Casa dos Contos Eróticos

Feed

Sexo ardente com uma ninfeta virgem

Autor: dan
Categoria: Heterossexual
Data: 10/04/2007 14:41:50
Nota 5.25
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Olá pessoal, meu nome é Dan, tenho 18 anos sou loiro, alto, malhado e moro no Rio de Janeiro. O que irei relatar a seguir aconteceu comigo e uma amiga no ano passado.

Há algum tempo eu estava ficando com uma colega de sala, a Luana*, uma ninfeta deliciosa, que apesar de ter apenas 17 aninhos era muito quente, seios fartos e uma bundinha muito gostosa. Carinha de anjo, delicada, meiga e muito sexy. Morena, olhos verdes, bronzeada e um corpo lindo, de deixar qualquer macho doido. O problema é que ela era virgem e não queria liberar nada. Depois de ficar com ela várias vezes, fui pouco a pouco convencendo ela a se liberar mais e íamos para o quarto dela à tarde depois do colégio.

Só ficava a empregada no apartamento e na maior parte do tempo na área de serviço ou na cozinha, e nos encobria não contando nada para os pais de Luana. Nessas tardes no quarto ouvíamos música, estudávamos e principalmente dávamos uns malhos. Eu pedi muito e ela começou a me bater punheta e a me pagar uns boquetes. Cara, que boquinha de veludo, chupava muito gostoso. Eu retribuía na mesma medida, caindo de boca naquela bucetinha linda, rosada, virgem e cheirosa. Ela era lisinha e macia. Adorava chupar aquele grelo e lambuzava bem. Ela ficava encharcada e gemia de prazer. Fazia ela gozar nos meus dedos. Pedia muito para tirar o cabacinho dela, mas ela sempre desconversava e caia de boca na minha rôla. Luana beijava minha cabeça, passava a língua no pau todo e sugava minha vara. Ela foi evoluindo cada vez mais, até conseguir engolir tudo de um vez. Neste dia ela até lacrimejou, mas ficou feliz por ter se superado. Eu lambia o corpo todo dela. Aquelas tetas deliciosas eram por onde eu começava. Subia pelo pescoço, orelha e beijava ela com muito tesão. Beijos molhados para compensar a ausência de foda e, ao mesmo tempo, incitá-la a querer foder.

Chegou o ponto em que não agüentávamos mais e finalmente ela topou dar pra mim. Fomos para casa dela, almoçamos, fizemos uma horinha estudando na sala e depois que a empregada foi embora fomos para o quarto. Mal ela fechou a porta e eu a agarrei erguendo-a e tirando sua blusinha. Cai de boca naqueles melões e ela disse: “Calma Dan, temos tempo para fazermos tudo hoje” estava louco de tesão, não via a hora de comer ela. Fizemos um 69 na cama e lambuzei aquela xaninha que em breve meu pau iria rasgar. Finalmete ela ficou de quatro e disse: “Vem seu safado, sei que tu quer isso a meses” vierei ela de frente pra mim, não perderia a carinha de anjo dela sendo fodida pela primeira vez. “Vai devagar amor, não quero sentir dor” disse ela. “Vou tirar teu cabacinho com todo carinho minha princesa, a última coisa que quero ver é você sofrer”. Meti a cabeça de leve e ela já foi se contorcendo, minha vara ia sumindo dentro daquela grutinha quente, macia e molhada. Fui metendo, metendo e metendo, aumentando o ritmo das estocadas até ela começar a gemer mais alto. Fiquei preocupado com os gritos, mas ela me disse que estava sentindo prazer. Aproveitamos muito aquela tarde. Ela sentou no meu pau e cavalgou gostoso, depois comi ela de quatro como ela me pediu e depois fomos trepar de ladinho na cama.

Estávamos suados e exaustos desta maratona de prazer, não agüentei mais e disse que iria gozar. Minha putinha abriu a boca pedindo porra. Levantei da cama e comecei a punhetar na cara dela. Gozei gostoso na boquinha de Luana que se lambuzou com meu leite. Foi uma gozada maravilhosa, com direito a espanhola naquelas tetas cheias de esperma. Depois fomos tomar banho, já eram umas 18h. No banheiro foi esquema rápido pois além de estarmos cansados, seus pais logo chegariam, mas eu ainda lasquei uns beijos molhados e cheios de tesão naquela ninfeta safada completamente saciada. Num outro dia seu pai chegou bem no começo de uma foda, num boquete delicioso, corri já pelado pra debaixo da cama e esperei o velho entrar no banheiro enquanto ela o recebia com um sorriso amarelo. Nessa dia eu e ela gelamos, mal sabe o papai que o cabacinho da sua filhinha já foi pro espaço. Fodemos ainda várias vezes até ela mudar de escola, e consegui até comer o seu rabinho apertado, mas essa já uma outra história.

*o nome foi alterado

Comentários

02/01/2012 14:57:29
Será mesmo sei não, ela não sentiu nem dor. E ela te pede pra tira a virgindade de 4. Rsrsrs que mentira em. Da próxima seja mais realista
02/01/2012 14:54:45
Sei não, nem sentiu dor. Eu pra perde a virgindade senti muita dor olha que tava mto êxitada e meu namo era mto cuidadoso. Da próxima amigo tenta coloca mais realidade no conta bjos
07/01/2009 17:30:52
Nada a v, duvido q ela era virgem mesmo!! mas gostei do conto
07/01/2009 17:30:16
Nada a v
11/04/2007 18:17:17
Vou dedicar um tempinho pra Bia fazer igual (leia Nua aos 14)
10/04/2007 16:22:05
virgenzinha e já foi logo ficando de quatro pra dar a buceta? chupando pau com experiencia? essa putinha mandou costurar a buceta e te enganou direitinho rsrsrsrsrs...
10/04/2007 16:20:10
virgenzinha e já foi logo ficando de quatro pra dar a buceta? essa putinha mandou foi costurar o cabaço isso sim...
10/04/2007 14:52:55
adorei...queria alguem assim pra tira meu cabacinho tambem...parabens pelo conto...
10/04/2007 14:52:49
adorei...queria alguem assim pra tira meu cabacinho tambem...parabens pelo conto...

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.