávamos curtindo tudo, voltamos pra cama e eu aproveitei pra conversar com ele, e explicar ter visto escondida do meu irmão um filme pornô que ele tinha guardado a sete chaves, e que arrumando a casa eu havia encontrado, ele me perguntou o que eu queria saber, informei estar um pouco envergonhada, ele riu na minha cara e disse, comigo você não tem por que ter vergonha, sem tens curiosidade, estou aqui pra te esclarecer.

_ Sabe é que um dia eu vi num filme, uma mulher chupando o pau do cara e depois engolindo tudo, aquilo não faz mal não?

_ Claro que não minha princesa, você quer sentir o gostinho do leitinho do seu maridinho, quer?

_ Sim, quero.

Consegui o que queria só de perguntar o danado já estava em posição de combate, Beto deitou na cama e parecia um rei com sua escrava a acariciar o pau, fui alisando e ele crescendo, a cabeça brilhosa, a pulsação acelerada, dei primeiro um beijinho, lembrei do filme e comecei a imitar tudo que vinha a minha lembrança, passei a língua em torno da cabeça, chupei bem gostosos deixando-o bem babado, peguei no saco, comecei a chupar as bolas, uma por vez, voltei pra cabeça e fiquei ali brincando com a cabecinha, engolindo e soltando sem deixar escapulir da boca, fui aumentando o movimento só na glande, Beto se contorcia todo, agarrava na minha cabeça tentando enfiar o cacete na minha boca de qualquer maneira, fui obrigada apertá-lo como limitador pra não me engasgar, sentir que o Beto já urrava e pressionava a minha cabeça, apertei com mais força o membro, abri bem a boca e soltei a mão, o primeiro jato veio tão forte que desceu garganta abaixo sem eu nem sentir o gostinho, os outros menos forte foram sendo despejados aos poucos e eu pude armazená-los na boca sem engolir, quando o Beto parou de jorrar eu abri a minha boca cheia de porra e mostrei pra ele e fui engolindo todo leite que havia depositado, lambi os lábios esfreguei o pau na língua limpando o restinho que teimava em gotejar, subi pelo peito dele e fui beijá-lo pra que sentisse do seu próprio gosto.

Já passava das cinco da manhã o sol já surgia no céu, aquele clarão entrando pela janela esquecida aberta depois daquela loucura que fizemos, precisávamos desancar um pouco, fomos tomar banho juntinhos, Beto agarrado a mim logo avisou, hoje foi o cabacinho da bucetinha mais tarde vamos começar a brincar com esse aqui, e aproveitando o dedo e o meu corpo ensaboado, começou um brincadeirinha no portinha do meu cuzinho, eu ali em pé sentindo aquele dedo pressionando na portinha sem pedir licença, aos poucos foi introduzindo me fazendo ter um prazer indescritível sentindo quando abusada pela primeira vez com Cris a cinco anos atrás.

Acordamos duas horas da tarde, nos arrumamos e descemos pro salão do restaurante, a nossa felicidade estava estampada nos nossos rostos, o maitre nos trouxe o cardápio e logo após o Beto fazer o pedido, ficamos ali imaginando e curiosos, pra saber se realmente dava pra ter visão da nossa janela na noite anterior.

Terminamos de comer a sobremesa e saímos direto pro outro lado do calçadão, imaginávamos qual seria a nossa janela, não tínhamos certeza calculamos pela altura, vimos uma senhora debruçada e podemos ter uma visão do que poderiam ter visto caso alguém tivesse olhado pra cima em direção ao hotel, chegamos à conclusão que tudo não passou de uma loucura de um casal novo recém casado, com espírito aventureiro.

Passeamos pela orla de Copacabana feito um casal de turista, depois de uma hora e meia de passeio, voltamos pro nosso ninho de amor, sem antes o Beto passar numa farmácia e comprar um latinha de vaselina, enquanto ele efetuava a compra, fiquei folheando uma revista na banca de jornais enfrente a farmácia.

Ao entramos no hotel recebemos na recepção um arranjo de flores deixadas por meus pais, com um cartão nos desejando felicidades na nossa nova vida.

