Casa dos Contos Eróticos

Feed

Que caralho gostoso de chupar!

Autor: M-Delícia
Categoria: Heterossexual
Data: 20/01/2009 18:09:36
Nota 8.88
Assuntos: Heterossexual, Oral
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Conheci André em uma sala de bate-papo, na Internet. Começamos a manter contato pelo MSN e acabei descobrindo que morávamos na mesma cidade. André era casado, mas gostava de aprontar umas “por fora”, contudo tinha o cuidado de não se envolver com ninguém da mesma cidade, pois moramos em uma cidade pequena, onde o passa-tempo favorito da população é cuidar da vida alheia. Pelo mesmo motivo, eu também evitava envolvimento com pessoas da minha cidade, mesmo sendo solteira. Não gosto que cuidem da minha vida, portanto acabo levando uma vida mais comportada do que realmente gostaria. Se encontrar com um homem que conheci pela Internet já não me parecia certo, com um homem da mesma cidade (desta minúscula cidade) me parecia menos ainda. O fato de ele ser casado então era quase como um carimbo nos meus pensamentos “Jamais”. O interessante é que a palavra “jamais” é formada por duas outras que induzem a uma ação totalmente contrária à da primeira, “jᔠe “mais”. Sim, o proibido me seduz...e como! Eu já havia me exibido para ele através da WebCam, mas agora eu desejava um contato mais real, queria “jᔠ... queria “mais”. Apesar da vontade, eu era sempre relutante em ceder, até que uma noite ele me liga e me convida para dar uma volta. Eu já estava morrendo de tesão, mas além do medo, sempre achei que encontros desse tipo tornariam o sexo maquinal e que isso poderia acabar com o meu tesão. Ele me garantiu que só iríamos nos conhecer. Disse-me que estava todo desarrumado, pois havia saído do serviço e nem passara em casa, que queria mesmo era matar a curiosidade e me ver de perto. Combinamos então de nos encontrarmos em uma rua escura, perto da minha casa, e assim aconteceu. Por baixo da calça jeans e da blusa comportada, eu estava vestindo um corpete que fazia par com uma minúscula calcinha fio-dental. Ele me levou a um morro, onde ficamos dentro do carro, longe das vistas de olhos curiosos. Sim, ele queria mesmo me conhecer, mas decidiu começar me conhecendo pela língua. Não forçou nada, simplesmente tomou minha boca que já ansiava pela dele. Que beijo delicioso. Adoro sexo, adoro mesmo, mas o beijo...ai... o beijo...é o mais gostoso. Um beijo bem dado me deixa totalmente vulnerável, me faz esquecer a palavra “não”. Sua boca parecia entender bem disso. Sua língua era tão erótica, saboreando minha boca com intensidade, como se chupasse um fruto do qual quisesse extrair até o bagaço. Suas mãos se esfregavam em minhas costas com firmeza, arrancando de meu corpo arrepios de excitação. Apesar de apreciar as carícias mais íntimas, aquele toque de macho não precisou se aproximar de meus segredos para que eu me sentisse tomada por um tesão que jamais imaginara. Ele não quis me aborrecer, passando dos limites que eu impunha, mas a firmeza de suas mãos não deixava dúvida de que ele sabia como fazer e era muito ciente disso. Ele pediu que eu tirasse a roupa. Eu resolvi brincar um pouco. Disse a ele que ficaria só com as roupas íntimas, bem ali ao lado dele, com o trato de que ele não me tocasse, só eu teria permissão para tocá-lo. Se ele descumprisse o trato, eu colocaria as roupas e cessaria o encontro. Ele aceitou. Tirei minha roupa, ficando só com o corpete e com a minúscula calcinha preta, me posicionei de costas para o banco, empinando a minha bundinha para trás. Ele tirou o seu pau para fora e mexia nele com as mãos. Me controlei para não cair de boca em seu pau naquela hora. Estava gostando de ver ele controlando sua vontade de me tocar. Eu queria mesmo torturá-lo, sentia muito prazer com isso. Algumas vezes ele arriscou me tocar, mas eu o impedia e o lembrava do trato. Fiquei me exibindo e olhando para aquele caralho maravilhoso, estava explodindo de tesão. Resolvi provocá-lo com beijinhos e lambidinhas na cabeça do seu pau, mas nem eu era forte para isso, tocar aquele caralho, foi como feitiço para a minha boca, que tratou de abocanhá-lo de uma vez. Com ele na boca, eu me empolguei e comecei a punhetar e chupar seu caralho ao mesmo tempo. Nessa hora, o trato já não tinha mais qualquer importância. Ele passava a mão no meu bumbum e bolinava minha bocetinha. Minha boca sedenta só queria saber de chupar aquela pica gostosa. Ele enfiava o dedo na minha bocetinha e me fazia rebolar, me chamava de “potranca” e me dizia “isso potranca, gostosa, mama no meu cacete”; Eu delirava com seu pau na boca, lambia toda a sua extensão e me dedicava ora à cabecinha, ora ao pau inteiro. Minha boca pequenina não dava conta de seu pauzão, mas eu forçava até a garganta, louca para engolir o seu cacete. Ele tinha que me puxar pelos cabelos de vez em quando, para me controlar, pois não queria gozar muito rápido. Eu estava tão gulosa por seu pau que queria mais era que ele gozasse na minha boca. Mas ele não queria acabar tão cedo. Senti-me tomada por um desejo de não tirar minha boca por nada de seu cacete, seus gemidos e exclamações me deixavam ainda mais louca. Ele me dizia “calma, potranca, não quero gozar agora”. Eu não estava calma...decididamente, não estava, estava querendo mamar mais e mais no seu pau, e quem mama só quer uma coisa- LEITE. Fiquei um tempão chupando seu pauzão. Quando ele me pedia, eu diminuía o ritmo, mas minha sede de leitinho foi tornando cada vez mais difícil atender a seu pedido. Minha xaninha ficava cada vez mais meladinha, à medida que eu ia sentindo seu cacete cada vez mais inchado e tenso na minha boca. Não sei como descrever o tesão que toma conta do meu corpo, segundos antes de tomar leitinho. Sentir os vasos de seu pau se dilatando, o prazer acentuado do gozo iminente...me tira do sério. Preparei minha boquinha para receber o que minha boca a tanto implorava. Ele gozou na minha boca, encheu ela com sua porra quente e salgadinha. Fiquei extasiada, pensei “sou mesmo uma chupadora inveterada”. Depois desse primeiro “contato”, se seguiram as apresentações mais “formais”. Ficamos algum tempo conversando sobre nossas vidas e as coisas das quais gostamos. Foi muito divertido, pois além de ser um tesão de homem, vi que ele era um cara muito legal. Adoro dar a xoxota, mas depois desse dia, costumo ter vontade de sair só pra mamar. Hoje mesmo, escrevi esse conto pensando na saudade que estou de mamar no pau do André. Espero que ele me agradeça pelo conto, enchendo minha boca com seu leitinho.

