Casa dos Contos Eróticos

Feed

A ninfetinha matuta leva surra do tiozão

Categoria: Heterossexual
Data: 21/11/2008 04:00:26
Nota 9.40
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Quando imaginamos que já vivemos todas as experiênias, eis que somos surpreendidos pelo acaso, e foi exatamente isso que aconteceu no sábado passado.

Há alguns dias tive a notícia de que minha mãe não está bem de saúde, ela continua morando na nossa cidade nata, Caxias do Sul, na serra gaúcha, onde há mais de dez anos não apareço. Desde dezembro de 1997, e com 31 anos na época, eu recebi uma proposta de emprego em uma indústria que havia se instalado no nordeste brasileiro e estava em grande ascenção.

O tempo foi passando, por lá casei mas não tive dois filhos, vivendo uma rotina pacata e tranquila, já muito bem estruturado finaceiramente, era evidente a evolução que tivera nestes anos que se passaram. Caxias do Sul é uma cidade muito tradicionalista, colonizada por italianos onde a maioria dos habitantes possui olhos azuis e pele clara, bem diferente da Celeste, minha mulher que exibe características físicas bastante comum às pessoas que nasceram na região, como baixa estatura e pele escura, além de ser uma mulher de pulso firme, do tipo cabra-macho, que não levava desaforo para casa!

O que possívelmente poderia ser motivos para minha mãe agir de forma preconceituosa, já que apesar de estar velha, ainda era uma italianona viúva e de personalidade forte, que falava grosso e não admitia nada que fosse contra seus princípios.

Durante este tempo todo evitei que elas se encontrassem para que não houvessem atritos, e infelizmente, deixei de ver minha mãe estes anos todos, o que faz com que eu me sinta culpado, pois agora, com a notícia de que ela está acamada, com a saúde muito debilitada não consigo nem imaginar com que cara irei vê-la, já que durante estes anos todos minha desculpa era a falta de dinheiro, nunca mandei sequer um centavo, deixando com que eles permanecessem na dura lida dos parreirais enquanto eu estava prestes a adquirir minha segunda casa na praia.

Mas acabei indo e foi a sensação mais estranha, tudo permanecia do mesmo jeito, a tecnologia parecia não ter chegado àquelas altitudes, tamanha era a rusticidade de tudo que se poderia encontrar.

Em casa, ainda tinha um velho rádio de madeira do lado do fogão à lenha e na sala, mesmo que abandonada, ainda existia a velha máquina de costura de pedal, o que serviu por muitos anos como principal fonte de renda para minha mãe que apesar de sozinha, não teve medo de adotar um casal de primos que ficaram órfãos depois que ninha tia faleceu.

Quando minha mãe decidiu trazer as crianças para morar lá em casa foi bem na época em que fui embora, o menino já tinha oito anos e a menininha apenas dois, era um bebê lindo, loirinha, de grandes olhos azuis... Ela mora com minha mãe até hoje e agora cuida da casa e da coitada que está doente, enquanto que o menino já havia saido da cidade para trabalhar também.

Mas mesmo com toda preocupação em relação à doença de minha mãe, diabética não compensada e hipertensa, o que mais me assustou não fora seu estado de saúde, e sim, quando cheguei e bati a porta e quem atende é uma linda mocinha de chinelos de dedo e cabelos loiros lá na cintura, lisinho...

Daiana, esse era o nome dela. O pequeno bebezinho já havia cerscido e mantinha a frágil forma de uma “quase adolescente”... Aos 13 anos de idade a franzina menina era agora a dona da casa, que me recebeu muito acanhada, mas bastante educada. Me levando até o quarto onde por horas fiquei a conversar com minha mãe.

Muito dedicada, ela de tempos em tempos trazia seus remédios e comida, era prendada e prestativa, fazia todo serviço e não descansava até minha mãe dormir. Deixou para mim, uma cama simples arrumada e uma velha toalha de banho meio furada, mas cheirosa aos pés do colchão.

Era tão querida a menina, antes de dormir me ofereceu café e sentamos à mesa para falarmos do estado de saúde da minha mãe, mas eu não podia esconder o encantamento que aqueles grandes olhos azuis me passavam... Com um sorriso acanhado, quase que, sem graça ela ria quando perguntava se ia a escola ou tinha namorado.