Já na suíte, enquanto Beto folheava o jornal eu fui ao banheiro, escovar os dentes e aproveitar pra me refrescar um pouco, pois o calor na praia passava dos trinta e oito graus, Beto ouviu o chuveiro aberto e veio correndo se juntar a mim, escovou os dentes e caiu na banheira de hidro, refrescamos apenas os corpos externamente por que no interior estava começando a pegar fogo.

Ali na hidro Beto já se mostrava empolgadíssimo, a toda hora me beijava enquanto fazia um carinho por baixo d’água, sempre com um dedinho agiu a me bolinar, coloquei as pernas por cima das deles, colocando a pontinha da cabeça na entrada da minha xaninha, aos pouco ele foi introduzindo nela, e eu fui agasalhando-lhe por inteiro dentro de mim, que sensação boa sendo penetrada dentro d’água, me agarrei ao meu marido e comecei a me movimentar pra frente e pra trás, enquanto trepávamos Beto me beijava ou mamava nos meus peitos, ficamos naquele movimentos até gozarmos juntinhos.

Depois de refeitos fomos pra cama, Beto parecia um vulcão em erupção estava animadíssimo, ao deitarmos ele já me colocou por cima dele pra fazermos um sessenta e nove, na verdade a intenção era manter o meu cuzinho livre pra ele preparar pra uma penetração suave, começou chupando a minha xaninha, parecia que estava chupando a metade de uma laranja, me fazendo gozar em rios de melzinho, deixando a sua boca e cara totalmente lambuzadas, ele começou a forçar a penetração do dedinho mínimo, foi fácil, deslizou pela cavidade anal, ele continuava e tornou a colocar outro dedo agora mais grosso, com esse já foi um pouco complicado, senti um desprazer na entrada, pela torção que dei no corpo ele percebeu que teria que mudar de pratica, depois de chupar bastante me pediu pra ficar de quatro de novo.

Eu ali postada numa posição de submissão, Beto voltou a me cariciar, pegou a vaselina, untou toda entrada do meu anus, lubrificou dois dedos e tentou empurrá-los pra dentro, senti dor, ele começou a forçar e eu a rebolar para ajudá-lo, aos poucos introduziu todo e foi tentando abrir os dedos forçando as paredes da cavidade anal, deixando-o por alguns minutos.

Achando suficiente, voltou a untar com a vaselina todo redor do olinho e colocou mais um pouco dentro do canal, lambuzou todo o membro, caprichou na cabeça, e apontou na entrada, a minha esfinge deu uma fechada se retraindo, Beto me pediu calma e que eu relaxasse.

Senti a cabeça sendo forçada contra meu anus, fechei o olho, ele forçou de novo, mordi o travesseiro, e uma nova forçada passando a ponta da cabeça, eu parecia que iria desmaiar, a dor era insuportável, Beto me pergunta se esta tudo bem, não estava em condições de responder só balancei a cabeça confirmando que sim, de novo aquela pressão e as paredes sendo dilaceradas, pelo cacete grosso que teimava em invadir um buraco virgem, a dor aumentava só que eu não queria decepcionar o meu marido no primeiro dia de casada, sabia que deveria dar prazer a ele mesmo sendo com meu sacrifício.

Beto com muito carinho enquanto rasgava o meu cuzinho, massageava a minha xoxotinha e brincava com meu grelinho me deixando menos sofrida, a cada centímetro avançado, Beto não desistia da sua intenção, parava me permitindo acostumar com aquela situação, me mordia o cangote, pescoço e me lambia às costas, eu sabia que agora não tinha retorno, ele iria até o fim, já tinha entrado a metade, aquela demora era o que me matava, empurrou mais um pouco, ergui os braços e levei minhas mãos às nádegas, coloquei-as posicionado na bunda e tentei afastá-las como se estivesse dividindo uma tangerina em duas partes iguais, Beto sorriu e me agradeceu, empurrando o resto, minhas lágrimas molhavam o lençol e toda fronha do travesseiro, senti os pelos pubianos encostarem-se à bunda, de qualquer modo o pior já tinha passado.

Beto me deixou descansar, com aquele monstro dentro de mim, após mais relaxada apenas sentindo aquele incomodo, senti começar uma movimentação ao sair e entrar novamente, era suave aquela brincadeira e em nenhum instante o Beto parou de massagear a minha xaninha, que soltava fluidos abundantes.

