Casa dos Contos Eróticos

Feed

Comi a melhor amiga da minha filha

Autor: Chiquinho
Categoria: Heterossexual
Data: 02/12/2009 19:03:57
Nota 7.00
Assuntos: Heterossexual, Sexo
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá sou Chiquinho tenho 35 anos, sou casado, e tenho uma filha.

Vivo uma vida normal, com minha esposa e minha filha, até q um dia a minha filha trouxe para minha casa sua amiga, q se chama Larissa. Ela muito gostosa, e é muito safada tambem, pois ficava me secando o tempo todo, sempre olhando para meu pau. Toda vez q eu ficava sozinho com ela, começava a se insinuar pra mim. Sempre me dizia q eu era gostoso e queria foder comigo. Quando ela dizia isso eu ficava de pau duro.

Um dia ela foi pra minha casa, de short bem curtinho, eu enloqueci. Fiquei olhando-a o tempo inteiro, ela ria com cara de safada, até q uma hora minha mulher e minha filha sairam, e Larissa resolveu ficar.

Quando elas sairam, ela começou a chegar perto de mim e me acariciar, falava coisas no meu ouvido e eu fiquei louco de tesao, nisso ela tirou minha calça e disse q queria chupar meu pau, eu dexei é claro. Ela chupava muito bem, e disse:

-Q pau grande e gostoso, q vc tem.

Eu disse:

-Deita no sofa e deixa eu chupar sua buceta tambem.

Entao fizemos o 69.

Essa menina era muito experiente. Acabamos por esse dia, pois estavamos na sala e com medo de minha mulhe e minha filha chegarem e acontecer uma grande confusao. Mas isso nao significa q agente nao repetiu mais a dose.

Dois dias depois a Larissa veio fazer um trabalho com minha filha em uma sexta-feira e aproveitou e dormiu aqui em casa, nesse dia minha mulher estava fazendo uma viagem a trabalho. Aproveitei o momento e marquei com Larissa para nos encontrarmos no quarto de hospedes q ela estava de madrugada. Quando cheguei no quarto de madrugada, ela estava de calcinha fio dental e sutiã, eu enloqueci tirando sua roupa toda. Comecei a lamber seu priquito, ela deu um gemido bem alto, e eu disse:

-Psiu, minha filha nao pode saber q estamos fazendo isso.

-Deixa eu lhe lamber todinha.

Ela gozou duas vezes na minha boca, depois eu disse:

-Vou comer sua buceta raspadinha agora.

Ela disse:

-Pois meta toda sua rola no meu priquito.

Quando eu meti ela gemeu, dizendo q era sua melhor transa.

-uuuuuuhh, q tesaaao loco.

Quando eu fui meter no cu ela disse:

-Lubrifica, se nao vai doer e sua filha vai escutar.

Eu lubrifiquei e meti so a cabecinha para nao doer muito, ela empurrou sua bunda para colocar minha pica toda, disse q minha pica era muito grande e queria tela todo dia. Tomamos um susto quando escutamos alguem batendo na porta. Eu me escondi debaixo da cama, pois era minha filha perguntando se estava tudo bem, e larissa responde:

-Oi? que foi? se ta tudo bem? claro que tá!!! vc me acordou...(Falando com raiva)

-Aaa.. desculpa então, é que eu escutei um barulho, pensei que fosse daqui e fiquei preocupada... Boa noite!!!

Ela saiu e foi dormir, eu fiquei aliviado, pois tinha escapado de uma grande roubada... Larissa queria continuar, mas eu nao fui, pois estaria pondo em risco a união de nossa família. mas eu disse à ela:

-Eu nao vou continuar, mas nmao pense que eu nao gostei, vc é muito gostosa... Quero marcar outro desses qualquer dia...

-Que pena, mas deixa, outro dia a gente termina meu gostoso...

Dei um beijo e uma pegada na buceta dela e fui dormir.

Amanhecendo o dia, no café da manhã minha filha me pergunta:

-Pai, o senhor nao ouviu um barulho hoje a noite não?

Fiquei assustado e respondi:

-Não minha filha, pq? Aconteceu alguma coisa?

-Nao, nao. Aaa, deicha pra lá, eu tou ficando é doida!!! Rss'

Fiquei aliviado dela nao ter desconfiado de nada, e nas outras vezes tomei mais cuidado com a Larissa.

Depois desse dia todas as vezes que a Larissa vinha pra minha casa eu comia ela.

Espero que gostem do conto

Ass: Francisco Ramires

Comentários

15/12/2009 19:15:48
nao gostei.
02/12/2009 20:27:50
legal, 08
02/12/2009 19:05:33
Muito bom esse conto, gostei...

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.