Menininha encantadora, de fala simples e pele clarinha... Magrinha e de cabelos escorrido, parecia um anjo. No outro dia logo cedo acordo com o barulho da pequena mocinha a cantar, levanto e espio, a beira do tanque, lavando uma troxa de roupas ela vestia um pequeno shortinho ainda meio folgado e uma camiseta onde ela fizera um nó, logo abaixo dos seios, digo, de seus biquinhos, que era a única coisa que dava para ver saltados na camiseta.

Me vi hipnotizado pela pequena garotinha, não sabia explicar, era apenas uma criança, mas me despertava uma curiosidade, para não dizer, tesão.

Os dias se passavam e cenas como estas eram cada vez mais comum, minha mãe não dava jeito de melhorar e eu já não queria mais ir embora... Cada vez que eu via Daiana de joelhos no chão, matuta, esfregando o assoalho deixando a mostra aquelas suas pequenas polpinhas que escapuliam enbaixo do shortinho eu ficava louco.

Sondei e um dia consegui ver ela entrando no banho, pela rua, fiz a volta na velha casa e na janelinha do banheiro vi ela se despir. Enrolando seus longos cabelos loiros para o alto, tirando o pequeno vestidinho de chita e deixando a mostra suas mamiquinhas, tetinhas delicadas de bicos rosados, uma delícia intocada, sentia vontade de chupar aquela formosura...

Quando ela tira a calcinha então, uma bela tanguinha branca que estava por cobrir uma rachinha repelta de um emaranhado de pelinhos dourados, eu pude sentir meu pau endurecer aos poucos, olhei para baixo e vi o volume que se criava dentro das minhas calças...

Com o pau latejando eu via aquela doçura entrar de baixo do chuveiro e se molhar todinha, se esfregava delicadamente e numa cena inesperada pegou uma gilette e se pôs a raspar aqueles pelinhos lindos que cobriam sua xoxota.

Com uma perna sobre o vaso sanitário ela depila desde o cuzinho, e sem me ver, ela se exibe na frente de um velho espelho atrás da porta... Raspa tudo, e sua bucetinha que já era uma delícia, agora está perfeita! Ela se observa e sem saber me deixa cada ve mais louco...

Meu pau parece querer furar minhas calças, eu então abro o feiche e deixo sua cabeça sair... a medida que ela decide sentar no vaso, e com o chuveiro ligado a safadinha começa a tocar sua xoxoxtinha, lisa, macia, rosada... Ela massageia seu grelinho, e no seu reflexo no espelho posso ver ela introduzir dois dedos naquele buraquinho melado, deixando a entender que cabaço já não havia mais alí.

Não perco a oportunidade e cuspo a cabeça do meu pau e começo a punheteá-lo, em menos de dois minutos sinto minha porra jorrar na parede do banheiro, esboçando um gemido sutil, mas que acaba chamando a atença da garota que logo se enrola na toalha e sai do banheiro.

Como se nada tivesse acontecido, na manhã seguinte torno a boservá-la no banho... A doce garota parece perceber e agora parecia se exibir para valer! Agora ela ousava não só se tocar, certo dia ela levou para o banheiro escondido entre a toalha uma cenoura... E antes de entrar no banho de fato, ela me provoca introduzindo o vegetal na sua xana, me levando à loucura!

Ela sentada no vaso, abre bem as pernas e aos poucos faz a enorme cenoura arrombar sua xoxota... Mexe tão gostoso que acaba gozando na cenoura, deixando na mesma um creme branco que a danadinha ainda chupa para descobrir o gosto que tem.

Mas a punhetinha diária foi interrompida, quando minha mãe chama por ela e fala que ultimamente ela anda demorando demais no banho... que a conta de luz viria muito alta, deu vontade de gritar que eu pagava! Para deixar a ninfetinha continuar.

No dia seguinte, notei que a doce loirinha, apesar de ser apenas uma crianças, enquanto que eu, poderia ser seu avô continuava a se insinuar, e enquanto minha mãe tirava a soneca da tarde ela adentrou no seu quartinho e também decidiu dormir, só que nua! Ela se despiu totalmente e se cobriu com um fino lençol, sabia que minha mãe não ia se levantar, já estava acamada há mais de semana e de lá não saía sequer para fazer suas necessidades fisiológicas.

Através da porta do quarto entreaberta eu pudia ver seus peitinhos saltados no lençól, pude ver também que ela estava a mexer na xexequinha... Via os movimentos das mãos embaixo da coberta!!! Ai... que putinha safada, só me tentando!