Ele tirou as mãos da minha xaninha e colocou na minha cintura, nesta posição ele me puxava lentamente e com o corpo empurrava pra dentro, já estava me sentindo melhor, a dor já não era percebida, só sentia prazer e cada nova retirada e colocada de cacete, fui me acostumando, Beto começou a socar com mais velocidade, o saco fazia barulho ao encontrar com meu corpo, que delicia era aquilo, agora eu não queria mais nada só gozar, Beto ficou brincando por pelo menos quinze minutos, o meu canal fervia estava em brasas, ele voltou a socar agora parecia estar com raiva, queria me destruir e numa estocada mais violenta anunciou através de um berro que iria gozar, de novo senti aquele caldo quente e grosso me encher as entranhas, o meu cuzinho mordia o cacete dele, aos poucos fui deitando e o Beto por cima de mim, ficamos nessa posição até relaxarmos.

Ao deixar o cacete sair por vontade própria, pude perceber que ele estava completamente sujo pelo meu sangue, tirado daquele canal que agora não era mais virgem, fui ao banheiro me lavar, ao sentir o jato d’água batendo no meu anus me arrepiei com a ardência sentida no local, Beto veio se aproximando me fazendo carinhos e dizendo.

_ Hoje tive a confirmação exata, que desde que te vi pela primeira vez, eu tive a certeza de que seriamos cúmplices em tudo e que você me completaria.

Passamos a tarde toda fazendo amor, lá pelas vinte horas voltamos pro apartamento que o Beto havia alugado pra passarmos dois meses antes da viagem pra Holanda.

Fazíamos sexo, todos os dias, não tinha um cômodo que não tivéssemos praticados as nossas loucuras, enquanto Beto dava plantão no escritório do tio eu ia preparando as nossas coisas pra viagem, a matriz já havia confirmado que só precisávamos levar nossas coisas pessoais, pois havia um pequeno apartamento todo mobiliado a nossa disposição em Amsterdã.

Agora só faltam cinco dias pra nossa ida pra terras distantes e desconhecidas por nós.

No próximo relato vou falar das nossas experiências e convivência na Holanda, onde aprendemos muitas coisas interessantes...

DESABAFO

Aproveito para esclarecer, que recebi um e-mail, colocando em dúvidas os meus relatos, quantos aos relatos devo esclarecer que desde menina, aos doze anos que eu possuo o hábito de escrever em meus diários e que os mantenho até hoje, portanto toda vez que me proponho a escrever procuro consultá-los, é claro e evidente que com minha vida atribulada seria quase que impossível tantas informações detalhadas.

Já em relação a minha vida particular, só a mim se diz respeito.

