Casa dos Contos Eróticos

Feed

Arranque o Cabaço dos dois lados de menina de 14

Autor: Nativo
Categoria: Heterossexual
Data: 22/01/2008 16:58:43
Nota 10.00
Assuntos: Heterossexual
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Nada melhor que um belo dia de sou em uma casa de praia, pois é, tudo começou quando fui passar um fim de semana em uma casa de praia, como sou solteira fui sozinho, queria desopilar um pouco, sempre aos fins de semana costumava ir a te essa casa até que me acontecesse este fato que lhes vou contar agora!

Como de costume eu ia a minha casa de praia aos fins de semana, por alguma vezes eu costumava falar com os vizinhos, são casas um pouco distantes uma das outras, mais á nos conhecíamos pela freqüência de nos cruzarmos na praia, foi quando uma senhora que tem uma casa mais próxima da minha sempre oferecia seus favores, até mesmo algumas de suas comidas que a mesma costumava fazer, e nunca neguei pois era uma senhora viúva sempre ia acompanhada para sua casa de praia com algum filho ou até mesmo sobrinho, então um certo fim de semana esta senhora resolveu ir a sua bela casa de praia com uma neta, que aparentava ter suas 14 anos, de longe não me despertou nada, então entrei em minha casa e fui assistir televisão, quando a campainha toca e lá estava na porta a neta desta senhora, logo me assustei e perguntei o que você deseja jovem? Ela respondeu: minha vó pediu que eu lhe trouxesse este pedaço de bolo, foi uma das vozes mais meigas que eu ouvi na minha vida, recebi o pedaço de bolo e agradeci e logo entrei para voltar a assistir, foi quando não conseguia tirar aquela linda menina de minha cabeça, pois consegui vê-la de perto e ouvir sua linda voz, era uma menina com altura de 1,50, seios pequenos e um lindo bumbum, sua pele claro e lábios bem desenhados, parecia uma boneca, naquela noite não consegui dormi, quando me acordei de manhã fiz questão de ir até a casa daquela senhora que me serviu o bolo para agradecer, mais na realidade fui para rever sua neta, foi quando eu estava sentado na sala e lá vem aquela boneca descendo as escadas somente de camisolo, ela não sabia que eu estava na sala e voltou correndo para o quarto, a senhor respondeu que sua neta é tímida, então já que aquela bela menina não iria descer tão cedo do quarto resolvi me despedir da senhora e ir caminha na praia, quando eu ia saindo a senhora me chamou e perguntou se eu gostava de pudim, eu respondi que sim e ela disse que a noite iria pedir sua neta para deixar um pedaço para mim, pois ela não podia ir, porque estava cansada e com a perna doendo, então disse que estaria esperando... Quando chega a noite eu já esperando por aquela menina quando a capainha toca e lá estava aquela linda menina, pedi para entrar e ela respondeu que não podia e sua vó estava esperando, e eu insisti e disse que logo ela iria, então ela aceitou meu convite, pedi para ela sentar pois estava muito tímida eu comecei a puxar alguns assuntos, como: perguntei sua idade, ela respondeu que tinha 14 anos, perguntei pelo namorado ela disse que tinha ficado em casa, mais ela não falava mais nada além das respostas, resolvi sentar ao lado dela, ela tremia muito, pedi para se acalmar, pois não precisava temer por nada, ao longo da conversa ela foi se soltando mais, comecei a acariciar seu pescoço lhe dizendo que era uma menina linda, ela fechou os olhos e já imaginei que estaria toda molhadinha, fui descendo para sua blusa e baixei as alças lhe deixando com os pequenos peitos pra fora, comecei a mamar naqueles peitinhos que cabia na minha boca, ela gemia muito, deitei ela no sofá de tirei sue short lhe deixando só de calcinha, lá estava eu batendo uma só em olhar aquele corpinho quase todo pelo, então fui tirando a calcinha dela e ela segurou minha mão me dizendo que era virgem, pedi para ela soltar pois eu não iria fazer nada demais, ela deixou e fechou os olhos, comecei a lamber seus clitores, essa menina gemia muito alto, já estava tão molhada que escorria por sua perna, fui metendo o dedo devagar e percebi que realmente ela era virgem pois estava muito apertada aquela bucetinha linda, fiquei por cima dela segurando suas mãos e coloquei meu enorme cacete na entrada de sua bucetinha, ela pedia para eu não fazer aquilo, mais eu percebia que ela estava quase explodindo de tesão, então eu resolvi fazer contra a vontade dela, sabia que iria gostar, foi quando eu forcei devagar colocando apenas a cabecinha e sua xoxota apertada, ela gemia alto pedido para parar, mais eu metia ainda mais, foi quando não entrou mais que a metade do meu cacete lá estava a película de sua virgindade empatando que meu cacete entrasse então estava na hora de forçar mais forte, me preparei e disse a ela que poderia doer um pouco e dei uma assungada com força, a menina deu um grito de dor e tesão e comecei a assungar com força para não esfriar, aquele corpinho lindo se perdia debaixo do meus, ela não tinha para onde correr, quando por fim ela estava chorando e pedindo mais, não sabia que aquele gatinha de 14 anos poderia virar uma fina vagabunda em pouco minutos, o sangue de sua virgindade já tinha tomando de conta, foi quando ela disse que eu não parasse, pedi para ela ficar de quatro que eu iria fazer melhor, quendo ela fica na posição me assustei com a quantidade de sangue que escorria daquela bucetinha pequena, então não podia parar, meti mais em sua xoxota linda e por fim, fui enfiando o dedo em seu cizinho rosado e pequeno, ela gemia de dor me pedindo para esfolar ela, ela parecia uma cachorra no cil, chava ela de vagabunda e ela dizia que eu era uma cachorro, meti naquele cuzinho com força fazendo ela delirar de prazer, logo em seguida ela gozou e lá estava eu de cacete em pé duro como uma pedra, coloquei em em meu colo e encaixei meu caralho enorme naquele carreteu pequeno e rosado, ela gritava de dor e prazer ao mesmo tempo, quando eu estava prestes a gozar pedi para ela ficar de joelhos e engolir toda minha porra, quando gozei por ela não ter costume minha gala foi até sua garganta faendo com que ela se engasgasse, mais disse que era para ela engolir, depois de ter engolido tudo levei ela até o banheiro para lavar o sangue que escorria por suas pernas, quando fica debaixo do chuveiro ela me chama e logo quando chego ela cai de boca em meu cacete que ainda estava mole, chamei ela de cachorrinha e ela quase mordia aquele cacetão, logo ficou duro novamente e levantei ela colocando em meus braços e encaixando sua xoxota nele, dei umas dês assungadas com força e ela gritava de prazer, depois comi aquele cizinho que já estava bastante aberto e vermelho e gozando novamente dentro dele, quando terminamos nos vestimos e fui deixa-lá na casa de sua vó, a coitada mancava de dor, porque tinha sido esfolada por os dois lados, mais até que ela gostou, pois foi mais duas vezes nos dia posterior para repetirmos a dose...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.