Eu não pude resistir e para disfarçar pedi uma coberta pois queria dormir um poquinho no sofá também, e ela com aquela carinha de inocente diz:

Pega esse tio! Sem pensar duas vezes puxo o lençol de cima da menina e me deparo com ela lá, nua... Perfeita.

Ela se assusta, mas retruca perguntando se eu não conhecia aquilo, respondo que sim, mas não tão perfeito!

Ela pega na minha mão e diz: Toca... Ai, eu delicadamente coloco a mão sobre sua xaninha quente, macia, lisinha, nossa era demais!

A garota tava afm de provocar e sabia que me deixava enlouquecido, me pediu então para ver o meu, apontando para meu pau, já estaqueado!

Abro as calças e puxo para fora o mangaio cabeçudo e latejante, e quando ela põs aquela mãozinha gelada e macia, me arrepio todo, demais aquela garota, achei que aquilo fosse coisa de filme.

De leve, sentada na cama ela decide saber o gosto que tem e me olhando nos olhos, ela põe meu pau na boca, começa delicadamente e se empolga a chupá-lo quase chegando a vomitar... O entra e sai da minha rola na sua boquinha molhada é maravilhoso... Ela então se escora para trás e deixa bem a mostra aquela bucetinha melada, pedindo uma lambida gostosa e eu faço, devagar chupo aqueles gominhos macios, enfiando a língua bem no meio da sua xota, ela geme... Chupo seu grelinho com tesão enquanto massageio suas tetinhas macias!

Mas o tesão era tanto que a pego no colo, e a ponho de quatro, deliciosa, limpinha, pura... Era a visão que eu tinha por trás daquele rabinho pequeno, que sem querer pedia uma pica bem grossa.

Eu já de calças arriadas miro minha rola na xaninha apertada da menina e enfio, numa única estucada, deixo meu pau deslizar na xoxotinha quente e molhada da garotinha, nem siquer imaginava o peso psicológico que transar com uma criança me traria, tava tomado de tesão.

Eu enfiava na bucetinha apertada e agarrava a moleca pelos cabelos... Quanto mais eu enfiava, mais ela gemia, eu estava adorando, tava arregaçando a cabritinha, mas quando percebi meu pau estava sujo de sangue... Perguntei se a menina estava menstruada, e ela retruca que mesmo com a cenoura ela nunca havia perdido o cabaço! E que até aquele momento se considerava virgem...

Eu fodi a menina com cabaço e tudo, de fato ela era meio desajeitadinha, não parecia ter experiência, eu pegava ela de qualquer jeito e fazia o que queria...|Mas era muito gostosinha, sem sombra de dúvidas a mais apertadinha que já tive. Como o cabaço da bucetinha eu já havia tirado, queria fuder seu cuzinho também... Aproveitando que ela estava de quatro, “errei” o buraco algumas vezes e cheguei a enfiar minha pica nas preguinhas do rabinho dela mas como a pobre mocinha relatava dor eu desisti de arrombá-la por trás e continuei a socar na xota.

Arregacei o que deu, enquanto acariciava o ânus macio e enfiava um dedinho que outro no traseiro da menina. Ela tinha carinha de safada gostava quando eu gemia e pedia mais! Eu fazia ela chupar meu pau e enfiava a cabeça da rola até a goela, até sair água dos olhos da mocinha, er puro prazer...

Com a xana inchada e ensopada de tesão, ponho ela de frente sentada no meu colo, e como era levinha levanto e como ela de pé mesmo, coisa que nunca fiz com mulher alguma! Socava bem no fundo, meu pau era grosso, grande, caete que puta velha não aguenta, mas na xota da magricela fez um buraco que depois pude enfiar até a mão pra dentro!

Trepamos de todas as formas, ela gemia de dor, mas eu sabia que ela estava gostando, com a vadiazinha deitada e de pernas abertas eu entro com a vara sedenta e estuco, cada vez mais forte, sem pena e cobrindo a boca dela para não chorar... Sentia ninhas bolas baterem na bundinha da safada, a surra de pica na moleca foi garnde, ela estava pedindo, então levou!

Eu acabei jorrando dentro dela toda minha porra de quase um mês sem mulher, por que porra de punheta não vale... Meu pau foi murchando e devagar abandonando aquela gostosura quente, e no meio de sangue e porra ela se atira exausta de pernas abertas na minha frente!