Comentários

06/08/2014 07:10:24
Ameeiii este início, que não tenho dúvidas, devem ser verídicos. Deeeeez!!
08/03/2014 09:53:13
sensacional
06/11/2013 11:17:09
Mana, já li outras histórias tua com o Lipe e o Gilmar. Todas da hora, iradas mesmo! Em 1990 eu nem tinha nascido ainda. Mas é que sou chegado em maduras, e casadas então, nossa! Vc me deixa de barraca armada, lelé de tesão! Vc não existe! Ou melhor, existe de verdade? Saiba que em algum lugar, tem um cara de 19 anos sonhando com vc. Nota mil. Beijo, beijo e beijo.
03/06/2013 11:14:48
Outro show de conto! Me fez lembrar minha primeira vez, que também foi com meu marido. Só que não aconteceu na noite de nupcias. Os amigos dele encheram ele de bebida e cansados da festa, fomos dormir. Foi no dia seguinte, rss. E vendo comentários de uns pouco, invejosos e medíocres, notei que vc também, foi vítima deles. Mas, como a maioria aprecia nossos contos, vamos em frente. Bjs.
03/11/2011 07:26:16
RELI SEU CONTO ELE ME LEMBRA MUITO MOMENTOS FELIZES, QUE VIVI, COM MEU ETERNO AMOR, DANIELLE QUE PERDI LOGO APÓS O NASCIMENTO DE NOSSA FILHA.
01/11/2011 14:08:02
delicia de conto Malluquinha...vou ler o resto! nota dez! maximus0357
11/07/2011 17:57:47
Lindo conto, uma história de amor perfeita e a formação de um lar harmonioso em todos sentidos. Para completar, muito bem escrito. E com certeza desperta a inveja dos mal amados. Merece mais que dez!
22/06/2011 11:18:14
QUE VADIA BURRA, VAI TOMAR NO CÚ!!!!!!
22/06/2011 11:17:05
O RECANTO DAS BICHOLETAS - PARTE II O Pacheco procurou os dois viados FANTASY ISLAND e ZOOFILIA DOG o dia todo sem sucesso então resolveu voltar ao barraco da puta velha mãe da Carla Zéfira, no final da tarde, desta vez nem entrou olhou pela janela do barraco e viu que 2 caras fodiam a velha sem parar e tinham mais 7 esperando uma brecha pra meter em algum buraco da velha puta mãe da Carla Zéfira o Pacheco então gritou: - ALGUÉM AÍ CONHECE UMA DESTAS BICHAS CONHECIDAS COMO FANTASY ISLAND e ZOOFILIA DOG. -TALVEZ EU CONHEÇA, SE ME AJUDAR. - E QUEM É VOCÊ SEU VELHO FILHO DA PUTA. -SOU O MARIDO DAQUELA SENHORA ALÍ SENDO ENRABADA POR AQUELES CARAS. -HÁ ENTÃO É O MARIDO CORNO, PAI DA PUTA DA CARLA ZÉFIRA. -É SOU SIM INFELIZMENTE. -O QUE VOCÊ QUER EM TROCA VELHO? -QUE TIRE ESTES CARAS DAQUI PRA QUE POSSA LEVAR MINHA ESPOSA EMBORA. -MAS ESSA PUTA VELHA ESTÁ AÍ POR QUE GOSTA DE DAR MESMO VELHO IDIOTA. -NÃO!!!!!! FOI A VADIA DA MINHA FILHA CARLA ZÉFIRA QUE FEZ ISSO COM A MÃE, MINHA ESPOSA NÃO ERA ASSIM. - A VADIA DA CARLA ZÉFIRA ESTÁ MORTA SABIA. -NÁO, MAS QUE ALÍVIO NUNCA GOSTEI DAQUELA PUTA MESMO, APESAR DE SER MINHA FILHA SEMPRE FOI VAGABUNDA. -OK AGORA CONTA O QUE SABE DESTES VIADOS FILHOS DA PUTA. O velho entregou fotos e o endereço de onde as bichas se escondiam, o Pacheco levou o velho pra dentro do barraco, quando ia mandar os caras saírem fora ouviu a puta velha mãe da Carla Zéfira implorar pro caras continuarem a meter nos seus buracos largos, a velha puta mãe da Carla Zéfira continuava toda suja de porra com a barriga enorme, cabelos grudentos e a cara parecendo que tinham derramado um pote de creme de tanta porra:QUEM É O PAI DESTE MOLEQUE VELHO CORNO. - E O ZEZÃO UM TRAFICANTE QUE ESTÁ PRESO, ESSA É A QUINTA VEZ QUE ELA FICA GRÁVIDA DELE, DEPOIS QUE O BEBE NASCER ELE VAI DEVOLVER MINHA ESPOSA PRA MIM. - MAS QUE FAMILIA DESGRAÇADA, A MÃE É PUTA, A FILHA FOI VAGABUNDA E ORDINÁRIA E O PAI É CORNO MANSO, ENTÃO TÁ VELHO CORNO, SENTA E ESPERA ISSO ACONTECER. O