Casa dos Contos Eróticos

Feed

Meu vício de ser fêmea de Mendigos

Autor: Sexo 1000
Categoria: Homossexual
Data: 22/02/2007 17:20:02
Nota 7.57
Assuntos: Homossexual, Gay
Ler comentários | Adicionar aos favoritos | Fazer denúncia

Meu nome é Ricardo(Ricardete para os intimos rssssss), tenho 30 anos, mas aparento bem menos, pareço ser novinho, principalmente de barba feita, sou moreno claro, queimado do sol, tenho corpo proporcional, pernas grossas, pouquíssimos pêlos no corpo, nenhum no peito, tenho a bunda muito bonita e durinha, sem pêlos, e sou bonito realmente. Me visto como homem, ando como tal, falo como tal, pois na sociedade sou hiper discretíssimo, pois não tenho trejeitos afeminados e coisas assim, como também não freqüento meio gay. Mas desde a adolescência, sou fascinado por roupas femininas, principalmente calcinhas, tanguinhas, biquínis e roupas íntimas; comecei vestindo as calcinhas da minha irmão quando ela saía, me fantasiando no espelho e me masturbava imaginando uma relação homossexual, onde eu era passivo. Sempre tive namoradas, transava com elas, mas no meu íntimo eu queria ser feito de menina, até que um dia criei coragem e aconteceu, de uma maneira rápida e escondida, mas realizei minha fantasia, dentro de uma construção com um mendigo. Confesso que não foi o máximo, pois eu nem gozei, mas me satisfiz de saber que dei prazer a um homem. Bem vamos ao que interessa, depois disso, acabei percebendo que se eu quisesse ser passivo e não me comprometer na sociedade, poderia transar com andarilhos e pessoas largadas pela sociedade. Passei anos sem ter outra relação dessas, pois além de tudo sou medroso, mas meu desejo começou a tomar conta de mim novamente, e nessa época, eu estava mais velho e minha irmã já havia se casado, ficando sós eu em casa com meus pais. Trancava a porta e dormia só de calcinha, introduzia objetos no meu anus e coisas assim. Um dia, após ter curtido uma balada com os amigos, passamos de frente um supermercado abandonado, que ficava alguns quilômetros da minha casa e pude perceber que mendigos dormiam lá dentro, e na hora me deu uma sensação de calor, mas nada podia fazer, pois meus amigos nem desconfiavam da minha fantasia. Os dias se passaram, e eu com a cena daquele lugar na cabeça, me masturbando todos os dias, imaginando um daqueles mendigos me fudendo. Esperei uma data propícia, pois na cidade que eu trabalhava (diferente da que eu morava), seria aniversário, então eu não trabalharia, enquanto todos da minha cidade não usufruiriam daquele feriado, estando então as ruas vazias na madrugada. Criei coragem, coloquei uma calcinha pequena, vesti uma calça folgada por cima, para não marcar é lógico e ninguém perceber e saí de casa por volta das 23:30h, alegando que iria dormir na minha namorada. Estacionei próximo ao local e tomei um gole de conhaque, que eu havia levado dentro do carro, para poder me dar forças, pois sou muito cuidadoso e medroso. Andei alguns metros até a porta desse galpão vazio (o supermercado abandonado), olhei para os lados e a rua estava deserta, então me abaixei e entrei pela porta de aço, que não estava suspensa, mais do que 20 cm, praticamente tive de me arrastar pelo chão. Lá dentro estava escuro, apenas com uma pequena luminosidade da lua, que entrava por fresta nas telhas e por baixo da porta de aço, meu coração estava acelerado, pois para mim que sou cauteloso, aquilo era como pular de um precipício. Tomei mais um pouco de conhaque e senti descer queimando minha garganta, pois minhas pernas tremiam e começou a me dar calor, me deixando um pouco mais calmo. Caminhei por dentro do galpão e pude ver três mendigos dormindo, em pontos separados no interior do local, então eu teria de escolher um par atentar algo, de forma que não chamasse a atenção dos outros. Escolhi um que