Comentários

04/02/2012 15:36:04
me add quero vc.mamando no meu pauzao heliopicasso@hotmail.com
28/03/2009 09:35:12
bom!!!
24/01/2009 00:48:39
Puxa! Teu conto me deixou muito excitado... nota dez! Gostei de teu estilo de escrever, me adicione no MSN para eu dar minha opinião mais profunda sobre teus contos, além disso, vou adorar te conhecer...
21/01/2009 16:04:09
muito bom, adorei mesmo LEia O meu conto e de sua opiniao "EU E MEU NEGUINHO"
21/01/2009 08:18:29
MARAVILHA!!!!!!!! ADOREI MESMO!!!!!!!!!!
20/01/2009 23:26:05
ola miga até hj eu ainda naum consegui gozar na boca de nenhuma mulher será que vc conseguiria fazer eu gozar em sua boca? meu msn e email é jrio3@hotmail.com espero um contato seu para nos conhecermos melhor e quem sabe vc consiga realizar esse meu desejo que ainda naum consegui realizar beijos
20/01/2009 21:44:48
nossa adoro uma boquinha que sabe chupar muito bem...me add no msn biorke_loko@hotmail.com
20/01/2009 21:16:59
Bom!! =)
20/01/2009 19:34:03
Só chupar ??? (http://an20sp.sites.uol.com.br)
20/01/2009 18:19:39
nossa q delicia__eu so loco por uma mulher assim__c quiser me conhecer me add no msn__solteiraonapista2008@hotmail.com

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.