Pacheco saiu dali enojado indo para o endereço que o velho corno lhe entregou, chegando ao local viu que era um sitio abandonado, pois o lugar estava muito sujo, bem bagunçado, ele foi entrando com a arma em punho quando escutou um barulho, quando chegou mais perto viu uma cena que o fez quase vomitar, tinha um viado de quatro com um cachorro engatado no seu cu, após quase vomitar mais uma vez, ele ordenou: - FICA PARADO VIADO DE MERDA, FILHO DA PUTA, SOLTA O PAU DO CACHORRO DESGRAÇA, VOU PERGUNTAR E SÓ RESPONDA SIM OU NÃO SENÃO DESCARREGO MINHA ARMA EM VOCE SEU LIXO. -VOCE É O VIADO CONHECIDO COMO ZOOFILIA DOG. -SIIIIIIIMMMMM!!!!! SIIIIMMMMMMM!!!!! -PARA DE VIADAGEM, CONVERSA DIREITO BICHA DO CARALHO, PORRA ESSE TINHA QUE SER GAY MESMO VAI SER FEIO ASSIM NA PUTA QUE PARIU, ESSE VIADO É IGUALZINHO AO SLOT DO FILME OS GOONIES, SÓ CACHORRO PRA METER NO CU DISSO. -AIIIIIIIII ADOOOOORO, ADOOORRROOOOO, ROLA. O detetive Pacheco perdeu a paciência com o viadinho do ZOOFILIA DOG e encheu de porrada a bicha horrenda que gritava sem parar: -BATE MAIS, EU GOSTO, PÕE ALGUMA COISA NO MEU CU. -NO SEU CU NÃO VOU COLOCAR NADA VIADO, MAS VOU MOSTRAR AO MUNDO COMO VOCE É FEIO!!!!! Ele então tirou uma foto daquilo pra mostrar na internet que os ET’S existem, só sendo de outro mundo pra ser feio daquele jeito. -VOCE TEM DINHEIRO ANIMAL -NÃAAAAAOOOOOO!!!! -ENTÃO TÁ EXPLICADO POR QUE SER GAY, NEM PAGANDO UMA PUTA IRIA DAR PRA VOCE MESMOFOI CULPA DO TITIO, DO TITIIIIIIOOOOO. ELE ESPERAVA O PAPAI SAIR, COMIA A BOCETA DA MAMÃE DE SEGUNDA A SEXTA FEIRA, TODO FIM DE SEMANA COMIA MEU CU DESDE QUE ERA PEQUENININHO. -CALA A BOCA VIADO, EU LÁ QUERO SABER SE SUA MÃE ERA PUTA E O SEU PAI CORNO, PROBLEMA DELES. - O TITIIIIO ENGRAVIDOU A MAMÃE OITO VEZES SEGUIDAS, QUANDO O PAPAI DESCOBRIU ELE MATOU OSFODA–SE VIADO, QUERO SABER ONDE VAI SER A REUNIÃO DAS BICHOLETAS RESPONDE LOGO. - VAI SER NO CAFOFO DA FANTASY ISLAND. -MAS QUE NOMEZINHO SEM NOÇÃO DESTE VIADO, COISA DE BICHA MESMO, SABE ESCREVER VIADINHO, ENTÃO ANOTA O ENDEREÇO NESTE PAPEL SE TIVER ERRADO VOCE VAI SE ARREPENDER DE TER NASCIDO, SE BEM QUE FEIO DESSE JEITO, MAS POSSO PIORAR AS COISAS NÃO DUVIDE. O Pacheco levou a bichinha do ZOOFILIA DOG presa, na cadeia tiveram que deixar o infeliz separado, pois não sabiam quais doenças o viado tinha contraído, além de ser tão feio que os detentos queriam fazer um cirurgia plástica forçada na bicha pra melhorar o visual, o Pacheco contou que tinha pego o viado engatado com um cachorro e ninguém acreditou, então entraram na carceragem e fizeram a bicha do ZOOFILIA DOG contar tudo em voz alta, enquanto uns se acabavam de rir da estória da bicha outros ficavam espantados com a feiúra daquele infeliz viadinho. Por fim resolveram colocar a bicha do ZOOFILIA DOG pra trabalhar no canil, mas os guardas não deixavam ele nem chegar perto do pau dos cachorros o que foi uma tortura pra bicha do ZOOFILIA DOG que não agüentando mais acabou suicidando – se na cela. O Pacheco ao receber a notícia concluiu em voz alta: - É MAIS UM VIADO QUE NÃO VAI FAZER FALTA ALGUMA A SOCIEDADE IGUAL AQUELA PUTA ORDINÁRIA DA CARLA ZÉFIRA. Para sacanear ainda mais a bicha do ZOOFILIA DOG mandaram escrever numa caixa de pêra a frase ” AQUI JAZ A BICHA MAIS FEIA DO MUNDO” e deixaram pregado na cova junto com uma placa de pet shop. ContinuaQUALQUER SEMELHANÇA NÃO É MERA COINCIDÊNCIA KKKKKKKKKKKKK, SE ALGUEM SE SENTIU OFENDIDO FODA-SE, ESCREVA UM LIVRO NO COMENTÁRIO DESABAFANDO SUA REVOLTA, NÃO VOU LER MESMO, HÁ NÃO LIGO PRA NOTAS E AQUELES QUE PRETENDEM DEIXAR COMENTÁRIOS OFENSIVOS VÃO TOMAR NO CU DESDE JÁ. MINX!!!!!!!!!!!!