dormia dentro de umas paredes, que supostamente deveria ser um armazém quando aquele supermercado funcionava, pois dali, os outros não tinham visão. Estava muito escuro, mas dava para perceber que era um senhor moreno, um pouco escuro, já aparentando uns 40 e poucos anos, dormia de barriga para cima. Tomei mais um pouquinho de conhaque, coloquei a garrafa no chão, tirei minha camiseta, minha calça e fiquei de calcinha em meio à escuridão, pois aquela sensação de ser descoberto, me dava muito tesão. Meus pensamentos dominavam minha cabeça e meu corpo, já estava um pouco alegre, pois o conhaque começava a fazer efeito, rebolei um pouco ao lado daquele mendigo, pois fazia parte da minha fantasia, meu pinto começava a endurecer, dobrado para trás dentro da calcinha, que estava enfiada dentro da minha bunda; confesso que não agüentei aquela sensação de tesão que fazia meu corpo tremer e amolecer ao mesmo tempo, me ajoelhei ao lado daquele homem e com muito cuidado, fui desabotoando sua calça, na verdade soltando uma cordinha em forma de laço, pois não havia botões. Ele não usava cueca, então fiquei de frente com seu pênis flácido, com as laterais do zíper abertas uma para cada lado, toquei de forma suave naquele membro, não era grande, e antes que eu pudesse criar juízo, comecei a chupá-lo bem devagar enquanto ele dormia. O cheiro do seu sexo estava forte, pois devia ter urinado e não se limpado, mas isso não me impediu deu continuar minha aventura. Bem rápido, percebi que seu pinto enrijeceu e ele acordou, porém de forma suave, não se assustou, pelo contrário, apenas ergueu um pouco a cabeça para ver quem era, e colocou a mão na minha nunca, tentando dizer que estava gostoso e controlando o ritmo. Bom, minha investida tinha dado certo, fiquei mamando aquela rola, a qual falei, não era grande e nem grossa, mas eu não estava ali para escolher e sim satisfazê-lo, pois essa é minha fantasia, satisfazer um homem. Então antes que ele gozasse, parei de chupá-lo e me levantei, daí ele pode me ver só de calcinha no meio daquela escuridão, o que ele também se levantou, sem dar uma palavra, me abaixei ficando de quatro para pegar a garrafa, propositalmente, e senti aquela encoxada por trás, me segurando pela cintura, voltei meu corpo para posição normal e fiquei roçando minha bunda em seu pau ereto; com uma das mãos ele abraçou minha barriga, como se quisesse dizer que não deixaria eu sair dali, pois impunha bastante força e com a outra explorou minha bunda, apertando-a e sentindo a lingerie que eu usava, e já foi afastando a calcinha com os dedos e tentando enfiar seu dedo no meu anus, o que não entrou, pois estava seco. Tirei sua mão da minha bunda e chupei seu dedo, de forma a deixá-lo lubrificado e voltei-o a meu cuzinho, o que sem pudor nenhum me penetrou. Eu estava excitadíssimo com aquela situação e fazia tudo que uma mulher faz com seu macho, comecei a rebolar com seu dedo dentro de mim e com minha mão, segurava seu pau atrás das minhas costas, masturbando-o; ele também estava envolvido com aquilo, então tirei sua mão novamente da minha bunda, tirei a outra da minha cintura e me ajoelhei na sua frente, voltando a chupá-lo, para deixar seu pênis bem molhado e babado. Me levantei, afastei a calcinha para o lado, passei saliva no meu anus e guiei a ponta do seu pinto até a entrada do meu cuzinho e fui controlando a penetração, pois por ele, entrava de uma só vez. Senti seu membro dilacerando minhas entranhas, minhas preguinhas queimavam e ardiam, me deu até dor de barriga, mas eu não iria desistir e agüentei a entrada por completo, até seu pau atingir o fundo; segurei-o um pouco, para acostumar com ele dentro de mim, então o soltei. O mendigo parecia que nunca havia transado, devia estar a um bom tempo sem por sua rola em um buraco, pois parecia até um