Casa dos Contos Eróticos

Feed

Um sonho de priminha, uma delícia de amante I

Autor: Street man
Categoria: Heterossexual
Data: 02/09/2008 19:49:54
Nota -
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Esta história começa de uma vontade louca de transar com uma amiga chamada Vera, uma loura deliciosa que namorava um amigo meu, e vez por outra eu encontrava no portão da casa em que ela morava, sempre com um mini shortinho azul que mal cobria a bunda maravilhosa, grande e larga, carnuda, um espetáculo, com aquelas coxas e pernas de tirar o fôlego de tão gostosas, a blusinha amarrada no reguinho do seio ou de camiseta, sempre branca e meio transparente, exibindo um belo par de seios, que eu era louco para dar uma boa mordida. Eu já tinha dado uns beijos e tirado um sarro com ela quando era bem mais novo, na rua, mas o tempo fez dela uma mulher muito gostosa na mudança de pré-adolescente para mulher. Ela estava um tesão, se estivesse em uma termas certamente seria a deusa...

Eu estava na porta do meu edifício de bobeira quando surge a Vera e o namorado, que logo começaram a conversar comigo, ele perguntando sobre o feriado, se eu viajaria e chateado pela Vera ter trabalho no sábado, o que criava a dúvida se ele iria ou não. Mostrei onde eu morava e convidei-os para uma visita quando quisessem, notando um ar de cumplicidade na Vera, que me olhava maliciosamente, com um sorriso moleque que me deu um frio na espinha.