01/06/2011 16:47:40
ATE CURTI NO COMEÇO,M AS QDO VI O TAMANHO DO TEXTO, DESANIMEI.
01/06/2011 15:19:41
MUITO BOM.
05/05/2011 06:56:49
Quanto à qualidade do conto, não há o que falar. Os elogios abaixo já dizem tudo e eu os endosso. Quanto à história, logos após ver o casamento de Willian e Kate, achei que o seu também, foi o de uma princesa e a primeira noite, inesquecível. E nós leitores, fomos brindados em compartilhar esses momentos, com todos os detalhes. Amei.
26/03/2011 17:39:06
Conto sensacional, Malluquinha. Vc conseguiu algo extremamente difícil, que é narrar uma noite de amor, com sensualidade. Sexo excitante, com carinho. De forma romântica, sem ser água com açucar. Passando tesão, sem vulgaridade. Um dos melhores contos que lí aquí. Nota mil!
11/02/2011 14:27:08
Uau.....vcs foram feitos um para o outro......bjs Amanda!
31/01/2011 17:22:48
Excelente. 10 entre 10 homens não gostariam de estar no lugar do Beto. E os 10 estão mentindo! A descrição da primeira vez foi fantástica! Bjs.
18/01/2011 21:49:59
Conto maravilhoso nota 10. Cada vez que leio quero saber mais. Meu msn: bipiapa_11@hotmail.com
30/09/2010 16:04:29
vou adoraracompanhar essa sua historia, vc me deixa louco.
12/08/2010 19:45:11
Ai Malluquinha devolvendo a gentileza em todos os aspectos Vim. Li. E gostei
05/07/2010 12:18:23
MALLUQUINHA você é uma otima escritora, so pelo conto da para perceber o quando o amor de vc e beto e verdadeiro e puro. Seu conto é perfeito, muito bem escrito, detalhado, envolvente e sexy... Parabens pelo conto e se der leia os meus, nota 10 concerteza
27/05/2010 16:44:41
Boa tarde Malluquinha, ..pela primeira vez vou fazer um comentário, tu sabes que não é do meu feitio, mas se faz necessário, quando comecei a ler na casa dos contos foi por motivos profissionais, depois me identifiquei com alguns temas e me afeiçoei a alguns autores, confesso que gosto do jeito que passa os seus relatos e gostava de me colocar como leitor, não se apoquente com algumas opiniões ou com se estão lendo ou não, o certo é que cada tipo de leitura tem um tipo de publico e se um único leitor gosta, tu já cumpriste o objetivo. Tu tens muitos fãs, em especial Eu. Por isso humildemente lhe peço, continue a escrever. Da sua eterna admiradora Maite.
18/05/2010 00:01:41
agora entendo porque vc é maluquinha, acompanhada desse beto, vc promete muita sacanagem, mesmo assim adoraria te conhecer. waleu marcelo.lima256@hotmail.com
12/05/2010 13:48:27
Malluquinha, muito bom, é impossivel não ter os desejos aflorados diante das riquesas de detalhes, continue escrevedo vc é 10...abraço
09/05/2010 21:35:37
Ai, que maravilhoso... quero casar e ter uma noite de nupcias que nem a sua... apesar de não ser virgem, hehe... Mas teu relato me inspirou, me fez lembrar boas situações ao ponto de querer voltar ao passado, mas impossível né... e não se abale com comentários alheios... realmente, sua vida pertence apenas a vc... Em uma conversa surgiu o questionamento: ja pensaste que pode ser tudo fruto da imaginação? ao que foi retrucado: se for fruto da imaginação nota 10 por ter uma imaginação tão rica em detalhes e prova que pode-se fazer tudo isso com alguém.... Se for verdade, é bom demais ter experiências não somente por prazer, mas sim por sentimentos... Eu acho q dentro de 4 paredes vale tudo, se os dois concordarem, e se houver sentimento e cumplicidade como foi esse teu relato, vale muito mais.... Então, vc sabe o que, quando, onde e porque... e quem te mandou e-mail criticando, pode ter certeza que é alguém que não tem imaginação, criatividade e principalmente alguem para realizar os desejos mais secretos... Nota 100 pra vc beijos da Jana