estupro da maneira que ele me comia, de forma rápida e violenta; segurei suas mãos em meus peitos e jogava minha bunda contra seu quadril, e ele não agüentando estocou mais rápido e forte ainda, soltando todo seu leite dentro do meu cuzinho e me prensando contra a parede, suspirando forte na minha nuca. Que sensação maravilhosa, ter sido usado como fêmea por um desconhecido; arrumei a calcinha e lhe ofereci o conhaque que estava no chão, o qual não recusou e tomou. Eu ainda estava só de lingerie, pois esse tesão de outro homem me ver vestido assim toma conta de mim e queria aproveitar ao máximo. Terminou de beber e se sentou no chão, ou naquilo que ele acha que é a cama dele. Então tive outra idéia, iria tentar com outro mendigo; saí pelo galpão escuro, andando devagar para não tropeçar nas coisas, e rebolando muito, queria me sentir mulher vadia, então cheguei até perto do outro, que dormia em um sono profundo, pois roncava alto. Fiz o mesmo procedimento do primeiro, só que esse acordou assustado, me empurrando, mas logo que percebeu minha intenção e o traje que eu vesti, ficou de pé e mandou eu chupá-lo, abaixou uma bermuda que usava até o chão e me pus de joelhos na sua frente e mandei ver; seu pinto era praticamente igual ao do outro, médio e pouca coisa grosso, mas caprichei na chupeta. Era um senhor também, de seus 40 e poucos anos, mas branco e cheirava melhor, por isso o capricho, e esse já gostava de me humilhar, pois me chamava de viadinho, falava obscenidades, e aquilo foi me excitando tanto que nem percebi quando ele gozou na minha boca, me pegando desprevenido, engolindo quase tudo que ele soltou, o que me deu ânsia de vômito na hora e me engasgando. Enquanto eu tossia de lado ajoelhado no chão, ele veio por trás e empurrou suas mãos em minhas costas, me deixando de quatro e se ajoelhando atrás de mim, percebi suas intenções e me postei da maneira que ele queria. Só senti suas mãos ásperas afastando minha calcinha e depois seu pinto abrindo caminho dentro de mim. Entrou bem mais fácil, pois estava laceado da primeira relação e lubrificado com o esperma do primeiro. As estocadas eram fortes e violentas também, mas eu agüentava firme, pois estava sendo dominado por um macho cheio de vontade de me fuder, a única coisa que me incomodava, era aquele gosto de porra na boca, mas isso era o de menos. Meu cuzinho ardia, mas eu estava maravilhado com aquilo que nem me importava com nada, então pedi para ele deitar e rapidamente passei por cima dele e sentei com tudo, o que fez ele soltar um suspiro de dor, mas comecei a cavalgar com força, com as mãos sobre seu peito, como uma mulher faz com seu marido, não tenho palavras para descrever o tesão que eu estava, pois meu pinto estava dobrado para trás dentro da calcinha e roçava na região pubiana dele, me masturbando sem colocar a mão, o que fez com que eu não agüentasse e gozei como nunca havia gozado antes, com um membro dentro de mim, meu cuzinho piscava, fazendo ele ir a loucura com palavrões sem pudor nenhum, melei toda calcinha com meu esperma e fiquei parado um pouco, para recompor as forças e me dar conta da loucura que estava fazendo, tipo Maria arrependida, mas era tarde, ele se movimentava dentro de mim, queria gozar de novo, abria minha bunda com as mãos e tentava colocar um dedo junto com seu pau, até que consegui, então voltei a ficar com tesão e aumentei o ritmo da cavalgada, pedindo para ele gozar dentro de mim, o que fez ele ir a loucura e socar com toda violência seu cacete em mim, gozando muito dentro de mim. Eu estava cansado e fiquei alguns minutos sentado sobre seu corpo, esperando seu pinto amolecer e quando levantei quase caí, minhas pernas estavam moles. Voltei a calcinha para o lugar, estava toda melada em baixo, me dando uma sensação estranha, meu cuzinho laceado