Me despedi e segui a vida, indo para casa e lá pelas seis horas, depois de me despedir da Aninha, minha prima de 14 anos, que morava junto comigo e a minha irmã, e que iria com as amigas para Búzios, e ainda acertar as contas com a Rosa, a empregada da minha casa. Tomei meu bom banho e logo a campainha tocou, para minha surpresa. Era a Vera, com a carinha mais safadinha, aceitando o meu convite. Quando vi a mini saia e aquilo tudo de fêmea sentadinha no meu sofá, com aqueles pelinhos curtinhos e douradinhos nas coxas, não tive como evitar e o meu pau endureceu na hora, o que certamente ela percebeu pelo volume. Ela estava uma loucura de gostosa, os peitinhos soltinhos dentro da blusa, pedindo para saltarem e serem bem mordidos, com aquele sorriso de ansiedade pelo que poderia acontecer. Logo ela começou a elogiar o meu apartamento e fui com ela visitando todos os cômodos até chegarmos no meu quarto. Não demorou e ela se sentou na cama, com os olhos brilhando, as pernas cruzadas e exibindo as coxas até o reguinho, e eu, com o corpo ardendo em fogo, não perdi mais tempo. Ajoelhei na frente dela e comecei a desabotoar a sandália, tendo a visão de uma linda calcinha rosa a minha frente. Foi o suficiente para iniciarmos um sarro enlouquecido enquanto as roupas eram tiradas. O bom da Vera é que com ela não há rodeios e fui logo chupando aquelas pernas e a bunda, saboreando aquele cuzinho viradinho para cima, com aquela marquinha alucinante de uma mini-tanguinha, queimadinha da praia, que eu fiz questão de beijar e morder todinha, e sem me agüentar mais dei-lhe uma foda que quase quebrou a minha cama, primeiro devagar, saboreando aquela delícia apertadinha e quentinha, abrindo cada preguinha, com jeito para não machucá-la, depois socando tudo, enquanto ela gemia e se debatia com as roupas da cama, me pedindo para eu comer tudo, que estava uma delícia, Gozei muito, pelo menos umas três vezes, com ela toda aberta e, para minha loucura total, com aquelas coxas fechadinhas, agasalhando naquele reguinho macio o meu saco, sentindo aquele buraquinho me apertando na raiz da vara. Ela dando o rabinho é de enlouquecer, como gosta a putinha. Ficamos assim por um longo tempo, eu comendo e sarrando tudo, tarado vendo o meu pau entrar inteiro naquela grutinha que une as coxas e a bundinha dela, com as polpinhas maciias e deliciosas escancaradas, o cuzinho abertinho engatado o talo, que faziam o meu pau cada vez mais endurecer, latejando só de olhar tudo molhado das minhas gozadas, até que fomos para o chuveiro, onde eu dei um banho de língua que fez ela quase desmaiar de tanto gozar enquanto eu mordia e sugava o grelhinho dela, para depois receber dela uma mamada fantástica. Voltamos para a cama para finalmente eu comer aquela boceta rosinha, macia e deliciosa. Apesar de eu ter uma vara que assusta as mulheres pelo tamanho e grossura, sendo que muitas eu nem comi por sentirem dores e desistire, me deixando na maior secura, ela me recebeu bem apertadinha dentro dela e com um tesão que poucas vezes eu tinha visto até então. Ela gozou muito, me pedindo para eu trepar com ela sempre, que ela me daria bem gostoso, que ela encontraria um jeito de se livrar do namorado, nem que fosse de madrugada. Comi demais a danadinha, quase fazendo ela desfalecer de tanto meter, bater a cabeça do pau duríssimo na grutinha dela e deixar ela gozando sem parar. Já extasiados, ela se vestiu lentamente, me olhando como uma felina, um show a parte. Levei-a até a sua rua discretamente e fui jantar, completamente moído, seguindo direto para casa para finalmente dormir, maravilhado com aquela tarde-noite. Pela manhã, lá pelas onze horas, retorna a Vera, dizendo que o namorado só chegaria lá pelas cinco horas da tarde, com uma carinha de tarada, que me deixou mais maluco ainda. Sem muita conversa, ela foi para o banheiro e retornou para a sala de tamanquinho, o tal shortinho azul marinho curtíssimo, uma verdadeira loucura, e a blusinha amarradinha nos seios, dizendo que era surpresa para mim, que ela sabia que eu enlouquecia ao vê-la assim na porta de casa, e que pelo presentinho ela tinha que gozar muito e bem gostoso, Ao meu ouvido, com aqueles seios duríssimos na minha cara, sussurrou que só de me ver abrir a porta a bocetinha já estava molhadinha. Tive o prazer de tirar cada peça, e realmente a calcinha estava molhada, assim como a bucetinha, que eu acariciei com ela gemendo e se tremendo, e quase gozei, alucinado de tanto tesão, até que completamente tarado, deitei a tesudinha no tapete e dei-lhe uma sessão de fodas sucessivas, com ela retribuindo faminta, gozando uma barbaridade, deitada, de quatro, gozando na boquinha dela, nos peitos durinhos, nas coxas, mas principalmente dentro daquela grutinha que mordia o tempo todo, em contrações que me fizeram ver estrelas, até que paramos um pouco e após várias carícias alucinantes, não resisti e saboreei aquela bunda que ela fez questão de me oferecer de quatro, debruçada no assento do sofá, ajoelhada sobre uma almofada, o que me deixou mais pirado ainda de tesão, pois entrava tudo e ela gemia deliciosamente, rebolando e caçando o meu pau cada vez que eu tirava um pedacinho que fosse. Eu já estava dando a segunda gozada e por um instante me senti observado, mas não liguei muito pois tinha certeza de estar sozinho em casa e continuei enrrabando a Vera. Entre banhos e drinks a gente ficou até as sete horas, quando a levei para jantar e ainda tiramos um sarro enorme em uma rua, com a promessa de muitas outras sessões como aquela. E realmente aconteceu, sendo que em uma dessas tardes, nós gravamos as fodas e depois ficamos vendo no vídeo, jurando que eu jamais mostraria para alguém. Filmamos bons dias, ela mamando em close, dando o rabinho, me cavalgando, tudo de longe e de bem perto, e ela enlouquecia quando via na TV o meu leite escorrendo pelas coxas, me agarrando cheia de tesão. Foi em uma destas tardes, que a Rosa voltou de surpresa, e viu a gente no tapete da sala, a Vera me cavalgando dando a bundinha, e me observou bastante segundo me ela disse, para depois se trancar no quarto e fingir que não estava na casa. A Vera foi para casa sozinha nesse dia e eu estava nú no banheiro, a vara inchada ainda querendo mais, grande, grossa e vermelha de tanto foder, quando me dei conta de que a Rosa estava na porta do banheiro, hipnotizada, balbuciando palavras lentamente e com o olhar fixo no meu pau. Fiquei sem ação, não dava para fazer nada, até que ela foi saindo lentamente, com a respiração ofegante, e eu fiquei alí, estático, não sabia o que dizer. Depois é que eu tomei consciência da profundidade do olhar da Rosa, era tesão puro.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.