03/05/2010 11:35:50
Muito interessante
03/05/2010 11:34:14
Muito forte
02/05/2010 15:55:02
eu sabia que um dia vc ia nos contar tudo, lindo o seu relato, vou seguir a sua história, passo a passo, nota 1000
30/04/2010 07:53:53
Especial
28/04/2010 10:17:09
GATA MAravilhoso nota mil
24/04/2010 16:32:57
MARAVILHOSO! INCRÍVEL! PARABÉNS!
23/04/2010 17:43:00
Olá minha linda, adorei, fiquei cheia de tesão, além do que, seu conto me trouxe várias lembranças maravilhosas, adorei beijoooosss, se por acaso voce quiser entrar em contato - oliviaplt69@gmail.com. Beijooossss deliciosos.
23/04/2010 11:15:56
Ok, Malluquinha e/ou Lúcia... tinha prometido que não iria mais comentar os Contos no Site... mas admito que este "EU" não tive ESCOLHA... Realmente eu tive uma "VIAGEM" maravilhosa em sua "HISTÓRIA"... Tive "SONHOS" e "PESADELOS" ao mesmo tempo!!!... Sua "HISTÓRIA" me trouxeram lembranças de "DELÍRIOS" que tive em minha "VIDA"... Confesso que me deu "VONTADE" de ter uma nova "LUA DE MEL" com minha mulher!!!... e fazer "TODAS" as "LOUCURAS" que você relatou em sua "HISTÓRIA"!!!... Bem..., vamos ao que interessa... pela música - Nota: 10 (ADORO esta música na voz de ROD STEWART!!!)... pela Champagne Francesa - Nota: Preta (Magoei!!!... Porque na minha Lua de Mel teve só cervejinhas... snif!!!)... pela Cris - Nota: 10 (porque é o nome da minha mulher)... pela sua amiga Martinha - Nota: 10 (só porque é mulher)... pelo Beto - Nota: 5 (Magoei!!! e Prefiro não Comentar!!!)... e pela sua "HISTÓRIA" Magnífica... Cheia de "ENVOLVIMENTOS" e "ENTREGA TOTAL ao PRAZER" - Só posso te dar um DEZ... Mais vale muito mais!!!... Mando uma pomadinha para passar na XOTA e CUZINHO... Para depois eu mandar longas e deliciosas MAMADAS no "C"!!!... Ah!!!... Agora quero saber mais!!!... "HOLANDA"?????... Que país fascinante e liberal... Por isso te digo para Postar a sua Estadia em Amsterdã... Valeu!!!... e XAÚ!!! DESABAFO: Deixa de ser "GULOSA"... "SAFADA"... e "CRUEL"!!!... Agora peço "POR FAVOR"... Deixa de lado as Críticas... porque você é MAIOR que os "Comentários" de outros... Viva o seu "DELÍRIO" e suas "LOUCURAS"!!!... e não se esqueça de POSTAR a sua DELÍCIA e PRAZEIROSA "HISTÓRIA"!!!... Valeu!!!... Vibrei!!!... e XAÚ!!!
22/04/2010 19:18:29
Maluquinha deusa dos meus sonhos!!! Fiquei todo arrepiado,tamanha riquesa de detalhes e,sensualidade de sua história . Simplesmente liiiiiiiiiiiinnnnnnnnddddooooooooooooooooo !!!!!!!! gaucho.fmello@gmail.com E quanto as criticas não esquenta,não tem como ,agradar gregos e troianos ao mesmo tempo. O que não é criticado , simplesmenti é porque não foi visto (lido) beijos guria !!!
22/04/2010 16:31:12
adorei o conto...tens uma descriçao detalhada q prega-nos a leitura...espero q continue a escrever...Bjs
22/04/2010 16:22:18
Malluquinha...M A R A V I L H O S O conto...detalhes, sensualidade, cumplicidade, tesão, enfim tudo o que se pode esperar de uma conto e mais um pouco. Quanto às críticas aos seus relatos...esqueça, isso é falta de capacidade de pessoas que não tem condições de escrever algo tão MÁGICO como vc escreve. dez. dez. dez. dez.....

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.