e cheio de porra também, mas são sensações indescritíveis que as mulheres devem sentir, vale a pena experimentar. Eu estava ofegante ainda, e lhe ofereci um pouco de conhaque, porém explique a ele que estava com o outro senhor, então ele foi me acompanhando até o cômodo onde estava o outro mendigo e minhas roupas e dando umas apertadinha na minha bunda, o que me fazia rir para ser gentil com ele. Quando cheguei no local do primeiro, tive uma surpresa, ele estava bebendo com o terceiro, o que eu não havia visto de perto ainda, daí esse terceiro fez um comentário: essa é a putinha que falou, pensei que era mentira, então me bateu uma vergonha, não sei porque, e eu ainda só de calcinha. O segundo se sentou ao lado dos outros dois, bebeu um gole e falou: acabei de dar um trato no viadinho. Nossa, que sensação boa para aqueles que gostam de serem humilhados como eu, pois eles falavam de mim, como seu eu fosse um objeto de prazer deles. Foi aí que completou minha noitada, o terceiro se levantou, um cara até jovem, por volta dos seus 25 anos, negro, e falou: então eu também quero, vem aqui viadinho, não dei uma palavra, e como uma puta obediente, fui até ele, me ajoelhei, abri sua calça, pus seu membro um pouco grande e grosso para fora e comecei a chupar, na frente dos outros, trabalhei aquela rola, até que ficou volumosa, com uns 20 cm de tamanho, grossa e para piorar, cabeçuda, mal cabia na boca. O segundo mendigo que estava próximo de mim, dava tapas na minha bunda e mandava eu caprichar para eles verem, enquanto bebiam, esse terceiro também era desinibido e falava obscenidades para mim, mandando eu engolir seu pau, chupar direitinho, até que o segundo mandou ele me enrabar, foi aí que fiquei sabendo que ele se chamava Marcos. Fiquei de quatro, Marcos ficou nu por completo e se posicionou atrás de mim, deitei minha cabeça no chão para empinar bem a bunda, ele abriu bem minhas pernas, me deixando arreganhado e foi tentando me penetrar. Apesar de estar lubrificado de esperma, seu pinto não entrava, a cabeça era muito grossa, não vou dizer que estava doendo, pois eu havia transado duas vezes, mas queimava pra valer, então passei bastante salive no meu cuzinho e no pinto dele, me posicionei de novo, ele forçou até que meu anus cedeu a sua investida, fazendo eu levantar minha cabeça na hora e segurá-lo um pouco, pois deu uma dor aguda por dentro e o segundo mendigo ao perceber disse: Ah! Ele sentiu sua Jeba Marcos. O calor tomava conta do meu corpo, minhas pernas já estavam moles de tanto ficar de quatro e levar rola, então fui soltando o corpo dele para que pudesse me penetrar mais, sentindo cada cm daquele cacete arrombar meu cuzinho, porém controlando a entrada. O primeiro mendigo vendo aquela cena, levantou-se, tirou também toda sua roupa e se deitou na minha frente, puxando minha cabeça para chupá-lo. Caros leitores, imaginem a cena, eu, há vários anos sem ter uma relação sexual homossexual, só de calcinha, em meio a escuridão, sendo fêmea de três mendigos desconhecidos, que me usavam e me humilhavam, e eu ciente e concordando com tudo. Aquela cena me fascinava, três desconhecidos conhecendo meu segredo e me usando, então caprichei na chupeta para o primeiro e não me importei com a estocadas do terceiro, que se empolgou e querendo fazer uma média para os outros dois, dava tapas na minha bunda e me chamava de vadia. Senti aquele membro descomunal sumir dentro de mim, pois seus pelos tocavam minha bunda, então resolvi que queria gozar de novo, pedi para o Marcos se deitar, e subi nele, só que de cócoras, fiz seu pinto sumir dentro de mim sentando nele, enquanto chupava o primeiro, que ficou em pé ao meu lado. Sentei por completo, sentindo aquela rola queimando dentro de mim e fiquei sem fazer movimentos, pois doía um pouco, enquanto mandava ver