Nem acredito que comi aquela menina... Era uma princesinha safada! Nos dias seguintes continuamos a nos encontrar era uma foda melhor que a outra, até o fim da semana, quando minha passagem estava marcada.

Eu fui... E sei que é triste pensar nisso, mas minha mãe ainda continua acamada e não dá sinais de melhora, mas se não fosse a doença dela eu jamais teria vivido essas aventuras e a única coisa que faço é recordar do tempo que lá estive, das loucuras que realizei com a princesinha Daiana e da saudade que me dá de ver aqueles grandes olhos azuis me mirando, com meu pau na boca! O único problema é que, se minha mãe não melhorar, teri de voltar lá para visitá-la novamente, seria uma pena....

Se você gostou do deste conto, não esqueça de votar e deixar seu comentário, e caso queira ler outros contos de Nina Von Teese, basta acessar o blog:

http://contosninavonteese.blogspot.com

ou mandar um email para:

nina_von_teese@hotmail.com

Beijos deliciosos em vc!!!

Comentários

07/12/2014 09:13:12
Ai que delícia!!! Engraçado chamar de pedófilo pq a garota que seduziu. Gostoso demais trepar com coroa.
R09
26/05/2012 02:13:00
adoro comer uma ninfeta tb
11/03/2011 10:16:50
Adoro os contos eróticos de Nina. A cada leitura um prazer imenso. E fantazia para com a minha mulher é o que não tem faltado.
26/02/2011 03:36:51
eu simplismente A-D-O-R-O contos com ninfetas safadas.
12/08/2009 14:57:44
WAYNE olha os comentários abaixo todos gostara, ê povinho pedófilo, depois fica chorando quando acontece na familia coisas assim, ZEROOOOOOOOOO vagabundo...
12/08/2009 01:35:09
muito boom
09/08/2009 01:38:31
Safado(a) pedófilo(a). Já pensou se uma situação dessa acontecesse com uma filha tua. Vai criar vergonha na cara e vê se procura escrever contos que não envolvam crianças. Como disse o Tarado por Bundas; olha a Polícia Federal.
07/08/2009 10:58:39
Um só comentario: GGGGGOOOOOOZZZZZZEEEEEEEEIIIII !
06/08/2009 16:09:25
muito bom,adorei,uma gatinha assim para fazer sexo é tudo de bom
04/08/2009 18:16:58
muito bom
01/08/2009 03:21:19
NOSA DEMAIS ESSE CONTO!PARABENS CONTINUE ASSIM.
28/07/2009 07:13:14
Afff! Com uma gauchinha dessas até eu que sou mais bobo queria Tchê.
22/04/2009 15:29:56
Aff... Nina... amo seus contos....
09/03/2009 10:53:07
muito bom. excitante também!
23/11/2008 11:27:59
ops , fiquei com tanto tesão que esqueci de votar , só voltei pra dar seu merecido voto
23/11/2008 11:26:14
Adorei , narrou muito bem a foda , fiquei super excitada , se meu filho não estivesse aqui pertinho , ficava peladinha lendo esse conto safado e gostoso , beijos , Martha
21/11/2008 22:43:14
fiquei tesudo maximus0357@hotmail.com
21/11/2008 20:36:06
mossa uma delicia ....
21/11/2008 10:24:57
Excitante continue assim. Só um conselho se este conto é verídico cuidado pois a Polícia Federal está monitorando a internet em busca dos pedófilos. Tenho alguns contos publicados entre eles "Na garagem da Débinha" e "Comi uma bundinha sem planejar nada". Se possível leia e vote valeu!
21/11/2008 10:04:34
Fico feliz pos saber que gostaram, de fato este é o propósito que tenho em mente no momento de escrever, agradeço a todos!!! Continume visitando o blog, agora com recentes atualizações!! Beijossssssss.
21/11/2008 09:56:23
MUITO BEM ESCRITO E CHEIO DE DETALHES QUE ENRIQUESSEM O CONTO. SE É VERDADE OU NÃO, VALEU O MEU SINCERO: PARABENS!!!!!!
21/11/2008 09:14:40
Esse beijo delicioso me deixou ouriçadésimo...
21/11/2008 09:09:33
Delicia, fiquei super excitada com esse conto...
21/11/2008 09:09:03
cara bacana seu conto.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.