Casa dos Contos Eróticos

Feed

Tesão pela vizinha

Autor: Punhetão
Categoria: Heterossexual
Data: 13/05/2009 21:38:25
Última revisão: 25/10/2009 20:05:40
Nota 5.00
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Certo dia estava no onibus, chegando do serviço, quando observei uma mulher com uma bunda deliciosa em pé. Ela ia saltar no mesmo ponto que eu. Acostumado, como todos os homens, a observar a bunda das mulheres, fiquei surpreso porque aquela em especial me chamou a atençao. Meu pau endureceu na hora e senti que a cabecinha estava arregacando dentro da cueca, o que era sinal de tesao a primeira vista. Ela desceu no ponto e eu desci atras. Vi­ entao que se tratava de uma vizinha, moradora no meu predio. Nunca tinha conversado com ela. Tinha visto numa reuniao de condominio, e só. Cheguei em casa pensando nela, e fui direto para o banheiro bater uma punheta imaginando o cheiro daquela linda bunda. Esporrei fartamente. A partir desse dia fiquei imaginando como é que poderia conversar com ela. Precisava achar um pretexto qualquer. Ela me parecia extremamente séria, e eu teria que bolar um jeito de mostrar para ela que sentia tesao e a desejava nas minhas punhetas. Um domingo comprei o jornal e fui ler na piscina do predio. La estava ela tomando sol, com um biquini tesudissimo. Seria a oportunidade? Puxei papo, e ficamos conversando amenidades. Meu caralho duro, e eu nao sabia como mostrar. Poderia pensar que eu era um tarado, e aí... Num determinado momento, ela me falou que pretendia reformar o banheiro de seu apartamento. Falei para ela que o meu estava reformado, e que se ela quisesse, poderia mostrar para ela. Subimos para o meu apartamento. Meu caralho duro, cabeca arregacada. Mostrei o banheiro, a cozinha e fomos ver a vista da janela do quarto. Em determinado momento fiquei bem pertinho dela, vendo a paisagem da janela. O seu cheiro era muito excitante. De bermuda e sem cueca, arrisquei encostar o caralho em sua perna, e ela pareceu aceitar a encostada. Cheirei mais o pescocinho dela, e peguei no seu quadril. Ela encostou em mim e suspirou. A partir dai declarei meu tesao, falei que batia punheta para ela, que esporrava muito sem ela sequer imaginar, e que tinha enorme desejo pela sua bunda. Sentamos no sofa, e puxei o sutiã do biquini. Surpresa! Um par de bicos rosados sai ante meus olhos! Tetas maravilhosas, capazes de fazer qualquer homem querer mamar nelas! Meu pau ja estava de fora. Ela pegou, acariciou, punhetou com habilidade e acabei esporrando ali mesmo, no nosso primeiro encontro, esguichando o leite masculino do amor. Lambi sua bunda, mamei nas suas tetas, cheirei seu delicioso corpo sem acreditar que aquilo estava acontecendo. Eu não acreditava no que estava acontecendo, eu pelado, de pau duro, me exibindo gostosamente e esporrando na frente da mulher que me inspirou tantas e tantas punhetas...

Depois desse encontro ficamos juntos algumas vezes, sempre acabando tudo em esporra e gozada. Comprei uma tanguinha de presente para ela, daquelas que a gente fica doido para tirar e cheirar o fundinho. Ela usou e me devolveu para eu usar nas minhas punhetas, com o fundinho manchadinho de xixi e meladinho de xoxota.

Vou revelar como foi nossa sessão exclusiva de chupada na xoxota. Ela estava depilada e me disse se eu não gostaria de chupar sua "xaninha". Disse que adoraria. Lábios rosadinhos, grelinho lindo, buraquinho apertadinho, toda meladinha. Ela tirou a tanguinha e pude ver, cheirar e lamber sua xaninha deliciosa. Comecei chupar sua deliciosa bucetinha e me lambuar de líquidos vaginais até ela começar a gozar na minha boca e a se contorcer e gemer loucamente. Ela gemia alto, gritava e eu estava imaginando meus vizinhos se masturbando secretamente ouvindo nossa escandalosa chupada. Seus liquidos vaginais me lambuzavam e excitavam cada vez mais.

Depois de muitas cenas de sexo oral, veio nosa primeira metida. Nossa primeira foda ocorreu em duas etapas. Na primeira enfiei meu caralho até a metade de sua bucetinha. Ela era bem apertadinha, e estava difícil segurar a ejaculação. Esporrei com metade do caralho enfiado numa bocetinha apertadinha e muito gostosa. Ela gemia feito louca. Pensei que ela estava tendo um troço, mas era tesão mesmo! Na segunda etapa, no dia seguinte, enfiei o caralho até encostar na entrada do útero, e esporrei fartamente. Foi majestoso esporrar no utero dela, até a ultima gotinha de leite seminal. Ela reclamou muito nos dias seguintes que sua xoxota estava ardendo das nossas primeiras fodas.

Outra ocasiao ela me chupou no banho ate eu esporrar. Engoliu toda minha esporra. Foi DE-LI-CI-O-SO.

Desde entao temos nos encontrado esporadicamente (ou "esporradicamente"), e satisfeito nosso tesao mutuo com chupadas, punhetas e metidas. Tentamos nos evitar, pois nossos compromissos particulares impedem que tenhamos uma vida sexual expli­cita. Mas mesmo assim de vez enquando nos esfregamos ate nos lambuzar com nossos li­quidos sexuais. Essa atraçao me faz bater muita punheta para ela. Adoro sua bunda, sua buceta, suas tetas de bicos rosados pequenas mas apetitosas, seu cheiro de tesao, de femea que deseja trepar. Adoro esporrar cheirando seu bumbum. Por sinal, estou de pau duro de tantas lembranças gostosas, e estou indo para o banheiro bater AQUELA PUNHETA para minha deliciosa vizinha!

Comentários

14/05/2009 12:08:57
Pena que a descriminação fosse tão pouco explicita, o início do conto parecia ser de boa tesão mas não. Próxima vez será melhor.
14/05/2009 03:20:51
fraco. faltaram detalhes das tranzas.nota 06

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.