no pinto do primeiro, que não pensou duas vezes, segurou minha cabeça e encheu minha garganta com seu esperma e como eu já estava com o tesão a flor da pele de novo, deixei e engoli tudo, sendo motivo de humilhação pelos outros dois, principalmente por Marcos, que começou a me chamar de nomes vulgares, mas eu gostava daquilo. Bem, agora só faltava fazê-lo gozar e gozar também, e do jeito que eu estava de cócoras com ele enterrado dentro de mim, comecei a rebolar, para que meu pau friccionasse nele, me masturbando assim. Apoiado segurando em suas mãos, rebolei, cavalguei e me esfreguei muito nele, fazendo eu delirar literalmente, perdendo a noção de tempo e espaço, ficando em êxtase total, até que não agüentei e gozei muito de novo, ficando sem força para continuar a cavalgar, porém Marcos não havia gozado. Pedi para que viesse por cima, me coloquei de quatro, enquanto ouvia o segundo dizendo que eu não estava satisfeito e queria mais rola, porém não era isso, eu só queria que o terceiro gozasse. Afastei de novo a calcinha, coloquei meu rosto no chão e senti o cacete do Marcos me rasgar de uma só vez, senti muita dor, mas fiquei quieto, enquanto ele impunha o ritmo e a força das estocas. Depois de uns cinco minutos agüentando aquela ferramenta arrasadora de cu, o terceiro aumentou ainda mais o ritmo e a força, me segurando pela cintura, fazendo eu até levantar meu rosto do chão e dizendo: toma porra viadinho e então senti seu pinto pulsar dentro de mim e lavar o interior do meu cuzinho de esperma. Quanto ele saiu de dentro de mim, arrumei a calcinha, peguei minhas roupas e me vesti, agradeci os três que estava sentados no chão e me despedi, então o segundo disse: quando quiser é só aparecer e trazer outra garrafa. Peguei meu carro e voltei para casa, já estava amanhecendo, entrei no meu quarto e me tranquei, dormindo só de calcinha, com um papel higiênico no meu anus, simulando um absorvente, pois estava saindo sangue e esperma. Naquele dia acordei já eram mais de 14:00h, todo dolorido, com dor de barriga, corri para o banheiro e saiu todo o esperma do três machos da noite. Se você tem o tesão de comer outro cara na frente de um amigo, ou ver um mendigo fuder um carinha novo e sabe onde esse mendigo dorme, me escreva, podemos realizar inúmeras fantasias suas, eu não me importo qual seja. Sou realmente bonito. Sexo1000@hotmail.com

E-mail= sexo1000@hotmail.com

Comentários

05/07/2011 01:44:58
Vai tomar no olho do cu filho de uma puta, Nota ZERO.
31/10/2009 15:05:28
meu amigo eu creio que vc ñ tem muito tempo de vida sua bichona
®
14/03/2009 12:11:50
RAPA^Z, VC ESTA CHEIO DE DEMÔNIO. JOAO 10:10 DIZ QUE SATANAS VEIO PARA MATAR, ROUBAR E DESTRUIR. EM Apocalipse 21:8 Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. Apocalipse 22:15 Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. PROCURE UMA IGRAJA EVANGÉLICA E BUSQUE POR LIBERTAÇÃO, POIS AINDA DÁ TEMPO DE VC TER AVIDA ETERNA E SER UMA PESSOA DIGNA NESTA TERRA.
28/02/2007 19:15:13
É amigo! Como já lhe disseram, se este conto for verdade, faça mesmo um teste de AIDS, pois vc vacilou feio. São pessoas como vc q está transmitindo a AIDS por comportamentos inconseqüentes e irresponsáveis como este seu. Manezão!
22/02/2007 20:14:43
adorei essa transa que vc teve com os 3 mendigos, fiquei com muito tesão, meu pau ficou muito duro, queria comer esse seu cuzinho delicioso! quero te conhecer:sexo69sexo69sexo@hotmail.com
22/02/2007 19:51:32
Beleza de conto também curto ser usado e seu conto me deixou de pau duro.
22/02/2007 18:38:28
ce é da onde quero seu cuzinho
22/02/2007 18:20:49
É meu amigo é por existir pessoas como vc que a AIDS esta galopando a passos largos. Tome juízo faça um teste de HIV e seja mais consciente. Vc já não é criança.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.